SlideShare uma empresa Scribd logo
Foi neste contexto que surgiram as rotas comerciais e as feiras medievais
Dois pólos logo despontaram nesse novo ambiente: as cidades italianas em
   especial Veneza, Gênova, Entre as mais famosas feiras estavam as de
                               Champagne.
A      abundância    de
produtos fomentou as
trocas    comerciais   .
Estas       para     se
realizarem
necessitavam de lugares
próprios para onde se
dirigissem           os
compradores           e
vendedores.
-Feiras
-Mercados
As          Feiras
realizavam-se uma
vez por ano e
envolviam
mercadores
vindos das mais
variadas regiões
(Ex: Feiras de
Champagne).     As
feiras    estavam
por          vezes
associadas       a
festas religiosas
e peregrinações.
As feiras eram criadas através de uma Carta de Feira
passada pelo rei. Nesta carta ficavam estabelecidas as
regras que regulamentavam a feiras e as pessoas que a ela
iam vender ou comprar, isto é, os direitos , as regalias e
obrigações dos feirantes, assim como os impostos que
tinham que pagar.
O desevolvimento cmoercial parte 2
Realizavam-se com maior
frequência              ,
semanalmente          ou
mensalmente e tinham
um âmbito mais restrito ,
ligando o interior com o
com o litoral.
Todo este dinamismo comercial
levou à criação de novas
actividades ligadas à Banca.
Banqueiros que emprestavam dinheiro a juros.

 Aparecimento dos primeiros bancos
cambistas-
pessoas       que
conheciam       os
valores        das
moedas     e    se
incubiam de trocá-
las.
Letra de câmbio



um sistema muito
semelhante        ao
cheque      ,    que
permitiam levantar ,
num outro pa si e
numa outra moeda , a
importância
registada         no
documento.
Cunhagem de moeda
• O fortalecimento do comércio e o surgimento da burguesia
  favoreceram o desenvolvimento e surgimento de muitas
  cidades.
O desenvolvimento urbano manifestou-se primeiro pelo crescimento dos velhos
centros populacionais ou burgos. A população aumentara de tal forma que a área
urbana deixara de a comportar, obrigando à formação de novos bairros fora das
muralhas. Os burgos de fora foram crescendo na zona de arrabalde, terras vizinhas
onde os moradores da cidade possuíam campos de cultivo, vinhedos e pomares.
Mapa da cidade de Braga




O ESPAÇO URBANO
·É circundado por muralhas, com altas torres de vigia, fora das quais se
encontra o arrabalde, local onde se fixam os ofícios poluentes e ruidosos,
e o termo, espaço circundante de campos e aldeias.
· Possui vulgarmente uma planta irregular, que se distribui organicamente,
e algumas vezes uma planta regular, de malha ortogonal, ao estilo romano.
· Organiza-se à volta da praça do mercado – a símbolo das actividades
económicas –, da câmara municipal – símbolo das actividades
administrativas – e da catedral – símbolo do poder religioso.
Tem ruas sinuosas e irregulares que se adaptam ao terreno.
Dentro dos limites cercados das cidades, os terrenos eram caríssimos e procurava-se
aproveitar cada centímetro. As contruções, em geral de madeira, eram colocadas
umas às outras, e os andares superiores eram projetados sobre as ruas, que já eram
estreitas, tornando-as ainda mais sombrias. O perigo de incêndio era constante.
O desevolvimento cmoercial parte 2
Esse incontrolável crescimento
demográfico dificultava a
observância de padrões de
higiene e de conforto. As
condições sanitárias eram
péssimas: o lixo eram despejado
nas ruas e sua coleta ficava a
cargo das eventuais chuvas; até
que isso ocorresse, formavam-se
montes de detritos, resolvidos
por cães e porcos.
O desevolvimento cmoercial parte 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Maria Gomes
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
Carla Teixeira
 
Economia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xivEconomia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xiv
cattonia
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Maria Gomes
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
filomena morais
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
Vítor Santos
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
Ana Barreiros
 
A vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais págA vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais pág
filomena morais
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Nelson Faustino
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
Flora Domingos
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
As Cidades Italianas
As Cidades ItalianasAs Cidades Italianas
As Cidades Italianas
AEDFL
 
20 - Portugal no séc. XII e XIII
20  - Portugal no séc. XII e XIII20  - Portugal no séc. XII e XIII
20 - Portugal no séc. XII e XIII
Carla Freitas
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
carolinagomesss
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Maria Gomes
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
AEDFL
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
João Lima
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
Economia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xivEconomia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xiv
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
A vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais págA vida nas cidades medievais pág
A vida nas cidades medievais pág
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
As Cidades Italianas
As Cidades ItalianasAs Cidades Italianas
As Cidades Italianas
 
20 - Portugal no séc. XII e XIII
20  - Portugal no séc. XII e XIII20  - Portugal no séc. XII e XIII
20 - Portugal no séc. XII e XIII
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 

Destaque

A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Carla Teixeira
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
Carla Teixeira
 
A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2
Carla Teixeira
 
Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
Carla Teixeira
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
Carla Teixeira
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
Carla Teixeira
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
Carla Teixeira
 
A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1
Carla Teixeira
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
Carla Teixeira
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
Carla Teixeira
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
O românico
O românicoO românico
O românico
Carla Teixeira
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
Carla Teixeira
 

Destaque (20)

A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Ficha 2 módulo 4
Ficha 2  módulo 4Ficha 2  módulo 4
Ficha 2 módulo 4
 
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadasFicha 1  cultura da catedral- sociedade e cruzadas
Ficha 1 cultura da catedral- sociedade e cruzadas
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
 
Ficha 3 islamismo
Ficha 3  islamismoFicha 3  islamismo
Ficha 3 islamismo
 
Ficha 3 módulo 4
Ficha 3  módulo 4Ficha 3  módulo 4
Ficha 3 módulo 4
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2A crise do século xiv parte 2
A crise do século xiv parte 2
 
Cultura popular
Cultura popularCultura popular
Cultura popular
 
Ficha 4 arquitectura civil
Ficha 4  arquitectura civilFicha 4  arquitectura civil
Ficha 4 arquitectura civil
 
A arquitectura civil românica
A arquitectura civil românicaA arquitectura civil românica
A arquitectura civil românica
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Ficha 4 módulo 4
Ficha 4  módulo 4Ficha 4  módulo 4
Ficha 4 módulo 4
 
A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1A crise do século xiv parte 1
A crise do século xiv parte 1
 
Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2Cultura medieval parte 2
Cultura medieval parte 2
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
 

Semelhante a O desevolvimento cmoercial parte 2

País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
Maria Cristina Ribeiro
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
Carla Teixeira
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
dayvidprofessor
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
pravda78
 
Cidade deLisboa
Cidade  deLisboaCidade  deLisboa
Cidade deLisboa
aparicioanabela
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
cattonia
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2
guestc968e9
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 
o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2
guestc968e9
 
A vida quotidiana
A vida quotidianaA vida quotidiana
A vida quotidiana
CPH
 
Geo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptxGeo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptx
vpcsilva
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
Vanessa Frugoli
 

Semelhante a O desevolvimento cmoercial parte 2 (20)

País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
Cidade deLisboa
Cidade  deLisboaCidade  deLisboa
Cidade deLisboa
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
86465.pptx
 
O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2o Povoamento do Reino - 2
o Povoamento do Reino - 2
 
A vida quotidiana
A vida quotidianaA vida quotidiana
A vida quotidiana
 
Geo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptxGeo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptx
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

O desevolvimento cmoercial parte 2

  • 1. Foi neste contexto que surgiram as rotas comerciais e as feiras medievais Dois pólos logo despontaram nesse novo ambiente: as cidades italianas em especial Veneza, Gênova, Entre as mais famosas feiras estavam as de Champagne.
  • 2. A abundância de produtos fomentou as trocas comerciais . Estas para se realizarem necessitavam de lugares próprios para onde se dirigissem os compradores e vendedores. -Feiras -Mercados
  • 3. As Feiras realizavam-se uma vez por ano e envolviam mercadores vindos das mais variadas regiões (Ex: Feiras de Champagne). As feiras estavam por vezes associadas a festas religiosas e peregrinações.
  • 4. As feiras eram criadas através de uma Carta de Feira passada pelo rei. Nesta carta ficavam estabelecidas as regras que regulamentavam a feiras e as pessoas que a ela iam vender ou comprar, isto é, os direitos , as regalias e obrigações dos feirantes, assim como os impostos que tinham que pagar.
  • 6. Realizavam-se com maior frequência , semanalmente ou mensalmente e tinham um âmbito mais restrito , ligando o interior com o com o litoral.
  • 7. Todo este dinamismo comercial levou à criação de novas actividades ligadas à Banca.
  • 8. Banqueiros que emprestavam dinheiro a juros. Aparecimento dos primeiros bancos
  • 9. cambistas- pessoas que conheciam os valores das moedas e se incubiam de trocá- las.
  • 10. Letra de câmbio um sistema muito semelhante ao cheque , que permitiam levantar , num outro pa si e numa outra moeda , a importância registada no documento.
  • 12. • O fortalecimento do comércio e o surgimento da burguesia favoreceram o desenvolvimento e surgimento de muitas cidades.
  • 13. O desenvolvimento urbano manifestou-se primeiro pelo crescimento dos velhos centros populacionais ou burgos. A população aumentara de tal forma que a área urbana deixara de a comportar, obrigando à formação de novos bairros fora das muralhas. Os burgos de fora foram crescendo na zona de arrabalde, terras vizinhas onde os moradores da cidade possuíam campos de cultivo, vinhedos e pomares.
  • 14. Mapa da cidade de Braga O ESPAÇO URBANO ·É circundado por muralhas, com altas torres de vigia, fora das quais se encontra o arrabalde, local onde se fixam os ofícios poluentes e ruidosos, e o termo, espaço circundante de campos e aldeias. · Possui vulgarmente uma planta irregular, que se distribui organicamente, e algumas vezes uma planta regular, de malha ortogonal, ao estilo romano. · Organiza-se à volta da praça do mercado – a símbolo das actividades económicas –, da câmara municipal – símbolo das actividades administrativas – e da catedral – símbolo do poder religioso.
  • 15. Tem ruas sinuosas e irregulares que se adaptam ao terreno. Dentro dos limites cercados das cidades, os terrenos eram caríssimos e procurava-se aproveitar cada centímetro. As contruções, em geral de madeira, eram colocadas umas às outras, e os andares superiores eram projetados sobre as ruas, que já eram estreitas, tornando-as ainda mais sombrias. O perigo de incêndio era constante.
  • 17. Esse incontrolável crescimento demográfico dificultava a observância de padrões de higiene e de conforto. As condições sanitárias eram péssimas: o lixo eram despejado nas ruas e sua coleta ficava a cargo das eventuais chuvas; até que isso ocorresse, formavam-se montes de detritos, resolvidos por cães e porcos.