SlideShare uma empresa Scribd logo
Criação de bezerras de leite
 Compreender a importância da criação de
bezerras em rebanhos leiteiros
 Gestação - Pré-parto - Parto - Pós-parto
 Dados zootécnicos
 Práticas com a bezerra
 Nutrição
 Instalação
 Sanidade
GESTAÇÃO
PRÉ-PARTO
PARTO
PÓS-PARTO
 Nutrição
 Bem-estar
 Profilaxia
Criação de bezerras de leite
IBR
BVD
LEPTOSPIROSE
CAMPILOBACTERIOSE
PROTOZOÁRIOS
FUNGOS
BRUCELOSE
OUTRAS BACTÉRIAS
 Limpeza - instintiva/ humana
 Cura do umbigo
 Ingestão de colostro
Criação de bezerras de leite
 Cuidados no pré-parto
 Garrafas plásticas – qualquer tamanho
 Coletar até o 5° dia
 Encher sem deixar ar ou espuma
 Colocar data de início de armazenagem
 Armazenar por 20 dias em local fresco
 fermentação
 não resfriar ou refrigerar
 Os bezerros devem beber o colostro
natural até o 3° dia
 Acrescentar a silagem de colostro aos
poucos na dieta
 Ao se acostumarem, misturar água morna
a 50°C na proporção 50% (1L/1L)
 Deixar esfriar a 38°C e servir aos animais
 Superior em proteínas, gorduras, minerais
e vitaminas - anticorpos
DADOS
ZOOTÉCNICOS
 Facilita o manejo
 E a aplicação do melhoramento
 Anotar :
1. Data do nascimento
2. Sexo/ Nome/ Número
3. Peso ao nascer
4. Paternidade
5. Raça/ Grupo genético
PRÁTICAS COM
A BEZERRA
1. Número (nome)
2. Nome do pai ou da mãe
 Supranumerárias
 Devem ser cortadas na 1º semana de vida
 Evita problemas futuros com mastite
 Cicatrização
 Deve ser feita até 7 dias de vida
 Facilita o manejo na propriedade
 Ocupa menos espaço nos cochos
 Evita acidentes com outros animais
INSTALAÇÃO
 Coletivos/ Individuais
 Limpos/ secos/ desinfetados
 Bem-estar
 Pastagem
 Água
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
NUTRIÇÃO
 Dieta líquida :
Aleitamento
Natural Artificial
Leite em pó
 Dieta sólida:
Concentrado Volumoso
 pré-ruminante  volumoso +
concentrado  ác. graxos voláteis 
epitélio ruminal  ruminante
 Efeito físico e químico
 Parâmetros:
1. Peso
2. Idade
3. Consumo de concentrado
SANIDADE
 Obrigatórias
 Situações específicas
A t i v i d a d e s J F M A M J J A S O N D
1
Aftosa
2
Clostridioses
4
Raiva
5
Brucelose
6
IBR, BVD, LEP, VIB
7
Vermifugação
8
Controle ectoparasitário
 Patologias umbilicais
 Processos não infecciosos
 Processos infecciosos
 Diarréia
 Tristeza parasitária
 Ceratoconjuntivite infecciosa
 Doenças respiratórias
 Broncopneumonia
 Pneumonia
 Verminoses
 Processos não infecciosos:
1. Hérnias - traumatismo, coices, pisadas,
transporte inadequado
2. Fibromas e neoplasias - cicatrização
complicada (aderências)
3. Persitências e defeitos - úraco persistente
(septicemia)
4. Miíases (bicheiras) - ovos da mosca
Cochliomya hominivarax (larvas -11h)
 Processos infecciosos:
 Patógenos - Actinomyces pyogenes,
Staphylococcus e Streptococcus
 Coliformes, Fusobacteriun necrophorum,
Pasteurella sp., Salmonella sp., Proteus e
outros
1. Onfalite - pele/ musculatura
2. Onfaloflebite - veia umbilical e porção
externa
3. Onfaloarterite - artérias umbilicais
4. Onfaloarterioflebite - uma ou duas artérias
+ veia umbilical
5. Uraquite - úraco com ascendência à bexiga
6. Onfalouracoflebite - úraco e veia com
ascendência ao fígado e à bexiga
7. Onfalouracoarterite - úraco e artérias com
ascendência à bexiga e à artéria hipogástrica
8. Panvasculite umbilical - todo o complexo
umbilical - veias, artérias e úraco
 Causada por Escherichia coli, Salmonella
sp. e Eimeria sp.
 Morbidade e mortalidade
 Sintomatologia:
 Fezes aquosas
 Desidratação
 Perda de apetite
 Febre
 Soroterapia/ Antibiótico
 Causada por Anaplasma, Babesia, Ehrlichia e
Eperithrozon
 Transmissão feita por carrapatos e moscas
hematófagas
 Combate
 Imidocarb
 Causada pela bactéria Moraxella bovis -
diferenças genéticas
 Sintomas:
 Lacrimejamento intenso
 Fotofobia
 Opacidade central da córnea - ulceração
 Ruptura da córnea
 Cegueira temporária ou permanente
 Broncopneumonia - Causada por agentes
físicos, químicos e biológicos
 Inflamação dos brônquios, bronquíolos e
parênquima pulmonar
 Sintomas:
 Febre
 Tosse
 Secreção nasal
 Dispnéia mista
 Perda de apetite e apatia
 Pneumonia - Causada por Mycoplasma
mycoides, Pasteurella sp. e o vírus da
parainfluenza
 Sintomas:
 Febre alta
 Fraqueza
 Meios de prevenção: evitar umidade,
ventos frios, ambientes sujos
 Tratamento: antibióticos específicos
 Oxitetraciclina, cefalosporinas
 Causada por endoparasitas – Ostertagia,
Haemonchus, Bunostomun, Oesophagostomun
 Sintomas:
 Emagrecimento
 Apatia
 Anemia profunda
 Cura:
 Vermífugos específicos em doses curativas
 Prevenção:
 Vermífugos específicos em doses
preventivas
 Vieira, R. N. F. Instalações para criação de
bezerros em aleitamento (Parte I). Rehagro,
2008.
 Vieira, R. N. F. Instalações para criação de
bezerros em aleitamento (Parte II). Rehagro ,
2008.
 Coelho, S. G. Principais afecções de animais
jovens - Tristeza parasitária e onfalopatias
(Parte II). UFMG, 2004.
 Coelho, S. G. Criação de bezerros. UFMG,
2009.
 Marra, A. E.; Costa, H. Aleitamento de
bezerras - O mito dos 4 litros de leite.
Rehagro, 2009.
 Abrantes, F. C. Diarréias em bezerros.
Rehagro, 2004.
 Rehagro - Aspectos sanitários da criação de
Bezerras leiteiras. Revisão de literatura, 2003.
 Rehagro - Aspectos clínicos das afecções
umbilicais em bovinos (Parte I). Revisão de
literatura, 2003.
 Rehagro - Aspectos clínicos das afecções
umbilicais em bovinos (Parte II). Revisão de
literatura, 2003.
 Savastano, S. A. A. L. Criação de bezerros.
Dextru - Divisão de extensão rural, 2000.
 Prates, N. C. O umbigo e a saúde do bezerro.
Rehagro, 2008.
 Campos, O.; Prata, M.; Ribeiro, A. Fases
críticas na criação de bezerras. Embrapa leite.
 de Oliveira, A. A.; Azevedo, H. C.; de Melo,
C. B. Criação de bezerras em sistemas de
produção de leite. Embrapa Circular técnica
38, 2005.
OBRIGADA!
Criação de bezerras de leite
ABORTO POR BVD
• Cepa não citopatogênica de vírus BVDETIOLOGIA
TRANSMISSÃO
• Aerosol e/ou oral (predominante)
• Feto susceptível – até 6 meses
• Animais persistentemente infectados
SINAIS CLÍNICOS
• 1 Trim. = aborto, infertilidade
• 2 Trim. = aborto, anomalia congênita
• 3 Trim. = nenhum sinal
DIAGNÓSTICO
• Isolamento viral de tecidos fetais
• Demonstração viral - FA, histoquímica
• Sorologia: amostras pareadas (+ 4x)
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Ident. e elim. de port. persistentemente
• Vacinação anual
• Imunidade humoral
ABORTO POR LEPTOSPIROSE
• L. hardjo (predomina no aborto bovino)ETIOLOGIA
TRANSMISSÃO
• Oral
• Via trans-mucosal
• Fontes primárias:
o urina e fluído de aborto
SINAIS CLÍNICOS • Abortos predominam após 4/2 meses
• Vacas: febre, hemogalactia, anorexia
• Pode acompanhar transporte renal
DIAGNÓSTICO
• Microaglut. em placas - seguro
- antígeno vivo
• Deve ser testado +- 10% do rebanho
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Bacterinas de Leptospira
- eficazes e seguras
•Vacinação de 6 em 6 meses
• Bacterinas multivalentes
- L. hardjo
-- sorotipo mais importante do mundo
ABORTO POR CAMPILOBACTERIOSE
(VIBRIOSE)
• Campylobacter fetus var. venerealisETIOLOGIA
TRANSMISSÃO
• Venérea: monta e IA
• Patógeno
- sobrevive na crípta prepucial
SINAIS CLÍNICOS
• Infertilidade: anestro, repetição de cio
• Absorção Fetal
• Abortos
• Retenção de placenta
DIAGNÓSTICO
• Detecção de patógeno
- fluídos fetais abdominais
• Lesões microscópicas:
- placentite supurativa
- pericardite
- broncopneumonia
• Isolamento do patógeno
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Inseminação artificial
- sêmen sem contaminação
• Vacinação anual
- é profilaxia segura e eficaz
ABORTO POR PROTOZOÁRIOS
• Tritricomonas foetus
• Anaplasma marginale
• Neospora sp
ETIOLOGIA
TRANSMISSÃO
• Tricomonose: venérea
• Anaplasmose: Boophilus e tabanídeos
• Neosporore: provavelmente oral
SINAIS CLÍNICOS
• Tricomonose:
- Repetiçaõ de cio, aborto, piometra
• Anaplasmose:
- parasitismo, anemia, aborto
• Neosporose:
- abortos no 3 estágio da gestação
DIAGNÓSTICO
• Tricomonose:
- ex. lab. de tecido e fuídos fetais
• Anaplasmose:
- esfregaço sangüíneo
• Neosporose:
- cardiomiopatia e encefalite fetais
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Tricomonose: IA (sêmen s/ contam.)
• Anaplasmose: controle de carrapatos
• Neosporose: vacinação
ABORTO MICÓTICO
• Aspergillus spp
• Mucor spp
• Mortierella wolfii
ETIOLOGIA
TRANSMISSÃO • Via oral, desgaste do trato GI
Acidose ruminal antecedida por úlceras
SINAIS CLÍNICOS • Placentite
• Aborto na segunda metade da gestação
• Placenta retida
DIAGNÓSTICO
• Detecção de fluídos do abomaso fetal
• Lesões fetais microscópicas
• Macroscopia:
- alantocórion espessado,
- hemorragia de cotilédones
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Nutrição saudável
- evitar alimento mofado
• Controle de parasitos internos
- e fatores imunosupressivos
ABORTO BRUCÉLICO
• Brucella abortus (preferencialmente)
• Biotipos: 1 - 2 e 3
•Outras espécies
ETIOLOGIA
TRANSMISSÃO • Infectados - secreções abortivas
• Monta natural x Sêmen
• Mucosas - lesões na pele
SINAIS CLÍNICOS • Febre
• Placentite necrótica
• Aborto após o 6º mês gestacional
• Retenção de placenta
• Feto: edemas
- transdutados hemorrágicos
DIAGNÓSTICO
• Estudo epidemiológico
• Diagnóstico indireto =
- testes sorológicos
• Diagnóstico direto =
- cultivo isolamento
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Manejo (biossegurança)
• Vacinação
• Monitoramento sorológico
ABORTO POR OUTRAS BACTÉRIAS
• Listéria monocytogenes
• Actinobacillus pyogenes
• outras bactérias
ETIOLOGIA
TRANSMISSÃO
• Tende a ser oral
• Venérea
• Associada a fatores imunodepressivos
SINAIS CLÍNICOS • Freqüentemente, aborto é o único sinal
• Idade fetal de 3 a 8m
DIAGNÓSTICO
• Placentite
• Lesões fetais graves: peritonite, ascite
• Patógenos isolados :
- conteúdo do abomaso fetal
• Lesões histológicas:
- broncopneumonia
- microabscessos hepáticos
MEDIDAS
PREVENTIVAS
• Evitar fatores imunodepressivos
• Instalações adequadas
• Alimentos de boa qualidade
- bactérias telúricas
Marília Gomes Ismar
Bióloga - PUC/GO
Médica veterinária - UFG/GO
Especialista em Bovinocultura de Leite - UEG/GO
Especialista em Produção e nutrição de ruminantes
- ESALQ/USP
Especialista em Docência no ensino superior –
FMB/GO
Mestre em Zootecnia – UFG/GO
Contatos:
(62) 9 9928.5052
mariliaambiental@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
Thiago Silverio
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
Killer Max
 
Artrologia e sindesmologia veterinária
Artrologia e sindesmologia veterináriaArtrologia e sindesmologia veterinária
Artrologia e sindesmologia veterinária
Marília Gomes
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
JulioGarcia972475
 
Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
Marília Gomes
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
Killer Max
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Killer Max
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Marília Gomes
 
Nutrientes minerais para ruminantes
Nutrientes minerais para ruminantesNutrientes minerais para ruminantes
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
Felisberto Fmuandissa
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Marília Gomes
 
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
André Ferreira
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Vicente Fernandes
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovina
Raphaella Huhu
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
Killer Max
 

Mais procurados (20)

20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
 
Artrologia e sindesmologia veterinária
Artrologia e sindesmologia veterináriaArtrologia e sindesmologia veterinária
Artrologia e sindesmologia veterinária
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
 
Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Nutrientes minerais para ruminantes
Nutrientes minerais para ruminantesNutrientes minerais para ruminantes
Nutrientes minerais para ruminantes
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
Sistema Articular (Anatomia Veterinária)
 
Sistema de criação bovina
 Sistema de criação bovina Sistema de criação bovina
Sistema de criação bovina
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 

Semelhante a Criação de bezerras de leite

Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
Marília Gomes
 
Apresentação SEPSE NEONATAL - OFICIAL.ppt
Apresentação SEPSE NEONATAL  - OFICIAL.pptApresentação SEPSE NEONATAL  - OFICIAL.ppt
Apresentação SEPSE NEONATAL - OFICIAL.ppt
FlavioAugustoSerra
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
Raimundo Tostes
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
Professor Robson
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
214
214214
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Lucia Tavares
 
Aula 6 - M
Aula 6 - MAula 6 - M
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Lívia Zadra
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
Ana Claudia Rodrigues
 
Slide microbio
Slide microbioSlide microbio
Slide microbio
amandacvlh
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
Ibrahim Massuqueto
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Adimar Cardoso Junior
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
Nic K
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
Núbia Fernanda
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
Viviane Vasconcelos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
profatatiana
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
BlackPhoenix12
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Teresa Oliveira
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 

Semelhante a Criação de bezerras de leite (20)

Diarreia viral bovina
Diarreia viral bovinaDiarreia viral bovina
Diarreia viral bovina
 
Apresentação SEPSE NEONATAL - OFICIAL.ppt
Apresentação SEPSE NEONATAL  - OFICIAL.pptApresentação SEPSE NEONATAL  - OFICIAL.ppt
Apresentação SEPSE NEONATAL - OFICIAL.ppt
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Caso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceralCaso clínico leishmaniose visceral
Caso clínico leishmaniose visceral
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
214
214214
214
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Aula 6 - M
Aula 6 - MAula 6 - M
Aula 6 - M
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
Slide microbio
Slide microbioSlide microbio
Slide microbio
 
Infeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torchInfeccoes perinatais torch
Infeccoes perinatais torch
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 

Mais de Marília Gomes

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Marília Gomes
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
Marília Gomes
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Marília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
Marília Gomes
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
Marília Gomes
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
Marília Gomes
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
Marília Gomes
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
Marília Gomes
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
Marília Gomes
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Marília Gomes
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
Marília Gomes
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
Marília Gomes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
Marília Gomes
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
Marília Gomes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralTopografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Marília Gomes
 

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralTopografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Criação de bezerras de leite

  • 2.  Compreender a importância da criação de bezerras em rebanhos leiteiros  Gestação - Pré-parto - Parto - Pós-parto  Dados zootécnicos  Práticas com a bezerra  Nutrição  Instalação  Sanidade
  • 7.  Limpeza - instintiva/ humana  Cura do umbigo  Ingestão de colostro
  • 9.  Cuidados no pré-parto  Garrafas plásticas – qualquer tamanho  Coletar até o 5° dia  Encher sem deixar ar ou espuma  Colocar data de início de armazenagem  Armazenar por 20 dias em local fresco  fermentação  não resfriar ou refrigerar
  • 10.  Os bezerros devem beber o colostro natural até o 3° dia  Acrescentar a silagem de colostro aos poucos na dieta  Ao se acostumarem, misturar água morna a 50°C na proporção 50% (1L/1L)  Deixar esfriar a 38°C e servir aos animais  Superior em proteínas, gorduras, minerais e vitaminas - anticorpos
  • 12.  Facilita o manejo  E a aplicação do melhoramento  Anotar : 1. Data do nascimento 2. Sexo/ Nome/ Número 3. Peso ao nascer 4. Paternidade 5. Raça/ Grupo genético
  • 14. 1. Número (nome) 2. Nome do pai ou da mãe
  • 15.  Supranumerárias  Devem ser cortadas na 1º semana de vida  Evita problemas futuros com mastite  Cicatrização
  • 16.  Deve ser feita até 7 dias de vida  Facilita o manejo na propriedade  Ocupa menos espaço nos cochos  Evita acidentes com outros animais
  • 18.  Coletivos/ Individuais  Limpos/ secos/ desinfetados  Bem-estar  Pastagem  Água
  • 25.  Dieta líquida : Aleitamento Natural Artificial Leite em pó
  • 27.  pré-ruminante  volumoso + concentrado  ác. graxos voláteis  epitélio ruminal  ruminante  Efeito físico e químico
  • 28.  Parâmetros: 1. Peso 2. Idade 3. Consumo de concentrado
  • 30.  Obrigatórias  Situações específicas A t i v i d a d e s J F M A M J J A S O N D 1 Aftosa 2 Clostridioses 4 Raiva 5 Brucelose 6 IBR, BVD, LEP, VIB 7 Vermifugação 8 Controle ectoparasitário
  • 31.  Patologias umbilicais  Processos não infecciosos  Processos infecciosos  Diarréia  Tristeza parasitária  Ceratoconjuntivite infecciosa  Doenças respiratórias  Broncopneumonia  Pneumonia  Verminoses
  • 32.  Processos não infecciosos: 1. Hérnias - traumatismo, coices, pisadas, transporte inadequado 2. Fibromas e neoplasias - cicatrização complicada (aderências) 3. Persitências e defeitos - úraco persistente (septicemia) 4. Miíases (bicheiras) - ovos da mosca Cochliomya hominivarax (larvas -11h)
  • 33.  Processos infecciosos:  Patógenos - Actinomyces pyogenes, Staphylococcus e Streptococcus  Coliformes, Fusobacteriun necrophorum, Pasteurella sp., Salmonella sp., Proteus e outros 1. Onfalite - pele/ musculatura 2. Onfaloflebite - veia umbilical e porção externa 3. Onfaloarterite - artérias umbilicais 4. Onfaloarterioflebite - uma ou duas artérias + veia umbilical 5. Uraquite - úraco com ascendência à bexiga
  • 34. 6. Onfalouracoflebite - úraco e veia com ascendência ao fígado e à bexiga 7. Onfalouracoarterite - úraco e artérias com ascendência à bexiga e à artéria hipogástrica 8. Panvasculite umbilical - todo o complexo umbilical - veias, artérias e úraco
  • 35.  Causada por Escherichia coli, Salmonella sp. e Eimeria sp.  Morbidade e mortalidade  Sintomatologia:  Fezes aquosas  Desidratação  Perda de apetite  Febre  Soroterapia/ Antibiótico
  • 36.  Causada por Anaplasma, Babesia, Ehrlichia e Eperithrozon  Transmissão feita por carrapatos e moscas hematófagas  Combate  Imidocarb
  • 37.  Causada pela bactéria Moraxella bovis - diferenças genéticas  Sintomas:  Lacrimejamento intenso  Fotofobia  Opacidade central da córnea - ulceração  Ruptura da córnea  Cegueira temporária ou permanente
  • 38.  Broncopneumonia - Causada por agentes físicos, químicos e biológicos  Inflamação dos brônquios, bronquíolos e parênquima pulmonar  Sintomas:  Febre  Tosse  Secreção nasal  Dispnéia mista  Perda de apetite e apatia
  • 39.  Pneumonia - Causada por Mycoplasma mycoides, Pasteurella sp. e o vírus da parainfluenza  Sintomas:  Febre alta  Fraqueza  Meios de prevenção: evitar umidade, ventos frios, ambientes sujos  Tratamento: antibióticos específicos  Oxitetraciclina, cefalosporinas
  • 40.  Causada por endoparasitas – Ostertagia, Haemonchus, Bunostomun, Oesophagostomun  Sintomas:  Emagrecimento  Apatia  Anemia profunda  Cura:  Vermífugos específicos em doses curativas  Prevenção:  Vermífugos específicos em doses preventivas
  • 41.  Vieira, R. N. F. Instalações para criação de bezerros em aleitamento (Parte I). Rehagro, 2008.  Vieira, R. N. F. Instalações para criação de bezerros em aleitamento (Parte II). Rehagro , 2008.  Coelho, S. G. Principais afecções de animais jovens - Tristeza parasitária e onfalopatias (Parte II). UFMG, 2004.  Coelho, S. G. Criação de bezerros. UFMG, 2009.  Marra, A. E.; Costa, H. Aleitamento de bezerras - O mito dos 4 litros de leite. Rehagro, 2009.  Abrantes, F. C. Diarréias em bezerros. Rehagro, 2004.
  • 42.  Rehagro - Aspectos sanitários da criação de Bezerras leiteiras. Revisão de literatura, 2003.  Rehagro - Aspectos clínicos das afecções umbilicais em bovinos (Parte I). Revisão de literatura, 2003.  Rehagro - Aspectos clínicos das afecções umbilicais em bovinos (Parte II). Revisão de literatura, 2003.  Savastano, S. A. A. L. Criação de bezerros. Dextru - Divisão de extensão rural, 2000.  Prates, N. C. O umbigo e a saúde do bezerro. Rehagro, 2008.  Campos, O.; Prata, M.; Ribeiro, A. Fases críticas na criação de bezerras. Embrapa leite.  de Oliveira, A. A.; Azevedo, H. C.; de Melo, C. B. Criação de bezerras em sistemas de produção de leite. Embrapa Circular técnica 38, 2005.
  • 45. ABORTO POR BVD • Cepa não citopatogênica de vírus BVDETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Aerosol e/ou oral (predominante) • Feto susceptível – até 6 meses • Animais persistentemente infectados SINAIS CLÍNICOS • 1 Trim. = aborto, infertilidade • 2 Trim. = aborto, anomalia congênita • 3 Trim. = nenhum sinal DIAGNÓSTICO • Isolamento viral de tecidos fetais • Demonstração viral - FA, histoquímica • Sorologia: amostras pareadas (+ 4x) MEDIDAS PREVENTIVAS • Ident. e elim. de port. persistentemente • Vacinação anual • Imunidade humoral
  • 46. ABORTO POR LEPTOSPIROSE • L. hardjo (predomina no aborto bovino)ETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Oral • Via trans-mucosal • Fontes primárias: o urina e fluído de aborto SINAIS CLÍNICOS • Abortos predominam após 4/2 meses • Vacas: febre, hemogalactia, anorexia • Pode acompanhar transporte renal DIAGNÓSTICO • Microaglut. em placas - seguro - antígeno vivo • Deve ser testado +- 10% do rebanho MEDIDAS PREVENTIVAS • Bacterinas de Leptospira - eficazes e seguras •Vacinação de 6 em 6 meses • Bacterinas multivalentes - L. hardjo -- sorotipo mais importante do mundo
  • 47. ABORTO POR CAMPILOBACTERIOSE (VIBRIOSE) • Campylobacter fetus var. venerealisETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Venérea: monta e IA • Patógeno - sobrevive na crípta prepucial SINAIS CLÍNICOS • Infertilidade: anestro, repetição de cio • Absorção Fetal • Abortos • Retenção de placenta DIAGNÓSTICO • Detecção de patógeno - fluídos fetais abdominais • Lesões microscópicas: - placentite supurativa - pericardite - broncopneumonia • Isolamento do patógeno MEDIDAS PREVENTIVAS • Inseminação artificial - sêmen sem contaminação • Vacinação anual - é profilaxia segura e eficaz
  • 48. ABORTO POR PROTOZOÁRIOS • Tritricomonas foetus • Anaplasma marginale • Neospora sp ETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Tricomonose: venérea • Anaplasmose: Boophilus e tabanídeos • Neosporore: provavelmente oral SINAIS CLÍNICOS • Tricomonose: - Repetiçaõ de cio, aborto, piometra • Anaplasmose: - parasitismo, anemia, aborto • Neosporose: - abortos no 3 estágio da gestação DIAGNÓSTICO • Tricomonose: - ex. lab. de tecido e fuídos fetais • Anaplasmose: - esfregaço sangüíneo • Neosporose: - cardiomiopatia e encefalite fetais MEDIDAS PREVENTIVAS • Tricomonose: IA (sêmen s/ contam.) • Anaplasmose: controle de carrapatos • Neosporose: vacinação
  • 49. ABORTO MICÓTICO • Aspergillus spp • Mucor spp • Mortierella wolfii ETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Via oral, desgaste do trato GI Acidose ruminal antecedida por úlceras SINAIS CLÍNICOS • Placentite • Aborto na segunda metade da gestação • Placenta retida DIAGNÓSTICO • Detecção de fluídos do abomaso fetal • Lesões fetais microscópicas • Macroscopia: - alantocórion espessado, - hemorragia de cotilédones MEDIDAS PREVENTIVAS • Nutrição saudável - evitar alimento mofado • Controle de parasitos internos - e fatores imunosupressivos
  • 50. ABORTO BRUCÉLICO • Brucella abortus (preferencialmente) • Biotipos: 1 - 2 e 3 •Outras espécies ETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Infectados - secreções abortivas • Monta natural x Sêmen • Mucosas - lesões na pele SINAIS CLÍNICOS • Febre • Placentite necrótica • Aborto após o 6º mês gestacional • Retenção de placenta • Feto: edemas - transdutados hemorrágicos DIAGNÓSTICO • Estudo epidemiológico • Diagnóstico indireto = - testes sorológicos • Diagnóstico direto = - cultivo isolamento MEDIDAS PREVENTIVAS • Manejo (biossegurança) • Vacinação • Monitoramento sorológico
  • 51. ABORTO POR OUTRAS BACTÉRIAS • Listéria monocytogenes • Actinobacillus pyogenes • outras bactérias ETIOLOGIA TRANSMISSÃO • Tende a ser oral • Venérea • Associada a fatores imunodepressivos SINAIS CLÍNICOS • Freqüentemente, aborto é o único sinal • Idade fetal de 3 a 8m DIAGNÓSTICO • Placentite • Lesões fetais graves: peritonite, ascite • Patógenos isolados : - conteúdo do abomaso fetal • Lesões histológicas: - broncopneumonia - microabscessos hepáticos MEDIDAS PREVENTIVAS • Evitar fatores imunodepressivos • Instalações adequadas • Alimentos de boa qualidade - bactérias telúricas
  • 52. Marília Gomes Ismar Bióloga - PUC/GO Médica veterinária - UFG/GO Especialista em Bovinocultura de Leite - UEG/GO Especialista em Produção e nutrição de ruminantes - ESALQ/USP Especialista em Docência no ensino superior – FMB/GO Mestre em Zootecnia – UFG/GO Contatos: (62) 9 9928.5052 mariliaambiental@yahoo.com.br