SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
INSTITUTO DE LETRAS – PPG LETRAS
ÁREA DE LINGUAGENS: LINGÍSTICA APLICADA
Cadeira: Linguística Aplicada Prof.ª Margarete Schlatter
Turma única Semestre 2015/2
Nome: Mariana Correia
Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis: a formação do leitor literário na escola1
Mariana Correia2
O lançamento do novo livro da série Harry Potter “Harry Potter e a criança
amaldiçoada” teve seu lançamento em inglês em julho de 2016 e tem seu lançamento em
português previsto para outubro do mesmo ano, porém já em fevereiro liderava as vendas
no site da Amazon (segundo o site G1), aparece como notícia em inúmeros sites de jornais
e revistas de renome e é assunto nas redes sociais em comentários tanto dos fãs de
carteirinha quanto de uma galera que ainda nem tinha nascido na época da publicação do
primeiro livro da série há quase 20 anos. Ao mesmo tempo, nos cinemas, os filmes de
ação dividem (cada vez mais desde o tempo do bruxinho) a cena com várias adaptações
de livros para a telona, não que fazer roteiros a partir de filmes seja algo novo, mas,
atualmente, enaltecer o livro faz parte da divulgação filme. Por exemplo, em 2016, tem
“Como eu era antes de você”, “Convergente” (final da série Divergente), “Orgulho
preconceito e zumbis”, dentre vários outros. Além disso, no Youtube3
“bombam” canais
adolescentes que comentam os livros lidos e tem milhões de visualizações, comentário e
curtidas.
Este processo vem num crescente há algum tempo e, segundo Marisa Lajolo, no
artigo “ Os jovens estão lendo (e gostando de ler) ”, publicado na Revista Carta
Fundamental de outubro de 2014, os números impressionantes de publicações, edições,
reedições e filas enormes para autógrafos na Bienal daquele ano são resultado do trabalho
desenvolvido em sala de aula por todos nós, professores, que levamos “os alunos aos
livros e à leitura”.
Com certeza, os filmes, os livros, as filas e os número indicam que os livros e a
leitura estão cada vez mais presentes no cotidiano dos jovens, ou seja, temos cada vez
mais um público de jovens leitores em nossas salas de aula e a primeiro passo para a
leitura literária, a sedução do leitor, foi cumprido com relativo sucesso. Assim sendo,
1
Texto elaborado para a disciplina de Linguística Aplicada ministrada pela Prof.ª Dra. Margarete Schlatter
2
Mestranda em linguística aplicada do PPG – Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
(mari.literatura@gmail.com )
3
Site de compartilhamento de vídeos.
merecemos e agradecemos o reconhecimento de Lajolo, mas e agora: qual será nosso
próximo passo como professores? Já temos uma galera que está demonstrando saber seus
livros e autores prediletos, encontrando na leitura uma forma de prazer e diversão (tanto
em suportes físicos como virtuais), porém, será que podemos afirmar que já formamos
leitores e devemos nos contentar com bruxos (Harry Potter, de J.K. Rowling), vampiros
(Crepúsculo, de Stephanie Meyer), divergentes (Divergente, de Veronica Roth) e zumbis
(são tantos)? Ou melhor, como nosso jovem leitor vai se desenvolver, a partir da fantasia,
em direção a outros personagens, tão interessantes quanto, mas que precisam de uma certa
dose de profundidade para compreensão.
Leitor, leitura e letramento
Acredito que a próxima etapa como professores passe pela discussão de conceitos
como leitura, leitores, letramento e letramento literário, que, embora aparentemente claros
e de fácil definição, ao pesquisarmos sobre formação de leitores percebemos que não é
bem assim, pois existem diferentes concepções teóricas em jogo. Desta forma,
inicialmente, é necessário definir a qual leitor nos referimos, pois, a partir das
características deste leitor a ser formado é que poderemos estabelecer como se dará a
formação de leitores literários.
Na tese de Benvenuti (2011) “Letramento, leitura e literatura no Ensino Médio da
Modalidade de Educação de Jovens e Adultos: uma proposta curricular”, a autora trata
estes conceitos de maneira bastante esclarecedora fazendo a relação entre diferentes áreas
do conhecimento com a finalidade de relatar a proposta curricular elaborada por ela.
Assim sendo, embora Benvenuti (2011) trate de questões referentes à EJA, os aspectos
sobre leitura, leitor, letramento e letramento literário destacados pela pesquisadora são de
grande interesse para a discussão proposta.
Inicialmente, junta a leitura de mundo de Freire (que precede a leitura da palavra)
com o trabalho de Iser, em que a reação do leitor dá sentido à obra. Assim, ao combinar
a pedagogia de Freire à Teoria da do Efeito Estético, o leitor passa ser aquele que está
com o mundo, realizando a leitura deste e construindo o conhecimento a partir das suas
leituras (da palavra e do mundo) e, a partir disto, utilizando-se de seu conhecimento de
mundo no momento da leitura. Desta maneira, a leitura altera o leitor e o leitor, através
de seu conhecimento de mundo, altera o texto lido, num movimento constante de
modificar e ser modificado.
Também agregando a esta visão de valorização do vivenciado pelo leitor, o
conceito de letramento é apresentado pela perspectiva da sociolinguística. A autora
destaca que até meados dos anos oitenta o termo alfabetização dava conta tanto da noção
de aquisição da tecnologia da escrita quanto da inserção no mundo da escrita. Contudo,
na publicação em 1986 de “No mundo da escrita: uma perspectiva sociolinguística” o
termo letramento é inserido no Brasil por Kato, fazendo então a diferenciação entre a
aquisição da tecnologia da escrita (alfabetização) e o uso efetivo e competente da
tecnologia da escrita que, como prática social, se estende por toda a vida e não está restrita
ao contexto escolar (letramento).
Além disso, também traz a ideia de eventos de letramento, (de Heath), qualquer
interação em que a escrita é parte integrante tanto da natureza quanto dos processos
interpretativos; e práticas de letramento, (de Street), concepção cultural ampla de
maneiras de ler e escrever no contexto cultural que incluem os modelos sociais de
letramento utilizados bem como o significado atribuído a eles pelos participantes.
Ao final, apresenta a proposta por Barton que estabelece a relação entre
letramento, práticas e eventos de letramento, este afirma que “Práticas de letramento são
os modos mais gerais, ligados à cultura, de utilizar o letramento, aos quais as pessoas
recorrem num evento de letramento. ”
Desta forma, na tese de Benvenuti (2011), as discussões sobre letramento servem
para auxiliar na expansão da caracterização do mundo a que Freire e Iser nos remetem
quanto definem o leitor, isso porque este leitor está inserido em um mundo de escrita
cujos eventos de letramento serão indicativos das práticas de letramento da comunidade
em que estão inseridos. Logo, ao observarmos como se dão as significações sociais da
escrita (e da leitura como parte da escrita), conseguimos delimitar mais claramente quem
é este leitor.
Assim sendo, o leitor definido pela junção entre Freire e Iser, ganha dimensão
social no momento em que está inserido em uma comunidade de letramento com
características e práticas de letramento observáveis a partir de eventos específicos e suas
significações.
Letramento literário
Acredito que para respondermos aos questionamentos iniciais, a noção de
letramento literário de Cosson – apresentada por Benvenutti (2011) – é bastante
interessante pois nos permite vislumbrar o próximo passo para a formação de leitores. Ao
propor a junção de letramento como prática social e da teoria da literatura no sentido de
o leitor atribuir significação ao texto, ele afirma que a função essencial da literatura é
construir e reconstruir a palavra que nos humaniza e (para alcançar o letramento literário)
é preciso ir além da simples leitura, sendo necessária uma exploração que cabe à escola
ensinar ao aluno.
A fim de organizar como se dá o desenvolvimento desta exploração, Cosson,
propõe uma sequência básica para o trabalho de literatura, em que sistematiza a leitura
como fenômeno cognitivo e social; inclusive, substituindo a dicotomia clássica entre
literatura de massa e literatura canônica por uma distinção entre obras contemporâneas -
escritas e publicadas no momento presente - e obras atuais - escritas ou publicadas em
qualquer época, mas que têm significado no momento presente. Desta forma, suaviza a
discussão literária e vincula a escolha da obra a ser lida ao contexto social de inserção da
literatura, elaborando três critérios de seleção a serem combinados: “1. Não desprezar o
cânone, 2. Não se apoiar apenas na contemporaneidade, mas na atualidade dos textos e 3.
Aplicar o princípio da diversidade. ” (COSSON apud BENVENUTI, 2011, p. 180), além
disso, destaca que o professor deve partir daquilo que o aluno já conhece em direção ao
que ele desconhece para ampliação do horizonte de leitura.
O autor propõe uma sequência básica e uma estendida, afirmando que ambas
podem ser utilizadas tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio, a primeira
envolve os seguintes momentos:
1. Motivação: início do encontro entre o leitor e a obra, atividades de leitura, escrita
e oralidade, objetiva que o aluno receba a obra de maneira positiva;
2. Introdução: apresentação do autor e da obra aos alunos, inclusive no sentido do
suporte em que ela está escrita e dos elementos paratextuais;
3. Leitura: negociável, acompanhada, deve ter um sistema de verificação, pode ter
intervalos para trabalhar com textos que dialoguem com o livro, realização prioritária
extraclasse;
4. Intepretação: não tem restrições, atividades com o princípio de exteriorizar a
leitura, recomenda a resenha como uma forma de fazê-la; tem dois momentos, interior
(individual, encontro do leitor com a obra) e exterior (concretização ou materialização
como ato de construção de sentido na comunidade).
Desta forma, a formação de leitores literário se concentra na ideia de preparar o
leitor para a leitura e exploração da obra, em que cada texto lido retoma a compreensão
de todos os textos já lidos. Por isso, não objetiva o estudo de um gênero, mas uma
preparação do leitor em direção à compreensão textual, à vivência de leitura que é
colocada em foco, num viés da Teoria Literária, mas levando em conta o letramento como
prática social.
Como ficamos?
Após as discussões acima sobre as relações teóricas propostas por Benvenutti
(2011), somos capazes de responder aos questionamentos propostos no início do texto da
seguinte maneira:
• O próximo passo que podemos dar como professores é realizar a transposição das
leituras contemporâneas para as leituras atuais, através de um trabalho consciente de
leitura como um fenômeno cognitivo e social;
• Podemos afirmar que não existe um leitor formado, mas sempre em formação, num
processo contínuo, logo, não é possível dizemos que a leitura dos livros de fantasia
indique um leitor formado, porque este está sempre em formação na mutabilidade de si
mesmo e do mundo;
• A forma como dar um salto em direção aos contextos mais complexos de leitura (as
obras atuais, mas não contemporâneas na terminologia de Cosson) é pautar o trabalho de
letramento literário na escola a partir do que é conhecido pelo leitor em direção ao
desconhecido através de uma sequência didática conscientemente organizada para tal fim.
Referências
BENVENUTI, Juçara. Letramento, leitura e literatura no Ensino Médio da modalidade
de Educação de Jovens e Adultos: uma proposta curricular. 2001. 248 f. Tese (Doutorado
em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, UFRGS, Porto Alegre. 2001. Disponível
em < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/37807> Acessado em 15/02/2016
France Presse. Novo livro de Harry Potter já lidera as vendas meses antes do
lançamento. Disponível em: http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2016/02/novo-livro-
de-harry-potter-ja-lidera-as-vendas-meses-antes-do-lancamento.html. Acessado em:
11/02/2016
LAJOLO, Marisa. A moçada está lendo (e gostando de ler). Revista Carta Fundamental,
Edição 62, outubro de 2014. São Paulo: Editora Confiança. Disponível em
http://pt.slideshare.net/marianacorreiail/lajolo-a-moada-est-lendo-e-gostando-de-ler
Acessado em 15/2/2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros textuais e ensino de língua materna
Gêneros textuais e ensino de língua maternaGêneros textuais e ensino de língua materna
Gêneros textuais e ensino de língua materna
Centro de Estudios Joan Bardina - Capítulo Uruguay
 
Literatura e ti cs
Literatura e ti csLiteratura e ti cs
Literatura e ti cs
Vanusia Santana
 
Pratica 7 artigo ufam
Pratica 7 artigo   ufamPratica 7 artigo   ufam
Pratica 7 artigo ufam
natienyamorim
 
Práticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidadePráticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidade
Vera Arcas
 
Artigo leitura uma porta aberta...
Artigo leitura   uma porta aberta...Artigo leitura   uma porta aberta...
Artigo leitura uma porta aberta...
Maria Thereza Santos
 
Circulo leitura
Circulo leituraCirculo leitura
Circulo leitura
Siomara Lucena
 
3843
38433843
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORESLEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
Alessandra Vaz de Souza Dias e Souza
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
marcaocampos
 
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundoA interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
Mitsa Toledo Danielli
 
Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016
Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016
Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016
polly8809
 
As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...
As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...
As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...
Elis Silva
 
Celoi fabbrin
Celoi fabbrin Celoi fabbrin
Celoi fabbrin
equipetics
 
Projeto didatico teatro de leitores2
Projeto didatico  teatro de leitores2Projeto didatico  teatro de leitores2
Projeto didatico teatro de leitores2
Claudia Ortolan Ortolan
 
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Universidade Federal de Roraima
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
afermartins
 
Abordagem ao genero textual crônica
Abordagem ao genero textual crônicaAbordagem ao genero textual crônica
Abordagem ao genero textual crônica
Andreia Medeiros
 

Mais procurados (17)

Gêneros textuais e ensino de língua materna
Gêneros textuais e ensino de língua maternaGêneros textuais e ensino de língua materna
Gêneros textuais e ensino de língua materna
 
Literatura e ti cs
Literatura e ti csLiteratura e ti cs
Literatura e ti cs
 
Pratica 7 artigo ufam
Pratica 7 artigo   ufamPratica 7 artigo   ufam
Pratica 7 artigo ufam
 
Práticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidadePráticas de produção textua na universidade
Práticas de produção textua na universidade
 
Artigo leitura uma porta aberta...
Artigo leitura   uma porta aberta...Artigo leitura   uma porta aberta...
Artigo leitura uma porta aberta...
 
Circulo leitura
Circulo leituraCirculo leitura
Circulo leitura
 
3843
38433843
3843
 
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORESLEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
 
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundoA interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
A interpretação de texto como ferramenta de leitura do mundo
 
Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016
Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016
Texto complementar ipt_taizoliveira_22012016
 
As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...
As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...
As contribuições do Ensino de literatura para a formação do leitor no ensino ...
 
Celoi fabbrin
Celoi fabbrin Celoi fabbrin
Celoi fabbrin
 
Projeto didatico teatro de leitores2
Projeto didatico  teatro de leitores2Projeto didatico  teatro de leitores2
Projeto didatico teatro de leitores2
 
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
Literatura: a base para a formação do leitor (Resenha livro de Joseane Maia)
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
 
Abordagem ao genero textual crônica
Abordagem ao genero textual crônicaAbordagem ao genero textual crônica
Abordagem ao genero textual crônica
 

Semelhante a Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na escola, de mariana correia

LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
Amábile Piacentine
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
jose ebner
 
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escritaLetramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Douglas Marcos
 
Trabalho jornada cientifica
Trabalho jornada cientificaTrabalho jornada cientifica
Trabalho jornada cientifica
Maria Voltolini
 
XVII SEMANA DE LETRAS-UEPB
XVII SEMANA DE LETRAS-UEPBXVII SEMANA DE LETRAS-UEPB
XVII SEMANA DE LETRAS-UEPB
Ana Daniele Félix da Silva
 
04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto
Priscila Guimarães
 
Gênero Digital : Uma análise da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Gênero Digital : Uma análise  da pluralidade linguística nos blogs katylene e...Gênero Digital : Uma análise  da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Gênero Digital : Uma análise da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Denilson André
 
leitura, recepção midiática e produção de sentido
leitura, recepção midiática e produção de sentidoleitura, recepção midiática e produção de sentido
leitura, recepção midiática e produção de sentido
Susanlima Lima
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
RaabedosSantosBorges
 
UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...
UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...
UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...
Allan Diego Souza
 
Cultura de massa na escola uma proposta de letramento literário
Cultura de massa na escola uma proposta de letramento literárioCultura de massa na escola uma proposta de letramento literário
Cultura de massa na escola uma proposta de letramento literário
Janny Gomes Quixaba Silva
 
São josé do rio preto
São josé do rio pretoSão josé do rio preto
São josé do rio preto
linguagensemidias2013
 
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
zilahcar
 
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolarRelações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
Vanessa Biff
 
Alto Rio Possmozer
Alto Rio PossmozerAlto Rio Possmozer
Alto Rio Possmozer
Marilia Frizzera Dias
 
A leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação doA leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação do
Elis Silva
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
Roberta Scheibe
 
A-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdf
A-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdfA-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdf
A-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdf
GuilhermeDosSantosCi
 
Características dos gêneros uso e adequação
Características dos gêneros uso e adequaçãoCaracterísticas dos gêneros uso e adequação
Características dos gêneros uso e adequação
Vanessa Aparecida R Anastacio
 
Jouve por que studar literatura resenha
Jouve por que studar literatura resenhaJouve por que studar literatura resenha
Jouve por que studar literatura resenha
Karolyna Luna
 

Semelhante a Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na escola, de mariana correia (20)

LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIOLETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO:CENAS DE CONVERSA(S)COM MALU MATENCIO
LETRAMENTO, GÊNERO E DISCURSO: CENAS DE CONVERSA(S) COM MALU MATENCIO
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escritaLetramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
Letramento e competência comunicativa a aprendizagem da escrita
 
Trabalho jornada cientifica
Trabalho jornada cientificaTrabalho jornada cientifica
Trabalho jornada cientifica
 
XVII SEMANA DE LETRAS-UEPB
XVII SEMANA DE LETRAS-UEPBXVII SEMANA DE LETRAS-UEPB
XVII SEMANA DE LETRAS-UEPB
 
04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto
 
Gênero Digital : Uma análise da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Gênero Digital : Uma análise  da pluralidade linguística nos blogs katylene e...Gênero Digital : Uma análise  da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
Gênero Digital : Uma análise da pluralidade linguística nos blogs katylene e...
 
leitura, recepção midiática e produção de sentido
leitura, recepção midiática e produção de sentidoleitura, recepção midiática e produção de sentido
leitura, recepção midiática e produção de sentido
 
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdfsequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
sequecia didatica bliogr5afias do 3 ao 5 ano.pdf
 
UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...
UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...
UMA LEITURA ALÉM DO GÊNERO TEXTUAL: uma análise que relaciona o gênero discur...
 
Cultura de massa na escola uma proposta de letramento literário
Cultura de massa na escola uma proposta de letramento literárioCultura de massa na escola uma proposta de letramento literário
Cultura de massa na escola uma proposta de letramento literário
 
São josé do rio preto
São josé do rio pretoSão josé do rio preto
São josé do rio preto
 
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
2003 Contribuicao Hist Quadrinhos
 
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolarRelações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
 
Alto Rio Possmozer
Alto Rio PossmozerAlto Rio Possmozer
Alto Rio Possmozer
 
A leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação doA leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação do
 
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1A oralidade e a escrita   prof roberta scheibe1
A oralidade e a escrita prof roberta scheibe1
 
A-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdf
A-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdfA-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdf
A-IMPORTÂNCIA-DO-LETRAMENTO-LITERÁRIO-PARA-A-FORMAÇÃO-DO-LEITOR.pdf
 
Características dos gêneros uso e adequação
Características dos gêneros uso e adequaçãoCaracterísticas dos gêneros uso e adequação
Características dos gêneros uso e adequação
 
Jouve por que studar literatura resenha
Jouve por que studar literatura resenhaJouve por que studar literatura resenha
Jouve por que studar literatura resenha
 

Mais de Mariana Correia

Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"
Mariana Correia
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
Mariana Correia
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Mariana Correia
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados gerados
Mariana Correia
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Mariana Correia
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
Mariana Correia
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Mariana Correia
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Mariana Correia
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)
Mariana Correia
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Mariana Correia
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Mariana Correia
 
Satisfaction
SatisfactionSatisfaction
Satisfaction
Mariana Correia
 
Formação 5
Formação 5Formação 5
Formação 5
Mariana Correia
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textos
Mariana Correia
 
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosFormação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Mariana Correia
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
Mariana Correia
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
Mariana Correia
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Mariana Correia
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Mariana Correia
 
Ad matriz (2)
Ad matriz (2)Ad matriz (2)
Ad matriz (2)
Mariana Correia
 

Mais de Mariana Correia (20)

Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"Reportagem: "A leitura na era digital"
Reportagem: "A leitura na era digital"
 
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa   ransom riggsO orfanato da srta peregrine pa   ransom riggs
O orfanato da srta peregrine pa ransom riggs
 
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
Lajolo. a moçada está lendo (e gostando de ler)
 
Questionário dados gerados
Questionário   dados geradosQuestionário   dados gerados
Questionário dados gerados
 
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
Testes de compreensão textual: "Le petit prince"
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
Geraldi. portos de passagem (prefácio e introdução)
 
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende BrasilEntrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
Entrevista com José Pacheco, Revista Aprende Brasil
 
Fallen i fallen (lauren kate)
Fallen i   fallen (lauren kate)Fallen i   fallen (lauren kate)
Fallen i fallen (lauren kate)
 
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txtSérie Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
Série Fallen 1- Fallen, Lauren Kate txt
 
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mataHamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
Hamilton werneck -_se_a_boa_escola_e_a_que_reprova,_o_bom_hospital_e_o_que_mata
 
Satisfaction
SatisfactionSatisfaction
Satisfaction
 
Formação 5
Formação 5Formação 5
Formação 5
 
Paradigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textosParadigma de avaliação de textos
Paradigma de avaliação de textos
 
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentosFormação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
Formação 4 - Avaliação e construção de instrumentos
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
 
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
0.667326001366389749 paulo freire_e_os_temas_geradores
 
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa FrancescutiFormação 3 - Escola Teresa Francescuti
Formação 3 - Escola Teresa Francescuti
 
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinarFormação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
Formação Escola Tereza Francescutti - Níveis de Interação disicplinar
 
Ad matriz (2)
Ad matriz (2)Ad matriz (2)
Ad matriz (2)
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 

Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis a formação do leitor literário na escola, de mariana correia

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE LETRAS – PPG LETRAS ÁREA DE LINGUAGENS: LINGÍSTICA APLICADA Cadeira: Linguística Aplicada Prof.ª Margarete Schlatter Turma única Semestre 2015/2 Nome: Mariana Correia Bruxos, vampiros, divergentes e zumbis: a formação do leitor literário na escola1 Mariana Correia2 O lançamento do novo livro da série Harry Potter “Harry Potter e a criança amaldiçoada” teve seu lançamento em inglês em julho de 2016 e tem seu lançamento em português previsto para outubro do mesmo ano, porém já em fevereiro liderava as vendas no site da Amazon (segundo o site G1), aparece como notícia em inúmeros sites de jornais e revistas de renome e é assunto nas redes sociais em comentários tanto dos fãs de carteirinha quanto de uma galera que ainda nem tinha nascido na época da publicação do primeiro livro da série há quase 20 anos. Ao mesmo tempo, nos cinemas, os filmes de ação dividem (cada vez mais desde o tempo do bruxinho) a cena com várias adaptações de livros para a telona, não que fazer roteiros a partir de filmes seja algo novo, mas, atualmente, enaltecer o livro faz parte da divulgação filme. Por exemplo, em 2016, tem “Como eu era antes de você”, “Convergente” (final da série Divergente), “Orgulho preconceito e zumbis”, dentre vários outros. Além disso, no Youtube3 “bombam” canais adolescentes que comentam os livros lidos e tem milhões de visualizações, comentário e curtidas. Este processo vem num crescente há algum tempo e, segundo Marisa Lajolo, no artigo “ Os jovens estão lendo (e gostando de ler) ”, publicado na Revista Carta Fundamental de outubro de 2014, os números impressionantes de publicações, edições, reedições e filas enormes para autógrafos na Bienal daquele ano são resultado do trabalho desenvolvido em sala de aula por todos nós, professores, que levamos “os alunos aos livros e à leitura”. Com certeza, os filmes, os livros, as filas e os número indicam que os livros e a leitura estão cada vez mais presentes no cotidiano dos jovens, ou seja, temos cada vez mais um público de jovens leitores em nossas salas de aula e a primeiro passo para a leitura literária, a sedução do leitor, foi cumprido com relativo sucesso. Assim sendo, 1 Texto elaborado para a disciplina de Linguística Aplicada ministrada pela Prof.ª Dra. Margarete Schlatter 2 Mestranda em linguística aplicada do PPG – Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (mari.literatura@gmail.com ) 3 Site de compartilhamento de vídeos.
  • 2. merecemos e agradecemos o reconhecimento de Lajolo, mas e agora: qual será nosso próximo passo como professores? Já temos uma galera que está demonstrando saber seus livros e autores prediletos, encontrando na leitura uma forma de prazer e diversão (tanto em suportes físicos como virtuais), porém, será que podemos afirmar que já formamos leitores e devemos nos contentar com bruxos (Harry Potter, de J.K. Rowling), vampiros (Crepúsculo, de Stephanie Meyer), divergentes (Divergente, de Veronica Roth) e zumbis (são tantos)? Ou melhor, como nosso jovem leitor vai se desenvolver, a partir da fantasia, em direção a outros personagens, tão interessantes quanto, mas que precisam de uma certa dose de profundidade para compreensão. Leitor, leitura e letramento Acredito que a próxima etapa como professores passe pela discussão de conceitos como leitura, leitores, letramento e letramento literário, que, embora aparentemente claros e de fácil definição, ao pesquisarmos sobre formação de leitores percebemos que não é bem assim, pois existem diferentes concepções teóricas em jogo. Desta forma, inicialmente, é necessário definir a qual leitor nos referimos, pois, a partir das características deste leitor a ser formado é que poderemos estabelecer como se dará a formação de leitores literários. Na tese de Benvenuti (2011) “Letramento, leitura e literatura no Ensino Médio da Modalidade de Educação de Jovens e Adultos: uma proposta curricular”, a autora trata estes conceitos de maneira bastante esclarecedora fazendo a relação entre diferentes áreas do conhecimento com a finalidade de relatar a proposta curricular elaborada por ela. Assim sendo, embora Benvenuti (2011) trate de questões referentes à EJA, os aspectos sobre leitura, leitor, letramento e letramento literário destacados pela pesquisadora são de grande interesse para a discussão proposta. Inicialmente, junta a leitura de mundo de Freire (que precede a leitura da palavra) com o trabalho de Iser, em que a reação do leitor dá sentido à obra. Assim, ao combinar a pedagogia de Freire à Teoria da do Efeito Estético, o leitor passa ser aquele que está com o mundo, realizando a leitura deste e construindo o conhecimento a partir das suas leituras (da palavra e do mundo) e, a partir disto, utilizando-se de seu conhecimento de mundo no momento da leitura. Desta maneira, a leitura altera o leitor e o leitor, através de seu conhecimento de mundo, altera o texto lido, num movimento constante de modificar e ser modificado.
  • 3. Também agregando a esta visão de valorização do vivenciado pelo leitor, o conceito de letramento é apresentado pela perspectiva da sociolinguística. A autora destaca que até meados dos anos oitenta o termo alfabetização dava conta tanto da noção de aquisição da tecnologia da escrita quanto da inserção no mundo da escrita. Contudo, na publicação em 1986 de “No mundo da escrita: uma perspectiva sociolinguística” o termo letramento é inserido no Brasil por Kato, fazendo então a diferenciação entre a aquisição da tecnologia da escrita (alfabetização) e o uso efetivo e competente da tecnologia da escrita que, como prática social, se estende por toda a vida e não está restrita ao contexto escolar (letramento). Além disso, também traz a ideia de eventos de letramento, (de Heath), qualquer interação em que a escrita é parte integrante tanto da natureza quanto dos processos interpretativos; e práticas de letramento, (de Street), concepção cultural ampla de maneiras de ler e escrever no contexto cultural que incluem os modelos sociais de letramento utilizados bem como o significado atribuído a eles pelos participantes. Ao final, apresenta a proposta por Barton que estabelece a relação entre letramento, práticas e eventos de letramento, este afirma que “Práticas de letramento são os modos mais gerais, ligados à cultura, de utilizar o letramento, aos quais as pessoas recorrem num evento de letramento. ” Desta forma, na tese de Benvenuti (2011), as discussões sobre letramento servem para auxiliar na expansão da caracterização do mundo a que Freire e Iser nos remetem quanto definem o leitor, isso porque este leitor está inserido em um mundo de escrita cujos eventos de letramento serão indicativos das práticas de letramento da comunidade em que estão inseridos. Logo, ao observarmos como se dão as significações sociais da escrita (e da leitura como parte da escrita), conseguimos delimitar mais claramente quem é este leitor. Assim sendo, o leitor definido pela junção entre Freire e Iser, ganha dimensão social no momento em que está inserido em uma comunidade de letramento com características e práticas de letramento observáveis a partir de eventos específicos e suas significações. Letramento literário Acredito que para respondermos aos questionamentos iniciais, a noção de letramento literário de Cosson – apresentada por Benvenutti (2011) – é bastante interessante pois nos permite vislumbrar o próximo passo para a formação de leitores. Ao
  • 4. propor a junção de letramento como prática social e da teoria da literatura no sentido de o leitor atribuir significação ao texto, ele afirma que a função essencial da literatura é construir e reconstruir a palavra que nos humaniza e (para alcançar o letramento literário) é preciso ir além da simples leitura, sendo necessária uma exploração que cabe à escola ensinar ao aluno. A fim de organizar como se dá o desenvolvimento desta exploração, Cosson, propõe uma sequência básica para o trabalho de literatura, em que sistematiza a leitura como fenômeno cognitivo e social; inclusive, substituindo a dicotomia clássica entre literatura de massa e literatura canônica por uma distinção entre obras contemporâneas - escritas e publicadas no momento presente - e obras atuais - escritas ou publicadas em qualquer época, mas que têm significado no momento presente. Desta forma, suaviza a discussão literária e vincula a escolha da obra a ser lida ao contexto social de inserção da literatura, elaborando três critérios de seleção a serem combinados: “1. Não desprezar o cânone, 2. Não se apoiar apenas na contemporaneidade, mas na atualidade dos textos e 3. Aplicar o princípio da diversidade. ” (COSSON apud BENVENUTI, 2011, p. 180), além disso, destaca que o professor deve partir daquilo que o aluno já conhece em direção ao que ele desconhece para ampliação do horizonte de leitura. O autor propõe uma sequência básica e uma estendida, afirmando que ambas podem ser utilizadas tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio, a primeira envolve os seguintes momentos: 1. Motivação: início do encontro entre o leitor e a obra, atividades de leitura, escrita e oralidade, objetiva que o aluno receba a obra de maneira positiva; 2. Introdução: apresentação do autor e da obra aos alunos, inclusive no sentido do suporte em que ela está escrita e dos elementos paratextuais; 3. Leitura: negociável, acompanhada, deve ter um sistema de verificação, pode ter intervalos para trabalhar com textos que dialoguem com o livro, realização prioritária extraclasse; 4. Intepretação: não tem restrições, atividades com o princípio de exteriorizar a leitura, recomenda a resenha como uma forma de fazê-la; tem dois momentos, interior (individual, encontro do leitor com a obra) e exterior (concretização ou materialização como ato de construção de sentido na comunidade). Desta forma, a formação de leitores literário se concentra na ideia de preparar o leitor para a leitura e exploração da obra, em que cada texto lido retoma a compreensão de todos os textos já lidos. Por isso, não objetiva o estudo de um gênero, mas uma
  • 5. preparação do leitor em direção à compreensão textual, à vivência de leitura que é colocada em foco, num viés da Teoria Literária, mas levando em conta o letramento como prática social. Como ficamos? Após as discussões acima sobre as relações teóricas propostas por Benvenutti (2011), somos capazes de responder aos questionamentos propostos no início do texto da seguinte maneira: • O próximo passo que podemos dar como professores é realizar a transposição das leituras contemporâneas para as leituras atuais, através de um trabalho consciente de leitura como um fenômeno cognitivo e social; • Podemos afirmar que não existe um leitor formado, mas sempre em formação, num processo contínuo, logo, não é possível dizemos que a leitura dos livros de fantasia indique um leitor formado, porque este está sempre em formação na mutabilidade de si mesmo e do mundo; • A forma como dar um salto em direção aos contextos mais complexos de leitura (as obras atuais, mas não contemporâneas na terminologia de Cosson) é pautar o trabalho de letramento literário na escola a partir do que é conhecido pelo leitor em direção ao desconhecido através de uma sequência didática conscientemente organizada para tal fim. Referências BENVENUTI, Juçara. Letramento, leitura e literatura no Ensino Médio da modalidade de Educação de Jovens e Adultos: uma proposta curricular. 2001. 248 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, UFRGS, Porto Alegre. 2001. Disponível em < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/37807> Acessado em 15/02/2016 France Presse. Novo livro de Harry Potter já lidera as vendas meses antes do lançamento. Disponível em: http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2016/02/novo-livro- de-harry-potter-ja-lidera-as-vendas-meses-antes-do-lancamento.html. Acessado em: 11/02/2016 LAJOLO, Marisa. A moçada está lendo (e gostando de ler). Revista Carta Fundamental, Edição 62, outubro de 2014. São Paulo: Editora Confiança. Disponível em http://pt.slideshare.net/marianacorreiail/lajolo-a-moada-est-lendo-e-gostando-de-ler Acessado em 15/2/2016