SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
A Revolução Científica na Europa  e a permanência da tradição
   observação;    levantamento de um problema;    formulação de uma hipótese;    experimentação;    conclusão e generalização (leis gerais). Na origem desta revolução encontra-se o chamado  Método Experimental  ou  Científico  que se baseia em cinco etapas: Revolução Científica Nos século XVII e XVIII verificou-se, na Europa, um tão grande e importante desenvolvimento científico, sobretudo nos domínios da Matemática, da Astronomia, da Física,   da Química e da Medicina, que se pode falar de uma verdadeira Revolução Científica. Luneta astronómica de Galileu (1608).
Principais avanços da ciência moderna Os homens do século XVII aplicaram o Método Experimental a todas as áreas de estudo, resultando no desenvolvimento de ciências como a Matemática, a Astronomia, a Física,   a Química e a Medicina.
   Academias  (associações onde os cientistas trocavam entre si os resultados das suas experiências e pesquisas; foram importantes para divulgar os novos conhecimentos científicos que iam surgindo; exemplos:  Academia Real das Ciências de Paris, Real Academia de Londres e Academia Real das Ciências de Lisboa );    Salões e cafés;    Bibliotecas;    Gazetas e jornais. Principais meios de difusão do conhecimento científico
O clima de progresso científico, que caracterizou a Europa nos séculos XVII e XVIII, constituiu uma  cultura de elites , pois apenas os membros dos grupos privilegiados se mantinham informados. De facto, a maioria da população europeia continuava analfabeta e alheia aos avanços científicos, devido:    à persistência de uma forte  cultura popular  que mantinha muitas tradições relacionadas com a vida agrícola e com a religião;    à acção do  Índex  e da  Inquisição  que se opunham à difusão das novas ideias;    ao  ensino tradicional  que, controlado pelos Jesuítas, apresentava currículos e métodos ainda baseados nos mestres da Antiguidade. Os obstáculos à inovação
O desenvolvimento das ciências levou à invenção, durante os séculos XVII e XVIII, de muitas máquinas e instrumentos científicos, como o microscópio, o termómetro, o telescópio,   a calculadora, o barómetro, o relógio de pêndulo, a máquina a vapor e os balões de ar quente. Os progressos técnicos Aeróstato dos irmãos Montgolfier (1783). Os progressos científicos e técnicos impulsionaram a realização de grandes viagens de exploração.  Assim, no decorrer do século XVIII, navegadores ingleses, holandeses e franceses, acompanhados de geógrafos, cartógrafos e botânicos, efectuaram viagens nos oceanos Pacífico, Árctico e Antárctico, descobrindo novas ilhas (Austrália, Nova Zelândia, etc) e novas espécies animais e vegetais. O alargamento do conhecimento do Mundo
FIM Rui Manuel da Costa Neto
Experiência de Galileu sobre as leis da queda dos corpos, na Torre de Pisa. Desenhos de galileu sobre as diversas fases da lua.
Newton descobre a Teoria da gravitação universal dos corpos. Estudos de Harvey sobre a circulação do sangue.
Salão de Madame Geoffrin: recebia à segunda-feira os artistas e à quinta-feira os homens das letras.
Julgamento de Galileu pela Inquisição (1632-33): Galileu foi obrigado a desdizer-se publicamente quanto à Teoria Heliocêntrica para não ser condenado à morte.
Termómetro de Galileu (1592). Microscópio de Hooke (1665). Luneta astronómica de Galileu (1608). Barómetro de Torricelli (1644). Calculadora mecânica de Pascal (1623). Relógio de pêndulo de Huygens (1654).
Telescópio reflector de Newton (1668). Passarola voadora do Padre Bartolomeu de Gusmão (1709). Spinning-Jenny (máquina de fiar) de Hargreaves (1768). Máquina a vapor de James Watt (1769).
Endeavour - veleiro de James Cook na sua 1ª viagem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Susana Simões
 
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIA RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIJosé Alemão
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismocattonia
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiA revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiCarlos Pinheiro
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticosIlda Bicacro
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoJoanaRitaSilva
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .TavaresJoana
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo atenienseEscoladocs
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 

Mais procurados (20)

Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIIIA RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
A RevoluçãO Cientifica na Europa dos Séculos XVII e XVIII
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviiiA revolução científica dos séculos xvii e xviii
A revolução científica dos séculos xvii e xviii
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Cultura de massas .
Cultura de massas .Cultura de massas .
Cultura de massas .
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 

Destaque

Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIImmarijose
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiAlan
 
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europalumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europaHCA_10I
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaAlan
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãOHist8
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialAna Batista
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científicacattonia
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrialAna Batista
 
Método experimental
Método experimentalMétodo experimental
Método experimentalPablo Aguilar
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientificaTiago Simoes
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Dênis Ribas
 

Destaque (20)

Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIIIRevolução cientifica sec. XVII-XVIII
Revolução cientifica sec. XVII-XVIII
 
Slide iluminismo
Slide iluminismoSlide iluminismo
Slide iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xviiA revolução científica do século xvii
A revolução científica do século xvii
 
A revolução científica
A revolução científicaA revolução científica
A revolução científica
 
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europalumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
lumininsmo a revolução científica e o iluminismo na europa
 
RevoluçãO Industrial
RevoluçãO IndustrialRevoluçãO Industrial
RevoluçãO Industrial
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO2   A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
2 A RevoluçãO CientíFica Progresso E TradiçãO
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Método experimental
Método experimentalMétodo experimental
Método experimental
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução cientifica
A revolução cientificaA revolução cientifica
A revolução cientifica
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 

Semelhante a A Revolução Científica

A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8Joao Lapa
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxMatildeGonalves23
 
Novos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xixNovos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xixmaria40
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundoVítor Santos
 
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãOA RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãOcrie_historia8
 
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãOA RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãOcrie_historia8
 
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa  A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa Duda Pequena
 
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiDinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiSílvia Mendonça
 
A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaSusana Simões
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientificoSamuel Moura
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
O triunfo do cientismo
O triunfo do cientismoO triunfo do cientismo
O triunfo do cientismomaria40
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalVítor Santos
 
revolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfrevolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfCarla Silva
 
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regênciaCeep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regênciaandrecarlosocosta
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposLucas Campos
 

Semelhante a A Revolução Científica (20)

A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
A revoluo-cientfica-1220661071391772-8
 
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docxPolitica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
Politica Social Pombalina e a Revolução Americana.docx
 
Novos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xixNovos modelos culturais no seculo xix
Novos modelos culturais no seculo xix
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãOA RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
 
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãOA RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
A RevoluçãO Cientifica Na Europa E A PermanêNcia Da TradiçãO
 
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa  A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
A cultura e o iluminismo em Portugal face à Europa
 
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E XviiDinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
Dinamismo Cultural Nos SéCulos Xvii E Xvii
 
A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeia
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair AguilarRenascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
Renascimento Científico - Prof. Altair Aguilar
 
Renascimento cientifico
Renascimento cientificoRenascimento cientifico
Renascimento cientifico
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
O triunfo do cientismo
O triunfo do cientismoO triunfo do cientismo
O triunfo do cientismo
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
revolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdfrevolução cientifica - iluminismo.pdf
revolução cientifica - iluminismo.pdf
 
Prefácio da dialética da natureza natureza
Prefácio da dialética da natureza naturezaPrefácio da dialética da natureza natureza
Prefácio da dialética da natureza natureza
 
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regênciaCeep resumo3ªrev cientifica-regência
Ceep resumo3ªrev cientifica-regência
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
 

Mais de Rui Neto

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziRui Neto
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaRui Neto
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialRui Neto
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929Rui Neto
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
HolocaustoRui Neto
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo PombalinoRui Neto
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado NovoRui Neto
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaRui Neto
 

Mais de Rui Neto (10)

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da Independência
 

Último

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 

Último (8)

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 

A Revolução Científica

  • 1. A Revolução Científica na Europa e a permanência da tradição
  • 2. observação;  levantamento de um problema;  formulação de uma hipótese;  experimentação;  conclusão e generalização (leis gerais). Na origem desta revolução encontra-se o chamado Método Experimental ou Científico que se baseia em cinco etapas: Revolução Científica Nos século XVII e XVIII verificou-se, na Europa, um tão grande e importante desenvolvimento científico, sobretudo nos domínios da Matemática, da Astronomia, da Física, da Química e da Medicina, que se pode falar de uma verdadeira Revolução Científica. Luneta astronómica de Galileu (1608).
  • 3. Principais avanços da ciência moderna Os homens do século XVII aplicaram o Método Experimental a todas as áreas de estudo, resultando no desenvolvimento de ciências como a Matemática, a Astronomia, a Física, a Química e a Medicina.
  • 4. Academias (associações onde os cientistas trocavam entre si os resultados das suas experiências e pesquisas; foram importantes para divulgar os novos conhecimentos científicos que iam surgindo; exemplos: Academia Real das Ciências de Paris, Real Academia de Londres e Academia Real das Ciências de Lisboa );  Salões e cafés;  Bibliotecas;  Gazetas e jornais. Principais meios de difusão do conhecimento científico
  • 5. O clima de progresso científico, que caracterizou a Europa nos séculos XVII e XVIII, constituiu uma cultura de elites , pois apenas os membros dos grupos privilegiados se mantinham informados. De facto, a maioria da população europeia continuava analfabeta e alheia aos avanços científicos, devido:  à persistência de uma forte cultura popular que mantinha muitas tradições relacionadas com a vida agrícola e com a religião;  à acção do Índex e da Inquisição que se opunham à difusão das novas ideias;  ao ensino tradicional que, controlado pelos Jesuítas, apresentava currículos e métodos ainda baseados nos mestres da Antiguidade. Os obstáculos à inovação
  • 6. O desenvolvimento das ciências levou à invenção, durante os séculos XVII e XVIII, de muitas máquinas e instrumentos científicos, como o microscópio, o termómetro, o telescópio, a calculadora, o barómetro, o relógio de pêndulo, a máquina a vapor e os balões de ar quente. Os progressos técnicos Aeróstato dos irmãos Montgolfier (1783). Os progressos científicos e técnicos impulsionaram a realização de grandes viagens de exploração. Assim, no decorrer do século XVIII, navegadores ingleses, holandeses e franceses, acompanhados de geógrafos, cartógrafos e botânicos, efectuaram viagens nos oceanos Pacífico, Árctico e Antárctico, descobrindo novas ilhas (Austrália, Nova Zelândia, etc) e novas espécies animais e vegetais. O alargamento do conhecimento do Mundo
  • 7. FIM Rui Manuel da Costa Neto
  • 8. Experiência de Galileu sobre as leis da queda dos corpos, na Torre de Pisa. Desenhos de galileu sobre as diversas fases da lua.
  • 9. Newton descobre a Teoria da gravitação universal dos corpos. Estudos de Harvey sobre a circulação do sangue.
  • 10. Salão de Madame Geoffrin: recebia à segunda-feira os artistas e à quinta-feira os homens das letras.
  • 11. Julgamento de Galileu pela Inquisição (1632-33): Galileu foi obrigado a desdizer-se publicamente quanto à Teoria Heliocêntrica para não ser condenado à morte.
  • 12. Termómetro de Galileu (1592). Microscópio de Hooke (1665). Luneta astronómica de Galileu (1608). Barómetro de Torricelli (1644). Calculadora mecânica de Pascal (1623). Relógio de pêndulo de Huygens (1654).
  • 13. Telescópio reflector de Newton (1668). Passarola voadora do Padre Bartolomeu de Gusmão (1709). Spinning-Jenny (máquina de fiar) de Hargreaves (1768). Máquina a vapor de James Watt (1769).
  • 14. Endeavour - veleiro de James Cook na sua 1ª viagem.