Indústria Cultural

14.838 visualizações

Publicada em

Apresentação feita por Cesar Augusto Pereira de Souza e Maíra Masiero

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.838
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
553
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Indústria Cultural

  1. 1. Como se faz?Aspectos teóricos da indústria cultural<br />Cesar Augusto Pereira de Souza<br />Maíra Masiero<br />
  2. 2. Escola de Frankfurt<br />1923 – fundação do Instituto de Pesquisa Social de Frankfurt (Alemanha)<br />Década de 1960 – Instituto passa a ser uma escola (Escola de Frankfurt)<br />Teóricos: Theodor Adorno, Max Horkheimer, entre outros...<br />
  3. 3. Núcleo fundador da escola (1923)<br />
  4. 4. Indústria Cultural<br />O termo foi usado pela primeira vez no livro Dialética do Esclarecimento, de Adorno e Horkheimer (1947), lançado em Amsterdã (Holanda).<br />
  5. 5. Indústria Cultural (cont.)<br />O termo Indústria Cultural surge a partir da Segunda Revolução Industrial no século XIX, quando se começa a consolidar uma economia baseada no consumo de bens = sociedade do consumo.<br />A Indústria Cultural é baseada no consumo de “produtos culturais”.<br />
  6. 6. Alienação e Reificação<br />Alienação: separação do Homem e seu trabalho; o Homem não possui tempo para pensamentos e críticas. <br /><ul><li>Reificação: transformação de tudo em coisa: os bens, a propriedade e até mesmo o próprio Homem.</li></li></ul><li>Indústria Cultural (cont.)<br />Arte resumida em diversão, coisa, fuga da realidade<br />Retirada dos aspectos críticos das obras<br />Banalização da expressão artística e intelectual<br />
  7. 7. Imaginário e Fantasia<br />O estímulo ao consumo, na maioria das vezes, é obtido por meio da manipulação do imaginário e da fantasia.<br />O homem necessita de algo diferente para fugir de sua rotina monótona.<br />
  8. 8. Imaginário e Fantasia (cont.)<br />Imagens como modelos (herois, mitos de auto-realização) – indústria de massa como provedora dos mitos<br />
  9. 9. Imaginário e Fantasia (cont.)<br /> A cultura de massa cria normas e modelos. Por ser estruturada pela lei do mercado, não há imposições, mas há mensagens que incitam o consumo.<br />
  10. 10. Fantasia<br />A fantasia é nada mais que uma imposição do imaginário, subdividindo-se em progressiva e regressiva.<br />A fantasia progressiva deixa o espaço livre para a participação ativa do receptor, propiciando a criatividade e a inovação.<br />
  11. 11. Fantasia (cont.)<br />Fantasia regressiva: comunicação totalizadora, separa as concepções da realidade dos desejos e formata a percepção.<br />
  12. 12. Ideologia<br />Termo surge em 1801, na França, por Desttut de Tracy<br />Para ele, ideologia designa o “estudo científico das idéias”<br />Comte: formação de ideias advindas da observação do homem no meio ambiente<br />
  13. 13. Ideologia (cont.)<br />Karl Marx define ideologia como “um instrumento de dominação de classe, e como tal, sua origem é a existência da divisão da sociedade em classes contraditórias e em luta”.<br />A ideologia tem a função de universalizar as idéias das classes dominantes, o que resulta na criação de estereótipos.<br />
  14. 14. Estereótipos<br />Termo criado por Walter Lippman (meados de 1920).<br /> São construções mentais falsas, baseadas apenas na aparência das coisas, desconsiderando a essência das mesmas.<br />
  15. 15. Fetiche da mercadoria<br />A palavra fetiche pode ser traduzida como feitiço, neste caso, manifestado pela mercadoria; tal feitiço consegue mexer direto e inegavelmente com o imaginário das pessoas. Vive-se hoje, portanto, no mundo da pseudoconcreticidade.<br />
  16. 16. Fetiche da mercadoria<br />As mercadorias apresentam-se como imprescindíveis, e essenciais, mesmo que na verdade não o sejam. Ex.: troca de celulares. <br /> <br />Na sociedade fetichizada, as mercadorias adquirem vida. <br />
  17. 17. Teorias de Comunicação de Massa (DeFleur)<br />Teoria do Estímulo-Resposta (S-R): surgiu pela concepção de que a sociedade era composta por “átomos isolados”. As mensagens da mídia, nesta teoria, receberam o status de "balas mágicas“, com o poder de atingirem toda uma população de maneira uniforme.<br />
  18. 18. Teorias de Comunicação de Massa (DeFleur)<br />Teoria das Diferenças Individuais:explica como vários fatores relacionados à personalidade de cada indivíduo atuam diretamente no comportamento de cada um.<br />Os indivíduos eram diferentes em sua constituição psicológica e que cada pessoa reagia a incentivos de maneira diferente.<br />Cada indivíduo forma a sua personalidade e seleciona de acordo com seus próprios interesses o que mais lhe convém e interpreta uma mesma situação de maneira diferente.<br />
  19. 19. Teorias de Comunicação de Massa (DeFleur)<br />Teoria das Categorias Sociais:leva em consideração a existência de várias coletividades, agregados ou categorias sociais, que são caracterizadas pela renda, sexo, adesões religiosas ou pela educação.<br />Pessoas que possuem um certo número de características semelhantes têm hábitos e pensamentos parecidos de comunicação de massa. <br />
  20. 20. Teorias de Comunicação de Massa (DeFleur)<br />Teoria das Relações Sociais: as relações informais são importantes na modificação da maneira pela qual um indivíduo age diante da mensagem que ele recebe através dos veículos de massa.<br />Trajeto da Informação:<br />Informação  Líderes de Opinião  Membros do Grupo<br />
  21. 21. Obrigado!! =)<br />“Tu não podes descer duas vezes no mesmo rio, porque novas águas correm sempre sobre ti”. <br />Heráclito de Éfeso<br />

×