SlideShare uma empresa Scribd logo
DROGAS UTILIZADAS EM TERAPIA INTENSIVA
            CARDIOLÓGICA
MILRINONA
Características
O lactato de milrinona é um derivado bipiridínico com ação inibidora da fosfodiesterase
e efeitos inotrópico e vasodilatador.

Farmacodinâmica

A milrinona é um agente inotrópico positivo e vasodilatador, possuindo pouca atividade
cronotrópica. A milrinona também melhora o relaxamento diastólico do VE. Difere dos
glicosídeos digitálicos, das catecolaminas ou dos inibidores da enzima conversora de
angiotensina tanto pela estrutura como pelo modo de ação. Em concentrações
adequadas para produzir efeito inotrópico e vasodilatador, a milrinona é um inibidor
seletivo da isoenzima fosfodiesterase III do AMP cíclico, na musculatura cardíaca e
vascular. Essa ação inibidora é consistente com os aumentos do cálcio intracelular
ionizado e da força contrátil do miocárdio, mediados pelo AMP cíclico, assim como
com a fosforilação da proteína contrátil e o relaxamento da musculatura vascular,
também dependentes do AMP cíclico. A milrinona não age como agonista beta-
adrenérgicos, nem é inibidora da atividade da sódio-potássio-adenosina trifosfatase,
como os glicosídeos digitálicos. A milrinona produz leve aumento da condução do
nódulo AV, porém sem outros efeitos eletrofisiológicos significantes. Na ICC produz
pronta melhora nos índices hemodinâmicos (classificação da New York Heart
Association), incluindo débito cardíaco, pressão capilar pulmonar em cunha e
resistência vascular, sem efeito clinicamente significativo no ritmo cardíaco ou
consumo de oxigênio pelo miocárdio, de acordo com a dose e os níveis plasmáticos.
Em pacientes com a função miocárdica deprimida, uma dose de ataque de lactato de
milrinona produz imediata e significativa melhoria do débito cardíaco, da pressão
capilar pulmonar e da resistência vascular sistêmica e apenas discreto aumento da
freqüência cardíaca e leve redução da pressão arterial sistêmica.

Modo de preparo:
             DILUIÇÃO                                  DOSES
01 Ampola (20MG/20ML) ou 02            Ataque = 50 µg/kg/min em 10 min
ampolas (10 MG/10ML) + 80 ml SG 5%     Manutenção = 0,375 a 0,75 µg/kg/min
                  A dose total diária máxima é 1,13 mg/kg

Bem indicada na Insuficiência Cardíaca grave, no EAP, no Choque Cardiogênico.
Situações onde existe uma “Resistência” à ação das catecolaminas (fenômeno de
down-regulation) que geralmente acompanham estes estados. Por atuar por uma via
não-adrenérgica, não sofrem influência do uso de beta-bloqueadores. Apresenta uso
limitado em pacientes com hipotensão, pelo risco de agravamento desta.

Reações Adversas:

Trombocitopenia (pouco comum), hipocalemia (pouco comum), cefaléias (comum),
tremor (pouco comum), broncoespasmo (muito raro), alteração dos testes de função
hepática (pouco comum), reações cutâneas, ex: rash (muito raro), choque anafilático
(muito raro)
Alterações cardiovasculares: Comuns: atividade ectópica ventricular; taquicardia
ventricular sustentada ou não sustentada; arritmias supraventriculares; hipotensão.
Pouco comuns: fibrilação ventricular; angina/ dor no peito. Muito raros: Torsades de
pointes
REFERÊNCIAS
1.




2. Machado, FP: Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica. In: Condutas
Práticas em Cardiologia: Nicolau, JC; Tarasoutchi, F; Rosa, LV. Barueri-SP: Manole,
2010. p. 467-481

3. www.anvisa.gov.br/bularioeletronico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
Luana Santos
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
Eduarda P.
 
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choqueIv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
ctisaolucascopacabana
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
José Carlos Nascimento
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)
Cláudia Sofia
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Angelica Reis Angel
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Professor Robson
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
Quézia Barcelar
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioMedicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Leonardo Souza
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 

Mais procurados (20)

Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
 
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choqueIv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão ArterialCaso Clinico de Hipertensão Arterial
Caso Clinico de Hipertensão Arterial
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioMedicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestório
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 

Destaque

Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologia
resenfe2013
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
Uti
UtiUti
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
WillD12
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Principais produtos usados no tratamento de feridas
Principais produtos usados no tratamento de feridasPrincipais produtos usados no tratamento de feridas
Principais produtos usados no tratamento de feridas
Everton_tecagri
 
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatalFarmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
Sandra Brassica
 
Carrinho de emergencia
Carrinho de emergenciaCarrinho de emergencia
Carrinho de emergencia
Michelle Ribeiro
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
Rosangela Helena Sizilio
 
DVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergênciaDVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergência
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Manuseio da Dor Torácica no PS
Manuseio da Dor Torácica no PSManuseio da Dor Torácica no PS
Manuseio da Dor Torácica no PS
lacmuam
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
Tiago Sampaio
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Drogas utilizadas em Terapia Intensiva Pediátrica
Drogas utilizadas em Terapia Intensiva PediátricaDrogas utilizadas em Terapia Intensiva Pediátrica
Drogas utilizadas em Terapia Intensiva Pediátrica
Jeferson Espindola
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Dor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaDor torácica na emergência
Dor torácica na emergência
Paulo Sérgio
 
Preparo de medicamentos
Preparo de medicamentosPreparo de medicamentos
Preparo de medicamentos
Carlos Pitroski
 
Farmacologia snc
Farmacologia sncFarmacologia snc
Farmacologia snc
Tiago Sampaio
 
Atuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientes
Atuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientesAtuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientes
Atuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientes
resenfe2013
 

Destaque (20)

Farmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologiaFarmacologia em cardiologia
Farmacologia em cardiologia
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Principais produtos usados no tratamento de feridas
Principais produtos usados no tratamento de feridasPrincipais produtos usados no tratamento de feridas
Principais produtos usados no tratamento de feridas
 
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatalFarmacoterapia pediátrica e neonatal
Farmacoterapia pediátrica e neonatal
 
Carrinho de emergencia
Carrinho de emergenciaCarrinho de emergencia
Carrinho de emergencia
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
 
DVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergênciaDVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergência
 
Manuseio da Dor Torácica no PS
Manuseio da Dor Torácica no PSManuseio da Dor Torácica no PS
Manuseio da Dor Torácica no PS
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 
Farmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPSFarmacologia Clínica dos MIPS
Farmacologia Clínica dos MIPS
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Drogas utilizadas em Terapia Intensiva Pediátrica
Drogas utilizadas em Terapia Intensiva PediátricaDrogas utilizadas em Terapia Intensiva Pediátrica
Drogas utilizadas em Terapia Intensiva Pediátrica
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Dor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaDor torácica na emergência
Dor torácica na emergência
 
Preparo de medicamentos
Preparo de medicamentosPreparo de medicamentos
Preparo de medicamentos
 
Farmacologia snc
Farmacologia sncFarmacologia snc
Farmacologia snc
 
Atuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientes
Atuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientesAtuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientes
Atuação da fisioterapia na terapia intensiva em pacientes
 

Semelhante a Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica

Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
dagma30
 
Lista de medicamentos
Lista de medicamentosLista de medicamentos
Lista de medicamentos
Paula Nascimento
 
A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
Núria Bernardo
 
Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco
Luanna Melo
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
Gisele Doula
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Dr. Rafael Higashi
 
Perguntas práticas de anti
Perguntas práticas de antiPerguntas práticas de anti
Perguntas práticas de anti
master morfeu
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Lindiane Eloisa
 
Fármacos para tratamento das dislipidemias
Fármacos para tratamento das dislipidemiasFármacos para tratamento das dislipidemias
Fármacos para tratamento das dislipidemias
Vinicius Monteirobarreto
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
Harlyson David
 
Drogas vasoativas out 2012
Drogas  vasoativas  out 2012Drogas  vasoativas  out 2012
Drogas vasoativas out 2012
kamila27
 
Dislipidemia e risco cardiovascular
Dislipidemia e risco cardiovascularDislipidemia e risco cardiovascular
Dislipidemia e risco cardiovascular
Monique Vazz
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
João Tajara de Oliveira
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
João Tajara de Oliveira
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Victor Eduardo
 
Prévia_1_Genética
Prévia_1_GenéticaPrévia_1_Genética
Prévia_1_Genética
Vinicius Moreira
 
4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Padronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosasPadronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosas
Ricardo Nascimento
 
Corticóides
CorticóidesCorticóides
Corticóides
Lucas Cruz
 
Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx
SaraMarques329031
 

Semelhante a Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica (20)

Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
 
Lista de medicamentos
Lista de medicamentosLista de medicamentos
Lista de medicamentos
 
A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
 
Paciente de risco
Paciente de riscoPaciente de risco
Paciente de risco
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
 
Perguntas práticas de anti
Perguntas práticas de antiPerguntas práticas de anti
Perguntas práticas de anti
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Fármacos para tratamento das dislipidemias
Fármacos para tratamento das dislipidemiasFármacos para tratamento das dislipidemias
Fármacos para tratamento das dislipidemias
 
Anti hipertensivos
Anti hipertensivosAnti hipertensivos
Anti hipertensivos
 
Drogas vasoativas out 2012
Drogas  vasoativas  out 2012Drogas  vasoativas  out 2012
Drogas vasoativas out 2012
 
Dislipidemia e risco cardiovascular
Dislipidemia e risco cardiovascularDislipidemia e risco cardiovascular
Dislipidemia e risco cardiovascular
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
 
Tratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico hasTratamento farmacológico has
Tratamento farmacológico has
 
Tratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFTTratamento DAC - LACARD - UFT
Tratamento DAC - LACARD - UFT
 
Prévia_1_Genética
Prévia_1_GenéticaPrévia_1_Genética
Prévia_1_Genética
 
4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc4. anemias anticoagulantes etc
4. anemias anticoagulantes etc
 
Padronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosasPadronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosas
 
Corticóides
CorticóidesCorticóides
Corticóides
 
Ciclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptxCiclofosfamida.pptx
Ciclofosfamida.pptx
 

Mais de Paulo Sérgio

MANEJO PERIOPERATÓRIO NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...
MANEJO PERIOPERATÓRIO  NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...MANEJO PERIOPERATÓRIO  NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...
MANEJO PERIOPERATÓRIO NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...
Paulo Sérgio
 
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos ControladosAnálise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Paulo Sérgio
 
Diretrizes AHA 2010 RCP e ACE
Diretrizes AHA 2010 RCP e ACEDiretrizes AHA 2010 RCP e ACE
Diretrizes AHA 2010 RCP e ACE
Paulo Sérgio
 
Tetralogia de Fallot (T4F)
Tetralogia de Fallot (T4F)Tetralogia de Fallot (T4F)
Tetralogia de Fallot (T4F)
Paulo Sérgio
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Paulo Sérgio
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Paulo Sérgio
 
Brugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotonia
Brugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotoniaBrugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotonia
Brugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotonia
Paulo Sérgio
 
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascularAvaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Paulo Sérgio
 
Antibioticoprofilaxia cirurgia cardíaca
Antibioticoprofilaxia cirurgia cardíacaAntibioticoprofilaxia cirurgia cardíaca
Antibioticoprofilaxia cirurgia cardíaca
Paulo Sérgio
 
Desequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoDesequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio Hidroeletrolítico
Paulo Sérgio
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Paulo Sérgio
 

Mais de Paulo Sérgio (11)

MANEJO PERIOPERATÓRIO NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...
MANEJO PERIOPERATÓRIO  NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...MANEJO PERIOPERATÓRIO  NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...
MANEJO PERIOPERATÓRIO NA CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: RECOMEND...
 
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos ControladosAnálise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
Análise Estatistica Básica_Ensaios Clínicos Controlados
 
Diretrizes AHA 2010 RCP e ACE
Diretrizes AHA 2010 RCP e ACEDiretrizes AHA 2010 RCP e ACE
Diretrizes AHA 2010 RCP e ACE
 
Tetralogia de Fallot (T4F)
Tetralogia de Fallot (T4F)Tetralogia de Fallot (T4F)
Tetralogia de Fallot (T4F)
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
 
Brugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotonia
Brugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotoniaBrugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotonia
Brugada/marcapasso/repolarização precoce/vagotonia
 
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascularAvaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
Avaliação pré operatória cirurgia cardiovascular
 
Antibioticoprofilaxia cirurgia cardíaca
Antibioticoprofilaxia cirurgia cardíacaAntibioticoprofilaxia cirurgia cardíaca
Antibioticoprofilaxia cirurgia cardíaca
 
Desequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoDesequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio Hidroeletrolítico
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 

Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica

  • 1. DROGAS UTILIZADAS EM TERAPIA INTENSIVA CARDIOLÓGICA
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. MILRINONA Características O lactato de milrinona é um derivado bipiridínico com ação inibidora da fosfodiesterase e efeitos inotrópico e vasodilatador. Farmacodinâmica A milrinona é um agente inotrópico positivo e vasodilatador, possuindo pouca atividade cronotrópica. A milrinona também melhora o relaxamento diastólico do VE. Difere dos glicosídeos digitálicos, das catecolaminas ou dos inibidores da enzima conversora de angiotensina tanto pela estrutura como pelo modo de ação. Em concentrações adequadas para produzir efeito inotrópico e vasodilatador, a milrinona é um inibidor seletivo da isoenzima fosfodiesterase III do AMP cíclico, na musculatura cardíaca e vascular. Essa ação inibidora é consistente com os aumentos do cálcio intracelular ionizado e da força contrátil do miocárdio, mediados pelo AMP cíclico, assim como com a fosforilação da proteína contrátil e o relaxamento da musculatura vascular, também dependentes do AMP cíclico. A milrinona não age como agonista beta- adrenérgicos, nem é inibidora da atividade da sódio-potássio-adenosina trifosfatase, como os glicosídeos digitálicos. A milrinona produz leve aumento da condução do nódulo AV, porém sem outros efeitos eletrofisiológicos significantes. Na ICC produz pronta melhora nos índices hemodinâmicos (classificação da New York Heart Association), incluindo débito cardíaco, pressão capilar pulmonar em cunha e resistência vascular, sem efeito clinicamente significativo no ritmo cardíaco ou consumo de oxigênio pelo miocárdio, de acordo com a dose e os níveis plasmáticos. Em pacientes com a função miocárdica deprimida, uma dose de ataque de lactato de milrinona produz imediata e significativa melhoria do débito cardíaco, da pressão capilar pulmonar e da resistência vascular sistêmica e apenas discreto aumento da freqüência cardíaca e leve redução da pressão arterial sistêmica. Modo de preparo: DILUIÇÃO DOSES 01 Ampola (20MG/20ML) ou 02 Ataque = 50 µg/kg/min em 10 min ampolas (10 MG/10ML) + 80 ml SG 5% Manutenção = 0,375 a 0,75 µg/kg/min A dose total diária máxima é 1,13 mg/kg Bem indicada na Insuficiência Cardíaca grave, no EAP, no Choque Cardiogênico. Situações onde existe uma “Resistência” à ação das catecolaminas (fenômeno de down-regulation) que geralmente acompanham estes estados. Por atuar por uma via não-adrenérgica, não sofrem influência do uso de beta-bloqueadores. Apresenta uso limitado em pacientes com hipotensão, pelo risco de agravamento desta. Reações Adversas: Trombocitopenia (pouco comum), hipocalemia (pouco comum), cefaléias (comum), tremor (pouco comum), broncoespasmo (muito raro), alteração dos testes de função hepática (pouco comum), reações cutâneas, ex: rash (muito raro), choque anafilático (muito raro) Alterações cardiovasculares: Comuns: atividade ectópica ventricular; taquicardia ventricular sustentada ou não sustentada; arritmias supraventriculares; hipotensão. Pouco comuns: fibrilação ventricular; angina/ dor no peito. Muito raros: Torsades de pointes
  • 6.
  • 7. REFERÊNCIAS 1. 2. Machado, FP: Drogas utilizadas em terapia intensiva cardiológica. In: Condutas Práticas em Cardiologia: Nicolau, JC; Tarasoutchi, F; Rosa, LV. Barueri-SP: Manole, 2010. p. 467-481 3. www.anvisa.gov.br/bularioeletronico