SlideShare uma empresa Scribd logo
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
• Veremos os dois primeiros tópicos nessa aula (06/04/2020).
• Páginas: 91 a 104!
Links de
vídeos!
• Saiba como fazer o manejo correto de pintinhos
• https://www.youtube.com/watch?v=s-hOckFTcLw
• Frango de corte - Importância da primeira semana
• https://www.youtube.com/watch?v=m2-Ty_Znrws&t=224s
• Avicultura - Criação de Pintinhos
• https://www.youtube.com/watch?v=WVO75_J45B0
• Como preparar o galpão para receber pintinhos de 1 dia
• https://www.youtube.com/watch?v=SGcUR7oSnBM
Fases de criação do frango de corte
Preparação
do aviário
Fase inicial
de criação
Fase de
crescimento
Fase de
terminação
Pré-abate
- Limpeza e desinfecção
do galpão;
-Checagem dos
equipamentos;
-Preparação da cama;
-Montagem do círculo
de proteção.
- Manejo de 22 a 28
dias.
- Manejo de 29 dias até
pré-abate.
-Manejo pré-abate;
-Carregamento;
-Transporte para o
abatedouro
-Alojamento;
-Manejo de 1 a 21 dias.
Preparação do
aviário para
recebimento
dos pintainhos
Limpeza e
desinfecção do
galpão;
•10 dias antes;
•vazio sanitário.
Checagem dos equipamentos;
Preparação da
cama;
•Ser absorvente;
•Leve;
•Atóxico;
•Apresentar baixo custo e estar
disponível na região.
Preparação do aviário
para recebimento dos
pintainhos
• Materiais utilizados como
cama;
• Maravalha ou cepilho
de madeira;
• Serragem de madeira;
• Palha picada ou
palhada;
• Papel;
• Casca de arroz;
• Casca de amendoim;
• Bagaço de cana.
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Preparação da cama
• A cama pode ser nova ou reutilizada,
dependendo do estado em que se encontra;
• Pode ser utilizada por até seis lotes (um ano),
com impacto no custo de produção;
• Espalhar uma camada com 5 a 10 cm de altura;
• É importante frisar que a cama deverá
permanecer solta e seca durante toda a vida
do lote. Caso a cama fique endurecida ou
muito molhada, isso poderá aumentar a
incidência de afecções articulares problemas
de “calo de peito.
Preparação do aviário
para recebimento dos
pintainhos
• Cama de frango úmida ou
com muito tempo de uso;
• “calo de peito”
GRAU DA LESÃO
• Cama para receber os
pintainhos no Círculo de
Proteção deve ser SEMPRE
NOVA!!
• Mas como montar o
Círculo de Proteção?
Círculo de proteção
• Proteção dos pintinhos contra corrente de ar;
• Limitar a área disponível aos mesmos (fontes de calor,
água e ração);
• Chapas de eucatex, Duratex ou compensado;
• Altura do círculo: 50 a 60cm;
• Área de aproximadamente 7,0m2 para 500 pintinhos
- Círculo de 3 metros de diâmetro.
Círculo de
proteção
• Check-list dos materiais
necessários:
• Maravalha nova para
cama;
• Bebedouro infantil;
• Comedouro infantil;
• Câmpanula (aquecimento
dos pintainhos)
• Chapa de Eucatex;
Preparação do aviário
para recebimento dos
pintainhos
• Montagem do círculo de proteção
• Espaço menor, reduzindo assim
o gasto com aquecimento;
• Temperatura ambiente ideal no
primeiro dia é 33 °C;
• Observar o comportamento dos
pintos no interior do círculo.
QUAL O
COMPORTAMENTO
DOS PINTAINHOS NO
INTERIOR DO
CÍRCULO?
• QUAL O MOMENTO DE ABERTURA DO CÍRCULO?
ABERTURA
DOS
CÍRCULOS DE
PROTEÇÃO
MANEJO NA
FASE INICIAL
(1 – 21 DIAS)
MANEJO NA
FASE INICIAL
(1 – 21 DIAS)
• Separação de refugo: pernas retorcidas,
cabeças e olhos defeituosos, bicos cruzados e
aspecto de inviabilidade de sobrevivência.
MANEJO NA
FASE INICIAL
(1 – 21 DIAS)
• Adicionar açúcar ou complexos vitamínicos na água;
• Papelão embaixo da campânula, com ração;
MANEJO NA
FASE INICIAL
(1 – 21 DIAS)
• Manejo inicial dos frangos de corte: período mais importante de todo o ciclo de vida.
• Momento inicial do alojamento: recomenda-se diminuir à intensidade de luz.
• Após esse período as luzes devem ser ligadas por 24 horas;
• Segundo e no terceiro dia de vida, recomenda-se um período de 23 horas de luz diárias.
COMO SABER SE O PINTAINHO ESTÁ SE
ALIMENTANDO??
MANEJO NA FASE INICIAL
(1 – 21 DIAS)
• Temperaturas exigidas para o conforto dos animais:
• 33 °C no 1º dia,
• 30 °C do 2º ao 7º dia
• 29 °C na 2º semana
• 27 °C na 3º semana
• 24 °C na 4º semana
• Além do controle das campânulas é necessário verificar
constantemente a posição das cortinas.
Manejo na fase de crescimento (22 – 28 dias)
VEREMOS
AMANHÃ!!!!
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Elaine
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
Marília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
Brunna Silva Moreira
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Universidade de São Paulo
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Marília Gomes
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Universidade de São Paulo
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
Nayara Michelle
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Bioclimatologia aves
Bioclimatologia avesBioclimatologia aves
Bioclimatologia aves
Hévelyn Gonçalves
 
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POASegurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Ministério Público de Santa Catarina
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
Marília Gomes
 
Bem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamentoBem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamento
Marília Gomes
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Killer Max
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
Julihilda Araujo
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de Equinos
Killer Max
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Aline Maria
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 

Mais procurados (20)

Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Bioclimatologia aves
Bioclimatologia avesBioclimatologia aves
Bioclimatologia aves
 
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POASegurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Bem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamentoBem-estar e comportamento
Bem-estar e comportamento
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de Equinos
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 

Semelhante a Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx

Abatedouro Aves.ppt
Abatedouro Aves.pptAbatedouro Aves.ppt
Abatedouro Aves.ppt
ArlanFreitas2
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
claudioagroecologia
 
Manual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasManual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipiras
mvezzone
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
MESQUITA D. N.
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
R1Rosolem
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
mvezzone
 
Avicultura de corte
Avicultura de corteAvicultura de corte
Avicultura de corte
Marcio Coutinho Viriato
 

Semelhante a Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx (7)

Abatedouro Aves.ppt
Abatedouro Aves.pptAbatedouro Aves.ppt
Abatedouro Aves.ppt
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
 
Manual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasManual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipiras
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
 
Avicultura de corte
Avicultura de corteAvicultura de corte
Avicultura de corte
 

Último

Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
MariaJooSilva58
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 

Último (20)

Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptxQualidade do Ar interior nas escolas.pptx
Qualidade do Ar interior nas escolas.pptx
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 

Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx

  • 2. • Veremos os dois primeiros tópicos nessa aula (06/04/2020). • Páginas: 91 a 104!
  • 3. Links de vídeos! • Saiba como fazer o manejo correto de pintinhos • https://www.youtube.com/watch?v=s-hOckFTcLw • Frango de corte - Importância da primeira semana • https://www.youtube.com/watch?v=m2-Ty_Znrws&t=224s • Avicultura - Criação de Pintinhos • https://www.youtube.com/watch?v=WVO75_J45B0 • Como preparar o galpão para receber pintinhos de 1 dia • https://www.youtube.com/watch?v=SGcUR7oSnBM
  • 4. Fases de criação do frango de corte Preparação do aviário Fase inicial de criação Fase de crescimento Fase de terminação Pré-abate - Limpeza e desinfecção do galpão; -Checagem dos equipamentos; -Preparação da cama; -Montagem do círculo de proteção. - Manejo de 22 a 28 dias. - Manejo de 29 dias até pré-abate. -Manejo pré-abate; -Carregamento; -Transporte para o abatedouro -Alojamento; -Manejo de 1 a 21 dias.
  • 5. Preparação do aviário para recebimento dos pintainhos Limpeza e desinfecção do galpão; •10 dias antes; •vazio sanitário. Checagem dos equipamentos; Preparação da cama; •Ser absorvente; •Leve; •Atóxico; •Apresentar baixo custo e estar disponível na região.
  • 6. Preparação do aviário para recebimento dos pintainhos • Materiais utilizados como cama; • Maravalha ou cepilho de madeira; • Serragem de madeira; • Palha picada ou palhada; • Papel; • Casca de arroz; • Casca de amendoim; • Bagaço de cana.
  • 8. Preparação da cama • A cama pode ser nova ou reutilizada, dependendo do estado em que se encontra; • Pode ser utilizada por até seis lotes (um ano), com impacto no custo de produção; • Espalhar uma camada com 5 a 10 cm de altura; • É importante frisar que a cama deverá permanecer solta e seca durante toda a vida do lote. Caso a cama fique endurecida ou muito molhada, isso poderá aumentar a incidência de afecções articulares problemas de “calo de peito.
  • 9. Preparação do aviário para recebimento dos pintainhos • Cama de frango úmida ou com muito tempo de uso; • “calo de peito” GRAU DA LESÃO
  • 10. • Cama para receber os pintainhos no Círculo de Proteção deve ser SEMPRE NOVA!! • Mas como montar o Círculo de Proteção?
  • 11. Círculo de proteção • Proteção dos pintinhos contra corrente de ar; • Limitar a área disponível aos mesmos (fontes de calor, água e ração); • Chapas de eucatex, Duratex ou compensado; • Altura do círculo: 50 a 60cm; • Área de aproximadamente 7,0m2 para 500 pintinhos - Círculo de 3 metros de diâmetro.
  • 12. Círculo de proteção • Check-list dos materiais necessários: • Maravalha nova para cama; • Bebedouro infantil; • Comedouro infantil; • Câmpanula (aquecimento dos pintainhos) • Chapa de Eucatex;
  • 13. Preparação do aviário para recebimento dos pintainhos • Montagem do círculo de proteção • Espaço menor, reduzindo assim o gasto com aquecimento; • Temperatura ambiente ideal no primeiro dia é 33 °C; • Observar o comportamento dos pintos no interior do círculo.
  • 14. QUAL O COMPORTAMENTO DOS PINTAINHOS NO INTERIOR DO CÍRCULO?
  • 15. • QUAL O MOMENTO DE ABERTURA DO CÍRCULO?
  • 18. MANEJO NA FASE INICIAL (1 – 21 DIAS) • Separação de refugo: pernas retorcidas, cabeças e olhos defeituosos, bicos cruzados e aspecto de inviabilidade de sobrevivência.
  • 19. MANEJO NA FASE INICIAL (1 – 21 DIAS) • Adicionar açúcar ou complexos vitamínicos na água; • Papelão embaixo da campânula, com ração;
  • 20. MANEJO NA FASE INICIAL (1 – 21 DIAS) • Manejo inicial dos frangos de corte: período mais importante de todo o ciclo de vida. • Momento inicial do alojamento: recomenda-se diminuir à intensidade de luz. • Após esse período as luzes devem ser ligadas por 24 horas; • Segundo e no terceiro dia de vida, recomenda-se um período de 23 horas de luz diárias.
  • 21. COMO SABER SE O PINTAINHO ESTÁ SE ALIMENTANDO??
  • 22. MANEJO NA FASE INICIAL (1 – 21 DIAS) • Temperaturas exigidas para o conforto dos animais: • 33 °C no 1º dia, • 30 °C do 2º ao 7º dia • 29 °C na 2º semana • 27 °C na 3º semana • 24 °C na 4º semana • Além do controle das campânulas é necessário verificar constantemente a posição das cortinas.
  • 23. Manejo na fase de crescimento (22 – 28 dias) VEREMOS AMANHÃ!!!!