SlideShare uma empresa Scribd logo
DrogasVasoativas
Objetivos1. Introdução – Definições; 2. Principais Receptores; 3. Principais Drogas: a) ações; b) indicações; c) benefícios; d) efeitos adversos; e) doses / diluições. 4. Drogas Vasoativas e Fluxo Regional; 5. Disposições Finais.
RelembrandoBolus – é a administração IV realizada em tempo ≤ a 1 minuto ; Infusão rápida – é a administração IV realizada entre 1 e 30 minutos ; Infusão lenta – é a administração IV realizada entre 30 e 60 minutos ; Infusão contínua – é a administração IV realizada em tempo superior a 60 minutos , ininterruptamente ; Infusão intermitente – é a administração IV realizada em tempo superior a 60 minutos , não contínua .
RelembrandoInotrópicos: agentes que melhoram a contratilidade miocárdica e melhoram o volume de ejecçãoVasopressores: agentes que aumentam a resistência vascular sistemica e a pressão arterialCronotrópico: aumenta a frequência cardíacaLusotrópico: melhora o relaxamento durante a diástole e diminui a pressão telediastólica nos ventrículos (melhora a função diastólica)
IntroduçãoO que são “drogas vasoativas”? Quando são usadas? Definição de “choque”. Correção de variáveis hemodinâmicas equivale a melhora na morbimortalidade? É necessário reposição volêmica adequada previamente? Qual valor define hipotensão em adultos? A questão da monitorização invasiva da pressão arterial.
DROGAS VASOATIVASRestaurar e manter a perfusão efetiva aos órgãos vitais em pacientes com instabilidade hemodinâmica. Introduzidas após otimização do volume intra-vascular com reposição volemica adequada.Tanto a reposição volemica insuficiente quanto a excessiva podem causar complicações.
AÇÃO DAS CATECOLAMINASEstimulam receptores α adrenérgicos, β adrenérgicos e dopaminérgicos.A1 – Vasoconstrição arterial             Aumento da contratilidade miocárdica A2 – Constrição dos vasos venosos de capacitância              Inibição do feedback da noradrenalina liberada nas fibras                                                    simpáticas.
AÇÃO DAS CATECOLAMINASB1 – Aumento da contratilidade miocárdica             Aumento do inotropismo e cronotropismoB2 – Relaxamento da musculatura lisa brônquica             Relaxamento da musculatura lisa vascularDA1 – Receptor dopaminérgico            Promove vasodilatação renal, mesentérica, coronária e cerebral. Inibe recaptação de sódio pelos rins (natriurese)DA2 – Inibe recaptação da noradrenalina nas fibras simpáticas, resultando em vasodilatação.
Drogas AdrenérgicasCatecolaminas atuam no choque por suas ações inotrópicas e vasopressora;Objetivo: - Evitar hipotensão arterial - Aumentar e manter adequadas as perfusões tissular e orgânica;
Principais ReceptoresReceptores alfa-adrenérgicos: Mecanismo de ação; Alfa 1 x Alfa 2; Receptores beta-adrenérgicos: Mecanismo de ação; Beta 1 x Beta 2; Receptores dopaminérgicos: DA 1 x DA 2.
As Catecolaminas1. Isoproterenol; 2. Dopamina; 3. Dopexamina; 4. Dobutamina; 5. Adrenalina; 6. Noradrenalina; 7. Fenilefrina.
Receptor Adrenérgico X Sítio
Catecolamina X Receptor
IsoproterenolCatecolamina sintética; Agonista beta-1 e beta-2; Aumenta a FC e a contratilidade miocárdica; Diminui o tempo de condução atrioventricular; Reduz a RVS e a PAD; Efeito final  aumento do DC em pacientes normovolêmicos;
Qual o principal uso atualmente? Pós operatório de cirurgia cardíaca , corrigindo a bradicardia.
IsoproterenolCuidados – aumenta consumo O2, hipotensão arritmia, leva hipoxemia Apresentação: Cloridrato de Isoproterenol (indisponível comercialmente no Brasil); 1 amp = 1 mg = 1 mL (1mg/mL) Modo de preparo: Diluição em SF 0,9% ou SG 5%; 5 amp para 250 ml de solução final; Concentração final: 20 µg/ml;Dose recomendada: Dose inicial: 0,05 a 0,1 µg/kg/min; Dose máxima: 2,0 µg/kg/min.
Dopamina (Revivan ® )Precursor imediato de noradrenalina e adrenalina; Efeitos farmacológicos conforme dose: < 5 µg/kg/min  DA 1 e DA 2  leitos renal, mesentérico e coronariano  vasodilatação; redução da prolactina sérica; 5 a 10 µg/kg/min  beta-1  aumento da contratilidade e frequência cardíaca; > 10 µg/kg/min  alfa  aumento da PA.
Dopamina (Revivan ® )Apresentação: 1 amp = 10 mL = 50 mg (5 mg/mL); Modo de preparo: Diluição em Ringer Simples, Ringer Lactato, SF 0,9% ou SG 5%; 5 amp em 200 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 1.000 µg/mL;
Dopamina (Revivan ® )Dose recomendada: De acordo com o efeito desejado; Varia entre 2,5 e 20 µg/kg/min.
DOPAMINAInicio de ação = 1 a 2 min, meia vida = 2 minEstimula de modo dose-dependente os receptores dopaminérgicos α1 vasculares, β1 cardíacos e β2 periféricosDOPA EM DOSES BAIXAS – 0,2 E 3,0 mcg kg min.    Estimula os receptores DA1 e DA2, como resultado temos vasodilatação com aumento dos fluxos mesentérico e renal( n comprova a dose p “abrir o rim”) Vasodilatação renal associada a inibição da reabsorção de sodio:Mantém a diurese em pcts oliguricos no pós-op de cx grande porte, na sepse e na ressuscitação dos diversos tipos de choque.
DOPAMINADOPA EM DOSES DE 5,0 A 10 mcg Kg min:    Estimulam tanto receptores β1 cardíacos quanto β2 periféricos    Logo temos aumento da FC, contratilidade miocárdica, aumento do tônus venoso e arteriolar periférico.DOPA EM DOSE > 10 mcg Kg min:     Estimulam receptores α adrenérgicos, desencadeando vasoconstrição arteriolar e venosaEfeitos colaterais: taquiarritmia atrial e ventriculat, hipertensão, vasoconstrição periférica excessiva, isquemia miocárdica e de outros órgãos e vísceras.
DopexaminaAnálogo sintético da dopamina; Beta-2 adrenérgicos e dopaminérgicos (DA 1 e DA 2 ); Aumento da FC e do DC; Diminuição da RVS e vasodilatação renal e esplâncnica; Grande limitação; Apresentação: Ampolas de 50 mg (não comercializada no Brasil);
Dobutamina (Dobutrex ® ) Catecolamina sintética: Isômero D  beta-1 e beta-2; Isômero L  beta-1 e alfa-1; No miocárdio  beta-1  inotropismo e cronotropismo positivos; Parede vascular  beta-2  vasodilatação; Efeito predominante  inotrópico, com ações variáveis na PAM; Aumento da FC e do DC;
Dobutamina (Dobutrex ® ) Redução da RVS e da capacitância venosa; Pode determinar hipotensão  sinal indireto de hipovolemia; Pode ainda (diferentemente da dopamina) determinar redução da PVC e da PAPO; Principais usos: ICC grave; Choque cardiogênico;
Dobutamina (Dobutrex ® ) Principais efeitos adversos: taquiarritmias atriais e ventriculares; isquemia miocárdica; hipotensão; Apresentação: 1 amp = 20 mL = 250 mg (12,5 mg/mL); Modo de preparo: Pode ser diluída em SF 0,9% ou SG 5%; 1 amp em 230 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 1.000 µg/mL; Se houver necessidade de restrição hídrica, pode-se diluir 2 amp em 210 mL da solução escolhida (250 mL de solução final, mas com concentração final de 2.000 µg/mL);
Dobutamina (Dobutrex ® ) Dose recomendada: Idealmente entre 3,0 e 15,0 µg/kg/min; Estabelece-se como dose máxima 20,0 µg/kg/min.
Adrenalina Catecolamina endógena; Alfa-1, beta-1 e beta-2; Em dose alta  potente efeito alfa-1  aumento da PAM (aumento do DC e do VS); Fluxo regional; Quando usar? Apresentação: 1 amp = 1 mL = 1 mg (1 mg/mL) – solução milesimal (1:1000);
Adrenalina Modo de preparo: Pode ser diluída em SF 0,9% ou SG 5%; 5 amp em 245 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 20 µg/mL; Se houver necessidade de restrição hídrica, pode-se diluir 10 amp em 90 mL da solução escolhida (100 mL de solução final, com uma concentração de 100 µg/mL);
Adrenalina Dose recomendada: Dose inicial: 0,05 a 0,1 µg/kg/min; Aumentos a cada 10 min até efeito desejado; Dose máxima: 1,5 a 2,0 µg/kg/min.
Noradrenalina Catecolamina endógena; Alfa-1 e beta-1, mas com potente ação alfa-adrenérgica; Em baixas doses  predominam os efeitos beta-1; doses maiores  efeitos mistos, aumentando a RVS e a contratilidade miocárdica  aumento da PA; É capaz de aumentar a PAM mesmo em pacientes refratários à ressuscitação volêmica e ao uso de dopamina;
Noradrenalina Bem indicada no choque séptico; Pode ser deletéria para a função renal em pacientes hipotensos com choque do tipo hipovolêmico e hemorrágico; Fluxo regional; Apresentação: 1 amp = 4 mg = 4 mL (1 mg/mL);
Noradrenalina Modo de preparo: Pode-se diluir em SF 0,9% ou SG 5%; 1 amp em 246 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 16 µg/mL; Outra padronização: 4 amp em 234 mL da solução escolhida (250 mL de solução final; concentração final de 64 µg/mL) – esta é mais usada; Dose recomendada: Dose inicial: 0,05 a 0,1 µg/kg/min; Dose máxima: 1,5 a 2,0 µg/kg/min.
Fenilefrina (Fenilefrin ® ) Alfa-1; Efeito de início rápido e curta duração; Aumenta a PAM, o DC, a RVS e o VS sem alterar a FC; Quando pode ser usada? Apresentação: 1 amp = 10 mg = 1 mL (10 mg/mL); Modo de preparo: Pode-se diluir em SF 0,9% ou SG 5%; 1 amp em 500 mL de solução final; Concentração final: 20 µg/kg/min;
Fenilefrina (Fenilefrin ® ) Dose recomendada: 0,3 a 0,9 µg/kg/min.
DROGAS VASOATIVAS
Drogas Não AdrenérgicasDrogas vaso ativas que não dependem do sistema adrenérgico;
Vasopressina Liberada em resposta à elevação da osmolaridade plasmática, hipovolemia grave e/ou hipotensão; Receptores V 1(Vasocontrição) x V 2(Antidiurese) ; Em baixas doses  vasodilatação coronariana, cerebral e da circulação pulmonar; Situações em que vem sendo estudada; Constrição seletiva das arteríolas glomerulares eferentes;
Vasopressina Fluxo regional; Choque vasoplégico refratário a vasopressores adrenérgicos; Dose recomendada: 0,05 a 0,1 U/min.
Levosimendan (Simdax TM ® ) Agente inotrópico positivo com propriedades vasodilatadoras; Efeito na troponina C e nos canais de potássio; Seu metabólito permanece ativo por uma semana; Aumenta o DC; Não tem ação sobre o relaxamento diastólico; Reduz as pressões de enchimento (PVC e PAPO);
Levosimendan (Simdax TM ® )Produz aumento do fluxo coronariano (propriedade antiisquêmica); Principal indicação  IC aguda (ou crônica agudizada) grave; Apresentação: Frasco de 5 mL com 12,5 mg (2,5 mg/mL); Modo de preparo: Deve-se diluir em SG 5%; 1 amp em 500 mL de solução final (concentração final: 25 µg/mL); 2 amp em 500 mL de solução final (concentração final: 50 µg/mL);
Levosimendan (Simdax TM ® )Dose recomendada: Dose de ataque: 12 a 24 µg/kg em 10 min; Dose de manutenção: 0,05 a 0,2 µg/kg/min (por no máximo 24h).
Drogas Vasodilatadoras São vaso ativos que atuam em vasos arteriais e venosos, produzindo vasodilatação, diminuindo pré-carga e pós carga;Utilidade insuf. Cardíaca e coronariana;
Inibidores da FosfodiesteraseAmrinona (Inocor ® ) e milrinona (Primacor ® ): Aumenta a contratilidade miocárdica e reduz o tônus vascular; Inibe a fosfodiesterase tipo III; Quando usar? ICC grave; EAP; Choque cardiogênico; Saída de CEC; Efeitos hemodinâmicos superiores quando associada à dobutamina;
Inibidores da FosfodiesteraseEfeitos adversos: Hipotensão por vasodilatação excessiva; Arritmias ventriculares; Trombocitopenia (menos com a milrinona); Principal benefício; Apresentações: 1 amp = 100 mg = 20 mL (5 mg/mL) – amrinona; 1 amp = 10 mg = 10 mL OU 1 amp = 20 mg = 20 mL (1 mg/mL) - milrinona; Modo de preparo: Amrinona – dilui-se obrigatoriamente em SF 0,9%; 2 amp em 250 ml de solução final; Concentração final: 800 µg/mL; A solução final deve ser administrada em até 24h após o preparo; Milrinona – dilui-se preferencialmente em SG 5%; 1 amp de 10 mg em 50 mL de solução final ou 1 amp de 20 mg em 100 mL de solução final; Concentração final: 200 µg/mL;
Inibidores da FosfodiesteraseDoses recomendadas: Amrinona: Dose de ataque: 0,75 mg/kg, IV, em 2 a 3 min; Dose de manutenção: 5,0 a 10,0 µg/kg/min; Uma segunda dose de ataque pode ser dada 30 min após início da terapia; Duração da terapia: 48 a 72h; Milrinona: Dose de ataque: 50 µg/kg, IV, em 10 min; Dose de manutenção: 0,375 a 0,750 µg/kg/min; Exige ajuste para função renal; Duração da terapia: idealmente por até 48h (mas pode ser usado por até 5 dias);
Nitroprussiato de Sódio (Nipride ® )Vasodilatador de padrão balanceado; Metabólito ativo  óxido nítrico; Nos casos de ICC  reduz as pressões venosas pulmonar e sistêmica e aumenta o VS e o DC por diminuição da pós-carga; Rápido início de ação e curta duração; Efeito específico na musculatura lisa dos vasos; Ausência de taquifilaxia;
Nitroprussiato de Sódio (Nipride ® )Principal indicação  emergências hipertensivas; Principal efeito adverso  hipotensão arterial (deve ser administrado somente em pacientes com PAS > 90 mmHg); Metabolizado em cianeto  tiocianato (pode haver intoxicação por este se níveis séricos > 10 mg/dL; tratamento com hidroxicobalamina);
Nitroprussiato de Sódio (Nipride ® )Apresentação: Ampola de 50 mg (liofilizado – diluente 2 mL); Modo de preparo: Dilui-se em SG 5%; 1 amp em 250 mL de solução final; Concentração final: 200 µg/mL; Dose recomendada: Iniciar com 0,25 a 2,5 µg/kg/min; Máximo de 10 µg/kg/min; Idealmente, usar por no máximo 3 ou 4 dias.
Nitratos Predominantemente venosos, embora também ajam na circulação arterial; Há redução da pré-carga e da pós-carga; Redistribuição do fluxo sangüíneo para áreas isquêmicas, aumenta a oferta e diminui o consumo de oxigênio no miocárdio; Por reduzir a resistência arteriolar periférica, diminui a PA e causa taquicardia;
Nitratos Quando usar? ICC com PCP elevada; EAP de várias etiologias (inclusive IAM); Efeitos colaterais: Cefaléia; Rubor facial; Hipotensão; Apresentações: Sublingual (útil em casos de IC aguda sem hipotensão arterial); Oral; Intravenosa; Disco adesivo (taxa constante de absorção, com níveis plasmáticos estáveis por 24h);
Nitratos Pode haver tolerância e dependência.
Nitroglicerina (Tridil ® ) Apresentação: 1 amp = 25 mg = 5 mL OU 1 amp = 50 mg = 10 mL (5 mg/mL); Modo de preparo: Diluir preferencialmente em SG 5%; 1 amp de 5 ou 10 mL em 250 mL de solução final; Concentração final: 100 µg/mL e 200 µg/mL; Dose recomendada: Inicia-se com 10 µg/min, aumentando-se a taxa de infusão em 10 µg/min a cada 5 min até uma dose máxima de 100 µg/min ou até haver queda da PAS até no máximo 90 mmHg.
HidralazinaVasodilatador arterial, usado principalmente na gravidez para controle da PA...Ação inicial em 10 minutos e persiste por 6h;Reduz pós-carga ventricular e  aumenta VS e o DC, aumenta diurese Dose ataque: 10 mgManutenção 1mg/h
Uso de DVA no ChoqueObjetivo Terapeutico:Manter adequada perfusão orgânica e tissular;
Fluxo Regional e DVA Efeito a ser alcançado (DC X PA, por exemplo); Efeito sobre o metabolismo celular (aumento da oferta de oxigênio X efeito calorigênico, por exemplo); Efeitos sistêmico e regional (eleva o DC, porém diminui a perfusão orgânica em particular, com direcionamento de fluxo).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
resenfe2013
 
Padronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosasPadronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosas
Ricardo Nascimento
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
resenfe2013
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
shaiane2
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
Natália Oliveira
 
Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)
Katia Pontes Remijo
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Carrinho de emergencia
Carrinho de emergenciaCarrinho de emergencia
Carrinho de emergencia
Michelle Ribeiro
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
Joel Santos Nogueira
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Gabriel Do Nascimento
 
Drogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgênciaDrogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgência
gisa_legal
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Danilo Alves
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Sedação e Analgesia
Sedação e AnalgesiaSedação e Analgesia
Sedação e Analgesia
Renato Bach
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Drogas que atuam no sistema nervoso central
Drogas que atuam no sistema nervoso centralDrogas que atuam no sistema nervoso central
Drogas que atuam no sistema nervoso central
Lorena Albuquerque Vieira
 
RCP
RCPRCP
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
Julia Martins Ulhoa
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 

Mais procurados (20)

Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológicaCuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
Cuidados de Enfermagem na administração de fármacos em emergência cardiológica
 
Padronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosasPadronização das soluções medicamentosas
Padronização das soluções medicamentosas
 
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativasAssistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
Assistência de Enfermagem na administração de drogas vasoativas
 
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptxAula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
Aula-Drogas-em-UTI_2016.pptx
 
Analgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTIAnalgesia e Sedação na UTI
Analgesia e Sedação na UTI
 
Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Carrinho de emergencia
Carrinho de emergenciaCarrinho de emergencia
Carrinho de emergencia
 
Farmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascularFarmacos do sistema cardiovascular
Farmacos do sistema cardiovascular
 
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfederCardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
 
Drogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgênciaDrogas na sala de urgência
Drogas na sala de urgência
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
Seminário integrado - Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS)
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Sedação e Analgesia
Sedação e AnalgesiaSedação e Analgesia
Sedação e Analgesia
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Drogas que atuam no sistema nervoso central
Drogas que atuam no sistema nervoso centralDrogas que atuam no sistema nervoso central
Drogas que atuam no sistema nervoso central
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 

Destaque

Cuadro clínico de paciente con politraumatismo
Cuadro clínico de paciente con politraumatismoCuadro clínico de paciente con politraumatismo
Cuadro clínico de paciente con politraumatismo
Gerson Andres Rojas Ortiz
 
Presentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizado
Presentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizadoPresentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizado
Presentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizado
Jorge Vasquez Del Aguila
 
caso clínico trauma de tórax
caso clínico trauma de tóraxcaso clínico trauma de tórax
caso clínico trauma de tórax
Patricio Renán Ruales Dávila
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Bruna Larissa Almeida
 
Historia Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsito
Historia Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsitoHistoria Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsito
Historia Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsito
pahoper
 
Caso Clinico: Politraumatismo
Caso Clinico: PolitraumatismoCaso Clinico: Politraumatismo
Caso Clinico: Politraumatismo
Hospital Universitario de Maracaibo
 

Destaque (6)

Cuadro clínico de paciente con politraumatismo
Cuadro clínico de paciente con politraumatismoCuadro clínico de paciente con politraumatismo
Cuadro clínico de paciente con politraumatismo
 
Presentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizado
Presentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizadoPresentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizado
Presentación de Caso Clínico: Paciente politraumatizado
 
caso clínico trauma de tórax
caso clínico trauma de tóraxcaso clínico trauma de tórax
caso clínico trauma de tórax
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Historia Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsito
Historia Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsitoHistoria Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsito
Historia Clínica de Emergencia y Accidentes de tránsito
 
Caso Clinico: Politraumatismo
Caso Clinico: PolitraumatismoCaso Clinico: Politraumatismo
Caso Clinico: Politraumatismo
 

Semelhante a Drogas vasoativas

Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Antonio Alarcon
 
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdfProf. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
FrancielleConstantin
 
07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt
07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt
07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt
DyzzanLpez
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
THIALYMARIASILVADACU
 
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choqueIv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
ctisaolucascopacabana
 
A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
Núria Bernardo
 
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
josianeavila3
 
anestésicos venosos apresentação .pdf
anestésicos venosos apresentação    .pdfanestésicos venosos apresentação    .pdf
anestésicos venosos apresentação .pdf
cristhian19881
 
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACKTERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
JANDETE2012
 
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E SimpaticoliticosSimpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
lidypvh
 
Farmacologia anti glaucomatosos
Farmacologia anti glaucomatososFarmacologia anti glaucomatosos
Farmacologia anti glaucomatosos
Humberto Santoro
 
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
scarMorais
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
jaddy xavier
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
lidypvh
 
aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....
aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....
aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....
vaniceandrade1
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Dopamina
DopaminaDopamina
Dopamina
Karla Ntz
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
Rosangela Helena Sizilio
 
Farmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivosFarmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivos
Rosangela Helena Sizilio
 

Semelhante a Drogas vasoativas (20)

Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
Drogasvasoativas 110421075151-phpapp01
 
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdfProf. Francielle Constantino Pereira.pdf
Prof. Francielle Constantino Pereira.pdf
 
07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt
07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt
07_vasoactive_drugs_Portuguese_vFinal.ppt
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
 
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choqueIv curso teórico prático farmacologia do choque
Iv curso teórico prático farmacologia do choque
 
A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07A2001 v14 n02_art07
A2001 v14 n02_art07
 
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativasAuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
AuDROGAS EM UTIntensiva drogas vasoativas
 
anestésicos venosos apresentação .pdf
anestésicos venosos apresentação    .pdfanestésicos venosos apresentação    .pdf
anestésicos venosos apresentação .pdf
 
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACKTERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
 
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E SimpaticoliticosSimpatomimeticos E Simpaticoliticos
Simpatomimeticos E Simpaticoliticos
 
Farmacologia anti glaucomatosos
Farmacologia anti glaucomatososFarmacologia anti glaucomatosos
Farmacologia anti glaucomatosos
 
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
Trabalhodemedicao 140422093746-phpapp02
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
HipertensãO Arterial
HipertensãO ArterialHipertensãO Arterial
HipertensãO Arterial
 
aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....
aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....
aula2-principaismedicamentosutilizadosememergencia-230727164253-bf668225 (1)....
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Dopamina
DopaminaDopamina
Dopamina
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
 
Farmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivosFarmacologia dos anti-hipertensivos
Farmacologia dos anti-hipertensivos
 

Drogas vasoativas

  • 2. Objetivos1. Introdução – Definições; 2. Principais Receptores; 3. Principais Drogas: a) ações; b) indicações; c) benefícios; d) efeitos adversos; e) doses / diluições. 4. Drogas Vasoativas e Fluxo Regional; 5. Disposições Finais.
  • 3. RelembrandoBolus – é a administração IV realizada em tempo ≤ a 1 minuto ; Infusão rápida – é a administração IV realizada entre 1 e 30 minutos ; Infusão lenta – é a administração IV realizada entre 30 e 60 minutos ; Infusão contínua – é a administração IV realizada em tempo superior a 60 minutos , ininterruptamente ; Infusão intermitente – é a administração IV realizada em tempo superior a 60 minutos , não contínua .
  • 4. RelembrandoInotrópicos: agentes que melhoram a contratilidade miocárdica e melhoram o volume de ejecçãoVasopressores: agentes que aumentam a resistência vascular sistemica e a pressão arterialCronotrópico: aumenta a frequência cardíacaLusotrópico: melhora o relaxamento durante a diástole e diminui a pressão telediastólica nos ventrículos (melhora a função diastólica)
  • 5. IntroduçãoO que são “drogas vasoativas”? Quando são usadas? Definição de “choque”. Correção de variáveis hemodinâmicas equivale a melhora na morbimortalidade? É necessário reposição volêmica adequada previamente? Qual valor define hipotensão em adultos? A questão da monitorização invasiva da pressão arterial.
  • 6. DROGAS VASOATIVASRestaurar e manter a perfusão efetiva aos órgãos vitais em pacientes com instabilidade hemodinâmica. Introduzidas após otimização do volume intra-vascular com reposição volemica adequada.Tanto a reposição volemica insuficiente quanto a excessiva podem causar complicações.
  • 7. AÇÃO DAS CATECOLAMINASEstimulam receptores α adrenérgicos, β adrenérgicos e dopaminérgicos.A1 – Vasoconstrição arterial Aumento da contratilidade miocárdica A2 – Constrição dos vasos venosos de capacitância Inibição do feedback da noradrenalina liberada nas fibras simpáticas.
  • 8. AÇÃO DAS CATECOLAMINASB1 – Aumento da contratilidade miocárdica Aumento do inotropismo e cronotropismoB2 – Relaxamento da musculatura lisa brônquica Relaxamento da musculatura lisa vascularDA1 – Receptor dopaminérgico Promove vasodilatação renal, mesentérica, coronária e cerebral. Inibe recaptação de sódio pelos rins (natriurese)DA2 – Inibe recaptação da noradrenalina nas fibras simpáticas, resultando em vasodilatação.
  • 9. Drogas AdrenérgicasCatecolaminas atuam no choque por suas ações inotrópicas e vasopressora;Objetivo: - Evitar hipotensão arterial - Aumentar e manter adequadas as perfusões tissular e orgânica;
  • 10. Principais ReceptoresReceptores alfa-adrenérgicos: Mecanismo de ação; Alfa 1 x Alfa 2; Receptores beta-adrenérgicos: Mecanismo de ação; Beta 1 x Beta 2; Receptores dopaminérgicos: DA 1 x DA 2.
  • 11. As Catecolaminas1. Isoproterenol; 2. Dopamina; 3. Dopexamina; 4. Dobutamina; 5. Adrenalina; 6. Noradrenalina; 7. Fenilefrina.
  • 14. IsoproterenolCatecolamina sintética; Agonista beta-1 e beta-2; Aumenta a FC e a contratilidade miocárdica; Diminui o tempo de condução atrioventricular; Reduz a RVS e a PAD; Efeito final  aumento do DC em pacientes normovolêmicos;
  • 15. Qual o principal uso atualmente? Pós operatório de cirurgia cardíaca , corrigindo a bradicardia.
  • 16. IsoproterenolCuidados – aumenta consumo O2, hipotensão arritmia, leva hipoxemia Apresentação: Cloridrato de Isoproterenol (indisponível comercialmente no Brasil); 1 amp = 1 mg = 1 mL (1mg/mL) Modo de preparo: Diluição em SF 0,9% ou SG 5%; 5 amp para 250 ml de solução final; Concentração final: 20 µg/ml;Dose recomendada: Dose inicial: 0,05 a 0,1 µg/kg/min; Dose máxima: 2,0 µg/kg/min.
  • 17. Dopamina (Revivan ® )Precursor imediato de noradrenalina e adrenalina; Efeitos farmacológicos conforme dose: < 5 µg/kg/min  DA 1 e DA 2  leitos renal, mesentérico e coronariano  vasodilatação; redução da prolactina sérica; 5 a 10 µg/kg/min  beta-1  aumento da contratilidade e frequência cardíaca; > 10 µg/kg/min  alfa  aumento da PA.
  • 18. Dopamina (Revivan ® )Apresentação: 1 amp = 10 mL = 50 mg (5 mg/mL); Modo de preparo: Diluição em Ringer Simples, Ringer Lactato, SF 0,9% ou SG 5%; 5 amp em 200 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 1.000 µg/mL;
  • 19. Dopamina (Revivan ® )Dose recomendada: De acordo com o efeito desejado; Varia entre 2,5 e 20 µg/kg/min.
  • 20. DOPAMINAInicio de ação = 1 a 2 min, meia vida = 2 minEstimula de modo dose-dependente os receptores dopaminérgicos α1 vasculares, β1 cardíacos e β2 periféricosDOPA EM DOSES BAIXAS – 0,2 E 3,0 mcg kg min. Estimula os receptores DA1 e DA2, como resultado temos vasodilatação com aumento dos fluxos mesentérico e renal( n comprova a dose p “abrir o rim”) Vasodilatação renal associada a inibição da reabsorção de sodio:Mantém a diurese em pcts oliguricos no pós-op de cx grande porte, na sepse e na ressuscitação dos diversos tipos de choque.
  • 21. DOPAMINADOPA EM DOSES DE 5,0 A 10 mcg Kg min: Estimulam tanto receptores β1 cardíacos quanto β2 periféricos Logo temos aumento da FC, contratilidade miocárdica, aumento do tônus venoso e arteriolar periférico.DOPA EM DOSE > 10 mcg Kg min: Estimulam receptores α adrenérgicos, desencadeando vasoconstrição arteriolar e venosaEfeitos colaterais: taquiarritmia atrial e ventriculat, hipertensão, vasoconstrição periférica excessiva, isquemia miocárdica e de outros órgãos e vísceras.
  • 22. DopexaminaAnálogo sintético da dopamina; Beta-2 adrenérgicos e dopaminérgicos (DA 1 e DA 2 ); Aumento da FC e do DC; Diminuição da RVS e vasodilatação renal e esplâncnica; Grande limitação; Apresentação: Ampolas de 50 mg (não comercializada no Brasil);
  • 23. Dobutamina (Dobutrex ® ) Catecolamina sintética: Isômero D  beta-1 e beta-2; Isômero L  beta-1 e alfa-1; No miocárdio  beta-1  inotropismo e cronotropismo positivos; Parede vascular  beta-2  vasodilatação; Efeito predominante  inotrópico, com ações variáveis na PAM; Aumento da FC e do DC;
  • 24. Dobutamina (Dobutrex ® ) Redução da RVS e da capacitância venosa; Pode determinar hipotensão  sinal indireto de hipovolemia; Pode ainda (diferentemente da dopamina) determinar redução da PVC e da PAPO; Principais usos: ICC grave; Choque cardiogênico;
  • 25. Dobutamina (Dobutrex ® ) Principais efeitos adversos: taquiarritmias atriais e ventriculares; isquemia miocárdica; hipotensão; Apresentação: 1 amp = 20 mL = 250 mg (12,5 mg/mL); Modo de preparo: Pode ser diluída em SF 0,9% ou SG 5%; 1 amp em 230 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 1.000 µg/mL; Se houver necessidade de restrição hídrica, pode-se diluir 2 amp em 210 mL da solução escolhida (250 mL de solução final, mas com concentração final de 2.000 µg/mL);
  • 26. Dobutamina (Dobutrex ® ) Dose recomendada: Idealmente entre 3,0 e 15,0 µg/kg/min; Estabelece-se como dose máxima 20,0 µg/kg/min.
  • 27. Adrenalina Catecolamina endógena; Alfa-1, beta-1 e beta-2; Em dose alta  potente efeito alfa-1  aumento da PAM (aumento do DC e do VS); Fluxo regional; Quando usar? Apresentação: 1 amp = 1 mL = 1 mg (1 mg/mL) – solução milesimal (1:1000);
  • 28. Adrenalina Modo de preparo: Pode ser diluída em SF 0,9% ou SG 5%; 5 amp em 245 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 20 µg/mL; Se houver necessidade de restrição hídrica, pode-se diluir 10 amp em 90 mL da solução escolhida (100 mL de solução final, com uma concentração de 100 µg/mL);
  • 29. Adrenalina Dose recomendada: Dose inicial: 0,05 a 0,1 µg/kg/min; Aumentos a cada 10 min até efeito desejado; Dose máxima: 1,5 a 2,0 µg/kg/min.
  • 30. Noradrenalina Catecolamina endógena; Alfa-1 e beta-1, mas com potente ação alfa-adrenérgica; Em baixas doses  predominam os efeitos beta-1; doses maiores  efeitos mistos, aumentando a RVS e a contratilidade miocárdica  aumento da PA; É capaz de aumentar a PAM mesmo em pacientes refratários à ressuscitação volêmica e ao uso de dopamina;
  • 31. Noradrenalina Bem indicada no choque séptico; Pode ser deletéria para a função renal em pacientes hipotensos com choque do tipo hipovolêmico e hemorrágico; Fluxo regional; Apresentação: 1 amp = 4 mg = 4 mL (1 mg/mL);
  • 32. Noradrenalina Modo de preparo: Pode-se diluir em SF 0,9% ou SG 5%; 1 amp em 246 mL da solução escolhida (250 mL de solução final); Concentração final: 16 µg/mL; Outra padronização: 4 amp em 234 mL da solução escolhida (250 mL de solução final; concentração final de 64 µg/mL) – esta é mais usada; Dose recomendada: Dose inicial: 0,05 a 0,1 µg/kg/min; Dose máxima: 1,5 a 2,0 µg/kg/min.
  • 33. Fenilefrina (Fenilefrin ® ) Alfa-1; Efeito de início rápido e curta duração; Aumenta a PAM, o DC, a RVS e o VS sem alterar a FC; Quando pode ser usada? Apresentação: 1 amp = 10 mg = 1 mL (10 mg/mL); Modo de preparo: Pode-se diluir em SF 0,9% ou SG 5%; 1 amp em 500 mL de solução final; Concentração final: 20 µg/kg/min;
  • 34. Fenilefrina (Fenilefrin ® ) Dose recomendada: 0,3 a 0,9 µg/kg/min.
  • 36. Drogas Não AdrenérgicasDrogas vaso ativas que não dependem do sistema adrenérgico;
  • 37. Vasopressina Liberada em resposta à elevação da osmolaridade plasmática, hipovolemia grave e/ou hipotensão; Receptores V 1(Vasocontrição) x V 2(Antidiurese) ; Em baixas doses  vasodilatação coronariana, cerebral e da circulação pulmonar; Situações em que vem sendo estudada; Constrição seletiva das arteríolas glomerulares eferentes;
  • 38. Vasopressina Fluxo regional; Choque vasoplégico refratário a vasopressores adrenérgicos; Dose recomendada: 0,05 a 0,1 U/min.
  • 39. Levosimendan (Simdax TM ® ) Agente inotrópico positivo com propriedades vasodilatadoras; Efeito na troponina C e nos canais de potássio; Seu metabólito permanece ativo por uma semana; Aumenta o DC; Não tem ação sobre o relaxamento diastólico; Reduz as pressões de enchimento (PVC e PAPO);
  • 40. Levosimendan (Simdax TM ® )Produz aumento do fluxo coronariano (propriedade antiisquêmica); Principal indicação  IC aguda (ou crônica agudizada) grave; Apresentação: Frasco de 5 mL com 12,5 mg (2,5 mg/mL); Modo de preparo: Deve-se diluir em SG 5%; 1 amp em 500 mL de solução final (concentração final: 25 µg/mL); 2 amp em 500 mL de solução final (concentração final: 50 µg/mL);
  • 41. Levosimendan (Simdax TM ® )Dose recomendada: Dose de ataque: 12 a 24 µg/kg em 10 min; Dose de manutenção: 0,05 a 0,2 µg/kg/min (por no máximo 24h).
  • 42. Drogas Vasodilatadoras São vaso ativos que atuam em vasos arteriais e venosos, produzindo vasodilatação, diminuindo pré-carga e pós carga;Utilidade insuf. Cardíaca e coronariana;
  • 43. Inibidores da FosfodiesteraseAmrinona (Inocor ® ) e milrinona (Primacor ® ): Aumenta a contratilidade miocárdica e reduz o tônus vascular; Inibe a fosfodiesterase tipo III; Quando usar? ICC grave; EAP; Choque cardiogênico; Saída de CEC; Efeitos hemodinâmicos superiores quando associada à dobutamina;
  • 44. Inibidores da FosfodiesteraseEfeitos adversos: Hipotensão por vasodilatação excessiva; Arritmias ventriculares; Trombocitopenia (menos com a milrinona); Principal benefício; Apresentações: 1 amp = 100 mg = 20 mL (5 mg/mL) – amrinona; 1 amp = 10 mg = 10 mL OU 1 amp = 20 mg = 20 mL (1 mg/mL) - milrinona; Modo de preparo: Amrinona – dilui-se obrigatoriamente em SF 0,9%; 2 amp em 250 ml de solução final; Concentração final: 800 µg/mL; A solução final deve ser administrada em até 24h após o preparo; Milrinona – dilui-se preferencialmente em SG 5%; 1 amp de 10 mg em 50 mL de solução final ou 1 amp de 20 mg em 100 mL de solução final; Concentração final: 200 µg/mL;
  • 45. Inibidores da FosfodiesteraseDoses recomendadas: Amrinona: Dose de ataque: 0,75 mg/kg, IV, em 2 a 3 min; Dose de manutenção: 5,0 a 10,0 µg/kg/min; Uma segunda dose de ataque pode ser dada 30 min após início da terapia; Duração da terapia: 48 a 72h; Milrinona: Dose de ataque: 50 µg/kg, IV, em 10 min; Dose de manutenção: 0,375 a 0,750 µg/kg/min; Exige ajuste para função renal; Duração da terapia: idealmente por até 48h (mas pode ser usado por até 5 dias);
  • 46. Nitroprussiato de Sódio (Nipride ® )Vasodilatador de padrão balanceado; Metabólito ativo  óxido nítrico; Nos casos de ICC  reduz as pressões venosas pulmonar e sistêmica e aumenta o VS e o DC por diminuição da pós-carga; Rápido início de ação e curta duração; Efeito específico na musculatura lisa dos vasos; Ausência de taquifilaxia;
  • 47. Nitroprussiato de Sódio (Nipride ® )Principal indicação  emergências hipertensivas; Principal efeito adverso  hipotensão arterial (deve ser administrado somente em pacientes com PAS > 90 mmHg); Metabolizado em cianeto  tiocianato (pode haver intoxicação por este se níveis séricos > 10 mg/dL; tratamento com hidroxicobalamina);
  • 48. Nitroprussiato de Sódio (Nipride ® )Apresentação: Ampola de 50 mg (liofilizado – diluente 2 mL); Modo de preparo: Dilui-se em SG 5%; 1 amp em 250 mL de solução final; Concentração final: 200 µg/mL; Dose recomendada: Iniciar com 0,25 a 2,5 µg/kg/min; Máximo de 10 µg/kg/min; Idealmente, usar por no máximo 3 ou 4 dias.
  • 49. Nitratos Predominantemente venosos, embora também ajam na circulação arterial; Há redução da pré-carga e da pós-carga; Redistribuição do fluxo sangüíneo para áreas isquêmicas, aumenta a oferta e diminui o consumo de oxigênio no miocárdio; Por reduzir a resistência arteriolar periférica, diminui a PA e causa taquicardia;
  • 50. Nitratos Quando usar? ICC com PCP elevada; EAP de várias etiologias (inclusive IAM); Efeitos colaterais: Cefaléia; Rubor facial; Hipotensão; Apresentações: Sublingual (útil em casos de IC aguda sem hipotensão arterial); Oral; Intravenosa; Disco adesivo (taxa constante de absorção, com níveis plasmáticos estáveis por 24h);
  • 51. Nitratos Pode haver tolerância e dependência.
  • 52. Nitroglicerina (Tridil ® ) Apresentação: 1 amp = 25 mg = 5 mL OU 1 amp = 50 mg = 10 mL (5 mg/mL); Modo de preparo: Diluir preferencialmente em SG 5%; 1 amp de 5 ou 10 mL em 250 mL de solução final; Concentração final: 100 µg/mL e 200 µg/mL; Dose recomendada: Inicia-se com 10 µg/min, aumentando-se a taxa de infusão em 10 µg/min a cada 5 min até uma dose máxima de 100 µg/min ou até haver queda da PAS até no máximo 90 mmHg.
  • 53. HidralazinaVasodilatador arterial, usado principalmente na gravidez para controle da PA...Ação inicial em 10 minutos e persiste por 6h;Reduz pós-carga ventricular e aumenta VS e o DC, aumenta diurese Dose ataque: 10 mgManutenção 1mg/h
  • 54. Uso de DVA no ChoqueObjetivo Terapeutico:Manter adequada perfusão orgânica e tissular;
  • 55. Fluxo Regional e DVA Efeito a ser alcançado (DC X PA, por exemplo); Efeito sobre o metabolismo celular (aumento da oferta de oxigênio X efeito calorigênico, por exemplo); Efeitos sistêmico e regional (eleva o DC, porém diminui a perfusão orgânica em particular, com direcionamento de fluxo).