SlideShare uma empresa Scribd logo
A
ORGANIZAÇÃO
DAS ÁREAS
URBANAS
DISTINGUIR O ESPAÇO URBANO
A ocupação do território confere à paisagem características que
permitem fazer diferenciações espaciais. Uma distinção comum opõe o
espaço urbano ao espaço rural, devido às diferentes características que
permitem distingui-los na paisagem
A ocupação do território confere à paisagem características que
permitem fazer diferenciações espaciais. Uma distinção comum opõe o
espaço urbano ao espaço rural, devido às diferentes características que
permitem distingui-los na paisagem
Fig. Monsaraz, Alentejo.Fig. Coimbra.
Pág. 79
DEFINIR CIDADE
CARACTERÍSTICAS
Fig. Rua na cidade de Albufeira.
Fig. Rua na cidade de Lisboa.
Fig. Marquês de Pombal, Lisboa.
Fig. Museu da Eletricidade, Lisboa.
 Densa ocupação humana e
elevado índice de construção.
 Intensa afluência de trânsito.
 Concentração de atividades
económicas.
 Elevado número de
equipamentos sociais,
desportivos e culturais.
 Densa ocupação humana e
elevado índice de construção.
 Intensa afluência de trânsito.
 Concentração de atividades
económicas.
 Elevado número de
equipamentos sociais,
desportivos e culturais.
Pág. 80
Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional,
definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomerações
populacionais são consideradas cidades.
Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional,
definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomerações
populacionais são consideradas cidades.
CRITÉRIOS
DEMOGRÁFICO
Levanta alguns problemas, uma vez que muitos aglomerados suburbanos
têm um elevado número de habitantes e grande densidade populacional
mas não oferecem funções urbanas relevantes além da residencial, pois
funcionam como dormitórios em relação a uma grande cidade próxima.
Levanta alguns problemas, uma vez que muitos aglomerados suburbanos
têm um elevado número de habitantes e grande densidade populacional
mas não oferecem funções urbanas relevantes além da residencial, pois
funcionam como dormitórios em relação a uma grande cidade próxima.
DEFINIR CIDADE
Pág. 80
Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas
envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedica, que
devem ser maioritariamente dos setores secundário e terciário.
Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas
envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedica, que
devem ser maioritariamente dos setores secundário e terciário.
CRITÉRIOS
FUNCIONAL
Muitas das cidades do interior e das Regiões Autónomas, apesar de terem
um número de habitantes relativamente reduzido, desempenham e
oferecem funções urbanas importantes, pelo que exercem influência e
estabelecem relações de interdependência com a sua área envolvente.
Muitas das cidades do interior e das Regiões Autónomas, apesar de terem
um número de habitantes relativamente reduzido, desempenham e
oferecem funções urbanas importantes, pelo que exercem influência e
estabelecem relações de interdependência com a sua área envolvente.
DEFINIR CIDADE
Pág. 80
Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos
as capitais de distrito e as cidades criadas por vontade régia, como forma
de incentivar o povoamento, de recompensar serviços prestados ou de
garantir a defesa de regiões de fronteira.
Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos
as capitais de distrito e as cidades criadas por vontade régia, como forma
de incentivar o povoamento, de recompensar serviços prestados ou de
garantir a defesa de regiões de fronteira.
CRITÉRIOS
JURÍDICO-ADMINISTRATIVO
DEFINIR CIDADE
Pág. 80
Fig. Rodovia, ferrovia e porto, Lisboa.
A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação
e pelas melhores redes de transporte permitiu uma grande flexibilidade
na implantação das atividades económicas e na fixação de residência.
A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação
e pelas melhores redes de transporte permitiu uma grande flexibilidade
na implantação das atividades económicas e na fixação de residência.
DEFINIR CIDADE
Pág. 81
Fig. Vista sobre Lisboa.
DEFINIR CIDADE
ATIVIDADE:
1 – Defina cidade.
ATIVIDADE:
1 – Defina cidade.
Pág. 80 Verificar respostaVerificar resposta
PORTUGAL MAIS URBANO
Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das
atividades nas áreas urbanas, habitualmente consideradas como
motores de crescimento económico, de competitividade e de emprego.
Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das
atividades nas áreas urbanas, habitualmente consideradas como
motores de crescimento económico, de competitividade e de emprego.
O ritmo de crescimento urbano foi
particularmente intenso, o que se
refletiu no comportamento da taxa de
urbanização.
O ritmo de crescimento urbano foi
particularmente intenso, o que se
refletiu no comportamento da taxa de
urbanização.
TU=
POPULAÇÃO URBANA
POPULAÇÃO TOTAL
X 100
Fig. Evolução da taxa de urbanização em Portugal
Pág. 82
PORTUGAL MAIS URBANO
Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor
taxa de urbanização.
Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor
taxa de urbanização.
Fig. Taxa de urbanização nos países-membros da União Europeia (2012).
Pág. 82
Fig. Estação de São Bento, Porto.
A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL
O espaço urbano oferece
uma grande diversidade
de funções que,
geralmente, se encontram
organizadas no espaço,
formando as chamadas
áreas funcionais – áreas
mais ou menos
homogéneas em termos
das funções que
oferecem.
O espaço urbano oferece
uma grande diversidade
de funções que,
geralmente, se encontram
organizadas no espaço,
formando as chamadas
áreas funcionais – áreas
mais ou menos
homogéneas em termos
das funções que
oferecem.
Fig. Câmara Municipal de Cascais
Pág. 84
AS ÁREAS TERCIÁRIAS
Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente
designada por CBD. Individualiza-se das restantes áreas da cidade pela
grande concentração de atividades terciárias.
Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente
designada por CBD. Individualiza-se das restantes áreas da cidade pela
grande concentração de atividades terciárias.
Fig. Comércio numa rua da cidade do Porto.Fig. Casa da Música, Porto.
O CENTRO DA CIDADE
Fig. Assembleia da República, Lisboa.Fig. Hotel no centro de Lisboa.
 Comércio.
 Serviços especializados.
 Animação lúdica e
cultural de qualidade.
 Hotéis e restauração.
 Comércio.
 Serviços especializados.
 Animação lúdica e
cultural de qualidade.
 Hotéis e restauração.
Demograficamente, o CBD caracteriza-se por:
uma numerosa população flutuante;
um reduzido número de habitantes.
Demograficamente, o CBD caracteriza-se por:
uma numerosa população flutuante;
um reduzido número de habitantes.
Pág. 85
Fig. Comércio na Baixa de Lisboa.
AS ÁREAS TERCIÁRIAS
DIFERENCIAÇÃO ESPACIAL…
No CBD, existe a tendência para a diferenciação espacial, quer em altura
quer no que respeita à distribuição das atividades pelas ruas.
No CBD, existe a tendência para a diferenciação espacial, quer em altura
quer no que respeita à distribuição das atividades pelas ruas.
Os estabelecimentos de maior prestígio e os serviços que
necessitam de maior contacto com o público ocupam o piso térreo e
as ruas principais, enquanto as funções menos nobres, ou de menor
contacto com o público ocupam os andares mais altos e as ruas
secundárias.
Os estabelecimentos de maior prestígio e os serviços que
necessitam de maior contacto com o público ocupam o piso térreo e
as ruas principais, enquanto as funções menos nobres, ou de menor
contacto com o público ocupam os andares mais altos e as ruas
secundárias.
Individualizam-se áreas com predomínio:
comércio grossista;
comércio retalhista.
Individualizam-se áreas com predomínio:
comércio grossista;
comércio retalhista.
A diferenciação espacial evidencia-se também pela existência de áreas
especializadas.
A diferenciação espacial evidencia-se também pela existência de áreas
especializadas.
Pág. 86
Fig. Diferenciação espacial no centro do Porto, de acordo com T. B. Salgueiro (2005).
AS ÁREAS TERCIÁRIAS
… DINÂMICA FUNCIONAL
 Posteriormente, iniciou-se uma
tendência de descentralização
destas funções em direção a outras
áreas da cidade.
 Posteriormente, iniciou-se uma
tendência de descentralização
destas funções em direção a outras
áreas da cidade.
 Numa primeira fase, assistiu-se à
substituição das funções industrial e
residencial pelo comércio e por
outras atividades terciárias.
 Numa primeira fase, assistiu-se à
substituição das funções industrial e
residencial pelo comércio e por
outras atividades terciárias.
 Especulação
fundiária.
 Congestionamento do
centro.
 Diminuição da
acessibilidade.
NOVAS CENTRALIDADESNOVAS CENTRALIDADES
Pág. 87
Fig. Edificio de escritórios, Lisboa.
NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO
Aumento e diversificação
das atividades terciárias.
Aumento e diversificação
das atividades terciárias.
Novas exigências de espaço
e infraestruturas.
Novas exigências de espaço
e infraestruturas.
Saída de muitos serviços
do centro da cidade.
Saída de muitos serviços
do centro da cidade.
 Parques de escritórios.
 Parques tecnológicos.
 Parques de escritórios.
 Parques tecnológicos.
Pág. 87
Fig. Centro comercial Colombo, Lisboa.
NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO
Nas últimas décadas, tem-se assistido à expansão das novas formas de
comércio, sobretudo estabelecimentos de grande dimensão, como
centros comerciais, super e hipermercados e grandes superfícies
especializadas.
Nas últimas décadas, tem-se assistido à expansão das novas formas de
comércio, sobretudo estabelecimentos de grande dimensão, como
centros comerciais, super e hipermercados e grandes superfícies
especializadas.
Pág. 88
Estas formas de comércio, por vezes, associam-se, formando parques ou
zonas comerciais.
Estas formas de comércio, por vezes, associam-se, formando parques ou
zonas comerciais.
Fig. Chiado, Lisboa.
Fig. Parque de estacionamento.Fig. Gare do Oriente, Lisboa.
ESTAGNAÇÃO/REVITALIZAÇÃO DO CBD
MEDIDAS DE REVITALIZAÇÃO DO CBD
 Organização do trânsito e criação de
espaços de estacionamento.
 Melhoramento dos transportes
públicos.
 Encerramento ao trânsito de
determinadas ruas ou áreas.
 Implementação de programas e
iniciativas de incentivo e apoio à
revitalização e requalificação urbana.
 Organização do trânsito e criação de
espaços de estacionamento.
 Melhoramento dos transportes
públicos.
 Encerramento ao trânsito de
determinadas ruas ou áreas.
 Implementação de programas e
iniciativas de incentivo e apoio à
revitalização e requalificação urbana.
Pág. 89
Fig. Área residencial, Lisboa.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja
localização está diretamente relacionada com o custo do solo e, por isso,
reflete as características sociais da população que nelas habita.
A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja
localização está diretamente relacionada com o custo do solo e, por isso,
reflete as características sociais da população que nelas habita.
Pode mesmo falar-se em segregação espacial – tendência para
organização do espaço em áreas de grande homogeneidade interna e
forte disparidade entre elas, também em termos de hierarquia.
Pode mesmo falar-se em segregação espacial – tendência para
organização do espaço em áreas de grande homogeneidade interna e
forte disparidade entre elas, também em termos de hierarquia.
Pág. 90
Fig. Estoril, no concelho de Cascais.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de maiores recursos
Os melhores locais da cidade são ocupados pelas classes altas.Os melhores locais da cidade são ocupados pelas classes altas.
São, normalmente, áreas planeadas, com boa acessibilidade, espaços
verdes e, muitas vezes, vista panorâmica, locais aprazíveis e
prestigiados.
São, normalmente, áreas planeadas, com boa acessibilidade, espaços
verdes e, muitas vezes, vista panorâmica, locais aprazíveis e
prestigiados.
As atividades económicas apresentam-se pouco concentradas,
correspondendo, quase sempre, a serviços de proximidade e comércio
sofisticado.
As atividades económicas apresentam-se pouco concentradas,
correspondendo, quase sempre, a serviços de proximidade e comércio
sofisticado.
Pág. 90
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de maiores recursos
As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da
cidade, onde novas áreas ganharam prestígio.
As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da
cidade, onde novas áreas ganharam prestígio.
Pág. 90
Fig. Bairro residencial recente, no concelho do Montijo, na área suburbana de Lisboa.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes médias
Os bairros das classes médias têm menor qualidade arquitetónica e
ocupam grande parte do espaço urbano.
Os bairros das classes médias têm menor qualidade arquitetónica e
ocupam grande parte do espaço urbano.
Nestas áreas, reside, de um modo geral, uma população mais jovem,
verificando-se uma tendência generalizada para a aquisição de casa
própria, devido ao fraco dinamismo do mercado de arrendamento, em
Portugal.
Nestas áreas, reside, de um modo geral, uma população mais jovem,
verificando-se uma tendência generalizada para a aquisição de casa
própria, devido ao fraco dinamismo do mercado de arrendamento, em
Portugal.
Pág. 91
Fig. Ribeira, Porto.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de menores recursos
A população de menores recursos reside nas áreas antigas e
degradadas da cidade, em bairros de habitação precária e de habitação
social.
A população de menores recursos reside nas áreas antigas e
degradadas da cidade, em bairros de habitação precária e de habitação
social.
Pág. 92
Fig. Bairro social em Chelas, Lisboa.
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de menores recursos
Em Portugal, a habitação precária foi praticamente erradicada, através do
realojamento em bairros de habitação social, do Estado ou das
autarquias, onde os edifícios são idênticos, com apartamentos pequenos,
para albergarem um grande número de famílias.
Em Portugal, a habitação precária foi praticamente erradicada, através do
realojamento em bairros de habitação social, do Estado ou das
autarquias, onde os edifícios são idênticos, com apartamentos pequenos,
para albergarem um grande número de famílias.
Pág. 92
AS ÁREAS RESIDENCIAIS
Classes de menores recursos
Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto,
encontram-se ainda os bairros de génese clandestina, construídos
ilegalmente, em terrenos sem projeto de urbanização e que, durante
vários anos, não tiveram qualquer tipo de infraestruturas.
Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto,
encontram-se ainda os bairros de génese clandestina, construídos
ilegalmente, em terrenos sem projeto de urbanização e que, durante
vários anos, não tiveram qualquer tipo de infraestruturas.
Pág. 93
Fig. Metro, Porto.
Fig. Poluição industrial, fábrica de papel, Portugal.
AS ÁREAS INDUSTRIAIS
Do centro para a periferia
A dinâmica funcional e a evolução do tecido urbano, levaram muitas
indústrias a deixar a cidade.
A dinâmica funcional e a evolução do tecido urbano, levaram muitas
indústrias a deixar a cidade.
Fig. Refinaria, Porto.
CAUSAS
Grande exigência de
espaço.
Elevado custo do solo e
das rendas.
Congestionamentos de
trânsito e dificuldade de
estacionamento.
CAUSAS
Grande exigência de
espaço.
Elevado custo do solo e
das rendas.
Congestionamentos de
trânsito e dificuldade de
estacionamento.
Fig. Trânsito intenso numa rua de
Lisboa.
 Poluição e o ruído
associados às indústrias.
 Segmentação do
processo produtivo.
 Desenvolvimento das
redes de transporte.
 Poluição e o ruído
associados às indústrias.
 Segmentação do
processo produtivo.
 Desenvolvimento das
redes de transporte.
Pág. 94
A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques
empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas empresas
para as quais a procura de terreno, a obtenção de licenças, de projetos e
a construção seriam desincentivadoras da mudança de instalações.
A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques
empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas empresas
para as quais a procura de terreno, a obtenção de licenças, de projetos e
a construção seriam desincentivadoras da mudança de instalações.
AS ÁREAS INDUSTRIAIS
Pág. 94
AS ÁREAS INDUSTRIAIS
Ainda na cidade
 Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.
 Trabalham por encomenda e requerem o contacto direto com o
cliente, como a confeção de alta-costura ou as artes gráficas.
 Produzem bens raros ou de elevado valor, como a joalharia.
 Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.
 Trabalham por encomenda e requerem o contacto direto com o
cliente, como a confeção de alta-costura ou as artes gráficas.
 Produzem bens raros ou de elevado valor, como a joalharia.
Algumas indústrias de bens de consumo permanecem no interior ou
mesmo no centro da cidade, localizando-se sobretudo nas traseiras de
lojas ou em andares superiores dos edifícios
Algumas indústrias de bens de consumo permanecem no interior ou
mesmo no centro da cidade, localizando-se sobretudo nas traseiras de
lojas ou em andares superiores dos edifícios
Pág. 95
A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL
ATIVIDADE:
1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características
sociais da população que nelas habita.
ATIVIDADE:
1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características
sociais da população que nelas habita.
Fig. Ribeira, Porto.
Pág. 90 a 93 Verificar respostaVerificar resposta
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A expansão urbana
A expansão urbanaA expansão urbana
A expansão urbana
Ilda Bicacro
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
713773
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
713773
 
2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais
Ministério da Educação
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
Cacilda Basto
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbana
Ilda Bicacro
 
Problemas urbanos
Problemas urbanosProblemas urbanos
Problemas urbanos
bruno oliveira
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
713773
 
Expansão urbana
Expansão urbanaExpansão urbana
Expansão urbana
Cacilda Basto
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
Maria Adelaide
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
713773
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
Idalina Leite
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
Maria Adelaide
 
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Idalina Leite
 
Rede urbana rel_cidade-campo
Rede urbana rel_cidade-campoRede urbana rel_cidade-campo
Rede urbana rel_cidade-campo
Ilda Bicacro
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
Idalina Leite
 

Mais procurados (20)

A expansão urbana
A expansão urbanaA expansão urbana
A expansão urbana
 
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º AnoAs características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
As características da rede urbana: o caso de Portugal - Geografia 11º Ano
 
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º AnoProblemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
Problemas no espaço urbano - Geografia 11º Ano
 
2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais2 Áreas Funcionais
2 Áreas Funcionais
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Rede urbana nacional
Rede urbana nacionalRede urbana nacional
Rede urbana nacional
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbana
 
Problemas urbanos
Problemas urbanosProblemas urbanos
Problemas urbanos
 
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º AnoSoluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
Soluções para os problemas urbanos - Geografia 11º Ano
 
Expansão urbana
Expansão urbanaExpansão urbana
Expansão urbana
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Cidades médias
Cidades  médiasCidades  médias
Cidades médias
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 
Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2Rede e sistema urbanos em portugal.2
Rede e sistema urbanos em portugal.2
 
Rede urbana rel_cidade-campo
Rede urbana rel_cidade-campoRede urbana rel_cidade-campo
Rede urbana rel_cidade-campo
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 

Destaque

A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
Maria Adelaide
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanas
manjosp
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
gA expansão urbana
gA expansão urbanagA expansão urbana
gA expansão urbana
bruno oliveira
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
Ana Vilardouro
 
5 OrganizaçãO Interna Das Cidades
5  OrganizaçãO Interna Das Cidades5  OrganizaçãO Interna Das Cidades
5 OrganizaçãO Interna Das Cidades
Mayjö .
 
Organização do espaço: a morfologia urbana
Organização do espaço: a morfologia urbanaOrganização do espaço: a morfologia urbana
Organização do espaço: a morfologia urbana
Idalina Leite
 
ExpansãO Urbana
ExpansãO UrbanaExpansãO Urbana
ExpansãO Urbana
Mena Varandas
 
O Espaco Urbano
O Espaco UrbanoO Espaco Urbano
Os problemas urbanos
Os problemas urbanosOs problemas urbanos
Os problemas urbanos
Paula Melo
 
1.1.àreas funcionais renda l ocativa
1.1.àreas funcionais renda l ocativa1.1.àreas funcionais renda l ocativa
1.1.àreas funcionais renda l ocativa
Ministério da Educação
 
Organização do espaço urbano 2013
Organização do espaço urbano 2013Organização do espaço urbano 2013
Organização do espaço urbano 2013
João José Ferreira Tojal
 
Setor secundário e terciário PIAUÍ
Setor secundário e terciário PIAUÍSetor secundário e terciário PIAUÍ
Setor secundário e terciário PIAUÍ
Leidiana Oliveira
 
Trabalho freguesia arcozelo
Trabalho freguesia arcozeloTrabalho freguesia arcozelo
Trabalho freguesia arcozelo
bruno oliveira
 
Formação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileirasFormação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileiras
Patrícia Ventura
 
A expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbana
A expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbanaA expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbana
A expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbana
Priscilla Costa
 
renda locativa áreas funcionais lugar central
 renda locativa áreas funcionais lugar central renda locativa áreas funcionais lugar central
renda locativa áreas funcionais lugar central
Ministério da Educação
 
A cidade
A cidadeA cidade
A cidade
ManuelaPeres
 
Organização do espaço urbano
Organização do espaço urbanoOrganização do espaço urbano
Organização do espaço urbano
João José Ferreira Tojal
 

Destaque (19)

A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas UrbanasA OrganizaçãO Das áReas Urbanas
A OrganizaçãO Das áReas Urbanas
 
Areas urbanas
Areas urbanasAreas urbanas
Areas urbanas
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
gA expansão urbana
gA expansão urbanagA expansão urbana
gA expansão urbana
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
5 OrganizaçãO Interna Das Cidades
5  OrganizaçãO Interna Das Cidades5  OrganizaçãO Interna Das Cidades
5 OrganizaçãO Interna Das Cidades
 
Organização do espaço: a morfologia urbana
Organização do espaço: a morfologia urbanaOrganização do espaço: a morfologia urbana
Organização do espaço: a morfologia urbana
 
ExpansãO Urbana
ExpansãO UrbanaExpansãO Urbana
ExpansãO Urbana
 
O Espaco Urbano
O Espaco UrbanoO Espaco Urbano
O Espaco Urbano
 
Os problemas urbanos
Os problemas urbanosOs problemas urbanos
Os problemas urbanos
 
1.1.àreas funcionais renda l ocativa
1.1.àreas funcionais renda l ocativa1.1.àreas funcionais renda l ocativa
1.1.àreas funcionais renda l ocativa
 
Organização do espaço urbano 2013
Organização do espaço urbano 2013Organização do espaço urbano 2013
Organização do espaço urbano 2013
 
Setor secundário e terciário PIAUÍ
Setor secundário e terciário PIAUÍSetor secundário e terciário PIAUÍ
Setor secundário e terciário PIAUÍ
 
Trabalho freguesia arcozelo
Trabalho freguesia arcozeloTrabalho freguesia arcozelo
Trabalho freguesia arcozelo
 
Formação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileirasFormação das cidades brasileiras
Formação das cidades brasileiras
 
A expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbana
A expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbanaA expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbana
A expansão urbana e os seus impactos para a mobilidade urbana
 
renda locativa áreas funcionais lugar central
 renda locativa áreas funcionais lugar central renda locativa áreas funcionais lugar central
renda locativa áreas funcionais lugar central
 
A cidade
A cidadeA cidade
A cidade
 
Organização do espaço urbano
Organização do espaço urbanoOrganização do espaço urbano
Organização do espaço urbano
 

Semelhante a eografiaA organização das áreas urbanas

As caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbanaAs caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbana
Ilda Bicacro
 
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
SusanaP5
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
Idalina Leite
 
áReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpáReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrp
Geografias Geo
 
1 Urbano Rural Cidade
1  Urbano Rural Cidade1  Urbano Rural Cidade
1 Urbano Rural Cidade
Ministério da Educação
 
Apresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 anoApresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 ano
Matheus Boniatti
 
Espaço urbano
Espaço urbanoEspaço urbano
Espaço urbano
Luiz Carvalheira Junior
 
1 urbano rural_cidade
1  urbano rural_cidade1  urbano rural_cidade
1 urbano rural_cidade
Ministério da Educação
 
1 urbano rural_cidade
1  urbano rural_cidade1  urbano rural_cidade
1 urbano rural_cidade
geofixe11b
 
1 urbano rural_cidade
1  urbano rural_cidade1  urbano rural_cidade
1 urbano rural_cidade
geofixe11b
 
areas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptxareas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptx
nialb
 
Urbanização Mundial
Urbanização MundialUrbanização Mundial
Urbanização Mundial
Francisca Pinto Lima Lima
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
Idalina Leite
 
Urbanização no brasil
Urbanização no brasilUrbanização no brasil
Urbanização no brasil
José Roberto
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humana
Carlamspc
 
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTEÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
abarros
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
CidadesCidades
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
Almir
 
A reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaA reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbana
Ilda Bicacro
 

Semelhante a eografiaA organização das áreas urbanas (20)

As caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbanaAs caracteristicas da_rede_urbana
As caracteristicas da_rede_urbana
 
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
GEOGRAFIA 8 ANO. MANUAL MAPA MUNDOcidades_ principais áreas de fixação humana...
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
áReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrpáReas de fixação humanaesrp
áReas de fixação humanaesrp
 
1 Urbano Rural Cidade
1  Urbano Rural Cidade1  Urbano Rural Cidade
1 Urbano Rural Cidade
 
Apresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 anoApresentação3 revisão provão 2 ano
Apresentação3 revisão provão 2 ano
 
Espaço urbano
Espaço urbanoEspaço urbano
Espaço urbano
 
1 urbano rural_cidade
1  urbano rural_cidade1  urbano rural_cidade
1 urbano rural_cidade
 
1 urbano rural_cidade
1  urbano rural_cidade1  urbano rural_cidade
1 urbano rural_cidade
 
1 urbano rural_cidade
1  urbano rural_cidade1  urbano rural_cidade
1 urbano rural_cidade
 
areas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptxareas funcionais cidade_1ª.pptx
areas funcionais cidade_1ª.pptx
 
Urbanização Mundial
Urbanização MundialUrbanização Mundial
Urbanização Mundial
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 
Urbanização no brasil
Urbanização no brasilUrbanização no brasil
Urbanização no brasil
 
Áreas de fixação humana
Áreas de fixação humanaÁreas de fixação humana
Áreas de fixação humana
 
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTEÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
 
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
 
A reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbanaA reorganizacao da_rede_urbana
A reorganizacao da_rede_urbana
 

Mais de bruno oliveira

iItinerário freguesia de arcozelo
iItinerário freguesia de arcozeloiItinerário freguesia de arcozelo
iItinerário freguesia de arcozelo
bruno oliveira
 
Evento na freguesia arcozelo
Evento na freguesia arcozeloEvento na freguesia arcozelo
Evento na freguesia arcozelo
bruno oliveira
 
Freguesia de arcozelo
Freguesia de arcozeloFreguesia de arcozelo
Freguesia de arcozelo
bruno oliveira
 
Os maias bruno
Os maias brunoOs maias bruno
Os maias bruno
bruno oliveira
 
11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)
bruno oliveira
 
Modulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salãoModulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salão
bruno oliveira
 
Rei sol ou rei luís xiv de frança eduardo
Rei sol ou rei luís xiv de frança eduardoRei sol ou rei luís xiv de frança eduardo
Rei sol ou rei luís xiv de frança eduardo
bruno oliveira
 
hBernini
hBerninihBernini
hBernini
bruno oliveira
 
Trabalho e o emprego
Trabalho e o empregoTrabalho e o emprego
Trabalho e o emprego
bruno oliveira
 
Relacionamento cientifico
Relacionamento cientificoRelacionamento cientifico
Relacionamento cientifico
bruno oliveira
 
Valores cultura e ética
 Valores cultura e ética  Valores cultura e ética
Valores cultura e ética
bruno oliveira
 
Empresas exportadoras
Empresas exportadorasEmpresas exportadoras
Empresas exportadoras
bruno oliveira
 
Desequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasDesequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicas
bruno oliveira
 
iAuto ribeiro lda
iAuto ribeiro ldaiAuto ribeiro lda
iAuto ribeiro lda
bruno oliveira
 
Ai
AiAi
Tourisme cultural e patrimonial
Tourisme cultural e patrimonialTourisme cultural e patrimonial
Tourisme cultural e patrimonial
bruno oliveira
 
Laos
LaosLaos
Centro histórico
Centro históricoCentro histórico
Centro histórico
bruno oliveira
 
Fiche travail 1 frances
Fiche travail 1 francesFiche travail 1 frances
Fiche travail 1 frances
bruno oliveira
 
hotel
hotel hotel

Mais de bruno oliveira (20)

iItinerário freguesia de arcozelo
iItinerário freguesia de arcozeloiItinerário freguesia de arcozelo
iItinerário freguesia de arcozelo
 
Evento na freguesia arcozelo
Evento na freguesia arcozeloEvento na freguesia arcozelo
Evento na freguesia arcozelo
 
Freguesia de arcozelo
Freguesia de arcozeloFreguesia de arcozelo
Freguesia de arcozelo
 
Os maias bruno
Os maias brunoOs maias bruno
Os maias bruno
 
11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)11 app-características rede urbana (1)
11 app-características rede urbana (1)
 
Modulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salãoModulo 7 a cultura do salão
Modulo 7 a cultura do salão
 
Rei sol ou rei luís xiv de frança eduardo
Rei sol ou rei luís xiv de frança eduardoRei sol ou rei luís xiv de frança eduardo
Rei sol ou rei luís xiv de frança eduardo
 
hBernini
hBerninihBernini
hBernini
 
Trabalho e o emprego
Trabalho e o empregoTrabalho e o emprego
Trabalho e o emprego
 
Relacionamento cientifico
Relacionamento cientificoRelacionamento cientifico
Relacionamento cientifico
 
Valores cultura e ética
 Valores cultura e ética  Valores cultura e ética
Valores cultura e ética
 
Empresas exportadoras
Empresas exportadorasEmpresas exportadoras
Empresas exportadoras
 
Desequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicasDesequilíbrios regionais – questões económicas
Desequilíbrios regionais – questões económicas
 
iAuto ribeiro lda
iAuto ribeiro ldaiAuto ribeiro lda
iAuto ribeiro lda
 
Ai
AiAi
Ai
 
Tourisme cultural e patrimonial
Tourisme cultural e patrimonialTourisme cultural e patrimonial
Tourisme cultural e patrimonial
 
Laos
LaosLaos
Laos
 
Centro histórico
Centro históricoCentro histórico
Centro histórico
 
Fiche travail 1 frances
Fiche travail 1 francesFiche travail 1 frances
Fiche travail 1 frances
 
hotel
hotel hotel
hotel
 

Último

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 

Último (20)

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 

eografiaA organização das áreas urbanas

  • 2. DISTINGUIR O ESPAÇO URBANO A ocupação do território confere à paisagem características que permitem fazer diferenciações espaciais. Uma distinção comum opõe o espaço urbano ao espaço rural, devido às diferentes características que permitem distingui-los na paisagem A ocupação do território confere à paisagem características que permitem fazer diferenciações espaciais. Uma distinção comum opõe o espaço urbano ao espaço rural, devido às diferentes características que permitem distingui-los na paisagem Fig. Monsaraz, Alentejo.Fig. Coimbra. Pág. 79
  • 3. DEFINIR CIDADE CARACTERÍSTICAS Fig. Rua na cidade de Albufeira. Fig. Rua na cidade de Lisboa. Fig. Marquês de Pombal, Lisboa. Fig. Museu da Eletricidade, Lisboa.  Densa ocupação humana e elevado índice de construção.  Intensa afluência de trânsito.  Concentração de atividades económicas.  Elevado número de equipamentos sociais, desportivos e culturais.  Densa ocupação humana e elevado índice de construção.  Intensa afluência de trânsito.  Concentração de atividades económicas.  Elevado número de equipamentos sociais, desportivos e culturais. Pág. 80
  • 4. Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional, definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomerações populacionais são consideradas cidades. Valoriza o número de habitantes e/ou a densidade populacional, definindo um limiar mínimo, a partir do qual as aglomerações populacionais são consideradas cidades. CRITÉRIOS DEMOGRÁFICO Levanta alguns problemas, uma vez que muitos aglomerados suburbanos têm um elevado número de habitantes e grande densidade populacional mas não oferecem funções urbanas relevantes além da residencial, pois funcionam como dormitórios em relação a uma grande cidade próxima. Levanta alguns problemas, uma vez que muitos aglomerados suburbanos têm um elevado número de habitantes e grande densidade populacional mas não oferecem funções urbanas relevantes além da residencial, pois funcionam como dormitórios em relação a uma grande cidade próxima. DEFINIR CIDADE Pág. 80
  • 5. Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedica, que devem ser maioritariamente dos setores secundário e terciário. Tem em conta a influência exercida pela cidade sobre as áreas envolventes e o tipo de atividades a que a população se dedica, que devem ser maioritariamente dos setores secundário e terciário. CRITÉRIOS FUNCIONAL Muitas das cidades do interior e das Regiões Autónomas, apesar de terem um número de habitantes relativamente reduzido, desempenham e oferecem funções urbanas importantes, pelo que exercem influência e estabelecem relações de interdependência com a sua área envolvente. Muitas das cidades do interior e das Regiões Autónomas, apesar de terem um número de habitantes relativamente reduzido, desempenham e oferecem funções urbanas importantes, pelo que exercem influência e estabelecem relações de interdependência com a sua área envolvente. DEFINIR CIDADE Pág. 80
  • 6. Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos as capitais de distrito e as cidades criadas por vontade régia, como forma de incentivar o povoamento, de recompensar serviços prestados ou de garantir a defesa de regiões de fronteira. Aplica-se às cidades definidas por decisão legislativa. São exemplos as capitais de distrito e as cidades criadas por vontade régia, como forma de incentivar o povoamento, de recompensar serviços prestados ou de garantir a defesa de regiões de fronteira. CRITÉRIOS JURÍDICO-ADMINISTRATIVO DEFINIR CIDADE Pág. 80
  • 7. Fig. Rodovia, ferrovia e porto, Lisboa. A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação e pelas melhores redes de transporte permitiu uma grande flexibilidade na implantação das atividades económicas e na fixação de residência. A crescente mobilidade conferida pelas modernas vias de comunicação e pelas melhores redes de transporte permitiu uma grande flexibilidade na implantação das atividades económicas e na fixação de residência. DEFINIR CIDADE Pág. 81
  • 8. Fig. Vista sobre Lisboa. DEFINIR CIDADE ATIVIDADE: 1 – Defina cidade. ATIVIDADE: 1 – Defina cidade. Pág. 80 Verificar respostaVerificar resposta
  • 9. PORTUGAL MAIS URBANO Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das atividades nas áreas urbanas, habitualmente consideradas como motores de crescimento económico, de competitividade e de emprego. Em Portugal, tem-se assistido à concentração da população e das atividades nas áreas urbanas, habitualmente consideradas como motores de crescimento económico, de competitividade e de emprego. O ritmo de crescimento urbano foi particularmente intenso, o que se refletiu no comportamento da taxa de urbanização. O ritmo de crescimento urbano foi particularmente intenso, o que se refletiu no comportamento da taxa de urbanização. TU= POPULAÇÃO URBANA POPULAÇÃO TOTAL X 100 Fig. Evolução da taxa de urbanização em Portugal Pág. 82
  • 10. PORTUGAL MAIS URBANO Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor taxa de urbanização. Portugal é, entre os países da União Europeia, um dos que tem menor taxa de urbanização. Fig. Taxa de urbanização nos países-membros da União Europeia (2012). Pág. 82
  • 11. Fig. Estação de São Bento, Porto. A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL O espaço urbano oferece uma grande diversidade de funções que, geralmente, se encontram organizadas no espaço, formando as chamadas áreas funcionais – áreas mais ou menos homogéneas em termos das funções que oferecem. O espaço urbano oferece uma grande diversidade de funções que, geralmente, se encontram organizadas no espaço, formando as chamadas áreas funcionais – áreas mais ou menos homogéneas em termos das funções que oferecem. Fig. Câmara Municipal de Cascais Pág. 84
  • 12. AS ÁREAS TERCIÁRIAS Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente designada por CBD. Individualiza-se das restantes áreas da cidade pela grande concentração de atividades terciárias. Nas cidades é possível identificar uma área central, habitualmente designada por CBD. Individualiza-se das restantes áreas da cidade pela grande concentração de atividades terciárias. Fig. Comércio numa rua da cidade do Porto.Fig. Casa da Música, Porto. O CENTRO DA CIDADE Fig. Assembleia da República, Lisboa.Fig. Hotel no centro de Lisboa.  Comércio.  Serviços especializados.  Animação lúdica e cultural de qualidade.  Hotéis e restauração.  Comércio.  Serviços especializados.  Animação lúdica e cultural de qualidade.  Hotéis e restauração. Demograficamente, o CBD caracteriza-se por: uma numerosa população flutuante; um reduzido número de habitantes. Demograficamente, o CBD caracteriza-se por: uma numerosa população flutuante; um reduzido número de habitantes. Pág. 85
  • 13. Fig. Comércio na Baixa de Lisboa. AS ÁREAS TERCIÁRIAS DIFERENCIAÇÃO ESPACIAL… No CBD, existe a tendência para a diferenciação espacial, quer em altura quer no que respeita à distribuição das atividades pelas ruas. No CBD, existe a tendência para a diferenciação espacial, quer em altura quer no que respeita à distribuição das atividades pelas ruas. Os estabelecimentos de maior prestígio e os serviços que necessitam de maior contacto com o público ocupam o piso térreo e as ruas principais, enquanto as funções menos nobres, ou de menor contacto com o público ocupam os andares mais altos e as ruas secundárias. Os estabelecimentos de maior prestígio e os serviços que necessitam de maior contacto com o público ocupam o piso térreo e as ruas principais, enquanto as funções menos nobres, ou de menor contacto com o público ocupam os andares mais altos e as ruas secundárias. Individualizam-se áreas com predomínio: comércio grossista; comércio retalhista. Individualizam-se áreas com predomínio: comércio grossista; comércio retalhista. A diferenciação espacial evidencia-se também pela existência de áreas especializadas. A diferenciação espacial evidencia-se também pela existência de áreas especializadas. Pág. 86 Fig. Diferenciação espacial no centro do Porto, de acordo com T. B. Salgueiro (2005).
  • 14. AS ÁREAS TERCIÁRIAS … DINÂMICA FUNCIONAL  Posteriormente, iniciou-se uma tendência de descentralização destas funções em direção a outras áreas da cidade.  Posteriormente, iniciou-se uma tendência de descentralização destas funções em direção a outras áreas da cidade.  Numa primeira fase, assistiu-se à substituição das funções industrial e residencial pelo comércio e por outras atividades terciárias.  Numa primeira fase, assistiu-se à substituição das funções industrial e residencial pelo comércio e por outras atividades terciárias.  Especulação fundiária.  Congestionamento do centro.  Diminuição da acessibilidade. NOVAS CENTRALIDADESNOVAS CENTRALIDADES Pág. 87
  • 15. Fig. Edificio de escritórios, Lisboa. NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO Aumento e diversificação das atividades terciárias. Aumento e diversificação das atividades terciárias. Novas exigências de espaço e infraestruturas. Novas exigências de espaço e infraestruturas. Saída de muitos serviços do centro da cidade. Saída de muitos serviços do centro da cidade.  Parques de escritórios.  Parques tecnológicos.  Parques de escritórios.  Parques tecnológicos. Pág. 87
  • 16. Fig. Centro comercial Colombo, Lisboa. NOVAS ÁREAS DE SERVIÇOS E DE COMÉRCIO Nas últimas décadas, tem-se assistido à expansão das novas formas de comércio, sobretudo estabelecimentos de grande dimensão, como centros comerciais, super e hipermercados e grandes superfícies especializadas. Nas últimas décadas, tem-se assistido à expansão das novas formas de comércio, sobretudo estabelecimentos de grande dimensão, como centros comerciais, super e hipermercados e grandes superfícies especializadas. Pág. 88 Estas formas de comércio, por vezes, associam-se, formando parques ou zonas comerciais. Estas formas de comércio, por vezes, associam-se, formando parques ou zonas comerciais.
  • 17. Fig. Chiado, Lisboa. Fig. Parque de estacionamento.Fig. Gare do Oriente, Lisboa. ESTAGNAÇÃO/REVITALIZAÇÃO DO CBD MEDIDAS DE REVITALIZAÇÃO DO CBD  Organização do trânsito e criação de espaços de estacionamento.  Melhoramento dos transportes públicos.  Encerramento ao trânsito de determinadas ruas ou áreas.  Implementação de programas e iniciativas de incentivo e apoio à revitalização e requalificação urbana.  Organização do trânsito e criação de espaços de estacionamento.  Melhoramento dos transportes públicos.  Encerramento ao trânsito de determinadas ruas ou áreas.  Implementação de programas e iniciativas de incentivo e apoio à revitalização e requalificação urbana. Pág. 89
  • 18. Fig. Área residencial, Lisboa. AS ÁREAS RESIDENCIAIS A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja localização está diretamente relacionada com o custo do solo e, por isso, reflete as características sociais da população que nelas habita. A função residencial desempenha um papel importante nas cidades, cuja localização está diretamente relacionada com o custo do solo e, por isso, reflete as características sociais da população que nelas habita. Pode mesmo falar-se em segregação espacial – tendência para organização do espaço em áreas de grande homogeneidade interna e forte disparidade entre elas, também em termos de hierarquia. Pode mesmo falar-se em segregação espacial – tendência para organização do espaço em áreas de grande homogeneidade interna e forte disparidade entre elas, também em termos de hierarquia. Pág. 90
  • 19. Fig. Estoril, no concelho de Cascais. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de maiores recursos Os melhores locais da cidade são ocupados pelas classes altas.Os melhores locais da cidade são ocupados pelas classes altas. São, normalmente, áreas planeadas, com boa acessibilidade, espaços verdes e, muitas vezes, vista panorâmica, locais aprazíveis e prestigiados. São, normalmente, áreas planeadas, com boa acessibilidade, espaços verdes e, muitas vezes, vista panorâmica, locais aprazíveis e prestigiados. As atividades económicas apresentam-se pouco concentradas, correspondendo, quase sempre, a serviços de proximidade e comércio sofisticado. As atividades económicas apresentam-se pouco concentradas, correspondendo, quase sempre, a serviços de proximidade e comércio sofisticado. Pág. 90
  • 20. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de maiores recursos As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da cidade, onde novas áreas ganharam prestígio. As classes altas ocupam também alguns lugares da periferia da cidade, onde novas áreas ganharam prestígio. Pág. 90
  • 21. Fig. Bairro residencial recente, no concelho do Montijo, na área suburbana de Lisboa. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes médias Os bairros das classes médias têm menor qualidade arquitetónica e ocupam grande parte do espaço urbano. Os bairros das classes médias têm menor qualidade arquitetónica e ocupam grande parte do espaço urbano. Nestas áreas, reside, de um modo geral, uma população mais jovem, verificando-se uma tendência generalizada para a aquisição de casa própria, devido ao fraco dinamismo do mercado de arrendamento, em Portugal. Nestas áreas, reside, de um modo geral, uma população mais jovem, verificando-se uma tendência generalizada para a aquisição de casa própria, devido ao fraco dinamismo do mercado de arrendamento, em Portugal. Pág. 91
  • 22. Fig. Ribeira, Porto. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de menores recursos A população de menores recursos reside nas áreas antigas e degradadas da cidade, em bairros de habitação precária e de habitação social. A população de menores recursos reside nas áreas antigas e degradadas da cidade, em bairros de habitação precária e de habitação social. Pág. 92
  • 23. Fig. Bairro social em Chelas, Lisboa. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de menores recursos Em Portugal, a habitação precária foi praticamente erradicada, através do realojamento em bairros de habitação social, do Estado ou das autarquias, onde os edifícios são idênticos, com apartamentos pequenos, para albergarem um grande número de famílias. Em Portugal, a habitação precária foi praticamente erradicada, através do realojamento em bairros de habitação social, do Estado ou das autarquias, onde os edifícios são idênticos, com apartamentos pequenos, para albergarem um grande número de famílias. Pág. 92
  • 24. AS ÁREAS RESIDENCIAIS Classes de menores recursos Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto, encontram-se ainda os bairros de génese clandestina, construídos ilegalmente, em terrenos sem projeto de urbanização e que, durante vários anos, não tiveram qualquer tipo de infraestruturas. Na periferia das grandes cidades, principalmente de Lisboa e Porto, encontram-se ainda os bairros de génese clandestina, construídos ilegalmente, em terrenos sem projeto de urbanização e que, durante vários anos, não tiveram qualquer tipo de infraestruturas. Pág. 93
  • 25. Fig. Metro, Porto. Fig. Poluição industrial, fábrica de papel, Portugal. AS ÁREAS INDUSTRIAIS Do centro para a periferia A dinâmica funcional e a evolução do tecido urbano, levaram muitas indústrias a deixar a cidade. A dinâmica funcional e a evolução do tecido urbano, levaram muitas indústrias a deixar a cidade. Fig. Refinaria, Porto. CAUSAS Grande exigência de espaço. Elevado custo do solo e das rendas. Congestionamentos de trânsito e dificuldade de estacionamento. CAUSAS Grande exigência de espaço. Elevado custo do solo e das rendas. Congestionamentos de trânsito e dificuldade de estacionamento. Fig. Trânsito intenso numa rua de Lisboa.  Poluição e o ruído associados às indústrias.  Segmentação do processo produtivo.  Desenvolvimento das redes de transporte.  Poluição e o ruído associados às indústrias.  Segmentação do processo produtivo.  Desenvolvimento das redes de transporte. Pág. 94
  • 26. A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas empresas para as quais a procura de terreno, a obtenção de licenças, de projetos e a construção seriam desincentivadoras da mudança de instalações. A criação de zonas industriais ou parques industriais e parques empresariais veio ao encontro da necessidade de algumas empresas para as quais a procura de terreno, a obtenção de licenças, de projetos e a construção seriam desincentivadoras da mudança de instalações. AS ÁREAS INDUSTRIAIS Pág. 94
  • 27. AS ÁREAS INDUSTRIAIS Ainda na cidade  Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.  Trabalham por encomenda e requerem o contacto direto com o cliente, como a confeção de alta-costura ou as artes gráficas.  Produzem bens raros ou de elevado valor, como a joalharia.  Associadas a estabelecimentos comerciais, como a panificação.  Trabalham por encomenda e requerem o contacto direto com o cliente, como a confeção de alta-costura ou as artes gráficas.  Produzem bens raros ou de elevado valor, como a joalharia. Algumas indústrias de bens de consumo permanecem no interior ou mesmo no centro da cidade, localizando-se sobretudo nas traseiras de lojas ou em andares superiores dos edifícios Algumas indústrias de bens de consumo permanecem no interior ou mesmo no centro da cidade, localizando-se sobretudo nas traseiras de lojas ou em andares superiores dos edifícios Pág. 95
  • 28. A DIFERENCIAÇÃO FUNCIONAL ATIVIDADE: 1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características sociais da população que nelas habita. ATIVIDADE: 1 – Caracterize as áreas residenciais de acordo com as características sociais da população que nelas habita. Fig. Ribeira, Porto. Pág. 90 a 93 Verificar respostaVerificar resposta