SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
Padronização das Soluções Medicamentosas 25/02/2011 1 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Dopamina Solução de Dopamina (Revivan) Dopamina 50mg/10mL--------5 ampolas=50 ml SG 5,0%----------------------------200 ml  Dose: 2 a 50 microgramas/kg/min  1 ml = 1 mg = 1.000 microgramas p.ex.: 10microgramas X 50kg X 60 min. = 15.000 microgramas/hora = 15 mL/h Veia central. 25/02/2011 2 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Dopamina 25/02/2011 3 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Dopamina USO PRINCIPAL: Inotrópico positivo e vasopressor utilizado em todos os tipos de choque, sobretudo sepse. Comentários: A resposta é dose-dependente. 0,5 a 2,0 µg/kg/min há aumento do fluxo renal (receptores dopaminérgicos) 2,0 a 4,0 µg/kg/min aumentam a contratilidade e FC (receptores β-adrenérgicos) >10 µg/kg/min predominam a vasoconstricção periférica e aumento da PA (receptores α-adrenérgicos) Monitorar PA e FC (pode causar hipertensão e taquicardia podendo induzir ou exacerbar arritmias 25/02/2011 4 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Dobutamina Solução de Dobutamina (Dobutrex) Dobutamina 250mg/20mL----------20 ml SG5,0%----------------------------------230 ml  Dose: 2 a 30 microgramas/ min 1 ml= 1 mg= 1.000 microgramas Veia periférica ou central 25/02/2011 5 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Dobutamina 25/02/2011 6 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Dobutamina USO PRINCIPAL:  Inotrópico positivo utilizado no choque cardiogênico e na insuficiência cardíaca. Adjuvante no tratamento do choque séptico. Comentários:  Efeito inotrópico seletivo. Pode provocar hipotensão, taquicardia e arritmia. Contra-indicadona estenose subaórtica hipertrófica idiopática. Uso cauteloso no IAM. Sempre que possível deve ser acompanhado de monitorização invasiva. 25/02/2011 7 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Noradrenalina Solução de Noradrenalina Noradrenalina 4mg/4mL --------------- 4 ampolas SG5,0%--------------------------------------- 234 mL 1ml= 64 microgramas Dose: 0,01 a 0,3 microgramas/kg/minuto  [(dose desejadaXpesoX60)/64]=vol ml/h Veia central. 25/02/2011 8 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Noradrenalina 25/02/2011 9 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Noradrenalina USO PRINCIPAL:  No choque circulatório refratário, sobretudo séptico, neurogênico ou anafilático usar noradrenalina na dose de 0,5 a 1,2 mcg/kg/min, substituindo a dopamina associada ou não a dobutamina. Pode-se associar a dopamina, na dose de 0,5 a 1,2mcg/kg/min. 25/02/2011 10 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Adrenalina Solução de Adrenalina Adrenalina  1:10.000  = 1mg/ml Adrenalina 1mg-----------------------12 ampolas SF 0,9%---------------------------------200 mL 60 microgramas/mL Se via traqueal  1 a 2,5 mg  diluído em SF0,9% até completar 10 mL. Veia central  25/02/2011 11 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Adrenalina 25/02/2011 12 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Adrenalina USO PRINCIPAL:  PCR, reações anafiláticas intensas e broncoespasmo grave com edema brônquico associado. Como vasopressor em choque refratário a outras drogas. Observações:  Efeito clínico é dose-dependente. Pacientes sépticos requerem maior dose Pode reverter os efeitos da quinidina e da amiodarona 25/02/2011 13 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Adrenalina Solução de adrenalina para uso especifico em: Reações Anafiláticas; Reações alérgicas graves; Adrenalina 1:1000 - 30mg----------------30 ml SG5%-ou SF----------------------------------250 ml EV 100 ml/hora Ajustar dose até obter a resposta Veia central ,[object Object],25/02/2011 14 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Nitroprussiato de Sódio Solução de Nitroprussiato de Sódio (nipride) Nitroprussiato de Sódio - Nipride-----50 mg SG 5,0%-------------------------------------250 ml 1ml = 200 microgramas Dose  0.5 a 10 microgramas/kg/min Inicio da ação em 1 a 2 minutos Veia periférica ou central 25/02/2011 15 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Nitroprussiato de Sódio 25/02/2011 16 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Nitroprussiato de Sódio USO PRINCIPAL:  na crise hipertensiva e na insuficiência cardíaca refratária. Comentários:   Solução deve ser protegida da luz para evitar precipitação. Monitorar PA Infundir o soro protegido da luz  (medicação fotossensível). Uso prolongado (mais de 48 horas) pode acumular Tiocianato. Provoca disfunção plaquetária 25/02/2011 17 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Nitroglicerina Solução de Nitroglicerina (Tridil 50 mg) Nitroglicerina(Tridil) 50 mg/20mL-----------40 mL SG5% ou SF0,9%--------------------------------210 mL 1 ml=400 microgramas Dose 0.5 a 50 microgramas/min Doses Usuais: 80 a 200 µg/kg/min Ex: [(80 µg x peso x 60 minutos)/400] = Volume (mL/hora) Peso: 70 kg > o volume que poderá chegar será de: 840 mL/hora; Modo de uso: iniciar com 10 a 20 µg/min, aumentar de 5 a 10 µg/min, a cada 5 ou 10 minutos, até resposta clínica desejada. Início: 10 µg/min = 600 µg/hora = 1,5 mL/hora Aumento:	5 µg/min =  0,75 mL/hora Inicio da ação 2 a 5 minutos, com duração de 3 a 5 minutos Veia periférica ou central 25/02/2011 18 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Nitroglicerina USO PRINCIPAL: 	1 - Antianginoso potente.  		2 - Útil no paciente com EAP e na crise hipertensiva Comentários: 	a) Aumentar a dose 5 a 10mcg/min a cada 5 a 10 minutos até o efeito 		desejável. b) Controlar PA e FC por causar hipotensão arterial, taquicardia e 			hipoperfusão. c) Avaliar presença de cefaléia, náuseas e vertigem. d) Administrar em frasco de vidro. O frasco de PVC faz o 				medicamento aderir ao material. e) Contra indicado em casos de hipotensão, bradicardia ou 				taquicardia grave, infarto de VD, uso de sindenafil nas últimas 24  h. 25/02/2011 19 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Midazolam Solução de Midazolan (Dormonid) Midazolan  15 mg--------------------------45 mg SG 5,0% ou SF 0,9%-----------------------90 ml 1mg = 1 ml – solução estável por 24 horas Dose inicial  0.03 a 0.3 mg/kg lento em  20 minutos Dose media  0.03 -0.2 mg/kg/hora Veia periférica ou central 25/02/2011 20 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Midazolam 25/02/2011 21 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Fentanil Solução de Fentanil Fentanil 0,05mg/mL---------------------- 40mL SG 5,0% ------------------------------------ 210 mL 8mcg = 1 ml Dose ataque: 3 µg/kg ou 0,375 mL/kg em três minutos. Dose de manutenção:  0.02 - 0.05 mcg/kg/min = 0,15 – 0,375 mL/kg/h Veia periférica ou central 25/02/2011 22 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Fentanil USO PRINCIPAL: Opióide analgésico e sedativo. Observações: 	pode levar a depressão respiratória e vômitos. Injeção rápida ocasiona rigidez da parede torácica. 		Antagonizado por naloxona. 25/02/2011 23 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Suxametônio 100 mg/5mL Indicações: (Dose Máxima Total: 150mg) Intubação endotraqueal, convencional e de sequência rápida; Relaxamento Muscular em procedimento de curta duração; l: 150 mg 25/02/2011 24 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Suxametônio 100 mg/5mL Sequência Rápida: Dose de Manutenção: (A solução fica estável por 24 horas) Suxametônio 100 mg/5 mL ------- 10 mL 	SF 0,9% ------------------------------- 240 mL 1 mL = 800 µg 25/02/2011 25 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Suxametônio 100 mg/5mL Início do efeito: IM: 2 a 3 minutos; EV: 30 a 60 segundos; Duração do efeito: IM: 15 a 20 minutos; EV: 4 a 6 minutos; Preucações: Administrar após indução anestésica Taquicardia pode ocorrer em dose única; Bradicardia pode ocorre em doses repetidas em adulto e na primeira dose em crianças; Usar Atropina se Bradicardia e/ou Salivação excessiva; Contra-indicações: História pessoal ou familiar de hipertermia maligna; Miopatias com CPK elevada; Lesões penetrantes no globo ocular ou glaucoma; 25/02/2011 26 Ricardo do Nascimento Rodrigues
25/02/2011 27 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Heparina Heparina 5.000 U/mL In bolus:  80 U/kg Após: fazer 18U/kg/hora em Bomba de Infusão Contínua Heparina 5.000U --------- 5 mL      [100 U/mL]	 SF 0,9% ------------------ 245 mL Fazer infusão contínua por 24 a 48 horas e manter TTPa entre 1,5 a 2,5 vezes o controle e ajustar dose se necessário. 25/02/2011 28 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Estreptoquinase Estreptoquinase 1.500.000 UI Diluição:  diluir em SG 5,0% preferencialmente; Estreptoquinase 1.500.000 UI ------- 1 fr.a. SG 5,0% ---------------------------------- 150 mL Fazer EV, BIC,  150 mL/hora Contra-indicado: Hemorragia recente, ou hemorragia interna ativa, cirurgia de grande porte nos últimos 14 dias, trauma Sangramento vaginal, gastrointestinal ou urinário nos últimos 21 dias; Acidente cerebrovascular hemorrágico identificado por TC, história de AVC ou TCE nos últimos 3 meses, Neoplasia Intracraniana, malformação arteriovenosa encefálica, convulsões; HAS grave (PAS>200 e/ou PAD>120), Dissecção da aorta, pericardite e endocardite bacteriana; Defeitos de coagulação, diátasehemorrógica, uso concomitante de anticoagulantes orais ou heparina, contagem de plaquetas menor que 300.000/mm³; História recente de úlcera péptica, varizes de esôfagoe colite ulcerativa, doença hepática grave; Pancreatite aguda, hipo ou hiperglicemia; Doença pulmonar aguda com cavitação; Reações alérgicas prévias Infarto do miocárdio recente; 25/02/2011 29 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Amiodarona Amiodarona Amiodarona 150mg/3mL Dose de Ataque: 5 a 10 µg/kg (= 4,16 a 8,33 mL/kg) em 5 minutos Em PCR: 300 mg em infusão rápida (sem diluição) Dose de Manutenção: 5µg/kg/min (= 0,25mL/kg/h) Veia central ou periférico USO PRINCIPAL:  Arritmias supraventriculares (flutter, fibrilação e arritmias ligadas a síndromes de pré-excitação) e em arritmias ventriculares. Em PCR com taquicardia/fibrilação ventricular persistente após  desfibrilação e adrenalina. Observações: Monitorar PA e FC por produzir vasodilatação e hipotensão arterial Na diluição não utilizar frasco de PVC e administrar em BIC. 25/02/2011 30 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Amiodarona Uso endovenoso: Dose de Ataque:  in bolus – fazer 150 mg em 3 minutos, a cada 20 minutos, até obter-se  efeito ou atingir-se o máximo de 2,2g em 24 horas Dose de manutenção por 24 horas: Diluição: 	Amiodarona 150mg/3mL --- 6 ampolas 	900mg/250mL SG 5,0% -------------------------- 232mL	3,6mg/mL 25/02/2011 31 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Amiodarona Contra-indicações: BAV de 2º e 3º graus; Bradicardia sinusal grave; Disfunção grave do nó sinusal e atrioventricular; Hipotensão arterial grave; Disfunção da tireóide; Doença pulmonar; Lactação; 25/02/2011 32 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Verapamil Verapamil Verapamil 2,5 mg/mL Verapamil 80 mg/comprimido Indicações: Taquiarritimias supraventriculares; Tratamento de manutenção de angina estável (se há contraindicação aos beta-bloqueadores); Hipertensão Arterial Sistêmica; 25/02/2011 33 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Verapamil 25/02/2011 34 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Verapamil Contra-Indicações: Hipotensão sintomática; Bradicardia; Bloqueio Atrioventricular de segundo ou terceiro grau; Disfunção de nós sinusal e atrioventricular; Distúrbio de condução infranodal; Síndrome de WPW; Constipação crônica; 25/02/2011 35 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Metoprolol Metoprolol Metoprolol 5mg/5mL Dose: 5mg EV em 2 a 5 minutos, repetir após 5 minutos até 15mg Observação: SEM DILUIÇÃO. Veia periférica ou central USO PRINCIPAL:  SCA; Crise Tireotóxica; Dissecção Aórtica 25/02/2011 36 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Sulfato de Magnésio Solução  de Sulfato de Magnésio USO ENDOVENOSO: Dose de ataque 1 a 4 gramas EV em bolus (2 a 8mL + ABD p/ 20mL) Dose de manutenção  1gr/hora  ( 45 ml/h da solução acima) Soro Glicosado 5%-------------------------------430 ml Sulfato de magnésio 50%(5mg/10mL)------20mL = 10 gramas = 400 mEq Dose máxima 24 gramas /24 horas Veia central ou periférica ESQUEMA INTRAMUSCULAR Dose de ataque de 4g EV em 10 min. + 10 g IM (5g IM em cada nádega) Manutenção com 5 g IM a cada 4 horas Duração de reposição 5 dias 25/02/2011 37 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Sulfato de Magnésio USO PRINCIPAL: hipomagnesemia, Mal convulsivo.  O uso no broncoespasmo refratário e no IAM é controverso Observações:  Manter o MgSO₄ por pelo menos 24 h. O esquema IM é obrigatório se necessitar de remoção CONTROLAR A CADA 4 HORAS:  reflexo patelar e diurese (>25 ml/h = segurança) PARA ESQUEMA ENDOVENOSO: se Creatinina > 1,2 mg/dl, monitorar Mg plasmático Se peso > 90 Kg, considerar 3g/hora Antídoto: GLUCONATO DE CÁLCIO (para depressão respiratória) Administrar uma ampola de Gluconato de Cálcio a 10% (10ml) EV lento 25/02/2011 38 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Gluconato de Cálcio Solução de Gluconato de Cálcio SG 5,0%--------------------------------------450  ml Gluconato de Cálcio 10%-----------------3 ampolas = 3.000 mg Infusão de 7.5 mg/hora   ( 20 ml/h da solução acima) Manter cálcio plasmático em 8.5 mg/dl Veia central ou periférico USO PRINCIPAL:  Hipocalcemia; Hipercalcemia ou hipermagnesemia com alterações eletrocardiográficas; Intoxicação por bloqueadores dos  canais de cálcio ou Betabloqueadores; Mal convulsivo. OBSERVAÇÕES:  Controlar FC e ritmo cardíaco devido risco de bradicardia Não misturar com Bicarbonato de sódio, pode haver precipitação. 25/02/2011 39 Ricardo do Nascimento Rodrigues
25/02/2011 40 Ricardo do Nascimento Rodrigues
25/02/2011 41 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Sintomáticos Dipirona 1g ------------ 2mL ABD --------------------- 8mL Escopolamina + Dipirona (4+500)mg/mL -– 5mL ABD -------------------------------------------------15 mL Metoclopramida 10mg --------------------2 mL ABD ------------------------------------------ 18 mL Ranitidina 50 mg --------------------------- 2 mL ABD -------------------------------------------- 8 mL Associações: (p.ex.:) Escopolamina + Dipirona (4+500)mg/mL --- 5mL Metoclopramida 10mg ---------------------------2 mL Ranitidina 50 mg ---------------------------------- 2 mL SF 0,9% ou SG 5,0% ----------------------------100 mL 25/02/2011 42 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Omeprazol 25/02/2011 43 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Antimicrobianos 25/02/2011 44 Ricardo do Nascimento Rodrigues Penicilinas:  Amoxicilina Amoxicilina + Ácido clavulânico Ampicilina Ampicilina + Sulbactam Carbenicilina Oxacilina Penicilina G Benzatina Penicilina G Cristalina Penicilina V Penicilina G Procaína Piperacilina + Tazobactam Ticarcilina + Ácido Clavulânico
Antimicrobianos Cefalosporina de 1ª Geração Cefadroxil Cefalexina Cefalotina Cefazolina Cefalosporinas de 2ª Geração Cefaclor Cefoxitina Cefuroxima 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 45
Antimicrobianos Cefalosporinas de 3ª Geração CefetametPivoxil Cefodizima Cefotaxima Cefpodoxima Ceftazidima Ceftriaxona Cefaloxporinas de 4ª Geração Cefepima Cefpiroma 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 46
Antimicrobianos Monobactâmicos Aztreonam Carbapenêmicos Imipenem-Cilastina Meropenem Aminoglicosídeos Amicacina Arbecacina Espectinomicina Estreptomicina Gentamicina Neomicina Netilmicina Tobramicina 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 47
Antimicrobianos Macrolídeos Azitromicina Claritromicina Diritromicina Eritromicina Espiramicina Miocamicina Roxitromicina 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 48
Antimicrobianos Estreptograminas Pristinamicina Quinupristina-Dalfopristina Oxazolidinonas Linezolida 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 49
Antimicrobianos Quinolonas Ciprofloxacina Gatifloxacina Levofloxacina Lomefloxacina Moxifloxacina Norfloxacina Ofloxacina Pefloxacina Ácido Nalidíxico Ácido Oxolínico Ácido Pipemídico 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 50
Antimicrobianos Tetraciclinas Doxicilina Minociclina Oxitetraciclina Tetraciclina Sulfonamidas Sulfadiazina Sulfadoxina Sulfametoxazol-Trimetroprim 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 51
Antimicrobianos Fluorquinolonas Ciprofloxacina Glicopeptídeos Teicoplanina Vancomicina Lincosamidas Clindamicina Anfenicóis Cloranfenicol Outros Metronidazol Secnidazol Nitrofurantoína 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 52
Amicacina Amicacina 100 mg/2 mL Dose: Adulto e criança 15 a 20 mg/kg/dia de 12/12 ou de 24/24 horas; Diluição: IM: usar até 250mg ou 5mL de amicacina; EV: Diluir em SF 0,9% ou SG 5,0% para se ter Concentração de 5,0 mg/mL; Divida a dose calculada por 5 = Volume a ser realizado de Soro; 13kg a 15mg/kg/dia = 195mg = 3,9mL de amicacina que serão diluídos em 39mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 24 em 24 horas; Amicacina 100mg -------------------------------3,9mL 	SF 0,9% --------------------------------------------39mL 	Fazer EV, 14 gotas/minuto (30minutos) de 24/24 horas 78kg a 15mg/kg/dia = 1.170mg = 23,4mL de amicacina que serão diluídos em 234mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 24 em 24 horas; Amicacina 100mg ---------------------------- 23,4 mL 	SF 0,9% -----------------------------------------234 mL 		Fazer EV, 60 gotas/minuto (90 minutos) de 24/24 horas Infundir em 30 a 120 minutos; 25/02/2011 53 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Ampicilina Ampicilina 500 mg e 1g Dose: 	EV: 100 a 200mg/kg/dia de 6/6 horas;  		Infecções Graves:  até 12g por dia divididos de 4 em 4 horas ou de 6 em 6 horas; Diluição: IM: 500mg diluir pra 2 mL de ABD; 		   1.000mg diluir pra 3 mL de ABD EV:  Pode ser feito EV LENTO com diluições em ABD: Até 500mg –  DILUIR em 20mL de ABD; Acima  de 500mg  obter Concentração de 30,0 mg/mL para diluição em soro; Divida a dose calculada por 30 = Volume  de SF 0,9% ou SG 5,0% a ser realizado para diluição; Exemplos: 13kg a 50mg/kg/dia = 650mg de ampicilina por dia, divididos em quatro doses = 162,5mg, para se feito EV LENTO na diluição padrão em 20 mL de ABD = ; Ampicilina 500mg ---------------------------- 1 fr.a. 	ABD ---------------------------------------------- 20 mL 		Fazer 6,5mL EV LENTO de 6/6 horas 78kg a 100mg/kg/dia = 7.800mg de ampicilina por dia, dividido em quatro doses = 1.950mg, divididos por 30 = 65 mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 6 em 6 horas; 	Ampicilina 1.000mg ---------------------------- 2 fr.a. 	SF 0,9% ou SG 5,0%------------------------------ 65 mL 		Fazer EV, 60 gotas/minuto (20 minutos) de 6/6 horas 25/02/2011 54 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Ampicilina - Sulbactam Apresentações: 	Ampicilina 1.000 mg + Sulbactam 500mg 			Ampicilina 2.000 mg + Sulbactam 1.000mg Dose: 	Adultos: 1,5 a 3,0 g EV de 6/6 horas;  		Crianças: 100 a 150 mg/kg/dia EV de 6/6 horas; Diluição: EV:  obter Concentração de 30,0 mg/mL para diluição em soro; Divida a dose calculada por 30 = Volume  de SF 0,9% a ser realizado para diluição; Exemplos: 13kg a 100mg/kg/dia = 1.300mg de ampicilina+sulbactam por dia, divididos em quatro doses = 325mg; Ampicilina  1g + Sulbactam 500mg --------------------- 1 fr.a. 	ABD ---------------------------------------------- 20 mL 		Fazer 6,5mL EV LENTO de 6/6 horas 78kg a 100mg/kg/dia = 7.800mg de ampicilina por dia, dividido em quatro doses = 1.950mg, divididos por 30 = 65 mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 6 em 6 horas; 	Ampicilina 1.000mg ---------------------------- 2 fr.a. 	SF 0,9% ou SG 5,0%------------------------------ 65 mL 		Fazer EV, 60 gotas/minuto (20 minutos) de 6/6 horas 25/02/2011 55 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Cefazolina Cefazolina 1g Dose máxima 6g/dia Doses usuais: 0,5g a 1,5 g de 6 em 6 horas Crianças: Até 1 semana: 15 a 20 mg/kg de 12 em 12 horas; De 1 a 4 semanas: 15 a 20 mg/kg de 8 em 8 horas; > 4 semanas: 8 a 25 mg/kg a cada 6 ou 8 horas; Modo de usar: IM: diluir em 2 a 4 mL de ABD ou SF 0,9% EV:   Pode-se diluir em 5 a 10 mL de ABD pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 a 20 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 56
Cefotaxima Cefotaxima 1g 1 a 2 g, IV ou IM, a cada 6 ou 8 horas; Pacientes graves: 2g até de 4 em 4 horas; Crianças: Até 1 semana: 25 a 50 mg/kg de 12 em 12 horas; De 1 a 4 semanas: 25 a 50 mg/kg de 8 em 8 horas; > 4 semanas: 50 a 180 mg/kg ao dia a cada 4 ou 6 horas; Modo de usar: IM: diluir em 2 a 3 mL de ABD; EV:   Pode-se diluir em 10 mL de ABD pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 57
Ceftazidima Ceftazidima 1g Dose Máxima: No idoso: dose máxima 3g/dia  Adulto e Criança: 6g/dia Doses usuais: 0,5g a 2g de 8 em 8 ou 12 em 12 horas Crianças: 60 a 100 mg/kg a cada 8 ou 12 horas; Modo de usar: IM: diluir em 3 mL de ABD, máximo até 1g; EV:   Pode-se diluir em 10 mL de ABD, SF 0,9% ou SG 5,0% pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 30mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 58
Ceftriaxona Ceftriaxona 1g Dose máxima 4g/dia Doses usuais: 0,5g a 2g de 12 em 12 ou 24 em 24 horas Crianças: Até 1 semana: evitar uso>> desloca bilirrubina dos sítios de ligação com albumina; De 1 a 4 semanas: 50 a 750 mg/kg de 24 em 24 horas; > 4 semanas: 50 a 100 mg/kg a cada 12 ou 24 horas; Modo de usar: IM: diluir em 1 a 4 mL de ABD ou SF 0,9% EV:   Pode-se diluir em 2,5 a 10 mL de ABD, SF 0,9% ou SG 5,0% pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 a 40 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 59
Cefepime Cefepima – fr.a. de 500, 1.000 e 2.000 mg Dose máxima 6g/dia Doses usuais: 1 a 2g de 12 em 12 horas Infecções graves: 2g de 8 em 8 horas Crianças: 100 a 150 mg/kg/dia a cada 8 ou 12 horas; Modo de usar: IM: diluir em 1,5 a 10 mL de ABD ou SF 0,9% EV:   Pode-se diluir em 5 a 10 mL de ABD, SF 0,9% pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de até 40 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 60
Imipenem - Cilastina Imipenem – Cilastina – fr.a. com 500mg de cada; Dose máxima 50mg/kg/dia Doses usuais: 0,5 a 1g de 6 em 6 horas Crianças: 60 a 100 mg/kg/dia a cada 6 horas – dose máxima de 4g/dia; Modo de usar: IM: diluir em 2 mL de ABD; EV:   Infusão direta: NÃO DEVE SER USADO; Solução com SF 0,9% ou SG 5,0% com concentração final de 5 mg/mL, infusão deve ser feita de 20 a 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 61
Meropenem Meropenem – fr.a. de 500mg e 1g Doses usuais: 0,5 a 1g a cada 6 ou 8 horas Crianças: 60 mg/kg/dia a cada 8 horas; Meningite: 120 mg/kg/dia a cada 8 horas; Modo de usar: IM: diluir em 2 mL de ABD; EV:   Infusão direta: 10 a 20 mL de ABD; Solução com SF 0,9% ou SG 5,0% com concentração final de 1 a 20 mg/mL, infusão deve ser feita de 15 a 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 62
Ciprofloxacino Ciprofloxacino 200mg em 100mL (2 mg/mL) Existem também comprimidos de 250 e 500 mg Doses Usuais: 400 a 500 mg EV de 12 em 12 horas Infecções graves: 500 mg de 8 em 8 horas Adultos: 400 mg EV  a cada 8 ou 12 horas Crianças:  De 1 a 6 anos: 30 a 45 mg/kg/dia a cada 8 horas, para uso EV 30 a 60 mg/kg/dia a cada 8 ou 12 horas, para uso VO Nas outras faixas etárias: 20 a 30 mg/kg/dia a cada 12 horas (VO ou EV) 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 63
Claritromicina Claritromicina 1g Doses usuais: 250 mg a 500mg de 12 em 12 horas; Crianças: > 4 semanas: 15 mg/kg/dia a cada 12 horas; Modo de usar: IM: NÃO DEVE SER FEITO EV:   infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 4 a 10 mg/mL, infusão deve ser feita em 60 minutos; 25/02/2011 64 Ricardo do Nascimento Rodrigues
Clindamicina Clindamicina 600 mg/4mL = 150mg/mL Dose máxima 4g/dia Doses usuais: 1,8g a 2,7g EV divididos a cada 6 ou 8 horas; Crianças: 15 a 40 mg/kg/dia divididos a cada 6 ou 8 horas; Modo de usar: IM: NÃO DEVE SER FEITO EV:   Infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 6 a 12 mg/mL, infusão deve ser feita em 10 a 60 minutos a uma velocidade não superior a 30 mg/minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 65
Vancomicina Vancomicina Doses Usuais:  500 mg EV 6/6 horas 1.000 mg EV 12/12 horas Crianças: 15 mg/kg de 6/6 horas; Modo de usar: IM: NÃO PODE SER REALIZADO EV: Infusão direta: Reconstituir 500 mg em 10 mL de ABD Solução: Diluir em SF 0,9% ou SG 5,0%, para se ter concentração entre 2,5 e 5,0 mg/mL, infundir em 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 66
Gentamicina Gentamicina Ampola 40mg – 1 mL Ampola 80 mg – 2 mL Doses usuais: 3 a 7 mg/kg/dia divididos de 8 em 8 horas ou dose única diária; Modo de usar: IM: sem diluição EV:   Infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 a 120 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 67
Oxacilina Oxacilina 500mg Doses usuais: 4 a 12g/dia EV divididos a cada 4 ou 6 horas; Crianças: 100 a 200 mg/kg/dia divididos a cada 4 ou 6 horas; Modo de usar: IM: Reconstituir 500mg em 3 mL de ABD ou SF 0,9% EV:   Infusão direta: Para cada 500mg usar 5mL de ABD ou SF 0,9% Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 a 50 mg/mL, infusão deve ser feita em 15 a 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 68
Sulfametoxazol-Trimetroprim Sulfametoxazol-Trimetroprim(80 e 40mg)/5mL Doses usuais: 800 mg de SMZ+ 160 mg de TMP VO ou EV de 12 em 12 horas; Crianças: 40mg/kg/dia de sulfametoxazol a cada 12 horas; Modo de usar: IM: NÃO DEVE SER FEITO EV:   infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 2,3 a 5,3 mg/mL de sulfametoxazol, infusão deve ser feita de 30 a 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 69
Metronidazol Metronidazol 500 mg/100 mL Doses usuais: 7,5 mg/kg a cada 6 ou 8 horas; Crianças: = adulto Modo de usar: EV:  concentração final de 5,0mg/mL  deve ser feita de 30 a 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 70
Gotas / Minuto Fórmula: Nº de gotas/minuto = Volume/(tempo em horas x 3) Para Micro-gotas, basta dividir o número de gotas por minuto pro três 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 71

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusLeonardo Souza
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultosresenfe2013
 
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativasdagma30
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialMaycon Silva
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergênciasjaddy xavier
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivosresenfe2013
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicaçãoAndréa Dantas
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaWillD12
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIFábio Falcão
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalRodrigo Abreu
 
Drogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgênciaDrogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgênciagisa_legal
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Will Nunes
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosLeonel Santos
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosfabiana vitoria souto
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1mariacristinasn
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentosViviane Campos
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativasRLCR
 

Mais procurados (20)

Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Drogas vasoativas
Drogas  vasoativasDrogas  vasoativas
Drogas vasoativas
 
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter AtrialFibrilação Atrial e Flutter Atrial
Fibrilação Atrial e Flutter Atrial
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Prescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica HospitalarPrescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica Hospitalar
 
Sondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinalSondagem gastrointestinal
Sondagem gastrointestinal
 
Carrinho de emergencia
Carrinho de emergenciaCarrinho de emergencia
Carrinho de emergencia
 
Drogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgênciaDrogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgência
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentosCuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
Cuidados de-enfermagem-administracao-medicamentos
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 

Semelhante a Padronização das soluções medicamentosas

Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Antonio Alarcon
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Huggalegoo
 
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeAbordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeVicente Santos
 
Tabelas Protocolo Hiperglicemia.pdf
Tabelas Protocolo Hiperglicemia.pdfTabelas Protocolo Hiperglicemia.pdf
Tabelas Protocolo Hiperglicemia.pdfDalila677702
 
Guia do plantonista 01 principais drogas utilizadas em pa
Guia do plantonista 01   principais drogas utilizadas em paGuia do plantonista 01   principais drogas utilizadas em pa
Guia do plantonista 01 principais drogas utilizadas em paaptonia
 
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulanteAntiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulanteresenfe2013
 
Bloqueadores Neuromusculares Light
Bloqueadores Neuromusculares LightBloqueadores Neuromusculares Light
Bloqueadores Neuromusculares Lightavpantoja1
 
Administração de Obitumuzumabe
Administração de ObitumuzumabeAdministração de Obitumuzumabe
Administração de ObitumuzumabeRocheDigital
 
1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacao1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacaoitalofg
 
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na UtiReposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na UtiRodrigo Biondi
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxshaiane2
 
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02scarMorais
 
Cetoacidose diabética
Cetoacidose diabéticaCetoacidose diabética
Cetoacidose diabéticaVitorCruz63
 

Semelhante a Padronização das soluções medicamentosas (20)

Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
 
Tabela Diluição A ao Z.pdf
Tabela Diluição A ao Z.pdfTabela Diluição A ao Z.pdf
Tabela Diluição A ao Z.pdf
 
Fast Hug
Fast HugFast Hug
Fast Hug
 
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndromeAbordagem inicial na dheg e hellp síndrome
Abordagem inicial na dheg e hellp síndrome
 
Medicação usual em pediatria
Medicação usual em pediatriaMedicação usual em pediatria
Medicação usual em pediatria
 
Tabelas Protocolo Hiperglicemia.pdf
Tabelas Protocolo Hiperglicemia.pdfTabelas Protocolo Hiperglicemia.pdf
Tabelas Protocolo Hiperglicemia.pdf
 
Dopamina
DopaminaDopamina
Dopamina
 
Emergencia pediatrica 2
Emergencia pediatrica 2Emergencia pediatrica 2
Emergencia pediatrica 2
 
Guia do plantonista 01 principais drogas utilizadas em pa
Guia do plantonista 01   principais drogas utilizadas em paGuia do plantonista 01   principais drogas utilizadas em pa
Guia do plantonista 01 principais drogas utilizadas em pa
 
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulanteAntiagregante plaquetário e anticoagulante
Antiagregante plaquetário e anticoagulante
 
Bloqueadores Neuromusculares Light
Bloqueadores Neuromusculares LightBloqueadores Neuromusculares Light
Bloqueadores Neuromusculares Light
 
Administração de Obitumuzumabe
Administração de ObitumuzumabeAdministração de Obitumuzumabe
Administração de Obitumuzumabe
 
Nefropatia Diabética
Nefropatia DiabéticaNefropatia Diabética
Nefropatia Diabética
 
MEU CADERNINHO.pdf
MEU CADERNINHO.pdfMEU CADERNINHO.pdf
MEU CADERNINHO.pdf
 
Aula final
Aula finalAula final
Aula final
 
1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacao1334746904protocolo sedacao
1334746904protocolo sedacao
 
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na UtiReposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
 
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
 
Cetoacidose diabética
Cetoacidose diabéticaCetoacidose diabética
Cetoacidose diabética
 

Mais de Ricardo Nascimento

Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao PoucoPor Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao PoucoRicardo Nascimento
 
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O  Medico Aceita Ganhar Tao PoucoPor Que O  Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao PoucoRicardo Nascimento
 
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmgRicardo Nascimento
 
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M GRicardo Nascimento
 

Mais de Ricardo Nascimento (6)

Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao PoucoPor Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
 
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O  Medico Aceita Ganhar Tao PoucoPor Que O  Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
Por Que O Medico Aceita Ganhar Tao Pouco
 
DeclaraçãO De ÓBito
DeclaraçãO De ÓBitoDeclaraçãO De ÓBito
DeclaraçãO De ÓBito
 
DeclaraçãO De óBito
DeclaraçãO De óBitoDeclaraçãO De óBito
DeclaraçãO De óBito
 
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
5º seminário da câmara técnica de medicina de família crmmg
 
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G5º  SemináRio Da  CâMara  TéCnica De  Medicina De  FamíLia  C R M M G
5º SemináRio Da CâMara TéCnica De Medicina De FamíLia C R M M G
 

Último

Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 

Último (13)

Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 

Padronização das soluções medicamentosas

  • 1. Padronização das Soluções Medicamentosas 25/02/2011 1 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 2. Dopamina Solução de Dopamina (Revivan) Dopamina 50mg/10mL--------5 ampolas=50 ml SG 5,0%----------------------------200 ml Dose: 2 a 50 microgramas/kg/min 1 ml = 1 mg = 1.000 microgramas p.ex.: 10microgramas X 50kg X 60 min. = 15.000 microgramas/hora = 15 mL/h Veia central. 25/02/2011 2 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 3. Dopamina 25/02/2011 3 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 4. Dopamina USO PRINCIPAL: Inotrópico positivo e vasopressor utilizado em todos os tipos de choque, sobretudo sepse. Comentários: A resposta é dose-dependente. 0,5 a 2,0 µg/kg/min há aumento do fluxo renal (receptores dopaminérgicos) 2,0 a 4,0 µg/kg/min aumentam a contratilidade e FC (receptores β-adrenérgicos) >10 µg/kg/min predominam a vasoconstricção periférica e aumento da PA (receptores α-adrenérgicos) Monitorar PA e FC (pode causar hipertensão e taquicardia podendo induzir ou exacerbar arritmias 25/02/2011 4 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 5. Dobutamina Solução de Dobutamina (Dobutrex) Dobutamina 250mg/20mL----------20 ml SG5,0%----------------------------------230 ml Dose: 2 a 30 microgramas/ min 1 ml= 1 mg= 1.000 microgramas Veia periférica ou central 25/02/2011 5 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 6. Dobutamina 25/02/2011 6 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 7. Dobutamina USO PRINCIPAL: Inotrópico positivo utilizado no choque cardiogênico e na insuficiência cardíaca. Adjuvante no tratamento do choque séptico. Comentários: Efeito inotrópico seletivo. Pode provocar hipotensão, taquicardia e arritmia. Contra-indicadona estenose subaórtica hipertrófica idiopática. Uso cauteloso no IAM. Sempre que possível deve ser acompanhado de monitorização invasiva. 25/02/2011 7 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 8. Noradrenalina Solução de Noradrenalina Noradrenalina 4mg/4mL --------------- 4 ampolas SG5,0%--------------------------------------- 234 mL 1ml= 64 microgramas Dose: 0,01 a 0,3 microgramas/kg/minuto [(dose desejadaXpesoX60)/64]=vol ml/h Veia central. 25/02/2011 8 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 9. Noradrenalina 25/02/2011 9 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 10. Noradrenalina USO PRINCIPAL: No choque circulatório refratário, sobretudo séptico, neurogênico ou anafilático usar noradrenalina na dose de 0,5 a 1,2 mcg/kg/min, substituindo a dopamina associada ou não a dobutamina. Pode-se associar a dopamina, na dose de 0,5 a 1,2mcg/kg/min. 25/02/2011 10 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 11. Adrenalina Solução de Adrenalina Adrenalina 1:10.000 = 1mg/ml Adrenalina 1mg-----------------------12 ampolas SF 0,9%---------------------------------200 mL 60 microgramas/mL Se via traqueal 1 a 2,5 mg diluído em SF0,9% até completar 10 mL. Veia central 25/02/2011 11 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 12. Adrenalina 25/02/2011 12 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 13. Adrenalina USO PRINCIPAL: PCR, reações anafiláticas intensas e broncoespasmo grave com edema brônquico associado. Como vasopressor em choque refratário a outras drogas. Observações: Efeito clínico é dose-dependente. Pacientes sépticos requerem maior dose Pode reverter os efeitos da quinidina e da amiodarona 25/02/2011 13 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 14.
  • 15. Nitroprussiato de Sódio Solução de Nitroprussiato de Sódio (nipride) Nitroprussiato de Sódio - Nipride-----50 mg SG 5,0%-------------------------------------250 ml 1ml = 200 microgramas Dose 0.5 a 10 microgramas/kg/min Inicio da ação em 1 a 2 minutos Veia periférica ou central 25/02/2011 15 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 16. Nitroprussiato de Sódio 25/02/2011 16 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 17. Nitroprussiato de Sódio USO PRINCIPAL: na crise hipertensiva e na insuficiência cardíaca refratária. Comentários: Solução deve ser protegida da luz para evitar precipitação. Monitorar PA Infundir o soro protegido da luz (medicação fotossensível). Uso prolongado (mais de 48 horas) pode acumular Tiocianato. Provoca disfunção plaquetária 25/02/2011 17 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 18. Nitroglicerina Solução de Nitroglicerina (Tridil 50 mg) Nitroglicerina(Tridil) 50 mg/20mL-----------40 mL SG5% ou SF0,9%--------------------------------210 mL 1 ml=400 microgramas Dose 0.5 a 50 microgramas/min Doses Usuais: 80 a 200 µg/kg/min Ex: [(80 µg x peso x 60 minutos)/400] = Volume (mL/hora) Peso: 70 kg > o volume que poderá chegar será de: 840 mL/hora; Modo de uso: iniciar com 10 a 20 µg/min, aumentar de 5 a 10 µg/min, a cada 5 ou 10 minutos, até resposta clínica desejada. Início: 10 µg/min = 600 µg/hora = 1,5 mL/hora Aumento: 5 µg/min = 0,75 mL/hora Inicio da ação 2 a 5 minutos, com duração de 3 a 5 minutos Veia periférica ou central 25/02/2011 18 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 19. Nitroglicerina USO PRINCIPAL: 1 - Antianginoso potente. 2 - Útil no paciente com EAP e na crise hipertensiva Comentários: a) Aumentar a dose 5 a 10mcg/min a cada 5 a 10 minutos até o efeito desejável. b) Controlar PA e FC por causar hipotensão arterial, taquicardia e hipoperfusão. c) Avaliar presença de cefaléia, náuseas e vertigem. d) Administrar em frasco de vidro. O frasco de PVC faz o medicamento aderir ao material. e) Contra indicado em casos de hipotensão, bradicardia ou taquicardia grave, infarto de VD, uso de sindenafil nas últimas 24 h. 25/02/2011 19 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 20. Midazolam Solução de Midazolan (Dormonid) Midazolan 15 mg--------------------------45 mg SG 5,0% ou SF 0,9%-----------------------90 ml 1mg = 1 ml – solução estável por 24 horas Dose inicial 0.03 a 0.3 mg/kg lento em 20 minutos Dose media 0.03 -0.2 mg/kg/hora Veia periférica ou central 25/02/2011 20 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 21. Midazolam 25/02/2011 21 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 22. Fentanil Solução de Fentanil Fentanil 0,05mg/mL---------------------- 40mL SG 5,0% ------------------------------------ 210 mL 8mcg = 1 ml Dose ataque: 3 µg/kg ou 0,375 mL/kg em três minutos. Dose de manutenção: 0.02 - 0.05 mcg/kg/min = 0,15 – 0,375 mL/kg/h Veia periférica ou central 25/02/2011 22 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 23. Fentanil USO PRINCIPAL: Opióide analgésico e sedativo. Observações: pode levar a depressão respiratória e vômitos. Injeção rápida ocasiona rigidez da parede torácica. Antagonizado por naloxona. 25/02/2011 23 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 24. Suxametônio 100 mg/5mL Indicações: (Dose Máxima Total: 150mg) Intubação endotraqueal, convencional e de sequência rápida; Relaxamento Muscular em procedimento de curta duração; l: 150 mg 25/02/2011 24 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 25. Suxametônio 100 mg/5mL Sequência Rápida: Dose de Manutenção: (A solução fica estável por 24 horas) Suxametônio 100 mg/5 mL ------- 10 mL SF 0,9% ------------------------------- 240 mL 1 mL = 800 µg 25/02/2011 25 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 26. Suxametônio 100 mg/5mL Início do efeito: IM: 2 a 3 minutos; EV: 30 a 60 segundos; Duração do efeito: IM: 15 a 20 minutos; EV: 4 a 6 minutos; Preucações: Administrar após indução anestésica Taquicardia pode ocorrer em dose única; Bradicardia pode ocorre em doses repetidas em adulto e na primeira dose em crianças; Usar Atropina se Bradicardia e/ou Salivação excessiva; Contra-indicações: História pessoal ou familiar de hipertermia maligna; Miopatias com CPK elevada; Lesões penetrantes no globo ocular ou glaucoma; 25/02/2011 26 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 27. 25/02/2011 27 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 28. Heparina Heparina 5.000 U/mL In bolus: 80 U/kg Após: fazer 18U/kg/hora em Bomba de Infusão Contínua Heparina 5.000U --------- 5 mL [100 U/mL] SF 0,9% ------------------ 245 mL Fazer infusão contínua por 24 a 48 horas e manter TTPa entre 1,5 a 2,5 vezes o controle e ajustar dose se necessário. 25/02/2011 28 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 29. Estreptoquinase Estreptoquinase 1.500.000 UI Diluição: diluir em SG 5,0% preferencialmente; Estreptoquinase 1.500.000 UI ------- 1 fr.a. SG 5,0% ---------------------------------- 150 mL Fazer EV, BIC, 150 mL/hora Contra-indicado: Hemorragia recente, ou hemorragia interna ativa, cirurgia de grande porte nos últimos 14 dias, trauma Sangramento vaginal, gastrointestinal ou urinário nos últimos 21 dias; Acidente cerebrovascular hemorrágico identificado por TC, história de AVC ou TCE nos últimos 3 meses, Neoplasia Intracraniana, malformação arteriovenosa encefálica, convulsões; HAS grave (PAS>200 e/ou PAD>120), Dissecção da aorta, pericardite e endocardite bacteriana; Defeitos de coagulação, diátasehemorrógica, uso concomitante de anticoagulantes orais ou heparina, contagem de plaquetas menor que 300.000/mm³; História recente de úlcera péptica, varizes de esôfagoe colite ulcerativa, doença hepática grave; Pancreatite aguda, hipo ou hiperglicemia; Doença pulmonar aguda com cavitação; Reações alérgicas prévias Infarto do miocárdio recente; 25/02/2011 29 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 30. Amiodarona Amiodarona Amiodarona 150mg/3mL Dose de Ataque: 5 a 10 µg/kg (= 4,16 a 8,33 mL/kg) em 5 minutos Em PCR: 300 mg em infusão rápida (sem diluição) Dose de Manutenção: 5µg/kg/min (= 0,25mL/kg/h) Veia central ou periférico USO PRINCIPAL: Arritmias supraventriculares (flutter, fibrilação e arritmias ligadas a síndromes de pré-excitação) e em arritmias ventriculares. Em PCR com taquicardia/fibrilação ventricular persistente após desfibrilação e adrenalina. Observações: Monitorar PA e FC por produzir vasodilatação e hipotensão arterial Na diluição não utilizar frasco de PVC e administrar em BIC. 25/02/2011 30 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 31. Amiodarona Uso endovenoso: Dose de Ataque: in bolus – fazer 150 mg em 3 minutos, a cada 20 minutos, até obter-se efeito ou atingir-se o máximo de 2,2g em 24 horas Dose de manutenção por 24 horas: Diluição: Amiodarona 150mg/3mL --- 6 ampolas 900mg/250mL SG 5,0% -------------------------- 232mL 3,6mg/mL 25/02/2011 31 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 32. Amiodarona Contra-indicações: BAV de 2º e 3º graus; Bradicardia sinusal grave; Disfunção grave do nó sinusal e atrioventricular; Hipotensão arterial grave; Disfunção da tireóide; Doença pulmonar; Lactação; 25/02/2011 32 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 33. Verapamil Verapamil Verapamil 2,5 mg/mL Verapamil 80 mg/comprimido Indicações: Taquiarritimias supraventriculares; Tratamento de manutenção de angina estável (se há contraindicação aos beta-bloqueadores); Hipertensão Arterial Sistêmica; 25/02/2011 33 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 34. Verapamil 25/02/2011 34 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 35. Verapamil Contra-Indicações: Hipotensão sintomática; Bradicardia; Bloqueio Atrioventricular de segundo ou terceiro grau; Disfunção de nós sinusal e atrioventricular; Distúrbio de condução infranodal; Síndrome de WPW; Constipação crônica; 25/02/2011 35 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 36. Metoprolol Metoprolol Metoprolol 5mg/5mL Dose: 5mg EV em 2 a 5 minutos, repetir após 5 minutos até 15mg Observação: SEM DILUIÇÃO. Veia periférica ou central USO PRINCIPAL: SCA; Crise Tireotóxica; Dissecção Aórtica 25/02/2011 36 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 37. Sulfato de Magnésio Solução de Sulfato de Magnésio USO ENDOVENOSO: Dose de ataque 1 a 4 gramas EV em bolus (2 a 8mL + ABD p/ 20mL) Dose de manutenção 1gr/hora ( 45 ml/h da solução acima) Soro Glicosado 5%-------------------------------430 ml Sulfato de magnésio 50%(5mg/10mL)------20mL = 10 gramas = 400 mEq Dose máxima 24 gramas /24 horas Veia central ou periférica ESQUEMA INTRAMUSCULAR Dose de ataque de 4g EV em 10 min. + 10 g IM (5g IM em cada nádega) Manutenção com 5 g IM a cada 4 horas Duração de reposição 5 dias 25/02/2011 37 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 38. Sulfato de Magnésio USO PRINCIPAL: hipomagnesemia, Mal convulsivo. O uso no broncoespasmo refratário e no IAM é controverso Observações: Manter o MgSO₄ por pelo menos 24 h. O esquema IM é obrigatório se necessitar de remoção CONTROLAR A CADA 4 HORAS: reflexo patelar e diurese (>25 ml/h = segurança) PARA ESQUEMA ENDOVENOSO: se Creatinina > 1,2 mg/dl, monitorar Mg plasmático Se peso > 90 Kg, considerar 3g/hora Antídoto: GLUCONATO DE CÁLCIO (para depressão respiratória) Administrar uma ampola de Gluconato de Cálcio a 10% (10ml) EV lento 25/02/2011 38 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 39. Gluconato de Cálcio Solução de Gluconato de Cálcio SG 5,0%--------------------------------------450 ml Gluconato de Cálcio 10%-----------------3 ampolas = 3.000 mg Infusão de 7.5 mg/hora ( 20 ml/h da solução acima) Manter cálcio plasmático em 8.5 mg/dl Veia central ou periférico USO PRINCIPAL: Hipocalcemia; Hipercalcemia ou hipermagnesemia com alterações eletrocardiográficas; Intoxicação por bloqueadores dos canais de cálcio ou Betabloqueadores; Mal convulsivo. OBSERVAÇÕES: Controlar FC e ritmo cardíaco devido risco de bradicardia Não misturar com Bicarbonato de sódio, pode haver precipitação. 25/02/2011 39 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 40. 25/02/2011 40 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 41. 25/02/2011 41 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 42. Sintomáticos Dipirona 1g ------------ 2mL ABD --------------------- 8mL Escopolamina + Dipirona (4+500)mg/mL -– 5mL ABD -------------------------------------------------15 mL Metoclopramida 10mg --------------------2 mL ABD ------------------------------------------ 18 mL Ranitidina 50 mg --------------------------- 2 mL ABD -------------------------------------------- 8 mL Associações: (p.ex.:) Escopolamina + Dipirona (4+500)mg/mL --- 5mL Metoclopramida 10mg ---------------------------2 mL Ranitidina 50 mg ---------------------------------- 2 mL SF 0,9% ou SG 5,0% ----------------------------100 mL 25/02/2011 42 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 43. Omeprazol 25/02/2011 43 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 44. Antimicrobianos 25/02/2011 44 Ricardo do Nascimento Rodrigues Penicilinas: Amoxicilina Amoxicilina + Ácido clavulânico Ampicilina Ampicilina + Sulbactam Carbenicilina Oxacilina Penicilina G Benzatina Penicilina G Cristalina Penicilina V Penicilina G Procaína Piperacilina + Tazobactam Ticarcilina + Ácido Clavulânico
  • 45. Antimicrobianos Cefalosporina de 1ª Geração Cefadroxil Cefalexina Cefalotina Cefazolina Cefalosporinas de 2ª Geração Cefaclor Cefoxitina Cefuroxima 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 45
  • 46. Antimicrobianos Cefalosporinas de 3ª Geração CefetametPivoxil Cefodizima Cefotaxima Cefpodoxima Ceftazidima Ceftriaxona Cefaloxporinas de 4ª Geração Cefepima Cefpiroma 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 46
  • 47. Antimicrobianos Monobactâmicos Aztreonam Carbapenêmicos Imipenem-Cilastina Meropenem Aminoglicosídeos Amicacina Arbecacina Espectinomicina Estreptomicina Gentamicina Neomicina Netilmicina Tobramicina 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 47
  • 48. Antimicrobianos Macrolídeos Azitromicina Claritromicina Diritromicina Eritromicina Espiramicina Miocamicina Roxitromicina 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 48
  • 49. Antimicrobianos Estreptograminas Pristinamicina Quinupristina-Dalfopristina Oxazolidinonas Linezolida 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 49
  • 50. Antimicrobianos Quinolonas Ciprofloxacina Gatifloxacina Levofloxacina Lomefloxacina Moxifloxacina Norfloxacina Ofloxacina Pefloxacina Ácido Nalidíxico Ácido Oxolínico Ácido Pipemídico 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 50
  • 51. Antimicrobianos Tetraciclinas Doxicilina Minociclina Oxitetraciclina Tetraciclina Sulfonamidas Sulfadiazina Sulfadoxina Sulfametoxazol-Trimetroprim 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 51
  • 52. Antimicrobianos Fluorquinolonas Ciprofloxacina Glicopeptídeos Teicoplanina Vancomicina Lincosamidas Clindamicina Anfenicóis Cloranfenicol Outros Metronidazol Secnidazol Nitrofurantoína 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 52
  • 53. Amicacina Amicacina 100 mg/2 mL Dose: Adulto e criança 15 a 20 mg/kg/dia de 12/12 ou de 24/24 horas; Diluição: IM: usar até 250mg ou 5mL de amicacina; EV: Diluir em SF 0,9% ou SG 5,0% para se ter Concentração de 5,0 mg/mL; Divida a dose calculada por 5 = Volume a ser realizado de Soro; 13kg a 15mg/kg/dia = 195mg = 3,9mL de amicacina que serão diluídos em 39mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 24 em 24 horas; Amicacina 100mg -------------------------------3,9mL SF 0,9% --------------------------------------------39mL Fazer EV, 14 gotas/minuto (30minutos) de 24/24 horas 78kg a 15mg/kg/dia = 1.170mg = 23,4mL de amicacina que serão diluídos em 234mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 24 em 24 horas; Amicacina 100mg ---------------------------- 23,4 mL SF 0,9% -----------------------------------------234 mL Fazer EV, 60 gotas/minuto (90 minutos) de 24/24 horas Infundir em 30 a 120 minutos; 25/02/2011 53 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 54. Ampicilina Ampicilina 500 mg e 1g Dose: EV: 100 a 200mg/kg/dia de 6/6 horas; Infecções Graves: até 12g por dia divididos de 4 em 4 horas ou de 6 em 6 horas; Diluição: IM: 500mg diluir pra 2 mL de ABD; 1.000mg diluir pra 3 mL de ABD EV: Pode ser feito EV LENTO com diluições em ABD: Até 500mg – DILUIR em 20mL de ABD; Acima de 500mg obter Concentração de 30,0 mg/mL para diluição em soro; Divida a dose calculada por 30 = Volume de SF 0,9% ou SG 5,0% a ser realizado para diluição; Exemplos: 13kg a 50mg/kg/dia = 650mg de ampicilina por dia, divididos em quatro doses = 162,5mg, para se feito EV LENTO na diluição padrão em 20 mL de ABD = ; Ampicilina 500mg ---------------------------- 1 fr.a. ABD ---------------------------------------------- 20 mL Fazer 6,5mL EV LENTO de 6/6 horas 78kg a 100mg/kg/dia = 7.800mg de ampicilina por dia, dividido em quatro doses = 1.950mg, divididos por 30 = 65 mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 6 em 6 horas; Ampicilina 1.000mg ---------------------------- 2 fr.a. SF 0,9% ou SG 5,0%------------------------------ 65 mL Fazer EV, 60 gotas/minuto (20 minutos) de 6/6 horas 25/02/2011 54 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 55. Ampicilina - Sulbactam Apresentações: Ampicilina 1.000 mg + Sulbactam 500mg Ampicilina 2.000 mg + Sulbactam 1.000mg Dose: Adultos: 1,5 a 3,0 g EV de 6/6 horas; Crianças: 100 a 150 mg/kg/dia EV de 6/6 horas; Diluição: EV: obter Concentração de 30,0 mg/mL para diluição em soro; Divida a dose calculada por 30 = Volume de SF 0,9% a ser realizado para diluição; Exemplos: 13kg a 100mg/kg/dia = 1.300mg de ampicilina+sulbactam por dia, divididos em quatro doses = 325mg; Ampicilina 1g + Sulbactam 500mg --------------------- 1 fr.a. ABD ---------------------------------------------- 20 mL Fazer 6,5mL EV LENTO de 6/6 horas 78kg a 100mg/kg/dia = 7.800mg de ampicilina por dia, dividido em quatro doses = 1.950mg, divididos por 30 = 65 mL de SF 0,9% ou SG 5,0% para correr de 6 em 6 horas; Ampicilina 1.000mg ---------------------------- 2 fr.a. SF 0,9% ou SG 5,0%------------------------------ 65 mL Fazer EV, 60 gotas/minuto (20 minutos) de 6/6 horas 25/02/2011 55 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 56. Cefazolina Cefazolina 1g Dose máxima 6g/dia Doses usuais: 0,5g a 1,5 g de 6 em 6 horas Crianças: Até 1 semana: 15 a 20 mg/kg de 12 em 12 horas; De 1 a 4 semanas: 15 a 20 mg/kg de 8 em 8 horas; > 4 semanas: 8 a 25 mg/kg a cada 6 ou 8 horas; Modo de usar: IM: diluir em 2 a 4 mL de ABD ou SF 0,9% EV: Pode-se diluir em 5 a 10 mL de ABD pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 a 20 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 56
  • 57. Cefotaxima Cefotaxima 1g 1 a 2 g, IV ou IM, a cada 6 ou 8 horas; Pacientes graves: 2g até de 4 em 4 horas; Crianças: Até 1 semana: 25 a 50 mg/kg de 12 em 12 horas; De 1 a 4 semanas: 25 a 50 mg/kg de 8 em 8 horas; > 4 semanas: 50 a 180 mg/kg ao dia a cada 4 ou 6 horas; Modo de usar: IM: diluir em 2 a 3 mL de ABD; EV: Pode-se diluir em 10 mL de ABD pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 57
  • 58. Ceftazidima Ceftazidima 1g Dose Máxima: No idoso: dose máxima 3g/dia Adulto e Criança: 6g/dia Doses usuais: 0,5g a 2g de 8 em 8 ou 12 em 12 horas Crianças: 60 a 100 mg/kg a cada 8 ou 12 horas; Modo de usar: IM: diluir em 3 mL de ABD, máximo até 1g; EV: Pode-se diluir em 10 mL de ABD, SF 0,9% ou SG 5,0% pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 30mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 58
  • 59. Ceftriaxona Ceftriaxona 1g Dose máxima 4g/dia Doses usuais: 0,5g a 2g de 12 em 12 ou 24 em 24 horas Crianças: Até 1 semana: evitar uso>> desloca bilirrubina dos sítios de ligação com albumina; De 1 a 4 semanas: 50 a 750 mg/kg de 24 em 24 horas; > 4 semanas: 50 a 100 mg/kg a cada 12 ou 24 horas; Modo de usar: IM: diluir em 1 a 4 mL de ABD ou SF 0,9% EV: Pode-se diluir em 2,5 a 10 mL de ABD, SF 0,9% ou SG 5,0% pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 a 40 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 59
  • 60. Cefepime Cefepima – fr.a. de 500, 1.000 e 2.000 mg Dose máxima 6g/dia Doses usuais: 1 a 2g de 12 em 12 horas Infecções graves: 2g de 8 em 8 horas Crianças: 100 a 150 mg/kg/dia a cada 8 ou 12 horas; Modo de usar: IM: diluir em 1,5 a 10 mL de ABD ou SF 0,9% EV: Pode-se diluir em 5 a 10 mL de ABD, SF 0,9% pra infusão direta; Ou Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de até 40 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 60
  • 61. Imipenem - Cilastina Imipenem – Cilastina – fr.a. com 500mg de cada; Dose máxima 50mg/kg/dia Doses usuais: 0,5 a 1g de 6 em 6 horas Crianças: 60 a 100 mg/kg/dia a cada 6 horas – dose máxima de 4g/dia; Modo de usar: IM: diluir em 2 mL de ABD; EV: Infusão direta: NÃO DEVE SER USADO; Solução com SF 0,9% ou SG 5,0% com concentração final de 5 mg/mL, infusão deve ser feita de 20 a 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 61
  • 62. Meropenem Meropenem – fr.a. de 500mg e 1g Doses usuais: 0,5 a 1g a cada 6 ou 8 horas Crianças: 60 mg/kg/dia a cada 8 horas; Meningite: 120 mg/kg/dia a cada 8 horas; Modo de usar: IM: diluir em 2 mL de ABD; EV: Infusão direta: 10 a 20 mL de ABD; Solução com SF 0,9% ou SG 5,0% com concentração final de 1 a 20 mg/mL, infusão deve ser feita de 15 a 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 62
  • 63. Ciprofloxacino Ciprofloxacino 200mg em 100mL (2 mg/mL) Existem também comprimidos de 250 e 500 mg Doses Usuais: 400 a 500 mg EV de 12 em 12 horas Infecções graves: 500 mg de 8 em 8 horas Adultos: 400 mg EV a cada 8 ou 12 horas Crianças: De 1 a 6 anos: 30 a 45 mg/kg/dia a cada 8 horas, para uso EV 30 a 60 mg/kg/dia a cada 8 ou 12 horas, para uso VO Nas outras faixas etárias: 20 a 30 mg/kg/dia a cada 12 horas (VO ou EV) 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 63
  • 64. Claritromicina Claritromicina 1g Doses usuais: 250 mg a 500mg de 12 em 12 horas; Crianças: > 4 semanas: 15 mg/kg/dia a cada 12 horas; Modo de usar: IM: NÃO DEVE SER FEITO EV: infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 4 a 10 mg/mL, infusão deve ser feita em 60 minutos; 25/02/2011 64 Ricardo do Nascimento Rodrigues
  • 65. Clindamicina Clindamicina 600 mg/4mL = 150mg/mL Dose máxima 4g/dia Doses usuais: 1,8g a 2,7g EV divididos a cada 6 ou 8 horas; Crianças: 15 a 40 mg/kg/dia divididos a cada 6 ou 8 horas; Modo de usar: IM: NÃO DEVE SER FEITO EV: Infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 6 a 12 mg/mL, infusão deve ser feita em 10 a 60 minutos a uma velocidade não superior a 30 mg/minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 65
  • 66. Vancomicina Vancomicina Doses Usuais: 500 mg EV 6/6 horas 1.000 mg EV 12/12 horas Crianças: 15 mg/kg de 6/6 horas; Modo de usar: IM: NÃO PODE SER REALIZADO EV: Infusão direta: Reconstituir 500 mg em 10 mL de ABD Solução: Diluir em SF 0,9% ou SG 5,0%, para se ter concentração entre 2,5 e 5,0 mg/mL, infundir em 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 66
  • 67. Gentamicina Gentamicina Ampola 40mg – 1 mL Ampola 80 mg – 2 mL Doses usuais: 3 a 7 mg/kg/dia divididos de 8 em 8 horas ou dose única diária; Modo de usar: IM: sem diluição EV: Infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 mg/mL, infusão deve ser feita em 30 a 120 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 67
  • 68. Oxacilina Oxacilina 500mg Doses usuais: 4 a 12g/dia EV divididos a cada 4 ou 6 horas; Crianças: 100 a 200 mg/kg/dia divididos a cada 4 ou 6 horas; Modo de usar: IM: Reconstituir 500mg em 3 mL de ABD ou SF 0,9% EV: Infusão direta: Para cada 500mg usar 5mL de ABD ou SF 0,9% Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 10 a 50 mg/mL, infusão deve ser feita em 15 a 30 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 68
  • 69. Sulfametoxazol-Trimetroprim Sulfametoxazol-Trimetroprim(80 e 40mg)/5mL Doses usuais: 800 mg de SMZ+ 160 mg de TMP VO ou EV de 12 em 12 horas; Crianças: 40mg/kg/dia de sulfametoxazol a cada 12 horas; Modo de usar: IM: NÃO DEVE SER FEITO EV: infusão direta: NÃO DEVE SER FEITO Solução com SF 0,9%, ou SG 5,0% com concentração final de 2,3 a 5,3 mg/mL de sulfametoxazol, infusão deve ser feita de 30 a 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 69
  • 70. Metronidazol Metronidazol 500 mg/100 mL Doses usuais: 7,5 mg/kg a cada 6 ou 8 horas; Crianças: = adulto Modo de usar: EV: concentração final de 5,0mg/mL deve ser feita de 30 a 60 minutos; 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 70
  • 71. Gotas / Minuto Fórmula: Nº de gotas/minuto = Volume/(tempo em horas x 3) Para Micro-gotas, basta dividir o número de gotas por minuto pro três 25/02/2011 Ricardo do Nascimento Rodrigues 71