SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. MsC. Tiago Sampaio
PPG Farmacologia – UFC
Fortaleza, setembro de 2016
Introdução – SNC e
Neurotransmissores
 Fármacos – Modulação de Neurotransmissores
 Fisiologia das Sinapses
Distúrbios nos neurotransmissores
 Bases da Neuropsiquiatria
 Doenças e Homeostasia
Depressão: Serotonina
Convulsão: GABA
Parkinson: Dopamina
Esquizofrenia: Glutamato
A respeito dos neurotransmissores, marque a alternativa
correta:
a) Os neurotransmissores são substâncias químicas que
atuam na transmissão do impulso nervoso.
b) Os neurotransmissores estão relacionados com a
transmissão do impulso nervoso, sendo encontrados por
toda a extensão do axônio, permanecendo no interior da
célula.
c) Os neurotransmissores irão se ligar na membrana da
célula vizinha, chamada de membrana pré-sináptica.
d) Os neurotransmissores são encontrados livremente no
meio extracelular, estando disponíveis para a utilização
pelos neurônios a qualquer momento.
Sistema Nervoso Autônomo
: Porção eferente (motora)
Fibras Pré-ganglionares (Craniossacral)
(Toracolombar)
Simpático x Parassimpático
 Designações anatômicas (não substâncias efetoras)
 Também funcionais
Fármacos ativadores dos colinorreceptores
e inibidores da acetilcolinesterase
Colinomiméticos
Receptores Nicotínicos e
Muscarínicos de ACh
Ação Principalmente
Muscarínica
Ação Principalmente
Nicotínica
Muscarina
Pilocarpina
Nicotina
Lobelina
- Miose
- Acomodação
- Fluxo de humor
aquoso
- Hipotensão
Colinomiméticos de ação indireta:
Inibidores da ACh
 Carbamatos: Amônio quaternário
(Neostigmina e Fisostigmina)
 Organofosforados: Malation, Paration
(Irreversíveis – Envelhecimento: Pralidoxima)
Pralidoxima
Reativador ChE
Afinidade NOH-P
Não Envelhecida
A miastenia gravis acomete:
a) O nervo periférico, afetando raramente a
musculatura ocular extrínseca.
b) A junção neuromuscular, podendo levar à fraqueza
muscular flutuante.
c) O sistema nervoso central, ocasionando alterações
difusas na sensibilidade superficial.
d) O neurônio motor inferior, levando à síndrome
piramidal.
e) A circulação cerebral, originando déficits
neurológicos focais, tais como afasias ou hemiplegias.
nAChR: (Neostigmina e Fisostigmina)
A medida de inibição da colinesterase é empregada para o
reconhecimento da exposição/intoxicação a inseticidas:
a)organometálicos.
b)carbamatos.
c) organoclorados.
d)cipermetrinas.
e)orgânicos em geral.
A salivação e sudorese intensas, miose e bradicardia são
sinais encontrados em intoxicação por:
a)inseticidas organofosforados.
b)inseticidas organoclorados.
c) piretróides.
d)inseticidas mercuriais.
e)solventes orgânicos dos inseticidas.
Os agonistas muscarínicos são usados atualmente na
oftalmologia como fármacos mióticos e para o
tratamento do glaucoma. São agonistas muscarínicos
indicados no tratamento do glaucoma:
a) carbacol e pilocarpina.
b) fisiostigmina e pilocarpina.
c) atropina e eserina.
d) carbacol e eserina.
e) fisiostigmina e carbacol.
Bloqueadores do colinorreceptor
 Anticolinérgicos, Parassimpatolíticos ou Antimuscarínicos
 Seletividade Nicotínica e Muscarínica
Ácido Trópico – Aminas Terciárias
Bloqueio Reversível não Seletivo!!!Efeitos centrais
Diante de um suposto quadro de intoxicação moderada com
manifestações muscarínicas importantes por organofosforado, um
farmacêutico poderia sugerir a seguinte abordagem terapêutica:
a) associar administração de sulfato de atropina, para diminuir a
síndrome colinérgica, e pralidoxima, para promover a reversão do
bloqueio da acetilcolinesterase.
b) aplicar suporte ventilatório e uso de carvão ativado, para garantir
a oxigenação necessária e diminuir a absorção intestinal do
agente toxicante.
c) controlar a qualidade da ventilação pulmonar para preservar o
fornecimento de oxigenação adequada e aplicar sulfato de
atropina para estimular os receptores muscarínicos.
d) utilizar terapia única com a pralidoxima que, apesar de não ser
efetiva sobre a colinesterase carbamila, é bastante eficaz sobre a
colinesterase fosforada.
e) aplicar atropinização, sem a associação da pralidoxima,
considerando que não há necessidade do reversor de
colinesterase, pois se trata de uma inibição naturalmente
reversível.
A atropina e a escopolamina bloqueiam todos os efeitos
da acetilcolina, EXCETO
a) bradicardia.
b) secreção salivar.
c) miose.
d) broncoconstricção.
e) contração da musculatura esquelética.
M2 – Nodo sinoatrial – Diminui Frequência Cardíaca
Efeitos Específicos em
sistemas orgânicos
Ipratrópio
Asma e DPOC
Sobre os fármacos anticolinérgicos e seu uso clínico, é
INCORRETO afirmar:
a) A atropina promove antagonismo competitivo em
receptores muscarínicos.
b) O ipatrópio exerce ação em receptores nicotínicos
dos brônquios, causando broncodilatação.
c) Escopolamina e homatropina são anticolinérgicos
utilizados no tratamento de cólicas.
d) Antagonistas de receptores nicotínicos musculares
são utilizados como pré-anestésicos.
Os antagonistas muscarínicos têm sido usados no
tratamento de vários distúrbios clínicos, principalmente
para inibir os efeitos do parassimpático nos tratos
respiratório, urinário, gastrintestinal, nos olhos e
coração. São exemplos de compostos de amônio
quaternário, usados exclusivamente por seus efeitos no
trato respiratório:
a) atropina e ipatrópio.
b) ipatrópio e tiotrópio.
c) atropina e pirenzepina.
d) betanecol e escopolamina.
e) homatropina e tiotrópio.
Em relação à toxina botulínica:
a) inativa a transmissão sináptica em gânglios simpático
e parassimpático, mas não impede a transmissão na
jun- ção neuromuscular esquelética.
b) altera a função do sistema nervoso autônomo ao inibir
a atividade da colinesterase.
c) impede a recaptação de noradrenalina, prevalecendo,
conseqüentemente, ações simpáticas em vários
órgãos.
d) impede a transmissão nervosa neuromuscular, mas
não altera o sistema parassimpático, apenas o sistema
simpático.
e) impede a exocitose de vesículas sinápticas em
terminações sinápticas que liberam acetilcolina na
periferia.
Tubocurarina - Curare
Ativadores do Adrenorreceptor e
outros simpaticomiméticos
Hormônio: Adrenais
Terminais nervosos
Receptores Adrenérgicos
Fármacos: Efeito receptor-dependente (agonismo/ antagonismo)
Faça a correta associação entre os medicamentos e suas
respectivas classes terapêuticas.
I Agonista adrenérgico intravenoso.
II Anestésico geral.
III Antagonista adrenérgico intravenoso.
IV Antiarrítmico intravenoso.
V Antitrombótico.
1. varfarina.
2. propofol.
3. amiodarona.
4. propanolol.
5. epinefrina.
a) 1-I, 2-II, 3-III, 4-IV, 5-V.
b) 1-V, 2-II, 3-IV, 4-I, 5-III.
c) 1-IV, 2-II, 3-V, 4-III, 5-I.
d) 1-V, 2-II, 3-IV, 4-III, 5-I.
e) 1-V, 2-IV, 3-III, 4-II, 5-I.
Epinefrina - Agonista
Inotrópica e
Cronotrópica +:
Aumento da PA (β1)
Vasoconstricção
vascular (α)
Diminuição da RVP
– músculos e veias
(β2)
Fenilefrina – Agonista α
 Não derivado de catecol
 Midriático e descongestionante
 Eleva PA
 COMT - Catecolaminas
Anfetaminas – Simpaticomiméticos de
ação indireta
Liberação de
catecolaminas
(Estímulo)
Inibe a recaptação
(Bloqueio)
De que maneira o mecanismo de ação das anfetaminas
relaciona-se com os sintomas clínicos da esquizofrenia?
a) As anfetaminas deslocam a dopamina das vesículas pré-
sinápticas e causam estimulação do SNC.
b) As anfetaminas bloqueiam a ação da dopamina no
sistema mesocortical e causam embotamento do afeto.
c) As anfetaminas exercem um efeito agonista direto sobre
os neurônios dopaminérgicos na área postrema e causam
alucinações.
d) As anfetaminas impedem a liberação da dopamina nos
neurônios pré-sinápticos no sistema mesolímbico e
causam sintomas esquizofreniformes paranóides.
e) As anfetaminas possuem atividade inibitória da
monoamina oxidase (MAO), causando aumento da
concentração de tiro- sina, que resulta em delírios
paranóides.
Bloqueio adrenérgico
 Feocromocitoma Metirosina
Sistema Circulatório
Outros tipos de neurotransmissores
Receptores GABA-érgicos
 GABA: Ácido gama-aminobutírico
 Aminoácido
 Neurotransmissor INIBITÓRIO
GABA – INIBITÓRIO: Uso clínico
Ansiedade
Convulsão/
Epilepsia
Abstinência,
Esquizofrenia,
etc...
Receptor GABA-érgico
Na-K-ATP-ase
Cl-
Cl- Cl-
Cl-
Cl-
Cl-
Ligação alostérica
Receptor GABAa: Ionotrópico
Fármacos Anticonvulsivantes
 EPILEPSIA: Distúrbio crônico caracterizado por
CONVULSÕES recorrentes
 1% população mundial
 Descarga anormal de neurônios cerebrais –
Despolarização anômala
 Multifatorial e difusa: Diversos fármacos
 Três Mecanismos
1) Aumento da transmissão GABA-érgica
2) Inibição Glutamatérgica
3) Modificação de condutâncias Iônicas
Fármacos Anticonvulsivantes
Crises convulsivas
 Perda da
consciência
a) Simples
b) Complexa
Crise de ausência Tônico-clônica
Convulsões parciais e tônico-clônicas
 Fenitoína
1. VOC
2. GLU
3. Ca++
4. GABA
Fenitoína
 85-90% ligada a proteínas – sofre deslocamento
 Meia-vida: 20 horas
 Indutor enzimático: CYP450
Fenda palatina
A Fenitoína está comumente associada a quais dos
efeitos colaterais abaixo?
a) Acne, cefaléia, gengivite hiperplásica.
b) Diarréia, hirsutismo, taquicardia.
c) Hirsutismo, acne, gengivite hiperplásica.
d) Amnésia, coréia, labilidade emocional.
e) Cefaléia, gengivite hiperplásica, hiperatividade.
Carbamazepina
 Tricíclico: Transt. Bipolar
 Neuragia do trigêmeo
 Mecanismo semelhante à Fenitoína
 Indutor enzimático forte
 Hiponatremia
 “Intoxicação por água”
 Oxcarbamazepina (hidroxi-)
O anticonvulsivante que apresenta maior eficácia na
depressão bipolar é
a) gabapendina.
b) lamotrigina.
c) carbamazepina.
d) valproato.
e) topiramato.
Fenobarbital
Considerando que um paciente faz uso de warfarina 10mg por dia e que o
referido medicamento possui taxa de ligação à proteína plasmática de 991,
ele passa a fazer uso de fenobarbital de 100mg ao dia. O fenobarbital
desloca a warfarina da ligação à proteína plasmática. Desta forma,
assinale a alternativa que apresenta a correta interação medicamentosa.
A.A warfarina é um medicamento que tem afinidade pelo fenobarbital,
por isso ocorre o deslocamento, causando convulsões no paciente.
B.Com o deslocamento da warfarina das proteínas plasmáticas, o
fenobarbital vai aumentar a concentração plasmática causando
convulsões ao paciente.
C.Com o deslocamento da warfarina das proteínas plasmáticas pelo
fernobarbital, o paciente pode ter uma hemorragia devido ao aumento de
warfarina livre.
D.O uso constante de warfarina e fenobarbital pode ocasionar hemorragia
devido a quantidades livres de fenobarbital no plasma.
Ácido Valpróico/ Valproato
 Solvente farmacotécnico
 Forma ativa ionizada
↑
 Aumenta GABA
 Correntes de Na+
 Bloqueio NMDA
 Anticonvulsivantes: Benzodiazepínicos
 Sedativo = Ansiolíticos/ Hipnóticos = Sono (Dose?)
Fármacos sedativo-hipnóticos
Benzodiazepínicos
 Seletividade GABA: “Platô”
 Frequência e duração da abertura de canais
a) Redução de ansiedade e agressividade
b) Indução do sono e sedação
c) Redução do tônus muscular e coordenação: Medula
d) Amnésia anterógrada
Os efeitos adversos e toxicidade dos benzodiazepinicos:
a) sedação, sonolência, cansaço e diminuição da atenção;
b) associação com o álcool, prejudicam os reflexos,
especialmente para estímulos do campo visual;
c) podem ocorrer ganho de peso, erupções cutâneas,
prejuízo da função sexual, irregularidades menstruais e
anormalidades sangüíneas;
d) os BDZ têm alta margem de segurança, uma vez que
não provocam depressão respiratória acentuada;
e) todas estão corretas
Outras indicações clínicas dos
benzodiazepínicos:
a) hipnóticos e medicação pré-anestésica;
b) antiepilépticos e relaxantes musculares no
tétano;
c) espasticidade e relaxantes musculares;
d) tratamento da síndrome de abstinência de
álcool;
e) todas estão corretas.
No tratamento das intoxicações agudas pelos agentes
acetaminofen, benzodiazepínicos, betabloqueadores e
organofosforados podem ser indicadas as medicações
específicas, respectivamente:
a) n-acetilcisteína, pralidoxima, flumazenil e glucagon.
b) pralidoxima, flumazenil, glucagon e n-acetilcisteína.
c) n-acetilcisteína, glucagon, flumazenil e pralidoxima.
d) n-acetilcisteína, flumazenil, glucagon e pralidoxima.
e) glucagon, flumazenil, n-acetilcisteína e paralidoxima.
A intoxicação por medicamentos tem sido um problema
geral de saúde. De acordo com a farmacologia, dos
principais agentes envolvidos nas intoxicações
medicamentosas encontram-se os benzodiazepínicos e
opiáceos. O agente e seu correto antagonista estão
indicados em:
a) Opioide – flumazenil.
b) Benzodiazepínico – naloxone.
c) Benzodiazepínico – flumazenil.
d) Opioide – bloqueador de canal de Ca.
“O flumazenil atua como antagonista competitivo dos receptores de
benzodiazepínicos, mas não antagoniza os efeitos do etanol, opioides ou
anestésicos gerais (barbitúricos) sobre o sistema nervoso central.”
Agentes antidepressivos
 Distúrbios afetivos: Depressão, Mania e Transtorno
Bipolar
 Teoria das monoaminas (1965): NE e 5-HT
Mecanismos neuroendócrinos
Teste de supressão com
dexametasona
Fármacos antidepressivos
1) Antidepressivos Tricíclicos
Fármacos antidepressivos
2) Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina
(ISRS): Fluoxetina, Sertralina; paroxetina; citalopram
3) Inibidores mais recentes: Venlafaxina, duloxetina...
4) Inibidores do receptor de monoamina: Mirtazapina
5) Inibidores da monoamino-oxidase (iMAO):
Inibidores da
monoamino-oxidase
 Fenelzina, tranilcipromina
 MAO-a: Seletividade
 MAO-b: Dopamina
(Parkinson – selegilina)
 Tiramina: Reação ao queijo
(cefaléia, hipertensão...)
 Efedrina e simpatomiméticos
Farmacologia Clínica dos
Antidepressivos
 Questionamento comum!!
 Em relação ao uso dos antidepressivos
Inibidores Seletivos da Recaptação de
Serotonina, por que as alterações
neuroquímicas acontecem antes mesmo que
ocorram as alterações comportamentais?
Dessensibilization
5HT1A 5HT1B
Os fármacos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS)
configuram a classe de antidepressivos mais comumente prescrita
na atualidade. A respeito da farmacologia dessa classe, assinale a
alternativa correta.
a) A administração de linezolida, um antimicrobiano capaz de inibir
a monoamino-oxidase, pode causar a síndrome serotoninérgica
em usuários de ISRS.
b) A inibição da recaptação de serotonina ocorre, seletivamente, em
transportadores neuronais pós-sinápticos.
c) O efeito anorexígeno existente com o uso desses antidepressivos
decorre da inibição seletiva da recaptação de serotonina
especificamente no hipocampo.
d) A serotonina acumulada em decorrência da inibição da
recaptação promove maior estimulação de receptores pós-
sinápticos, corrigindo os sintomas de depressão sem que haja
readaptação neuronal.
e) Os fármacos ISRS não afetam a agregação plaquetária.
Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como, por
exemplo, a fluoxetina, a paroxetina e a sertralina, são drogas bastante usadas
em vários transtornos mentais. Com relação aos inibidores de recaptação da
serotonina, considere as seguintes afirmativas:
I. Os ISRS têm eficácia similar às demais drogas utilizadas para
reverter um quadro depressivo.
II. O tempo de latência entre o início da ingesta da medicação (ISRS) e
os primeiros sintomas e sinais da melhora do paciente é semelhante ao de
outras drogas utilizadas no tratamento da depressão (2 a 4 semanas).
III. Os ISRS se mostram como de maior segurança nas intoxicações se
comparados com os tricíclicos.
IV. Os ISRS não apresentam efeitos colaterais.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
e) Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras
Os antidepressivos tricíclicos são medicamentos comumente
utilizados no tratamento da depressão em pacientes idosos.
Assinale a alternativa correta acerca dessa classe farmacológica.
A.Os efeitos antidepressivos mediados pelos fármacos tricíclicos
devem-se à inibição seletiva da recaptação neuronal de
serotonina.
B.Reações adversas ocasionadas pelos antidepressivos tricíclicos,
como sedação, xerostomia e hipotensão ortostática, devem-se ao
antagonismo inespecífico, respectivamente, de receptores
histaminérgicos, alfa-adrenérgicos e muscarínicos.
C.Ao antagonizarem os receptores alfa1-adrenérgicos, os
antidepressivos tricíclicos potencializam os efeitos hipertensores
provocados pelos anti-inflamatórios não-esteroidais.
D.Os fármacos antidepressivos tricíclicos são também usados no
controle da dor neuropática (periférica e diabética) por um
mecanismo de ação ainda desconhecido.
E.Os antidepressivos tricíclicos são considerados seguros, pois
possuem ampla faixa terapêutica, razão pela qual são escolhidos
para o tratamento de pacientes idosos.
Entre as hipóteses da depressão podemos considerar que:
a) É um aumento da transmissão noradrenérgica;
b) Deficiência das monoaminas (Ne, 5HT, etc.) por
hipersensibilidade dos receptores;
c) Hiperatividade gabaérgica;
d) Deficiência de dopamina;
e) NRA
Os antidepressivos tricíclicos e IMAO possuem em
comum a seguinte característica:
a) Bloqueio de recaptação das monoaminas;
b) Aumento das monoaminas nas sinapses;
c) Produção de hipotensão ortostática no início de
tratamento;
d) Início do tratamento com doses altas;
Por que os pacientes fazendo uso dos IMAOs devem
restringir alimentos como derivados do leite?
a) Porque esses alimentos possuem tiramina que é
precursora de noradrenalina;
b) Para evitar uma crise hipertensiva;
c) Porque essa interação aumenta a atividade
adrenérgica;
d) Todas as alternativas anteriores estão corretas;
e) N.D.A.
Quanto ao efeito de dessensibilização que ocorre
quando utilizamos antidepressivos, é correto
afirmar:
a) É responsável pelo início de ação dos
antidepressivos;
b) Enquanto não ocorrer esse efeito percebe-se
efeitos colaterais mais intensos;
c) Até ocorrer esse efeito devemos administrar os
antidepressivos em baixa dosagem;
d) Todas as alternativas anteriores estão corretas;
e) N.D.A.
Doenças Neurodegenerativas
 Neurônios: Baixa plasticidade de células e axônios
 Proteínas com erro em dobramentos (estrutura quaternária)
 Excitotoxicidade
a) Doença de Alzheimer
b) Doença de Parkinson
c) Lesão Cerebral Isquêmica (AVC)
Necrose – Morte celular
Neurônio Vacuolização LiseSobrecarga de Ca++
Extravasamento
adjacente
Inflamação
crônica
Excitotoxicidade: Glutamato –
vilão ou mocinho?
 Glutamato: Neurotransmissor excitatório (potenciação
de longa duração)
 Aprendizado e memória
 Receptores NMDA (N-metil D-Aspartato): Ionotrópico
 Entrada de cátions Na+ e Ca++: Hiperdespolarização
 Mitocôndrias: “Ralos capacitores”
 Tratamento: Neuroprotetores
 Isquemia e bloqueio de NMDA (Glutamato)
Após uma lesão traumática ou um acidente vascular
encefálico, neurônios privados de oxigênio por período
prolongado morrem e não se regeneram. Nesses casos, os
danos ocorrem por afetarem diretamente neurônios e pela
excitotoxicidade. A excitotoxicidade é causada pela
liberação excessiva do neurotransmissor
a) dopamima.
b) acetilcolina.
c) glutamato.
d) adrenalina.
e) serotonina.
Doença de Alzheimer
 Encolhimento e Perda Neuronal
 Neurônios Colinérgicos
 Hipocampo
 Peptídeo B-amilóide
 Processamento alterado
 Gene no cromossomo 21
 Processo inflamatório
crônico
 Perda de neurônios
colinérgicos
Fármacos utilizados
 Tacrina, rivastigmina, donepezila: Inibem AChE
 Memantina: Bloqueia receptores NMDA (não
usado na prevenção)
A memantina, indicada na doença de Alzheimer
moderada a grave, é um medicamento cujo principal
mecanismo é agir como
a) modulador dos canais de cálcio.
b) modulador dos receptores colinérgicos nicotínicos.
c) agonista muscarínico.
d) antagonista dos receptores de glutamato.
e) inibidor da butiril colinesterase.
Em relação à Rivastigmina, considere:
I. É um carbamato pseudo-irreversivel.
II. Com ação predominando na BuChE sobre a AChE.
III. É administrada em tomada única diária, via oral.
IV. Apresentação alternativa via transdérmica (patch).
V. Dose inicial de 8 mg/dia, com dose máxima de 24
mg/dia.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) IV e V.
b) II e III.
c) I e IV.
d) II e V.
e) III e IV.
Os fármacos conhecidos como Neostignina,
Rivastigmina, Galantamina e Donepezila apresentam
eficácia moderada e são os mais utilizados no
tratamento da doença atualmente. Marque a opção que
corresponde ao mecanismo de ação dos fármacos
citados.
a) Anticolinérgico;
b) Simpaticomimético;
c) Anticolinesterásico;
d) Simpaticolítico
e) Parassimpaticolítico .
Doença de Parkinson
 Hipocinesia: Movimentos voluntários;
 Tremor DE REPOUSO;
 Inércia de movimento;
 Rigidez muscular.
 Idiopática e/ou familiar
Tratamento?
 Ação da DOPAMINA:
Corpo estriado
Fármacos utilizados na Doença
de Parkinson
a) Agonistas da dopamina (pramipexol, bromocriptina)
b) Inibidores da MAO-B (selegilina)
c) Levodopa (em combinação com carbidopa e
entacapona – inibidores DOPA descarboxilase
periférica)
D2: Inibitórios
D1: Excitatórios
De acordo com o tratamento farmacológico do parkisionismo
podemos afirmar que todas estão corretas, exceto:
a) Os inibidores da MAO-B são indicados para evitar a
degradação intraneuronal da dopamina;
b) Os anticolinérgicos podem ser a droga de escolha para o
tratamento do parkisionismo produzido por
medicamentos ( neurolépticos – antagonistas de D2);
c) A associação de um inibidor da dopa-descarboxilase ao
precursor de dopamina diminui os efeitos colaterais
periféricos por evitar a degradação intraneuronal da l-
dopa;
d) A levodopa tem maior tendência a desencadear o
fenômeno liga-desliga quando comparada aos agonistas
dopaminérgicos (bromocriptina);
e) Os inibidores da MAO-B podem atuar como
neuroprotetores.
E atenção!
 Leia as questões cuidadosamente!
 Comece pela área de sua expertise
 “Chute consciente”
 Vença a ansiedade
Obrigado!
Boa sorte!
tiagosampaio91!@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides   Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides
Seliel Assuncao Ribeiro
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Jaqueline Almeida
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
Renato Santos
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 
8.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 28.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 2
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
Leonardo Souza
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioMedicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Leonardo Souza
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
Carlos D A Bersot
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E SimpaticoliticosSimpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
lidypvh
 
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressoresSlide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
Camila Magalhães
 

Mais procurados (20)

Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides   Farmacologia Opioides
Farmacologia Opioides
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Aula antihipertensivos
Aula  antihipertensivosAula  antihipertensivos
Aula antihipertensivos
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
8.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 28.2 antibióticos 2
8.2 antibióticos 2
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Medicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestórioMedicamentos que atuam no sistema digestório
Medicamentos que atuam no sistema digestório
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E SimpaticoliticosSimpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
 
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressoresSlide de antiflamatorio e imunossupressores
Slide de antiflamatorio e imunossupressores
 

Semelhante a Farmacologia snc

aula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdfaula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdf
YuriSambeni
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
DanielleBraga22
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Nathalya Brazil
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
PAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Aula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticosAula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticos
Suzane Amorim
 
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsiaFármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Cleonice Silva
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
Dalvânia Santos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
ProfYasminBlanco
 
Drogas e sinalização celular
Drogas e sinalização celular Drogas e sinalização celular
Drogas e sinalização celular
Daniela Trindade
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
Ricardo Augusto Tenfen Carneiro
 
Aula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolas
Adriana Madeira
 
Anfetaminas e Ecstase - Toxicologia
Anfetaminas e Ecstase - ToxicologiaAnfetaminas e Ecstase - Toxicologia
Anfetaminas e Ecstase - Toxicologia
Tamires Fernandes
 
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuroNeuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
psikarinaaiosa
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
Caio Maximino
 
Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1
Caio Maximino
 
Adrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicosAdrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicos
samaradd
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
CaioUrsine
 

Semelhante a Farmacologia snc (20)

aula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdfaula-4-sinapse-bio2022.pdf
aula-4-sinapse-bio2022.pdf
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
Aula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticosAula parassimpaticosmimeticos
Aula parassimpaticosmimeticos
 
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsiaFármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
 
Drogas e sinalização celular
Drogas e sinalização celular Drogas e sinalização celular
Drogas e sinalização celular
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
 
Aula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolasAula defensivos agricolas
Aula defensivos agricolas
 
Anfetaminas e Ecstase - Toxicologia
Anfetaminas e Ecstase - ToxicologiaAnfetaminas e Ecstase - Toxicologia
Anfetaminas e Ecstase - Toxicologia
 
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuroNeuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
Neuro@1987neuropsicologia#neuro#mapasneuro
 
Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1Aula 5 - Medicina 1
Aula 5 - Medicina 1
 
Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1Aula 3 Cf1
Aula 3 Cf1
 
Adrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicosAdrenergicos e antiadrenergicos
Adrenergicos e antiadrenergicos
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 

Último (9)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 

Farmacologia snc

  • 1. Prof. MsC. Tiago Sampaio PPG Farmacologia – UFC Fortaleza, setembro de 2016
  • 2. Introdução – SNC e Neurotransmissores  Fármacos – Modulação de Neurotransmissores  Fisiologia das Sinapses
  • 3. Distúrbios nos neurotransmissores  Bases da Neuropsiquiatria  Doenças e Homeostasia Depressão: Serotonina Convulsão: GABA Parkinson: Dopamina Esquizofrenia: Glutamato
  • 4. A respeito dos neurotransmissores, marque a alternativa correta: a) Os neurotransmissores são substâncias químicas que atuam na transmissão do impulso nervoso. b) Os neurotransmissores estão relacionados com a transmissão do impulso nervoso, sendo encontrados por toda a extensão do axônio, permanecendo no interior da célula. c) Os neurotransmissores irão se ligar na membrana da célula vizinha, chamada de membrana pré-sináptica. d) Os neurotransmissores são encontrados livremente no meio extracelular, estando disponíveis para a utilização pelos neurônios a qualquer momento.
  • 8. Simpático x Parassimpático  Designações anatômicas (não substâncias efetoras)  Também funcionais
  • 9.
  • 10. Fármacos ativadores dos colinorreceptores e inibidores da acetilcolinesterase Colinomiméticos
  • 13. Colinomiméticos de ação indireta: Inibidores da ACh  Carbamatos: Amônio quaternário (Neostigmina e Fisostigmina)  Organofosforados: Malation, Paration (Irreversíveis – Envelhecimento: Pralidoxima) Pralidoxima Reativador ChE Afinidade NOH-P Não Envelhecida
  • 14. A miastenia gravis acomete: a) O nervo periférico, afetando raramente a musculatura ocular extrínseca. b) A junção neuromuscular, podendo levar à fraqueza muscular flutuante. c) O sistema nervoso central, ocasionando alterações difusas na sensibilidade superficial. d) O neurônio motor inferior, levando à síndrome piramidal. e) A circulação cerebral, originando déficits neurológicos focais, tais como afasias ou hemiplegias.
  • 15. nAChR: (Neostigmina e Fisostigmina)
  • 16. A medida de inibição da colinesterase é empregada para o reconhecimento da exposição/intoxicação a inseticidas: a)organometálicos. b)carbamatos. c) organoclorados. d)cipermetrinas. e)orgânicos em geral. A salivação e sudorese intensas, miose e bradicardia são sinais encontrados em intoxicação por: a)inseticidas organofosforados. b)inseticidas organoclorados. c) piretróides. d)inseticidas mercuriais. e)solventes orgânicos dos inseticidas.
  • 17.
  • 18. Os agonistas muscarínicos são usados atualmente na oftalmologia como fármacos mióticos e para o tratamento do glaucoma. São agonistas muscarínicos indicados no tratamento do glaucoma: a) carbacol e pilocarpina. b) fisiostigmina e pilocarpina. c) atropina e eserina. d) carbacol e eserina. e) fisiostigmina e carbacol.
  • 19. Bloqueadores do colinorreceptor  Anticolinérgicos, Parassimpatolíticos ou Antimuscarínicos  Seletividade Nicotínica e Muscarínica
  • 20. Ácido Trópico – Aminas Terciárias Bloqueio Reversível não Seletivo!!!Efeitos centrais
  • 21.
  • 22. Diante de um suposto quadro de intoxicação moderada com manifestações muscarínicas importantes por organofosforado, um farmacêutico poderia sugerir a seguinte abordagem terapêutica: a) associar administração de sulfato de atropina, para diminuir a síndrome colinérgica, e pralidoxima, para promover a reversão do bloqueio da acetilcolinesterase. b) aplicar suporte ventilatório e uso de carvão ativado, para garantir a oxigenação necessária e diminuir a absorção intestinal do agente toxicante. c) controlar a qualidade da ventilação pulmonar para preservar o fornecimento de oxigenação adequada e aplicar sulfato de atropina para estimular os receptores muscarínicos. d) utilizar terapia única com a pralidoxima que, apesar de não ser efetiva sobre a colinesterase carbamila, é bastante eficaz sobre a colinesterase fosforada. e) aplicar atropinização, sem a associação da pralidoxima, considerando que não há necessidade do reversor de colinesterase, pois se trata de uma inibição naturalmente reversível.
  • 23. A atropina e a escopolamina bloqueiam todos os efeitos da acetilcolina, EXCETO a) bradicardia. b) secreção salivar. c) miose. d) broncoconstricção. e) contração da musculatura esquelética.
  • 24. M2 – Nodo sinoatrial – Diminui Frequência Cardíaca
  • 25. Efeitos Específicos em sistemas orgânicos Ipratrópio Asma e DPOC
  • 26. Sobre os fármacos anticolinérgicos e seu uso clínico, é INCORRETO afirmar: a) A atropina promove antagonismo competitivo em receptores muscarínicos. b) O ipatrópio exerce ação em receptores nicotínicos dos brônquios, causando broncodilatação. c) Escopolamina e homatropina são anticolinérgicos utilizados no tratamento de cólicas. d) Antagonistas de receptores nicotínicos musculares são utilizados como pré-anestésicos.
  • 27. Os antagonistas muscarínicos têm sido usados no tratamento de vários distúrbios clínicos, principalmente para inibir os efeitos do parassimpático nos tratos respiratório, urinário, gastrintestinal, nos olhos e coração. São exemplos de compostos de amônio quaternário, usados exclusivamente por seus efeitos no trato respiratório: a) atropina e ipatrópio. b) ipatrópio e tiotrópio. c) atropina e pirenzepina. d) betanecol e escopolamina. e) homatropina e tiotrópio.
  • 28. Em relação à toxina botulínica: a) inativa a transmissão sináptica em gânglios simpático e parassimpático, mas não impede a transmissão na jun- ção neuromuscular esquelética. b) altera a função do sistema nervoso autônomo ao inibir a atividade da colinesterase. c) impede a recaptação de noradrenalina, prevalecendo, conseqüentemente, ações simpáticas em vários órgãos. d) impede a transmissão nervosa neuromuscular, mas não altera o sistema parassimpático, apenas o sistema simpático. e) impede a exocitose de vesículas sinápticas em terminações sinápticas que liberam acetilcolina na periferia.
  • 30. Ativadores do Adrenorreceptor e outros simpaticomiméticos Hormônio: Adrenais Terminais nervosos
  • 31. Receptores Adrenérgicos Fármacos: Efeito receptor-dependente (agonismo/ antagonismo)
  • 32. Faça a correta associação entre os medicamentos e suas respectivas classes terapêuticas. I Agonista adrenérgico intravenoso. II Anestésico geral. III Antagonista adrenérgico intravenoso. IV Antiarrítmico intravenoso. V Antitrombótico. 1. varfarina. 2. propofol. 3. amiodarona. 4. propanolol. 5. epinefrina. a) 1-I, 2-II, 3-III, 4-IV, 5-V. b) 1-V, 2-II, 3-IV, 4-I, 5-III. c) 1-IV, 2-II, 3-V, 4-III, 5-I. d) 1-V, 2-II, 3-IV, 4-III, 5-I. e) 1-V, 2-IV, 3-III, 4-II, 5-I.
  • 33. Epinefrina - Agonista Inotrópica e Cronotrópica +: Aumento da PA (β1) Vasoconstricção vascular (α) Diminuição da RVP – músculos e veias (β2)
  • 34. Fenilefrina – Agonista α  Não derivado de catecol  Midriático e descongestionante  Eleva PA  COMT - Catecolaminas
  • 35. Anfetaminas – Simpaticomiméticos de ação indireta Liberação de catecolaminas (Estímulo) Inibe a recaptação (Bloqueio)
  • 36. De que maneira o mecanismo de ação das anfetaminas relaciona-se com os sintomas clínicos da esquizofrenia? a) As anfetaminas deslocam a dopamina das vesículas pré- sinápticas e causam estimulação do SNC. b) As anfetaminas bloqueiam a ação da dopamina no sistema mesocortical e causam embotamento do afeto. c) As anfetaminas exercem um efeito agonista direto sobre os neurônios dopaminérgicos na área postrema e causam alucinações. d) As anfetaminas impedem a liberação da dopamina nos neurônios pré-sinápticos no sistema mesolímbico e causam sintomas esquizofreniformes paranóides. e) As anfetaminas possuem atividade inibitória da monoamina oxidase (MAO), causando aumento da concentração de tiro- sina, que resulta em delírios paranóides.
  • 39. Outros tipos de neurotransmissores
  • 40. Receptores GABA-érgicos  GABA: Ácido gama-aminobutírico  Aminoácido  Neurotransmissor INIBITÓRIO
  • 41. GABA – INIBITÓRIO: Uso clínico Ansiedade Convulsão/ Epilepsia Abstinência, Esquizofrenia, etc...
  • 43.
  • 47. Fármacos Anticonvulsivantes  EPILEPSIA: Distúrbio crônico caracterizado por CONVULSÕES recorrentes  1% população mundial  Descarga anormal de neurônios cerebrais – Despolarização anômala  Multifatorial e difusa: Diversos fármacos
  • 48.  Três Mecanismos 1) Aumento da transmissão GABA-érgica 2) Inibição Glutamatérgica 3) Modificação de condutâncias Iônicas Fármacos Anticonvulsivantes
  • 49. Crises convulsivas  Perda da consciência a) Simples b) Complexa Crise de ausência Tônico-clônica
  • 50.
  • 51. Convulsões parciais e tônico-clônicas  Fenitoína 1. VOC 2. GLU 3. Ca++ 4. GABA
  • 52. Fenitoína  85-90% ligada a proteínas – sofre deslocamento  Meia-vida: 20 horas  Indutor enzimático: CYP450 Fenda palatina
  • 53. A Fenitoína está comumente associada a quais dos efeitos colaterais abaixo? a) Acne, cefaléia, gengivite hiperplásica. b) Diarréia, hirsutismo, taquicardia. c) Hirsutismo, acne, gengivite hiperplásica. d) Amnésia, coréia, labilidade emocional. e) Cefaléia, gengivite hiperplásica, hiperatividade.
  • 54. Carbamazepina  Tricíclico: Transt. Bipolar  Neuragia do trigêmeo  Mecanismo semelhante à Fenitoína  Indutor enzimático forte  Hiponatremia  “Intoxicação por água”  Oxcarbamazepina (hidroxi-)
  • 55. O anticonvulsivante que apresenta maior eficácia na depressão bipolar é a) gabapendina. b) lamotrigina. c) carbamazepina. d) valproato. e) topiramato.
  • 56. Fenobarbital Considerando que um paciente faz uso de warfarina 10mg por dia e que o referido medicamento possui taxa de ligação à proteína plasmática de 991, ele passa a fazer uso de fenobarbital de 100mg ao dia. O fenobarbital desloca a warfarina da ligação à proteína plasmática. Desta forma, assinale a alternativa que apresenta a correta interação medicamentosa. A.A warfarina é um medicamento que tem afinidade pelo fenobarbital, por isso ocorre o deslocamento, causando convulsões no paciente. B.Com o deslocamento da warfarina das proteínas plasmáticas, o fenobarbital vai aumentar a concentração plasmática causando convulsões ao paciente. C.Com o deslocamento da warfarina das proteínas plasmáticas pelo fernobarbital, o paciente pode ter uma hemorragia devido ao aumento de warfarina livre. D.O uso constante de warfarina e fenobarbital pode ocasionar hemorragia devido a quantidades livres de fenobarbital no plasma.
  • 57. Ácido Valpróico/ Valproato  Solvente farmacotécnico  Forma ativa ionizada ↑  Aumenta GABA  Correntes de Na+  Bloqueio NMDA
  • 58.  Anticonvulsivantes: Benzodiazepínicos  Sedativo = Ansiolíticos/ Hipnóticos = Sono (Dose?) Fármacos sedativo-hipnóticos
  • 59. Benzodiazepínicos  Seletividade GABA: “Platô”  Frequência e duração da abertura de canais a) Redução de ansiedade e agressividade b) Indução do sono e sedação c) Redução do tônus muscular e coordenação: Medula d) Amnésia anterógrada
  • 60. Os efeitos adversos e toxicidade dos benzodiazepinicos: a) sedação, sonolência, cansaço e diminuição da atenção; b) associação com o álcool, prejudicam os reflexos, especialmente para estímulos do campo visual; c) podem ocorrer ganho de peso, erupções cutâneas, prejuízo da função sexual, irregularidades menstruais e anormalidades sangüíneas; d) os BDZ têm alta margem de segurança, uma vez que não provocam depressão respiratória acentuada; e) todas estão corretas
  • 61. Outras indicações clínicas dos benzodiazepínicos: a) hipnóticos e medicação pré-anestésica; b) antiepilépticos e relaxantes musculares no tétano; c) espasticidade e relaxantes musculares; d) tratamento da síndrome de abstinência de álcool; e) todas estão corretas.
  • 62. No tratamento das intoxicações agudas pelos agentes acetaminofen, benzodiazepínicos, betabloqueadores e organofosforados podem ser indicadas as medicações específicas, respectivamente: a) n-acetilcisteína, pralidoxima, flumazenil e glucagon. b) pralidoxima, flumazenil, glucagon e n-acetilcisteína. c) n-acetilcisteína, glucagon, flumazenil e pralidoxima. d) n-acetilcisteína, flumazenil, glucagon e pralidoxima. e) glucagon, flumazenil, n-acetilcisteína e paralidoxima.
  • 63. A intoxicação por medicamentos tem sido um problema geral de saúde. De acordo com a farmacologia, dos principais agentes envolvidos nas intoxicações medicamentosas encontram-se os benzodiazepínicos e opiáceos. O agente e seu correto antagonista estão indicados em: a) Opioide – flumazenil. b) Benzodiazepínico – naloxone. c) Benzodiazepínico – flumazenil. d) Opioide – bloqueador de canal de Ca. “O flumazenil atua como antagonista competitivo dos receptores de benzodiazepínicos, mas não antagoniza os efeitos do etanol, opioides ou anestésicos gerais (barbitúricos) sobre o sistema nervoso central.”
  • 64. Agentes antidepressivos  Distúrbios afetivos: Depressão, Mania e Transtorno Bipolar  Teoria das monoaminas (1965): NE e 5-HT
  • 65. Mecanismos neuroendócrinos Teste de supressão com dexametasona
  • 67. Fármacos antidepressivos 2) Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS): Fluoxetina, Sertralina; paroxetina; citalopram 3) Inibidores mais recentes: Venlafaxina, duloxetina... 4) Inibidores do receptor de monoamina: Mirtazapina 5) Inibidores da monoamino-oxidase (iMAO):
  • 68. Inibidores da monoamino-oxidase  Fenelzina, tranilcipromina  MAO-a: Seletividade  MAO-b: Dopamina (Parkinson – selegilina)  Tiramina: Reação ao queijo (cefaléia, hipertensão...)  Efedrina e simpatomiméticos
  • 69. Farmacologia Clínica dos Antidepressivos  Questionamento comum!!  Em relação ao uso dos antidepressivos Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina, por que as alterações neuroquímicas acontecem antes mesmo que ocorram as alterações comportamentais?
  • 71. Os fármacos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS) configuram a classe de antidepressivos mais comumente prescrita na atualidade. A respeito da farmacologia dessa classe, assinale a alternativa correta. a) A administração de linezolida, um antimicrobiano capaz de inibir a monoamino-oxidase, pode causar a síndrome serotoninérgica em usuários de ISRS. b) A inibição da recaptação de serotonina ocorre, seletivamente, em transportadores neuronais pós-sinápticos. c) O efeito anorexígeno existente com o uso desses antidepressivos decorre da inibição seletiva da recaptação de serotonina especificamente no hipocampo. d) A serotonina acumulada em decorrência da inibição da recaptação promove maior estimulação de receptores pós- sinápticos, corrigindo os sintomas de depressão sem que haja readaptação neuronal. e) Os fármacos ISRS não afetam a agregação plaquetária.
  • 72. Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como, por exemplo, a fluoxetina, a paroxetina e a sertralina, são drogas bastante usadas em vários transtornos mentais. Com relação aos inibidores de recaptação da serotonina, considere as seguintes afirmativas: I. Os ISRS têm eficácia similar às demais drogas utilizadas para reverter um quadro depressivo. II. O tempo de latência entre o início da ingesta da medicação (ISRS) e os primeiros sintomas e sinais da melhora do paciente é semelhante ao de outras drogas utilizadas no tratamento da depressão (2 a 4 semanas). III. Os ISRS se mostram como de maior segurança nas intoxicações se comparados com os tricíclicos. IV. Os ISRS não apresentam efeitos colaterais. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas I, II e III são verdadeiras. b) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras. c) Somente as afirmativas II e IV são verdadeiras. d) Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras. e) Somente as afirmativas III e IV são verdadeiras
  • 73. Os antidepressivos tricíclicos são medicamentos comumente utilizados no tratamento da depressão em pacientes idosos. Assinale a alternativa correta acerca dessa classe farmacológica. A.Os efeitos antidepressivos mediados pelos fármacos tricíclicos devem-se à inibição seletiva da recaptação neuronal de serotonina. B.Reações adversas ocasionadas pelos antidepressivos tricíclicos, como sedação, xerostomia e hipotensão ortostática, devem-se ao antagonismo inespecífico, respectivamente, de receptores histaminérgicos, alfa-adrenérgicos e muscarínicos. C.Ao antagonizarem os receptores alfa1-adrenérgicos, os antidepressivos tricíclicos potencializam os efeitos hipertensores provocados pelos anti-inflamatórios não-esteroidais. D.Os fármacos antidepressivos tricíclicos são também usados no controle da dor neuropática (periférica e diabética) por um mecanismo de ação ainda desconhecido. E.Os antidepressivos tricíclicos são considerados seguros, pois possuem ampla faixa terapêutica, razão pela qual são escolhidos para o tratamento de pacientes idosos.
  • 74. Entre as hipóteses da depressão podemos considerar que: a) É um aumento da transmissão noradrenérgica; b) Deficiência das monoaminas (Ne, 5HT, etc.) por hipersensibilidade dos receptores; c) Hiperatividade gabaérgica; d) Deficiência de dopamina; e) NRA
  • 75. Os antidepressivos tricíclicos e IMAO possuem em comum a seguinte característica: a) Bloqueio de recaptação das monoaminas; b) Aumento das monoaminas nas sinapses; c) Produção de hipotensão ortostática no início de tratamento; d) Início do tratamento com doses altas;
  • 76. Por que os pacientes fazendo uso dos IMAOs devem restringir alimentos como derivados do leite? a) Porque esses alimentos possuem tiramina que é precursora de noradrenalina; b) Para evitar uma crise hipertensiva; c) Porque essa interação aumenta a atividade adrenérgica; d) Todas as alternativas anteriores estão corretas; e) N.D.A.
  • 77. Quanto ao efeito de dessensibilização que ocorre quando utilizamos antidepressivos, é correto afirmar: a) É responsável pelo início de ação dos antidepressivos; b) Enquanto não ocorrer esse efeito percebe-se efeitos colaterais mais intensos; c) Até ocorrer esse efeito devemos administrar os antidepressivos em baixa dosagem; d) Todas as alternativas anteriores estão corretas; e) N.D.A.
  • 78. Doenças Neurodegenerativas  Neurônios: Baixa plasticidade de células e axônios  Proteínas com erro em dobramentos (estrutura quaternária)  Excitotoxicidade a) Doença de Alzheimer b) Doença de Parkinson c) Lesão Cerebral Isquêmica (AVC)
  • 79. Necrose – Morte celular Neurônio Vacuolização LiseSobrecarga de Ca++ Extravasamento adjacente Inflamação crônica
  • 80. Excitotoxicidade: Glutamato – vilão ou mocinho?  Glutamato: Neurotransmissor excitatório (potenciação de longa duração)  Aprendizado e memória  Receptores NMDA (N-metil D-Aspartato): Ionotrópico  Entrada de cátions Na+ e Ca++: Hiperdespolarização  Mitocôndrias: “Ralos capacitores”  Tratamento: Neuroprotetores  Isquemia e bloqueio de NMDA (Glutamato)
  • 81.
  • 82. Após uma lesão traumática ou um acidente vascular encefálico, neurônios privados de oxigênio por período prolongado morrem e não se regeneram. Nesses casos, os danos ocorrem por afetarem diretamente neurônios e pela excitotoxicidade. A excitotoxicidade é causada pela liberação excessiva do neurotransmissor a) dopamima. b) acetilcolina. c) glutamato. d) adrenalina. e) serotonina.
  • 83. Doença de Alzheimer  Encolhimento e Perda Neuronal  Neurônios Colinérgicos  Hipocampo
  • 84.
  • 85.  Peptídeo B-amilóide  Processamento alterado  Gene no cromossomo 21  Processo inflamatório crônico  Perda de neurônios colinérgicos
  • 86.
  • 87. Fármacos utilizados  Tacrina, rivastigmina, donepezila: Inibem AChE  Memantina: Bloqueia receptores NMDA (não usado na prevenção)
  • 88. A memantina, indicada na doença de Alzheimer moderada a grave, é um medicamento cujo principal mecanismo é agir como a) modulador dos canais de cálcio. b) modulador dos receptores colinérgicos nicotínicos. c) agonista muscarínico. d) antagonista dos receptores de glutamato. e) inibidor da butiril colinesterase.
  • 89. Em relação à Rivastigmina, considere: I. É um carbamato pseudo-irreversivel. II. Com ação predominando na BuChE sobre a AChE. III. É administrada em tomada única diária, via oral. IV. Apresentação alternativa via transdérmica (patch). V. Dose inicial de 8 mg/dia, com dose máxima de 24 mg/dia. Está correto o que se afirma APENAS em a) IV e V. b) II e III. c) I e IV. d) II e V. e) III e IV.
  • 90. Os fármacos conhecidos como Neostignina, Rivastigmina, Galantamina e Donepezila apresentam eficácia moderada e são os mais utilizados no tratamento da doença atualmente. Marque a opção que corresponde ao mecanismo de ação dos fármacos citados. a) Anticolinérgico; b) Simpaticomimético; c) Anticolinesterásico; d) Simpaticolítico e) Parassimpaticolítico .
  • 91. Doença de Parkinson  Hipocinesia: Movimentos voluntários;  Tremor DE REPOUSO;  Inércia de movimento;  Rigidez muscular.  Idiopática e/ou familiar
  • 92. Tratamento?  Ação da DOPAMINA: Corpo estriado
  • 93. Fármacos utilizados na Doença de Parkinson a) Agonistas da dopamina (pramipexol, bromocriptina) b) Inibidores da MAO-B (selegilina) c) Levodopa (em combinação com carbidopa e entacapona – inibidores DOPA descarboxilase periférica) D2: Inibitórios D1: Excitatórios
  • 94. De acordo com o tratamento farmacológico do parkisionismo podemos afirmar que todas estão corretas, exceto: a) Os inibidores da MAO-B são indicados para evitar a degradação intraneuronal da dopamina; b) Os anticolinérgicos podem ser a droga de escolha para o tratamento do parkisionismo produzido por medicamentos ( neurolépticos – antagonistas de D2); c) A associação de um inibidor da dopa-descarboxilase ao precursor de dopamina diminui os efeitos colaterais periféricos por evitar a degradação intraneuronal da l- dopa; d) A levodopa tem maior tendência a desencadear o fenômeno liga-desliga quando comparada aos agonistas dopaminérgicos (bromocriptina); e) Os inibidores da MAO-B podem atuar como neuroprotetores.
  • 95. E atenção!  Leia as questões cuidadosamente!  Comece pela área de sua expertise  “Chute consciente”  Vença a ansiedade