SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Recepção e avaliação
do recém-nascido.
Cuidados mediatos e imediatos.
Enfermeira Tuanny Sampaio
• As causas mais frequentes de mortalidade neonatal: doenças
respiratórias, as malformações e prematuridades.
• Os neonatos são classificados quanto: ao risco de morte e
potencial para complicações em baixo, médio e alto risco.
• Ao nascer, o RN também é classificado quanto a idade
gestacional (IG), peso e relação entre peso e IG.
• Após o nascimento são utilizados boletins para avaliar a IG
(Método de Capurro e New Ballard Score).
• A assistência ao RN pode ser dividida em mediata e imediata.
Cuidados imediatos
• Cuidados imediatos: realizado nas primeiras 12 horas de vida.
• Realizar:
- Verificação da permeabilidade da via aérea.
- Manter temperatura corporal
- Clampeamento do cordão umbilical
- Colocar o bebê no seio materno (menos mães com HIV positivo).
Material para admissão do RN
• Berço de calor irradiante, 2 campos cirúrgicos aquecidos.
• Fonte de vácuo com manômetro e de 0² com
termoumidificador e fluxômetro.
• Laringoscópio com lâminas retas zero e um, com pilhas.
• Cânulas endotraqueais, sem balonete, n:2.0 , 2.5, 3.0, 3.5, 4.0
• Bandagem adesiva elástica para fixação
• Reanimador pulmonar manual neonatal, com válvula
unidirecional e reservatórios de 0² com mascara n.0 e 1.
• Sondas de aspiração n° 6, 8 e 10.
• Oxímetro
• Estetoscópio neonatal
• Relógio com segundos;
• Material com cateterismo umbilical;
• Filme transparente para envolver o RNPT;
• Adaptador para aspirador de mecônio;
• Clamps de plástico ;
• Material para drenagem torácica ;
• Sonda gástrica n° 6 e 8, agulhas e seringas de diversos calibres
e tamanhos;
• Solução de Nitrato de Prata a 1%;
• Tubos para coletas de exames;
• Medicamentos para uso de reanimação;
• Incubadoras para transporte com torpedo de 0².
Primeiros cuidados
• Limpeza de vias aéreas superiores
- Limpeza de boca e narinas com compressa estéril ou “pera”
manual, se necessário.
• Clampeamento Umbilical
- Realizado após o inicio da respiração ou parada da pulsação
dos vasos umbilicais.
- O clampeamento deve ser feito a 3cm do anel umbilical,
com látex, fio ou grampo plástico. Observar o pinçamento dos
3 vasos .
• Em prematuros extremos, asfixios e isoimunizados
recomenda-se o cateterismo umbilical, o pinçamento é
realizado a 8 cm e o colo é envolvido em gaze estéril e soro
fisiológico.
• Clampeamento após um minuto eleva o hematócrito, após
cinco minutos pode causar desconforto respiratório.
- A manutenção do RN abaixo do nível da placenta ou a
realização da ordenha do cordão são indicadas em casos de
Deslocamento Prematuro de Placenta (DPP), placenta de
inserção baixa com sangramento intenso, prolapso do cordão,
RN anêmico por hemorragia aguda. A ordenha é contra-
indicada em casos de isoimunização Rh, mãe em anestesia
geral e doenças autoimunes.
• Coleta de sangue placentário
- Para tipagem sanguínea, Coombs, sorologias e etc. Por meio
de aspiração direta por agulha, dos vasos fetais no cordão ou
na face fetal da placenta.
• Recepção do RN
- Em campos estéreis e aquecidos, utilizando EPI’s.
- Secar o bebê, colocar em berço de calor radiante, em
decúbito lateral, retirar os campos úmidos. Neste momento o
médico estará aspirando a boca e nariz.
Índice de Apgar
Identificando o Recém-nascido
• Identificar o RN com pulseira e tornozeleira em plástico. Se
houver parto múltiplo identificar ordem de nascimento, nesta
deve conter nome da mãe, registro hospitalar e data de
nascimento.
• Realizar impressão do plantar do RN e a digital do polegar
direito da mãe.
Mensuração de medidas antropométricas.
• Coleta de dados: peso, estatura, perímetro cefálico (PC),
perímetro torácico (PT), perímetro abdominal (PA).
• Estatura: Medir da proeminência occipital ao calcanhar.
• PC: circundar da proeminência frontal ao occipital (micro ou
macrocefalia).
• PT: circundar o tórax na altura do mamilo- indicar ausência de
algum órgão.
• PA: circundar o abdome na altura do coto umbilical.
Admissão no berçário
• O RN é registrado em livro próprio, conferida identificação,
colocado em berço aquecido por seis horas para observação.
• Observar a frequência cardiorespiratória após o nascimento ela
se encontra de 160 a 180 bpm por aproximadamente 10 a 15
minutos, até 100 a 120 bpm.
• A respiração é irregular nos primeiros 15 minutos, variando de
60 a 80 movimentos respiratórios por minuto.
Prevenção de oftalmia, doença hemorrágica e hepatite
B
• Método de Credé
- Colírio de nitrato de pata a 1%; é fotossensível;
- O excesso deve ser retirado com gaze embebecido em água
estéril ou soro fisiológico.
- Para o RN com infecção gonocócica ativa, introduz-se a
antibioticoterapia parenteral.
• Vitamina K
- Catalisar a síntese de protrombina no fígado, necessária para
coagulação sanguínea.
- Previne a doença hemorrágica do neonato, causada por
deficiência de fatores de coagulação;
- Técnica: Administra-se uma dose intramuscular na primeira
hora de vida (0,5 mg para RN pré-termos e 1 mg para RN a
termos). E repetir os 2 mg por via oral nos RN a termo em
aleitamento materno que tenham recebido a 1° dose também
por via oral, entre 7 a 15 dias .
• Vacina contra Hepatite B
- Administrado nas primeiras 12 horas de vida ;
- A primeira dose deverá ser aplicada no vasto lateral da coxa (
via IM);
- Vitamina K na coxa direita e hepatite na coxa esquerda,
normalmente.
Características do RN
• Pálpebras edemaciadas;
• Unhas compridas;
• Pele delicada geralmente descama nas duas primeiras semanas;
• Alguns apresentam vesículas de sebo no nariz e bochecha;
• Rachaduras na pele em tornozelo e punho devido à pele
ressecada;
• Perda de ate 10% do seu peso nos primeiros dias de vida,
• Geralmente o RN ganha por dia 30 gramas;
• As cólicas ocorrem pela adaptação natural do intestino para
receber um alimento novo.
• A icterícia é uma alteração que provoca cor amarelada na pele
do bebê, ou nos olhos. Provocado por alteração no
metabolismo da bilirrubina produto final da hemácia.
• Observar no exame físico malformações grosseiras,
tocotraumatismos e alterações cardiorespiratórias ainda na sala
de reanimação.
• O soluço é um espasmo ou contração do diafragma de origem
reflexa, ocorre nos primeiros meses de vida.
Cuidados com as fontanelas.
• As fontanelas são aberturas no osso do crânio do bebê
separado por linhas abertas chamadas de sutura.
• Função: promover o momento do parto, facilitando a
passagem do bebê pelo canal vaginal e permitir o crescimento
adequado do cérebro.
• A fontanela maior fecha-se por volta de 18 meses, a fontanela
menor fecha-se por volta do 2°mês.
• Se a fontanela estiver deprimida indica desidratação, se estiver
inchada indica pressão intracraniana (PIC).
Cranioestenose
Fechamento precoce das fontanelas e suturas
ocorrendo
deformidades no crânio, já que o cérebro fica sem
espaço
para crescer. Não tem causa definida, mas pode ter
motivos hereditários, intrauterino, infecção ou uso de
medicação na gestação como anticonvulsivante. O
diagnostico é feito por neuroimagem e radiológico. O
tratamento é cirúrgico.
Avaliação Neurológica
• Tipos de reflexos
- Moro: Extensão e abdução das extremidades, seguido de
movimento de abraço.
- Busca: Estimulação dos cantos da boca.
- Sucção: Reflexo de busca mais o reflexo de amamentação.
• - Preensão plantar e palmar: coloca-se o dedo do examinador
ou lápis na base da superfície plantar ou palmar dos dedos do
RN. Movimento de flexão forte capaz de prender o objeto.
- Tônus do pescoço: Quando a cabeça do RN é virada
rapidamente para um lado, as extremidades daquele lado
estendem-se e as do lado oposto e flexionam-se.
- Extensão cruzada dos MMII: Sob estimulo doloroso em um
pé, o bebê retira o pé estimulando com extensão variável da
perna oposta.
- Marcha: Desencadeada quando o bebê é suspenso, é parece
querer caminhar.
- Reflexo de Babinski: Esfregar o lado externo da planta do pé
para cima. A resposta é a dorsiflexão do hálux e abertura dos
artelhos em leque.
Higiene corporal
• Não há necessidade de banhar o bebê ainda no centro
obstétrico, apenas se a mãe é HIV+, mas bebês saudáveis, o
banho deve ser dado quando os sinais vitais estiverem estáveis
e sido amamentado.
• O RN perde muito calor nas primeiras semanas, portanto a
cabeça deverá ser lavada antes que o corpo seja porto em
imersão.
• As orelhas devem ser protegidas pelos dedos polegar e
indicador, para não entrar água.
• Trocar a fralda a cada eliminação e limpar com algodão e água
morna
Higiene Oral
• Gaze embebecida com água morna;
• Realizar massagem na boca do bebê;
• Observar se há secreção, sujidade e cor da língua.
Higiene umbilical
• Antissepsia com álcool a 70%;
• A fralda deverá ser dobrada para que fique o coto para fora;
• Não usar faixa ou cobertura;
• Verificar secreção, coloração e odor fétido;
• O clamp deve ser removido depois de 24 a 48 horas.
Rotina Alimentar
• Avaliar reflexo de busca e sucção.
• Iniciar amamentação logo após o parto (Se resultado negativo
para HIV).
• Amamentação sobre livre demanda;
• Observar as primeiras mamadas, detectar dificuldades na pega,
sucção, descartar sinais de atresia esofágica;
• Observação de micção espontânea nas primeiras 16 horas de
vida e mecônio nas primeiras 24 horas.
Referências
• Santos, Aretha. Guia prático de enfermagem: processos,
técnicas, SAE, NANDA/ Aretha Santos, Tatiane Marangoni-
São Paulo: PAE Editora, 2010 .
• Souza, Aspásia Basile Gesteira. Enfermagem Neonatal
cuidado integral ao recém-nascido/ Aspásia Basile Gesteira
Souza, organizadora.- São Paulo: Martinari, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemjusantos_
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemBeatriz Cordeiro
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroJuliana Maciel
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoAmanda Thomé
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Eduardo Gomes da Silva
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxMirnaKathary1
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto tvf
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 39999894014
 

Mais procurados (20)

Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 

Destaque

Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoLaped Ufrn
 
Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto
Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos partoCuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto
Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos partoTizah Roldão
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Neto Pontes
 
Classificação de RN
Classificação de RNClassificação de RN
Classificação de RNArnaldo Neto
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rnMickael Gomes
 
Assistência de enfermagem ao RN.
Assistência de enfermagem ao RN.Assistência de enfermagem ao RN.
Assistência de enfermagem ao RN.LeiaSimoneSousa
 
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Liene Campos
 
Enfermagem em neonatologia
Enfermagem em neonatologiaEnfermagem em neonatologia
Enfermagem em neonatologiaCarlos Seabra
 
Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Juliana Maciel
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCamila Oliveira
 
Os cuidados com o coto umbilical no alojamento conjunto
Os cuidados com o coto umbilical no alojamento conjuntoOs cuidados com o coto umbilical no alojamento conjunto
Os cuidados com o coto umbilical no alojamento conjuntopryloock
 
Atencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MS
Atencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MSAtencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MS
Atencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Circulação fetal
Circulação fetalCirculação fetal
Circulação fetaloeiras123
 

Destaque (20)

Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Exame Físico do RN
Exame Físico do RNExame Físico do RN
Exame Físico do RN
 
Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 
Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto
Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos partoCuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto
Cuidados e procedimentos de enfermagem no pré e pos parto
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
 
Classificação de RN
Classificação de RNClassificação de RN
Classificação de RN
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
 
Teste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatalTeste de triagem neonatal
Teste de triagem neonatal
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Avaliação da dor no recém-nascido
Avaliação da dor no recém-nascidoAvaliação da dor no recém-nascido
Avaliação da dor no recém-nascido
 
Assistência de enfermagem ao RN.
Assistência de enfermagem ao RN.Assistência de enfermagem ao RN.
Assistência de enfermagem ao RN.
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
Atenção ao recém nascido prematuro de risco em uruguaiana versão3
 
Enfermagem em neonatologia
Enfermagem em neonatologiaEnfermagem em neonatologia
Enfermagem em neonatologia
 
Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Os cuidados com o coto umbilical no alojamento conjunto
Os cuidados com o coto umbilical no alojamento conjuntoOs cuidados com o coto umbilical no alojamento conjunto
Os cuidados com o coto umbilical no alojamento conjunto
 
Atencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MS
Atencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MSAtencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MS
Atencao humanizada recem_nascido_METODOLOGIA MÃE-CANGURU MS
 
Circulação fetal
Circulação fetalCirculação fetal
Circulação fetal
 

Semelhante a Recepção e avaliação do recém-nascido.

materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxLuanMiguelCosta
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxSuaMeKksh
 
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptxASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptxNatasha Louise
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfJackeline Moraes
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxgizaraposo
 
Atuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatalAtuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatalDanielle Carneiro
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marionlaiscarlini
 
Cuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnCuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnAlvaro Felipe
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Larissa Lemos
 
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o BebêCordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o BebêCORDVIDA
 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEpamelacastro71
 
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfKarineRibeiro57
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Antonio Souto
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxDokiNorkis
 

Semelhante a Recepção e avaliação do recém-nascido. (20)

materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptx
 
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptxASSISTÊNCIA AO RN.pptx
ASSISTÊNCIA AO RN.pptx
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
 
Recem nascido
Recem nascidoRecem nascido
Recem nascido
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
 
Atuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatalAtuação do enfermeiro em unidade neonatal
Atuação do enfermeiro em unidade neonatal
 
Neonatologia
NeonatologiaNeonatologia
Neonatologia
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion
 
gestantes.pptx
gestantes.pptxgestantes.pptx
gestantes.pptx
 
ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA
 
Cuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnCuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rn
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
 
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o BebêCordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
CordVida - Apresentação curso cuidados com o Bebê
 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
 
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
 
Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013Suporte básico de vida em pediatria 2013
Suporte básico de vida em pediatria 2013
 
03 saúde da criança 2012
03  saúde da criança 201203  saúde da criança 2012
03 saúde da criança 2012
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 

Mais de Tuanny Sampaio - Estética Avançada (7)

Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
 
Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
Paciente internado
 
Ética Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na EnfermagemÉtica Profissional na Enfermagem
Ética Profissional na Enfermagem
 
Radiofrequência
RadiofrequênciaRadiofrequência
Radiofrequência
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal. Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
Hiperbilirrubinemia e fototerapia neonatal.
 

Último

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 

Último (11)

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 

Recepção e avaliação do recém-nascido.

  • 1. Recepção e avaliação do recém-nascido. Cuidados mediatos e imediatos. Enfermeira Tuanny Sampaio
  • 2. • As causas mais frequentes de mortalidade neonatal: doenças respiratórias, as malformações e prematuridades. • Os neonatos são classificados quanto: ao risco de morte e potencial para complicações em baixo, médio e alto risco. • Ao nascer, o RN também é classificado quanto a idade gestacional (IG), peso e relação entre peso e IG. • Após o nascimento são utilizados boletins para avaliar a IG (Método de Capurro e New Ballard Score). • A assistência ao RN pode ser dividida em mediata e imediata.
  • 3. Cuidados imediatos • Cuidados imediatos: realizado nas primeiras 12 horas de vida. • Realizar: - Verificação da permeabilidade da via aérea. - Manter temperatura corporal - Clampeamento do cordão umbilical - Colocar o bebê no seio materno (menos mães com HIV positivo).
  • 4. Material para admissão do RN • Berço de calor irradiante, 2 campos cirúrgicos aquecidos. • Fonte de vácuo com manômetro e de 0² com termoumidificador e fluxômetro. • Laringoscópio com lâminas retas zero e um, com pilhas. • Cânulas endotraqueais, sem balonete, n:2.0 , 2.5, 3.0, 3.5, 4.0 • Bandagem adesiva elástica para fixação • Reanimador pulmonar manual neonatal, com válvula unidirecional e reservatórios de 0² com mascara n.0 e 1. • Sondas de aspiração n° 6, 8 e 10. • Oxímetro • Estetoscópio neonatal
  • 5. • Relógio com segundos; • Material com cateterismo umbilical; • Filme transparente para envolver o RNPT; • Adaptador para aspirador de mecônio; • Clamps de plástico ; • Material para drenagem torácica ; • Sonda gástrica n° 6 e 8, agulhas e seringas de diversos calibres e tamanhos; • Solução de Nitrato de Prata a 1%; • Tubos para coletas de exames; • Medicamentos para uso de reanimação; • Incubadoras para transporte com torpedo de 0².
  • 6. Primeiros cuidados • Limpeza de vias aéreas superiores - Limpeza de boca e narinas com compressa estéril ou “pera” manual, se necessário. • Clampeamento Umbilical - Realizado após o inicio da respiração ou parada da pulsação dos vasos umbilicais. - O clampeamento deve ser feito a 3cm do anel umbilical, com látex, fio ou grampo plástico. Observar o pinçamento dos 3 vasos .
  • 7. • Em prematuros extremos, asfixios e isoimunizados recomenda-se o cateterismo umbilical, o pinçamento é realizado a 8 cm e o colo é envolvido em gaze estéril e soro fisiológico. • Clampeamento após um minuto eleva o hematócrito, após cinco minutos pode causar desconforto respiratório. - A manutenção do RN abaixo do nível da placenta ou a realização da ordenha do cordão são indicadas em casos de Deslocamento Prematuro de Placenta (DPP), placenta de inserção baixa com sangramento intenso, prolapso do cordão, RN anêmico por hemorragia aguda. A ordenha é contra- indicada em casos de isoimunização Rh, mãe em anestesia geral e doenças autoimunes.
  • 8. • Coleta de sangue placentário - Para tipagem sanguínea, Coombs, sorologias e etc. Por meio de aspiração direta por agulha, dos vasos fetais no cordão ou na face fetal da placenta. • Recepção do RN - Em campos estéreis e aquecidos, utilizando EPI’s. - Secar o bebê, colocar em berço de calor radiante, em decúbito lateral, retirar os campos úmidos. Neste momento o médico estará aspirando a boca e nariz.
  • 10. Identificando o Recém-nascido • Identificar o RN com pulseira e tornozeleira em plástico. Se houver parto múltiplo identificar ordem de nascimento, nesta deve conter nome da mãe, registro hospitalar e data de nascimento. • Realizar impressão do plantar do RN e a digital do polegar direito da mãe.
  • 11. Mensuração de medidas antropométricas. • Coleta de dados: peso, estatura, perímetro cefálico (PC), perímetro torácico (PT), perímetro abdominal (PA). • Estatura: Medir da proeminência occipital ao calcanhar. • PC: circundar da proeminência frontal ao occipital (micro ou macrocefalia). • PT: circundar o tórax na altura do mamilo- indicar ausência de algum órgão. • PA: circundar o abdome na altura do coto umbilical.
  • 12. Admissão no berçário • O RN é registrado em livro próprio, conferida identificação, colocado em berço aquecido por seis horas para observação. • Observar a frequência cardiorespiratória após o nascimento ela se encontra de 160 a 180 bpm por aproximadamente 10 a 15 minutos, até 100 a 120 bpm. • A respiração é irregular nos primeiros 15 minutos, variando de 60 a 80 movimentos respiratórios por minuto.
  • 13. Prevenção de oftalmia, doença hemorrágica e hepatite B • Método de Credé - Colírio de nitrato de pata a 1%; é fotossensível; - O excesso deve ser retirado com gaze embebecido em água estéril ou soro fisiológico. - Para o RN com infecção gonocócica ativa, introduz-se a antibioticoterapia parenteral.
  • 14. • Vitamina K - Catalisar a síntese de protrombina no fígado, necessária para coagulação sanguínea. - Previne a doença hemorrágica do neonato, causada por deficiência de fatores de coagulação; - Técnica: Administra-se uma dose intramuscular na primeira hora de vida (0,5 mg para RN pré-termos e 1 mg para RN a termos). E repetir os 2 mg por via oral nos RN a termo em aleitamento materno que tenham recebido a 1° dose também por via oral, entre 7 a 15 dias .
  • 15. • Vacina contra Hepatite B - Administrado nas primeiras 12 horas de vida ; - A primeira dose deverá ser aplicada no vasto lateral da coxa ( via IM); - Vitamina K na coxa direita e hepatite na coxa esquerda, normalmente.
  • 16. Características do RN • Pálpebras edemaciadas; • Unhas compridas; • Pele delicada geralmente descama nas duas primeiras semanas; • Alguns apresentam vesículas de sebo no nariz e bochecha; • Rachaduras na pele em tornozelo e punho devido à pele ressecada; • Perda de ate 10% do seu peso nos primeiros dias de vida, • Geralmente o RN ganha por dia 30 gramas;
  • 17. • As cólicas ocorrem pela adaptação natural do intestino para receber um alimento novo. • A icterícia é uma alteração que provoca cor amarelada na pele do bebê, ou nos olhos. Provocado por alteração no metabolismo da bilirrubina produto final da hemácia. • Observar no exame físico malformações grosseiras, tocotraumatismos e alterações cardiorespiratórias ainda na sala de reanimação. • O soluço é um espasmo ou contração do diafragma de origem reflexa, ocorre nos primeiros meses de vida.
  • 18. Cuidados com as fontanelas. • As fontanelas são aberturas no osso do crânio do bebê separado por linhas abertas chamadas de sutura. • Função: promover o momento do parto, facilitando a passagem do bebê pelo canal vaginal e permitir o crescimento adequado do cérebro. • A fontanela maior fecha-se por volta de 18 meses, a fontanela menor fecha-se por volta do 2°mês. • Se a fontanela estiver deprimida indica desidratação, se estiver inchada indica pressão intracraniana (PIC).
  • 19. Cranioestenose Fechamento precoce das fontanelas e suturas ocorrendo deformidades no crânio, já que o cérebro fica sem espaço para crescer. Não tem causa definida, mas pode ter motivos hereditários, intrauterino, infecção ou uso de medicação na gestação como anticonvulsivante. O diagnostico é feito por neuroimagem e radiológico. O tratamento é cirúrgico.
  • 20. Avaliação Neurológica • Tipos de reflexos - Moro: Extensão e abdução das extremidades, seguido de movimento de abraço. - Busca: Estimulação dos cantos da boca. - Sucção: Reflexo de busca mais o reflexo de amamentação. • - Preensão plantar e palmar: coloca-se o dedo do examinador ou lápis na base da superfície plantar ou palmar dos dedos do RN. Movimento de flexão forte capaz de prender o objeto.
  • 21. - Tônus do pescoço: Quando a cabeça do RN é virada rapidamente para um lado, as extremidades daquele lado estendem-se e as do lado oposto e flexionam-se. - Extensão cruzada dos MMII: Sob estimulo doloroso em um pé, o bebê retira o pé estimulando com extensão variável da perna oposta. - Marcha: Desencadeada quando o bebê é suspenso, é parece querer caminhar. - Reflexo de Babinski: Esfregar o lado externo da planta do pé para cima. A resposta é a dorsiflexão do hálux e abertura dos artelhos em leque.
  • 22. Higiene corporal • Não há necessidade de banhar o bebê ainda no centro obstétrico, apenas se a mãe é HIV+, mas bebês saudáveis, o banho deve ser dado quando os sinais vitais estiverem estáveis e sido amamentado. • O RN perde muito calor nas primeiras semanas, portanto a cabeça deverá ser lavada antes que o corpo seja porto em imersão. • As orelhas devem ser protegidas pelos dedos polegar e indicador, para não entrar água. • Trocar a fralda a cada eliminação e limpar com algodão e água morna
  • 23. Higiene Oral • Gaze embebecida com água morna; • Realizar massagem na boca do bebê; • Observar se há secreção, sujidade e cor da língua.
  • 24. Higiene umbilical • Antissepsia com álcool a 70%; • A fralda deverá ser dobrada para que fique o coto para fora; • Não usar faixa ou cobertura; • Verificar secreção, coloração e odor fétido; • O clamp deve ser removido depois de 24 a 48 horas.
  • 25. Rotina Alimentar • Avaliar reflexo de busca e sucção. • Iniciar amamentação logo após o parto (Se resultado negativo para HIV). • Amamentação sobre livre demanda; • Observar as primeiras mamadas, detectar dificuldades na pega, sucção, descartar sinais de atresia esofágica; • Observação de micção espontânea nas primeiras 16 horas de vida e mecônio nas primeiras 24 horas.
  • 26. Referências • Santos, Aretha. Guia prático de enfermagem: processos, técnicas, SAE, NANDA/ Aretha Santos, Tatiane Marangoni- São Paulo: PAE Editora, 2010 . • Souza, Aspásia Basile Gesteira. Enfermagem Neonatal cuidado integral ao recém-nascido/ Aspásia Basile Gesteira Souza, organizadora.- São Paulo: Martinari, 2011.