SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Humor Aquoso
O que é? De onde vem? Pra onde vai?
Pietro B. de Azevedo
Fellow Glaucoma HCPA
Mestrando UFRGS
O QUE É?
Funções
Ótica
Nutricional Metabólica
ProteçãoEstrutural
Humor = líquido biológico Aquoso = água (óbvio!)
Características
VOLUME:
COMPOSIÇÃO:
VISCOSIDADE:
ÍNDICE DE REFRAÇÃO:
0,20 a 0,25 ml
99,69% de água
1,025 a 1,04 > H2O
1,336
Características
VOLUME:
COMPOSIÇÃO:
VISCOSIDADE:
ÍNDICE DE REFRAÇÃO:
0,20 a 0,25 ml
99,69% de água
1,025 a 1,04 > H2O
1,336
Solutos
Levemente Hipertônico
Levemente Ácido
Ascorbato 
Cloreto  Ácido Lático 
Proteína 
Na+  HCO3-  CO2  glicose 
Concentrações variáveis
Aminoácidos hialuronato de sódio,
noradrenalina fatores de coagulação
ativador do plasminogênio tecidual
atividade latente da colagenase
*em relação ao plasma
Formação
EPITÉLIO NÃO PIGMENTADO DO CORPO CILIAR
MECANISMOS
• SECREÇÃO
• Transporte Ativo
• Bomba de Na+/K+ ATPase + ATP
• Movimento moléculas contra gradiente de concentração
• DIFUSÃO
• Gradiente de pressão osmótica
• ULTRAFILTRAÇÃO
• Gradiente de pressão hidrostática
VELOCIDADE
2,0-3,0 l/minuto
DE ONDE VEM?
De onde vem?
Corpo Ciliar
LIMITES
Anterior: esporão escleral
Posterior: ora serrata
FORMATO
Corte sagital: Triangular
Face anterior: raiz da íris e trabeculado
Face externa: esclera e espaço supraciliar (contínuo com espaço supracoroideo)
Face interna: pars plicata ciliares e pars plana ciliares
Corpo Ciliar
PARS PLANA CILIARES
2/3 posteriores
PARS PLICATA CILIARES
1/3 anterior
• PROCESSOS CILIARES
• formação do humor aquoso
• Número = 70
• MÚSCULO CILIAR
• escoamento do humor aquoso
• acomodação
Corpo Ciliar
MÚSCULO CILIAR
Fibras planas e lisas
• Longitudinais
• Esporão escleral
• Lâmina supracoróide (coróide/esclera)
• Circulares
• Acomodação do cristalino
• Radiais
• Conectam as duas primeiras
ESTROMA
Capilares são fenestrados
Corpo Ciliar
CÉLULAS EPITELIAIS
Camada dupla
Externa: pigmentada
Células cubóides
Grânulos de pigmento.
Continuação de EPR.
Interna: não pigmentada
Células colunares
Continuação da camada sensorial da retina.
Tight junctions
Membrana citoplasmática + complexos juncionais
Velocidade: 2,0-3,0 l/minuto
PRA ONDE VAI?
Pra onde vai?
Pra onde vai?
Pra onde vai?
sclera
cornea
trabecular meshwork
LS
TP
EE
CC
Vasos sanguíneos normalmente não
passam do esporão escleral !
Estruturas do Ângulo
Malha Trabecular
ORIGEM: Crista neural
CAMADA ENDOTELIAL ÚNICA
3 porções
1. Uveal
2. Córneo-escleral
3. Justa-canalicular
Canal de Schlemm
Canais coletores intraesclerais
Veias episclerais e conjuntivais
Malha Trabecular
Feixes ou Lamelas
Core: material fibrilar extra-celular
Externa: trabeculócitos
Células achatadas que apresentam pigmentos
UVEAL
Espaços abertos: 25-27 m na porção mais interna
Fibras elásticas: menor quantidade
CÓRNEO-ESCLERAL
Espaços abertos: até 15 m na porção mais externa
Fibras elásticas: menor quantidade
Malha Trabecular
JUSTA-CANALICULAR
Várias camadas celulares
Espaço intercelular: 10 m de espessura
Maior resistência para drenagem HA.
Resistência aumentada devido ao acesso estreito e
pela presença de proteoglicanos e glicoproteínas.
FATOR LIMITANTE PRIMÁRIO DA FACILIDADE
DE ESCOAMENTO
Canal de Schlemm
Tubo circular
Endotélio é monocelular e não fenestrado.
Presença de tight juntions.
CANAIS COLETORES INTRA-ESCLERAIS
Número de 25-30
Drenam para:
1) Plexo venoso profundo
2) Plexo venoso intraescleral
3) Plexo venoso episcleral: veias aquosas
Vias de drenagem
VIA TRABECULAR
Clássica
85-95%
Depende da PIO
VIA ÚVEO-ESCLERAL
5-15% (10-50%)
Não depende da PIO
Espaços intermusculares, Espaços supra-ciliar e supra-coroidal
Esclera, Espaços perivasculares
Ausência de barreira epitelial entre CA e espaço supra-ciliar  Fluxo constante
E POR QUE É IMPORTANTE?
Pressão intraocular
Fluxoentrada= Fluxotrabeculado + Fluxouveal
PIO = (Fluxoentrada - Fluxouveal) x Resistência + Pressão Venosa Episcleral
Fluxoentrada= (PIO - Pressão Venosa Episcleral) + Fluxouveal
Resistência
PIO
PIO = (Fluxoentrada - Fluxouveal) + Pressão Venosa Episcleral
Facilidade de Escoamento
Fluxouveal = 0,5 L/min
Pressão Venosa Episcleral = 10 mmHg (8-12 mmHg)
Fluxoentrada = 2,0 – 3,0 L/min
=
Equação de Goldmann
Modificada
Facilidade de Escoamento = 0,22 - 0,28 L/min/mmHg
Pressão intraocular
População Brasileira: 13,0 ± 2,1 mmHg
Hipertensão ocular: PIO > 21 mmHg
Ritmo circadiano:
Níveis máximos: 6-11 horas
Níveis mínimos: 24-2 horas
Variação normal da PIO: 2-6 mmHg
Diferenças de PIO > 4 mmHg devem ser consideradas suspeitas
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfSemiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Jucie Vasconcelos
 
Descolamento de retina
Descolamento de retinaDescolamento de retina
Descolamento de retina
phlordello
 
Revisão pescoço odonto (1)
Revisão  pescoço odonto (1)Revisão  pescoço odonto (1)
Revisão pescoço odonto (1)
Karen Costa
 
Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...
Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...
Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...
Michel Bittencourt
 
Anatomia del Cristalino
Anatomia del CristalinoAnatomia del Cristalino
Anatomia del Cristalino
Juli Caesar
 
Antibióticos corrigido
Antibióticos corrigidoAntibióticos corrigido
Antibióticos corrigido
Filipe Mira
 

Mais procurados (20)

Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranasDr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
 
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdfSemiologia 08   oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
Semiologia 08 oftalmologia - anatomia do olho e exame físico pdf
 
Angiografia fluorescente
Angiografia fluorescenteAngiografia fluorescente
Angiografia fluorescente
 
Descolamento de retina
Descolamento de retinaDescolamento de retina
Descolamento de retina
 
ANATOMIA DEL GLOBO OCULAR
ANATOMIA DEL GLOBO OCULARANATOMIA DEL GLOBO OCULAR
ANATOMIA DEL GLOBO OCULAR
 
Embriologia.pptx
Embriologia.pptxEmbriologia.pptx
Embriologia.pptx
 
Revisão pescoço odonto (1)
Revisão  pescoço odonto (1)Revisão  pescoço odonto (1)
Revisão pescoço odonto (1)
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
 
Retina e Retinose Pigmentar
Retina e Retinose PigmentarRetina e Retinose Pigmentar
Retina e Retinose Pigmentar
 
Ultrassom do olho
Ultrassom do olhoUltrassom do olho
Ultrassom do olho
 
Glaucoma Agudo de ângulo fechado - Acute Angle-Closure Glaucoma
Glaucoma Agudo de ângulo fechado - Acute Angle-Closure Glaucoma Glaucoma Agudo de ângulo fechado - Acute Angle-Closure Glaucoma
Glaucoma Agudo de ângulo fechado - Acute Angle-Closure Glaucoma
 
Fisiologia de la visión
Fisiologia de la visiónFisiologia de la visión
Fisiologia de la visión
 
Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...
Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...
Sociedade Brasileira de Glaucoma - Segundo Consenso Brasileiro de Glaucoma Pr...
 
Anatomia del Cristalino
Anatomia del CristalinoAnatomia del Cristalino
Anatomia del Cristalino
 
Desvio estrabismo
Desvio estrabismoDesvio estrabismo
Desvio estrabismo
 
Anatomia da íris
Anatomia da íris  Anatomia da íris
Anatomia da íris
 
anatomy of orbital spaces, tumours and its importance
anatomy of orbital spaces, tumours and its importanceanatomy of orbital spaces, tumours and its importance
anatomy of orbital spaces, tumours and its importance
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Exames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianosExames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianos
 
Antibióticos corrigido
Antibióticos corrigidoAntibióticos corrigido
Antibióticos corrigido
 

Destaque

Destaque (20)

Semiologia do glaucoma
Semiologia do glaucomaSemiologia do glaucoma
Semiologia do glaucoma
 
Papilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo ópticoPapilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo óptico
 
Anatomia do bulbo ocular
Anatomia do bulbo ocularAnatomia do bulbo ocular
Anatomia do bulbo ocular
 
Ceratite bacteriana
Ceratite bacterianaCeratite bacteriana
Ceratite bacteriana
 
Urgencia em lentes de contato
Urgencia em lentes de contatoUrgencia em lentes de contato
Urgencia em lentes de contato
 
Curso Histologia 13 Organos de los Sentidos
Curso Histologia 13 Organos de los SentidosCurso Histologia 13 Organos de los Sentidos
Curso Histologia 13 Organos de los Sentidos
 
Ulcera da córnea.
Ulcera da córnea.Ulcera da córnea.
Ulcera da córnea.
 
Resumão rm2
Resumão rm2Resumão rm2
Resumão rm2
 
Curso Contactología Práctica 2011
Curso Contactología Práctica 2011Curso Contactología Práctica 2011
Curso Contactología Práctica 2011
 
Gonioscopia
GonioscopiaGonioscopia
Gonioscopia
 
Curso de Oftalmologia Pediátrica
Curso de Oftalmologia PediátricaCurso de Oftalmologia Pediátrica
Curso de Oftalmologia Pediátrica
 
glaucoma y ángulo camerular
  glaucoma y ángulo camerular  glaucoma y ángulo camerular
glaucoma y ángulo camerular
 
Glaucoma
GlaucomaGlaucoma
Glaucoma
 
Nervo óptico - anatomia básica e aplicação clínica
Nervo óptico - anatomia básica e aplicação clínicaNervo óptico - anatomia básica e aplicação clínica
Nervo óptico - anatomia básica e aplicação clínica
 
Nervos motores oculares
Nervos motores ocularesNervos motores oculares
Nervos motores oculares
 
Alteração visual e sintomas correlatos
Alteração visual e sintomas correlatosAlteração visual e sintomas correlatos
Alteração visual e sintomas correlatos
 
Iridología
IridologíaIridología
Iridología
 
Drogas colinérgicas aula 07
Drogas colinérgicas   aula 07Drogas colinérgicas   aula 07
Drogas colinérgicas aula 07
 
RM CRÂNIO
RM CRÂNIORM CRÂNIO
RM CRÂNIO
 
3. gonioscopia
3. gonioscopia3. gonioscopia
3. gonioscopia
 

Semelhante a Humor aquoso e Corpo Ciliar

Controle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através deControle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através de
Raul Tomé
 
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Minelvina Pessoa
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
ReginaReiniger
 

Semelhante a Humor aquoso e Corpo Ciliar (20)

Controle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através deControle do meio interno e transporte através de
Controle do meio interno e transporte através de
 
Introdução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia HumanaIntrodução à Fisiologia Humana
Introdução à Fisiologia Humana
 
Membranas Biológicas
Membranas BiológicasMembranas Biológicas
Membranas Biológicas
 
Célula.ppt
Célula.pptCélula.ppt
Célula.ppt
 
Célula.ppt
Célula.pptCélula.ppt
Célula.ppt
 
Célula.ppt
Célula.pptCélula.ppt
Célula.ppt
 
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
 
Transporte passivo e ativo 2010
Transporte passivo e ativo 2010Transporte passivo e ativo 2010
Transporte passivo e ativo 2010
 
agressores da polpa.pptx
agressores da polpa.pptxagressores da polpa.pptx
agressores da polpa.pptx
 
Fisiologia celular
Fisiologia celularFisiologia celular
Fisiologia celular
 
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
Membranaplasmaticaslides 130424121923-phpapp02
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Líquido cerebrospinal
Líquido cerebrospinal Líquido cerebrospinal
Líquido cerebrospinal
 
Hidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
Hidratacao Venosa e Disturbios HidroeletroliticosHidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
Hidratacao Venosa e Disturbios Hidroeletroliticos
 
Epífora
EpíforaEpífora
Epífora
 
Epitelial
EpitelialEpitelial
Epitelial
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
 
Membrana e transportes
Membrana e transportesMembrana e transportes
Membrana e transportes
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Aula 05   membrana plasmática e transportesAula 05   membrana plasmática e transportes
Aula 05 membrana plasmática e transportes
 

Mais de Pietro de Azevedo

Mais de Pietro de Azevedo (20)

Laser em glaucoma
Laser em glaucoma Laser em glaucoma
Laser em glaucoma
 
Síndrome ICE (irido corneo escleral)
Síndrome ICE (irido corneo escleral)Síndrome ICE (irido corneo escleral)
Síndrome ICE (irido corneo escleral)
 
Fármacos antiglaucomatosos
Fármacos antiglaucomatosos Fármacos antiglaucomatosos
Fármacos antiglaucomatosos
 
Glaucoma facogênico
Glaucoma facogênicoGlaucoma facogênico
Glaucoma facogênico
 
Tonometria e paquimetria
Tonometria e paquimetriaTonometria e paquimetria
Tonometria e paquimetria
 
Estrabismo nas miopatias e Doença de graves
Estrabismo nas miopatias e Doença de gravesEstrabismo nas miopatias e Doença de graves
Estrabismo nas miopatias e Doença de graves
 
Tratamento Cirúrgico da Paralisia Facial
Tratamento Cirúrgico da Paralisia FacialTratamento Cirúrgico da Paralisia Facial
Tratamento Cirúrgico da Paralisia Facial
 
Óptica
ÓpticaÓptica
Óptica
 
Óptica clínica
Óptica clínicaÓptica clínica
Óptica clínica
 
Presbiopia
PresbiopiaPresbiopia
Presbiopia
 
Astigmatismo
AstigmatismoAstigmatismo
Astigmatismo
 
Hipertireoidismo e Dobras de Coroide
Hipertireoidismo e Dobras de CoroideHipertireoidismo e Dobras de Coroide
Hipertireoidismo e Dobras de Coroide
 
Campimetria
CampimetriaCampimetria
Campimetria
 
Alergias oculares
Alergias ocularesAlergias oculares
Alergias oculares
 
Esotropias
EsotropiasEsotropias
Esotropias
 
Síndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literatura
Síndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literaturaSíndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literatura
Síndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literatura
 
Hanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularHanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocular
 
Noções gerais av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncs
Noções gerais   av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncsNoções gerais   av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncs
Noções gerais av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncs
 
Retinopatia diabética
Retinopatia diabéticaRetinopatia diabética
Retinopatia diabética
 
Fundoscopia para iniciantes
Fundoscopia para iniciantesFundoscopia para iniciantes
Fundoscopia para iniciantes
 

Humor aquoso e Corpo Ciliar

  • 1. Humor Aquoso O que é? De onde vem? Pra onde vai? Pietro B. de Azevedo Fellow Glaucoma HCPA Mestrando UFRGS
  • 3. Funções Ótica Nutricional Metabólica ProteçãoEstrutural Humor = líquido biológico Aquoso = água (óbvio!)
  • 4. Características VOLUME: COMPOSIÇÃO: VISCOSIDADE: ÍNDICE DE REFRAÇÃO: 0,20 a 0,25 ml 99,69% de água 1,025 a 1,04 > H2O 1,336
  • 5. Características VOLUME: COMPOSIÇÃO: VISCOSIDADE: ÍNDICE DE REFRAÇÃO: 0,20 a 0,25 ml 99,69% de água 1,025 a 1,04 > H2O 1,336
  • 6. Solutos Levemente Hipertônico Levemente Ácido Ascorbato  Cloreto  Ácido Lático  Proteína  Na+  HCO3-  CO2  glicose  Concentrações variáveis Aminoácidos hialuronato de sódio, noradrenalina fatores de coagulação ativador do plasminogênio tecidual atividade latente da colagenase *em relação ao plasma
  • 7. Formação EPITÉLIO NÃO PIGMENTADO DO CORPO CILIAR MECANISMOS • SECREÇÃO • Transporte Ativo • Bomba de Na+/K+ ATPase + ATP • Movimento moléculas contra gradiente de concentração • DIFUSÃO • Gradiente de pressão osmótica • ULTRAFILTRAÇÃO • Gradiente de pressão hidrostática VELOCIDADE 2,0-3,0 l/minuto
  • 10. Corpo Ciliar LIMITES Anterior: esporão escleral Posterior: ora serrata FORMATO Corte sagital: Triangular Face anterior: raiz da íris e trabeculado Face externa: esclera e espaço supraciliar (contínuo com espaço supracoroideo) Face interna: pars plicata ciliares e pars plana ciliares
  • 11. Corpo Ciliar PARS PLANA CILIARES 2/3 posteriores PARS PLICATA CILIARES 1/3 anterior • PROCESSOS CILIARES • formação do humor aquoso • Número = 70 • MÚSCULO CILIAR • escoamento do humor aquoso • acomodação
  • 12. Corpo Ciliar MÚSCULO CILIAR Fibras planas e lisas • Longitudinais • Esporão escleral • Lâmina supracoróide (coróide/esclera) • Circulares • Acomodação do cristalino • Radiais • Conectam as duas primeiras ESTROMA Capilares são fenestrados
  • 13. Corpo Ciliar CÉLULAS EPITELIAIS Camada dupla Externa: pigmentada Células cubóides Grânulos de pigmento. Continuação de EPR. Interna: não pigmentada Células colunares Continuação da camada sensorial da retina. Tight junctions Membrana citoplasmática + complexos juncionais Velocidade: 2,0-3,0 l/minuto
  • 18. LS TP EE CC Vasos sanguíneos normalmente não passam do esporão escleral ! Estruturas do Ângulo
  • 19. Malha Trabecular ORIGEM: Crista neural CAMADA ENDOTELIAL ÚNICA 3 porções 1. Uveal 2. Córneo-escleral 3. Justa-canalicular Canal de Schlemm Canais coletores intraesclerais Veias episclerais e conjuntivais
  • 20. Malha Trabecular Feixes ou Lamelas Core: material fibrilar extra-celular Externa: trabeculócitos Células achatadas que apresentam pigmentos UVEAL Espaços abertos: 25-27 m na porção mais interna Fibras elásticas: menor quantidade CÓRNEO-ESCLERAL Espaços abertos: até 15 m na porção mais externa Fibras elásticas: menor quantidade
  • 21. Malha Trabecular JUSTA-CANALICULAR Várias camadas celulares Espaço intercelular: 10 m de espessura Maior resistência para drenagem HA. Resistência aumentada devido ao acesso estreito e pela presença de proteoglicanos e glicoproteínas. FATOR LIMITANTE PRIMÁRIO DA FACILIDADE DE ESCOAMENTO
  • 22. Canal de Schlemm Tubo circular Endotélio é monocelular e não fenestrado. Presença de tight juntions. CANAIS COLETORES INTRA-ESCLERAIS Número de 25-30 Drenam para: 1) Plexo venoso profundo 2) Plexo venoso intraescleral 3) Plexo venoso episcleral: veias aquosas
  • 23. Vias de drenagem VIA TRABECULAR Clássica 85-95% Depende da PIO VIA ÚVEO-ESCLERAL 5-15% (10-50%) Não depende da PIO Espaços intermusculares, Espaços supra-ciliar e supra-coroidal Esclera, Espaços perivasculares Ausência de barreira epitelial entre CA e espaço supra-ciliar  Fluxo constante
  • 24. E POR QUE É IMPORTANTE?
  • 25. Pressão intraocular Fluxoentrada= Fluxotrabeculado + Fluxouveal PIO = (Fluxoentrada - Fluxouveal) x Resistência + Pressão Venosa Episcleral Fluxoentrada= (PIO - Pressão Venosa Episcleral) + Fluxouveal Resistência PIO PIO = (Fluxoentrada - Fluxouveal) + Pressão Venosa Episcleral Facilidade de Escoamento Fluxouveal = 0,5 L/min Pressão Venosa Episcleral = 10 mmHg (8-12 mmHg) Fluxoentrada = 2,0 – 3,0 L/min = Equação de Goldmann Modificada Facilidade de Escoamento = 0,22 - 0,28 L/min/mmHg
  • 26. Pressão intraocular População Brasileira: 13,0 ± 2,1 mmHg Hipertensão ocular: PIO > 21 mmHg Ritmo circadiano: Níveis máximos: 6-11 horas Níveis mínimos: 24-2 horas Variação normal da PIO: 2-6 mmHg Diferenças de PIO > 4 mmHg devem ser consideradas suspeitas