SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Cultura Popular
Nos campos e
 nas cidades
 desenvolveu
 -se         a
 cultura
 popular. A
 maior parte     Nas festas e romarias
 do povo era     actuavam os saltimbancos
 analfabeta,     , os jograis e os bobos.
 por      isso   As festas populares
 esta cultura    incluíam quase sempre
A influência da Igreja na vida e na cultura das populações era
enorme. O dia-a-dia era ritmado por festas religiosas, como o
Natal e a Páscoa, as quais, muitas vezes, assimilavam
festividades e cultos pagãos antigos.
Nestas festas cantava-se e bailava-se
Outras formas de transmissão da cultura
popular eram os provérbios, contos, lendas
e cantigas assentes em experiências de
gerações, difundidos no seio da família
durante os serões ou trabalhos do campo.
Os contos populares
As Universidades
Com o desenvolvimento
  urbano, a partir do
  século XII, as escolas
  episcopais e monásticas
  tornaram-se incapazes
  de responder às
  necessidades das elites
  urbanas.

Nalgumas cidades
 começaram a surgir
 associações de
 estudantes e               Estudantes universitários


 professores, que
Estavam abertas a todos os que
quisessem frequentá-las e não
apenas a clérigos. O ensino
também já não era
exclusivamente religioso.
Estudava-se Teologia, Direito e
Medicina.
As primeiras universidades foram
fundadas em Itália, França e
Inglaterra:, como a de Bolonha, a
de Paris ou a de Oxford.
Em Portugal, foi criada por D.
Dinis, no ano de 1290, com a
designação de Estudo Geral, por se
destinar a todos , religiosos e
leigos.
Cultura popular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Nancihorta
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
eiprofessor
 
A Origem Da DançA
A Origem Da DançAA Origem Da DançA
A Origem Da DançA
martinsramon
 
Povos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geral
Povos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geralPovos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geral
Povos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geral
Rose vargas
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
Rafael Serra
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
Emef Madalena
 

Mais procurados (20)

A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
A Origem Da DançA
A Origem Da DançAA Origem Da DançA
A Origem Da DançA
 
13 o império romano
13   o império romano13   o império romano
13 o império romano
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
 
Cultura brasileira
Cultura brasileiraCultura brasileira
Cultura brasileira
 
Tudo sobre o Hip Hop
Tudo sobre o Hip HopTudo sobre o Hip Hop
Tudo sobre o Hip Hop
 
Povos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geral
Povos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geralPovos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geral
Povos pré colombianos maias, astecas e incas - resumo geral
 
RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.
 
Os incas
Os incasOs incas
Os incas
 
Folclore Brasileiro
Folclore BrasileiroFolclore Brasileiro
Folclore Brasileiro
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
 

Semelhante a Cultura popular

Carnaval slides
Carnaval slidesCarnaval slides
Carnaval slides
coljoao23
 
Dossier de imprensa fccrs'14 final
Dossier de imprensa fccrs'14   finalDossier de imprensa fccrs'14   final
Dossier de imprensa fccrs'14 final
Fernando Moura
 
Festas populares, frestas para pensar a dinâmico cultura
Festas populares, frestas para pensar a dinâmico culturaFestas populares, frestas para pensar a dinâmico cultura
Festas populares, frestas para pensar a dinâmico cultura
Aline Sesti Cerutti
 
Conhecer para preservar
Conhecer para preservar Conhecer para preservar
Conhecer para preservar
bigmu
 
Www.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]ioruba
Www.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]iorubaWww.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]ioruba
Www.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]ioruba
Nika Play
 
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
UNEB
 
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
UNEB
 

Semelhante a Cultura popular (20)

Carnaval slides
Carnaval slidesCarnaval slides
Carnaval slides
 
Inf historia 10
Inf historia 10Inf historia 10
Inf historia 10
 
Memória coletiva como suporte para o Turismo Cultural: Fronteiras Porosas nas...
Memória coletiva como suporte para o Turismo Cultural: Fronteiras Porosas nas...Memória coletiva como suporte para o Turismo Cultural: Fronteiras Porosas nas...
Memória coletiva como suporte para o Turismo Cultural: Fronteiras Porosas nas...
 
Dossier de imprensa fccrs'14 final
Dossier de imprensa fccrs'14   finalDossier de imprensa fccrs'14   final
Dossier de imprensa fccrs'14 final
 
Apresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdf
Apresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdfApresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdf
Apresentação Simples Básica Manchas Verde Roxo Laranja.pdf
 
a congada
a congadaa congada
a congada
 
CULTURA POPULAR ELETIVA.pptx
CULTURA POPULAR ELETIVA.pptxCULTURA POPULAR ELETIVA.pptx
CULTURA POPULAR ELETIVA.pptx
 
Arte e cultura
Arte e cultura Arte e cultura
Arte e cultura
 
Charolas freguesia santa bárbara de nexe
Charolas freguesia santa bárbara de nexeCharolas freguesia santa bárbara de nexe
Charolas freguesia santa bárbara de nexe
 
Cultura Popular (1).pptx
Cultura Popular (1).pptxCultura Popular (1).pptx
Cultura Popular (1).pptx
 
Festas populares, frestas para pensar a dinâmico cultura
Festas populares, frestas para pensar a dinâmico culturaFestas populares, frestas para pensar a dinâmico cultura
Festas populares, frestas para pensar a dinâmico cultura
 
Conhecer para preservar
Conhecer para preservar Conhecer para preservar
Conhecer para preservar
 
Álbum Padre Leopoldo - Ichu
Álbum Padre Leopoldo - IchuÁlbum Padre Leopoldo - Ichu
Álbum Padre Leopoldo - Ichu
 
Carranca 01 2021a
Carranca 01 2021aCarranca 01 2021a
Carranca 01 2021a
 
Cultura iorubá maria inez couto de almeida
Cultura iorubá   maria inez couto de almeidaCultura iorubá   maria inez couto de almeida
Cultura iorubá maria inez couto de almeida
 
Www.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]ioruba
Www.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]iorubaWww.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]ioruba
Www.dialogarts.uerj.br admin arquivos_emquestao_[1]ioruba
 
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
 
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luzA festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
A festa de santa luzia segundo fiéis de santa luz
 
Os monjes e a cultura
Os monjes e a culturaOs monjes e a cultura
Os monjes e a cultura
 
Sagradas
SagradasSagradas
Sagradas
 

Mais de Carla Teixeira

O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Cultura popular

  • 1. Cultura Popular Nos campos e nas cidades desenvolveu -se a cultura popular. A maior parte Nas festas e romarias do povo era actuavam os saltimbancos analfabeta, , os jograis e os bobos. por isso As festas populares esta cultura incluíam quase sempre
  • 2. A influência da Igreja na vida e na cultura das populações era enorme. O dia-a-dia era ritmado por festas religiosas, como o Natal e a Páscoa, as quais, muitas vezes, assimilavam festividades e cultos pagãos antigos.
  • 3. Nestas festas cantava-se e bailava-se Outras formas de transmissão da cultura popular eram os provérbios, contos, lendas e cantigas assentes em experiências de gerações, difundidos no seio da família durante os serões ou trabalhos do campo.
  • 5. As Universidades Com o desenvolvimento urbano, a partir do século XII, as escolas episcopais e monásticas tornaram-se incapazes de responder às necessidades das elites urbanas. Nalgumas cidades começaram a surgir associações de estudantes e Estudantes universitários professores, que
  • 6. Estavam abertas a todos os que quisessem frequentá-las e não apenas a clérigos. O ensino também já não era exclusivamente religioso. Estudava-se Teologia, Direito e Medicina.
  • 7. As primeiras universidades foram fundadas em Itália, França e Inglaterra:, como a de Bolonha, a de Paris ou a de Oxford. Em Portugal, foi criada por D. Dinis, no ano de 1290, com a designação de Estudo Geral, por se destinar a todos , religiosos e leigos.