SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
                  CENTRO DE EDUCAÇÃO
                  CURSO DE PEDAGOGIA




                ANA CLARISSE LIMA CÂNDIDO
                   ELYNE NUNES GUEDES
                 JACIANE JÉSSICA DA SILVA
               LAURE MONIQUE SILVA SANTOS
                 TAMIRES LUANA DA SILVA




FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO




                          Maceió
                           2012
2



                ANA CLARISSE LIMA CÂNDIDO
                   ELYNE NUNES GUEDES
                 JACIANE JÉSSICA DA SILVA
               LAURE MONIQUE SILVA SANTOS
                 TAMIRES LUANA DA SILVA




FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO




                                     Projeto de Intervenção apresentado à
                                     Universidade Federal de Alagoas, do
                                     Curso de Pedagogia, comorequisito para
                                     oEstágio Supervisionado I.

                                     Orientadora: Prof.ªMsc. Karla Oliveira




                          Maceió
                           2012
3



                                                     SUMÁRIO


1.   IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO.............................................................................3
2.   JUSTIFICATIVA.........................................................................................................3
3.   PROBLEMA E HIPÓTESE........................................................................................4
4.   OBJETIVOS..................................................................................................................5
5.   EMBASAMENTO TEÓRICO.....................................................................................6
6.   METODOLOGIA.........................................................................................................8
7.   CRONOGRAMA DE AÇÕES.....................................................................................9
8.   REFERÊNCIAS..........................................................................................................10
4




FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO



   1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

      O título para o projeto de intervenção que será realizado na Escola de Ensino
Fundamental Professora Eulina Ribeiro Alencar, situada no bairro do Jacintinhoé:
Fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho, tendo como tema gerador as
relações interpessoais e como questão central,Como as relações interpessoais podem
influenciar na efetivação do trabalho pedagógico?
5



   2. JUSTIFICATIVA DO TEMA



       Este projeto versa uma intervenção voltada para a relação entre professor/professor
com o objetivo de auxiliar esses relacionamentos.
        Há uma frase de Martin Buber que diz: O ser humano se torna eu pela relação com o
você. À medida que me torno eu, digo você. Todo viver real é encontro. Tomando por
fundamento essa frase, escolhemos o tema “Fundamental é mesmo o amor, é impossível ser
feliz sozinho” com base nas dificuldades relatadas pela gestão da escola, que também
ressaltou a necessidade de continuação do projeto de intervenção do grupo de estagiárias do
semestre passado e com intuito de levantar alguns questionamentos sobre a necessidade do
trabalho coletivo, sobre a importância de trabalhar em equipe, de respeitar o outro, respeitar as
opiniões diversas e contribuir para que o ambiente de trabalho seja um lugar harmonioso.
       O objetivo deste projeto de intervenção é mostrar que esses educadores podem e
devem fazer a diferença, que é importante ter amor pelo que se faz, que nós possuímos um
papel essencial na sociedade, podemos nos apropriar de uma frase de Paulo Freire (1987) que
se relaciona tão bem com o que pretendemos articular: “ninguém educa ninguém, ninguém se
educa sozinho, os homens se educam em comunhão”.
6



   3. PROBLEMA E HIPÓTESE


       Quando se pensa nas diversas especificidades do contexto escolar, é imprescindível
trazer à tona as relações pedagógicas tanto entre professores e professores, professores e
alunos, aluno e alunos e pais e professores, pois tais relações interferem diretamente no
planejamento, na prática pedagógica e no desenvolvimento da aprendizagem dos alunos.
Diante de tais problemáticas constatadas no campo de estágio vivenciado por nós, surge a
necessidade de refletirmos neste sentido, a fim de buscarmos saídas para tais situações.

       Então surgem diversos questionamentos quanto às relações interpessoais entre os
diversos sujeitos pedagógicos: Como fazer com que os professores se unam e trabalhem de
forma coletiva na garantia de um ensino e de uma aprendizagem significativa para seus alunos
proporcionando um ambiente harmonioso nesta instituição?

       A partir disso, observamos juntos com a gestão da escola a necessidade de uma
intervenção nas relações interpessoais, a necessidade desta intervenção se dá diante das
dificuldades de relacionamento dos membros da comunidade escolar, que percebemos
enquanto visitamos e através dos acontecimentos que vivenciamos na escola.

       Nas relações interpessoais entre os professores, que atinge diretamente o adequado
andamento das práticas pedagógicas na escola, é primordial que se parta para ações que façam
com que os docentes reflitam e redirecionem a relação entre os mesmos, para uma devida
mudança de postura, os quais possam trabalhar de forma amigável, coletiva, rumo à aceitação
da opinião do “outro”, com o propósito de pensar e planejar suas práticas de ensino que
garantam o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. As relações interpessoais que não se
dão de forma adequada interferem nas diversas outras relações que se passam no contexto
escolar.

       Sendo assim é que partiremos para ações que possam ajudar os professores a
refletirem sobre as relações interpessoais que estão postas na escola, para uma devida
mudança nas ações dos mesmos.
7



      4. OBJETIVOS:

  Objetivo Geral:

     Conduzir uma intervenção com base nas relações interpessoais entre professor-professor que
possibilitem formar verdadeiras equipes para a melhoria do ensino-aprendizagem, todos trabalhando
juntos e em grupo. Propondo também um melhor convívio com os colegas, e um lugar onde possa
haver diálogos e construção de projetos em equipe para a melhoria da Instituição, para que assim os
indivíduos envolvidos possam se tornar sujeitos reflexivos.

  Objetivos Específicos:

        Provocar uma reflexão sobre o relacionamento entre professor-professor;
        Construir formas de intervenção nessas relações a partir de embasamentos teóricos, para que
        os professores reflitam suas atitudes no ambiente escolar mediante as ações que iremos
        executar.
        Planejar momentos de discussões com temas, como: o papel social do professor, a
        importância das relações interpessoais na escola e que essa proposta possa ser um auxílio para
        que os professores expressem seus pensamentos e reflitam sobre suas respectivas posturas
        enquanto educadores e seu papel na organização escolar.
8



   5. EMBASAMENTO TEÓRICO



       A escola possui o papel de transmissora de conhecimentos, no desenvolvimento pleno
da pessoa humana e na formação para a cidadania. Mas, mesmo cumprindo a tarefa básica de
possibilitar o acesso ao saber, sua função social apresenta variações em diferentes momentos
da história, sociedades, países, povos e regiões. Mesmo depois da expansão e da
obrigatoriedade da escolaridade para as crianças, ainda há problemas educacionais. A
sociedade está em permanente mudança, e isto leva a escola a se adequar para fazer de seus
alunos atuantes desta transformação, e não sujeitos passivos alheios a esta mudança.

       A escola deve proporcionar o desenvolvimento de seus alunos para o convívio na
cultura global e a partir do desenvolvimento das competências de aprender a conhecer,
aprender a fazer, a conviver e aprender a ser.

       O professor, por definição é o elemento chave no bom sucesso de uma escola, nas
relações humanas dentro dela, no aproveitamento dos alunos e no rendimento escolar, pois
este se encontra inserido numa prática democrática na instituição escolar que indica o
desenvolvimento da comunicação e do relacionamento interpessoal, bem como a participação
de todos os profissionais envolvidos no diálogo, e este é possibilitado pela ação e reflexão.

       A inclusão da afetividade, o diálogo, a cooperação, o saber ouvir e a própria atenção e
carinho com todos são de grande importância no processo de ensino e aprendizagem, pois o
amor é fundamental, é a base de toda a vida. As frases como “Como você está hoje?” e
“Tenha um bom dia!” podem ajudar a firmar uma proximidade, que vai além do ser
professore transformar colegas de trabalho em companheiros.

       Em um ambiente organizacional onde realmente existe carinho entre os indivíduos, o
clima ficará mais tranquilo e harmonioso e dentro da escola onde se propaga a gestão
democrática, a afetividade nas relações interpessoais deve surgir conectada à prática
pedagógica, visando promover a qualidade da educação.

A prática democrática na instituição escolar propõe o desenvolvimento da participação de
todos os profissionais envolvidos e do diálogo, sendo assim, a melhoria das relações
interpessoais favorecem :

                              [...] um ambiente de trabalho no qual prevaleçam relações
                              interpessoais mais humanas e justas, privilegiando o respeito à
9



diversidade sociocultural de todos os envolvidos no processo
educacional que se relacionam diretamente com o aluno
(SILVA, 2008, p. 13).
10



   6. METODOLOGIA:

       A nossa metodologia tem por base uma pesquisa de campo qualitativa. A pesquisa de
campo procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coleta
de dados referentes aos mesmos e a análise e interpretação desses dados, com base numa
fundamentação teórica, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado. A
pesquisa qualitativa tem caráter exploratório, é utilizada quando se busca percepções e
entendimento sobre a natureza geral de uma questão.
       Para a coleta de dados utilizamos um roteiro semi-estruturado e realizamos entrevistas
com os membros da comunidade escolar, a partir das respostas que obtivemos,nos
mobilizamos para a construção do projeto de intervenção. Compartilhamos as perguntas entre
a equipe e dividimos entre nós para que todas pudessem participar e contribuir para a
execução da atividade.
       A caracterização da escola foi realizada através da observação e da coleta de dados,
com intuito de investigarmos as ações da escola, principalmente da equipe gestora, diante das
relações pessoais. Com este objetivo, nos reunimos e definimos as ações podem ser aplicadas
para que a intervenção seja um repensar das práticas pedagógicas, que implique na formação
crítica dos sujeitos que se inserem naquela comunidade escolar.
       Utilizamos em nosso projeto a pesquisa participante. A pesquisa participante foi criada
na década de 60 no momento em que a sociedade americana passava por processos de
mudanças estruturais. Tem como principal objetivo a aproximação do pesquisador com o
objetivo da pesquisa. Segundo Grossi (1981): “Pesquisa participante é um processo de
pesquisa no qual a comunidade participa na análise de sua própria realidade, com vistas a
promover uma transformação social em benefício dos participantes que são oprimidos”.
Portanto, é uma atividade de pesquisa educacional orientada para a ação, que permite que o
pesquisador trabalhe com o objeto pesquisado de igual para igual, ou seja, sem a influência de
ideologias e com autenticidade e compromisso.
11



  7. CRONOGRAMA DE AÇÕES



Datas                                               Ações
 25/abr Apresentação do projeto de intervenção para a equipe gestora.
        Preparação de material para a divulgação das ações, para panfletagem e para construção do
 02/mai varal.
 09/mai Divulgação das ações, panfletagem, exposição do varal.
 16/mai Planejamento para o teatro do oprimido.
 23/mai Teatro do oprimido.
        Avaliação/ reflexão sobre o teatro do oprimido/ Utilização de música, como um momento de
 30/mai relaxamento e reflexão.
 06/jun Planejamento para o encontro com os professores.
 13/jun Encontro com os professores para discussão e encerramento.
12




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ESTRELA, Maria Teresa (org.).Viver e construir a profissão docente. Porto: Porto Editora,
1997. (Coleção Ciências da Educação, n. 26).


PENIN, Sônia Teresinha de Souza; VIEIRA Sofia Lerche.; MACHADO . Maria Aglaê de
Medeiros. Progestão: como articular a função social da escola com as especificidades e as
demandas da comunidade? Brasília: Consed, 2001 (Módulo 1).


SILVA. Elaine Aparecida. Relações Interpessoais no Ambiente Escolar. RevistaEm
Extensão, Uberlândia, v. 7, n. 2, p. 10 - 18, 2008.


MINICUCCI. Agostinho. Relações humanas na escola. São Paulo: Melhoramentos, 1968.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
Alessandra Alves
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
Germano Minezes
 
Modelo exemplo de projeto de intervenção
Modelo exemplo de projeto de intervençãoModelo exemplo de projeto de intervenção
Modelo exemplo de projeto de intervenção
Claudilena Araújo
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
Maria da C.A.Versiani
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...
Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...
Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...
SandraRombi
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Priscila Gomes
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
driminas
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Belister Paulino
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
carmemlima
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
GERALDOGOMESDEBARROS
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
UFMA e UEMA
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
LOCIMAR MASSALAI
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucionalRelatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Ravena B
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Alessandra Alves
 

Mais procurados (20)

Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
 
Modelo exemplo de projeto de intervenção
Modelo exemplo de projeto de intervençãoModelo exemplo de projeto de intervenção
Modelo exemplo de projeto de intervenção
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...
Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...
Formação para os Professores, Premissas: Excelência em Gestão, Corresponsabil...
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Formação de professor
Formação de professorFormação de professor
Formação de professor
 
Plano de ação 2011
Plano de ação 2011Plano de ação 2011
Plano de ação 2011
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
Plano Anual de Ação da Orientação Escolar
 
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogicomodelo-de-projeto-politico-pedagogico
modelo-de-projeto-politico-pedagogico
 
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucionalRelatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
 

Destaque

Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Debora_Marques
 
Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
Superestagio
 
Trabalho completo projeto de intervenção
Trabalho completo projeto de intervençãoTrabalho completo projeto de intervenção
Trabalho completo projeto de intervenção
halinedias
 
Projeto de intervenção slides
Projeto de intervenção slidesProjeto de intervenção slides
Projeto de intervenção slides
natanael alves da silva
 
Projeto de intervenção
Projeto de intervençãoProjeto de intervenção
Projeto de intervenção
Fábio de Oliveira Matos
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -
Alexsandra Veras
 
A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...
A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...
A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...
Raquel Salcedo Gomes
 
Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIA
Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIAProjeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIA
Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIA
Adriana Melo
 
Projeto de pesquisa sobre Inclusão
Projeto de pesquisa sobre InclusãoProjeto de pesquisa sobre Inclusão
Projeto de pesquisa sobre Inclusão
Gladis Maia
 
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60
Mariangela Santos
 
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
Célia Cristina Destro Baldessar
 
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Professsor Marcos Marcos
 
Cras
CrasCras
Tecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolasTecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolas
Sandrastos
 
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.ticCurrículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Benilde Ramalho
 
Premissas para um projeto de intervenção pedagógica
Premissas para um projeto de intervenção pedagógicaPremissas para um projeto de intervenção pedagógica
Premissas para um projeto de intervenção pedagógica
Jeca Tatu
 
Orientações para o projeto de intervenção
Orientações para o projeto de intervençãoOrientações para o projeto de intervenção
Orientações para o projeto de intervenção
Lidiane Lima
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
leilymoura
 
Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
Joelson Honoratto
 
Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/Parfor
Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/ParforTrabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/Parfor
Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/Parfor
Lúcia Maia
 

Destaque (20)

Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
 
Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
 
Trabalho completo projeto de intervenção
Trabalho completo projeto de intervençãoTrabalho completo projeto de intervenção
Trabalho completo projeto de intervenção
 
Projeto de intervenção slides
Projeto de intervenção slidesProjeto de intervenção slides
Projeto de intervenção slides
 
Projeto de intervenção
Projeto de intervençãoProjeto de intervenção
Projeto de intervenção
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -
 
A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...
A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...
A aplicação da pedagogia de projetos no estágio supervisionado de ensino de l...
 
Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIA
Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIAProjeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIA
Projeto ler e escrever compromisso de todas as áreas GEOGRAFIA
 
Projeto de pesquisa sobre Inclusão
Projeto de pesquisa sobre InclusãoProjeto de pesquisa sobre Inclusão
Projeto de pesquisa sobre Inclusão
 
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60
 
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
 
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
 
Cras
CrasCras
Cras
 
Tecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolasTecnologias assistivas nas escolas
Tecnologias assistivas nas escolas
 
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.ticCurrículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
 
Premissas para um projeto de intervenção pedagógica
Premissas para um projeto de intervenção pedagógicaPremissas para um projeto de intervenção pedagógica
Premissas para um projeto de intervenção pedagógica
 
Orientações para o projeto de intervenção
Orientações para o projeto de intervençãoOrientações para o projeto de intervenção
Orientações para o projeto de intervenção
 
Cras paif
Cras paifCras paif
Cras paif
 
Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
 
Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/Parfor
Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/ParforTrabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/Parfor
Trabalho de Conclusão do Curso de Pedagogia- Ufopa/Parfor
 

Semelhante a Projeto de Intervenção

Escola, mais que sala e giz
Escola, mais que sala e gizEscola, mais que sala e giz
Escola, mais que sala e giz
RenataAB
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Monografia Carla Pedagogia 2008
Monografia Carla Pedagogia 2008Monografia Carla Pedagogia 2008
Monografia Carla Pedagogia 2008
Biblioteca Campus VII
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
mkbariotto
 
Tese
TeseTese
Monografia Cione Pedagogia 2008
Monografia Cione Pedagogia 2008Monografia Cione Pedagogia 2008
Monografia Cione Pedagogia 2008
Biblioteca Campus VII
 
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-2016041940868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
patyferrari2
 
Nilva
NilvaNilva
Extensão a comunidade
Extensão a comunidadeExtensão a comunidade
Extensão a comunidade
Paulo Wanderson
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
mkbariotto
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
Edneusa Souza
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
Johnny Ribeiro
 
Antonio Novoa
Antonio NovoaAntonio Novoa
Antonio Novoa
Maristela Couto
 
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
christianceapcursos
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
cefaprodematupa
 
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
kauezinhoproducao
 
Tendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e lucianaTendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e luciana
Luciana Boareto
 
Tendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e lucianaTendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e luciana
Luciana Boareto
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
Katia Teixeira
 

Semelhante a Projeto de Intervenção (20)

Escola, mais que sala e giz
Escola, mais que sala e gizEscola, mais que sala e giz
Escola, mais que sala e giz
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Monografia Carla Pedagogia 2008
Monografia Carla Pedagogia 2008Monografia Carla Pedagogia 2008
Monografia Carla Pedagogia 2008
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
 
Tese
TeseTese
Tese
 
Monografia Cione Pedagogia 2008
Monografia Cione Pedagogia 2008Monografia Cione Pedagogia 2008
Monografia Cione Pedagogia 2008
 
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-2016041940868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
40868 texto do artigo-171561-1-10-20160419
 
Nilva
NilvaNilva
Nilva
 
Extensão a comunidade
Extensão a comunidadeExtensão a comunidade
Extensão a comunidade
 
Atps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidadeAtps projeto de extensao_a_comunidade
Atps projeto de extensao_a_comunidade
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
 
Antonio Novoa
Antonio NovoaAntonio Novoa
Antonio Novoa
 
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS  Noelma Carvalho...
A IMPORTÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Noelma Carvalho...
 
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1ArtigoCONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
CONTRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA1Artigo
 
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012Proposta pedagogica  ensino fundamental 2012
Proposta pedagogica ensino fundamental 2012
 
Tendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e lucianaTendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e luciana
 
Tendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e lucianaTendencias pedagogicas katia e luciana
Tendencias pedagogicas katia e luciana
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 

Último

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Projeto de Intervenção

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA ANA CLARISSE LIMA CÂNDIDO ELYNE NUNES GUEDES JACIANE JÉSSICA DA SILVA LAURE MONIQUE SILVA SANTOS TAMIRES LUANA DA SILVA FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO Maceió 2012
  • 2. 2 ANA CLARISSE LIMA CÂNDIDO ELYNE NUNES GUEDES JACIANE JÉSSICA DA SILVA LAURE MONIQUE SILVA SANTOS TAMIRES LUANA DA SILVA FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO Projeto de Intervenção apresentado à Universidade Federal de Alagoas, do Curso de Pedagogia, comorequisito para oEstágio Supervisionado I. Orientadora: Prof.ªMsc. Karla Oliveira Maceió 2012
  • 3. 3 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO.............................................................................3 2. JUSTIFICATIVA.........................................................................................................3 3. PROBLEMA E HIPÓTESE........................................................................................4 4. OBJETIVOS..................................................................................................................5 5. EMBASAMENTO TEÓRICO.....................................................................................6 6. METODOLOGIA.........................................................................................................8 7. CRONOGRAMA DE AÇÕES.....................................................................................9 8. REFERÊNCIAS..........................................................................................................10
  • 4. 4 FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO O título para o projeto de intervenção que será realizado na Escola de Ensino Fundamental Professora Eulina Ribeiro Alencar, situada no bairro do Jacintinhoé: Fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho, tendo como tema gerador as relações interpessoais e como questão central,Como as relações interpessoais podem influenciar na efetivação do trabalho pedagógico?
  • 5. 5 2. JUSTIFICATIVA DO TEMA Este projeto versa uma intervenção voltada para a relação entre professor/professor com o objetivo de auxiliar esses relacionamentos. Há uma frase de Martin Buber que diz: O ser humano se torna eu pela relação com o você. À medida que me torno eu, digo você. Todo viver real é encontro. Tomando por fundamento essa frase, escolhemos o tema “Fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho” com base nas dificuldades relatadas pela gestão da escola, que também ressaltou a necessidade de continuação do projeto de intervenção do grupo de estagiárias do semestre passado e com intuito de levantar alguns questionamentos sobre a necessidade do trabalho coletivo, sobre a importância de trabalhar em equipe, de respeitar o outro, respeitar as opiniões diversas e contribuir para que o ambiente de trabalho seja um lugar harmonioso. O objetivo deste projeto de intervenção é mostrar que esses educadores podem e devem fazer a diferença, que é importante ter amor pelo que se faz, que nós possuímos um papel essencial na sociedade, podemos nos apropriar de uma frase de Paulo Freire (1987) que se relaciona tão bem com o que pretendemos articular: “ninguém educa ninguém, ninguém se educa sozinho, os homens se educam em comunhão”.
  • 6. 6 3. PROBLEMA E HIPÓTESE Quando se pensa nas diversas especificidades do contexto escolar, é imprescindível trazer à tona as relações pedagógicas tanto entre professores e professores, professores e alunos, aluno e alunos e pais e professores, pois tais relações interferem diretamente no planejamento, na prática pedagógica e no desenvolvimento da aprendizagem dos alunos. Diante de tais problemáticas constatadas no campo de estágio vivenciado por nós, surge a necessidade de refletirmos neste sentido, a fim de buscarmos saídas para tais situações. Então surgem diversos questionamentos quanto às relações interpessoais entre os diversos sujeitos pedagógicos: Como fazer com que os professores se unam e trabalhem de forma coletiva na garantia de um ensino e de uma aprendizagem significativa para seus alunos proporcionando um ambiente harmonioso nesta instituição? A partir disso, observamos juntos com a gestão da escola a necessidade de uma intervenção nas relações interpessoais, a necessidade desta intervenção se dá diante das dificuldades de relacionamento dos membros da comunidade escolar, que percebemos enquanto visitamos e através dos acontecimentos que vivenciamos na escola. Nas relações interpessoais entre os professores, que atinge diretamente o adequado andamento das práticas pedagógicas na escola, é primordial que se parta para ações que façam com que os docentes reflitam e redirecionem a relação entre os mesmos, para uma devida mudança de postura, os quais possam trabalhar de forma amigável, coletiva, rumo à aceitação da opinião do “outro”, com o propósito de pensar e planejar suas práticas de ensino que garantam o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. As relações interpessoais que não se dão de forma adequada interferem nas diversas outras relações que se passam no contexto escolar. Sendo assim é que partiremos para ações que possam ajudar os professores a refletirem sobre as relações interpessoais que estão postas na escola, para uma devida mudança nas ações dos mesmos.
  • 7. 7 4. OBJETIVOS: Objetivo Geral: Conduzir uma intervenção com base nas relações interpessoais entre professor-professor que possibilitem formar verdadeiras equipes para a melhoria do ensino-aprendizagem, todos trabalhando juntos e em grupo. Propondo também um melhor convívio com os colegas, e um lugar onde possa haver diálogos e construção de projetos em equipe para a melhoria da Instituição, para que assim os indivíduos envolvidos possam se tornar sujeitos reflexivos. Objetivos Específicos: Provocar uma reflexão sobre o relacionamento entre professor-professor; Construir formas de intervenção nessas relações a partir de embasamentos teóricos, para que os professores reflitam suas atitudes no ambiente escolar mediante as ações que iremos executar. Planejar momentos de discussões com temas, como: o papel social do professor, a importância das relações interpessoais na escola e que essa proposta possa ser um auxílio para que os professores expressem seus pensamentos e reflitam sobre suas respectivas posturas enquanto educadores e seu papel na organização escolar.
  • 8. 8 5. EMBASAMENTO TEÓRICO A escola possui o papel de transmissora de conhecimentos, no desenvolvimento pleno da pessoa humana e na formação para a cidadania. Mas, mesmo cumprindo a tarefa básica de possibilitar o acesso ao saber, sua função social apresenta variações em diferentes momentos da história, sociedades, países, povos e regiões. Mesmo depois da expansão e da obrigatoriedade da escolaridade para as crianças, ainda há problemas educacionais. A sociedade está em permanente mudança, e isto leva a escola a se adequar para fazer de seus alunos atuantes desta transformação, e não sujeitos passivos alheios a esta mudança. A escola deve proporcionar o desenvolvimento de seus alunos para o convívio na cultura global e a partir do desenvolvimento das competências de aprender a conhecer, aprender a fazer, a conviver e aprender a ser. O professor, por definição é o elemento chave no bom sucesso de uma escola, nas relações humanas dentro dela, no aproveitamento dos alunos e no rendimento escolar, pois este se encontra inserido numa prática democrática na instituição escolar que indica o desenvolvimento da comunicação e do relacionamento interpessoal, bem como a participação de todos os profissionais envolvidos no diálogo, e este é possibilitado pela ação e reflexão. A inclusão da afetividade, o diálogo, a cooperação, o saber ouvir e a própria atenção e carinho com todos são de grande importância no processo de ensino e aprendizagem, pois o amor é fundamental, é a base de toda a vida. As frases como “Como você está hoje?” e “Tenha um bom dia!” podem ajudar a firmar uma proximidade, que vai além do ser professore transformar colegas de trabalho em companheiros. Em um ambiente organizacional onde realmente existe carinho entre os indivíduos, o clima ficará mais tranquilo e harmonioso e dentro da escola onde se propaga a gestão democrática, a afetividade nas relações interpessoais deve surgir conectada à prática pedagógica, visando promover a qualidade da educação. A prática democrática na instituição escolar propõe o desenvolvimento da participação de todos os profissionais envolvidos e do diálogo, sendo assim, a melhoria das relações interpessoais favorecem : [...] um ambiente de trabalho no qual prevaleçam relações interpessoais mais humanas e justas, privilegiando o respeito à
  • 9. 9 diversidade sociocultural de todos os envolvidos no processo educacional que se relacionam diretamente com o aluno (SILVA, 2008, p. 13).
  • 10. 10 6. METODOLOGIA: A nossa metodologia tem por base uma pesquisa de campo qualitativa. A pesquisa de campo procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coleta de dados referentes aos mesmos e a análise e interpretação desses dados, com base numa fundamentação teórica, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado. A pesquisa qualitativa tem caráter exploratório, é utilizada quando se busca percepções e entendimento sobre a natureza geral de uma questão. Para a coleta de dados utilizamos um roteiro semi-estruturado e realizamos entrevistas com os membros da comunidade escolar, a partir das respostas que obtivemos,nos mobilizamos para a construção do projeto de intervenção. Compartilhamos as perguntas entre a equipe e dividimos entre nós para que todas pudessem participar e contribuir para a execução da atividade. A caracterização da escola foi realizada através da observação e da coleta de dados, com intuito de investigarmos as ações da escola, principalmente da equipe gestora, diante das relações pessoais. Com este objetivo, nos reunimos e definimos as ações podem ser aplicadas para que a intervenção seja um repensar das práticas pedagógicas, que implique na formação crítica dos sujeitos que se inserem naquela comunidade escolar. Utilizamos em nosso projeto a pesquisa participante. A pesquisa participante foi criada na década de 60 no momento em que a sociedade americana passava por processos de mudanças estruturais. Tem como principal objetivo a aproximação do pesquisador com o objetivo da pesquisa. Segundo Grossi (1981): “Pesquisa participante é um processo de pesquisa no qual a comunidade participa na análise de sua própria realidade, com vistas a promover uma transformação social em benefício dos participantes que são oprimidos”. Portanto, é uma atividade de pesquisa educacional orientada para a ação, que permite que o pesquisador trabalhe com o objeto pesquisado de igual para igual, ou seja, sem a influência de ideologias e com autenticidade e compromisso.
  • 11. 11 7. CRONOGRAMA DE AÇÕES Datas Ações 25/abr Apresentação do projeto de intervenção para a equipe gestora. Preparação de material para a divulgação das ações, para panfletagem e para construção do 02/mai varal. 09/mai Divulgação das ações, panfletagem, exposição do varal. 16/mai Planejamento para o teatro do oprimido. 23/mai Teatro do oprimido. Avaliação/ reflexão sobre o teatro do oprimido/ Utilização de música, como um momento de 30/mai relaxamento e reflexão. 06/jun Planejamento para o encontro com os professores. 13/jun Encontro com os professores para discussão e encerramento.
  • 12. 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ESTRELA, Maria Teresa (org.).Viver e construir a profissão docente. Porto: Porto Editora, 1997. (Coleção Ciências da Educação, n. 26). PENIN, Sônia Teresinha de Souza; VIEIRA Sofia Lerche.; MACHADO . Maria Aglaê de Medeiros. Progestão: como articular a função social da escola com as especificidades e as demandas da comunidade? Brasília: Consed, 2001 (Módulo 1). SILVA. Elaine Aparecida. Relações Interpessoais no Ambiente Escolar. RevistaEm Extensão, Uberlândia, v. 7, n. 2, p. 10 - 18, 2008. MINICUCCI. Agostinho. Relações humanas na escola. São Paulo: Melhoramentos, 1968.