SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Unidade III –Nutrição na NNNuuutttrrriiiçççãããooo nnnaaa ddddooooeeeennnnççççaaaa eeee aaaaggggrrrraaaavvvvoooossss àààà ssssaaaaúúúúddddeeee.... TTTTiiiippppoooossss ddddeeee 
ddddiiiieeeettttaaaassss eeee ccccoooonnnnssssiiiissssttttêêêênnnncccciiiiaaaa 
NNNNUUUUTTTTRRRRIIIIÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO AAAAPPPPLLLLIIIICCCCAAAADDDDAAAA ÀÀÀÀ 
EEEENNNNFFFFEEEERRRRMMMMAAAAGGGGEEEEMMMM 
Profa Dra Milena Baptista Bueno
Dietoterapia 
Dietoterapia: tratamento de indivíduos 
portadores de determinada patologia 
através de alimentação adequada 
considerando todas as condições em 
que se encontra o paciente. 
A modificação da alimentação no 
tratamento das doenças é uma das mais 
antigas formas de terapia 
O bom estado nutricional do doente 
melhora o prognóstico
Dietoterapia 
A dieta para indivíduos doentes deve 
considerar: 
- características individuais (sexo, idade, 
religião, hábitos alimentares, cultura, 
socioeconômico, entre outros) 
- necessidades nutricionais para 
manutenção ou reparação do organismo. 
Dieta especial: apresenta modificações nas 
suas características físicas (consistência 
e volume) e/ou químicas (energia e 
nutrientes) para melhor atender às 
necessidades do individuo doente.
Dietoterapia 
Objetivo: Contribuir para promover, 
recuperar ou melhorar a saúde do paciente 
tornando-o apto à suas atividades. 
A dieta evolui gradualmente para uma dieta 
normal a medida que o estado clinico e 
nutricional do paciente melhoram.
Modificações da dieta 
Quimicamente: Nutrientes ou energia 
(mudança de sabor) 
Hiper: muito Normo: normal 
Hipo: pouco A: sem 
Exemplos: 
Hipercalórica/ Normocalórica/ Hipocalórica 
Hipersódica/ Normosódica/ Hiposódica/ 
Assódica
Modificações da dieta 
Fisicamente: temperatura e consistência. 
Os extremos de temperatura diminuem a 
sensibilidade gustativa. 
Conteúdo de resíduos: Quantidade e 
qualidade das fibras nos alimentos: 
- isenta de resíduos: sem frutas, verduras e 
leguminosas 
- pouco resíduos: frutas e verduras cozidas 
- resíduos brandos: frutas e verduras 
cozidas, cereais triturados, frutas sem 
casca ou em compotas. 
- rica em resíduos: alimentação 
normal
Modificações da dieta 
Consistência 
Normal - Branda - Pastosa – Semilíquida - 
Liquida 
Dieta Normal: Destina-se aos pacientes cuja 
condição clínica não exige modificações 
na consistência da dieta.
Modificações da dieta 
Dieta Branda: Possui menor quantidade de 
alimentos ricos em resíduos: verduras, 
frutas, grãos de feijão. 
Não é permitido frituras: dificultam a 
digestão 
Preparações indicadas: saladas cozidas, 
carnes (cozidas, assadas ou grelhadas), 
ovo cozido ou quente, frutas (sucos, 
cozidas, ou maduras sem casca), cereais 
não integrais. 
Indicação: pós-operatório, afecções 
gastrointestinais, pacientes 
com problemas de mastigação.
Modificações da dieta 
Dieta Pastosa 
Favorece a digestibilidade e proporciona 
repouso digestivo 
Preparações indicadas: leites e derivados, 
carnes moídas ou desfiadas, ovo quente 
ou cozido, frutas (cozidas, purê ou 
sucos), sopas, arroz papa, pães e 
biscoitos, sorvete, doce em pasta, 
pudins, arroz doce, bolo simples, 
gelatina. 
Indicação: falta de dentes, dificuldade de 
deglutição, fases críticas de doenças 
crônicas.
Modificações da dieta 
Dieta Semiliquída 
Quando alimentos sólidos não são bem 
tolerados. Exclui totalmente a 
mastigação. Tendem a ser menos 
calóricas. 
Preparações indicadas: sucos coados, purê 
de vegetais, caldo de carne e vegetais, 
sopas espessadas e liquidificadas (sopa 
creme), leite e queijos cremosos, frutas 
em papa, sobremesas (sorvete, gelatina, 
pudins, cremes e farinhas)
Modificações da dieta 
Dieta Líquida Completa 
Somente preparações líquidas. Pode 
apresentar baixo teor nutritivo e 
energético. Suplementos nutricionais 
orais são indicados caso a transição da 
consistência seja lenta. 
Preparações indicadas: leites, queijos 
cremosos, iogurte, creme de leite, 
bebidas não gasosas, gemada, sucos 
coados, mingau, sopas peneiradas, 
caldo de carne e de feijão, ovo quente, 
sorvete, doce em pasta, pudins, arroz 
doce, bolo simples, gelatina.
Modificações da dieta 
Indicação: casos graves de infecções, pós-operatório, 
doenças gastro-intestinais 
graves. 
Dieta Líquida Restrita 
Consiste em água e carboidratos. Valor 
nutritivo e energético muito baixo (< 500 
kcal). Ministrada em intervalos curtos (< 2 
horas) 
Preparações indicadas: água e chás 
adoçados, sucos de frutas coados, caldo 
de carne e de legumes coados, gelatina, 
sorvete (sem leite). 
Indicação: pós-operatório (24 a 36 h) 
com a finalidade de hidratação
Questão 
Para um determinado paciente foi indicado 
dieta isenta de resíduos. A quantidade de 
resíduos esta relacionado ao consumo de: 
a) Carboidratos 
b) Lipideos 
c) Energia 
d) Proteínas 
e) Fibras
Resposta 
A alternativa correta é letra E
ATÉ A PRÓXIMA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfpastoraAna
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoJamille Salvador
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfAna Alves
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenterallatnep
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfMarcela Cardoso
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralAlexandra Caetano
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralAllef Costa
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaJefferson Costa
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietéticaEliane Cristina
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularmilagre moreira
 

Mais procurados (20)

Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
 
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UANPLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
TERAPIA NUTRICIONAL
TERAPIA NUTRICIONALTERAPIA NUTRICIONAL
TERAPIA NUTRICIONAL
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
 
AULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
AULA DE TERAPIA NUTRICIONALAULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
AULA DE TERAPIA NUTRICIONAL
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Destaque (20)

Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 
Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Cardápio dieta branda
Cardápio dieta brandaCardápio dieta branda
Cardápio dieta branda
 
Dietas hospitalarias
Dietas hospitalariasDietas hospitalarias
Dietas hospitalarias
 
Dietas hospitalares ripari (1)
Dietas hospitalares ripari (1)Dietas hospitalares ripari (1)
Dietas hospitalares ripari (1)
 
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
 
Dietas
DietasDietas
Dietas
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Tipos de dietas_(nutricion)
Tipos de dietas_(nutricion)Tipos de dietas_(nutricion)
Tipos de dietas_(nutricion)
 
Tipos de dietas a usuario hospitalizado
Tipos de dietas a usuario hospitalizadoTipos de dietas a usuario hospitalizado
Tipos de dietas a usuario hospitalizado
 
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
 
Obesidade asbran
Obesidade asbranObesidade asbran
Obesidade asbran
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Apresentação sti saúde_mz
Apresentação sti saúde_mzApresentação sti saúde_mz
Apresentação sti saúde_mz
 
Dietas milagrosas
Dietas milagrosasDietas milagrosas
Dietas milagrosas
 
refeições transportadas
refeições transportadasrefeições transportadas
refeições transportadas
 
Dietas
Dietas Dietas
Dietas
 

Semelhante a Dietas

Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdfAula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdfGiza Carla Nitz
 
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdfDIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdfAnnaSilva296544
 
alimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasalimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasClaraRibeiro50
 
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaIntervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaNatália Silva
 
Comida saudável
Comida saudávelComida saudável
Comida saudávelguestba1fe0
 
ah não gosto de comer
ah não gosto de comerah não gosto de comer
ah não gosto de comerBugui94
 
Ha N Gosto De Comer
Ha N Gosto De ComerHa N Gosto De Comer
Ha N Gosto De Comerguestb72e0d
 
Apostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patApostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patEric Liberato
 
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...Taiz Siqueira Pinto
 
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjjAcademiaLotusclub
 
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptxAula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptxNadjaAndrade5
 

Semelhante a Dietas (20)

Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdfAula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
 
Piramide Alimentar
Piramide AlimentarPiramide Alimentar
Piramide Alimentar
 
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdfDIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
 
alimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasalimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalas
 
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaIntervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
 
Manual NutriçãO Quimeo
Manual NutriçãO QuimeoManual NutriçãO Quimeo
Manual NutriçãO Quimeo
 
Cardappio
Cardappio Cardappio
Cardappio
 
Comida saudável
Comida saudávelComida saudável
Comida saudável
 
kakaka
kakakakakaka
kakaka
 
ah não gosto de comer
ah não gosto de comerah não gosto de comer
ah não gosto de comer
 
Ha N Gosto De Comer
Ha N Gosto De ComerHa N Gosto De Comer
Ha N Gosto De Comer
 
Apostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patApostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae pat
 
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
 
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
 
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptxAula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
 
248261328 suplementacao
248261328 suplementacao248261328 suplementacao
248261328 suplementacao
 
Tipos de dietas hospitalares
Tipos de dietas hospitalaresTipos de dietas hospitalares
Tipos de dietas hospitalares
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
 
Dieta pastosa
Dieta pastosaDieta pastosa
Dieta pastosa
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
 

Último

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Dietas

  • 1. Unidade III –Nutrição na NNNuuutttrrriiiçççãããooo nnnaaa ddddooooeeeennnnççççaaaa eeee aaaaggggrrrraaaavvvvoooossss àààà ssssaaaaúúúúddddeeee.... TTTTiiiippppoooossss ddddeeee ddddiiiieeeettttaaaassss eeee ccccoooonnnnssssiiiissssttttêêêênnnncccciiiiaaaa NNNNUUUUTTTTRRRRIIIIÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO AAAAPPPPLLLLIIIICCCCAAAADDDDAAAA ÀÀÀÀ EEEENNNNFFFFEEEERRRRMMMMAAAAGGGGEEEEMMMM Profa Dra Milena Baptista Bueno
  • 2. Dietoterapia Dietoterapia: tratamento de indivíduos portadores de determinada patologia através de alimentação adequada considerando todas as condições em que se encontra o paciente. A modificação da alimentação no tratamento das doenças é uma das mais antigas formas de terapia O bom estado nutricional do doente melhora o prognóstico
  • 3. Dietoterapia A dieta para indivíduos doentes deve considerar: - características individuais (sexo, idade, religião, hábitos alimentares, cultura, socioeconômico, entre outros) - necessidades nutricionais para manutenção ou reparação do organismo. Dieta especial: apresenta modificações nas suas características físicas (consistência e volume) e/ou químicas (energia e nutrientes) para melhor atender às necessidades do individuo doente.
  • 4. Dietoterapia Objetivo: Contribuir para promover, recuperar ou melhorar a saúde do paciente tornando-o apto à suas atividades. A dieta evolui gradualmente para uma dieta normal a medida que o estado clinico e nutricional do paciente melhoram.
  • 5. Modificações da dieta Quimicamente: Nutrientes ou energia (mudança de sabor) Hiper: muito Normo: normal Hipo: pouco A: sem Exemplos: Hipercalórica/ Normocalórica/ Hipocalórica Hipersódica/ Normosódica/ Hiposódica/ Assódica
  • 6. Modificações da dieta Fisicamente: temperatura e consistência. Os extremos de temperatura diminuem a sensibilidade gustativa. Conteúdo de resíduos: Quantidade e qualidade das fibras nos alimentos: - isenta de resíduos: sem frutas, verduras e leguminosas - pouco resíduos: frutas e verduras cozidas - resíduos brandos: frutas e verduras cozidas, cereais triturados, frutas sem casca ou em compotas. - rica em resíduos: alimentação normal
  • 7. Modificações da dieta Consistência Normal - Branda - Pastosa – Semilíquida - Liquida Dieta Normal: Destina-se aos pacientes cuja condição clínica não exige modificações na consistência da dieta.
  • 8. Modificações da dieta Dieta Branda: Possui menor quantidade de alimentos ricos em resíduos: verduras, frutas, grãos de feijão. Não é permitido frituras: dificultam a digestão Preparações indicadas: saladas cozidas, carnes (cozidas, assadas ou grelhadas), ovo cozido ou quente, frutas (sucos, cozidas, ou maduras sem casca), cereais não integrais. Indicação: pós-operatório, afecções gastrointestinais, pacientes com problemas de mastigação.
  • 9. Modificações da dieta Dieta Pastosa Favorece a digestibilidade e proporciona repouso digestivo Preparações indicadas: leites e derivados, carnes moídas ou desfiadas, ovo quente ou cozido, frutas (cozidas, purê ou sucos), sopas, arroz papa, pães e biscoitos, sorvete, doce em pasta, pudins, arroz doce, bolo simples, gelatina. Indicação: falta de dentes, dificuldade de deglutição, fases críticas de doenças crônicas.
  • 10. Modificações da dieta Dieta Semiliquída Quando alimentos sólidos não são bem tolerados. Exclui totalmente a mastigação. Tendem a ser menos calóricas. Preparações indicadas: sucos coados, purê de vegetais, caldo de carne e vegetais, sopas espessadas e liquidificadas (sopa creme), leite e queijos cremosos, frutas em papa, sobremesas (sorvete, gelatina, pudins, cremes e farinhas)
  • 11. Modificações da dieta Dieta Líquida Completa Somente preparações líquidas. Pode apresentar baixo teor nutritivo e energético. Suplementos nutricionais orais são indicados caso a transição da consistência seja lenta. Preparações indicadas: leites, queijos cremosos, iogurte, creme de leite, bebidas não gasosas, gemada, sucos coados, mingau, sopas peneiradas, caldo de carne e de feijão, ovo quente, sorvete, doce em pasta, pudins, arroz doce, bolo simples, gelatina.
  • 12. Modificações da dieta Indicação: casos graves de infecções, pós-operatório, doenças gastro-intestinais graves. Dieta Líquida Restrita Consiste em água e carboidratos. Valor nutritivo e energético muito baixo (< 500 kcal). Ministrada em intervalos curtos (< 2 horas) Preparações indicadas: água e chás adoçados, sucos de frutas coados, caldo de carne e de legumes coados, gelatina, sorvete (sem leite). Indicação: pós-operatório (24 a 36 h) com a finalidade de hidratação
  • 13. Questão Para um determinado paciente foi indicado dieta isenta de resíduos. A quantidade de resíduos esta relacionado ao consumo de: a) Carboidratos b) Lipideos c) Energia d) Proteínas e) Fibras
  • 14. Resposta A alternativa correta é letra E