SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Formação continuada 
ESCOLA TEREZA 
FRANCESCUTI 
Avaliação 
Prof.ª MS. Letícia Santos 
ticia_santos@yahoo.com.br 
Prof.ª Esp. Mariana Correia 
mari.literatura@gmail.com 
http://profmarianacorreia.blogspot.com.br
Para pensar sobre avaliação:
O“Os instrumentos de avaliação da 
aprendizagem, também, não podem ser 
quaisquer instrumentos, mas sim os 
adequados para coletar os dados que 
estamos necessitando para configurar o 
estado de aprendizagem do nosso 
educando.” (LUCKESI, 2000, p.10)
Conceitos e critérios que 
subjazem à construção dos 
instrumentos de avaliação:
1) VALIDADE: o quanto o teste 
mede aquilo que deve medir 
O1.1 validade de construto: 
O desempenho do aluno precisa 
refletir àquilo que pretendíamos avaliar ao 
criarmos o teste. Diante de uma 
confirmação nesse sentido, teríamos a 
validade de construto. esse conceito está 
ligado a uma definição teórica acerca do 
objeto a ser medido .
1) VALIDADE: o quanto o teste 
mede aquilo que deve medir 
O1.2 validade de critério: 
Está ligada a quanto os 
resultados obtidos em um teste estão 
de acordo com os resultados de outro 
teste, em que ambos têm os mesmos 
critérios como base de avaliação.
1) VALIDADE: o quanto o teste 
mede aquilo que deve medir 
1.3 validade de conteúdo: 
Diz respeito à representatividade do 
conteúdo avaliado frente ao conteúdo 
pretendido. “a validade de conteúdo é obtida 
quando um teste efetivamente avalia 
amostras de conteúdo relevantes e 
representativas, com base nas quais 
poderão ser tiradas conclusões sobre o 
desempenho do candidato relativo àquele 
conteúdo”. (Schlatter et al, 2005, p.15)
1) VALIDADE: o quanto o teste 
mede aquilo que deve medir 
O ) 1.4 validade de face: 
É a relação do teste em contraposição às 
expectativas dos alunos. A partir disso, um teste só tem 
validade de face se os alunos que o fizerem julgarem-no 
(e isso subjetivamente) satisfatório, no sentido de 
acreditarem que tal teste mediu realmente os 
conhecimentos propostos para medição. "essa 
validade ocorre quando o teste parece avaliar aquilo 
que pretende avaliar" (Hughes, 1989).
1) VALIDADE: o quanto o teste 
mede aquilo que deve medir 
O1.5 validade de impacto ou efeito retroativo: 
Está relacionado às consequências dos 
resultados da avaliação não só no indivíduo, 
como também na sociedade, consequências 
essas que podem ser tanto positivas como 
negativas, dependendo da forma como for 
encarada.
2. CONFIABILIDADE 
Todos os candidatos precisam ser avaliados 
em igualdade de condições, impedindo ao máximo 
a influência de fatores externos ao teste. Ele é 
ligado à uniformidade de aplicação: " a 
confiabilidade de um instrumento se dá à medida 
que construímos, aplicamos e corrigimos tal 
instrumento obtendo desempenhos próximos aos 
que teriam os alunos em condições que não as do 
momento daquela avaliação" (BACHMAN & 
PALMER, 1996; HUGHES, 1989)
3. AUTENTICIDADE: 
Trata-se da relação entre o tipo de 
tarefa existente em um teste e as 
características de uso real da língua alvo 
daquele teste (no caso de avaliação de 
linguagem). 
A autenticidade de um teste se dá 
quando as tarefas desse teste apresentam 
questões que conseguem simular as 
necessidades do aluno no mundo real.
4.INTERATIVIDADE: 
Está atrelado à quantidade e ao 
tipo de envolvimento que um aluno 
precisa ter para realizar as tarefas do 
teste. Um teste interativo precisaria 
então fazer com que os alunos se 
envolvessem nele, demonstrando 
suas habilidades ao máximo.
5. PRATICIDADE: 
“Relação entre os recursos 
necessários para o desenvolvimento de 
um teste, sua aplicação e os recursos 
disponíveis para essas atividades”. 
(SANTOS, 2007, p.44). Um teste prático 
tem equivalência entre os recursos 
disponíveis e as necessidades exigidas 
para colocá-lo em prática.
PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO, 
PARADIGMAS E ESCALAS 
OO que fazer com o teste depois 
aplicá-lo nos alunos? como atribuir-lhe 
valor? de que forma se deve 
avaliar as respostas dadas pelos 
alunos às tarefas propostas por 
nosso instrumento?
OFormas (procedimentos) utilizadas 
hoje em testes de desempenho: a 
avaliação analítica e a holística.
Avaliação holística 
OAtribuição de uma única nota ao 
desempenho do aluno, baseada na 
impressão geral de tal 
desempenho, sendo que a base 
para a emissão dessa nota é uma 
escala de critérios previamente 
definida e descrita para aquele 
teste
Avaliação analítica 
OAtribuição de uma série de notas 
para uma lista de aspectos relativos 
ao desempenho do aluno. As notas, 
nesse tipo de avaliação, são 
atribuídas a partir de um paradigma 
previamente definido que contém 
os itens específicos a serem 
avaliados, sendo que cada item tem 
sua escala descrita e definida.
Paradigmas de avaliação 
Definem os parâmetros que guiam a 
avaliação, eles apresentam quais e 
quantos itens serão avaliados, e 
definem sob que prisma deve ser 
olhado o objeto.
Escalas de avaliação 
Parte do paradigma: é a partir do que foi definido 
como parâmetro num paradigma que a escala é 
construída; é a partir dos itens a serem avaliados 
(itens previamente determinados pelo 
paradigma), que é construída a escala para cada 
item. Assim sendo, ela é uma espécie de 
esquema de pontuação e possui níveis de 
atendimento.
OSe temos como objetivo, através da 
avaliação, fazer inferências válidas sobre 
a capacidade de um candidato de expor 
suas ideias por escrito em língua 
portuguesa, é necessário, portanto, dar-lhe 
uma tarefa de produção escrita, na 
qual ele possa efetivamente usar a 
língua portuguesa para expressar-se e 
desenvolver suas ideias. (SCHLATTER 
et al., 2005, p.14)
OSe avaliação é, segundo Luckesi 
(2005, p.9), “um juízo de qualidade 
sobre dados relevantes para uma 
tomada de decisão”, então devemos:
O escolher o tipo de procedimento que iremos 
adotar para avaliarmos a produção de nossos 
alunos (qual será nosso enfoque, o que nos 
importa mais observar); 
O segundo, construir paradigmas e escalas de 
avaliação coerentes com nosso construto e 
enfoque, construções essas necessárias para a 
formação de uma base justa, e que nos servirão 
de base na hora de emitirmos nosso juízo e de 
tomarmos a decisão a respeito da produção 
elaborada pelo aluno.
Proficiência 
O A avaliação deverá verificar a 
aprendizagem não a partir dos mínimos 
possíveis, mas sim a partir dos mínimos 
necessários. (LUCKESI, 2005, p.44- 45)
Exemplo de um paradigma
ENEM 2013 – C4 - H12 – 
Competência de área 4 – Compreender a 
arte como saber cultural e estético gerador 
de significação e integrador da organização 
do mundo e da própria identidade. 
H12 – Reconhecer diferentes funções da 
arte, do trabalho da produção dos artistas em 
seus meios culturais.
ENEM 2013 – C4 - H12 – Q.99 
O artista gráfico polonês Pawla 
Kuczynskiego nasceu em 1976 
e recebeu diversos prêmios por 
suas ilustrações. Nessa obra, 
ao abordar o trabalho infantil, 
Kuczynskiego usa sua arte 
para: 
A difundir a origem de marcantes diferenças sociais. 
B estabelecer uma postura proativa da sociedade. 
C provocar a reflexão sobre essa realidade. 
D propor alternativas para solucionar esse problema. 
E retratar como a questão é enfrentada em vários países 
do mundo.
Prova Brasil - Tópico 1 
ODescritor 3 
OInferir o sentido de uma palavra 
ou expressão
Questão: O Pavão 
E considerei a glória de um pavão ostentando o 
esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei 
lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não 
existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há 
são minúsculas bolhas d´água em que a luz se fragmenta, 
como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas. 
Eu considerei que este é o luxo do grande artista, 
atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. 
De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é 
a simplicidade. 
Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha 
amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e 
delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz 
de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.
No 2º parágrafo do texto, a expressão ATINGIR O 
MÁXIMO DE MATIZES significa o artista: 
(A) fazer refletir, nas penas do pavão, as cores do 
arco-íris. 
(B) conseguir o maior número de tonalidades. 
(C) fazer com que o pavão ostente suas cores. 
(D) fragmentar a luz nas bolhas d’água.
“Não há resposta. Não vai 
haver resposta. Nunca 
houve uma resposta. Esta é 
a resposta.” 
Gertrude Stein 
(1874-1946, escritora e poeta norte-americana)
Referências 
O SANTOS, Leticia da Silva. Proficiência em língua materna : um novo olhar para a 
avaliação de produção textual. Dissertação de Mestrado. UFRGS, 2010. 
O LUCKESI, Cipriano. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem. In: Pátio, n.12, Ano 
3, p.7-12, 2000 
O SCHLATTER, Margarete; ALMEIDA, A.; FORTES, M. S.; SCHOFFEN, J. R. Avaliação de 
desempenho e os conceitos de validade, confiabilidade e efeito retroativo. In: A avaliação 
do texto de vestibular: diferentes enfoques. COPERSE, UFRGS, p.11-35, 2005. 
O HUGHES, A. Testing for Language Teachers. Cambridge: Cambridge University Press, 
1989. 
O BACHMAN, Lyle F. & PALMER, A. S. The construct validation of some components of 
communicative proficiency. In: Tesol Quarterly 16, p.26-38, 1982.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
pdescola
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidade
mariaelidias
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de eja
Paulo Sérgio
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Slides Gestão Escolar
Slides Gestão EscolarSlides Gestão Escolar
Slides Gestão Escolar
roxanessavivi
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
Luúh Reis
 
Apresentação reunião de diretores e coordenadoras
Apresentação reunião de diretores e coordenadorasApresentação reunião de diretores e coordenadoras
Apresentação reunião de diretores e coordenadoras
Rosemary Batista
 

Mais procurados (20)

PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
Organização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarOrganização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolar
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidade
 
AVALIAÇÃO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
AVALIAÇÃO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕESAVALIAÇÃO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
AVALIAÇÃO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
 
Reunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emeiReunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emei
 
Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019Plano de ação gestão 2016 2019
Plano de ação gestão 2016 2019
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de eja
 
Estudo de caso
Estudo de caso Estudo de caso
Estudo de caso
 
A Escola Nova
A Escola Nova A Escola Nova
A Escola Nova
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Slides Gestão Escolar
Slides Gestão EscolarSlides Gestão Escolar
Slides Gestão Escolar
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
 
Apresentação reunião de diretores e coordenadoras
Apresentação reunião de diretores e coordenadorasApresentação reunião de diretores e coordenadoras
Apresentação reunião de diretores e coordenadoras
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 

Destaque (6)

Fidedignidade 1
Fidedignidade 1Fidedignidade 1
Fidedignidade 1
 
Apostila analise combinatoria
Apostila analise combinatoriaApostila analise combinatoria
Apostila analise combinatoria
 
Prova.matriz de referência de língua portuguesa
Prova.matriz de referência de língua portuguesaProva.matriz de referência de língua portuguesa
Prova.matriz de referência de língua portuguesa
 
D6 (9º ano l.p.)
D6 (9º ano   l.p.)D6 (9º ano   l.p.)
D6 (9º ano l.p.)
 
Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
 
Validade e fidedignidade
Validade e fidedignidadeValidade e fidedignidade
Validade e fidedignidade
 

Semelhante a Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos

Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesiEducacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
PROIDDBahiana
 
Instrumentos avaliacao
Instrumentos avaliacaoInstrumentos avaliacao
Instrumentos avaliacao
Anaigreja
 
Instrumentos avaliação
Instrumentos avaliaçãoInstrumentos avaliação
Instrumentos avaliação
José Pinto
 
Projeto avaliação extensão final
Projeto avaliação  extensão finalProjeto avaliação  extensão final
Projeto avaliação extensão final
Gabriel Gnaccarini
 
Avaliação desempenho docente
Avaliação desempenho docenteAvaliação desempenho docente
Avaliação desempenho docente
eduviecorr
 
Avaliação pedagógica digital em contextos de elearning
Avaliação pedagógica digital em contextos de elearningAvaliação pedagógica digital em contextos de elearning
Avaliação pedagógica digital em contextos de elearning
Nelson Soares
 

Semelhante a Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos (20)

Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesiEducacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
Educacao avaliacao-qualitativa-e-inovacao-cipriano-luckesi
 
Instrumentos avaliacao
Instrumentos avaliacaoInstrumentos avaliacao
Instrumentos avaliacao
 
Slide módulo 4.pptx
Slide módulo 4.pptxSlide módulo 4.pptx
Slide módulo 4.pptx
 
Didatica i u5
Didatica i u5Didatica i u5
Didatica i u5
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Instrumentos avaliação
Instrumentos avaliaçãoInstrumentos avaliação
Instrumentos avaliação
 
Instrumentos avaliação dgae
Instrumentos avaliação dgaeInstrumentos avaliação dgae
Instrumentos avaliação dgae
 
Instrumentos avaliacao dgae
Instrumentos avaliacao dgaeInstrumentos avaliacao dgae
Instrumentos avaliacao dgae
 
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
5_Projeto de Intervenção_03_julho_2021.pdf
 
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distância
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distânciaSistemas de avaliação na educação presencial e a distância
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distância
 
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016
ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS - CICLO II - 2016
 
Artigo final
Artigo finalArtigo final
Artigo final
 
Projeto avaliação extensão final
Projeto avaliação  extensão finalProjeto avaliação  extensão final
Projeto avaliação extensão final
 
Avaliação desempenho docente
Avaliação desempenho docenteAvaliação desempenho docente
Avaliação desempenho docente
 
APOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdf
APOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdfAPOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdf
APOSTILA-AVALIAÇÃO-DA-APRENDIZAGEM.pdf
 
Avaliação pedagógica digital em contextos de elearning
Avaliação pedagógica digital em contextos de elearningAvaliação pedagógica digital em contextos de elearning
Avaliação pedagógica digital em contextos de elearning
 
Concepções+sobre+avaliação+escolar esteban
Concepções+sobre+avaliação+escolar estebanConcepções+sobre+avaliação+escolar esteban
Concepções+sobre+avaliação+escolar esteban
 
Os desafios da escola pública
Os desafios da escola públicaOs desafios da escola pública
Os desafios da escola pública
 
2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes
2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes
2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes
 
2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes
2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes
2014 unioeste ped_pdp_soeli_regiane_hermes
 

Mais de Mariana Correia

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Mariana Correia
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Mariana Correia
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
Mariana Correia
 

Mais de Mariana Correia (20)

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na esco...
 
Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados gerados
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
 
Satisfaction
SatisfactionSatisfaction
Satisfaction
 
Formação 5
Formação 5Formação 5
Formação 5
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textos
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
 
Ad matriz (2)
Ad matriz (2)Ad matriz (2)
Ad matriz (2)
 

Último

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos

  • 1.
  • 2. Formação continuada ESCOLA TEREZA FRANCESCUTI Avaliação Prof.ª MS. Letícia Santos ticia_santos@yahoo.com.br Prof.ª Esp. Mariana Correia mari.literatura@gmail.com http://profmarianacorreia.blogspot.com.br
  • 3. Para pensar sobre avaliação:
  • 4. O“Os instrumentos de avaliação da aprendizagem, também, não podem ser quaisquer instrumentos, mas sim os adequados para coletar os dados que estamos necessitando para configurar o estado de aprendizagem do nosso educando.” (LUCKESI, 2000, p.10)
  • 5. Conceitos e critérios que subjazem à construção dos instrumentos de avaliação:
  • 6. 1) VALIDADE: o quanto o teste mede aquilo que deve medir O1.1 validade de construto: O desempenho do aluno precisa refletir àquilo que pretendíamos avaliar ao criarmos o teste. Diante de uma confirmação nesse sentido, teríamos a validade de construto. esse conceito está ligado a uma definição teórica acerca do objeto a ser medido .
  • 7. 1) VALIDADE: o quanto o teste mede aquilo que deve medir O1.2 validade de critério: Está ligada a quanto os resultados obtidos em um teste estão de acordo com os resultados de outro teste, em que ambos têm os mesmos critérios como base de avaliação.
  • 8. 1) VALIDADE: o quanto o teste mede aquilo que deve medir 1.3 validade de conteúdo: Diz respeito à representatividade do conteúdo avaliado frente ao conteúdo pretendido. “a validade de conteúdo é obtida quando um teste efetivamente avalia amostras de conteúdo relevantes e representativas, com base nas quais poderão ser tiradas conclusões sobre o desempenho do candidato relativo àquele conteúdo”. (Schlatter et al, 2005, p.15)
  • 9. 1) VALIDADE: o quanto o teste mede aquilo que deve medir O ) 1.4 validade de face: É a relação do teste em contraposição às expectativas dos alunos. A partir disso, um teste só tem validade de face se os alunos que o fizerem julgarem-no (e isso subjetivamente) satisfatório, no sentido de acreditarem que tal teste mediu realmente os conhecimentos propostos para medição. "essa validade ocorre quando o teste parece avaliar aquilo que pretende avaliar" (Hughes, 1989).
  • 10. 1) VALIDADE: o quanto o teste mede aquilo que deve medir O1.5 validade de impacto ou efeito retroativo: Está relacionado às consequências dos resultados da avaliação não só no indivíduo, como também na sociedade, consequências essas que podem ser tanto positivas como negativas, dependendo da forma como for encarada.
  • 11. 2. CONFIABILIDADE Todos os candidatos precisam ser avaliados em igualdade de condições, impedindo ao máximo a influência de fatores externos ao teste. Ele é ligado à uniformidade de aplicação: " a confiabilidade de um instrumento se dá à medida que construímos, aplicamos e corrigimos tal instrumento obtendo desempenhos próximos aos que teriam os alunos em condições que não as do momento daquela avaliação" (BACHMAN & PALMER, 1996; HUGHES, 1989)
  • 12. 3. AUTENTICIDADE: Trata-se da relação entre o tipo de tarefa existente em um teste e as características de uso real da língua alvo daquele teste (no caso de avaliação de linguagem). A autenticidade de um teste se dá quando as tarefas desse teste apresentam questões que conseguem simular as necessidades do aluno no mundo real.
  • 13. 4.INTERATIVIDADE: Está atrelado à quantidade e ao tipo de envolvimento que um aluno precisa ter para realizar as tarefas do teste. Um teste interativo precisaria então fazer com que os alunos se envolvessem nele, demonstrando suas habilidades ao máximo.
  • 14. 5. PRATICIDADE: “Relação entre os recursos necessários para o desenvolvimento de um teste, sua aplicação e os recursos disponíveis para essas atividades”. (SANTOS, 2007, p.44). Um teste prático tem equivalência entre os recursos disponíveis e as necessidades exigidas para colocá-lo em prática.
  • 15. PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO, PARADIGMAS E ESCALAS OO que fazer com o teste depois aplicá-lo nos alunos? como atribuir-lhe valor? de que forma se deve avaliar as respostas dadas pelos alunos às tarefas propostas por nosso instrumento?
  • 16. OFormas (procedimentos) utilizadas hoje em testes de desempenho: a avaliação analítica e a holística.
  • 17. Avaliação holística OAtribuição de uma única nota ao desempenho do aluno, baseada na impressão geral de tal desempenho, sendo que a base para a emissão dessa nota é uma escala de critérios previamente definida e descrita para aquele teste
  • 18. Avaliação analítica OAtribuição de uma série de notas para uma lista de aspectos relativos ao desempenho do aluno. As notas, nesse tipo de avaliação, são atribuídas a partir de um paradigma previamente definido que contém os itens específicos a serem avaliados, sendo que cada item tem sua escala descrita e definida.
  • 19. Paradigmas de avaliação Definem os parâmetros que guiam a avaliação, eles apresentam quais e quantos itens serão avaliados, e definem sob que prisma deve ser olhado o objeto.
  • 20. Escalas de avaliação Parte do paradigma: é a partir do que foi definido como parâmetro num paradigma que a escala é construída; é a partir dos itens a serem avaliados (itens previamente determinados pelo paradigma), que é construída a escala para cada item. Assim sendo, ela é uma espécie de esquema de pontuação e possui níveis de atendimento.
  • 21. OSe temos como objetivo, através da avaliação, fazer inferências válidas sobre a capacidade de um candidato de expor suas ideias por escrito em língua portuguesa, é necessário, portanto, dar-lhe uma tarefa de produção escrita, na qual ele possa efetivamente usar a língua portuguesa para expressar-se e desenvolver suas ideias. (SCHLATTER et al., 2005, p.14)
  • 22. OSe avaliação é, segundo Luckesi (2005, p.9), “um juízo de qualidade sobre dados relevantes para uma tomada de decisão”, então devemos:
  • 23. O escolher o tipo de procedimento que iremos adotar para avaliarmos a produção de nossos alunos (qual será nosso enfoque, o que nos importa mais observar); O segundo, construir paradigmas e escalas de avaliação coerentes com nosso construto e enfoque, construções essas necessárias para a formação de uma base justa, e que nos servirão de base na hora de emitirmos nosso juízo e de tomarmos a decisão a respeito da produção elaborada pelo aluno.
  • 24. Proficiência O A avaliação deverá verificar a aprendizagem não a partir dos mínimos possíveis, mas sim a partir dos mínimos necessários. (LUCKESI, 2005, p.44- 45)
  • 25. Exemplo de um paradigma
  • 26. ENEM 2013 – C4 - H12 – Competência de área 4 – Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrador da organização do mundo e da própria identidade. H12 – Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais.
  • 27. ENEM 2013 – C4 - H12 – Q.99 O artista gráfico polonês Pawla Kuczynskiego nasceu em 1976 e recebeu diversos prêmios por suas ilustrações. Nessa obra, ao abordar o trabalho infantil, Kuczynskiego usa sua arte para: A difundir a origem de marcantes diferenças sociais. B estabelecer uma postura proativa da sociedade. C provocar a reflexão sobre essa realidade. D propor alternativas para solucionar esse problema. E retratar como a questão é enfrentada em vários países do mundo.
  • 28. Prova Brasil - Tópico 1 ODescritor 3 OInferir o sentido de uma palavra ou expressão
  • 29. Questão: O Pavão E considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d´água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas. Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a simplicidade. Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.
  • 30. No 2º parágrafo do texto, a expressão ATINGIR O MÁXIMO DE MATIZES significa o artista: (A) fazer refletir, nas penas do pavão, as cores do arco-íris. (B) conseguir o maior número de tonalidades. (C) fazer com que o pavão ostente suas cores. (D) fragmentar a luz nas bolhas d’água.
  • 31. “Não há resposta. Não vai haver resposta. Nunca houve uma resposta. Esta é a resposta.” Gertrude Stein (1874-1946, escritora e poeta norte-americana)
  • 32. Referências O SANTOS, Leticia da Silva. Proficiência em língua materna : um novo olhar para a avaliação de produção textual. Dissertação de Mestrado. UFRGS, 2010. O LUCKESI, Cipriano. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem. In: Pátio, n.12, Ano 3, p.7-12, 2000 O SCHLATTER, Margarete; ALMEIDA, A.; FORTES, M. S.; SCHOFFEN, J. R. Avaliação de desempenho e os conceitos de validade, confiabilidade e efeito retroativo. In: A avaliação do texto de vestibular: diferentes enfoques. COPERSE, UFRGS, p.11-35, 2005. O HUGHES, A. Testing for Language Teachers. Cambridge: Cambridge University Press, 1989. O BACHMAN, Lyle F. & PALMER, A. S. The construct validation of some components of communicative proficiency. In: Tesol Quarterly 16, p.26-38, 1982.