SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
BACILOS GRAM POSITIVOS Ana Claudia Souza Rodrigues 2011
BGP Coryneformes
BGP REGULARES
BGP Esporulados
BGP Ramificados X Fungos
Bacilos Gram Positivos Anaeróbios: Propionibacterium, Actinomyces, Clostridium, Lactobacillus, Mobiluncus, Eubacterium e Bifidobacterium. Outros: Mycobacterium aerotolerantes
Gêneros de BGP
TRIAGEM INICIAL Bacilos esporulados – Clostridium e Bacillus Ácool-ácido resistentes – Nocardia (ramificado), Mycobacterium Ramificado – Nocardia, Mycobacterium. Hemólise – alfa – Erisipelotrix Beta – Arcanobacterium, Gardnerella e Listeria.
CORINEFORMES Principais doenças: Actinomicose (Actinomyces), Antraz (B. anthracis), Intoxicação alimentar, sepse, endocardite, bacteremia, pneumonia(B. cereus, Rothia), vaginose, endometrite (Gardnerella), meningite, sepse, aborto (Listeria), abcesso cerebral e pulmonar (Nocardia) ou agentes oportunistas (Streptomyces).
CORYNEBACTERIUM DE IMPORTÂNCIA CLÍNICA BGP, CATALASE POSITIVAS, IMÓVEIS. Retos ou ligeiramente curvos, com extremidades em geral arredondadas, com a forma de clava, podendo apresentar arranjos característicos em paliçada ou letras chinesas, podendo ou não apresentar grânulos metacromáticos, que são melhores visualizados através da coloração de Albert-Laybourn, e que caracterizam as bactérias conhecidas como difteróides. C. diphtheriae, C. ulcerans - podem produzir a toxina diftérica. C. jeikeium – Infecções hospitalares
DIFTERIA A infecção caracteriza-se por processo infeccioso localizado no trato respiratório e manifestações tóxicas no coração e nervos periféricos. Ocorre dor de garganta, dificuldade de deglutição, presença de pseudomembrana purulenta, dor no corpo, cefaléia, náuseas e febre. A morte pode ocorrer por obstrução respiratória (pescoço de touro) ou por miocardite (destruição celular). Pode ocorrer difteria cutânea com lesões necróticas e, eventualmente, presença de pseudomembrana.
Corynebacterium Colonizam pele, trato genito-urinário, aparelho respiratório e aparelho digestivo. C. diphtheriae – gene que codifica aexotoxina tox introduzido por um bacteriófago. A difteria ou crupe é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina que provoca inflamação da mucosa da garganta, do nariz e, às vezes, da traquéia e dos brônquios. Difteria – portadores assintomáticos de bucofaringe e pele. Transmissão – gotículas respiratórias e contato cutâneo. Leite cru também já foi apontado como causador da doença. Incubação – 3 a 5 dias    Morte – 5 a 20%. A vacinação é eficiente.
C. diphteriae COLORAÇÃO – ALBERT LAYBORN MEIO SELETIVO - LOEFFER
Arcanobacterium Faringites, geralmente hemolíticos.
Bacilos de Duoderlein GARDNERELLA
GARDNERELLA
IDENTIFICAÇÃO G. vaginalis Hemólise beta – sangue de coelho Bacterioscopia: Pleomórficos, imóveis, Gram variáveis, cat -, oxid -. Mucosa vaginal – pH>4,5 e cheiro de peixe
LISTERIA Sete espécies - só a L. monocytogenesé importante para o homem. Móvel a temperatura ambiente (25 a 28oC) e imóvel a 37oC.  Importância clínica - idosos e imunocomprometidos(meningite, encefalite ou sepse). Grávida - amnionite, infecção do feto com aborto, parto prematuro, meningite neonatal e sepse neonatal. Relacionados a contaminação de alimentos.
LISTERIA Crescem em ágar sangue, ágar Chocolate, CLED, ágar nutriente, TSA e ágar Mueller Hinton, mas não em Mac Conkey. As colônias são pequenas. Bacilo Gram positivo anaeróbio facultativo, catalase positiva, oxidase negativa. Hemólise beta em ágar sangue de carneiro, CAMP positivo, motilidade positiva à temperatura ambiente. Diferenciar de S. agalactiae.
CUIDADO!!! Também causam meningites Patógeno facultativo intracelular – macrófagos, células epiteliais, fibroblastos. Depois de penetrar na célula, o pH ácido do fagolisosoma que rodeia as bactérias, háativação de Iisteriolisina O e das enzimas de fosfolipasa C, o que conserva a liberaçãodas bactérias no citosol da célula. As bactérias se replicam e posteriormente se movematravés da célula para a célula adjacente.
BACILLUS Gênero Bacillus- 50 espécies de bacilos anaeróbios facultativos que podem exibir a forma esporulada, corando-se mal pela violeta, quando em colônia mais velhas. As formas vegetativas são retas largas, podendo ser grandes, isolados ou em cadeias. A forma e localização dos endosporossão úteis para sua classificação: podem ser cilíndricos, ovais, redondos, e eventualmente com forma de feijão posição central, sub-terminal, terminal dilatando ou não a célula mãe      Todos são móveis, exceto o B. anthracis e B. mycoides e a maioria é catalase positiva.
Principais gêneros esporulados
B. anthracis Cutâneo – fatal em 20% dos casos (lesão na cabeça/pescoço). 2 a 3 dias – mancha ou pápula com vesículas. Indolor sem pus. Intestinal – semelhante, mas pode apresentar gastroenterites.
B. anthracis Pulmonar – Inalado  Macrófagos do pulmão  sistema linfático  germinam esporos  sepse. Começam com dispneía e evoluem para choque e morte.
ESPORULADOS
BACILLUS/CLOSTRIDIUM - esporulados
ACTINOMICETOS Produzem estruturas ramificadas semelhante a hifas, CATALASE POSITIVA Nocardia – forma pulmonar e extrapulmonar Crescimento 72h, beta hemólise, uréia positiva Rhodococcus Streptomyces – grânulos duros. Massa de BGP finos, cheiro de terra molhada, cresce bem em ágar Sabouraud (meio para fungos).
NOCARDIA Álcool ácido resistentes débeis (possuem ác. Micólico em sua parede). Moléculas de trealose unidas ao ácido micólico fazem com que as nocardias assim como Mycobacterium possam formar fator Corda (fator de virulência que facilita a sobrevida bacteriana)
NOCARDIA Enfermidade broncopulmonar em pacientes imunodeprimidos ou imunocompetentes com doenças graves. Nocardiosecutanea: micetoma, enfermidadelinfocutânea, infecçãocutânea superficial comformação de abscessos e celulites. Evitameliminação pela fagocitose, se multiplicam no interior dos fagócitos.  Infecções exógenas. Crescememmeios de cultura para bactériascomtensão de CO2
FASTIDIOSOS Exigências especiais de condições de cultivo (CO2, crescimento lento de 48h com a necessidade de até 30 dias de incubação - Brucella, adição de fatores especiais de crescimento) Podem ser Gram negativos ou Gram lábeis, oxidase positivos e não crescem em MacConkey.  Importantes em sítios estéreis Para realizar os testes bioquímicos é necessário meio CTA ou adicionar soro de coelho ou cavalo e inóculo bem denso. Principais gêneros: Brucella, Bordetella e Hamophylus
FASTIDIOSOS Alguns dos fastidiosos estão relacionados a contato com saliva, sangue, fezes, através de acidente perfuro-cortante ou mordida de animais domésticos ou silvestres (Pasteurella, Bartonella, Francisella e Brucella). Destaca-se ainda a necessidade de precauções especiais no manuseio de alguns destes agentes pelo potencial patogênico (Brucella e Francisella).
HAEMOPHILUS Microbiota de orofaringe e nasofaringe Importante causador de meningite, pneumonia, pericardite, celulite em RN. Crianças até 5 anos – ITU, peritonite Ágartripticase soja ou BHI Antibiograma - HTM
PROVA DO SATELITISMO Ágar sangue de carneiro – semear suspensão sol. Salina 1 a 2 McFarland. Semear uma estria de S.aureus (ATCC23922) Incubar 18 a 24 horas em tensão de CO2 O crescimento de pequenas colônias em volta do S. aureusna região de hemólise indica reação positiva.
BORDETELLA MATERIAL - Swab ou aspirado de nasofaringe e semeadura imediata em meios específicos e em ágar sangue.  Meio de Bordet & Gengou Imunofluorescência Isolamento e Identificação Cocobacilos Gram negativos pequenos e aeróbios estritos. A safranina/fucsinadeve ser corada pelo Gram durante 2 minutos para melhorar a coloração.  Enviar para laboratório de referência - confirmação
BORDETELLA B. pertussis (coqueluche- tosse comprida) e B. parapertussis. Crianças não vacinadas, com clínica bastante característica:  Período prodrômico, que inicia 5 a 10 dias após a aquisição do agente (sintomas semelhantes a um resfriado ou gripe). Fase altamente contagiosa e com sintomas inespecíficos. Tratamento - Eritromicina Período paroxístico - tosse convulsiva, persistente e característica seguida de inspiração ruidosa. Complicações – cianose, vômito, convulsões, insuficiência respiratória, encefalopatia, infecções secundárias, etc.  ATB não são eficazes. A convalescença ocorre cerca de quatro semanas após inicio dos primeiros sintomas.
BRUCELLA A brucelose - sintomas vagos -  febre baixa, calafrios, sudorese noturna, cefaléia, mialgia e artralgia. Pode ser acompanhada na forma crônica de alterações hematológicas importantes como leucopenia, pancitopenia, trombocitopenia, anemia hemolítica, etc. Está associado à ingestão de leite e derivados e carne de mamíferos, à veterinários, açougueiros ou trabalhadores rurais que manipulam carne e sangue destes animais e à acidentes em laboratórios. Material: Sangue, aspirado de medula, aspirado e biópsia de gânglios, fígado, baço, LCR
BRUCELLA Crescem bem em Ágar sangue, ágar chocolate, TripticaseSoyÁgar e Brucellaágar(48 a 72 horas). Colônias são pequenas, brancas a creme, e ao Gram visualizam-se coco-bacilos bem finos e pequenos.
LEGIONELLA Legionellapneumophila Doença dos legionários Pneumonia com ou sem sepse Pode ocorrer infecções de partes moles e sinusite.  Água contaminada. Largamente distribuída na natureza em ambiente úmido e água potável e ocasionalmente em chuveiros.
Legionella Os sintomas são febre, mal-estar, mialgia e tosse. A pneumonia é a forma mais frequente de manifestação da doença, acompanhada dos mesmos sintomas acima descritos para a forma não pulmonar e em geral com tosse não produtiva.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pseudomonas aeruginosa na Veterinária
Pseudomonas aeruginosa na VeterináriaPseudomonas aeruginosa na Veterinária
Pseudomonas aeruginosa na VeterináriaAndré Ferreira
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia LambliaITPAC PORTO
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceralHIAGO SANTOS
 
Leishmania infantum
Leishmania infantum Leishmania infantum
Leishmania infantum Tânia Faria
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaJaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaJaqueline Almeida
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliapHrOzEn HeLL
 
estudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliestudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliRenato Abdoral
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularisRossana Martins
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossomaGildo Crispim
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTGuellity Marcel
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseferaps
 

Mais procurados (20)

Pseudomonas aeruginosa na Veterinária
Pseudomonas aeruginosa na VeterináriaPseudomonas aeruginosa na Veterinária
Pseudomonas aeruginosa na Veterinária
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 
Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)
 
Aula 3 Giardia Lamblia
Aula 3   Giardia LambliaAula 3   Giardia Lamblia
Aula 3 Giardia Lamblia
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Leishmania infantum
Leishmania infantum Leishmania infantum
Leishmania infantum
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Parasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lambliaParasitologia - Giardia lamblia
Parasitologia - Giardia lamblia
 
estudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coliestudo da bactéria Escherichia coli
estudo da bactéria Escherichia coli
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularis
 
Aula n° 3 tripanossoma
Aula n° 3   tripanossomaAula n° 3   tripanossoma
Aula n° 3 tripanossoma
 
Trichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPTTrichuris trichiura - PDF/PPT
Trichuris trichiura - PDF/PPT
 
Zika Vírus
Zika VírusZika Vírus
Zika Vírus
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 

Destaque

ApresentaçãO Estagio 2008
ApresentaçãO Estagio 2008ApresentaçãO Estagio 2008
ApresentaçãO Estagio 2008tonyeu
 
Vibrio cholerae 2015
Vibrio cholerae 2015Vibrio cholerae 2015
Vibrio cholerae 2015Eduardo Luna
 
Bacterias ftopatogenicas
Bacterias ftopatogenicasBacterias ftopatogenicas
Bacterias ftopatogenicasRogger Wins
 
Clostridium sp. Tássio Henrique Sousa Silva
Clostridium sp.  Tássio Henrique Sousa SilvaClostridium sp.  Tássio Henrique Sousa Silva
Clostridium sp. Tássio Henrique Sousa SilvaTássio Henrique
 
Taxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticas
Taxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticasTaxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticas
Taxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticasMauricio Seifert
 
Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1UFPEL
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasitsufpr
 
Seminario mircro geral_contaminantes_alimentos
Seminario mircro geral_contaminantes_alimentosSeminario mircro geral_contaminantes_alimentos
Seminario mircro geral_contaminantes_alimentosMICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Apresentação de microbiologia 1 b
Apresentação de microbiologia 1 bApresentação de microbiologia 1 b
Apresentação de microbiologia 1 bMonica Silva
 

Destaque (20)

Bacillus anthracis
Bacillus anthracisBacillus anthracis
Bacillus anthracis
 
Enterobácterias - Salmonella e E. Colli
Enterobácterias - Salmonella e E. ColliEnterobácterias - Salmonella e E. Colli
Enterobácterias - Salmonella e E. Colli
 
Aula 05 bacterias
Aula   05  bacteriasAula   05  bacterias
Aula 05 bacterias
 
ApresentaçãO Estagio 2008
ApresentaçãO Estagio 2008ApresentaçãO Estagio 2008
ApresentaçãO Estagio 2008
 
Antimicrobianos
AntimicrobianosAntimicrobianos
Antimicrobianos
 
Apresentação meningites
Apresentação meningitesApresentação meningites
Apresentação meningites
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 
Vibrio cholerae 2015
Vibrio cholerae 2015Vibrio cholerae 2015
Vibrio cholerae 2015
 
Bacillus anthracis
Bacillus anthracisBacillus anthracis
Bacillus anthracis
 
Bacterias ftopatogenicas
Bacterias ftopatogenicasBacterias ftopatogenicas
Bacterias ftopatogenicas
 
Clostridium sp. Tássio Henrique Sousa Silva
Clostridium sp.  Tássio Henrique Sousa SilvaClostridium sp.  Tássio Henrique Sousa Silva
Clostridium sp. Tássio Henrique Sousa Silva
 
Vibrio e Clostridium
Vibrio e ClostridiumVibrio e Clostridium
Vibrio e Clostridium
 
Sepsis Neonatal
Sepsis NeonatalSepsis Neonatal
Sepsis Neonatal
 
Taxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticas
Taxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticasTaxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticas
Taxonomia bacteriana-e-estrutura-de-células-procarióticas
 
Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1
 
Citologia bacteriana
Citologia bacterianaCitologia bacteriana
Citologia bacteriana
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostras
 
Inflamação
  Inflamação  Inflamação
Inflamação
 
Seminario mircro geral_contaminantes_alimentos
Seminario mircro geral_contaminantes_alimentosSeminario mircro geral_contaminantes_alimentos
Seminario mircro geral_contaminantes_alimentos
 
Apresentação de microbiologia 1 b
Apresentação de microbiologia 1 bApresentação de microbiologia 1 b
Apresentação de microbiologia 1 b
 

Semelhante a BGP principais gêneros e doenças

Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisMarília Gomes
 
Portfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPortfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPatrícia Prates
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteMarília Gomes
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAdimar Cardoso Junior
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseNúbia Fernanda
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcusandrearistow
 
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoMicrobiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoNanaxara da Silva
 
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfAULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfJordniaMatias2
 
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemmicrobiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemssuser5cab6e
 

Semelhante a BGP principais gêneros e doenças (20)

Patogenia
PatogeniaPatogenia
Patogenia
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Portfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia ClínicaPortfólio Parasitologia Clínica
Portfólio Parasitologia Clínica
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixesAula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
Aula 02 principios_basicos_de_sanidade_de_peixes
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
A importancia das bacterias
A importancia das bacteriasA importancia das bacterias
A importancia das bacterias
 
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse MédicoMicrobiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
Microbiologia: Bactérias Patogênicas de Interesse Médico
 
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfAULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Criptococose pulmonar
Criptococose pulmonarCriptococose pulmonar
Criptococose pulmonar
 
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemmicrobiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues (20)

Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
 
Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 
fung
fungfung
fung
 
Manual do antibiograma
Manual do antibiograma Manual do antibiograma
Manual do antibiograma
 
TSA
TSATSA
TSA
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Aula 6 - B
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
tsa
tsatsa
tsa
 
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
 
Avaliação de micro a4
Avaliação de micro a4Avaliação de micro a4
Avaliação de micro a4
 

BGP principais gêneros e doenças

  • 1. BACILOS GRAM POSITIVOS Ana Claudia Souza Rodrigues 2011
  • 6. Bacilos Gram Positivos Anaeróbios: Propionibacterium, Actinomyces, Clostridium, Lactobacillus, Mobiluncus, Eubacterium e Bifidobacterium. Outros: Mycobacterium aerotolerantes
  • 7.
  • 9. TRIAGEM INICIAL Bacilos esporulados – Clostridium e Bacillus Ácool-ácido resistentes – Nocardia (ramificado), Mycobacterium Ramificado – Nocardia, Mycobacterium. Hemólise – alfa – Erisipelotrix Beta – Arcanobacterium, Gardnerella e Listeria.
  • 10.
  • 11. CORINEFORMES Principais doenças: Actinomicose (Actinomyces), Antraz (B. anthracis), Intoxicação alimentar, sepse, endocardite, bacteremia, pneumonia(B. cereus, Rothia), vaginose, endometrite (Gardnerella), meningite, sepse, aborto (Listeria), abcesso cerebral e pulmonar (Nocardia) ou agentes oportunistas (Streptomyces).
  • 12. CORYNEBACTERIUM DE IMPORTÂNCIA CLÍNICA BGP, CATALASE POSITIVAS, IMÓVEIS. Retos ou ligeiramente curvos, com extremidades em geral arredondadas, com a forma de clava, podendo apresentar arranjos característicos em paliçada ou letras chinesas, podendo ou não apresentar grânulos metacromáticos, que são melhores visualizados através da coloração de Albert-Laybourn, e que caracterizam as bactérias conhecidas como difteróides. C. diphtheriae, C. ulcerans - podem produzir a toxina diftérica. C. jeikeium – Infecções hospitalares
  • 13.
  • 14. DIFTERIA A infecção caracteriza-se por processo infeccioso localizado no trato respiratório e manifestações tóxicas no coração e nervos periféricos. Ocorre dor de garganta, dificuldade de deglutição, presença de pseudomembrana purulenta, dor no corpo, cefaléia, náuseas e febre. A morte pode ocorrer por obstrução respiratória (pescoço de touro) ou por miocardite (destruição celular). Pode ocorrer difteria cutânea com lesões necróticas e, eventualmente, presença de pseudomembrana.
  • 15. Corynebacterium Colonizam pele, trato genito-urinário, aparelho respiratório e aparelho digestivo. C. diphtheriae – gene que codifica aexotoxina tox introduzido por um bacteriófago. A difteria ou crupe é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina que provoca inflamação da mucosa da garganta, do nariz e, às vezes, da traquéia e dos brônquios. Difteria – portadores assintomáticos de bucofaringe e pele. Transmissão – gotículas respiratórias e contato cutâneo. Leite cru também já foi apontado como causador da doença. Incubação – 3 a 5 dias Morte – 5 a 20%. A vacinação é eficiente.
  • 16. C. diphteriae COLORAÇÃO – ALBERT LAYBORN MEIO SELETIVO - LOEFFER
  • 18. Bacilos de Duoderlein GARDNERELLA
  • 20. IDENTIFICAÇÃO G. vaginalis Hemólise beta – sangue de coelho Bacterioscopia: Pleomórficos, imóveis, Gram variáveis, cat -, oxid -. Mucosa vaginal – pH>4,5 e cheiro de peixe
  • 21. LISTERIA Sete espécies - só a L. monocytogenesé importante para o homem. Móvel a temperatura ambiente (25 a 28oC) e imóvel a 37oC. Importância clínica - idosos e imunocomprometidos(meningite, encefalite ou sepse). Grávida - amnionite, infecção do feto com aborto, parto prematuro, meningite neonatal e sepse neonatal. Relacionados a contaminação de alimentos.
  • 22. LISTERIA Crescem em ágar sangue, ágar Chocolate, CLED, ágar nutriente, TSA e ágar Mueller Hinton, mas não em Mac Conkey. As colônias são pequenas. Bacilo Gram positivo anaeróbio facultativo, catalase positiva, oxidase negativa. Hemólise beta em ágar sangue de carneiro, CAMP positivo, motilidade positiva à temperatura ambiente. Diferenciar de S. agalactiae.
  • 23.
  • 24. CUIDADO!!! Também causam meningites Patógeno facultativo intracelular – macrófagos, células epiteliais, fibroblastos. Depois de penetrar na célula, o pH ácido do fagolisosoma que rodeia as bactérias, háativação de Iisteriolisina O e das enzimas de fosfolipasa C, o que conserva a liberaçãodas bactérias no citosol da célula. As bactérias se replicam e posteriormente se movematravés da célula para a célula adjacente.
  • 25.
  • 26. BACILLUS Gênero Bacillus- 50 espécies de bacilos anaeróbios facultativos que podem exibir a forma esporulada, corando-se mal pela violeta, quando em colônia mais velhas. As formas vegetativas são retas largas, podendo ser grandes, isolados ou em cadeias. A forma e localização dos endosporossão úteis para sua classificação: podem ser cilíndricos, ovais, redondos, e eventualmente com forma de feijão posição central, sub-terminal, terminal dilatando ou não a célula mãe Todos são móveis, exceto o B. anthracis e B. mycoides e a maioria é catalase positiva.
  • 28. B. anthracis Cutâneo – fatal em 20% dos casos (lesão na cabeça/pescoço). 2 a 3 dias – mancha ou pápula com vesículas. Indolor sem pus. Intestinal – semelhante, mas pode apresentar gastroenterites.
  • 29. B. anthracis Pulmonar – Inalado  Macrófagos do pulmão  sistema linfático  germinam esporos  sepse. Começam com dispneía e evoluem para choque e morte.
  • 32. ACTINOMICETOS Produzem estruturas ramificadas semelhante a hifas, CATALASE POSITIVA Nocardia – forma pulmonar e extrapulmonar Crescimento 72h, beta hemólise, uréia positiva Rhodococcus Streptomyces – grânulos duros. Massa de BGP finos, cheiro de terra molhada, cresce bem em ágar Sabouraud (meio para fungos).
  • 33.
  • 34. NOCARDIA Álcool ácido resistentes débeis (possuem ác. Micólico em sua parede). Moléculas de trealose unidas ao ácido micólico fazem com que as nocardias assim como Mycobacterium possam formar fator Corda (fator de virulência que facilita a sobrevida bacteriana)
  • 35. NOCARDIA Enfermidade broncopulmonar em pacientes imunodeprimidos ou imunocompetentes com doenças graves. Nocardiosecutanea: micetoma, enfermidadelinfocutânea, infecçãocutânea superficial comformação de abscessos e celulites. Evitameliminação pela fagocitose, se multiplicam no interior dos fagócitos. Infecções exógenas. Crescememmeios de cultura para bactériascomtensão de CO2
  • 36. FASTIDIOSOS Exigências especiais de condições de cultivo (CO2, crescimento lento de 48h com a necessidade de até 30 dias de incubação - Brucella, adição de fatores especiais de crescimento) Podem ser Gram negativos ou Gram lábeis, oxidase positivos e não crescem em MacConkey. Importantes em sítios estéreis Para realizar os testes bioquímicos é necessário meio CTA ou adicionar soro de coelho ou cavalo e inóculo bem denso. Principais gêneros: Brucella, Bordetella e Hamophylus
  • 37. FASTIDIOSOS Alguns dos fastidiosos estão relacionados a contato com saliva, sangue, fezes, através de acidente perfuro-cortante ou mordida de animais domésticos ou silvestres (Pasteurella, Bartonella, Francisella e Brucella). Destaca-se ainda a necessidade de precauções especiais no manuseio de alguns destes agentes pelo potencial patogênico (Brucella e Francisella).
  • 38.
  • 39. HAEMOPHILUS Microbiota de orofaringe e nasofaringe Importante causador de meningite, pneumonia, pericardite, celulite em RN. Crianças até 5 anos – ITU, peritonite Ágartripticase soja ou BHI Antibiograma - HTM
  • 40.
  • 41. PROVA DO SATELITISMO Ágar sangue de carneiro – semear suspensão sol. Salina 1 a 2 McFarland. Semear uma estria de S.aureus (ATCC23922) Incubar 18 a 24 horas em tensão de CO2 O crescimento de pequenas colônias em volta do S. aureusna região de hemólise indica reação positiva.
  • 42.
  • 43. BORDETELLA MATERIAL - Swab ou aspirado de nasofaringe e semeadura imediata em meios específicos e em ágar sangue. Meio de Bordet & Gengou Imunofluorescência Isolamento e Identificação Cocobacilos Gram negativos pequenos e aeróbios estritos. A safranina/fucsinadeve ser corada pelo Gram durante 2 minutos para melhorar a coloração. Enviar para laboratório de referência - confirmação
  • 44. BORDETELLA B. pertussis (coqueluche- tosse comprida) e B. parapertussis. Crianças não vacinadas, com clínica bastante característica: Período prodrômico, que inicia 5 a 10 dias após a aquisição do agente (sintomas semelhantes a um resfriado ou gripe). Fase altamente contagiosa e com sintomas inespecíficos. Tratamento - Eritromicina Período paroxístico - tosse convulsiva, persistente e característica seguida de inspiração ruidosa. Complicações – cianose, vômito, convulsões, insuficiência respiratória, encefalopatia, infecções secundárias, etc. ATB não são eficazes. A convalescença ocorre cerca de quatro semanas após inicio dos primeiros sintomas.
  • 45. BRUCELLA A brucelose - sintomas vagos - febre baixa, calafrios, sudorese noturna, cefaléia, mialgia e artralgia. Pode ser acompanhada na forma crônica de alterações hematológicas importantes como leucopenia, pancitopenia, trombocitopenia, anemia hemolítica, etc. Está associado à ingestão de leite e derivados e carne de mamíferos, à veterinários, açougueiros ou trabalhadores rurais que manipulam carne e sangue destes animais e à acidentes em laboratórios. Material: Sangue, aspirado de medula, aspirado e biópsia de gânglios, fígado, baço, LCR
  • 46. BRUCELLA Crescem bem em Ágar sangue, ágar chocolate, TripticaseSoyÁgar e Brucellaágar(48 a 72 horas). Colônias são pequenas, brancas a creme, e ao Gram visualizam-se coco-bacilos bem finos e pequenos.
  • 47.
  • 48. LEGIONELLA Legionellapneumophila Doença dos legionários Pneumonia com ou sem sepse Pode ocorrer infecções de partes moles e sinusite. Água contaminada. Largamente distribuída na natureza em ambiente úmido e água potável e ocasionalmente em chuveiros.
  • 49. Legionella Os sintomas são febre, mal-estar, mialgia e tosse. A pneumonia é a forma mais frequente de manifestação da doença, acompanhada dos mesmos sintomas acima descritos para a forma não pulmonar e em geral com tosse não produtiva.
  • 50. FIM