SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
ESOTROPIASESOTROPIAS
R2 OFT Pietro Baptista de Azevedo
26.08.2014
EsotropiasEsotropias
• Desvios convergentes
– Latentes
• Somente quando fusão é rompida
• Esoforia
• E
– Intermitentes
• E(t)
– Permanentes
• ET
EsotropiasEsotropias
EsotropiasEsotropias
• Fatores de risco
– Caucasianos
• ET 10:1 XT
– Hipermetropia
– Relação CA/A alta
– Hx familiar
EsotropiasEsotropias
• Manifestações sensoriais
– Ambliopia
– CRA (correspondência retiniana anômala)
– Hiperfunção de m. oblíquo
– Torcicolo
– NL (nistagmo latente)
– DVD (desvio vertical dissociado)
• Esotropia “congênita” ou infantil
• Esotropia essencial ou comitante adquirida
• Esotropia acomodativa
• Microtropia
• Esotropia e miopia
• Esotropia cíclica
• Esotropia do adulto
ClassificaçãoClassificação
+ Comum
Esotropia congênitaEsotropia congênita
• Esotropia infantil ou Síndrome de Ciancia
• 30%
– dos desvios oculares
– das crianças com atraso DNPM
– nistagmo
• Falha inata no desenvolvimento da
binocularidade
– Desvio raramente é inato
– Somente desvios que permanecem após 2 meses
de vida são patológicos
Esotropia congênitaEsotropia congênita
• Início 2-6 meses
• DVD é comum
• Ambliopia leve-moderada
– alternância
Esotropia congênita
• Tríade
– ET grande ângulo
– torcicolo
– nistagmo
Fase rápida para o olho fixador
Piora em abdução
Rotação do queixo para o lado fixador
Inclinação para o lado fixador
Difícil abdução
Esotropia congênita
• Tríade
– ET grande ângulo
– torcicolo
– nistagmo
Fase rápida para o olho fixador
Piora em abdução
Rotação do queixo para o lado fixador
Inclinação para o lado fixador
Difícil abdução
Esotropia congênitaEsotropia congênita
• Tto
– Correção óptica (hipermetropia)
– Ambliopia (oclusão...)
– Cirurgia
• <24 meses
– Melhorar fusão e estereopsia (grosseira)
• RBRM ou recuo-ressecção RM
– Melhor alinhamento possível
» Não garante estabilidade
• Toxina botulínica
Esotropia congênitaEsotropia congênita
• Supercorreção
– FR
• Anisometropia (>1DP)
• Hipermetropia (>3DP)
• Disfunção dos m. oblíquos
• Ambliopia
• Assimetria do desvio
Esotropia essencialEsotropia essencial
• Esotropia comitante adquirida ou não-acomodativa
• Umas dos estrabismos mais frequentes
• 1º a 3º ano de vida
• Hx familiar importante
• Costuma ser monocular
• Disfunção dos m. oblíquos
– Padrão A e V
• DVD e NL são raros
Esotropia essencialEsotropia essencial
• Tto
– Testar em PPO e olhando para cima e para baixo
– Se estética
• tendência de redução espontânea
• Reduzir 25%
• Supercorreção
– FR
• As mesmas da ET congênita
• Lesão neurológica
• Re-operação
EsotropiaEsotropia acomodativaacomodativa
• Esodesvio produzido pela acomodação
• Início aos 2 anos
• Ambliopia leve-moderada
• Hipermetropia
– 2,5-5D
• Acomodação e convergência
– Relação CA/A
• Método do gradiente
Esotropia acomodativaEsotropia acomodativa
• Tto
– Tratar ambliopia (boa resposta)
– Corrigir hipermetropia total (cicloplegia)
• Sem desvio: ET acomodativa simples
• Desvio só perto: incomitância longe-perto (CA/A alta)
– Lentes bifocais executive (+3D)
» Pouco efeito
– mióticos (ciclotônicos)
» Anticolinesterásicos
» parassimpáticomiméticos
– Enfraquecer CA/A
• Exercícios NÃO reduzem CA/A, melhoram vergência fusional
Esotropia acomodativaEsotropia acomodativa
• Cirurgia
– quando tto clínico falha
• ET acomodativa simples
– RBRM moderado (3,5-4mm)
• Relação CA/A alta
– RBRM moderado
» CA/A  ET acomodativa simples
– Mioescleropexia retroequatorial
ET parcialmente acomodativaET parcialmente acomodativa
• Esotropia essencial + hipermetropia
– Corrige-se hipermetropia e se reduz CA/A, desvio
retorna ao valor inicial
• Se <8DP: microtropia
• Se >25DP: operar
– Levar em conta:
» Grau hipermetropia, pois pode hipercorrigir (reduzir 20-
25%)
MicrotropiaMicrotropia
• ET monocular <8DP (2-5DP)
• Ambliopia c/ recidivas
• Primária
– Ambliopia sem desvio aparente
– Hereditária
• Secundária
– Após correção cirúrgica
• Pode descompensar
– Ambliopia e hipermetropia
Esotropia e MiopiaEsotropia e Miopia
• Alta miopia
– Enfraquecimento da divergência
• 5-8% das esotropias
• Associação c/ neuropatias e sd genéticas
Esotropia e MiopiaEsotropia e Miopia
• Tto clínico e cirúrgico especial
– Miopia moderada (4-8D)
• Semelhante a ET comitante adquirida
– Miopias maiores (>10D)
• Semelhante a ET congênita
• Olhos mais longos  recuos mais extensos
Esotropia cíclicaEsotropia cíclica
• Períodos de esotropia
– Períodos ortotropia c/ normalidade motora e
sensorial
• Ciclos (24h)
– cronobiologia
• Evolui p/ permanente
– Aprox. 1 ano
Esotropia do adultoEsotropia do adulto
 >8 anos
 Aguda
 Diplopia
 Rara
 2 Formas
1. Franceschetti
• Jovem + oclusão
• Esoforia descompensada
• Tto cirúrgico (bom
prognóstico)
2. Bielschowsky
• Míope + neuropatia
• Diplopia p/ longe
• Paresia bilateral do RM (NC
VI)
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ms Extraoculares
Ms  ExtraocularesMs  Extraoculares
Ms Extraoculares
Karina Soto
 
1. introducción al estrabismo
1. introducción al estrabismo1. introducción al estrabismo
1. introducción al estrabismo
Marvin Barahona
 
Clase degeneraciones retinianas retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...
Clase degeneraciones retinianas  retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...Clase degeneraciones retinianas  retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...
Clase degeneraciones retinianas retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...
Paco Valdes
 

Mais procurados (20)

Corneal Topography
Corneal TopographyCorneal Topography
Corneal Topography
 
Queratitis por acantamoeba
Queratitis por acantamoebaQueratitis por acantamoeba
Queratitis por acantamoeba
 
Alteração visual e sintomas correlatos
Alteração visual e sintomas correlatosAlteração visual e sintomas correlatos
Alteração visual e sintomas correlatos
 
nystagmus
nystagmusnystagmus
nystagmus
 
Squint
SquintSquint
Squint
 
3rd cranial nerve
3rd cranial nerve3rd cranial nerve
3rd cranial nerve
 
Movilidad ocular. Estrabismo
Movilidad ocular. EstrabismoMovilidad ocular. Estrabismo
Movilidad ocular. Estrabismo
 
Ms Extraoculares
Ms  ExtraocularesMs  Extraoculares
Ms Extraoculares
 
Anatomia globo ocular
Anatomia globo ocularAnatomia globo ocular
Anatomia globo ocular
 
Stargardt disease and low vision management.
Stargardt disease and low vision management.Stargardt disease and low vision management.
Stargardt disease and low vision management.
 
Pupilas
PupilasPupilas
Pupilas
 
Neuropatia óptica isquêmica anterior
Neuropatia óptica isquêmica anteriorNeuropatia óptica isquêmica anterior
Neuropatia óptica isquêmica anterior
 
Malingering (Case presentation)
Malingering (Case presentation)Malingering (Case presentation)
Malingering (Case presentation)
 
worth 4 dot test.pptx
worth 4 dot test.pptxworth 4 dot test.pptx
worth 4 dot test.pptx
 
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico NeurológicoNervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
 
1. introducción al estrabismo
1. introducción al estrabismo1. introducción al estrabismo
1. introducción al estrabismo
 
Cover test
Cover testCover test
Cover test
 
Squint surgeries basics from DR. VINIT
Squint surgeries basics from DR. VINITSquint surgeries basics from DR. VINIT
Squint surgeries basics from DR. VINIT
 
Optic neuritis-M.B
Optic neuritis-M.BOptic neuritis-M.B
Optic neuritis-M.B
 
Clase degeneraciones retinianas retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...
Clase degeneraciones retinianas  retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...Clase degeneraciones retinianas  retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...
Clase degeneraciones retinianas retinosquisis, agujeros y pliegues retiniano...
 

Destaque

Estrabismo
EstrabismoEstrabismo
Estrabismo
liz viju
 
Estrabismo
EstrabismoEstrabismo
Estrabismo
spino1
 
Estrabismo no comitante HNCH
Estrabismo no comitante HNCHEstrabismo no comitante HNCH
Estrabismo no comitante HNCH
eurovireyes
 
Problemas de visão
Problemas de visãoProblemas de visão
Problemas de visão
Isabel Silva
 
cuadros de especialidades
cuadros de especialidadescuadros de especialidades
cuadros de especialidades
isela_sillas
 
Descolamento de retina
Descolamento de retinaDescolamento de retina
Descolamento de retina
phlordello
 

Destaque (20)

Estrabismo
EstrabismoEstrabismo
Estrabismo
 
Estrabismo
EstrabismoEstrabismo
Estrabismo
 
Estrabismo
EstrabismoEstrabismo
Estrabismo
 
Estrabismo no comitante HNCH
Estrabismo no comitante HNCHEstrabismo no comitante HNCH
Estrabismo no comitante HNCH
 
Problemas de visão
Problemas de visãoProblemas de visão
Problemas de visão
 
Imagens duplas
Imagens duplasImagens duplas
Imagens duplas
 
Presbiopia
PresbiopiaPresbiopia
Presbiopia
 
Fármacos antiglaucomatosos
Fármacos antiglaucomatosos Fármacos antiglaucomatosos
Fármacos antiglaucomatosos
 
cuadros de especialidades
cuadros de especialidadescuadros de especialidades
cuadros de especialidades
 
Hipertireoidismo e Dobras de Coroide
Hipertireoidismo e Dobras de CoroideHipertireoidismo e Dobras de Coroide
Hipertireoidismo e Dobras de Coroide
 
Manual do Calouro
Manual do CalouroManual do Calouro
Manual do Calouro
 
Tratamento Cirúrgico da Paralisia Facial
Tratamento Cirúrgico da Paralisia FacialTratamento Cirúrgico da Paralisia Facial
Tratamento Cirúrgico da Paralisia Facial
 
Óptica
ÓpticaÓptica
Óptica
 
Anatomia da íris
Anatomia da íris  Anatomia da íris
Anatomia da íris
 
Descolamento de retina
Descolamento de retinaDescolamento de retina
Descolamento de retina
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologia
 
Alergias oculares
Alergias ocularesAlergias oculares
Alergias oculares
 
Papilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo ópticoPapilografia - avaliação do nervo óptico
Papilografia - avaliação do nervo óptico
 
Retinopatia diabética
Retinopatia diabéticaRetinopatia diabética
Retinopatia diabética
 
Nervo óptico - anatomia básica e aplicação clínica
Nervo óptico - anatomia básica e aplicação clínicaNervo óptico - anatomia básica e aplicação clínica
Nervo óptico - anatomia básica e aplicação clínica
 

Semelhante a Esotropias

2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
Francine Welch
 

Semelhante a Esotropias (16)

Estrabismo nas miopatias e Doença de graves
Estrabismo nas miopatias e Doença de gravesEstrabismo nas miopatias e Doença de graves
Estrabismo nas miopatias e Doença de graves
 
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
 
Sessao clinica 2
Sessao clinica 2Sessao clinica 2
Sessao clinica 2
 
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
 
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex MellerAula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
 
Atryo epilepsia
Atryo epilepsiaAtryo epilepsia
Atryo epilepsia
 
Trombocitopenias
TrombocitopeniasTrombocitopenias
Trombocitopenias
 
Aula 12 hipertireoidismo
Aula 12   hipertireoidismo Aula 12   hipertireoidismo
Aula 12 hipertireoidismo
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Climatério
ClimatérioClimatério
Climatério
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
 
Sarcoidose
SarcoidoseSarcoidose
Sarcoidose
 
Erros Refractivos e presbiopia
Erros Refractivos e presbiopiaErros Refractivos e presbiopia
Erros Refractivos e presbiopia
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Tromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo PulmonarTromboembolismo Pulmonar
Tromboembolismo Pulmonar
 
Lupus Eritematoso Sistêmico e Síndrome Anti-fosfolípides
Lupus Eritematoso Sistêmico e Síndrome Anti-fosfolípidesLupus Eritematoso Sistêmico e Síndrome Anti-fosfolípides
Lupus Eritematoso Sistêmico e Síndrome Anti-fosfolípides
 

Mais de Pietro de Azevedo

Mais de Pietro de Azevedo (18)

Laser em glaucoma
Laser em glaucoma Laser em glaucoma
Laser em glaucoma
 
Síndrome ICE (irido corneo escleral)
Síndrome ICE (irido corneo escleral)Síndrome ICE (irido corneo escleral)
Síndrome ICE (irido corneo escleral)
 
Fisiologia do Humor Aquoso
Fisiologia do Humor AquosoFisiologia do Humor Aquoso
Fisiologia do Humor Aquoso
 
Glaucoma facogênico
Glaucoma facogênicoGlaucoma facogênico
Glaucoma facogênico
 
Semiologia do glaucoma
Semiologia do glaucomaSemiologia do glaucoma
Semiologia do glaucoma
 
Tonometria e paquimetria
Tonometria e paquimetriaTonometria e paquimetria
Tonometria e paquimetria
 
Humor aquoso e Corpo Ciliar
Humor aquoso e Corpo CiliarHumor aquoso e Corpo Ciliar
Humor aquoso e Corpo Ciliar
 
Astigmatismo
AstigmatismoAstigmatismo
Astigmatismo
 
Ceratite bacteriana
Ceratite bacterianaCeratite bacteriana
Ceratite bacteriana
 
Campimetria
CampimetriaCampimetria
Campimetria
 
Síndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literatura
Síndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literaturaSíndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literatura
Síndrome Sturge-Weber - caso e revisão da literatura
 
Hanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularHanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocular
 
Noções gerais av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncs
Noções gerais   av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncsNoções gerais   av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncs
Noções gerais av, refração, ambliopia, estrabismo e lesão ncs
 
Fundoscopia para iniciantes
Fundoscopia para iniciantesFundoscopia para iniciantes
Fundoscopia para iniciantes
 
Tonometria
TonometriaTonometria
Tonometria
 
Revisão OFTALMO
Revisão OFTALMORevisão OFTALMO
Revisão OFTALMO
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
 
Gestação múltipla
Gestação múltiplaGestação múltipla
Gestação múltipla
 

Último

Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (8)

Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Esotropias

  • 1.
  • 2. ESOTROPIASESOTROPIAS R2 OFT Pietro Baptista de Azevedo 26.08.2014
  • 3. EsotropiasEsotropias • Desvios convergentes – Latentes • Somente quando fusão é rompida • Esoforia • E – Intermitentes • E(t) – Permanentes • ET
  • 5. EsotropiasEsotropias • Fatores de risco – Caucasianos • ET 10:1 XT – Hipermetropia – Relação CA/A alta – Hx familiar
  • 6. EsotropiasEsotropias • Manifestações sensoriais – Ambliopia – CRA (correspondência retiniana anômala) – Hiperfunção de m. oblíquo – Torcicolo – NL (nistagmo latente) – DVD (desvio vertical dissociado)
  • 7. • Esotropia “congênita” ou infantil • Esotropia essencial ou comitante adquirida • Esotropia acomodativa • Microtropia • Esotropia e miopia • Esotropia cíclica • Esotropia do adulto ClassificaçãoClassificação + Comum
  • 8. Esotropia congênitaEsotropia congênita • Esotropia infantil ou Síndrome de Ciancia • 30% – dos desvios oculares – das crianças com atraso DNPM – nistagmo • Falha inata no desenvolvimento da binocularidade – Desvio raramente é inato – Somente desvios que permanecem após 2 meses de vida são patológicos
  • 9. Esotropia congênitaEsotropia congênita • Início 2-6 meses • DVD é comum • Ambliopia leve-moderada – alternância
  • 10. Esotropia congênita • Tríade – ET grande ângulo – torcicolo – nistagmo Fase rápida para o olho fixador Piora em abdução Rotação do queixo para o lado fixador Inclinação para o lado fixador Difícil abdução
  • 11. Esotropia congênita • Tríade – ET grande ângulo – torcicolo – nistagmo Fase rápida para o olho fixador Piora em abdução Rotação do queixo para o lado fixador Inclinação para o lado fixador Difícil abdução
  • 12. Esotropia congênitaEsotropia congênita • Tto – Correção óptica (hipermetropia) – Ambliopia (oclusão...) – Cirurgia • <24 meses – Melhorar fusão e estereopsia (grosseira) • RBRM ou recuo-ressecção RM – Melhor alinhamento possível » Não garante estabilidade • Toxina botulínica
  • 13. Esotropia congênitaEsotropia congênita • Supercorreção – FR • Anisometropia (>1DP) • Hipermetropia (>3DP) • Disfunção dos m. oblíquos • Ambliopia • Assimetria do desvio
  • 14. Esotropia essencialEsotropia essencial • Esotropia comitante adquirida ou não-acomodativa • Umas dos estrabismos mais frequentes • 1º a 3º ano de vida • Hx familiar importante • Costuma ser monocular • Disfunção dos m. oblíquos – Padrão A e V • DVD e NL são raros
  • 15. Esotropia essencialEsotropia essencial • Tto – Testar em PPO e olhando para cima e para baixo – Se estética • tendência de redução espontânea • Reduzir 25% • Supercorreção – FR • As mesmas da ET congênita • Lesão neurológica • Re-operação
  • 16. EsotropiaEsotropia acomodativaacomodativa • Esodesvio produzido pela acomodação • Início aos 2 anos • Ambliopia leve-moderada • Hipermetropia – 2,5-5D • Acomodação e convergência – Relação CA/A • Método do gradiente
  • 17. Esotropia acomodativaEsotropia acomodativa • Tto – Tratar ambliopia (boa resposta) – Corrigir hipermetropia total (cicloplegia) • Sem desvio: ET acomodativa simples • Desvio só perto: incomitância longe-perto (CA/A alta) – Lentes bifocais executive (+3D) » Pouco efeito – mióticos (ciclotônicos) » Anticolinesterásicos » parassimpáticomiméticos – Enfraquecer CA/A • Exercícios NÃO reduzem CA/A, melhoram vergência fusional
  • 18. Esotropia acomodativaEsotropia acomodativa • Cirurgia – quando tto clínico falha • ET acomodativa simples – RBRM moderado (3,5-4mm) • Relação CA/A alta – RBRM moderado » CA/A  ET acomodativa simples – Mioescleropexia retroequatorial
  • 19. ET parcialmente acomodativaET parcialmente acomodativa • Esotropia essencial + hipermetropia – Corrige-se hipermetropia e se reduz CA/A, desvio retorna ao valor inicial • Se <8DP: microtropia • Se >25DP: operar – Levar em conta: » Grau hipermetropia, pois pode hipercorrigir (reduzir 20- 25%)
  • 20. MicrotropiaMicrotropia • ET monocular <8DP (2-5DP) • Ambliopia c/ recidivas • Primária – Ambliopia sem desvio aparente – Hereditária • Secundária – Após correção cirúrgica • Pode descompensar – Ambliopia e hipermetropia
  • 21. Esotropia e MiopiaEsotropia e Miopia • Alta miopia – Enfraquecimento da divergência • 5-8% das esotropias • Associação c/ neuropatias e sd genéticas
  • 22. Esotropia e MiopiaEsotropia e Miopia • Tto clínico e cirúrgico especial – Miopia moderada (4-8D) • Semelhante a ET comitante adquirida – Miopias maiores (>10D) • Semelhante a ET congênita • Olhos mais longos  recuos mais extensos
  • 23. Esotropia cíclicaEsotropia cíclica • Períodos de esotropia – Períodos ortotropia c/ normalidade motora e sensorial • Ciclos (24h) – cronobiologia • Evolui p/ permanente – Aprox. 1 ano
  • 24. Esotropia do adultoEsotropia do adulto  >8 anos  Aguda  Diplopia  Rara  2 Formas 1. Franceschetti • Jovem + oclusão • Esoforia descompensada • Tto cirúrgico (bom prognóstico) 2. Bielschowsky • Míope + neuropatia • Diplopia p/ longe • Paresia bilateral do RM (NC VI)