SlideShare uma empresa Scribd logo
O Neoclassismo em Portugal
O Neoclassismo em Portugal
1750                                                                     1850




Situações adversas ao desenvolvimento da cultura e das artes em Portugal

                                         -Invasões francesas
- Absolutismo régio
                                         - fuga da família real para o
- difícil penetração das ideias          Brasil
iluministas
                                         - Dominação inglesa
- Terramoto de 1755
                                         - Revolução Liberal
                                         - Independência do Brasil
                                         - Guerra Civil


                  Prolongamento do gosto pelo Barroco e Rococó
A arquitetura neoclássica em Portugal
                   - italiana: predominante na região lisboeta (bolseiros e
                   artistas italianos)
Duas influências

                   - inglesa (neopalladiana): predominante no Porto
                   (colónia britânica)
                                                 1º centro da arquitetura
                                                       neoclássica
Arquitetura no Porto




  John Carr, Hospital de Santo António,
         iniciado em 1770, Porto
Arquitetura no Porto
Neopalladismo severo e
       elegante




                         - aparelho rusticado na bela
                         arcaria do rés do chão
                         - zona central e cantos
                         ressaltados, parecendo-se
                         com pequenos torreões
  Fachada principal
Arquitetura no Porto

 Sede comercial dos
  ingleses no Porto


   Neopalladismo
          +
Pedra rusticada no rés
       do chão
          +
 Pórtico de arcadas,
       profundo

                         John Whitehead, Feitoria Inglesa, c.
                                    1785, Porto
Arquitetura no Porto
                    Edifício pequeno e
                       harmonioso
                            +
               Fachada distribuída por dois
                         pisos:
                   -1º - colunas dóricas
                   - 2º - colunas jónicas
                             +
                  Espaços para estátuas
                     (virtudes cristãs)

           António Pinto de Miranda, Igreja da
          Ordem Terceira de S. Francisco,
                     c. 1792, Porto
Arquitetura no Porto
  Joaquim da Costa Lima,
Palácio das Carrancas, 1795-
1806, hoje Museu Nacional de
       Soares dos Reis
Arquitetura no Porto
Carlos Amarante, Igreja da Ordem
    da Trindade, 1803, Porto




Carlos Amarante, Academia Real da
Marinha e Comércio, hoje Faculdade
de Ciências do Porto
Arquitetura em Lisboa

                   Neoclassicismo mais tardio


                        Dois arquitetos

    José da Costa e Silva                 Francisco Xavier Fabri,
(português, com formação em                       italiano
           Roma)
Arquitetura em Lisboa




       José da Costa e Silva, Teatro de S. Carlos, c. 1792, Lisboa

- inspirado no La Scala                -Volumes bem definidos

- encomendado por uma                  -Aspecto compacto e maciço
associação de ricos burgueses de       - pórtico romano
Lisboa
                                       - aparelho rusticado do rés do chão
Arquitetura em Lisboa




Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, Palácio da
            Ajuda, 1795-1860, Lisboa
Arquitetura em Lisboa




Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, Palácio da Ajuda, 1795-1860, Lisboa
Arquitetura em Lisboa




Fortunato Lodi, Teatro Nacional de D. Maria II, 1842-46
Arquitetura em Lisboa




Ventura Terra e outros, Assembleia da República, início do século XX
Projetos urbanísticos no Porto

- John Whitehead, Praça da Ribeira
(1775-80):   Praça    da   Ribeira
(incompleto)
- João Almada e Melo e Francisco
Almada e Melo: novas artérias de
circulação, pavimentação e construção
de novas praças
Escultura neoclássica
             Oficinas de formação

Mosteiro de Mafra          Palácio da Ajuda


Machado de Castro         Machado de Castro
                          João José de Aguiar
                        Faustino José Rodrigues
                        Joaquim José de Barros
                               Laborão



                               Influência romana
Escultura neoclássica


         Machado de Castro, D. José I,
         1775
         - formado nas oficinas de Mafra
         (ainda ao gosto barroco/rococó) e
         depois na Ajuda
Escultura neoclássica
- influência clássica
- grupos alegóricos do Triunfo e da
Vitória
- solenidade, leveza e movimento




           Machado de Castro, estátua equestre de D. José I, 1775
Escultura neoclássica
       João José de Aguiar
Formação no atelier de Canova, em
             Roma


 9 esculturas no Palácio da
 Ajuda


 - figuras hirtas
 - rostos intemporais, serenos
 - vestes de pregueados finos
 - ausência de nús
Escultura neoclássica
Escultura neoclássica




João José de Aguiar, D.   João José de Aguiar,
    João VI, 1823              D. Maria I, 1797
Pintura neoclássica
 Princípios do Neoclassicismo:
 - importância dada ao desenho em desfavor da cor
 - contorno nítido
 - fim do tratamento claro / escuro

                           Dois períodos:
        1º período                               2º período
    Artistas nacionais e
        estrangeiros
                                      Génio de dois pintores:
                                          - Vieira Portuense
Obras ao gosto classicizante
                                          - Domingos Sequeira


Palácios de Mafra e da Ajuda
Pintura neoclássica

  Vieira
 Portuense




Francisco Vieira, o Portuense (1765-1805):
    -influência da pintura italiana (composição e
    execução do desenho, tonalidades claras e
    pouco contrastantes)
    - influência da pintura inglesa (visão
    colorista da paisagem)
    - retratista
    - representação de figuras religiosas
Pintura neoclássica

 Vieira
Portuense


-Inspiração em
David (?)
- tonalidade clara
- boa modelação
dos corpos
- Composição
equilibrada
                     Vieira Portuense, D. Filipa de Vilhena
                     armando seus filhos cavaleiros, 1801
Pintura neoclássica

 Vieira
Portuense


- Síntese das influências
- paleta clara
- arvoredo denso
- nu voluptuoso




                            Vieira Portuense, Júpiter e Leda, 1798
Pintura neoclássica

 Vieira
Portuense


    - envolvimento luminosos e
    místico
    - sem nitidez dos contornos nem
    corporeidade




  Vieira Portuense, Morte de Santa
    Margarida de Cortona, 1797-99
Pintura neoclássica

Domingos
Sequeira




Domingos Sequeira (1768-1837):
- vários percursos, terminando como impressionista
- obras religiosas
- temas alegóricos
- retratista
Pintura neoclássica

Domingos
 Sequeira




              Domingos Sequeira, São Bruno em oração, 1799-1800
Pintura neoclássica

 Domingos
 Sequeira


- retrato psicológico (ternura
transbordante)
- formas bem contornadas e
pormenorizadas
- cor subtil



                                  Domingos Sequeira, Retrato de Maria
                                 Benedita Vitória Verde, 1822, 1799-1800
Pintura neoclássica

Domingos
Sequeira


    - formas diluídas
    - luz idealizada, focalizada nos
    pontos mais importantes
    - sem detalhes
    - transparece apenas o
    sentimento


Domingos Sequeira, Descida da Cruz,
        c.1826, 1799-1800
Pintura neoclássica

Domingos
Sequeira


  - atenção sobre a pose e o
  rosto
  -inovador
  - espírito liberto e otimista




                                  Domingos Sequeira, Retrato do
                                    Conde de Farrobo, 1813
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Ana Barreiros
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
Ana Barreiros
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
Ana Barreiros
 
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalinaMódulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Carla Freitas
 
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
Hca Faro
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
Hca Faro
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
Carlos Vieira
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
Andreia Ramos
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
Carlos Pinheiro
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
Carla Freitas
 
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7   caso pratico 1 bodas de figaroMódulo 7   caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Carla Freitas
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Rococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundoRococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundo
Ana Barreiros
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
Carla Freitas
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalinaMódulo 7   caso pratico 2 lisboa pombalina
Módulo 7 caso pratico 2 lisboa pombalina
 
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
A Morte de Marat, David - A Cultura do Salão: caso prático 3
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Arte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - PinturaArte do Renascimento - Pintura
Arte do Renascimento - Pintura
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Arquitectura romantica
Arquitectura romanticaArquitectura romantica
Arquitectura romantica
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7   caso pratico 1 bodas de figaroMódulo 7   caso pratico 1 bodas de figaro
Módulo 7 caso pratico 1 bodas de figaro
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Rococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundoRococó da Europa para o mundo
Rococó da Europa para o mundo
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 

Semelhante a Neoclassicismo em portugal

Módulo 7 neoclacissismo portugal
Módulo 7   neoclacissismo portugalMódulo 7   neoclacissismo portugal
Módulo 7 neoclacissismo portugal
Carla Freitas
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
Vítor Santos
 
Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3
Cristiane Costa
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
www.historiadasartes.com
 
9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ
André Figundio
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
restauracao
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
Carlos Vieira
 
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docxA Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
ronaldocamilo8
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
sofiasimao
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Carlos Vieira
 
A arte barroca na Europa
A arte barroca na EuropaA arte barroca na Europa
A arte barroca na Europa
Lúcia Marta de Lira
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal
Carlos Vieira
 
ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...
ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...
ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...
LuanyChristina2
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Jhoritza
 
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMOMISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
VIVIAN TROMBINI
 
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao RomantismoHistória da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
Raphael Lanzillotte
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Sandra Alves
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Carlos Pinheiro
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
António Silva
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
Cristina Alves
 

Semelhante a Neoclassicismo em portugal (20)

Módulo 7 neoclacissismo portugal
Módulo 7   neoclacissismo portugalMódulo 7   neoclacissismo portugal
Módulo 7 neoclacissismo portugal
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
 
Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3Missão artística francesa 3
Missão artística francesa 3
 
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_20112C26_Barroco_MuseuPrado_2011
2C26_Barroco_MuseuPrado_2011
 
9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ9 hist da art barro e rococ
9 hist da art barro e rococ
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
 
Renascimento em Portugal
Renascimento em PortugalRenascimento em Portugal
Renascimento em Portugal
 
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docxA Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
A Arte Neoclássica no Brasil por Rosângela Vig.docx
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
A arte barroca na Europa
A arte barroca na EuropaA arte barroca na Europa
A arte barroca na Europa
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal
 
ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...
ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...
ARTE BARROCA.pptx.. ARTE BARROCA.pptx...
 
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelotRiqueza cultural brasileira_e_pelot
Riqueza cultural brasileira_e_pelot
 
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMOMISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA, ACADEMIA DE BELAS ARTES E SUPERAÇÃO DO ACADEMICISMO
 
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao RomantismoHistória da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reisA escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
A escultura portuguesa de frei cipriano da cruz a soares dos reis
 
Arte em portugal curso pt
Arte em portugal curso ptArte em portugal curso pt
Arte em portugal curso pt
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

Neoclassicismo em portugal

  • 1. O Neoclassismo em Portugal
  • 2. O Neoclassismo em Portugal 1750 1850 Situações adversas ao desenvolvimento da cultura e das artes em Portugal -Invasões francesas - Absolutismo régio - fuga da família real para o - difícil penetração das ideias Brasil iluministas - Dominação inglesa - Terramoto de 1755 - Revolução Liberal - Independência do Brasil - Guerra Civil Prolongamento do gosto pelo Barroco e Rococó
  • 3. A arquitetura neoclássica em Portugal - italiana: predominante na região lisboeta (bolseiros e artistas italianos) Duas influências - inglesa (neopalladiana): predominante no Porto (colónia britânica) 1º centro da arquitetura neoclássica
  • 4. Arquitetura no Porto John Carr, Hospital de Santo António, iniciado em 1770, Porto
  • 5. Arquitetura no Porto Neopalladismo severo e elegante - aparelho rusticado na bela arcaria do rés do chão - zona central e cantos ressaltados, parecendo-se com pequenos torreões Fachada principal
  • 6. Arquitetura no Porto Sede comercial dos ingleses no Porto Neopalladismo + Pedra rusticada no rés do chão + Pórtico de arcadas, profundo John Whitehead, Feitoria Inglesa, c. 1785, Porto
  • 7. Arquitetura no Porto Edifício pequeno e harmonioso + Fachada distribuída por dois pisos: -1º - colunas dóricas - 2º - colunas jónicas + Espaços para estátuas (virtudes cristãs) António Pinto de Miranda, Igreja da Ordem Terceira de S. Francisco, c. 1792, Porto
  • 8. Arquitetura no Porto Joaquim da Costa Lima, Palácio das Carrancas, 1795- 1806, hoje Museu Nacional de Soares dos Reis
  • 9. Arquitetura no Porto Carlos Amarante, Igreja da Ordem da Trindade, 1803, Porto Carlos Amarante, Academia Real da Marinha e Comércio, hoje Faculdade de Ciências do Porto
  • 10. Arquitetura em Lisboa Neoclassicismo mais tardio Dois arquitetos José da Costa e Silva Francisco Xavier Fabri, (português, com formação em italiano Roma)
  • 11. Arquitetura em Lisboa José da Costa e Silva, Teatro de S. Carlos, c. 1792, Lisboa - inspirado no La Scala -Volumes bem definidos - encomendado por uma -Aspecto compacto e maciço associação de ricos burgueses de - pórtico romano Lisboa - aparelho rusticado do rés do chão
  • 12. Arquitetura em Lisboa Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, Palácio da Ajuda, 1795-1860, Lisboa
  • 13. Arquitetura em Lisboa Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, Palácio da Ajuda, 1795-1860, Lisboa
  • 14. Arquitetura em Lisboa Fortunato Lodi, Teatro Nacional de D. Maria II, 1842-46
  • 15. Arquitetura em Lisboa Ventura Terra e outros, Assembleia da República, início do século XX
  • 16. Projetos urbanísticos no Porto - John Whitehead, Praça da Ribeira (1775-80): Praça da Ribeira (incompleto) - João Almada e Melo e Francisco Almada e Melo: novas artérias de circulação, pavimentação e construção de novas praças
  • 17. Escultura neoclássica Oficinas de formação Mosteiro de Mafra Palácio da Ajuda Machado de Castro Machado de Castro João José de Aguiar Faustino José Rodrigues Joaquim José de Barros Laborão Influência romana
  • 18. Escultura neoclássica Machado de Castro, D. José I, 1775 - formado nas oficinas de Mafra (ainda ao gosto barroco/rococó) e depois na Ajuda
  • 19. Escultura neoclássica - influência clássica - grupos alegóricos do Triunfo e da Vitória - solenidade, leveza e movimento Machado de Castro, estátua equestre de D. José I, 1775
  • 20. Escultura neoclássica João José de Aguiar Formação no atelier de Canova, em Roma 9 esculturas no Palácio da Ajuda - figuras hirtas - rostos intemporais, serenos - vestes de pregueados finos - ausência de nús
  • 22. Escultura neoclássica João José de Aguiar, D. João José de Aguiar, João VI, 1823 D. Maria I, 1797
  • 23. Pintura neoclássica Princípios do Neoclassicismo: - importância dada ao desenho em desfavor da cor - contorno nítido - fim do tratamento claro / escuro Dois períodos: 1º período 2º período Artistas nacionais e estrangeiros Génio de dois pintores: - Vieira Portuense Obras ao gosto classicizante - Domingos Sequeira Palácios de Mafra e da Ajuda
  • 24. Pintura neoclássica Vieira Portuense Francisco Vieira, o Portuense (1765-1805): -influência da pintura italiana (composição e execução do desenho, tonalidades claras e pouco contrastantes) - influência da pintura inglesa (visão colorista da paisagem) - retratista - representação de figuras religiosas
  • 25. Pintura neoclássica Vieira Portuense -Inspiração em David (?) - tonalidade clara - boa modelação dos corpos - Composição equilibrada Vieira Portuense, D. Filipa de Vilhena armando seus filhos cavaleiros, 1801
  • 26. Pintura neoclássica Vieira Portuense - Síntese das influências - paleta clara - arvoredo denso - nu voluptuoso Vieira Portuense, Júpiter e Leda, 1798
  • 27. Pintura neoclássica Vieira Portuense - envolvimento luminosos e místico - sem nitidez dos contornos nem corporeidade Vieira Portuense, Morte de Santa Margarida de Cortona, 1797-99
  • 28. Pintura neoclássica Domingos Sequeira Domingos Sequeira (1768-1837): - vários percursos, terminando como impressionista - obras religiosas - temas alegóricos - retratista
  • 29. Pintura neoclássica Domingos Sequeira Domingos Sequeira, São Bruno em oração, 1799-1800
  • 30. Pintura neoclássica Domingos Sequeira - retrato psicológico (ternura transbordante) - formas bem contornadas e pormenorizadas - cor subtil Domingos Sequeira, Retrato de Maria Benedita Vitória Verde, 1822, 1799-1800
  • 31. Pintura neoclássica Domingos Sequeira - formas diluídas - luz idealizada, focalizada nos pontos mais importantes - sem detalhes - transparece apenas o sentimento Domingos Sequeira, Descida da Cruz, c.1826, 1799-1800
  • 32. Pintura neoclássica Domingos Sequeira - atenção sobre a pose e o rosto -inovador - espírito liberto e otimista Domingos Sequeira, Retrato do Conde de Farrobo, 1813
  • 33. FIM