SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 78
ANATOMOFISIOLOGIA DA
REPRODUÇÃO E MANEJO
REPRODUTIVO DE SUÍNOS
Prof. Marília Gomes
SISTEMA
REPRODUTOR
•Feminino e masculino
•Garantem a perpetuação da espécie
•Altamente prolíficos
•+-30 leitões/porca/ano
ÓRGÃOS E
ESTRUTURAS
QUE PERMITEM
A REPRODUÇÃO
SEXUADA
Reprodução entre indivíduos da
mesma espécie em que ocorre a troca
ou mistura de material genético
Vantagens da
reprodução
sexuada:
•Aumento da variabilidade genética
•Melhora as condições de
adaptação às alterações ambientais
•Permite a evolução das espécies
•Segregação independente dos
cromossomos homólogos
Desvantagens
da reprodução
sexuada:
•Competição por parceiro sexual
•Alto consumo de energia
•Formação dos gametas
•Cópula
SISTEMA REPRODUTOR
FEMININO
•Órgãos internos:
Ovários
Tubas uterinas
Útero
Vagina
Ovários
• Terço médio do abdômen
• Gônadas lobuladas (cacho de uva)
• Dispostos em par
• Funções:
Exócrina: produz e amadurece os óvulos
Endócrina: produz hormônios sexuais
(estradiol e progesterona)
Folículos: 4mm a 11mm
• Produção hormonal:
Estrogênio: produzidos pelos folículos
Alterações físicas e comportamentais
Progesterona: produzidos pelo corpo lúteo
Prepara o útero para a implantação do óvulo fertilizado
Tubas uterinas
• Local da fecundação
• Dividida em:
Infundíbulo: recebe o ovócito liberado
Ampola: fecundação
Istmo
Útero
• Bicórneo septado e sinuosos (tuba)
• Corpo uterino alongado
• Cérvix uterina (colo)
• Parede:
Endométrio (mucosa)
Miométrio (muscular)
Perimétrio (serosa)
Cérvix
• Colo uterino
• Pregas cônicas
• Esfíncter
• Abre no cio e parto
• Projeta-se na vagina
• Forma 2 fundos cegos: fórnix
Vagina
• Órgão copulatório
• Vestíbulo da vagina inicia na vulva
• Lubrificada
• Com odor característico
• Órgão externo:
Vestíbulo
Vulva
Clítoris
Vestíbulo
• Terço final do trato genital
• Comunica vagina e vulva
• Óstio uretral externo
• Glândulas de Bartholin (odor e
lubrificação)
Vulva
• Lábios vulvares
• Comissuras dorsal e ventral
• Fenda vertical ventral ao ânus
• Protege a parte interna
Clítoris
• Tecido erétil
• Fossa clitoriana do vestíbulo
• Comissura ventral vulvar
TUDO JUNTO
Fisiologia da reprodução da fêmea
• Poliéstrica anual
• Gestação de 114 dias (2 a 2,5)
• Lactação de +-23 dias (21 a 26 dias)
• Cio +-5 dias após desmame
• Anestro: cio não detectado em 15 dias após desmama
Ovários inativos
Cio silencioso
 Claudicações, lesões de vulva
 Medo, barulho
 Sarna
 Superlotação
 Insuficiente estimulação pelo macho
 Defeitos do piso
Inibição do ciclo folicular e do comportamento do cio durante a lactação
6 horas
após o
desmame
O ciclo ovariano consiste nas seguintes fases: desenvolvimento do folículo,
maturação do folículo, rompimento do folículo e liberação do óvulo,
enchimento de sangue na cavidade ovariana e início da proliferação celular e
formação do corpo lúteo.
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
◦ Testículos
◦ Glândulas acessórias
◦ Pênis
◦ Prepúcio
Testículos
• Saco escrotal - externo
• Temperatura abaixo da temperatura
corporal
• Epidídimo - ducto enovelado em formato
de ‘c’, muscular e ciliado (coleta e
armazena sptz)
Pênis
• Órgão copulatório
• Origina no arco isquiático
• Corpos cavernosos (dorsais)
• Corpo esponjoso (ventral)
• Raiz
• Corpo
• Glande do pênis
• Pênis fibroelástico:
Possuem pequenos espaços sanguíneos
divididos por tecidos fibroelásticos
resistentes
Túnica albugínea envolve os corpos
cavernosos e esponjoso
Presença de flexura sigmoide – pouco
sangue para ereção
Prepúcio
• Prega com dupla pele
• Reveste o pênis
• Contêm glândulas que produzem o
esmegma
• Possui um divertículo que acumula
sujidades
Glândula vesical
• Também chamada de vesícula seminal
• Aos pares
• Produz líquido viscoso e alcalino (60%)
• Mistura-se aos espermatozóides e
secreção prostática
• Nutri os sptz
• Facilita a mobilidade
Próstata
• Única
• Nos suínos temos uma porção
disseminada (recobre toda a uretra pélvica
com ácinos dentro da lâmica uretral) e
outra distinta (totalmente fora da uretra)
• Líquido alcalino (odor característico)
Glândula bulbouretral
• Aos pares
• Base da pelve
• Grande nos suínos
• Produz líquido seminal (5%)
• Pré-ejaculatório
• Esteriliza o órgão copulatório
• Lubrifica
FISIOLOGIA DA
REPRODUÇÃO
DO MACHO
MANEJO REPRODUTIVO
• Sucesso da reprodução depende:
ØAmbiência e bem-estar
ØManejo sanitário
ØGenética e características raciais
ØManejo reprodutivo adotado
ØGestão da suinocultura
PUBERDADE DOS SUÍNOS
ITEM FÊMEAS MACHOS
Idade a puberdade 5 a 7 meses 4 a 7 meses
Peso a puberdade 81kg a 104kg 81kg a 104kg
Duração do ciclo estral 21 dias -
Duração do cio ou estro 1 a 5 dias -
Intervalo desmame-estro 4 a 5 dias -
Tempo para ovular 25 a 40 horas -
Peso da gônada 3g a 7g 250g a 300g
Produção de gametas 10 a 30 óvulos/ciclo estral 100 - 200 milhões de sptz/ejaculado
Idade de
reprodução
• Fêmea:
7 a 8 meses
120kg a 140kg
3º cio
• Macho:
7 a 8 meses
140kg
IDADE EM MESES VEZES NA SEMANA
8 a 10 2
10 a 12 2 a 4
12 a 15 5 a 6
UTILIZAÇÃO DOS MACHOS
Maximização
do efeito
macho
• Rotação de machos
• 30% a 40% reposição a.a.
• Boa libido
• Salivação
• Tempo de contato mínimo de 15min/dia
• Machos >11 meses
• Macho adultos 2x/dia
• Intervalos minímos de 8 horas
• 1/100 leitoas
Seleção das marrãs
◦ Futuras matrizes
◦ Nascimento - desmame - seleção
◦ +25% do n° programado
◦ 8 a 20 fêmeas por baia
◦ 1,3m² a 1,6m² por animal
Sinais de cio
• Fêmea procura o macho
• Vulva entumecida e avermelhada
• Diminuição do apetite
• Orelhas levantadas
• Grunhidos
• Montam e deixam-se montar
• Ficam imóveis à pressão na linha dorso-
lombar
• Secreção vaginal
Fatores que
influenciam no
aparecimento
da puberdade e
cio em fêmeas
• Genética
• Manejo nutricional
• Idade e peso
• Estresse – transporte, clima, superlotação
• Mistura de lotes
• Indução hormonal
• Presença do macho
PONTOS DE
ESTÍMULOS
DAS
FÊMEAS
Sincronização do estro
LOTE DE COBERTURA
RENOVAÇÃO DOS
ESTÍMULOS
Vida útil dos óvulos: 8 a 10 horas
Vida útil dos sptz: ± 30 horas
Cobertura ou IATF (porca)
Vida útil dos óvulos: 8 a 10 horas
Vida útil dos sptz: ± 30 horas
Cobertura ou IATF (marrã)
Inseminação
artificial em
tempo fixo
◦ Coleta do sêmen com boneca
◦ 10min ejaculando
◦ Volume: +-300 mL
◦ Concentração espermática/dose: 200 milhões
◦ Temperatura de conservação: 16°C e 18°C
◦ Viabilidade de até 72 horas após diluição
• O ejaculado divide-se em três frações:
1. Fração pobre ou clara: primeira, constituída de líquido seminal e
poucos espermatozóides. Limpa o canal uretral.
2. Fração rica: segunda, grande quantidade de espermatozóides.
3. Fração gelatinosa: terceira constituída principalmente pelo
líquido gelatinoso das glândulas bulbouretrais. Impede o refluxo de
sêmen após a cópula.
• Vantagens:
Uso de sêmen de alto valor zootécnico
Controle efetivo de doenças
Melhor manejo reprodutivo
Homogeneidade nos lotes
Evita alto n° de reprodutores
• Desvantagens:
Mão de obra qualificada
Instalações adequadas
Infraestrutura de qualidade
Perpetuação de problemas genéticos
Lesão se mal feita
• Folículos de 4mm a 6mm no início do estro
• Folículos de 7mm a 10mm antes da ovulação
• Corpo hemorrágico após ovulação
• Corpo albicans - não fecundação
Diagnóstico gestacional
(trans-cutânea ou trans-retal)
MÁGICA DA VIDA
A placenta dos suínos é
difusa, formada por alterações do
endométrio somada ao córion do
feto e situa-se no útero.
OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Digestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espéciesDigestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espécies
Patrícia Oliver
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
Allen Ferreira
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
AgriPoint
 

Mais procurados (20)

Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Manejos nutricional para aves
Manejos nutricional para avesManejos nutricional para aves
Manejos nutricional para aves
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Digestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espéciesDigestão nas diferentes espécies
Digestão nas diferentes espécies
 
Dissecação de Órgãos da Porca
Dissecação de Órgãos da PorcaDissecação de Órgãos da Porca
Dissecação de Órgãos da Porca
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Recria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corteRecria de bezerros de corte
Recria de bezerros de corte
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
 
Sistema reprodutor feminino Animal
Sistema reprodutor feminino AnimalSistema reprodutor feminino Animal
Sistema reprodutor feminino Animal
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De CriaçãoZootecnia Geral, Sistema De Criação
Zootecnia Geral, Sistema De Criação
 

Semelhante a Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos

Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
Sofia Mendes
 
DiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO SexualDiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO Sexual
guest203aa5
 
Aula fisiologia da reprodução
Aula fisiologia da reproduçãoAula fisiologia da reprodução
Aula fisiologia da reprodução
guest203aa5
 
Reprodução assistida lar1
Reprodução assistida lar1Reprodução assistida lar1
Reprodução assistida lar1
Thales Simao
 
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuaisFisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
Patrícia Santos
 

Semelhante a Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos (20)

Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
 
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema ReprodutivoFisiologia - Sistema Reprodutivo
Fisiologia - Sistema Reprodutivo
 
Reproducao humana e suas especificidades.pptx
Reproducao humana e suas especificidades.pptxReproducao humana e suas especificidades.pptx
Reproducao humana e suas especificidades.pptx
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Trabalho Biologia.pptx
Trabalho Biologia.pptxTrabalho Biologia.pptx
Trabalho Biologia.pptx
 
sistema reprodutor
sistema reprodutorsistema reprodutor
sistema reprodutor
 
sistema reprodutor 8 ano
sistema reprodutor 8 anosistema reprodutor 8 ano
sistema reprodutor 8 ano
 
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxAula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Introdução à embriologia
Introdução à embriologiaIntrodução à embriologia
Introdução à embriologia
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
 
DiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO SexualDiferenciaçãO Sexual
DiferenciaçãO Sexual
 
Aula fisiologia da reprodução
Aula fisiologia da reproduçãoAula fisiologia da reprodução
Aula fisiologia da reprodução
 
Reprodução assistida lar1
Reprodução assistida lar1Reprodução assistida lar1
Reprodução assistida lar1
 
Reprodução assistida lar2
Reprodução assistida lar2Reprodução assistida lar2
Reprodução assistida lar2
 
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuaisFisiologia da reprodução ciclos sexuais
Fisiologia da reprodução ciclos sexuais
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 

Mais de Marília Gomes

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutorPatologias do sistema reprodutor
Patologias do sistema reprodutor
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
Patologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratórioPatologias do sistema respiratório
Patologias do sistema respiratório
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 

Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos

  • 1. ANATOMOFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO E MANEJO REPRODUTIVO DE SUÍNOS Prof. Marília Gomes
  • 2. SISTEMA REPRODUTOR •Feminino e masculino •Garantem a perpetuação da espécie •Altamente prolíficos •+-30 leitões/porca/ano
  • 3.
  • 5. Reprodução entre indivíduos da mesma espécie em que ocorre a troca ou mistura de material genético
  • 6. Vantagens da reprodução sexuada: •Aumento da variabilidade genética •Melhora as condições de adaptação às alterações ambientais •Permite a evolução das espécies •Segregação independente dos cromossomos homólogos
  • 7. Desvantagens da reprodução sexuada: •Competição por parceiro sexual •Alto consumo de energia •Formação dos gametas •Cópula
  • 9.
  • 10.
  • 12. Ovários • Terço médio do abdômen • Gônadas lobuladas (cacho de uva) • Dispostos em par • Funções: Exócrina: produz e amadurece os óvulos Endócrina: produz hormônios sexuais (estradiol e progesterona) Folículos: 4mm a 11mm
  • 13. • Produção hormonal: Estrogênio: produzidos pelos folículos Alterações físicas e comportamentais Progesterona: produzidos pelo corpo lúteo Prepara o útero para a implantação do óvulo fertilizado
  • 14.
  • 15. Tubas uterinas • Local da fecundação • Dividida em: Infundíbulo: recebe o ovócito liberado Ampola: fecundação Istmo
  • 16.
  • 17. Útero • Bicórneo septado e sinuosos (tuba) • Corpo uterino alongado • Cérvix uterina (colo) • Parede: Endométrio (mucosa) Miométrio (muscular) Perimétrio (serosa)
  • 18.
  • 19. Cérvix • Colo uterino • Pregas cônicas • Esfíncter • Abre no cio e parto • Projeta-se na vagina • Forma 2 fundos cegos: fórnix
  • 20.
  • 21. Vagina • Órgão copulatório • Vestíbulo da vagina inicia na vulva • Lubrificada • Com odor característico
  • 22.
  • 23.
  • 25. Vestíbulo • Terço final do trato genital • Comunica vagina e vulva • Óstio uretral externo • Glândulas de Bartholin (odor e lubrificação)
  • 26. Vulva • Lábios vulvares • Comissuras dorsal e ventral • Fenda vertical ventral ao ânus • Protege a parte interna
  • 27. Clítoris • Tecido erétil • Fossa clitoriana do vestíbulo • Comissura ventral vulvar
  • 29. Fisiologia da reprodução da fêmea • Poliéstrica anual • Gestação de 114 dias (2 a 2,5) • Lactação de +-23 dias (21 a 26 dias) • Cio +-5 dias após desmame
  • 30. • Anestro: cio não detectado em 15 dias após desmama Ovários inativos Cio silencioso  Claudicações, lesões de vulva  Medo, barulho  Sarna  Superlotação  Insuficiente estimulação pelo macho  Defeitos do piso
  • 31. Inibição do ciclo folicular e do comportamento do cio durante a lactação 6 horas após o desmame
  • 32. O ciclo ovariano consiste nas seguintes fases: desenvolvimento do folículo, maturação do folículo, rompimento do folículo e liberação do óvulo, enchimento de sangue na cavidade ovariana e início da proliferação celular e formação do corpo lúteo.
  • 33.
  • 34.
  • 36. ◦ Testículos ◦ Glândulas acessórias ◦ Pênis ◦ Prepúcio
  • 37. Testículos • Saco escrotal - externo • Temperatura abaixo da temperatura corporal • Epidídimo - ducto enovelado em formato de ‘c’, muscular e ciliado (coleta e armazena sptz)
  • 38. Pênis • Órgão copulatório • Origina no arco isquiático • Corpos cavernosos (dorsais) • Corpo esponjoso (ventral) • Raiz • Corpo • Glande do pênis
  • 39. • Pênis fibroelástico: Possuem pequenos espaços sanguíneos divididos por tecidos fibroelásticos resistentes Túnica albugínea envolve os corpos cavernosos e esponjoso Presença de flexura sigmoide – pouco sangue para ereção
  • 40.
  • 41. Prepúcio • Prega com dupla pele • Reveste o pênis • Contêm glândulas que produzem o esmegma • Possui um divertículo que acumula sujidades
  • 42. Glândula vesical • Também chamada de vesícula seminal • Aos pares • Produz líquido viscoso e alcalino (60%) • Mistura-se aos espermatozóides e secreção prostática • Nutri os sptz • Facilita a mobilidade
  • 43. Próstata • Única • Nos suínos temos uma porção disseminada (recobre toda a uretra pélvica com ácinos dentro da lâmica uretral) e outra distinta (totalmente fora da uretra) • Líquido alcalino (odor característico)
  • 44. Glândula bulbouretral • Aos pares • Base da pelve • Grande nos suínos • Produz líquido seminal (5%) • Pré-ejaculatório • Esteriliza o órgão copulatório • Lubrifica
  • 47. • Sucesso da reprodução depende: ØAmbiência e bem-estar ØManejo sanitário ØGenética e características raciais ØManejo reprodutivo adotado ØGestão da suinocultura
  • 48. PUBERDADE DOS SUÍNOS ITEM FÊMEAS MACHOS Idade a puberdade 5 a 7 meses 4 a 7 meses Peso a puberdade 81kg a 104kg 81kg a 104kg Duração do ciclo estral 21 dias - Duração do cio ou estro 1 a 5 dias - Intervalo desmame-estro 4 a 5 dias - Tempo para ovular 25 a 40 horas - Peso da gônada 3g a 7g 250g a 300g Produção de gametas 10 a 30 óvulos/ciclo estral 100 - 200 milhões de sptz/ejaculado
  • 49. Idade de reprodução • Fêmea: 7 a 8 meses 120kg a 140kg 3º cio • Macho: 7 a 8 meses 140kg IDADE EM MESES VEZES NA SEMANA 8 a 10 2 10 a 12 2 a 4 12 a 15 5 a 6 UTILIZAÇÃO DOS MACHOS
  • 50. Maximização do efeito macho • Rotação de machos • 30% a 40% reposição a.a. • Boa libido • Salivação • Tempo de contato mínimo de 15min/dia • Machos >11 meses • Macho adultos 2x/dia • Intervalos minímos de 8 horas • 1/100 leitoas
  • 51. Seleção das marrãs ◦ Futuras matrizes ◦ Nascimento - desmame - seleção ◦ +25% do n° programado ◦ 8 a 20 fêmeas por baia ◦ 1,3m² a 1,6m² por animal
  • 52. Sinais de cio • Fêmea procura o macho • Vulva entumecida e avermelhada • Diminuição do apetite • Orelhas levantadas • Grunhidos • Montam e deixam-se montar • Ficam imóveis à pressão na linha dorso- lombar • Secreção vaginal
  • 53.
  • 54. Fatores que influenciam no aparecimento da puberdade e cio em fêmeas • Genética • Manejo nutricional • Idade e peso • Estresse – transporte, clima, superlotação • Mistura de lotes • Indução hormonal • Presença do macho
  • 56.
  • 60. Vida útil dos óvulos: 8 a 10 horas Vida útil dos sptz: ± 30 horas Cobertura ou IATF (porca)
  • 61. Vida útil dos óvulos: 8 a 10 horas Vida útil dos sptz: ± 30 horas Cobertura ou IATF (marrã)
  • 62. Inseminação artificial em tempo fixo ◦ Coleta do sêmen com boneca ◦ 10min ejaculando ◦ Volume: +-300 mL ◦ Concentração espermática/dose: 200 milhões ◦ Temperatura de conservação: 16°C e 18°C ◦ Viabilidade de até 72 horas após diluição
  • 63. • O ejaculado divide-se em três frações: 1. Fração pobre ou clara: primeira, constituída de líquido seminal e poucos espermatozóides. Limpa o canal uretral. 2. Fração rica: segunda, grande quantidade de espermatozóides. 3. Fração gelatinosa: terceira constituída principalmente pelo líquido gelatinoso das glândulas bulbouretrais. Impede o refluxo de sêmen após a cópula.
  • 64.
  • 65. • Vantagens: Uso de sêmen de alto valor zootécnico Controle efetivo de doenças Melhor manejo reprodutivo Homogeneidade nos lotes Evita alto n° de reprodutores
  • 66. • Desvantagens: Mão de obra qualificada Instalações adequadas Infraestrutura de qualidade Perpetuação de problemas genéticos Lesão se mal feita
  • 67.
  • 68.
  • 69. • Folículos de 4mm a 6mm no início do estro • Folículos de 7mm a 10mm antes da ovulação • Corpo hemorrágico após ovulação • Corpo albicans - não fecundação Diagnóstico gestacional (trans-cutânea ou trans-retal)
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77. A placenta dos suínos é difusa, formada por alterações do endométrio somada ao córion do feto e situa-se no útero.