SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA
CARDIOVASCULAR

MSc LORENA ALMEIDA DE MELO
VISÃO GERAL

CORAÇÃO

SANGUE

VASO
SANGUÍNEO

SISTEMA CARDIOVASCULAR
SISTEMA CARDIOVASCULAR
FUNÇÕES
Transporte de Oxigênio (pulmões), Água e
Nutrientes (epitélio intestinal)
 Comunicação Intercelular


◦ Hormônios – células-alvo – circulação
◦ Glicose do fígado e ácidos graxos do tecido adiposo –
células ativas
◦ Células brancas e anticorpos – interceptação de
invasores


Recolhimento de resíduos das células
◦ Dióxido de carbono (pulmões), restos metabólicos
(urina, fezes), calor (pele)
ANATOMIA GERAL DO SISTEMA
CIRCULATÓRIO
CORAÇÃO
LOCALIZAÇÃO
ESTRUTURAS
E
FLUXO UNIDIRECIONAL
VALVAS CARDÍACAS


Valvas atrioventriculares
◦ Tricúspide (direita) e bicúspide (esquerda)
◦ Prolapso: falha das cordas tendíneas - valva
empurrada para o átrio durante a contração
ventricular



Valvas semilunares
◦ Aórtica e pulmonar
◦ Fechamento – pressão retrógrada
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
CÉLULAS CARDÍACAS


Células Contráteis
◦ Músculo estriado – sarcômeros
◦ Uninucleares
◦ Rico em mitocôndrias – 70 a 80% do O2
oferecido pelo sangue
◦ Discos intercalares – junções que unem as
células cardíacas adjacentes - ligados por
desmossomos
 A força gerada por uma célula é transferida para a
célula adjacente
 Junções comunicantes – ligam as células eletricamente
– espalhando a onda de despolarização
CÉLULA CARDÍACA
CÉLULAS CARDÍACAS


Células Auto-rítmicas (Células do marcapasso)

◦ Capacidade de gerar potencial de ação –
contração sem estímulo externo.
◦ Controlam
cardíacos

a

frequência

dos

batimentos
EXCITAÇÃO-CONTRAÇÃO


Características da célula miocárdica
◦ Túbulo T: grande e se ramificam no interior
das células.
◦ Retículo sarcoplasmático: pouco desenvolvido –
depende de Ca+2 extracelular.
◦ Início da contração – potencial de ação
estimulando a célula muscular
EXCITAÇÃO-CONTRAÇÃO
RELAÇÃO TAMANHO-TENSÃO
Etapas do Potencial de Ação
no Músculo Cardíaco


Potencial de repouso da membrana: - 85 a 95 (mV).



Variação de potencial – negativo → positivo
(potencial em ponta).



Canais atuantes
◦ Abertura dos canais de sódio (rápidos);
◦ Abertura dos canais de cálcio (lentos)
◦ Entrada de íons sódio e cálcio – interior da fibra
muscular cardíaca.
Etapas do Potencial de Ação
no Músculo Cardíaco


DESPOLARIZAÇÃO
◦
◦



Quando as fibras contráteis são levadas a seu limiar –
abertura dos canais rápidos de sódio voltagemdependentes.
A entrada de sódio para o citosol ocorre a
depolarização

PLATÔ
◦

◦
◦

Depende da abertura dos canais lentos de cálcio
voltagem-dependentes
Liberação dos íons cálcio das cisternas terminais do
retículo sarcoplasmático (pouco desenvolvido)
Diminuição da permeabilidade dos canais de potássio
Etapas do Potencial de Ação
no Músculo Cardíaco


REPOLARIZAÇÃO
◦ Os canais de cálcio começam a se fechar;
◦ Os canais de potássio voltagem-dependente
abrem-se o que aumenta a permeabilidade da
membrana aos íons potássio;
◦ O potencial de membrana repouso - negativo
é restabelecido.
Etapas do Potencial de Ação
no Músculo Cardíaco
PERÍODO REFRATÁRIO


Intervalo de tempo durante o qual não
pode ser produzida uma segunda
contração.



O período refratário da fibra muscular é
mais longo que a própria contração –
nova contração após o relaxamento
completo ou bem avançado.



Evitar a tetania (contração sustentada) –
alternância de contração e relaxamento –
bombeamento do fluxo sangüíneo.
POTENCIAL DE AÇÃO –
CÉLULAS AUTO-RÍTMICAS
- Potencial de membrana (marcapasso)= -60 mV
- Canais If = Permeável ao Na+ e K +
- Abertura dos canais If= entra mais Na +
- Despolarização - Positividade= fechamento If e abertura Ca2+
- Repolarização= fechamento Na+ e abertura K+
SISTEMA DE CONDUÇÃO
CÉLULAS AUTO-RÍTMICAS


Células auto-rítmicas
◦ Rede de fibras musculares cardíacas
especializadas responsáveis pela atividade
elétrica, intrínseca e rítmica.
◦ Geram potenciais de ação espontâneos que
desencadeiam as contrações cardíacas.
◦ Funções
 Marcapasso - define o ritmo para todo coração
 Forma o sistema de condução (via para a
propagação dos potenciais de ação por todo
músculo cardíaco).
COMPONENTES DO SISTEMA DE
CONDUÇÃO


(1) A excitação cardíaca início
– nodo sino-atrial (SA parede atrial direita); o
potencial propaga-se pelos
dois átrios (junções abertas)
– contração atrial;



(2) O potencial atinge o nodo
atrioventricular (AV – septo
interatrial);



(3)
Atinge
o
feixe
atrioventricular (feixe de Hiss
– única conexão elétrica
entre os átrios e os
ventrículos;
COMPONENTES DO SISTEMA DE
CONDUÇÃO


(4) Após ser conduzido ao
longo do feixe de Hiss o
potencial de ação entra nos
ramos dos feixes direito e
esquerdo em direção ao ápice
cardíaco.



(5) Finalmente, as fibras de
Purkinje conduzem o PA do
ápice
do
miocárdio
ventricular para o restante do
miocárdio;
SISTEMA DE CONDUÇÃO
a

d

b

c

e

f
Marcapasso – Frequência Cardíaca


As células do nó SA determinam a
velocidade dos batimentos cardíacos
◦ O nó AS - ritmo mais rápido que o nó AV e
das fibras de Purkinje (evitar tetania)
◦ Falha do nó AV – comando da FC fibras do AV
e das fibras de Purkinje
◦ Bloqueio AV completo – ventrículos (35 ipm)
contraíram mais lento que o átrios (70 ipm)
◦ Bloqueio AV total – insuficiente para manter
fluxo sanguíneo – marcapasso mecânico
ELETROCARDIOGRAMA








Registro da atividade elétrica do coração obtido a
partir da colocação de eletrodos na superfície da
pele.
Representa múltiplos potenciais de ação ocorrendo
no músculo cardíaco em dadoo período de tempo
e obtido na superfície corporal.
Walter Einthoven (1887) – Triângulo de Einthoven
◦ Eletrodos nos braços (D e E) e na perna (E)
◦ Lados do triângulo numerados – derivações
Cada componente do ECG representa a
despolarização ou a repolarização de determinada
parte do coração
TRIÂNGULO DE EINTHOVEN
ELETROCARDIOGRAMA


Componentes principais no ECG
◦ Onda P: despolarização dos átrios
◦ Complexo QRS: despolarização ventricular
◦ Onda T: repolarização atrial



Eletrodos
◦ Eletrodo positivo, negativo e neutro
◦ Resultado dos potenciais de ação se move – eletrodo
positivo – deflexão positiva (para cima)
◦ Resultado dos potenciais de ação se move – eletrodo
negativo – deflexão negativa (para baixo)
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
ELETROCARDIOGRAMA
ELETROCARDIOGRAMA


Derivações colocadas em locais diferentes
◦ Informações de partes diferentes do coração
◦ 12 derivações: 3 (membros) e 9 (peito e tronco)



Informações fornecidas
◦ Frequência cardíaca
 Espaço de tempo entre uma onda P e a onda P
subsequente.
 Taquicardia e bradicardia
◦ Ritmo (regular e irregular-arritmia)
 Fibrilação atrial – nó AS perde função de
marcapasso
ELETROCARDIOGRAMA


Informações fornecidas
◦ Relação das ondas
 Cada complexo QRS é precedido por uma
P?
 O segmento P-R possui um comprimento
constante?
 Ex: bloqueio cardíaco – problema de
condução do PA para ventrículo – uma ou
mais onda P aparecem sem que haja
complexo QRS
CICLO CARDÍACO


Período compreendido entre o início de um
batimento cardíaco e o início do batimento
subsequente



Fases do ciclo cardíaco
◦ Sístole: período de tempo o qual o coração está
contraído
◦ Diástole: período de tempo o qual o coração relaxa
CICLO CARDÍACO
CICLO CARDÍACO


Mudanças de pressão-volume do ventrículo
esquerdo durante um ciclo cardíaco
VOLUME DE EJEÇÃO
Volume bombeado por um ventrículo
 VE= volume de sangue nos ventrículos
antes da contração (VDF) - volume de
sangue nos ventrículos após a contração
(VSF).
 VE= VDF-VSF
135- 65=70
ml/batimento(repouso)
 VE= 100 ml/batimento (exercício)

DÉBITO CARDÍACO
Quantidade de sangue ejetada por um
ventrículo por unidade de tempo
 DC= frequência cardíaca x volume de
ejeção
 DC= 72 x 70= 5040 ml/min;5 l/min
(repouso)
 DC= 30-35 l/min (exercício)

RETORNO VENOSO
Quantidade de sangue que retorna ao coração
pela circulação venosa
 Fatores que afetam o retorno venoso
◦ Bomba muscular (coração periférico) –
comprime as veias e empurra o sangue em
direção ao coração.
◦ Bomba respiratória – movimento do tórax
durante a inspiração – reduz a pressão sobre a
veia cava inferior – mais sangue desemboca no
AD

BOMBA MUSCULAR
REGULAÇÃO DA FC


Embora a FC seja iniciada pelas células
auto-rítmicas do nó SA – comando

◦ Sistema nervoso autônomo
 Simpático
 Parassimpático

◦ Hormônios
CONTROLE REFLEXO DA FC
REGULAÇÃO EXTRÍNSECA
◦ Ocorre em resposta às alterações no volume de sangue que
chega ao coração, de acordo com a Lei de Frank- Starling.
◦ Esta lei diz que sempre que houver um aumento no retorno
venoso, haverá um aumento no débito cardíaco. Isto ocorre
devido a uma maior distensão do músculo cardíaco, que irá
se contrair com mais força (característica do músculo
estriado).
◦ Princípio: Quanto maior for o estiramento do miocárdio
durante o enchimento, maior será a força de contração e a
quantidade de sangue bombeada para a Aorta.
◦ Durante o estiramento adicional ocorre armazenamento de
energia para uma posterior contração mais acentuada.
FLUXO SANGUÍNEO


Parede dos vasos sanguíneos
◦ Camadas de músculo liso
◦ Camadas de tecido conjuntivo elástico
◦ Camadas de tecido conjuntivo fibroso



Endotélio
◦ Revestimento interno de todos os vasos
sanguíneos
◦ Funções: regulação da pressão arterial,
crescimento de vasos sanguíneos e absorção
de materiais.
AS PAREDES DOS VASOS SANGUÍNEOS
VARIAM NO DIÂMETRO E NA
COMPOSIÇÃO
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
MÚSCULO LISO VASCULAR
Músculo liso dos vasos sanguíneos
 Organizado em camadas circulares ou espirais
 Vasoconstrição: estreita o diâmetro da luz do
vaso; vasodilatação: alarga o mesmo
 Tônus muscular: estado de contração parcial
o tempo todo do músculo liso vascular.
 Contração – depende do íon Ca2+
 Substâncias químicas – neurotransmissores,
hormônios, substâncias parácrinas (células
adjacentes)

VASOS SANGUÍNEOS
Artérias
◦ Camadas grossas de músculo liso, tecido
elástico e fibroso
◦ Energia para vencer a rigidez do tecido fibroso
e armazenamento pelas fibras elásticas e
liberação por meio de retração elástica.
◦ As artérias maiores dividem-se em menores –
paredes mais musculares.
 Arteríolas


◦ Menores artérias
◦ Parede com músculo liso – contração e relaxamento
VASOS SANGUÍNEOS


Metarteríola
◦ Ramificação das arteríolas
◦ Faz a ligação entre a arteríola e vênula
◦ Na ramificação das metarteríolas existem
esfíncteres pré-capilares regulando a quantidade
de sangue de um órgão em repouso e em
atividade
◦ Funções: regula o fluxo sanguíneo através dos
capilares; permitem que os leucócitos passem
da circulação arterial para a venosa (capilares
deixa passar os eritrócitos mas não os
leucócitos)
METARTERÍOLA
VASOS SANGUÍNEOS
 Capilares

◦ Local de troca entre o sangue e o fluido
intersticial.
◦ As paredes não possuem músculo liso,
nem tecido fibroso e elástico.
◦ Contém endotélio capilar que é um
epitélio de troca com junções vazantes
entre as células.
VASOS SANGUÍNEOS


Vênulas
◦ São pequenas veias
◦ O sangue flui dos capilares para as vênulas
◦ Similares aos capilares com um fino epitélio de
troca e pouco tecido conjuntivo



Veias
◦ São vasos de diâmetro maior que as artérias
◦ Alojam-se mais próximo a superfície da pele
◦ Paredes mais finas que as artérias com menos
tecido elástico
ANGIOGÊNESE
Processo pelo qual novos vasos sanguíneos
formados
 Na criança (crescimento normal);
adulto
(cicatrização de um ferimento, revestimento
uterino após a menstruação; prática de exercício)
 Fator de crescimento vascular endotelial (FCVE)
e fator de crescimento fibroblástico (FCF)


◦ Promovem angiogênese
◦ Mitogênicos - promovem mitose (divisão celular)
◦ São produzidos pelas células da musculatura lisa e
perícitos (células que circundam os capilares)
ANGIOGÊNESE


Inibição da angiogênese
◦ Angiostatina: citocina produzida pela proteína
sanguínea plasminogênio
◦ Endostatina
◦ Tratamento de doenças
 Câncer: células do câncer invadem tecidos e
multiplicam-se, precisam de novos vasos para
manter o aporte de nutrientes e O2 –
angiostatina e endostatina bloqueam a
angiogênese
ANGIOGÊNESE
◦ Tratamento de doenças
 Doença arterial coronariana: ocorre redução
do fluxo para o miocárdio; induzir o
crescimento de novos vasos sanguíneos para
repor os vasos bloqueados; uso dos fatores
de crescimento
PRESSÃO SANGUÍNEA


Conceito: força exercida pelo sangue contra
qualquer unidade de área da parede vascular.



Medida em milímetro de mercúrio (mmHg)



Ex: 50mmHg ( a força exercida é suficiente para
impelir uma coluna de mercúrio contra a
gravidade até o nível de 50 mm de altura
PRESSÃO ARTERIAL


Contração ventricular – força propulsora do
fluxo sanguíneo por meio do sistema de vasos.



Aorta e as artérias se expandem e armazenam
pressão nas paredes elásticas.
PRESSÃO ARTERIAL
PRESSÃO ARTERIAL


A pressão arterial é mais alta nas artérias e cai
continuamente.
◦ Energia perdida – resistência dos vasos
sanguíneos



A pressão mais alta ocorre na aorta – pressão
criada pelo ventrículo esquerdo.



Pressão de pulso: pressão criada pelo ventrículos
e sentida como um pulso nas artérias
◦ Pressão de pulso= Pressão sistólica-Pressão diastólica
DIFERENÇA DE PRESSÃO
NOS VASOS
PRESSÃO SANGUÍNEA


Queda da pressão nas veias
◦ Algumas veias possuem válvulas internas com
uma única direção – refluxo do sangue –
retorno venoso
◦ Auxílio da bomba muscular e respiratória
PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA
É a média das pressões sistólica e diastólica
durante o ciclo cardíaco, ou seja, média de todas
as pressões medidas a cada milisegundo durante
um período de tempo
◦ PAM: P diastólica + 1/3 (P sistólica-P diastólica)
◦ Valores de referência: 70 a 105 mmHg
 Fatores que influenciam a PAM


◦ Débito cardíaco
◦ Resistência Periférica
PRESSÃO ARTERIAL
A pressão arterial é determinada pelo equilíbrio
entre fluxo sanguíneo para dentro das artérias e
o fluxo sanguíneo fora das artérias para o tecido
 O fluxo sanguíneo dentro da aorta = débito
cardíaco; o fluxo sanguíneo de saída das artérias é
influenciado pela resistência das arteríolas
(periférica)

PRESSÃO ARTERIAL
VOLUME SANGUÍNEO
↑ VOLUME
SANGUÍNEO

↓ VOLUME
SANGUÍNEO

↑PRESÃO ARTERIAL

↓ PRESÃO ARTERIAL

•EX: Balão de ar – com pouca água e com muita água
•Aumento do volume sanguíneo – ingestão de alimentos e
água – rins – excreção de água na urina
•Diminuição do volume sanguíneo
- desidratação e
hemorragia
•Vasoconstrição
•Estimulação simpática aumentada do coração
RESISTÊNCIA
Tendência do sistema cardiovascular de se opor
ao fluxo sanguíneo.
 O sangue escolhe o caminho com menor
resistência – resistência elevada redução do fluxo.
 Variáveis que interferem na resistência


◦ Comprimento e raio do tubo e viscosidade do fluido
◦ A resistência ao fluxo sanguíneo – diretamente
proporcional – comprimento do tubo e viscosidade
◦ A resistência ao fluxo sanguíneo – inversamente
proporcional – ao raio do tubo
DISTRIBUIÇÃO DE SANGUE
PARA OS TECIDOS


Varia de acordo
com as
necessidades
metabólicas



Controle é feito
por variações na
resistência das
arteríolas
REGULAÇÃO DA PRESSÃO
ARTERIAL


Reflexo
barorreceptor:
primeiro mecanismo
reflexo
para
o
controle
homeostático
da
pressão arterial



Componentes
reflexo
barorreceptor

do
REGULAÇÃO DA PRESSÃO
ARTERIAL


Barorreceptores
◦ Membrana celular com canais de Na+ iniciando
potenciais de ação
◦ Pressão arterial elevada – aumenta o
estiramento da membrana – aumenta potencial
de ação
◦ Pressão arterial reduz – reduz o estiramento da
membrana – reduz potencial de ação
REGULAÇÃO DA PRESSÃO
ARTERIAL
HIPOTENSÃO ORTOSTÁTICA
Controle da Pressão Arterial - Regulação
Hormonal da Pressão Sangüínea


Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona
◦ ↓ volume sangüíneo → ↓ do fluxo sangüíneo renal →
células justaglomerulares → ↑ enzima renina → renina e
enzima conversora de angiotensina→ hormônio
angiotensina II → ↑ pressão arterial.
◦ Angiotensina II: é um vasoconstrictor aumentando a
resistência vascular sistêmica;
◦ Estimulação da secreção da aldosterona → ↑ reabsorção
dos íons sódio (Na+) e de água pelos rins → ↑ volume de
sangue → ↑ pressão arterial.
MSc Lorena Almeida de Melo
Controle da Pressão Arterial - Regulação
Hormonal da Pressão Sangüínea


Epinefrina e Norepinefrina
◦ Hormônio da medula adrenal;

◦ Norepinefrina
 Produz vasoconstrição das arteríolas e das veias na
pele e nos órgãos abdominais
 Aumenta o débito cardíaco
 Freqüência e força de contração.

◦ Epinefrina
 Vasodilatação dos músculos cardíacos e esqueléticos
MSc Lorena Almeida de Melo
Controle da Pressão Arterial - Regulação
Hormonal da Pressão Sangüínea


Hormônio antidiurético (ADH)
◦ Produzido pelo hipotálamo e liberado pela
glândula hipófise posterior;
◦ Controla níveis baixos de pressão arterial
(retenção hídrica) e osmolaridade (retenção
eletrolítica).
◦ Produzem constrição nos ductos coletores
renais - ↑ pressão arterial.
MSc Lorena Almeida de Melo
SISTEMA CARDIOVASCULAR
SANGUE


Formado por parte líquida (plasma) e parte celular
(várias células);



Líquido intersticial: líquido que banha as células
corporais;



O2 (pulmões) e nutrientes (trato gastrointestinal)
transportados sangue → líquido intersticial → tecidos
corporais;



CO2 e restos do metabolismo dos tecidos corporais
→ líquido intersticial sangue → pulmões, rins, pele e
sistema digestivo.
MSc Lorena Almeida de Melo
SISTEMA CARDIOVASCULAR
SANGUE


FUNÇÕES DO SANGUE
◦ Transporte: O2, CO2, nutrientes e hormônios;
◦ Regulação: Participa da regulação do pH, regula
a temperatura corporal;
◦ Proteção: presença dos glóbulos brancos.



CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO SANGUE
◦ Mais viscoso que a água – fluxo lento;
◦ Temperatura: 38◦ C; pH: 7,35 e 7,45; 8% do
peso corporal total; 5 a 6 litros (homens) e 4 a
5 litros (mulher);
MSc Lorena Almeida de Melo
COMPONENTES DO SANGUE


Plasma
◦ Líquido aquoso contendo substâncias
dissolvidas
 91,5%-água
 8,5% de solutos (proteínas - albuminas,
globulinas, fibrinogênio);



Elementos Figurados
◦ Glóbulos vermelhos do sangue (GVS), glóbulos
brancos do sangue (GBS) e as plaquetas;

MSc Lorena Almeida de Melo
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Glóbulos Vermelhos (Eritrócitos
ou Hemácias)


Função
◦ Transporte de oxigênio
 Hemoglobina – proteína globina – cadeias
polipeptídicas e pigmentos não-protéicos
hemes;
 Cada heme – íons ferro – oxigênio (pulmões)
– líquido intersticial – célula;
 Sangue – capilares teciduais – capta o CO2 –
hemoglobina – liberado pelos pulmões;
MSc Lorena Almeida de Melo
Glóbulos Vermelhos (Eritrócitos ou
Hemácias)


Regulação da Produção de Hemácias
◦ Número
adequado
de
hemácias
proporcionar a oxigenação tecidual;

para

◦ Hipóxia (redução de oxigênio tecidual) →
aumento da eritropoetina (hormônio-rins) →
produção de hemácias.

MSc Lorena Almeida de Melo
HEMOGLOBINA
Glóbulos Brancos do Sangue
(Leucócitos)
São as unidades móveis do sistema
protetor do organismo
 Formação


◦ Medula óssea: granulócitos, monócitos e
alguns linfócitos
◦ Tecido linfóide: linfócitos e plasmócitos;


Os leucócitos – transportados pelo
sangue – áreas infectadas e inflamadas –
defesa imediata contra o agente
infeccioso;
MSc Lorena Almeida de Melo
Glóbulos Brancos do Sangue
(Leucócitos)


Quimiotaxia

◦ Fenômeno no qual as diversas substâncias químicas presentes
nos tecidos façam com que os neutrófilos e macrófagos se
movam em direção à fonte das substâncias (toxinas
bacterianas, tecidos inflamados);



Fagocitose: ingestão do agente agressor por uma
célula

◦ Superfície áspera;
◦ Ausência revestimentos protéicos protetores (antígenos e
partículas estragadas);
◦ Reconhecimento de corpos estranhos – interação antígenoanticorpo
MSc Lorena Almeida de Melo
Plaquetas


São minúsculos discos redondos ou ovais, de cerca
de 2 mm de diâmetro que participam do processo
de coagulação sangüínea.

MSc Lorena Almeida de Melo
Plaquetas
Mecanismos da Hemostasia


Hemostasia: é seqüência
interrompe o sangramento.

de

respostas

que



(1) Espasmo vascular: imediatamente após a
ruptura ou o corte de um vaso sangüíneo
ocorre vasoconstrição (contração) do vaso
sangüíneo lesado reduzindo a perda de
sangue.



(2) Tampão plaquetário: acúmulo de plaquetas
para formar um tampão plaquetário no vaso
lesado (adesividade das plaquetas no local da
lesão e aderência das plaquetas entre si).

MSc Lorena Almeida de Melo
Plaquetas
Mecanismos da Hemostasia


(3) Coagulação sangüínea
◦ Em resposta à ruptura do vaso → cascatas de reações
químicas no sangue → complexo de substâncias ativadas
(ativador da protombina);
◦ Ativador da protombina + Ca+2 → protrombina →
trombina;
◦ Trombina (enzima) → fibrinogênio → filamentos de
fibrina → retém as plaquetas, células sanguíneas e o
plasma → coágulo.



(4) Regeneração: crescimento de tecidos fibrosos
no coágulo sangüíneo para obturar o orifício do
vaso.
MSc Lorena Almeida de Melo
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Plaquetas
Mecanismos da Hemostasia

MSc Lorena Almeida de Melo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Anatomia cardíaca
Anatomia cardíacaAnatomia cardíaca
Anatomia cardíaca
resenfe2013
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
pauloalambert
 
Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da Circulação
Gabriela Tiburcio
 
Seminario de fisiologia reflexo da micção
Seminario de fisiologia reflexo da micçãoSeminario de fisiologia reflexo da micção
Seminario de fisiologia reflexo da micção
Patrícia Oliver
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Fisiologia cardíaca 2013
Fisiologia cardíaca 2013  Fisiologia cardíaca 2013
Fisiologia cardíaca 2013
Grupo Ivan Ervilha
 
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologiaAula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Homeostase e integração
Homeostase e integraçãoHomeostase e integração
Homeostase e integração
Caio Maximino
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
resenfe2013
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
Fabiano Reis
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
André Milioli Martins
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Gustavo Oliveira
 
Hemostasia
HemostasiaHemostasia
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 

Mais procurados (20)

Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonar
 
Anatomia cardíaca
Anatomia cardíacaAnatomia cardíaca
Anatomia cardíaca
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da Circulação
 
Seminario de fisiologia reflexo da micção
Seminario de fisiologia reflexo da micçãoSeminario de fisiologia reflexo da micção
Seminario de fisiologia reflexo da micção
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Fisiologia cardíaca 2013
Fisiologia cardíaca 2013  Fisiologia cardíaca 2013
Fisiologia cardíaca 2013
 
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologiaAula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
 
Homeostase e integração
Homeostase e integraçãoHomeostase e integração
Homeostase e integração
 
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRioA Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
A Fisiologia Do Sistema RespiratóRio
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
 
Hemostasia
HemostasiaHemostasia
Hemostasia
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 

Destaque

Fisiologia Cardiaca
Fisiologia CardiacaFisiologia Cardiaca
Fisiologia Cardiaca
LAC
 
Sistema Cardiovascular ou Circulatório
Sistema Cardiovascular ou CirculatórioSistema Cardiovascular ou Circulatório
Sistema Cardiovascular ou Circulatório
Giovana Pimentel
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Bio Sem Limites
 
3- CICLO CARDIACO
3- CICLO CARDIACO3- CICLO CARDIACO
3- CICLO CARDIACO
sandranascimento
 
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner SáFisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
guesta24ce15
 
Ciclo cardiaco
Ciclo cardiacoCiclo cardiaco
Ciclo cardiaco
MAIQUELE SANTANA
 
Fisiologia cardíaca
Fisiologia cardíacaFisiologia cardíaca
Fisiologia cardíaca
LIVROS PSI
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
Ana Nataly
 
Mecanismos reguladores da pressao arterial
Mecanismos reguladores  da pressao arterialMecanismos reguladores  da pressao arterial
Mecanismos reguladores da pressao arterial
Javier Rodriguez-Vera
 
Fisiologia vascular
Fisiologia vascularFisiologia vascular
Fisiologia vascular
LAC
 
fluxo sanguineo
fluxo sanguineofluxo sanguineo
fluxo sanguineo
Mara Farias
 
7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular
7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular
7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular
Natalia Freitas
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Regulação da Pressão Arterial a Longo Prazo
Regulação da Pressão Arterial a Longo PrazoRegulação da Pressão Arterial a Longo Prazo
Regulação da Pressão Arterial a Longo Prazo
Carlos Alves
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
Escola Ciências
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
robioprof
 
1. fisiología de la serie blanca
1. fisiología de la serie blanca1. fisiología de la serie blanca
1. fisiología de la serie blanca
Sannie Saez
 
Presión Arterial
Presión ArterialPresión Arterial
Presión Arterial
ericmascarin
 
Oxitocina presentacion[1]
Oxitocina presentacion[1]Oxitocina presentacion[1]
Oxitocina presentacion[1]
galipote
 
9. presion arterial
9. presion arterial9. presion arterial
9. presion arterial
Luis Almedo
 

Destaque (20)

Fisiologia Cardiaca
Fisiologia CardiacaFisiologia Cardiaca
Fisiologia Cardiaca
 
Sistema Cardiovascular ou Circulatório
Sistema Cardiovascular ou CirculatórioSistema Cardiovascular ou Circulatório
Sistema Cardiovascular ou Circulatório
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
3- CICLO CARDIACO
3- CICLO CARDIACO3- CICLO CARDIACO
3- CICLO CARDIACO
 
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner SáFisiologia Cardiovascular   Prof  Vagner Sá
Fisiologia Cardiovascular Prof Vagner Sá
 
Ciclo cardiaco
Ciclo cardiacoCiclo cardiaco
Ciclo cardiaco
 
Fisiologia cardíaca
Fisiologia cardíacaFisiologia cardíaca
Fisiologia cardíaca
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
 
Mecanismos reguladores da pressao arterial
Mecanismos reguladores  da pressao arterialMecanismos reguladores  da pressao arterial
Mecanismos reguladores da pressao arterial
 
Fisiologia vascular
Fisiologia vascularFisiologia vascular
Fisiologia vascular
 
fluxo sanguineo
fluxo sanguineofluxo sanguineo
fluxo sanguineo
 
7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular
7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular
7190539 fisio-fisiologia-do-sistema-cardiovascular
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Regulação da Pressão Arterial a Longo Prazo
Regulação da Pressão Arterial a Longo PrazoRegulação da Pressão Arterial a Longo Prazo
Regulação da Pressão Arterial a Longo Prazo
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
 
1. fisiología de la serie blanca
1. fisiología de la serie blanca1. fisiología de la serie blanca
1. fisiología de la serie blanca
 
Presión Arterial
Presión ArterialPresión Arterial
Presión Arterial
 
Oxitocina presentacion[1]
Oxitocina presentacion[1]Oxitocina presentacion[1]
Oxitocina presentacion[1]
 
9. presion arterial
9. presion arterial9. presion arterial
9. presion arterial
 

Semelhante a Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular

Anatomia e fisiologia cardíaca
Anatomia e fisiologia cardíacaAnatomia e fisiologia cardíaca
Anatomia e fisiologia cardíaca
resenfe2013
 
Cardiovascular
CardiovascularCardiovascular
Cardiovascular
Rafael Portela
 
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
PortalEnf Empregos
 
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Ricardo Pereira
 
Fisiologia cardiovascular.pptx
Fisiologia cardiovascular.pptxFisiologia cardiovascular.pptx
Fisiologia cardiovascular.pptx
LdioBarbosa
 
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Pedro Miguel
 
Sistema circulatorio.pptx
Sistema circulatorio.pptxSistema circulatorio.pptx
Sistema circulatorio.pptx
MarcelaTessalia
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Sistema cardiocirculatório
Sistema cardiocirculatório Sistema cardiocirculatório
Sistema cardiocirculatório
Raul Tomé
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
URCA
 
Fisiologia da Circulação.ppt
Fisiologia da Circulação.pptFisiologia da Circulação.ppt
Fisiologia da Circulação.ppt
IgorMartinsMartins
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
César Milani
 
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologiaFisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
UNINASSAU
 
sistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptx
sistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptxsistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptx
sistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptx
FranciscaalineBrito
 
Sistema-Cardiovascular-I.ppt
Sistema-Cardiovascular-I.pptSistema-Cardiovascular-I.ppt
Sistema-Cardiovascular-I.ppt
SilvioMattos3
 
Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da Circulação
SonynhaRegis
 
Bibliografia ligami2011
Bibliografia ligami2011Bibliografia ligami2011
Bibliografia ligami2011
SUELEN1601
 
Fisiologia cardiovascular
Fisiologia cardiovascularFisiologia cardiovascular
Fisiologia cardiovascular
elpv
 
Bibliografia ligami2011 cardio vascular
Bibliografia ligami2011 cardio vascularBibliografia ligami2011 cardio vascular
Bibliografia ligami2011 cardio vascular
Lianne Pollianne
 
Coração
CoraçãoCoração
Coração
Isabel Ribeiro
 

Semelhante a Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular (20)

Anatomia e fisiologia cardíaca
Anatomia e fisiologia cardíacaAnatomia e fisiologia cardíaca
Anatomia e fisiologia cardíaca
 
Cardiovascular
CardiovascularCardiovascular
Cardiovascular
 
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
 
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
Eletrocardiogramacompleto 140114115428-phpapp01
 
Fisiologia cardiovascular.pptx
Fisiologia cardiovascular.pptxFisiologia cardiovascular.pptx
Fisiologia cardiovascular.pptx
 
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
Sistema Nervoso Periférico Motor e Potencial de Ação Cardiaco
 
Sistema circulatorio.pptx
Sistema circulatorio.pptxSistema circulatorio.pptx
Sistema circulatorio.pptx
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Sistema cardiocirculatório
Sistema cardiocirculatório Sistema cardiocirculatório
Sistema cardiocirculatório
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Fisiologia da Circulação.ppt
Fisiologia da Circulação.pptFisiologia da Circulação.ppt
Fisiologia da Circulação.ppt
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologiaFisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
Fisiologia cardiovascular e eletrofisiologia
 
sistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptx
sistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptxsistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptx
sistemacardiovascular-120604180020-phpapp02.pptx
 
Sistema-Cardiovascular-I.ppt
Sistema-Cardiovascular-I.pptSistema-Cardiovascular-I.ppt
Sistema-Cardiovascular-I.ppt
 
Biofísica da Circulação
Biofísica da CirculaçãoBiofísica da Circulação
Biofísica da Circulação
 
Bibliografia ligami2011
Bibliografia ligami2011Bibliografia ligami2011
Bibliografia ligami2011
 
Fisiologia cardiovascular
Fisiologia cardiovascularFisiologia cardiovascular
Fisiologia cardiovascular
 
Bibliografia ligami2011 cardio vascular
Bibliografia ligami2011 cardio vascularBibliografia ligami2011 cardio vascular
Bibliografia ligami2011 cardio vascular
 
Coração
CoraçãoCoração
Coração
 

Mais de Herbert Santana

Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à Administração
Herbert Santana
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Herbert Santana
 
Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa - Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa -
Herbert Santana
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Herbert Santana
 
Introduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraIntroduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem Motora
Herbert Santana
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Herbert Santana
 
Sistema Genital
Sistema GenitalSistema Genital
Sistema Genital
Herbert Santana
 
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura CorporalFisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Herbert Santana
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Herbert Santana
 
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseFisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Herbert Santana
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Herbert Santana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Herbert Santana
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
Herbert Santana
 
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o BullyingEstudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
Herbert Santana
 

Mais de Herbert Santana (14)

Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à Administração
 
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos CientíficosEstruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
Estruturas de Projetos de Pesquisa Relatórios de Pesquisa e Artigos Científicos
 
Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa - Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa -
 
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação CorporalCineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
Cineantropometria - Perimetria e Avaliação Corporal
 
Introduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem MotoraIntroduçao à Apredizagem Motora
Introduçao à Apredizagem Motora
 
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação BrasileiraTendências Pedagógicas da Educação Brasileira
Tendências Pedagógicas da Educação Brasileira
 
Sistema Genital
Sistema GenitalSistema Genital
Sistema Genital
 
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura CorporalFisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
Fisiologia Humana 9 - Temperatura Corporal
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
 
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - BioeletrogêneseFisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
Fisiologia Humana 3 - Bioeletrogênese
 
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da MembranaFisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
Fisiologia Humana 2 - Fisiologia da Membrana
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Fundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da EducaçãoFundamentos da História da Educação
Fundamentos da História da Educação
 
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o BullyingEstudo Aprofundado sobre o Bullying
Estudo Aprofundado sobre o Bullying
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 

Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular

  • 3. SISTEMA CARDIOVASCULAR FUNÇÕES Transporte de Oxigênio (pulmões), Água e Nutrientes (epitélio intestinal)  Comunicação Intercelular  ◦ Hormônios – células-alvo – circulação ◦ Glicose do fígado e ácidos graxos do tecido adiposo – células ativas ◦ Células brancas e anticorpos – interceptação de invasores  Recolhimento de resíduos das células ◦ Dióxido de carbono (pulmões), restos metabólicos (urina, fezes), calor (pele)
  • 4. ANATOMIA GERAL DO SISTEMA CIRCULATÓRIO
  • 7. VALVAS CARDÍACAS  Valvas atrioventriculares ◦ Tricúspide (direita) e bicúspide (esquerda) ◦ Prolapso: falha das cordas tendíneas - valva empurrada para o átrio durante a contração ventricular  Valvas semilunares ◦ Aórtica e pulmonar ◦ Fechamento – pressão retrógrada
  • 9. CÉLULAS CARDÍACAS  Células Contráteis ◦ Músculo estriado – sarcômeros ◦ Uninucleares ◦ Rico em mitocôndrias – 70 a 80% do O2 oferecido pelo sangue ◦ Discos intercalares – junções que unem as células cardíacas adjacentes - ligados por desmossomos  A força gerada por uma célula é transferida para a célula adjacente  Junções comunicantes – ligam as células eletricamente – espalhando a onda de despolarização
  • 11. CÉLULAS CARDÍACAS  Células Auto-rítmicas (Células do marcapasso) ◦ Capacidade de gerar potencial de ação – contração sem estímulo externo. ◦ Controlam cardíacos a frequência dos batimentos
  • 12. EXCITAÇÃO-CONTRAÇÃO  Características da célula miocárdica ◦ Túbulo T: grande e se ramificam no interior das células. ◦ Retículo sarcoplasmático: pouco desenvolvido – depende de Ca+2 extracelular. ◦ Início da contração – potencial de ação estimulando a célula muscular
  • 15. Etapas do Potencial de Ação no Músculo Cardíaco  Potencial de repouso da membrana: - 85 a 95 (mV).  Variação de potencial – negativo → positivo (potencial em ponta).  Canais atuantes ◦ Abertura dos canais de sódio (rápidos); ◦ Abertura dos canais de cálcio (lentos) ◦ Entrada de íons sódio e cálcio – interior da fibra muscular cardíaca.
  • 16. Etapas do Potencial de Ação no Músculo Cardíaco  DESPOLARIZAÇÃO ◦ ◦  Quando as fibras contráteis são levadas a seu limiar – abertura dos canais rápidos de sódio voltagemdependentes. A entrada de sódio para o citosol ocorre a depolarização PLATÔ ◦ ◦ ◦ Depende da abertura dos canais lentos de cálcio voltagem-dependentes Liberação dos íons cálcio das cisternas terminais do retículo sarcoplasmático (pouco desenvolvido) Diminuição da permeabilidade dos canais de potássio
  • 17. Etapas do Potencial de Ação no Músculo Cardíaco  REPOLARIZAÇÃO ◦ Os canais de cálcio começam a se fechar; ◦ Os canais de potássio voltagem-dependente abrem-se o que aumenta a permeabilidade da membrana aos íons potássio; ◦ O potencial de membrana repouso - negativo é restabelecido.
  • 18. Etapas do Potencial de Ação no Músculo Cardíaco
  • 19. PERÍODO REFRATÁRIO  Intervalo de tempo durante o qual não pode ser produzida uma segunda contração.  O período refratário da fibra muscular é mais longo que a própria contração – nova contração após o relaxamento completo ou bem avançado.  Evitar a tetania (contração sustentada) – alternância de contração e relaxamento – bombeamento do fluxo sangüíneo.
  • 20. POTENCIAL DE AÇÃO – CÉLULAS AUTO-RÍTMICAS - Potencial de membrana (marcapasso)= -60 mV - Canais If = Permeável ao Na+ e K +
  • 21. - Abertura dos canais If= entra mais Na + - Despolarização - Positividade= fechamento If e abertura Ca2+ - Repolarização= fechamento Na+ e abertura K+
  • 22. SISTEMA DE CONDUÇÃO CÉLULAS AUTO-RÍTMICAS  Células auto-rítmicas ◦ Rede de fibras musculares cardíacas especializadas responsáveis pela atividade elétrica, intrínseca e rítmica. ◦ Geram potenciais de ação espontâneos que desencadeiam as contrações cardíacas. ◦ Funções  Marcapasso - define o ritmo para todo coração  Forma o sistema de condução (via para a propagação dos potenciais de ação por todo músculo cardíaco).
  • 23. COMPONENTES DO SISTEMA DE CONDUÇÃO  (1) A excitação cardíaca início – nodo sino-atrial (SA parede atrial direita); o potencial propaga-se pelos dois átrios (junções abertas) – contração atrial;  (2) O potencial atinge o nodo atrioventricular (AV – septo interatrial);  (3) Atinge o feixe atrioventricular (feixe de Hiss – única conexão elétrica entre os átrios e os ventrículos;
  • 24. COMPONENTES DO SISTEMA DE CONDUÇÃO  (4) Após ser conduzido ao longo do feixe de Hiss o potencial de ação entra nos ramos dos feixes direito e esquerdo em direção ao ápice cardíaco.  (5) Finalmente, as fibras de Purkinje conduzem o PA do ápice do miocárdio ventricular para o restante do miocárdio;
  • 27. Marcapasso – Frequência Cardíaca  As células do nó SA determinam a velocidade dos batimentos cardíacos ◦ O nó AS - ritmo mais rápido que o nó AV e das fibras de Purkinje (evitar tetania) ◦ Falha do nó AV – comando da FC fibras do AV e das fibras de Purkinje ◦ Bloqueio AV completo – ventrículos (35 ipm) contraíram mais lento que o átrios (70 ipm) ◦ Bloqueio AV total – insuficiente para manter fluxo sanguíneo – marcapasso mecânico
  • 28. ELETROCARDIOGRAMA     Registro da atividade elétrica do coração obtido a partir da colocação de eletrodos na superfície da pele. Representa múltiplos potenciais de ação ocorrendo no músculo cardíaco em dadoo período de tempo e obtido na superfície corporal. Walter Einthoven (1887) – Triângulo de Einthoven ◦ Eletrodos nos braços (D e E) e na perna (E) ◦ Lados do triângulo numerados – derivações Cada componente do ECG representa a despolarização ou a repolarização de determinada parte do coração
  • 30. ELETROCARDIOGRAMA  Componentes principais no ECG ◦ Onda P: despolarização dos átrios ◦ Complexo QRS: despolarização ventricular ◦ Onda T: repolarização atrial  Eletrodos ◦ Eletrodo positivo, negativo e neutro ◦ Resultado dos potenciais de ação se move – eletrodo positivo – deflexão positiva (para cima) ◦ Resultado dos potenciais de ação se move – eletrodo negativo – deflexão negativa (para baixo)
  • 33. ELETROCARDIOGRAMA  Derivações colocadas em locais diferentes ◦ Informações de partes diferentes do coração ◦ 12 derivações: 3 (membros) e 9 (peito e tronco)  Informações fornecidas ◦ Frequência cardíaca  Espaço de tempo entre uma onda P e a onda P subsequente.  Taquicardia e bradicardia ◦ Ritmo (regular e irregular-arritmia)  Fibrilação atrial – nó AS perde função de marcapasso
  • 34. ELETROCARDIOGRAMA  Informações fornecidas ◦ Relação das ondas  Cada complexo QRS é precedido por uma P?  O segmento P-R possui um comprimento constante?  Ex: bloqueio cardíaco – problema de condução do PA para ventrículo – uma ou mais onda P aparecem sem que haja complexo QRS
  • 35. CICLO CARDÍACO  Período compreendido entre o início de um batimento cardíaco e o início do batimento subsequente  Fases do ciclo cardíaco ◦ Sístole: período de tempo o qual o coração está contraído ◦ Diástole: período de tempo o qual o coração relaxa
  • 37. CICLO CARDÍACO  Mudanças de pressão-volume do ventrículo esquerdo durante um ciclo cardíaco
  • 38. VOLUME DE EJEÇÃO Volume bombeado por um ventrículo  VE= volume de sangue nos ventrículos antes da contração (VDF) - volume de sangue nos ventrículos após a contração (VSF).  VE= VDF-VSF 135- 65=70 ml/batimento(repouso)  VE= 100 ml/batimento (exercício) 
  • 39. DÉBITO CARDÍACO Quantidade de sangue ejetada por um ventrículo por unidade de tempo  DC= frequência cardíaca x volume de ejeção  DC= 72 x 70= 5040 ml/min;5 l/min (repouso)  DC= 30-35 l/min (exercício) 
  • 40. RETORNO VENOSO Quantidade de sangue que retorna ao coração pela circulação venosa  Fatores que afetam o retorno venoso ◦ Bomba muscular (coração periférico) – comprime as veias e empurra o sangue em direção ao coração. ◦ Bomba respiratória – movimento do tórax durante a inspiração – reduz a pressão sobre a veia cava inferior – mais sangue desemboca no AD 
  • 42. REGULAÇÃO DA FC  Embora a FC seja iniciada pelas células auto-rítmicas do nó SA – comando ◦ Sistema nervoso autônomo  Simpático  Parassimpático ◦ Hormônios
  • 44. REGULAÇÃO EXTRÍNSECA ◦ Ocorre em resposta às alterações no volume de sangue que chega ao coração, de acordo com a Lei de Frank- Starling. ◦ Esta lei diz que sempre que houver um aumento no retorno venoso, haverá um aumento no débito cardíaco. Isto ocorre devido a uma maior distensão do músculo cardíaco, que irá se contrair com mais força (característica do músculo estriado). ◦ Princípio: Quanto maior for o estiramento do miocárdio durante o enchimento, maior será a força de contração e a quantidade de sangue bombeada para a Aorta. ◦ Durante o estiramento adicional ocorre armazenamento de energia para uma posterior contração mais acentuada.
  • 45. FLUXO SANGUÍNEO  Parede dos vasos sanguíneos ◦ Camadas de músculo liso ◦ Camadas de tecido conjuntivo elástico ◦ Camadas de tecido conjuntivo fibroso  Endotélio ◦ Revestimento interno de todos os vasos sanguíneos ◦ Funções: regulação da pressão arterial, crescimento de vasos sanguíneos e absorção de materiais.
  • 46. AS PAREDES DOS VASOS SANGUÍNEOS VARIAM NO DIÂMETRO E NA COMPOSIÇÃO
  • 48. MÚSCULO LISO VASCULAR Músculo liso dos vasos sanguíneos  Organizado em camadas circulares ou espirais  Vasoconstrição: estreita o diâmetro da luz do vaso; vasodilatação: alarga o mesmo  Tônus muscular: estado de contração parcial o tempo todo do músculo liso vascular.  Contração – depende do íon Ca2+  Substâncias químicas – neurotransmissores, hormônios, substâncias parácrinas (células adjacentes) 
  • 49. VASOS SANGUÍNEOS Artérias ◦ Camadas grossas de músculo liso, tecido elástico e fibroso ◦ Energia para vencer a rigidez do tecido fibroso e armazenamento pelas fibras elásticas e liberação por meio de retração elástica. ◦ As artérias maiores dividem-se em menores – paredes mais musculares.  Arteríolas  ◦ Menores artérias ◦ Parede com músculo liso – contração e relaxamento
  • 50. VASOS SANGUÍNEOS  Metarteríola ◦ Ramificação das arteríolas ◦ Faz a ligação entre a arteríola e vênula ◦ Na ramificação das metarteríolas existem esfíncteres pré-capilares regulando a quantidade de sangue de um órgão em repouso e em atividade ◦ Funções: regula o fluxo sanguíneo através dos capilares; permitem que os leucócitos passem da circulação arterial para a venosa (capilares deixa passar os eritrócitos mas não os leucócitos)
  • 52. VASOS SANGUÍNEOS  Capilares ◦ Local de troca entre o sangue e o fluido intersticial. ◦ As paredes não possuem músculo liso, nem tecido fibroso e elástico. ◦ Contém endotélio capilar que é um epitélio de troca com junções vazantes entre as células.
  • 53. VASOS SANGUÍNEOS  Vênulas ◦ São pequenas veias ◦ O sangue flui dos capilares para as vênulas ◦ Similares aos capilares com um fino epitélio de troca e pouco tecido conjuntivo  Veias ◦ São vasos de diâmetro maior que as artérias ◦ Alojam-se mais próximo a superfície da pele ◦ Paredes mais finas que as artérias com menos tecido elástico
  • 54. ANGIOGÊNESE Processo pelo qual novos vasos sanguíneos formados  Na criança (crescimento normal); adulto (cicatrização de um ferimento, revestimento uterino após a menstruação; prática de exercício)  Fator de crescimento vascular endotelial (FCVE) e fator de crescimento fibroblástico (FCF)  ◦ Promovem angiogênese ◦ Mitogênicos - promovem mitose (divisão celular) ◦ São produzidos pelas células da musculatura lisa e perícitos (células que circundam os capilares)
  • 55. ANGIOGÊNESE  Inibição da angiogênese ◦ Angiostatina: citocina produzida pela proteína sanguínea plasminogênio ◦ Endostatina ◦ Tratamento de doenças  Câncer: células do câncer invadem tecidos e multiplicam-se, precisam de novos vasos para manter o aporte de nutrientes e O2 – angiostatina e endostatina bloqueam a angiogênese
  • 56. ANGIOGÊNESE ◦ Tratamento de doenças  Doença arterial coronariana: ocorre redução do fluxo para o miocárdio; induzir o crescimento de novos vasos sanguíneos para repor os vasos bloqueados; uso dos fatores de crescimento
  • 57. PRESSÃO SANGUÍNEA  Conceito: força exercida pelo sangue contra qualquer unidade de área da parede vascular.  Medida em milímetro de mercúrio (mmHg)  Ex: 50mmHg ( a força exercida é suficiente para impelir uma coluna de mercúrio contra a gravidade até o nível de 50 mm de altura
  • 58. PRESSÃO ARTERIAL  Contração ventricular – força propulsora do fluxo sanguíneo por meio do sistema de vasos.  Aorta e as artérias se expandem e armazenam pressão nas paredes elásticas.
  • 60. PRESSÃO ARTERIAL  A pressão arterial é mais alta nas artérias e cai continuamente. ◦ Energia perdida – resistência dos vasos sanguíneos  A pressão mais alta ocorre na aorta – pressão criada pelo ventrículo esquerdo.  Pressão de pulso: pressão criada pelo ventrículos e sentida como um pulso nas artérias ◦ Pressão de pulso= Pressão sistólica-Pressão diastólica
  • 62. PRESSÃO SANGUÍNEA  Queda da pressão nas veias ◦ Algumas veias possuem válvulas internas com uma única direção – refluxo do sangue – retorno venoso ◦ Auxílio da bomba muscular e respiratória
  • 63. PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA É a média das pressões sistólica e diastólica durante o ciclo cardíaco, ou seja, média de todas as pressões medidas a cada milisegundo durante um período de tempo ◦ PAM: P diastólica + 1/3 (P sistólica-P diastólica) ◦ Valores de referência: 70 a 105 mmHg  Fatores que influenciam a PAM  ◦ Débito cardíaco ◦ Resistência Periférica
  • 64. PRESSÃO ARTERIAL A pressão arterial é determinada pelo equilíbrio entre fluxo sanguíneo para dentro das artérias e o fluxo sanguíneo fora das artérias para o tecido  O fluxo sanguíneo dentro da aorta = débito cardíaco; o fluxo sanguíneo de saída das artérias é influenciado pela resistência das arteríolas (periférica) 
  • 65. PRESSÃO ARTERIAL VOLUME SANGUÍNEO ↑ VOLUME SANGUÍNEO ↓ VOLUME SANGUÍNEO ↑PRESÃO ARTERIAL ↓ PRESÃO ARTERIAL •EX: Balão de ar – com pouca água e com muita água •Aumento do volume sanguíneo – ingestão de alimentos e água – rins – excreção de água na urina •Diminuição do volume sanguíneo - desidratação e hemorragia •Vasoconstrição •Estimulação simpática aumentada do coração
  • 66. RESISTÊNCIA Tendência do sistema cardiovascular de se opor ao fluxo sanguíneo.  O sangue escolhe o caminho com menor resistência – resistência elevada redução do fluxo.  Variáveis que interferem na resistência  ◦ Comprimento e raio do tubo e viscosidade do fluido ◦ A resistência ao fluxo sanguíneo – diretamente proporcional – comprimento do tubo e viscosidade ◦ A resistência ao fluxo sanguíneo – inversamente proporcional – ao raio do tubo
  • 67. DISTRIBUIÇÃO DE SANGUE PARA OS TECIDOS  Varia de acordo com as necessidades metabólicas  Controle é feito por variações na resistência das arteríolas
  • 68. REGULAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL  Reflexo barorreceptor: primeiro mecanismo reflexo para o controle homeostático da pressão arterial  Componentes reflexo barorreceptor do
  • 69. REGULAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL  Barorreceptores ◦ Membrana celular com canais de Na+ iniciando potenciais de ação ◦ Pressão arterial elevada – aumenta o estiramento da membrana – aumenta potencial de ação ◦ Pressão arterial reduz – reduz o estiramento da membrana – reduz potencial de ação
  • 72. Controle da Pressão Arterial - Regulação Hormonal da Pressão Sangüínea  Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona ◦ ↓ volume sangüíneo → ↓ do fluxo sangüíneo renal → células justaglomerulares → ↑ enzima renina → renina e enzima conversora de angiotensina→ hormônio angiotensina II → ↑ pressão arterial. ◦ Angiotensina II: é um vasoconstrictor aumentando a resistência vascular sistêmica; ◦ Estimulação da secreção da aldosterona → ↑ reabsorção dos íons sódio (Na+) e de água pelos rins → ↑ volume de sangue → ↑ pressão arterial. MSc Lorena Almeida de Melo
  • 73. Controle da Pressão Arterial - Regulação Hormonal da Pressão Sangüínea  Epinefrina e Norepinefrina ◦ Hormônio da medula adrenal; ◦ Norepinefrina  Produz vasoconstrição das arteríolas e das veias na pele e nos órgãos abdominais  Aumenta o débito cardíaco  Freqüência e força de contração. ◦ Epinefrina  Vasodilatação dos músculos cardíacos e esqueléticos MSc Lorena Almeida de Melo
  • 74. Controle da Pressão Arterial - Regulação Hormonal da Pressão Sangüínea  Hormônio antidiurético (ADH) ◦ Produzido pelo hipotálamo e liberado pela glândula hipófise posterior; ◦ Controla níveis baixos de pressão arterial (retenção hídrica) e osmolaridade (retenção eletrolítica). ◦ Produzem constrição nos ductos coletores renais - ↑ pressão arterial. MSc Lorena Almeida de Melo
  • 75. SISTEMA CARDIOVASCULAR SANGUE  Formado por parte líquida (plasma) e parte celular (várias células);  Líquido intersticial: líquido que banha as células corporais;  O2 (pulmões) e nutrientes (trato gastrointestinal) transportados sangue → líquido intersticial → tecidos corporais;  CO2 e restos do metabolismo dos tecidos corporais → líquido intersticial sangue → pulmões, rins, pele e sistema digestivo. MSc Lorena Almeida de Melo
  • 76. SISTEMA CARDIOVASCULAR SANGUE  FUNÇÕES DO SANGUE ◦ Transporte: O2, CO2, nutrientes e hormônios; ◦ Regulação: Participa da regulação do pH, regula a temperatura corporal; ◦ Proteção: presença dos glóbulos brancos.  CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO SANGUE ◦ Mais viscoso que a água – fluxo lento; ◦ Temperatura: 38◦ C; pH: 7,35 e 7,45; 8% do peso corporal total; 5 a 6 litros (homens) e 4 a 5 litros (mulher); MSc Lorena Almeida de Melo
  • 77. COMPONENTES DO SANGUE  Plasma ◦ Líquido aquoso contendo substâncias dissolvidas  91,5%-água  8,5% de solutos (proteínas - albuminas, globulinas, fibrinogênio);  Elementos Figurados ◦ Glóbulos vermelhos do sangue (GVS), glóbulos brancos do sangue (GBS) e as plaquetas; MSc Lorena Almeida de Melo
  • 79. Glóbulos Vermelhos (Eritrócitos ou Hemácias)  Função ◦ Transporte de oxigênio  Hemoglobina – proteína globina – cadeias polipeptídicas e pigmentos não-protéicos hemes;  Cada heme – íons ferro – oxigênio (pulmões) – líquido intersticial – célula;  Sangue – capilares teciduais – capta o CO2 – hemoglobina – liberado pelos pulmões; MSc Lorena Almeida de Melo
  • 80. Glóbulos Vermelhos (Eritrócitos ou Hemácias)  Regulação da Produção de Hemácias ◦ Número adequado de hemácias proporcionar a oxigenação tecidual; para ◦ Hipóxia (redução de oxigênio tecidual) → aumento da eritropoetina (hormônio-rins) → produção de hemácias. MSc Lorena Almeida de Melo
  • 82. Glóbulos Brancos do Sangue (Leucócitos) São as unidades móveis do sistema protetor do organismo  Formação  ◦ Medula óssea: granulócitos, monócitos e alguns linfócitos ◦ Tecido linfóide: linfócitos e plasmócitos;  Os leucócitos – transportados pelo sangue – áreas infectadas e inflamadas – defesa imediata contra o agente infeccioso; MSc Lorena Almeida de Melo
  • 83. Glóbulos Brancos do Sangue (Leucócitos)  Quimiotaxia ◦ Fenômeno no qual as diversas substâncias químicas presentes nos tecidos façam com que os neutrófilos e macrófagos se movam em direção à fonte das substâncias (toxinas bacterianas, tecidos inflamados);  Fagocitose: ingestão do agente agressor por uma célula ◦ Superfície áspera; ◦ Ausência revestimentos protéicos protetores (antígenos e partículas estragadas); ◦ Reconhecimento de corpos estranhos – interação antígenoanticorpo MSc Lorena Almeida de Melo
  • 84. Plaquetas  São minúsculos discos redondos ou ovais, de cerca de 2 mm de diâmetro que participam do processo de coagulação sangüínea. MSc Lorena Almeida de Melo
  • 85. Plaquetas Mecanismos da Hemostasia  Hemostasia: é seqüência interrompe o sangramento. de respostas que  (1) Espasmo vascular: imediatamente após a ruptura ou o corte de um vaso sangüíneo ocorre vasoconstrição (contração) do vaso sangüíneo lesado reduzindo a perda de sangue.  (2) Tampão plaquetário: acúmulo de plaquetas para formar um tampão plaquetário no vaso lesado (adesividade das plaquetas no local da lesão e aderência das plaquetas entre si). MSc Lorena Almeida de Melo
  • 86. Plaquetas Mecanismos da Hemostasia  (3) Coagulação sangüínea ◦ Em resposta à ruptura do vaso → cascatas de reações químicas no sangue → complexo de substâncias ativadas (ativador da protombina); ◦ Ativador da protombina + Ca+2 → protrombina → trombina; ◦ Trombina (enzima) → fibrinogênio → filamentos de fibrina → retém as plaquetas, células sanguíneas e o plasma → coágulo.  (4) Regeneração: crescimento de tecidos fibrosos no coágulo sangüíneo para obturar o orifício do vaso. MSc Lorena Almeida de Melo
  • 88. Plaquetas Mecanismos da Hemostasia MSc Lorena Almeida de Melo