SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade III –Nutrição na NNNuuutttrrriiiçççãããooo nnnaaa ddddooooeeeennnnççççaaaa eeee aaaaggggrrrraaaavvvvoooossss àààà ssssaaaaúúúúddddeeee.... TTTTiiiippppoooossss ddddeeee 
ddddiiiieeeettttaaaassss eeee ccccoooonnnnssssiiiissssttttêêêênnnncccciiiiaaaa 
NNNNUUUUTTTTRRRRIIIIÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO AAAAPPPPLLLLIIIICCCCAAAADDDDAAAA ÀÀÀÀ 
EEEENNNNFFFFEEEERRRRMMMMAAAAGGGGEEEEMMMM 
Profa Dra Milena Baptista Bueno
Dietoterapia 
Dietoterapia: tratamento de indivíduos 
portadores de determinada patologia 
através de alimentação adequada 
considerando todas as condições em 
que se encontra o paciente. 
A modificação da alimentação no 
tratamento das doenças é uma das mais 
antigas formas de terapia 
O bom estado nutricional do doente 
melhora o prognóstico
Dietoterapia 
A dieta para indivíduos doentes deve 
considerar: 
- características individuais (sexo, idade, 
religião, hábitos alimentares, cultura, 
socioeconômico, entre outros) 
- necessidades nutricionais para 
manutenção ou reparação do organismo. 
Dieta especial: apresenta modificações nas 
suas características físicas (consistência 
e volume) e/ou químicas (energia e 
nutrientes) para melhor atender às 
necessidades do individuo doente.
Dietoterapia 
Objetivo: Contribuir para promover, 
recuperar ou melhorar a saúde do paciente 
tornando-o apto à suas atividades. 
A dieta evolui gradualmente para uma dieta 
normal a medida que o estado clinico e 
nutricional do paciente melhoram.
Modificações da dieta 
Quimicamente: Nutrientes ou energia 
(mudança de sabor) 
Hiper: muito Normo: normal 
Hipo: pouco A: sem 
Exemplos: 
Hipercalórica/ Normocalórica/ Hipocalórica 
Hipersódica/ Normosódica/ Hiposódica/ 
Assódica
Modificações da dieta 
Fisicamente: temperatura e consistência. 
Os extremos de temperatura diminuem a 
sensibilidade gustativa. 
Conteúdo de resíduos: Quantidade e 
qualidade das fibras nos alimentos: 
- isenta de resíduos: sem frutas, verduras e 
leguminosas 
- pouco resíduos: frutas e verduras cozidas 
- resíduos brandos: frutas e verduras 
cozidas, cereais triturados, frutas sem 
casca ou em compotas. 
- rica em resíduos: alimentação 
normal
Modificações da dieta 
Consistência 
Normal - Branda - Pastosa – Semilíquida - 
Liquida 
Dieta Normal: Destina-se aos pacientes cuja 
condição clínica não exige modificações 
na consistência da dieta.
Modificações da dieta 
Dieta Branda: Possui menor quantidade de 
alimentos ricos em resíduos: verduras, 
frutas, grãos de feijão. 
Não é permitido frituras: dificultam a 
digestão 
Preparações indicadas: saladas cozidas, 
carnes (cozidas, assadas ou grelhadas), 
ovo cozido ou quente, frutas (sucos, 
cozidas, ou maduras sem casca), cereais 
não integrais. 
Indicação: pós-operatório, afecções 
gastrointestinais, pacientes 
com problemas de mastigação.
Modificações da dieta 
Dieta Pastosa 
Favorece a digestibilidade e proporciona 
repouso digestivo 
Preparações indicadas: leites e derivados, 
carnes moídas ou desfiadas, ovo quente 
ou cozido, frutas (cozidas, purê ou 
sucos), sopas, arroz papa, pães e 
biscoitos, sorvete, doce em pasta, 
pudins, arroz doce, bolo simples, 
gelatina. 
Indicação: falta de dentes, dificuldade de 
deglutição, fases críticas de doenças 
crônicas.
Modificações da dieta 
Dieta Semiliquída 
Quando alimentos sólidos não são bem 
tolerados. Exclui totalmente a 
mastigação. Tendem a ser menos 
calóricas. 
Preparações indicadas: sucos coados, purê 
de vegetais, caldo de carne e vegetais, 
sopas espessadas e liquidificadas (sopa 
creme), leite e queijos cremosos, frutas 
em papa, sobremesas (sorvete, gelatina, 
pudins, cremes e farinhas)
Modificações da dieta 
Dieta Líquida Completa 
Somente preparações líquidas. Pode 
apresentar baixo teor nutritivo e 
energético. Suplementos nutricionais 
orais são indicados caso a transição da 
consistência seja lenta. 
Preparações indicadas: leites, queijos 
cremosos, iogurte, creme de leite, 
bebidas não gasosas, gemada, sucos 
coados, mingau, sopas peneiradas, 
caldo de carne e de feijão, ovo quente, 
sorvete, doce em pasta, pudins, arroz 
doce, bolo simples, gelatina.
Modificações da dieta 
Indicação: casos graves de infecções, pós-operatório, 
doenças gastro-intestinais 
graves. 
Dieta Líquida Restrita 
Consiste em água e carboidratos. Valor 
nutritivo e energético muito baixo (< 500 
kcal). Ministrada em intervalos curtos (< 2 
horas) 
Preparações indicadas: água e chás 
adoçados, sucos de frutas coados, caldo 
de carne e de legumes coados, gelatina, 
sorvete (sem leite). 
Indicação: pós-operatório (24 a 36 h) 
com a finalidade de hidratação
Questão 
Para um determinado paciente foi indicado 
dieta isenta de resíduos. A quantidade de 
resíduos esta relacionado ao consumo de: 
a) Carboidratos 
b) Lipideos 
c) Energia 
d) Proteínas 
e) Fibras
Resposta 
A alternativa correta é letra E
ATÉ A PRÓXIMA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
Paulo Matias
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
Catarina Calçada
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
Walquiria Dutra
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
Marcela Cardoso
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
Sheilla Sandes
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
Adriane Lessnau
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
Ana Alves
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
KetlenBatista
 
Alimentos que curam
Alimentos que curamAlimentos que curam
Alimentos que curam
Euripedes Barbosa
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
Externato Santo Antonio
 
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças CrônicaAlimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
cipasap
 
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
Erly Batista Neto
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
pastoraAna
 
Nutrição e saúde
Nutrição e saúdeNutrição e saúde
Nutrição e saúde
Telma Justa Freitas
 
Alimentação saudavel
Alimentação saudavelAlimentação saudavel
Alimentação saudavel
Edson Araujo
 
Cartilha Saúde da Mulher
Cartilha Saúde da Mulher Cartilha Saúde da Mulher
Cartilha Saúde da Mulher
Governo de Santa Catarina
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
Lourdes Piedade
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
KetlenBatista
 
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantilAlimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
Gaby Veloso
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Marcelo Silva
 

Mais procurados (20)

Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Palestra Nutricao
Palestra NutricaoPalestra Nutricao
Palestra Nutricao
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
 
Alimentos que curam
Alimentos que curamAlimentos que curam
Alimentos que curam
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças CrônicaAlimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
 
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
 
Nutrição e saúde
Nutrição e saúdeNutrição e saúde
Nutrição e saúde
 
Alimentação saudavel
Alimentação saudavelAlimentação saudavel
Alimentação saudavel
 
Cartilha Saúde da Mulher
Cartilha Saúde da Mulher Cartilha Saúde da Mulher
Cartilha Saúde da Mulher
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantilAlimentação saudável trabalho de saúde infantil
Alimentação saudável trabalho de saúde infantil
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 

Destaque

Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
Túlio Arantes
 
Dietas hospitalarias
Dietas hospitalariasDietas hospitalarias
Dietas hospitalarias
Kristy Nuñez Glez
 
Dietas hospitalares ripari (1)
Dietas hospitalares ripari (1)Dietas hospitalares ripari (1)
Dietas hospitalares ripari (1)
Izabela Pereira
 
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
EnFerMeriithhaa !!!
 
Dietas
DietasDietas
Dietas
e.ferreira
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Tipos de dietas_(nutricion)
Tipos de dietas_(nutricion)Tipos de dietas_(nutricion)
Tipos de dietas_(nutricion)
Samiel Shrödinger
 
Tipos de dietas a usuario hospitalizado
Tipos de dietas a usuario hospitalizadoTipos de dietas a usuario hospitalizado
Tipos de dietas a usuario hospitalizado
Ruth Marte
 
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Obesidade asbran
Obesidade asbranObesidade asbran
Obesidade asbran
KKHFA
 
Slide
SlideSlide
Slide
caioswim
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
lyviamorais
 
Apresentação sti saúde_mz
Apresentação sti saúde_mzApresentação sti saúde_mz
Apresentação sti saúde_mz
STI
 
Dietas milagrosas
Dietas milagrosasDietas milagrosas
Dietas milagrosas
Iria Seoane Souto
 
refeições transportadas
refeições transportadasrefeições transportadas
refeições transportadas
Dani Moreira
 
Dietas
Dietas Dietas
Dietas
Cathy E Aviz
 
Trabalho AlimentaçãO
Trabalho AlimentaçãOTrabalho AlimentaçãO
Trabalho AlimentaçãO
Cidadania e Profissionalidade
 
Dieta hipocalórica (1)
Dieta hipocalórica (1)Dieta hipocalórica (1)
Dieta hipocalórica (1)
2015midietetica
 
Refeições Transportadas -Novos Desafios
Refeições Transportadas -Novos DesafiosRefeições Transportadas -Novos Desafios
Refeições Transportadas -Novos Desafios
Joao Costa
 

Destaque (20)

Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 
Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
 
Dietas hospitalarias
Dietas hospitalariasDietas hospitalarias
Dietas hospitalarias
 
Dietas hospitalares ripari (1)
Dietas hospitalares ripari (1)Dietas hospitalares ripari (1)
Dietas hospitalares ripari (1)
 
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
 
Dietas
DietasDietas
Dietas
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Tipos de dietas_(nutricion)
Tipos de dietas_(nutricion)Tipos de dietas_(nutricion)
Tipos de dietas_(nutricion)
 
Tipos de dietas a usuario hospitalizado
Tipos de dietas a usuario hospitalizadoTipos de dietas a usuario hospitalizado
Tipos de dietas a usuario hospitalizado
 
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
Prática de Atividades Físicas e Dieta Hipocalórica: combatendo a obesidade e ...
 
Obesidade asbran
Obesidade asbranObesidade asbran
Obesidade asbran
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Apresentação sti saúde_mz
Apresentação sti saúde_mzApresentação sti saúde_mz
Apresentação sti saúde_mz
 
Dietas milagrosas
Dietas milagrosasDietas milagrosas
Dietas milagrosas
 
refeições transportadas
refeições transportadasrefeições transportadas
refeições transportadas
 
Dietas
Dietas Dietas
Dietas
 
Trabalho AlimentaçãO
Trabalho AlimentaçãOTrabalho AlimentaçãO
Trabalho AlimentaçãO
 
Dieta hipocalórica (1)
Dieta hipocalórica (1)Dieta hipocalórica (1)
Dieta hipocalórica (1)
 
Refeições Transportadas -Novos Desafios
Refeições Transportadas -Novos DesafiosRefeições Transportadas -Novos Desafios
Refeições Transportadas -Novos Desafios
 

Semelhante a Dietas

Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdfAula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Giza Carla Nitz
 
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdfDIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
AnnaSilva296544
 
alimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasalimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalas
ClaraRibeiro50
 
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaIntervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Natália Silva
 
Manual NutriçãO Quimeo
Manual NutriçãO QuimeoManual NutriçãO Quimeo
Manual NutriçãO Quimeo
TomateVerdeFrito
 
Cardappio
Cardappio Cardappio
Comida saudável
Comida saudávelComida saudável
Comida saudável
guestba1fe0
 
kakaka
kakakakakaka
kakaka
Bugui94
 
ah não gosto de comer
ah não gosto de comerah não gosto de comer
ah não gosto de comer
Bugui94
 
Ha N Gosto De Comer
Ha N Gosto De ComerHa N Gosto De Comer
Ha N Gosto De Comer
guestb72e0d
 
Apostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patApostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae pat
Eric Liberato
 
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Taiz Siqueira Pinto
 
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
AcademiaLotusclub
 
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptxAula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
NadjaAndrade5
 
248261328 suplementacao
248261328 suplementacao248261328 suplementacao
248261328 suplementacao
Ana Cristina Souza
 
Tipos de dietas hospitalares
Tipos de dietas hospitalaresTipos de dietas hospitalares
Tipos de dietas hospitalares
Laura Da Costa Silva
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
Filipe Ferreira
 
Dieta pastosa
Dieta pastosaDieta pastosa
Dieta pastosa
Leonard Freitas
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
balão intragástrico
balão intragástricobalão intragástrico
balão intragástrico
Pâmela Rufatto
 

Semelhante a Dietas (20)

Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdfAula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
Aula 3 - Clinica médica -Alimentação e hidratação.pdf
 
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdfDIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
DIETAS HOSPITALARES NILTON.pdf
 
alimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalasalimentação do paciente e escalas
alimentação do paciente e escalas
 
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátricaIntervenção nutricional na cirurgia bariátrica
Intervenção nutricional na cirurgia bariátrica
 
Manual NutriçãO Quimeo
Manual NutriçãO QuimeoManual NutriçãO Quimeo
Manual NutriçãO Quimeo
 
Cardappio
Cardappio Cardappio
Cardappio
 
Comida saudável
Comida saudávelComida saudável
Comida saudável
 
kakaka
kakakakakaka
kakaka
 
ah não gosto de comer
ah não gosto de comerah não gosto de comer
ah não gosto de comer
 
Ha N Gosto De Comer
Ha N Gosto De ComerHa N Gosto De Comer
Ha N Gosto De Comer
 
Apostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae patApostila cardapio dri pnae pat
Apostila cardapio dri pnae pat
 
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
Vigilância epidemiológica das doenças transmitidas por alimentos no brasil, 1...
 
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
156961099833 jjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjj jjjjjjjjjjjjjj jjjjjjjj
 
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptxAula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
Aula 07 Cuidados na Alimentação e a Dieta do Idoso.pptx
 
248261328 suplementacao
248261328 suplementacao248261328 suplementacao
248261328 suplementacao
 
Tipos de dietas hospitalares
Tipos de dietas hospitalaresTipos de dietas hospitalares
Tipos de dietas hospitalares
 
Roda dos alimentos
Roda dos alimentosRoda dos alimentos
Roda dos alimentos
 
Dieta pastosa
Dieta pastosaDieta pastosa
Dieta pastosa
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
 
balão intragástrico
balão intragástricobalão intragástrico
balão intragástrico
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Dietas

  • 1. Unidade III –Nutrição na NNNuuutttrrriiiçççãããooo nnnaaa ddddooooeeeennnnççççaaaa eeee aaaaggggrrrraaaavvvvoooossss àààà ssssaaaaúúúúddddeeee.... TTTTiiiippppoooossss ddddeeee ddddiiiieeeettttaaaassss eeee ccccoooonnnnssssiiiissssttttêêêênnnncccciiiiaaaa NNNNUUUUTTTTRRRRIIIIÇÇÇÇÃÃÃÃOOOO AAAAPPPPLLLLIIIICCCCAAAADDDDAAAA ÀÀÀÀ EEEENNNNFFFFEEEERRRRMMMMAAAAGGGGEEEEMMMM Profa Dra Milena Baptista Bueno
  • 2. Dietoterapia Dietoterapia: tratamento de indivíduos portadores de determinada patologia através de alimentação adequada considerando todas as condições em que se encontra o paciente. A modificação da alimentação no tratamento das doenças é uma das mais antigas formas de terapia O bom estado nutricional do doente melhora o prognóstico
  • 3. Dietoterapia A dieta para indivíduos doentes deve considerar: - características individuais (sexo, idade, religião, hábitos alimentares, cultura, socioeconômico, entre outros) - necessidades nutricionais para manutenção ou reparação do organismo. Dieta especial: apresenta modificações nas suas características físicas (consistência e volume) e/ou químicas (energia e nutrientes) para melhor atender às necessidades do individuo doente.
  • 4. Dietoterapia Objetivo: Contribuir para promover, recuperar ou melhorar a saúde do paciente tornando-o apto à suas atividades. A dieta evolui gradualmente para uma dieta normal a medida que o estado clinico e nutricional do paciente melhoram.
  • 5. Modificações da dieta Quimicamente: Nutrientes ou energia (mudança de sabor) Hiper: muito Normo: normal Hipo: pouco A: sem Exemplos: Hipercalórica/ Normocalórica/ Hipocalórica Hipersódica/ Normosódica/ Hiposódica/ Assódica
  • 6. Modificações da dieta Fisicamente: temperatura e consistência. Os extremos de temperatura diminuem a sensibilidade gustativa. Conteúdo de resíduos: Quantidade e qualidade das fibras nos alimentos: - isenta de resíduos: sem frutas, verduras e leguminosas - pouco resíduos: frutas e verduras cozidas - resíduos brandos: frutas e verduras cozidas, cereais triturados, frutas sem casca ou em compotas. - rica em resíduos: alimentação normal
  • 7. Modificações da dieta Consistência Normal - Branda - Pastosa – Semilíquida - Liquida Dieta Normal: Destina-se aos pacientes cuja condição clínica não exige modificações na consistência da dieta.
  • 8. Modificações da dieta Dieta Branda: Possui menor quantidade de alimentos ricos em resíduos: verduras, frutas, grãos de feijão. Não é permitido frituras: dificultam a digestão Preparações indicadas: saladas cozidas, carnes (cozidas, assadas ou grelhadas), ovo cozido ou quente, frutas (sucos, cozidas, ou maduras sem casca), cereais não integrais. Indicação: pós-operatório, afecções gastrointestinais, pacientes com problemas de mastigação.
  • 9. Modificações da dieta Dieta Pastosa Favorece a digestibilidade e proporciona repouso digestivo Preparações indicadas: leites e derivados, carnes moídas ou desfiadas, ovo quente ou cozido, frutas (cozidas, purê ou sucos), sopas, arroz papa, pães e biscoitos, sorvete, doce em pasta, pudins, arroz doce, bolo simples, gelatina. Indicação: falta de dentes, dificuldade de deglutição, fases críticas de doenças crônicas.
  • 10. Modificações da dieta Dieta Semiliquída Quando alimentos sólidos não são bem tolerados. Exclui totalmente a mastigação. Tendem a ser menos calóricas. Preparações indicadas: sucos coados, purê de vegetais, caldo de carne e vegetais, sopas espessadas e liquidificadas (sopa creme), leite e queijos cremosos, frutas em papa, sobremesas (sorvete, gelatina, pudins, cremes e farinhas)
  • 11. Modificações da dieta Dieta Líquida Completa Somente preparações líquidas. Pode apresentar baixo teor nutritivo e energético. Suplementos nutricionais orais são indicados caso a transição da consistência seja lenta. Preparações indicadas: leites, queijos cremosos, iogurte, creme de leite, bebidas não gasosas, gemada, sucos coados, mingau, sopas peneiradas, caldo de carne e de feijão, ovo quente, sorvete, doce em pasta, pudins, arroz doce, bolo simples, gelatina.
  • 12. Modificações da dieta Indicação: casos graves de infecções, pós-operatório, doenças gastro-intestinais graves. Dieta Líquida Restrita Consiste em água e carboidratos. Valor nutritivo e energético muito baixo (< 500 kcal). Ministrada em intervalos curtos (< 2 horas) Preparações indicadas: água e chás adoçados, sucos de frutas coados, caldo de carne e de legumes coados, gelatina, sorvete (sem leite). Indicação: pós-operatório (24 a 36 h) com a finalidade de hidratação
  • 13. Questão Para um determinado paciente foi indicado dieta isenta de resíduos. A quantidade de resíduos esta relacionado ao consumo de: a) Carboidratos b) Lipideos c) Energia d) Proteínas e) Fibras
  • 14. Resposta A alternativa correta é letra E