SlideShare uma empresa Scribd logo
TERAPIA
NUTRICIONAL
NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL
NUTRIÇÃO ENTERAL
Terapia Nutricional Enteral (TNE)
 “Conjunto de procedimento
terapêuticos empregados para
manutenção ou recuperação do
estado nutricional por meio de
nutrição enteral.” (Dan, 2000)
Terapia Nutricional Enteral (TNE)
 A resolução RDC 63 da ANVISA de 06/07/00, define nutrição
enteral como
 “Alimentos para fins especiais, com ingestão controlada de
nutrientes, na forma isolada ou combinada, de composição
definida ou estimada, especialmente formulada e elaborada
para uso por sondas ou via oral, industrializada ou não, utilizada
exclusiva ou parcialmente para substituir ou completar a
alimentação oral em pacientes desnutridos ou não, conforme
suas necessidades nutricionais, em regime hospitalar, ambulatorial
ou domiciliar, visando a síntese ou manutenção dos tecidos,
órgãos ou sistemas.”
 (RDC n.63, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do
Ministério da Saúde, 06/07/2000).
Indicação da Terapia
Nutricional Enteral (TNE)
 risco de desnutrição, ou seja, quando a ingestão
oral for inadequada para prover as
necessidades diárias;
 trato digestório total ou parcialmente
funcionante. É preferível a nutrição enteral nos
pacientes cujo TGI está funcionante.
“Quando o TGI funciona, use-o ou perca-o”.
 o paciente deve possuir no mínimo 60 a 100cm
de TGI.
Critérios de decisão na seleção
de dietas enterais
Variáveis avaliadas
 Densidade calórica
 Osmolaridade / Osmolalidade
 Via de acesso e método de administração
 Fonte e complexidade dos nutrientes
 Categorização das dietas enterais
Densidade calórica
Quantidade de calorias fornecidas por mililitro (mL) de dieta pronta.
 Pacientes sem restrição hídrica: 1,0kcal/mL;
 Pacientes com restrição hídrica: 1,5 a 2,0kcal/mL.
 O volume da dieta a ser infundido depende de:
 Estado de hidratação
 Presença de hipertermia e perdas importante de líquidos por
diarréia
 Vômitos
 Fístulas com alto débito
 Queimaduras graves, etc.
Categorização das fórmulas enterais segundo densidade calórica
Densidade
calórica
Valores
(kcal/mL)
Categoria
Muito baixa < 0,6 Acentuadamente
hipocalórica
Baixa 0,6 – 0,8 Hipocalórica
Padrão 0,9 – 1,2 Normocalórica
Alta 1,3 – 1,5 Hipercalórica
Muito alta > 1,5 Acentuadamente
hipercalórica
Densidade calórica
 Base de cálculo da necessidade hídrica
 Indivíduo adulto sadio: 25 a 40mL/kg peso/dia
(Dan,2000) ou 30 a 35mL/kg peso/dia (Krause, 2005).
Osmolaridade ou Osmolalidade
Osmolaridade reflete o número de milliosmoles por litro de solução e a
Osmolalidade reflete o número de milliosmoles por quilo de água.
Ambos refletem a quantidade de partículas osmoticamente ativas na
solução.
 O estômago tolera dietas com osmolalidade mais elevadas, o que
não acontece para as porções mais distais do TGI.
 Os nutrientes que mais afetam a osmolalidade de uma solução
são:
 carboidratos
 minerais e eletrólitos (sódio, cloreto e potássio)
 proteínas e aminoácidos
Categoria Valores de Osmolalidade
Hipotônica 280 – 300
Isotônica 300 – 350
Levemente hipertônica 350 – 550
Hipertônica 550 – 750
Acentuadamente
hipertônica
> 750
Melhor tolerância digestiva Administração lenta e gradual
Osmolaridade ou
Osmolalidade
* Quanto mais componentes hidrolisados estiver presente na fórmula
∴ > a osmolalidade.
Categorização das fórmulas enterais segundo a osmolalidade da
solução (mOsm/kg água)
Vias de acesso
 Oral
 Por sonda
 Nasogástrica
 Nasoentérica (duodeno, jejuno)
Curto período de tempo (< 6 semanas), baixo custo e fácil
colocação.
 Ostomia
 Gastrostomia
 Jejunostomia
Período > 6 semanas.
Sonda naso enteralSonda naso enteral
Sonda gastrostomiaSonda gastrostomia
Vias de acesso
 Posicionamento gástrico ou entérico?
 Principal critério de determinação: possibilidade de
aspiração pulmonar.
 Posicionamento pós-pilórico da sonda: paciente de
alto risco (déficit neurológico, gastroparesia, semi-
obstrução gástrica, câncer de cabeça e pescoço) –
não elimina o risco de pneumonia aspirativa.
 Posicionamento gástrico: paciente com função
gastrointestinal preservada e sem grande risco de
aspiração e refluxo gastroesofágico – forma mais fácil e
com menor custo para acesso.
Localização gástrica
 Vantagens
 Maior tolerância a fórmulas variadas;
 Boa aceitação de fórmulas hiperosmóticas;
 Progressão mais rápida para alcançar o VET;
 Introdução de grandes volumes em curto
tempo (dilatação gástrica receptiva);
 Fácil posicionamento da sonda.
Localização gástrica
 Desvantagens
 Alto risco de aspiração em pacientes
com dificuldades neuromotoras de
deglutição;
 A ocorrência de tosse, náuseas ou
vômito favorece a saída acidental da
sonda.
Localização duodenal e jejunal
 Vantagens
 Menor risco de aspiração;
 Maior dificuldade de saída acidental da sonda;
 Permite nutrição enteral quando a alimentação
gástrica é inconveniente e inoportuna.
 Desvantagens
 Desalojamento acidental, podendo causar refluxo
gástrico;
 Requer dietas normo ou hipoosmolares.
Características da sonda
 Calibre
 8fr (French – “Dubbohoff”): dietas pouco viscosas
ou com utilização de bomba de infusão;
 10fr: dietas viscosas de alta densidade calórica.
 Material: silicone, poliuretano. São flexíveis, diminuindo
os riscos impostos por sondas rígidas. São mais
biocompatíveis.
 Demarcação das sondas: facilitam o posicionamento.
 Fio-guia: facilita a instalação.
 risco de perfuração do TGI
Características da sonda
 Fio-guia: facilita a instalação.
 não utilizá-la para desobstruir a sonda
 removê-la antes de prosseguir com a introdução da sonda
 Radiopaca: facilita a visualização radiológica.
Métodos de administração
 Em bolo: Indicação - pacientes clinicamente estáveis,
com estômago funcionante.
 Características:
 mais conveniente e menos dispendiosa;
 utiliza-se seringa de 60mL para infundir a fórmula;
 se ocorrer inchaço ou desconforto abdominal, esperar de
10 a 15 minutos para prosseguir com o restante da fórmula;
 o paciente com função gástrica normal pode tolerar 500mL
de fórmula a cada etapa de alimentação;
 3 a 4 bolos/dia geralmente fornecem as necessidades
nutricionais.
Métodos de administração
 Gotejamento Intermitente
 Características:
 podem ser administradas por bomba ou gravidade;
 confere ao paciente mais tempo livre e autonomia quando
comparado ao gotejamento contínuo;
 esquema: 4 a 6 refeições/dia administradas ao longo de 20 a 60
minutos cada;
 a administração da fórmula é iniciada em 100 a 150mL/hora e
aumenta gradativamente conforme tolerância;
 não deve ser usada em pacientes com alto risco de aspiração
pulmonar.
 Gotejamento Contínuo
Métodos de administração
 Gotejamento Contínuo: Indicação – pacientes
que não toleram infusões de grandes volumes;
com função GI comprometida por doenças,
cirurgias e outros impedimentos fisiológicos.
 Características:
 requer o uso de bomba;
 a taxa de velocidade de infusão (mL/hora)
Métodos de administração
 Gotejamento Contínuo
 Características:
 as fórmulas com osmolalidades entre 300 a
500mOsm/kg podem ser iniciadas
diretamente;
 as fórmulas hiperosmolares devem avançar
de modo conservador para garantir a
tolerância.
Categorização das dietas
enterais
 Quanto a forma de preparo
 Dieta artesanal ou caseira ou blender
 Dieta enteral industrializada
 Dieta em pó para reconstituição;
 Dieta líquida semi-pronta para uso;
 Dieta pronta para uso.
Categorização das dietas
enterais
 Quanto a forma de preparo
 Dieta artesanal ou caseira ou blender
 Preparadas à base de alimentos in natura
(leite, ovos, carnes, legumes, frutas...),
produtos alimentícios (leite em pó, ovo
liofilizado, óleos vegetais, amido de milho,
creme de arroz...) e/ou módulos de
nutrientes (fornecem primeiramente um tipo
de nutriente).
Categorização das dietas
enterais
 Quanto a forma de preparo
 Dieta artesanal ou caseira ou blender
 Principais características:
- Requerem suplementação de vitaminas e minerais para
se tornarem nutricionalmente completas;
- O controle da qualidade físico-química e
microbiológica do alimento que está sendo preparado
deve ser rígido.
 Indicação:
- Situações que o TGI esteja com a capacidade de
digestão e de absorção normais; requer sonda de
grande calibre.
Categorização das dietas
enterais
 Quanto a forma de preparo
 Dieta artesanal ou caseira ou blender
 Vantagem:
- Menor custo.
 Desvantagem:
- Instabilidade microbiológica e fornecimento inadequado de
micronutrientes.
- Pode haver deficiência de selênio, cromo, molibdênio, taurina
e carnitina.
 Uso cauteloso:
 - Pacientes com risco aumentado de imunodepressão
(HIV/AIDS, idosos, bebês prematuros, pacientes com câncer ou
em tratamento de quimioterapia e radioterapia).
Categorização das dietas
enterais
 Quanto a forma de preparo
 Dieta enteral industrializada
 Pó para reconstituição, pacotes de 60-100 g
ou latas de 400 g
 Líquida semi-pronta, em frascos ou latas
 Prontas para uso, em frascos ou bolsas
próprias para acoplar ao equipo de infusão
Categorização das dietas
enterais
 Quanto à indicação
Dieta enteral de formulação padrão
 São aquelas que visam suprir as necessidade
nutricionais dos pacientes, de forma a
manter ou melhorar o estado nutricional dos
mesmos.
Categorização das dietas
enterais
 Quanto à indicação
Dieta enteral de formulação especializada
 Além de otimizar o estado nutricional do
enfermo, visam atuar mais especificamente
em seu tratamento clínico: para falência
intestinal, falência hepática, falência renal,
falência pulmonar, DM ou hiperglicemias e
imunossupressão.
Nutrição
Parenteral
NUTRIÇÃO PARENTERAL
Trato GI funcionante
Sim Não
Use NPTUse NE
Curto prazo
SNG,SNE,SNJ
Longo prazo
Gastrostomia,
jejunostomia
Curto prazo
NPP
Longo prazo
NPT
NUTRIÇÃO PARENTERAL
 Consiste na administração de todos os nutrientes
necessários para sobrevida por outras vias que não o
trato gastrintestinal.
 Suprimento de todas as necessidades nutricionais e
metabólicas por via endovenosa, em pacientes que
não podem ser alimentados por via oral ou enteral
adequadamente:
 Ingestão insuficiente
 Incapacidade de utilização dos nutrientes
adequadamente
NUTRIÇÃO PARENTERAL
INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO
PARENTERAL
 Apenas quando a utilização do trato digestivo estiver
impossibilitada, limitada ou contra-indicada. Se
possível, fazer combinação das duas vias (enteral e
parenteral).
INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO
PARENTERAL
 TGI não funcionante
 Obstrução intestinal total
 Íleo por qualquer causa (peritonite)
INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO
PARENTERAL
 Perdas aumentadas/má absorção
 Vômito incoercível
 Diarréia severa alta (>1500 ml/d)
 Fístula de alto débito sem acesso distal
 Síndrome de intestino curto
 Má absorção severa
 Repouso intestinal ?
CONTRA-INDICAÇÕES DA
NUTRIÇÃO PARENTERAL
 TGI funcionante, com possibilidade de VO ou NE
adequada
 indefinição de objetivos terapêuticos
 previsão de NP < 5 - 7 dias
 prolongamento da vida em pacientes terminais
 instabilidade hemodinâmica
INDICAÇÕES PARA NP EM
CIRURGIAS
 Pré-operatório: indicado apenas em pacientes
desnutridos graves, por no mínimo 7 a 10 dias (Buzby,
1991)
INDICAÇÕES PARA NP EM
CIRURGIAS
 Pós-operatório: apenas se a via enteral não for
possível (Moore, 1992)
 Se NPT no pré-operatório
 Desnutrição severa
 Após jejum 1 semana PO
 Complicações graves, como infecção, insuficiência
respiratória ou renal aguda, fístula ou pancreatite
NP REQUERIMENTO E VIAS
DE ACESSO
 Métodos de infusão:
 Contínua: com ou sem bomba de infusão, variando de
42 ml/h até atingir VCT
 Intermitente ou cíclico: infusão durante 8 a 12 horas,
com pausa para mobilidade do paciente
NP REQUERIMENTO E VIAS
DE ACESSO
 Vias de administração
 Central
 NPT através de intracath (cateter venoso central), veia
jugular ou sub-clávia, ou PICC (cateter central de inserção
periférica)
 Possibilita o uso de soluções de maior osmolaridade (1800
mOsm/kg)
 Menor volume ofertado
 Previsão de uso de NP > 10 - 14 dias
 Situações de hipercatabolismo (stress severo)
 Permite uso de sistema glicídico (2:1)
NP REQUERIMENTO E VIAS
DE ACESSO
 Vias de administração
 Periférica (NPP através de veia periférica)
 Limita o uso de soluções de até 900 mOsm/l,(concentrações
de glicose até 10%)
 Uso diário de lipídeos
 Necessidade de maior volume infundido
 Indicado por até 5 -7 dias NP
 Transição/suplementação NE
 Situações de stress moderado/leve
NP REQUERIMENTO E VIAS
DE ACESSO
PICC – cateter central de inserção periférica
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
Rosa Vinteesete
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
deboradamata
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
Jefferson Costa
 
dietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.pptdietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.ppt
Heder13
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
KetlenBatista
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
themis dovera
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
Ana Alves
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
natybortoletto
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
Sheilla Sandes
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietética
Fabiano de Carvalho
 
Terapia Nutricional Em Uti Final
Terapia Nutricional Em Uti    FinalTerapia Nutricional Em Uti    Final
Terapia Nutricional Em Uti Final
galegoo
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
Rubens Junior
 
DIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfDIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdf
mauromaumau
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
Rosa Vinteesete
 
Nutrição e Saúde Mental
Nutrição e Saúde MentalNutrição e Saúde Mental
Nutrição e Saúde Mental
petsmufrn
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AnaRaquel435561
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
Nadia Morais Tonussi
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
Safia Naser
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
Adriane Lessnau
 

Mais procurados (20)

Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
dietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.pptdietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.ppt
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietética
 
Terapia Nutricional Em Uti Final
Terapia Nutricional Em Uti    FinalTerapia Nutricional Em Uti    Final
Terapia Nutricional Em Uti Final
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
DIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfDIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdf
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
 
Nutrição e Saúde Mental
Nutrição e Saúde MentalNutrição e Saúde Mental
Nutrição e Saúde Mental
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Vias de acesso NE
 
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
 
Dietas hospitalares
Dietas hospitalaresDietas hospitalares
Dietas hospitalares
 

Semelhante a Terapia nutricional com vídeo

aula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxaula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptx
RosaSantos738119
 
Aula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdf
Aula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdfAula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdf
Aula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdf
dayanecostamarques1
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Brendha Soares
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
LarissaCampos96
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
mauromaumau
 
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaApostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
querolen
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
ssuser51d27c1
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
ThiagoAlmeida458596
 
Nutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdfNutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdf
ThiagoAlmeida458596
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Eduardo Tibali
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
milagre moreira
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
douglas870578
 
Terapia Nutricional
Terapia NutricionalTerapia Nutricional
Terapia Nutricional
AllanTi
 
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdfsuporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
BrunoPelosoSignorett
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Larissa Goncalves
 
alimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptxalimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptx
MeryVictorino
 
3. nutrição entérica
3. nutrição entérica3. nutrição entérica
Alimentação em Instituições de Saúde.pptx
Alimentação em Instituições de Saúde.pptxAlimentação em Instituições de Saúde.pptx
Alimentação em Instituições de Saúde.pptx
PauloVaz63
 
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICADESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
Silvana Lima
 
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃOVITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
Douglas Tedesco
 

Semelhante a Terapia nutricional com vídeo (20)

aula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptxaula assistencia em nutricao ok.pptx
aula assistencia em nutricao ok.pptx
 
Aula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdf
Aula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdfAula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdf
Aula 7 - Enteral e parGGGFFFFFNKKLNNKNKNINenteral.pdf
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncer
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
 
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutricaApostila gratuita-ses-df-nutrica
Apostila gratuita-ses-df-nutrica
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Nutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdfNutrição Enteral .pdf
Nutrição Enteral .pdf
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
 
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modularAula 7  cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
Aula 7 cuidados com alimentacao do utente - curso de enfermagem - modular
 
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORALTERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA  ORAL
TERAPIA NUTRICIONAL - ALIMENTAÇÃO ORAL E EXTRA ORAL
 
Terapia Nutricional
Terapia NutricionalTerapia Nutricional
Terapia Nutricional
 
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdfsuporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
suporte-alimentar-doenca-gastroenterica.pdf
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
 
alimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptxalimentacao do utente.pptx
alimentacao do utente.pptx
 
3. nutrição entérica
3. nutrição entérica3. nutrição entérica
3. nutrição entérica
 
Alimentação em Instituições de Saúde.pptx
Alimentação em Instituições de Saúde.pptxAlimentação em Instituições de Saúde.pptx
Alimentação em Instituições de Saúde.pptx
 
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICADESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
 
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃOVITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
 

Último

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 

Terapia nutricional com vídeo

  • 3. Terapia Nutricional Enteral (TNE)  “Conjunto de procedimento terapêuticos empregados para manutenção ou recuperação do estado nutricional por meio de nutrição enteral.” (Dan, 2000)
  • 4. Terapia Nutricional Enteral (TNE)  A resolução RDC 63 da ANVISA de 06/07/00, define nutrição enteral como  “Alimentos para fins especiais, com ingestão controlada de nutrientes, na forma isolada ou combinada, de composição definida ou estimada, especialmente formulada e elaborada para uso por sondas ou via oral, industrializada ou não, utilizada exclusiva ou parcialmente para substituir ou completar a alimentação oral em pacientes desnutridos ou não, conforme suas necessidades nutricionais, em regime hospitalar, ambulatorial ou domiciliar, visando a síntese ou manutenção dos tecidos, órgãos ou sistemas.”  (RDC n.63, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, 06/07/2000).
  • 5. Indicação da Terapia Nutricional Enteral (TNE)  risco de desnutrição, ou seja, quando a ingestão oral for inadequada para prover as necessidades diárias;  trato digestório total ou parcialmente funcionante. É preferível a nutrição enteral nos pacientes cujo TGI está funcionante. “Quando o TGI funciona, use-o ou perca-o”.  o paciente deve possuir no mínimo 60 a 100cm de TGI.
  • 6. Critérios de decisão na seleção de dietas enterais Variáveis avaliadas  Densidade calórica  Osmolaridade / Osmolalidade  Via de acesso e método de administração  Fonte e complexidade dos nutrientes  Categorização das dietas enterais
  • 7. Densidade calórica Quantidade de calorias fornecidas por mililitro (mL) de dieta pronta.  Pacientes sem restrição hídrica: 1,0kcal/mL;  Pacientes com restrição hídrica: 1,5 a 2,0kcal/mL.  O volume da dieta a ser infundido depende de:  Estado de hidratação  Presença de hipertermia e perdas importante de líquidos por diarréia  Vômitos  Fístulas com alto débito  Queimaduras graves, etc.
  • 8. Categorização das fórmulas enterais segundo densidade calórica Densidade calórica Valores (kcal/mL) Categoria Muito baixa < 0,6 Acentuadamente hipocalórica Baixa 0,6 – 0,8 Hipocalórica Padrão 0,9 – 1,2 Normocalórica Alta 1,3 – 1,5 Hipercalórica Muito alta > 1,5 Acentuadamente hipercalórica Densidade calórica  Base de cálculo da necessidade hídrica  Indivíduo adulto sadio: 25 a 40mL/kg peso/dia (Dan,2000) ou 30 a 35mL/kg peso/dia (Krause, 2005).
  • 9. Osmolaridade ou Osmolalidade Osmolaridade reflete o número de milliosmoles por litro de solução e a Osmolalidade reflete o número de milliosmoles por quilo de água. Ambos refletem a quantidade de partículas osmoticamente ativas na solução.  O estômago tolera dietas com osmolalidade mais elevadas, o que não acontece para as porções mais distais do TGI.  Os nutrientes que mais afetam a osmolalidade de uma solução são:  carboidratos  minerais e eletrólitos (sódio, cloreto e potássio)  proteínas e aminoácidos
  • 10. Categoria Valores de Osmolalidade Hipotônica 280 – 300 Isotônica 300 – 350 Levemente hipertônica 350 – 550 Hipertônica 550 – 750 Acentuadamente hipertônica > 750 Melhor tolerância digestiva Administração lenta e gradual Osmolaridade ou Osmolalidade * Quanto mais componentes hidrolisados estiver presente na fórmula ∴ > a osmolalidade. Categorização das fórmulas enterais segundo a osmolalidade da solução (mOsm/kg água)
  • 11. Vias de acesso  Oral  Por sonda  Nasogástrica  Nasoentérica (duodeno, jejuno) Curto período de tempo (< 6 semanas), baixo custo e fácil colocação.  Ostomia  Gastrostomia  Jejunostomia Período > 6 semanas.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Sonda naso enteralSonda naso enteral
  • 16. Vias de acesso  Posicionamento gástrico ou entérico?  Principal critério de determinação: possibilidade de aspiração pulmonar.  Posicionamento pós-pilórico da sonda: paciente de alto risco (déficit neurológico, gastroparesia, semi- obstrução gástrica, câncer de cabeça e pescoço) – não elimina o risco de pneumonia aspirativa.  Posicionamento gástrico: paciente com função gastrointestinal preservada e sem grande risco de aspiração e refluxo gastroesofágico – forma mais fácil e com menor custo para acesso.
  • 17. Localização gástrica  Vantagens  Maior tolerância a fórmulas variadas;  Boa aceitação de fórmulas hiperosmóticas;  Progressão mais rápida para alcançar o VET;  Introdução de grandes volumes em curto tempo (dilatação gástrica receptiva);  Fácil posicionamento da sonda.
  • 18. Localização gástrica  Desvantagens  Alto risco de aspiração em pacientes com dificuldades neuromotoras de deglutição;  A ocorrência de tosse, náuseas ou vômito favorece a saída acidental da sonda.
  • 19. Localização duodenal e jejunal  Vantagens  Menor risco de aspiração;  Maior dificuldade de saída acidental da sonda;  Permite nutrição enteral quando a alimentação gástrica é inconveniente e inoportuna.  Desvantagens  Desalojamento acidental, podendo causar refluxo gástrico;  Requer dietas normo ou hipoosmolares.
  • 20. Características da sonda  Calibre  8fr (French – “Dubbohoff”): dietas pouco viscosas ou com utilização de bomba de infusão;  10fr: dietas viscosas de alta densidade calórica.  Material: silicone, poliuretano. São flexíveis, diminuindo os riscos impostos por sondas rígidas. São mais biocompatíveis.  Demarcação das sondas: facilitam o posicionamento.  Fio-guia: facilita a instalação.  risco de perfuração do TGI
  • 21. Características da sonda  Fio-guia: facilita a instalação.  não utilizá-la para desobstruir a sonda  removê-la antes de prosseguir com a introdução da sonda  Radiopaca: facilita a visualização radiológica.
  • 22. Métodos de administração  Em bolo: Indicação - pacientes clinicamente estáveis, com estômago funcionante.  Características:  mais conveniente e menos dispendiosa;  utiliza-se seringa de 60mL para infundir a fórmula;  se ocorrer inchaço ou desconforto abdominal, esperar de 10 a 15 minutos para prosseguir com o restante da fórmula;  o paciente com função gástrica normal pode tolerar 500mL de fórmula a cada etapa de alimentação;  3 a 4 bolos/dia geralmente fornecem as necessidades nutricionais.
  • 23. Métodos de administração  Gotejamento Intermitente  Características:  podem ser administradas por bomba ou gravidade;  confere ao paciente mais tempo livre e autonomia quando comparado ao gotejamento contínuo;  esquema: 4 a 6 refeições/dia administradas ao longo de 20 a 60 minutos cada;  a administração da fórmula é iniciada em 100 a 150mL/hora e aumenta gradativamente conforme tolerância;  não deve ser usada em pacientes com alto risco de aspiração pulmonar.  Gotejamento Contínuo
  • 24. Métodos de administração  Gotejamento Contínuo: Indicação – pacientes que não toleram infusões de grandes volumes; com função GI comprometida por doenças, cirurgias e outros impedimentos fisiológicos.  Características:  requer o uso de bomba;  a taxa de velocidade de infusão (mL/hora)
  • 25. Métodos de administração  Gotejamento Contínuo  Características:  as fórmulas com osmolalidades entre 300 a 500mOsm/kg podem ser iniciadas diretamente;  as fórmulas hiperosmolares devem avançar de modo conservador para garantir a tolerância.
  • 26. Categorização das dietas enterais  Quanto a forma de preparo  Dieta artesanal ou caseira ou blender  Dieta enteral industrializada  Dieta em pó para reconstituição;  Dieta líquida semi-pronta para uso;  Dieta pronta para uso.
  • 27. Categorização das dietas enterais  Quanto a forma de preparo  Dieta artesanal ou caseira ou blender  Preparadas à base de alimentos in natura (leite, ovos, carnes, legumes, frutas...), produtos alimentícios (leite em pó, ovo liofilizado, óleos vegetais, amido de milho, creme de arroz...) e/ou módulos de nutrientes (fornecem primeiramente um tipo de nutriente).
  • 28. Categorização das dietas enterais  Quanto a forma de preparo  Dieta artesanal ou caseira ou blender  Principais características: - Requerem suplementação de vitaminas e minerais para se tornarem nutricionalmente completas; - O controle da qualidade físico-química e microbiológica do alimento que está sendo preparado deve ser rígido.  Indicação: - Situações que o TGI esteja com a capacidade de digestão e de absorção normais; requer sonda de grande calibre.
  • 29. Categorização das dietas enterais  Quanto a forma de preparo  Dieta artesanal ou caseira ou blender  Vantagem: - Menor custo.  Desvantagem: - Instabilidade microbiológica e fornecimento inadequado de micronutrientes. - Pode haver deficiência de selênio, cromo, molibdênio, taurina e carnitina.  Uso cauteloso:  - Pacientes com risco aumentado de imunodepressão (HIV/AIDS, idosos, bebês prematuros, pacientes com câncer ou em tratamento de quimioterapia e radioterapia).
  • 30. Categorização das dietas enterais  Quanto a forma de preparo  Dieta enteral industrializada  Pó para reconstituição, pacotes de 60-100 g ou latas de 400 g  Líquida semi-pronta, em frascos ou latas  Prontas para uso, em frascos ou bolsas próprias para acoplar ao equipo de infusão
  • 31. Categorização das dietas enterais  Quanto à indicação Dieta enteral de formulação padrão  São aquelas que visam suprir as necessidade nutricionais dos pacientes, de forma a manter ou melhorar o estado nutricional dos mesmos.
  • 32. Categorização das dietas enterais  Quanto à indicação Dieta enteral de formulação especializada  Além de otimizar o estado nutricional do enfermo, visam atuar mais especificamente em seu tratamento clínico: para falência intestinal, falência hepática, falência renal, falência pulmonar, DM ou hiperglicemias e imunossupressão.
  • 33.
  • 35. NUTRIÇÃO PARENTERAL Trato GI funcionante Sim Não Use NPTUse NE Curto prazo SNG,SNE,SNJ Longo prazo Gastrostomia, jejunostomia Curto prazo NPP Longo prazo NPT
  • 36.
  • 37. NUTRIÇÃO PARENTERAL  Consiste na administração de todos os nutrientes necessários para sobrevida por outras vias que não o trato gastrintestinal.  Suprimento de todas as necessidades nutricionais e metabólicas por via endovenosa, em pacientes que não podem ser alimentados por via oral ou enteral adequadamente:  Ingestão insuficiente  Incapacidade de utilização dos nutrientes adequadamente
  • 39. INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO PARENTERAL  Apenas quando a utilização do trato digestivo estiver impossibilitada, limitada ou contra-indicada. Se possível, fazer combinação das duas vias (enteral e parenteral).
  • 40. INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO PARENTERAL  TGI não funcionante  Obstrução intestinal total  Íleo por qualquer causa (peritonite)
  • 41. INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO PARENTERAL  Perdas aumentadas/má absorção  Vômito incoercível  Diarréia severa alta (>1500 ml/d)  Fístula de alto débito sem acesso distal  Síndrome de intestino curto  Má absorção severa  Repouso intestinal ?
  • 42. CONTRA-INDICAÇÕES DA NUTRIÇÃO PARENTERAL  TGI funcionante, com possibilidade de VO ou NE adequada  indefinição de objetivos terapêuticos  previsão de NP < 5 - 7 dias  prolongamento da vida em pacientes terminais  instabilidade hemodinâmica
  • 43. INDICAÇÕES PARA NP EM CIRURGIAS  Pré-operatório: indicado apenas em pacientes desnutridos graves, por no mínimo 7 a 10 dias (Buzby, 1991)
  • 44. INDICAÇÕES PARA NP EM CIRURGIAS  Pós-operatório: apenas se a via enteral não for possível (Moore, 1992)  Se NPT no pré-operatório  Desnutrição severa  Após jejum 1 semana PO  Complicações graves, como infecção, insuficiência respiratória ou renal aguda, fístula ou pancreatite
  • 45. NP REQUERIMENTO E VIAS DE ACESSO  Métodos de infusão:  Contínua: com ou sem bomba de infusão, variando de 42 ml/h até atingir VCT  Intermitente ou cíclico: infusão durante 8 a 12 horas, com pausa para mobilidade do paciente
  • 46. NP REQUERIMENTO E VIAS DE ACESSO  Vias de administração  Central  NPT através de intracath (cateter venoso central), veia jugular ou sub-clávia, ou PICC (cateter central de inserção periférica)  Possibilita o uso de soluções de maior osmolaridade (1800 mOsm/kg)  Menor volume ofertado  Previsão de uso de NP > 10 - 14 dias  Situações de hipercatabolismo (stress severo)  Permite uso de sistema glicídico (2:1)
  • 47. NP REQUERIMENTO E VIAS DE ACESSO  Vias de administração  Periférica (NPP através de veia periférica)  Limita o uso de soluções de até 900 mOsm/l,(concentrações de glicose até 10%)  Uso diário de lipídeos  Necessidade de maior volume infundido  Indicado por até 5 -7 dias NP  Transição/suplementação NE  Situações de stress moderado/leve
  • 48. NP REQUERIMENTO E VIAS DE ACESSO PICC – cateter central de inserção periférica