SlideShare uma empresa Scribd logo
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS
ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL
Enf. Esp. Jessielly Guimarães
TRANSMISSÃO VERTICAL
Transmissão vertical é a transmissão de
uma infecção ou doença a partir da mãe
para o seu feto no útero ou recém-
nascido durante o parto. As principais
vias de contágio são a gestação, o parto e
a amamentação. Esse risco pode ser
diminuído com medicações e medidas na
dose certa.
FORMAS DE CONTAMINAÇÃO FETAL
 Circulação sanguínea via transplacentária;
 Infecção materna do trato genital;
 Após realização de procedimentos invasivos.
 INFECÇÃO MATERNA:
 PLACENTITE;
 Passagem do agente por pinocitose ou diapedese de leucócitos maternos
infectados;
 Os agentes atingem diretamente o feto.
CONSEQUÊNCIAS DA INFECÇÃO
 DISRUPÇÕES (Defeitos morfológico provocado por interferência
EXTRÍNSECA no processo do desenvolvimento);
 CIUR;
 Doenças ao nascer ou tardias;
 Aborto;
 Parto pré-maturo;
 DEFORMAÇÕES (Forma, volume ou posição anormal de parte do corpo devido
a forças mecânicas);
 Neomortalidade;
 Natimortalidade;
Agentes infecciosos de importância na
transmissão vertical
 AGENTE - COMPROMETIMENTO
 Vírus da Rubéola: Teratogênese
 Citomegalovírus: Teratogênese
 Vírus do Herpes Simples: Teratogênese
 Vírus da Varicela Zoster: Teratogênese
 Vírus da Caxumba: Fibroelastose cardíaca
 Toxoplasmose: Hidrocefalia e doença fetal
 Sífilis: Hidropsia não imune e doença fetal
 Vírus da Hepatite B: Doença fetal
 HIV: Doença fetal
 Clamídia: Doença fetal
SÍFILIS
 CONCEITO
• Doença infectocontagiosa
sistêmica de evolução crônica,
com períodos de latência e de
agudização
• Causada pelo Treponema
pallidum, bactéria espiroqueta,
• Pode ser transmitida por
contato sexual ou
transplacentária.
 EPIDEMIOLOGIA
• No Brasil a prevalência entre as
gestantes é estimada entre 3,5e 4%,
variando de 1,1 a 11,5% segundo a
região em estudo, dependendo do
pré-natal e mais alto grau de
instrução materna;
• Estima-se que na rede pública 4%
das gestantes são positivas para o
teste sorológico e que pelo menos
40% dos seus recém-nascidos são
acometidos.
Taxas de transmissão vertical da sífilis
 FORMAS CLÍNICAS TAXA DE
TRANSMISSÃO
• Primária 70-100%
• Secundária 90%
• Latente Precoce 40%
• Latente Tardia 6-14%
 Complicações ( Sífilis congênita):
• Aborto (5-32%)
• Pênfigo palmo – plantar
• Lesões mucosa oro faringiana
• Hidropsia não imune
• Morte Perinatal (25%)
• Parto Prematuro (9-36%)
• Condiloma Plano
• Lesões cutâneas
• CIUR
A GESTANTE
 A MÃE:
Todas as gestantes devem ser
testadas com o VDRL na
primeira consulta de pré-natal e
nos dois trimestres posteriores;
Caso o teste seja positivo deve
ser confirmado com o teste
treponêmico e, se este for
positivo, o tratamento deve ser
realizado.
 O feto e o RN:
O exame da doença fetal e realizado
pela pesquisa do treponema no líquido
amniótico, utilizando-se a eficácia de
PCR, pois a IgG materna atravessa a
placenta e positiva as provas
laboratoriais e o FTA-Abs não é isento
de falhas.
O exame neonatal dos casos suspeitos
deve incluir pesquisa de IgM específico
em sangue de cordão umbilical.
TOXOPLASMOSE
 A Toxoplasmose é uma zoonose causada
pelo protozoário Toxoplasma gondii,
cujo hospedeiro definitivo é o gato e os
hospedeiros intermediários são roedores,
suínos, bovinos, caprinos, aves e o
homem;
 As diferentes formas de transmissão para
o homem ocorrem pela ingestão de cistos
presentes em carnes cruas ou mal
cozidas ou de oocistos presentes no solo,
alimentos e água ou transfusão
sanguínea e transplante de órgãos.
 A forma congênita ocorre por
transmissão transplacentária.
 A forma adquirida é, na maioria dos
casos, benigna e autolimitada e cerca de
60 a 70% da população adulta já contraiu
a infecção;
 Apenas 10 a 20% dos casos são
sintomáticos, cursando com mal estar,
cefaleia, mialgia, exantema
maculopapular, odinofagia,
linfadenopatia e hepatoesplenomegalia,
acompanhados ou não de febre.
TOXOPLASMOSE
Na gestação, 90% das infecções são assintomáticas, reforçando a
necessidade de triagem sorológica de rotina no acompanhamento do
pré-natal.
Diagnósticos pré-natal através de
procedimentos invasivos
 INDICAÇÕES
Em casos de soro conversão materna de
primeiro e segundo trimestre, quando os
riscos de comprometimento fetal são
significativos;
O controle sorológico mensal permite
precisar os período exato da infecção.
 O QUE É FEITO?
• Pesquisa do microrganismo através
da detecção do DNA do protozoário
no líquido amniótico pela técnica do
PCR, após 12-16 semanas de
gestação;
• Menos frequentemente: dosagem de
IgM específica para toxoplasmose no
sangue fetal obtido por cardiocentese
após 22 semanas de gestação.
Observações sobre as drogas utilizadas no
tratamento
 A ESPIRAMICINA não consegue tratar o feto, embora previna, em 65% das
oportunidades, a infecção fetal. Seus principais efeitos colaterais são: diarreia,
intolerância gastrointestinal, tonteira e anorexia;
 As gestantes em uso de PIRIMETAMINA realizar hemograma mensal para
avaliação das complicações hematológicas. Seus efeitos colaterais mais
importantes são: anemia, leucopenia, plaquetopenia, teratogênese, intolerância
gastrointestinal, síndrome de Stevens-Johnson;
 Os principais efeitos da SULFADIAZINA são a alergia, “rash” cutâneo, anemia,
intolerância gastrointestinal e hiper bilirrubinemia no recém-nascido.
RUBÉOLA
 Doença infecciosa aguda virótica causada pelo vírus RUBI da família Fogaviridae
com genoma de RNA, geralmente. Altamente contagiosa benigna, porém, quando
acomete a gestante pode causar graves danos ao feto;
 A transmissão ocorre de forma horizontal (secreção respiratória) ou de forma
vertical (através de êmbolos de células endoteliais infectadas dos vasos
placentários);
 Em 1941 foi demonstrada sua ação na malformação congênita.
RUBÉOLA
 A transmissão vertical ocorre na
dependência de:
• estágio do desenvolvimento fetal
quando da viremia;
• status imunológico da mãe.
 A definição clínica da SÍNDROME DA
RUBÉOLA CONGÊNITA consiste na
presença dos sinais compatíveis abaixo,
sendo pelo menos um do grupo (a) e um do
grupo (b), ou dois do grupo (a), afastando-se
previamente outras etiologias
(citomegalovírus, toxoplasmose, sífilis,
herpes, genéticos e outros)
• (a) catarata, glaucoma congênito, retinose
pigmentar, deficiência auditiva, defeito
congênito cardíaco (mais frequentes,
persistência do ducto arterioso e estenose da
artéria pulmonar)
• (b) púrpura, hepatoesplenomegalia, icterícia,
microcefalia, retardo de desenvolvimento,
meningoencefalite, alterações ósseas – radio
transparências.
Acompanhamento pré-natal
Vírus da imunodeficiência humana (HIV)
 O HIV/AIDS é uma doença caracterizada por uma disfunção grave do sistema
imunológico do indivíduo infectado pelo retrovírus denominado Vírus da
Imunodeficiência Humana (HIV), com dois tipos conhecidos: HIV-1 e HIV-2;
 Na população adulta, as principais formas de transmissão do vírus são por via
sanguínea e sexual, enquanto que na população infantil, a principal é a
transmissão vertical.
Fatores de riscos associados aos mecanismos
de transmissão vertical
 A maioria dos casos de transmissão vertical do HIV (cerca de 65-80%) ocorre durante
o trabalho de parto e período expulsivo por inoculação direta;
 De 20 a 35% acontecem durante a gestação por via transplacentária, principalmente
nas últimas semanas de gestação e 10% dos casos através do aleitamento materno.
 Na patogênese da transmissão vertical estão relacionados múltiplos fatores:
• Carga viral, genótipo e fenótipo viral – baixos níveis de CD4;
• Estado clínico e imunológico materno;
• Uso de drogas e praticas sexual desprotegida;
• Amniorrexe por tempo superior a quatro horas;
• Fatores inerentes ao RN – prematuridade, baixo peso ao nascer e Amamentação.
DIAGNÓSTICO
 O primeiro passo para a prevenção vertical é a identificação da gestante infectada
na primeira consulta de pré-natal;
 A sorologia anti-HIV pela técnica de ELISA (sensibilidade de 100%,
especificidade de 99,4%) é a mais empregada no pré-natal;
 Em caso de positividade em um dos testes, é necessário que o diagnóstico da
doença seja confirmado pela técnica de WESTERNBLOTT (sensibilidade e
especificidade de quase 100%);
 A imunofluorescência indireta também tem sido utilizada;
 A soroconversão após a infecção retroviral aguda ocorre seis a 12 semanas após o
evento responsável pela transmissão do HIV.
Conduta em casos confirmados
 Avaliações do sistema imunológico: contagem dos linfócitos CD4 e a carga viral
- repetidas a cada três meses, são reduzidos para quatro a seis semanas quando se
inicia ou altera o tratamento antirretroviral;
 Pré-natal: oferecer suporte emocional, afastar fatores adversos como alcoolismo,
tabagismo, uso de drogas injetáveis e relações sexuais desprotegidas, avaliar
progressão de infecções oportunistas e possível toxicidade dos antirretrovirais,
como função hepática e renal, hemograma repetido, sorologias de doenças
infecciosas e PPD;
 Exame físico: avaliar os sistemas mais afetados como orofaringe e esôfago
(candidíase), pulmões, herpes zoster recorrente, neoplasias cervicais recorrentes e
herpes recorrente e atípicos.
CRITÉRIOS PARAA VIA DE PARTO
CUIDADOS NA VIA DE PARTO NORMAL
 Iniciar a profilaxia da transmissão vertical quatro horas antes do início do
procedimento cirúrgico.
 Adotar as seguintes medidas:
• Evitar procedimentos invasivos;
• Tentar manter a bolsa íntegra até a expulsão e, sempre que possível, evitar
episiotomia;
• Acelerar o trabalho de parto com ocitocina, caso não haja contraindicações;
• Ligar precocemente o cordão umbilical;
• Lavar o recém-nascido com sabão, retirando as secreções maternas.
PARVOVIROSE
 Descrita em 1975, sendo o agente o Parvovírus B19;
 Atinge preferencialmente crianças entre 5 e 14 anos manifestando-se
como eritema infeccioso;
 A transmissão se dá através do trato respiratório e menos
frequentemente pode haver contágio por transmissão sanguínea ou
através do sêmen infectado;
 Os surtos ocorrem em lugares como escolas, creches e domicílios
com vários jovens.
PASSAGEM TRANSPLACENTÁRIA
 A passagem transplacentária do vírus ocorre em 33% dos casos de infecção aguda
materna, número que cresce quando a doença acomete a gestante após 20 semanas
de gravidez;
 A incidência de infecção pelo Parvovírus B19 é o núcleo das células precursoras
das hemácias na medula óssea.
 Em muitos casos o vírus não é transmitido para o feto e a gravidez transcorre sem
problemas, porém em aproximadamente ¼ a 1/3 dos casos o vírus atinge o feto,
como pode ser comprovado através da sorologia ao nascimento sem
consequências adversas.
 Em aproximadamente 5% das infecções maternas o concepto desenvolve aplasia
medular transitória, insuficiência cardíaca e hidropsia, quadro esse que pode levar
ao óbito intrauterino. O Parvovírus B19 é considerado responsável por 10% a
15% destes.
INFECÇÃO FETAL
 A primoinfecção materna, propagada ao feto especialmente na primeira metade da
gravidez, pode resultar em infecção congênita em cerca de 30% dos casos;
 Como o sistema imunológico fetal é imaturo, a destruição das células
hematopoiética pode persistir, provocando anemia e leucopenia graves, com
consequente hidropsia e óbito fetal ou neonatal;
 As perdas fetais variam de 9 a 16%, principalmente no segundo trimestre.
CITOMEGALOVÍRUS
 DNA vírus da família do Herpesviridae, e gênero Citomegalovírus;
 Homem único reservatório: saliva, sangue, urina, secreções
respiratórias, cervicais, esperma;
 Causa importante de abortos e partos prematuros
TRANSMISSÃO VERTICAL
 Agente mais comum de infecções congênitas.
 0,2 a 2,6% de todos os nascimentos;
 Transmissão vertical:
• Primária materna: (40% a 50%);
• Recorrência: reativação do vírus latente do hospedeiro imunodeprimido
(mononucleares do sangue periférico), reinfecção e infecções persistentes. (0,5% a
2%).
DIAGNÓSTICO
 A infecção materna é geralmente assintomática, porém pode ocorrer
febre, linfadenomegalia, fadiga e anorexia, sintomatologia muito
parecida com a mononucleose.
 O diagnóstico depende da identificação de anticorpos específicos,
IgG e IgM ou de cultura de secreção do canal cervical, da vagina ou
da urina.
 A resposta imune após a infecção é mais tardia, iniciando
geralmente duas semanas após o início dos sintomas. A IgM pode
estar presente tanto na infecção primária quando na recorrente e
pode persistir por até 18 meses.
PROPEDÊUTICA FETAL
 A presença do vírus pode ser confirmada no líquido amniótico ou urina fetal pela
técnica da PCR (sensibilidade de 80-100%) e pela cultura específica do vírus.
 O vírus ao atingir o feto, aloja-se predominantemente nos túbulos renais, onde
inicia sua replicação. Desse modo, ocorre excreção do vírus por via urinária,
tornando o líquido amniótico seu verdadeiro reservatório.
 A carga viral é refletida na urina fetal e sua replicação nos rins.
 Avaliação ultrassonografia, pesquisam-se alterações sugestivas de doença, como
hidrocefalia, microcefalia, calcificações intracranianas, hidropsia, ascite,
hepatomegalia, esplenomegalia e principalmente crescimento intrauterino restrito
grave e precoce.
 Via de parto deve ser orientada conforme condições obstétricas.
HERPES SIMPLES
 Acredita-se que 90% a 95% dos casos de infecção herpética genital
sejam causados pelo vírus herpes simples tipo 2 (VHS-2), sendo o
restante devido ao VHS-1;
 A transmissão do VHS-2 decorre do ato sexual e por transmissão
vertical (transplacentária, ascendente através do colo uterino e
contaminação no canal do parto);
 A imunidade ao vírus herpes simples não existe, podendo manter-se
em fase de latência durante tempo indeterminado. Entretanto pode
ocorrer reinfecção em qualquer época, devido a queda da imunidade
do hospedeiro.
INFECÇÃO FETAL
 A infecção congênita é extremamente rara, mas é condição de alta
morbidade e mortalidade, principalmente após infecção primária no
primeiro trimestre, podendo levar a aborto, microcefalia, restrição
do crescimento intrauterino, óbito fetal, herpes congênito.
 A imaturidade do sistema imunológico fetal é responsável pela
gravidade da infecção nesse período;
 O maior risco ocorre quando a gestante adquire a infecção primária
próximo do término da gestação, nesse caso, o herpes neonatal pode
acometer 40% a 50% dos recém-nascidos, ocasionando lesões na
pele, olhos (oftalmite), meningoencéfalo (encefalite), rins, intestino
e doença disseminada neonatal herpética.
DIAGNÓSTICO
 O diagnóstico geralmente é clínico. Em gestante hígidas, existe uma
cronologia de aparecimento das lesões: prurido, dor, vesícula,
erosão, úlcera e formação de crostas. Na infecção primária, a
paciente, entretanto, pode ser assintomática em até 80% dos casos,
mas pode também apresentar cefaleia, mal-estar e parestesia da
vulva e dos membros inferiores por 7 a 14 dias.
 O vírus permanece, após a infecção primária, em estado de latência
nos gânglios sensitivos das raízes nervosas dos dermatomas
acometidos. Os surtos de agudização podem ser desencadeados por
fatores que levem a baixa de imunidade.
CONDUTA
 Durante a gravidez, o antiviral mais utilizado é o ACICLOVIR para o controle do
HSV-2. Não há, ainda, segurança para uso do FAMCICLOVIR e
VALACICLOVIR.
 Nos casos extensos avaliar o uso do ACICLOVIR oral (400 mg, TID, 7- 10 dias).
 Em gestantes de risco pela história prévia de herpes genital ou parceiro sexual
com história positiva para VHS devem ser submetidas a controle semanal a partir
de 35 semanas de gestação.
VÍRUS DA HEPATITE B
 Nenhum defeito estrutural detectado;
 Contra-indicados procedimentos invasivos para diagnóstico fetal;
 Imunoglobulina hiperimune e vacina anti-hepatite B devem ser
administradas ao nascimento nos expostos intra-utero;
 Nenhuma anomalia estrutural detectada;
 O risco é a prematuridade;
 Tratamento da cérvix com eritromicina ou ampicilina sistêmica ou
aplicação vaginal de clindamicina.
Referências bibliográficas
 OLIVEIRA, M. S. de et al. Evidências cientificas sobre a hepatite Delta no Brasil: revisão
integrativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 30, n. 6, p. 658-666,
2017.
 PAN, C. Q. et al. Cesarean section reduces perinatal transmission of hepatitis B virus
infection from hepatitis b surface antigen-positive women to their infants. Clinics and
Research in Hepatology and Gastroenterology, Paris, v. 11, n. 10, p. 1349-1355, 2013.
 BRASIL. Ministério da Saúde. Manual dos centros de referência para imunobiológicos
especiais. Brasília, DF: MS, 2019.
 BARROS, M. M. de O.; RONCHINI, K. R. O. de M.; SOARES, R. L. S. Hepatitis B and C
in pregnant women attended by a prenatal program in an universitary hospital in Rio de
Janeiro, Brazil: Retrospective study of seroprevalence screening. Arquivos de
Gastroenterologia, São Paulo, v. 55, n. 3, p. 267-273, 2018.
 BRASIL. Ministério da Saúde. Manual técnico para o diagnóstico das hepatites virais.
Brasília, DF: MS, 2018.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles
Professor Robson
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
emanuel
 
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICAGLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
Fernanda Marinho
 
Edema
EdemaEdema
Resumos introdução à gestão
Resumos introdução à gestãoResumos introdução à gestão
Resumos introdução à gestão
Daniel Vieira
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
HIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevencao
HIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e PrevencaoHIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevencao
HIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevencao
Alexandre Naime Barbosa
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
Ana Luzia
 
Eletrólitos Urinários
Eletrólitos UrináriosEletrólitos Urinários
Eletrólitos Urinários
Federal University of Bahia
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
Alexandre Naime Barbosa
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
alimentacao
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
Rúben Freitas
 
Biologia_Tecido Sanguíneo
Biologia_Tecido SanguíneoBiologia_Tecido Sanguíneo
Biologia_Tecido Sanguíneo
Thais Pinheiro
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
Gustavo Ribeiro De Almeida Alves
 
Transplante renal final
Transplante renal finalTransplante renal final
Transplante renal final
Cláudia Sofia
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Laped Ufrn
 
Urticária e angioedema
Urticária e angioedemaUrticária e angioedema
Urticária e angioedema
Renan Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICAGLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
 
Edema
EdemaEdema
Edema
 
Resumos introdução à gestão
Resumos introdução à gestãoResumos introdução à gestão
Resumos introdução à gestão
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
HIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevencao
HIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e PrevencaoHIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevencao
HIV/Aids em 2019 Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Prevencao
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
 
Leucemia
LeucemiaLeucemia
Leucemia
 
Eletrólitos Urinários
Eletrólitos UrináriosEletrólitos Urinários
Eletrólitos Urinários
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
HIV Aids Aspectos Básicos (Epidemiologia, Fisiopatologia, Tratamento e Preven...
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
Biologia_Tecido Sanguíneo
Biologia_Tecido SanguíneoBiologia_Tecido Sanguíneo
Biologia_Tecido Sanguíneo
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
 
Transplante renal final
Transplante renal finalTransplante renal final
Transplante renal final
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 
Urticária e angioedema
Urticária e angioedemaUrticária e angioedema
Urticária e angioedema
 

Semelhante a EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx

Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
Jonathan Sampaio
 
Cmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úoCmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úo
Natalia Valente
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
Urovideo.org
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
medtubebrasil
 
Aula aids 2005 ok
Aula   aids 2005 okAula   aids 2005 ok
Aula aids 2005 ok
Eliziario Leitão
 
Dst
DstDst
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
Pelo Siro
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpvRecomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
João Pedro Batista Tomaz
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
FlviaFranchin
 
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
anamaterialfarmacia
 
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
Centro Universitário Ages
 
Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
' Paan
 
Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e femininoDoenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Danna Petri
 
Citomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatalCitomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatal
Arquivo-FClinico
 
Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007
Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007
Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007
Alexandre Naime Barbosa
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
Ibrahim Massuqueto
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
Thais Benetti
 
Aainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoAainfecções na gestação
Aainfecções na gestação
Rafael Ghisi
 
A criança e a aids
A criança e a aidsA criança e a aids
A criança e a aids
doismileonze
 

Semelhante a EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx (20)

Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
Cmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úoCmv na gesta+º+úo
Cmv na gesta+º+úo
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Aula aids 2005 ok
Aula   aids 2005 okAula   aids 2005 ok
Aula aids 2005 ok
 
Dst
DstDst
Dst
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpvRecomendações nacionais sobre a vacinação hpv
Recomendações nacionais sobre a vacinação hpv
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
 
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
 
Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
 
Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e femininoDoenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
 
Citomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatalCitomegalovirose neonatal
Citomegalovirose neonatal
 
Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007
Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007
Infecção pelo HIV/aids: uma doença crônica e tratável - 2007
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
 
Aainfecções na gestação
Aainfecções na gestaçãoAainfecções na gestação
Aainfecções na gestação
 
A criança e a aids
A criança e a aidsA criança e a aids
A criança e a aids
 

Mais de JessiellyGuimares

plantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptx
plantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptxplantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptx
plantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptx
JessiellyGuimares
 
Aula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptx
Aula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptxAula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptx
Aula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptx
JessiellyGuimares
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptx
JessiellyGuimares
 
Aula 01 comunicação e linguagem leitura.pptx
Aula 01 comunicação e linguagem leitura.pptxAula 01 comunicação e linguagem leitura.pptx
Aula 01 comunicação e linguagem leitura.pptx
JessiellyGuimares
 
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptxPATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
JessiellyGuimares
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
JessiellyGuimares
 
EPIDEMIOLOGIA.ppt
EPIDEMIOLOGIA.pptEPIDEMIOLOGIA.ppt
EPIDEMIOLOGIA.ppt
JessiellyGuimares
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
JessiellyGuimares
 
ÉTICA E MORAL AULA.pptx
ÉTICA E MORAL AULA.pptxÉTICA E MORAL AULA.pptx
ÉTICA E MORAL AULA.pptx
JessiellyGuimares
 
AS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptx
AS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptxAS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptx
AS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptx
JessiellyGuimares
 
fundamentos da ética.pptx
fundamentos da ética.pptxfundamentos da ética.pptx
fundamentos da ética.pptx
JessiellyGuimares
 
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.pptMetodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
JessiellyGuimares
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
JessiellyGuimares
 
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.pptGÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
JessiellyGuimares
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
JessiellyGuimares
 
Wanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptxWanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptx
JessiellyGuimares
 
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptxCORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
JessiellyGuimares
 
VIRGINIA+HENDERSON.ppt
VIRGINIA+HENDERSON.pptVIRGINIA+HENDERSON.ppt
VIRGINIA+HENDERSON.ppt
JessiellyGuimares
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
JessiellyGuimares
 
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptxCORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
JessiellyGuimares
 

Mais de JessiellyGuimares (20)

plantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptx
plantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptxplantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptx
plantas medicinais efeitos ATENÇÃO PRIMÁRIA.pptx
 
Aula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptx
Aula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptxAula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptx
Aula 04 Tipos de textos_Intertextualidade 1 - Copia.pptx
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptx
 
Aula 01 comunicação e linguagem leitura.pptx
Aula 01 comunicação e linguagem leitura.pptxAula 01 comunicação e linguagem leitura.pptx
Aula 01 comunicação e linguagem leitura.pptx
 
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptxPATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
PATOLOGIA DO TRABALHO enfermagem do trabalho.pptx
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
 
EPIDEMIOLOGIA.ppt
EPIDEMIOLOGIA.pptEPIDEMIOLOGIA.ppt
EPIDEMIOLOGIA.ppt
 
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptxperíodos evolutivos da enfermagem.pptx
períodos evolutivos da enfermagem.pptx
 
ÉTICA E MORAL AULA.pptx
ÉTICA E MORAL AULA.pptxÉTICA E MORAL AULA.pptx
ÉTICA E MORAL AULA.pptx
 
AS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptx
AS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptxAS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptx
AS PRÁTICAS DE SAÚDE CONTEXTO HISTÓRICO.pptx
 
fundamentos da ética.pptx
fundamentos da ética.pptxfundamentos da ética.pptx
fundamentos da ética.pptx
 
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.pptMetodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
Metodologia-de-Pesquisa-AULA-1.ppt
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
 
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.pptGÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
GÊNERO E SAÚDE AULA.ppt
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
 
Wanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptxWanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptx
 
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptxCORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
 
VIRGINIA+HENDERSON.ppt
VIRGINIA+HENDERSON.pptVIRGINIA+HENDERSON.ppt
VIRGINIA+HENDERSON.ppt
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
 
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptxCORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
CORPO. CORPOREIDADE E MEDICALIZAÇÃO.pptx
 

EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx

  • 1. EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL Enf. Esp. Jessielly Guimarães
  • 2. TRANSMISSÃO VERTICAL Transmissão vertical é a transmissão de uma infecção ou doença a partir da mãe para o seu feto no útero ou recém- nascido durante o parto. As principais vias de contágio são a gestação, o parto e a amamentação. Esse risco pode ser diminuído com medicações e medidas na dose certa.
  • 3. FORMAS DE CONTAMINAÇÃO FETAL  Circulação sanguínea via transplacentária;  Infecção materna do trato genital;  Após realização de procedimentos invasivos.  INFECÇÃO MATERNA:  PLACENTITE;  Passagem do agente por pinocitose ou diapedese de leucócitos maternos infectados;  Os agentes atingem diretamente o feto.
  • 4. CONSEQUÊNCIAS DA INFECÇÃO  DISRUPÇÕES (Defeitos morfológico provocado por interferência EXTRÍNSECA no processo do desenvolvimento);  CIUR;  Doenças ao nascer ou tardias;  Aborto;  Parto pré-maturo;  DEFORMAÇÕES (Forma, volume ou posição anormal de parte do corpo devido a forças mecânicas);  Neomortalidade;  Natimortalidade;
  • 5. Agentes infecciosos de importância na transmissão vertical  AGENTE - COMPROMETIMENTO  Vírus da Rubéola: Teratogênese  Citomegalovírus: Teratogênese  Vírus do Herpes Simples: Teratogênese  Vírus da Varicela Zoster: Teratogênese  Vírus da Caxumba: Fibroelastose cardíaca  Toxoplasmose: Hidrocefalia e doença fetal  Sífilis: Hidropsia não imune e doença fetal  Vírus da Hepatite B: Doença fetal  HIV: Doença fetal  Clamídia: Doença fetal
  • 6. SÍFILIS  CONCEITO • Doença infectocontagiosa sistêmica de evolução crônica, com períodos de latência e de agudização • Causada pelo Treponema pallidum, bactéria espiroqueta, • Pode ser transmitida por contato sexual ou transplacentária.  EPIDEMIOLOGIA • No Brasil a prevalência entre as gestantes é estimada entre 3,5e 4%, variando de 1,1 a 11,5% segundo a região em estudo, dependendo do pré-natal e mais alto grau de instrução materna; • Estima-se que na rede pública 4% das gestantes são positivas para o teste sorológico e que pelo menos 40% dos seus recém-nascidos são acometidos.
  • 7. Taxas de transmissão vertical da sífilis  FORMAS CLÍNICAS TAXA DE TRANSMISSÃO • Primária 70-100% • Secundária 90% • Latente Precoce 40% • Latente Tardia 6-14%  Complicações ( Sífilis congênita): • Aborto (5-32%) • Pênfigo palmo – plantar • Lesões mucosa oro faringiana • Hidropsia não imune • Morte Perinatal (25%) • Parto Prematuro (9-36%) • Condiloma Plano • Lesões cutâneas • CIUR
  • 8. A GESTANTE  A MÃE: Todas as gestantes devem ser testadas com o VDRL na primeira consulta de pré-natal e nos dois trimestres posteriores; Caso o teste seja positivo deve ser confirmado com o teste treponêmico e, se este for positivo, o tratamento deve ser realizado.  O feto e o RN: O exame da doença fetal e realizado pela pesquisa do treponema no líquido amniótico, utilizando-se a eficácia de PCR, pois a IgG materna atravessa a placenta e positiva as provas laboratoriais e o FTA-Abs não é isento de falhas. O exame neonatal dos casos suspeitos deve incluir pesquisa de IgM específico em sangue de cordão umbilical.
  • 9. TOXOPLASMOSE  A Toxoplasmose é uma zoonose causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, cujo hospedeiro definitivo é o gato e os hospedeiros intermediários são roedores, suínos, bovinos, caprinos, aves e o homem;  As diferentes formas de transmissão para o homem ocorrem pela ingestão de cistos presentes em carnes cruas ou mal cozidas ou de oocistos presentes no solo, alimentos e água ou transfusão sanguínea e transplante de órgãos.  A forma congênita ocorre por transmissão transplacentária.  A forma adquirida é, na maioria dos casos, benigna e autolimitada e cerca de 60 a 70% da população adulta já contraiu a infecção;  Apenas 10 a 20% dos casos são sintomáticos, cursando com mal estar, cefaleia, mialgia, exantema maculopapular, odinofagia, linfadenopatia e hepatoesplenomegalia, acompanhados ou não de febre.
  • 10. TOXOPLASMOSE Na gestação, 90% das infecções são assintomáticas, reforçando a necessidade de triagem sorológica de rotina no acompanhamento do pré-natal.
  • 11. Diagnósticos pré-natal através de procedimentos invasivos  INDICAÇÕES Em casos de soro conversão materna de primeiro e segundo trimestre, quando os riscos de comprometimento fetal são significativos; O controle sorológico mensal permite precisar os período exato da infecção.  O QUE É FEITO? • Pesquisa do microrganismo através da detecção do DNA do protozoário no líquido amniótico pela técnica do PCR, após 12-16 semanas de gestação; • Menos frequentemente: dosagem de IgM específica para toxoplasmose no sangue fetal obtido por cardiocentese após 22 semanas de gestação.
  • 12. Observações sobre as drogas utilizadas no tratamento  A ESPIRAMICINA não consegue tratar o feto, embora previna, em 65% das oportunidades, a infecção fetal. Seus principais efeitos colaterais são: diarreia, intolerância gastrointestinal, tonteira e anorexia;  As gestantes em uso de PIRIMETAMINA realizar hemograma mensal para avaliação das complicações hematológicas. Seus efeitos colaterais mais importantes são: anemia, leucopenia, plaquetopenia, teratogênese, intolerância gastrointestinal, síndrome de Stevens-Johnson;  Os principais efeitos da SULFADIAZINA são a alergia, “rash” cutâneo, anemia, intolerância gastrointestinal e hiper bilirrubinemia no recém-nascido.
  • 13. RUBÉOLA  Doença infecciosa aguda virótica causada pelo vírus RUBI da família Fogaviridae com genoma de RNA, geralmente. Altamente contagiosa benigna, porém, quando acomete a gestante pode causar graves danos ao feto;  A transmissão ocorre de forma horizontal (secreção respiratória) ou de forma vertical (através de êmbolos de células endoteliais infectadas dos vasos placentários);  Em 1941 foi demonstrada sua ação na malformação congênita.
  • 14. RUBÉOLA  A transmissão vertical ocorre na dependência de: • estágio do desenvolvimento fetal quando da viremia; • status imunológico da mãe.  A definição clínica da SÍNDROME DA RUBÉOLA CONGÊNITA consiste na presença dos sinais compatíveis abaixo, sendo pelo menos um do grupo (a) e um do grupo (b), ou dois do grupo (a), afastando-se previamente outras etiologias (citomegalovírus, toxoplasmose, sífilis, herpes, genéticos e outros) • (a) catarata, glaucoma congênito, retinose pigmentar, deficiência auditiva, defeito congênito cardíaco (mais frequentes, persistência do ducto arterioso e estenose da artéria pulmonar) • (b) púrpura, hepatoesplenomegalia, icterícia, microcefalia, retardo de desenvolvimento, meningoencefalite, alterações ósseas – radio transparências.
  • 16. Vírus da imunodeficiência humana (HIV)  O HIV/AIDS é uma doença caracterizada por uma disfunção grave do sistema imunológico do indivíduo infectado pelo retrovírus denominado Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), com dois tipos conhecidos: HIV-1 e HIV-2;  Na população adulta, as principais formas de transmissão do vírus são por via sanguínea e sexual, enquanto que na população infantil, a principal é a transmissão vertical.
  • 17. Fatores de riscos associados aos mecanismos de transmissão vertical  A maioria dos casos de transmissão vertical do HIV (cerca de 65-80%) ocorre durante o trabalho de parto e período expulsivo por inoculação direta;  De 20 a 35% acontecem durante a gestação por via transplacentária, principalmente nas últimas semanas de gestação e 10% dos casos através do aleitamento materno.  Na patogênese da transmissão vertical estão relacionados múltiplos fatores: • Carga viral, genótipo e fenótipo viral – baixos níveis de CD4; • Estado clínico e imunológico materno; • Uso de drogas e praticas sexual desprotegida; • Amniorrexe por tempo superior a quatro horas; • Fatores inerentes ao RN – prematuridade, baixo peso ao nascer e Amamentação.
  • 18. DIAGNÓSTICO  O primeiro passo para a prevenção vertical é a identificação da gestante infectada na primeira consulta de pré-natal;  A sorologia anti-HIV pela técnica de ELISA (sensibilidade de 100%, especificidade de 99,4%) é a mais empregada no pré-natal;  Em caso de positividade em um dos testes, é necessário que o diagnóstico da doença seja confirmado pela técnica de WESTERNBLOTT (sensibilidade e especificidade de quase 100%);  A imunofluorescência indireta também tem sido utilizada;  A soroconversão após a infecção retroviral aguda ocorre seis a 12 semanas após o evento responsável pela transmissão do HIV.
  • 19.
  • 20. Conduta em casos confirmados  Avaliações do sistema imunológico: contagem dos linfócitos CD4 e a carga viral - repetidas a cada três meses, são reduzidos para quatro a seis semanas quando se inicia ou altera o tratamento antirretroviral;  Pré-natal: oferecer suporte emocional, afastar fatores adversos como alcoolismo, tabagismo, uso de drogas injetáveis e relações sexuais desprotegidas, avaliar progressão de infecções oportunistas e possível toxicidade dos antirretrovirais, como função hepática e renal, hemograma repetido, sorologias de doenças infecciosas e PPD;  Exame físico: avaliar os sistemas mais afetados como orofaringe e esôfago (candidíase), pulmões, herpes zoster recorrente, neoplasias cervicais recorrentes e herpes recorrente e atípicos.
  • 22. CUIDADOS NA VIA DE PARTO NORMAL  Iniciar a profilaxia da transmissão vertical quatro horas antes do início do procedimento cirúrgico.  Adotar as seguintes medidas: • Evitar procedimentos invasivos; • Tentar manter a bolsa íntegra até a expulsão e, sempre que possível, evitar episiotomia; • Acelerar o trabalho de parto com ocitocina, caso não haja contraindicações; • Ligar precocemente o cordão umbilical; • Lavar o recém-nascido com sabão, retirando as secreções maternas.
  • 23. PARVOVIROSE  Descrita em 1975, sendo o agente o Parvovírus B19;  Atinge preferencialmente crianças entre 5 e 14 anos manifestando-se como eritema infeccioso;  A transmissão se dá através do trato respiratório e menos frequentemente pode haver contágio por transmissão sanguínea ou através do sêmen infectado;  Os surtos ocorrem em lugares como escolas, creches e domicílios com vários jovens.
  • 24. PASSAGEM TRANSPLACENTÁRIA  A passagem transplacentária do vírus ocorre em 33% dos casos de infecção aguda materna, número que cresce quando a doença acomete a gestante após 20 semanas de gravidez;  A incidência de infecção pelo Parvovírus B19 é o núcleo das células precursoras das hemácias na medula óssea.  Em muitos casos o vírus não é transmitido para o feto e a gravidez transcorre sem problemas, porém em aproximadamente ¼ a 1/3 dos casos o vírus atinge o feto, como pode ser comprovado através da sorologia ao nascimento sem consequências adversas.  Em aproximadamente 5% das infecções maternas o concepto desenvolve aplasia medular transitória, insuficiência cardíaca e hidropsia, quadro esse que pode levar ao óbito intrauterino. O Parvovírus B19 é considerado responsável por 10% a 15% destes.
  • 25. INFECÇÃO FETAL  A primoinfecção materna, propagada ao feto especialmente na primeira metade da gravidez, pode resultar em infecção congênita em cerca de 30% dos casos;  Como o sistema imunológico fetal é imaturo, a destruição das células hematopoiética pode persistir, provocando anemia e leucopenia graves, com consequente hidropsia e óbito fetal ou neonatal;  As perdas fetais variam de 9 a 16%, principalmente no segundo trimestre.
  • 26. CITOMEGALOVÍRUS  DNA vírus da família do Herpesviridae, e gênero Citomegalovírus;  Homem único reservatório: saliva, sangue, urina, secreções respiratórias, cervicais, esperma;  Causa importante de abortos e partos prematuros
  • 27. TRANSMISSÃO VERTICAL  Agente mais comum de infecções congênitas.  0,2 a 2,6% de todos os nascimentos;  Transmissão vertical: • Primária materna: (40% a 50%); • Recorrência: reativação do vírus latente do hospedeiro imunodeprimido (mononucleares do sangue periférico), reinfecção e infecções persistentes. (0,5% a 2%).
  • 28. DIAGNÓSTICO  A infecção materna é geralmente assintomática, porém pode ocorrer febre, linfadenomegalia, fadiga e anorexia, sintomatologia muito parecida com a mononucleose.  O diagnóstico depende da identificação de anticorpos específicos, IgG e IgM ou de cultura de secreção do canal cervical, da vagina ou da urina.  A resposta imune após a infecção é mais tardia, iniciando geralmente duas semanas após o início dos sintomas. A IgM pode estar presente tanto na infecção primária quando na recorrente e pode persistir por até 18 meses.
  • 29.
  • 30. PROPEDÊUTICA FETAL  A presença do vírus pode ser confirmada no líquido amniótico ou urina fetal pela técnica da PCR (sensibilidade de 80-100%) e pela cultura específica do vírus.  O vírus ao atingir o feto, aloja-se predominantemente nos túbulos renais, onde inicia sua replicação. Desse modo, ocorre excreção do vírus por via urinária, tornando o líquido amniótico seu verdadeiro reservatório.  A carga viral é refletida na urina fetal e sua replicação nos rins.  Avaliação ultrassonografia, pesquisam-se alterações sugestivas de doença, como hidrocefalia, microcefalia, calcificações intracranianas, hidropsia, ascite, hepatomegalia, esplenomegalia e principalmente crescimento intrauterino restrito grave e precoce.  Via de parto deve ser orientada conforme condições obstétricas.
  • 31. HERPES SIMPLES  Acredita-se que 90% a 95% dos casos de infecção herpética genital sejam causados pelo vírus herpes simples tipo 2 (VHS-2), sendo o restante devido ao VHS-1;  A transmissão do VHS-2 decorre do ato sexual e por transmissão vertical (transplacentária, ascendente através do colo uterino e contaminação no canal do parto);  A imunidade ao vírus herpes simples não existe, podendo manter-se em fase de latência durante tempo indeterminado. Entretanto pode ocorrer reinfecção em qualquer época, devido a queda da imunidade do hospedeiro.
  • 32. INFECÇÃO FETAL  A infecção congênita é extremamente rara, mas é condição de alta morbidade e mortalidade, principalmente após infecção primária no primeiro trimestre, podendo levar a aborto, microcefalia, restrição do crescimento intrauterino, óbito fetal, herpes congênito.  A imaturidade do sistema imunológico fetal é responsável pela gravidade da infecção nesse período;  O maior risco ocorre quando a gestante adquire a infecção primária próximo do término da gestação, nesse caso, o herpes neonatal pode acometer 40% a 50% dos recém-nascidos, ocasionando lesões na pele, olhos (oftalmite), meningoencéfalo (encefalite), rins, intestino e doença disseminada neonatal herpética.
  • 33.
  • 34. DIAGNÓSTICO  O diagnóstico geralmente é clínico. Em gestante hígidas, existe uma cronologia de aparecimento das lesões: prurido, dor, vesícula, erosão, úlcera e formação de crostas. Na infecção primária, a paciente, entretanto, pode ser assintomática em até 80% dos casos, mas pode também apresentar cefaleia, mal-estar e parestesia da vulva e dos membros inferiores por 7 a 14 dias.  O vírus permanece, após a infecção primária, em estado de latência nos gânglios sensitivos das raízes nervosas dos dermatomas acometidos. Os surtos de agudização podem ser desencadeados por fatores que levem a baixa de imunidade.
  • 35. CONDUTA  Durante a gravidez, o antiviral mais utilizado é o ACICLOVIR para o controle do HSV-2. Não há, ainda, segurança para uso do FAMCICLOVIR e VALACICLOVIR.  Nos casos extensos avaliar o uso do ACICLOVIR oral (400 mg, TID, 7- 10 dias).  Em gestantes de risco pela história prévia de herpes genital ou parceiro sexual com história positiva para VHS devem ser submetidas a controle semanal a partir de 35 semanas de gestação.
  • 36. VÍRUS DA HEPATITE B  Nenhum defeito estrutural detectado;  Contra-indicados procedimentos invasivos para diagnóstico fetal;  Imunoglobulina hiperimune e vacina anti-hepatite B devem ser administradas ao nascimento nos expostos intra-utero;  Nenhuma anomalia estrutural detectada;  O risco é a prematuridade;  Tratamento da cérvix com eritromicina ou ampicilina sistêmica ou aplicação vaginal de clindamicina.
  • 37. Referências bibliográficas  OLIVEIRA, M. S. de et al. Evidências cientificas sobre a hepatite Delta no Brasil: revisão integrativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 30, n. 6, p. 658-666, 2017.  PAN, C. Q. et al. Cesarean section reduces perinatal transmission of hepatitis B virus infection from hepatitis b surface antigen-positive women to their infants. Clinics and Research in Hepatology and Gastroenterology, Paris, v. 11, n. 10, p. 1349-1355, 2013.  BRASIL. Ministério da Saúde. Manual dos centros de referência para imunobiológicos especiais. Brasília, DF: MS, 2019.  BARROS, M. M. de O.; RONCHINI, K. R. O. de M.; SOARES, R. L. S. Hepatitis B and C in pregnant women attended by a prenatal program in an universitary hospital in Rio de Janeiro, Brazil: Retrospective study of seroprevalence screening. Arquivos de Gastroenterologia, São Paulo, v. 55, n. 3, p. 267-273, 2018.  BRASIL. Ministério da Saúde. Manual técnico para o diagnóstico das hepatites virais. Brasília, DF: MS, 2018.