SlideShare uma empresa Scribd logo
ADMINISTRAÇÃO
DE MEDICAMENTOS
POR VIA
ENDOVENOSA
DISCENTES:
҉ ADRIELLY BARBOSA
҉ CARLOS HENRIQUE
҉ EDUARDA RAPHAELLE
҉ FRANCENILDE SOUSA
҉ ISABEL MARIA
҉ ITALO RAMON
҉ JENNIFER LIMA
҉ LUDMILLA COELHO
҉ SILAS FERNANDES
҉ TEREZINHA DA COSTA
2
VIA ENDOVENOSA
 Via bastante utilizada;
 Introdução de medicamento diretamente na corrente
sanguínea
 Indicada quando se pretende uma ação imediata ou em
grandes volumes de líquidos, ex.: 1.000 ml de SF em 2h.
 São administradas por essa via substâncias como sais
orgânicos solúveis, eletrólitos e substâncias com
propriedades osmótica. 3
 EFEITO FARMACOLÓGICO
RÁPIDO
 ADMITE GRANDES VOLUMES
 ADMITE SUBSTÂNCIAS
IRRITANTES
 CONTROLE DA DOSE
 DISPENSA METABOLISMO DE
PRIMEIRA PASSAGEM
 INDICADA QUANDO UM
MEDICAMENTO DEVE SER
APLICADO COMO INJEÇÃO in
bolus
4
VANTAGENS
 EFEITO FARMACOLÓGICO RÁPIDO
 UMA VEZ INJETADO NÃO HÁ COMO
REMOVER
 NECESSÁRIO MATERIAL ESTERELIZADO
 NECESSÁRIO PESSOAL ESPECIALIZADO
 IRRITAÇÃO NO LOCAL DA APLICAÇÃO
5
DESVANTAGENS
SOLUÇÕES COM PROPRIEDADES
OSMÓTICAS
 Osmolaridade é a quantidade de partículas dissolvidas em um determinado
solvente, concentração de uma substância em 1 L de solução;
 São definidas a partir da Osmolaridade do sangue que é de 280 a 295
mOsm/L.
 Podem ser:
 Soluções Isotônicas: possuem osmolaridade muito semelhante a do
sangue, ex.: SF 5%, SF 0,9% e Ringer Lactato.
 Soluções Hipertônicas: possui osmolaridade maior que a do sangue,
promovem retirada do liquído das células para dentro das veias, ex.: SG
10% ou 20%, glicose 50% e albumina 25%.
 Soluções Hipotônicas: possui osmolaridade menor que a do sangue,
deslocam líquido para fora do compartilhamento intravascular, ex.: água
destilada, glicose a 50% e cloreto de sódio a 0,45% 6
SOLUÇÕES
MAIS USADAS
 SG 5%
 SG 10%
 SF 0,9%
 SGF
 AD
 Solução de Manitol 10 ou 20%
 Ringer Lactato (solução de eletrólitos)
7
 Algumas drogas podem
ser adicionadas às
soluções:
 Vitamina C
 KCL (cloreto de potássio)
 NaCl (cloreto de sódio)
 Complexo B
 Dentre outros...
LOCAIS MAIS
UTILIZADOS
PARA PUNÇÃO
😭
“
 REGIÃO CEFÁLICA
(bastante utilizada
em bebês)
 REGIÃO CERVICAL
9
 REGIÃO DOS MMSS
braço (cefálica e
basílica), antebraço
(cefálica, cefálica
acessória, basílica,
intermediária do
antebraço.
 REGIÃO DA MÃO
10
 REGIÃO DOS
MEMBROS
INFERIORES (veias
de última escolha)
11
DIAGRAMA DA
EXPLICAÇÃO
12
MMII
DORSO DA
MÃO
ANTEBRAÇO
BRAÇO
REGIÃO
CEFÁLICA
DORSO
DO PÉ
MÃO
ARTICULAÇÃO
DO
COTOVELO
BEBÊS
CRIANÇAS
E
ADULTOS
VIA DE
ÚLTIMA
ESCOLHA
COLETA DE
SANGUE E
ADM DE
DOSE ÚNICA
LEMBRETES
13
 Utilizar luvas sempre;
 Dê preferência sempre para as veias de
maior calibre;
 Capriche na fixação e em crianças na
imobilização;
 Após a punção observar o local
constantemente, a infiltração pode trazer
sérias complicações;
 Não reencape agulhas (NR-32).
14
MATERIAIS PARA
PUNÇÃO ENDOVENOSA
15
 GARROTE/TORNIQUETE:
geralmente látex, é um cinto
flexível para facilitar a
retenção do sangue venoso
e ingurgitamento da veia
para facilitar a visualização
da veia no momento da
punção
 CATETERES AGULHADOS:
popularmente conhecido
como scalp, utilizado para
terapia de curto prazo.
16
CALIBRE DO DISPOSITIVO (SCALP)
 São disponíveis no mercado os
números:
 19G – maior calibre de cor bege ou
creme;
 21G – calibre médio de cor verde;
 23G – pequeno calibre de cor azul;
 25G – calibre fino, utilizado em crianças
de cor laranja;
 27G – calibre muito fino, utilizado em
neonatos, cor cinza.
17
CALIBRE DO DISPOSITIVO
(JELCO)
18
 Feito em polímero plástico e que é introduzido com ajuda
de um mandril de aço
 24G – menor calibre, utilizado em recém nascido,
bebês, crianças e veias de pequeno calibre, de cor
amarela;
 22G – utilizado em bebês crianças, adolescentes e
adultos, de cor azul;
 20G – utilizado em adolescentes e adultos,
especialmente em transfusões, de cor rosa;
 18G – utilizado em adultos submetidos a cirurgia,
indicado para infusão de grande volume, de cor verde;
 16G – mesma indicação do 18, de cor cinza;
 14G – deve ser utilizado quando há necessidade de
infundir grandes quantidades de líquidos
(traumatismos), de cor laranja.
ABBOCATH RELAÇÃO FLUÊNCIA SOLUÇÃO
ML/MIN.
19
FIXAÇÃO
 Esparadrapos de tecido - indicado para obter uma fixação
firme
 Esparadrapos de plástico - indicado para peles delicadas,
não causam irritação ou incômodo
 Esparadrapos de papel - indicado para peles sensíveis e
delicadas
 Esparadrapos de seda - indicado para peles muito
sensíveis ou delicadas
 Esparadrapos de tecido acrílico - especialmente indicado
para a fixação e compressão de suturas, por seu alto grau
de adaptabilidade.
20
MULTIVIA OU POLYFIX
 Utilizado para infusão
simultânea de 2 soluções ou
para manter o sistema
fechado.
21
EQUIPO DE INFUSÃO MICRO E
MACROGOTAS
 Destinados a introdução
de grande volumes de
líquidos na circulação
sanguínea, com a
finalidade de entremear a
ligação do dispositivo
venoso periférico ao
recipiente que contém o
líquido a ser infundido. 22
PARTES DO EQUIPO DE
INFUSÃO:
REGULADOR DE FLUXO;
PONTA PERFURANTE;
PROTETOR;
CONECTOR;
COPINHO;
INJETOR LATERAL
LUVAS
 Proteção direta
contra diversos
riscos físicos e
biológicos
 Funcionam como
barreira, atuando
no controle da
disseminação de
microrganismos
no ambiente
hospitalar.
23
ALGODÃO E
ÁLCOOL
 O álcool possui
propriedades microbicidas
reconhecidamente eficazes
para eliminar os
microrganismos mais
frequentemente envolvidos
em infecções
 Utiliza-se o
algodão embebido
com álcool para
fazer assepsia do
local de punção e
de frasco-ampolas
24
TÉCNICA DE PUNÇÃO PARA
ADMINISTRAÇÃO EM DOSE ÚNICA
25
 Lavar bem as mão;
 Reunir todo o material necessário: bolas de algodão com álcool, seringas,
agulhas, garrote e luvas de procedimento;
 Scalp se necessário;
 Colocar as luvas de procedimento;
 Realizar a antissepsia:
 Aspirar a medicação;
 Posicionar o braço do paciente e colocar o garrote;
 Peça ao paciente/cliente para fechar a mão;
 Fazer a punção da veia, com o bisel da agulha voltado para cima, utilizando
um ângulo de 15°;
 Soltar o garrote para introduzir o medicamento;
 Com a mão esquerda pressionar o local de introdução da agulha com uma
bolha de algodão, embebido de álcool;
 Desprezar agulha e seringa em local adequado;
 Checar e anotar no prontuário do paciente a medicação administrada.
26
27
POSSÍVEIS
COMPLICAÇÕES
NA PUNÇÃO
VENOSA
28
29
 Infecções locais ou gerais;
 Fleimão;
 Abcesso;
 Fenômenos alérgicos ao
produto usado para
antissepsia ou às drogas
injetadas;
 Trauma psicológico;
 Embolias;
 Equimoses;
 Hematomas;
 Obstrução do cateter;
 Extravasamento;
 Flebite;
 Celulite;
 Esclerodermia;
 Flebosclerose.
30
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
joselene beatriz
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
Alexandre Donha
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
Fabricio Lopes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
willian cesar
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptxADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ssuser51d27c1
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
ANDRESSA POUBEL
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
Gilberto de Jesus
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
resenfe2013
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)
Cláudia Sofia
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
Laís Lucas
 

Mais procurados (20)

Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
 
Administração de Medicamentos
Administração de MedicamentosAdministração de Medicamentos
Administração de Medicamentos
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Admnistração de medicamentos via parenteral
Admnistração de medicamentos   via parenteralAdmnistração de medicamentos   via parenteral
Admnistração de medicamentos via parenteral
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptxADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
 

Semelhante a ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA

Aula 1 - B
Aula 1 - BAula 1 - B
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
Maria Jaqueline Mesquita
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Gis Ferreira
 
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   CampinasManual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
guest11ba4c
 
Enf manual rotinas proc
Enf manual rotinas procEnf manual rotinas proc
Enf manual rotinas proc
Marcelo Leal Souza
 
[Apostila] aplicacao de injetaveis
[Apostila]   aplicacao de injetaveis[Apostila]   aplicacao de injetaveis
[Apostila] aplicacao de injetaveis
Roberto Taffarel
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
rasg75
 
Cuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.ppt
Cuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.pptCuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.ppt
Cuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.ppt
VivianePereira485260
 
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
DaianaSouzaOliveira
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa perifericaApostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
Mikael Figueredo Gonçalves
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
Mikael Figueredo Gonçalves
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
Rafael Lima
 
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdfAPLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
institutolavitte
 
Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
puikow
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
alecsandrorachidferr
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
BruceCosta5
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
Gabriela Rodrigues Cavalheiro
 

Semelhante a ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA (20)

Aula 1 - B
Aula 1 - BAula 1 - B
Aula 1 - B
 
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
29483020 coleta-de-amostras-biologicas-sangue-e-urina
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
 
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   CampinasManual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
 
Enf manual rotinas proc
Enf manual rotinas procEnf manual rotinas proc
Enf manual rotinas proc
 
[Apostila] aplicacao de injetaveis
[Apostila]   aplicacao de injetaveis[Apostila]   aplicacao de injetaveis
[Apostila] aplicacao de injetaveis
 
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta2o ano.bioquimica.seminario de pratica   coleta
2o ano.bioquimica.seminario de pratica coleta
 
Cuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.ppt
Cuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.pptCuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.ppt
Cuidados Gerais no Preparo e Administração dos Medicamentos.ppt
 
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
Aula de alguns exames complementares, diurese, glicemia e coleta de sangue.
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa perifericaApostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
 
Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica Apostila puncao venosa periferica
Apostila puncao venosa periferica
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
 
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdfAPLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
 
Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
 
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptxCATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
CATETERISMO CENTRAL, SONDAGENS..pptx
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 

Último

Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 

Último (9)

Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR VIA ENDOVENOSA

  • 2. DISCENTES: ҉ ADRIELLY BARBOSA ҉ CARLOS HENRIQUE ҉ EDUARDA RAPHAELLE ҉ FRANCENILDE SOUSA ҉ ISABEL MARIA ҉ ITALO RAMON ҉ JENNIFER LIMA ҉ LUDMILLA COELHO ҉ SILAS FERNANDES ҉ TEREZINHA DA COSTA 2
  • 3. VIA ENDOVENOSA  Via bastante utilizada;  Introdução de medicamento diretamente na corrente sanguínea  Indicada quando se pretende uma ação imediata ou em grandes volumes de líquidos, ex.: 1.000 ml de SF em 2h.  São administradas por essa via substâncias como sais orgânicos solúveis, eletrólitos e substâncias com propriedades osmótica. 3
  • 4.  EFEITO FARMACOLÓGICO RÁPIDO  ADMITE GRANDES VOLUMES  ADMITE SUBSTÂNCIAS IRRITANTES  CONTROLE DA DOSE  DISPENSA METABOLISMO DE PRIMEIRA PASSAGEM  INDICADA QUANDO UM MEDICAMENTO DEVE SER APLICADO COMO INJEÇÃO in bolus 4 VANTAGENS
  • 5.  EFEITO FARMACOLÓGICO RÁPIDO  UMA VEZ INJETADO NÃO HÁ COMO REMOVER  NECESSÁRIO MATERIAL ESTERELIZADO  NECESSÁRIO PESSOAL ESPECIALIZADO  IRRITAÇÃO NO LOCAL DA APLICAÇÃO 5 DESVANTAGENS
  • 6. SOLUÇÕES COM PROPRIEDADES OSMÓTICAS  Osmolaridade é a quantidade de partículas dissolvidas em um determinado solvente, concentração de uma substância em 1 L de solução;  São definidas a partir da Osmolaridade do sangue que é de 280 a 295 mOsm/L.  Podem ser:  Soluções Isotônicas: possuem osmolaridade muito semelhante a do sangue, ex.: SF 5%, SF 0,9% e Ringer Lactato.  Soluções Hipertônicas: possui osmolaridade maior que a do sangue, promovem retirada do liquído das células para dentro das veias, ex.: SG 10% ou 20%, glicose 50% e albumina 25%.  Soluções Hipotônicas: possui osmolaridade menor que a do sangue, deslocam líquido para fora do compartilhamento intravascular, ex.: água destilada, glicose a 50% e cloreto de sódio a 0,45% 6
  • 7. SOLUÇÕES MAIS USADAS  SG 5%  SG 10%  SF 0,9%  SGF  AD  Solução de Manitol 10 ou 20%  Ringer Lactato (solução de eletrólitos) 7  Algumas drogas podem ser adicionadas às soluções:  Vitamina C  KCL (cloreto de potássio)  NaCl (cloreto de sódio)  Complexo B  Dentre outros...
  • 9. “  REGIÃO CEFÁLICA (bastante utilizada em bebês)  REGIÃO CERVICAL 9
  • 10.  REGIÃO DOS MMSS braço (cefálica e basílica), antebraço (cefálica, cefálica acessória, basílica, intermediária do antebraço.  REGIÃO DA MÃO 10
  • 11.  REGIÃO DOS MEMBROS INFERIORES (veias de última escolha) 11
  • 12. DIAGRAMA DA EXPLICAÇÃO 12 MMII DORSO DA MÃO ANTEBRAÇO BRAÇO REGIÃO CEFÁLICA DORSO DO PÉ MÃO ARTICULAÇÃO DO COTOVELO BEBÊS CRIANÇAS E ADULTOS VIA DE ÚLTIMA ESCOLHA COLETA DE SANGUE E ADM DE DOSE ÚNICA
  • 14.  Utilizar luvas sempre;  Dê preferência sempre para as veias de maior calibre;  Capriche na fixação e em crianças na imobilização;  Após a punção observar o local constantemente, a infiltração pode trazer sérias complicações;  Não reencape agulhas (NR-32). 14
  • 16.  GARROTE/TORNIQUETE: geralmente látex, é um cinto flexível para facilitar a retenção do sangue venoso e ingurgitamento da veia para facilitar a visualização da veia no momento da punção  CATETERES AGULHADOS: popularmente conhecido como scalp, utilizado para terapia de curto prazo. 16
  • 17. CALIBRE DO DISPOSITIVO (SCALP)  São disponíveis no mercado os números:  19G – maior calibre de cor bege ou creme;  21G – calibre médio de cor verde;  23G – pequeno calibre de cor azul;  25G – calibre fino, utilizado em crianças de cor laranja;  27G – calibre muito fino, utilizado em neonatos, cor cinza. 17
  • 18. CALIBRE DO DISPOSITIVO (JELCO) 18  Feito em polímero plástico e que é introduzido com ajuda de um mandril de aço  24G – menor calibre, utilizado em recém nascido, bebês, crianças e veias de pequeno calibre, de cor amarela;  22G – utilizado em bebês crianças, adolescentes e adultos, de cor azul;  20G – utilizado em adolescentes e adultos, especialmente em transfusões, de cor rosa;  18G – utilizado em adultos submetidos a cirurgia, indicado para infusão de grande volume, de cor verde;  16G – mesma indicação do 18, de cor cinza;  14G – deve ser utilizado quando há necessidade de infundir grandes quantidades de líquidos (traumatismos), de cor laranja.
  • 19. ABBOCATH RELAÇÃO FLUÊNCIA SOLUÇÃO ML/MIN. 19
  • 20. FIXAÇÃO  Esparadrapos de tecido - indicado para obter uma fixação firme  Esparadrapos de plástico - indicado para peles delicadas, não causam irritação ou incômodo  Esparadrapos de papel - indicado para peles sensíveis e delicadas  Esparadrapos de seda - indicado para peles muito sensíveis ou delicadas  Esparadrapos de tecido acrílico - especialmente indicado para a fixação e compressão de suturas, por seu alto grau de adaptabilidade. 20
  • 21. MULTIVIA OU POLYFIX  Utilizado para infusão simultânea de 2 soluções ou para manter o sistema fechado. 21
  • 22. EQUIPO DE INFUSÃO MICRO E MACROGOTAS  Destinados a introdução de grande volumes de líquidos na circulação sanguínea, com a finalidade de entremear a ligação do dispositivo venoso periférico ao recipiente que contém o líquido a ser infundido. 22 PARTES DO EQUIPO DE INFUSÃO: REGULADOR DE FLUXO; PONTA PERFURANTE; PROTETOR; CONECTOR; COPINHO; INJETOR LATERAL
  • 23. LUVAS  Proteção direta contra diversos riscos físicos e biológicos  Funcionam como barreira, atuando no controle da disseminação de microrganismos no ambiente hospitalar. 23
  • 24. ALGODÃO E ÁLCOOL  O álcool possui propriedades microbicidas reconhecidamente eficazes para eliminar os microrganismos mais frequentemente envolvidos em infecções  Utiliza-se o algodão embebido com álcool para fazer assepsia do local de punção e de frasco-ampolas 24
  • 25. TÉCNICA DE PUNÇÃO PARA ADMINISTRAÇÃO EM DOSE ÚNICA 25
  • 26.  Lavar bem as mão;  Reunir todo o material necessário: bolas de algodão com álcool, seringas, agulhas, garrote e luvas de procedimento;  Scalp se necessário;  Colocar as luvas de procedimento;  Realizar a antissepsia:  Aspirar a medicação;  Posicionar o braço do paciente e colocar o garrote;  Peça ao paciente/cliente para fechar a mão;  Fazer a punção da veia, com o bisel da agulha voltado para cima, utilizando um ângulo de 15°;  Soltar o garrote para introduzir o medicamento;  Com a mão esquerda pressionar o local de introdução da agulha com uma bolha de algodão, embebido de álcool;  Desprezar agulha e seringa em local adequado;  Checar e anotar no prontuário do paciente a medicação administrada. 26
  • 27. 27
  • 29. 29  Infecções locais ou gerais;  Fleimão;  Abcesso;  Fenômenos alérgicos ao produto usado para antissepsia ou às drogas injetadas;  Trauma psicológico;  Embolias;  Equimoses;  Hematomas;  Obstrução do cateter;  Extravasamento;  Flebite;  Celulite;  Esclerodermia;  Flebosclerose.