SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
PROFESSORA ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO
ESPECIAL
TRADUÇÃO E INTÉRPRETAÇÃO DA LIBRAS
ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA
EM SUA MODALIDADE ESCRITA: DILAINA MARIA ARAÚJO DA COSTA
Autismo uma síndrome comportamental
Atenção! O Autismo e todos os distúrbios, incluindo o transtorno autista, transtorno desintegrativo da
infância, transtorno generalizado do desenvolvimento não especificado (PDD-NOS) e Síndrome de
Asperger, fundiram-se em um único diagnóstico chamado Transtornos do Espectro Autista – TEA.
O TEA é uma condição geral para um grupo de desordens complexas do desenvolvimento do
cérebro, antes, durante ou logo após o nascimento. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade
na
Dificuldade de interação social;
Déficit de comunicação social, tanto quantitativo quanto qualitativo;
Padrões inadequados de comportamento que não possuem finalidade social.
Embora todas as pessoas com TEA partilhem essas dificuldades, o seu estado irá afeta las com intensidades
diferentes. Assim, essas diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias para todos; ou podem ser
mais sutis e tornarem-se mais visíveis ao longo do desenvolvimento.
Na adolescência podem desenvolver
ansiedade e depressão.
Deficiência intelectual, dificuldade de
coordenação motora e de atenção e as
vezes problemas de distúrbio do sono e
gastrointestinais, assim como apresentar
outras condições como síndromes de
déficit de atenção e hiperatividade,
dislexia ou dispraxia
Dificuldades de aprendizagem em
diversos estágios da vida, desde estudar
na escola, até aprender atividades da
vida diária, como, por exemplo, tomar
banho ou preparar a própria refeição..
Algumas poderão levar uma vida
relativamente “normal”, enquanto outras
poderão precisar de apoio especializado
ao longo de toda a vida. O autismo é
uma condição permanente, a criança
nasce com autismo e torna-se um adulto
com autismo
O TEA pode ser
associado com
 Privilegiar vínculos afetivos;
 Utilizar linguagem objetiva;
 Utilizar o concreto e lúdico mesmo nos anos finais do
ensino escolar;
 Propor atividades baseadas no interesse do aluno;
 Utilizar abordagens sensoriais (visual, auditivo,
cenestésico);
 Explorar o cotidiano;
 Utilizar jogos;
 Evitar atividades muito longas;
 Privilegiar as habilidades;
 Propor pequenas tarefas, mesmo que sejam diversas;
 Incentivar sempre;
 Propor atividades que estimulem pensamento lógico;
 Adaptar currículo, provas e avaliações;
Fonte:www.1.bp.blogspot.com
HABILIDADES QUE AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO
ESPECTO AUTISTA PODEM DESTACAR
• Habilidades visuais, música, arte e matemática:
• São muito atentas aos detalhes e à exatidão;
• Capacidade de memória muito acima da média;
• É provável que as informações, rotinas ou processos uma vez
aprendidos, sejam retidos;
• Algumas conseguem concentrar-se na sua área de interesse especifico
durante muito tempo e podem optar por estudar ou trabalhar em áreas
afins;
• A paixão pela rotina pode ser fator favorável na execução de um trabalho;
• São Pessoas leais e de confiança (como funcionários)
1. comportamento, 2 interação social, 3. comunicação 4. e sensibilidades sensoriais.
1. Comportamental.
• Interesses intensos ou híper foco;
• Movimentos corporais estereotipados e repetitivos, tais como agitar as mãos;
• Manipulação repetitiva de objetos, tais como ligar e desligar ou alinhar brinquedos;
• Insistência em aderir a rotinas, tais passar sempre pelo mesmo lugar e fazer as coisas
exatamente na mesma ordem a cada vez;
• Interesses sensoriais incomuns, como cheirar objetos ou olhar atentamente para objetos em
movimento;
• Sensibilidades sensoriais, incluindo a evitação de sons do cotidiano e texturas, como
secadores de cabelo, aspiradores de pó e areia;
• Deficiência intelectual ou dificuldades de aprendizagem.
O Espectro do Autismo é caracterizado pelas dificuldades no
2. A interação social.
As pessoas com TEA têm dificuldades para
entender algumas formas de comportamentos não-
verbais típicos como expressões faciais, gestos
físicos e contato visual. Suas dificuldades de
interação social podem se manifestar das seguintes
formas:
Utilização limitada e compreensão da comunicação
não verbal, como o olhar, a expressão facial e o
gesto;
Dificuldade de iniciar e manter amizades;
Falta de compartilhamento de prazeres, interesses
e atividades com outras pessoas;
Dificuldades com a capacidade de resposta social
e emocional
A dificuldade de comunicação verbal em geral acarreta problemas de interação
social, podendo abandonar brincadeiras de jogos, com comportamentos
repetitivos para evitar a interação.
Suas dificuldades de interação social
podem se manifestar das seguintes formas:
• Utilização limitada e compreensão da comunicação não verbal, como o
olhar, a expressão facial e o gesto;
• Dificuldade de iniciar e manter amizades;
• Falta de compartilhamento de prazeres, interesses e atividades com
outras pessoas;
• Dificuldades com a capacidade de resposta social e emocional.
3. Comunicação.
Podemos encontrar Pessoas com TEA com diversas dificuldades para mais ou para menos de
comunicação tem uns que falam fluentemente, outros podem ter alteração da fala em diferentes
graus, alguns poucos podem ainda serem incapazes de falar normalmente.
Dentre os que conseguem falar, sua linguagem pode ser limitada ou incomum, seu discurso pode incluir
a repetição de frases ou palavras de forma a fazer as mesmas perguntas várias vezes.
Em muitos casos eles falam de temas que são de interesse para eles mesmos, o que torna difícil a troca
de experiências na comunicação. Eles têm dificuldade em interpretar as formas não-verbais de
comunicação, como expressões faciais, gestos e outras linguagens corporais.
Comunicação prejudicada é caracterizado por:
Desenvolvimento atrasado da linguagem;
Dificuldades de iniciar e manter conversas;
Uso estereotipado e repetitivo da linguagem como repetir sempre as mesmas frases.
Os problemas de comunicação englobam atraso
no desenvolvimento da fala e da linguagem, tais
como:
• Repetir palavras e frases (ecolalia);
• Inverter os pronomes;
• Dar respostas deslocadas do contexto da pergunta;
• Não responder quando lhe é mostrado algo;
• Não utilizar gesto ou utilizar muito pouco;
• Apresentar fala monótona ou cantada (uso da prosódia);
• Não compreender as nuances da língua como o sarcasmo ou
provérbios.
No Brasil, a lei (nº 12.7764, criada em 2012) estabelece a Política Nacional de
Proteção dos Direitos de Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, o que garante
a obrigatoriedade da matrícula em escola regular, a acomodação do ambiente e do
currículo escolar, a elaboração de programas de ensino individualizado e o
oferecimento de profissionais de apoio para os alunos.
O processo de alfabetização é muito mais do que reconhecer símbolos e
letras, é saber interpretar o que está a sua volta com a leitura de mundo,
como diz Freire (1993).
Com base nas peculiaridades da Pessoa com TEA
o uso de computadores no processo de ensino e
aprendizagem de pessoas com autismo é muito
significativo pois dispõe de recursos como
animação, som, efeitos especiais, tornando o
material mais interessante e atrativo para todas as
pessoas.
O Objeto da aprendizagem (OA) visa também uma “alfabetização” que
auxilie a pessoa com autismo a também incorporar novos elementos ao
seu contexto de mundo. Possibilita que avance em termos de
abstração e generalização de conhecimento sobre a realidade a sua
volta. Além disso, este OA aproveita ao máximo os recursos que podem
ser oferecidos pelo computador, inclusive agregando componentes
como vídeos, imagens e sons, facilitando ao aluno o contato com uma
atividade bastante aproximada da realidade.
Além dos professores e
monitores, a presença de algum
membro da equipe gestora, como
o diretor, pedagogo ou
coordenador, é de grande valia,
principalmente pelo fato de que a
inclusão precisa acontecer no
espaço da escola como um todo
e não somente na sala de aula. E
para tanto, medidas de caráter
pedagógico e administrativo que
envolvam o coletivo da escola
precisam, às vezes ser tomadas.
O professor deve observar atentamente seu aluno, perceber seus
interesses e que tipo de evento ou situação desencadeia
comportamentos incompatíveis com o ambiente escolar.
Ou seja, precisa conhecer seu aluno para melhor interagir e se
comunicar com ele, atender às suas necessidades educacionais
especiais e evoluírem, tanto o aluno quanto o professor, no processo
ensino-aprendizagem. Cada aluno com autismo é um ser único, com
características próprias e por isso responde às intervenções de forma
diferente, particular e no seu tempo, necessitando de um olhar
individualizado do professor.
O método ABA pode intencionalmente ensinar a criança a exibir comportamentos mais adequados no
lugar dos comportamentos problemas. Comportamentos estão relacionados a eventos ou estímulos que
os precedem (antecedentes) e a sua probabilidade de ocorrência futura está relacionada às
consequências que os seguem. Todo comportamento é modificado através de suas consequências.
Tentamos fazer coisas e se elas funcionam faremos novamente; quando nossas ações não funcionam é
menos provável que as realizemos novamente no futuro.
Os objetivos da intervenção são
 Diminuir a Trabalhar os déficits de atenção, identificando os comportamentos que a criança tem dificuldades ou até inabilidades e
que prejudicam sua vida e suas aprendizagens;
 Minimizar a frequência e intensidade de comportamentos de birra ou indesejáveis, como, por exemplo: agressividade, estereotipias
e outros que dificultam o convívio social e aprendizagem deste indivíduo.
 Promover o desenvolvimento de habilidades sociais, comunicativas, adaptativas, cognitivas, acadêmicas etc.
 Promover comportamentos socialmente desejáveis.
A intervenção é baseada em uma análise funcional, ou seja, análise da função do comportamento
determinante, para eliminar comportamentos socialmente indesejáveis. Este é um ponto central para
entendermos qual é o propósito do comportamento problema que a criança está apresentando e,
com isso, montarmos a intervenção para modificá-lo. Se o comportamento é influenciado por suas
consequências, podemos manipulá-las para entendermos melhor como essa sequência se dá e
também modificar os comportamentos das pessoas, programando consequências especiais para tal.
O primeiro passo é identificar a sua função. Se não soubermos por que uma criança deve se
engajar em um comportamento adequado (qual a função ou propósito), será difícil saber como
devemos ensiná-la. Pais, terapeutas e professores tendem a imaginar ou achar um motivo para o
comportamento e isso incorrerá no insucesso da intervenção. A avaliação comportamental é a fase
da descoberta, e visa à identificação e o entendimento de alguns aspectos relativos à criança com
autismo e seu ambiente.
Alguns dos objetivos da avaliação
são
Entender o repertório de comunicação da criança: presença ou não de
linguagem funcional, contato visual, atendimento de ordens, entre outros;
Como ela se relaciona em seu ambiente: brinquedos preferidos, apresenta
birras frequentes, como reage às pessoas;
Qual a função de seus comportamentos;
Em que circunstâncias certos problemas ocorrem ou deixam de ocorrer com
maior frequência ou intensidade?
Quais as consequências fornecidas a esses comportamentos problema?
O segundo passo é traçar pequenos objetivos a curto prazo, visando à ampliação de habilidades e
eliminação de comportamentos inadequados, realizando a manipulação dos antecedentes (estratégias
de prevenção).
 É importante que a modificação de comportamentos desafiadores seja feita gradualmente, sendo a redução da ansiedade e
do sofrimento o objetivo principal.
 Para tanto [e necessário traçar regras claras e consistentes (quando o comportamento não é admitido ou permitido); uma
modificação gradativa;
 Identificação de funções subjacentes, tais como ansiedade ou incerteza;
 Modificações ambientais (mudança nas atitudes ou tornar a situação mais previsível) e transformação das obsessões em
atividades adaptativas. Modificando os antecedentes podemos prevenir que o comportamento problema aconteça. Isto é
realizado de diferentes maneiras: Evitando situações ou pessoas que sirvam como antecedentes para o comportamento
problema; Controlando o meio ambiente – no decorrer da vida do indivíduo o ambiente modela, cria um repertório
comportamental e o mantém; o ambiente ainda estabelece as ocasiões nas quais o comportamento acontece, já que este
não ocorre no vácuo. Dividindo as tarefas em passos menores e mais toleráveis, o que chamamos de aprendizagem sem
erro. Toda a intervenção está baseada na aprendizagem sem erros, ou seja, deixamos de lado o histórico de fracassos e
ensinamos a criança a aprender.
Esta aprendizagem deve ser prazerosa e divertida para a criança, podendo-se usar reforçadores para
manter a criança motivada.
Um reforço é uma consequência que aumenta a probabilidade de esta resposta acontecer novamente.
Além do reforço, usamos a hierarquia de dicas: quando iniciamos o ensino de qualquer
comportamento, ajudamos a criança a realizá-lo com a dica necessária, que pode ser verbal (total ou
parcial), física, leve, gestual, visual ou auditiva – e planejamos a retirada dessa dica até que a criança
seja capaz de realizar o comportamento de maneira independente.
O terceiro passo é a elaboração de programas de ensino. Os programas de ensino são
individualizados, geralmente ocorrem em situação de “um para um” e envolvem as diversas áreas do
desenvolvimento: acadêmica, linguagem, social, verbal, motora, de brincar, pedagógica e
atividades de vida diária. A metodologia ABA e seus procedimentos são constantes e padronizados, o
que possibilita que mais de um professor (pessoa que realiza os programas) trabalhe com a criança. A
participação dos familiares da criança no programa é de grande contribuição para seu sucesso e
assegura a generalização e manutenção de todas as habilidades aprendidas pela criança.
Ensinar crianças
autistas não deve ser
encarado como uma
tragédia, mas sim
como um desafio que
porá à prova muitas
das nossas
competências e com
certeza nos tornará
profissionais mais
capazes.
BIBLIOGRAFIA
Material didático - TRANSTORNO DO ESPECTO AUTISTA - CONTEXTUALIZAÇÃO, INCLUSÃO E INTERVENÇÃO –
Faculdade Faveni – Curso de Pós graduação último acesso 6 de maio de 2019

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Adequação curricular
Adequação curricularAdequação curricular
Adequação curricularAnaí Peña
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoVera Zacharias
 
Material flexibilização curricular
Material flexibilização curricular Material flexibilização curricular
Material flexibilização curricular Isa ...
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoAurivan
 
Plano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloPlano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloDaniel Santos
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide AutismoUNIME
 
Metodologia do ensino de artes
Metodologia do ensino de artesMetodologia do ensino de artes
Metodologia do ensino de artesAna Guimaraes
 
Ficha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectual
Ficha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectualFicha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectual
Ficha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectualGraça Rocha
 
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo Ivete Diniz
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAnaí Peña
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoSimone Dias
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videocraeditgd
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADODanielle Souza
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioRosana Santos
 
Autismo programa-de-educacao-individualizada-pei
Autismo programa-de-educacao-individualizada-peiAutismo programa-de-educacao-individualizada-pei
Autismo programa-de-educacao-individualizada-peiRosane Domingues
 
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfClarisseAmaral
 

Mais procurados (20)

Adequação curricular
Adequação curricularAdequação curricular
Adequação curricular
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
 
Material flexibilização curricular
Material flexibilização curricular Material flexibilização curricular
Material flexibilização curricular
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 
Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Plano de ação - Modelo
Plano de ação - ModeloPlano de ação - Modelo
Plano de ação - Modelo
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Metodologia do ensino de artes
Metodologia do ensino de artesMetodologia do ensino de artes
Metodologia do ensino de artes
 
Ficha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectual
Ficha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectualFicha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectual
Ficha de-dados-sobre-avaliac3a7c3a3o-do-aluno-com-deficic3aancia-intelectual
 
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
 
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamentalAvaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
Avaliação da aprendizagem na educação infantil e 1o ano do ensino fundamental
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
 
Autismo programa-de-educacao-individualizada-pei
Autismo programa-de-educacao-individualizada-peiAutismo programa-de-educacao-individualizada-pei
Autismo programa-de-educacao-individualizada-pei
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdf
 

Semelhante a Contexto educacional do estudante com autismo

Semelhante a Contexto educacional do estudante com autismo (20)

Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Transtorno do Espectro Austista
Transtorno do Espectro AustistaTranstorno do Espectro Austista
Transtorno do Espectro Austista
 
Transtorno do Espectro Austista
Transtorno do Espectro AustistaTranstorno do Espectro Austista
Transtorno do Espectro Austista
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
 
exemplo.pptx
exemplo.pptxexemplo.pptx
exemplo.pptx
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Revistagalopim2011
Revistagalopim2011Revistagalopim2011
Revistagalopim2011
 
Autismo ou perturbações do espetro do autismo
Autismo  ou perturbações do espetro do autismo Autismo  ou perturbações do espetro do autismo
Autismo ou perturbações do espetro do autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb
 
2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb2998 8456-1-pb
2998 8456-1-pb
 
2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
2998 8456-1-pb A CRIANÇA AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
Transtorno Global do Desenvolvimento
Transtorno Global do DesenvolvimentoTranstorno Global do Desenvolvimento
Transtorno Global do Desenvolvimento
 
Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAH
 
desenvolvimento lingüístico no autismo
desenvolvimento lingüístico no autismodesenvolvimento lingüístico no autismo
desenvolvimento lingüístico no autismo
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1
 
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Neuropedagogia
 

Mais de dilaina maria araujo maria

Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhardilaina maria araujo maria
 
Educação inclusiva compreende a educação especial
Educação inclusiva compreende a educação  especialEducação inclusiva compreende a educação  especial
Educação inclusiva compreende a educação especialdilaina maria araujo maria
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhardilaina maria araujo maria
 
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...dilaina maria araujo maria
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...dilaina maria araujo maria
 
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancoHistoria dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancodilaina maria araujo maria
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.dilaina maria araujo maria
 

Mais de dilaina maria araujo maria (20)

Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.Atendimento educacional especializado.
Atendimento educacional especializado.
 
Lei complementar nº274, de 9 de janeiro
Lei complementar nº274, de 9 de janeiroLei complementar nº274, de 9 de janeiro
Lei complementar nº274, de 9 de janeiro
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
 
Educação inclusiva compreende a educação especial
Educação inclusiva compreende a educação  especialEducação inclusiva compreende a educação  especial
Educação inclusiva compreende a educação especial
 
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilharPlano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
Plano estadual de educação meta 4 (1) para compartilhar
 
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...Diretrizes pedagogicas   e administrativas para o atendimento educacional esp...
Diretrizes pedagogicas e administrativas para o atendimento educacional esp...
 
Lei complementar
Lei complementarLei complementar
Lei complementar
 
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
Sugestões de como avaliar estudantes com deficiência intelectual, autismo e d...
 
Municipio do Acre em libras
Municipio do Acre em librasMunicipio do Acre em libras
Municipio do Acre em libras
 
Corpo humano
Corpo humanoCorpo humano
Corpo humano
 
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio brancoHistoria dos surdos no acre e na capital rio branco
Historia dos surdos no acre e na capital rio branco
 
Calendário no contexto da libras
Calendário  no contexto da librasCalendário  no contexto da libras
Calendário no contexto da libras
 
Sistema de transcrição da Libras
Sistema de transcrição da LibrasSistema de transcrição da Libras
Sistema de transcrição da Libras
 
Familia e Identidade Surda
Familia e Identidade SurdaFamilia e Identidade Surda
Familia e Identidade Surda
 
Eu não sei Libras e agora?
Eu não sei Libras e agora?Eu não sei Libras e agora?
Eu não sei Libras e agora?
 
Eu não sei Libras, e agora ?
Eu não sei Libras, e agora ?Eu não sei Libras, e agora ?
Eu não sei Libras, e agora ?
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
Identidade surda
Identidade surdaIdentidade surda
Identidade surda
 
Sistema de transcrição em libras
Sistema de transcrição em librasSistema de transcrição em libras
Sistema de transcrição em libras
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 

Contexto educacional do estudante com autismo

  • 1. PROFESSORA ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL TRADUÇÃO E INTÉRPRETAÇÃO DA LIBRAS ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SUA MODALIDADE ESCRITA: DILAINA MARIA ARAÚJO DA COSTA
  • 2. Autismo uma síndrome comportamental Atenção! O Autismo e todos os distúrbios, incluindo o transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância, transtorno generalizado do desenvolvimento não especificado (PDD-NOS) e Síndrome de Asperger, fundiram-se em um único diagnóstico chamado Transtornos do Espectro Autista – TEA. O TEA é uma condição geral para um grupo de desordens complexas do desenvolvimento do cérebro, antes, durante ou logo após o nascimento. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na Dificuldade de interação social; Déficit de comunicação social, tanto quantitativo quanto qualitativo; Padrões inadequados de comportamento que não possuem finalidade social. Embora todas as pessoas com TEA partilhem essas dificuldades, o seu estado irá afeta las com intensidades diferentes. Assim, essas diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias para todos; ou podem ser mais sutis e tornarem-se mais visíveis ao longo do desenvolvimento.
  • 3. Na adolescência podem desenvolver ansiedade e depressão. Deficiência intelectual, dificuldade de coordenação motora e de atenção e as vezes problemas de distúrbio do sono e gastrointestinais, assim como apresentar outras condições como síndromes de déficit de atenção e hiperatividade, dislexia ou dispraxia Dificuldades de aprendizagem em diversos estágios da vida, desde estudar na escola, até aprender atividades da vida diária, como, por exemplo, tomar banho ou preparar a própria refeição.. Algumas poderão levar uma vida relativamente “normal”, enquanto outras poderão precisar de apoio especializado ao longo de toda a vida. O autismo é uma condição permanente, a criança nasce com autismo e torna-se um adulto com autismo O TEA pode ser associado com
  • 4.  Privilegiar vínculos afetivos;  Utilizar linguagem objetiva;  Utilizar o concreto e lúdico mesmo nos anos finais do ensino escolar;  Propor atividades baseadas no interesse do aluno;  Utilizar abordagens sensoriais (visual, auditivo, cenestésico);  Explorar o cotidiano;  Utilizar jogos;  Evitar atividades muito longas;  Privilegiar as habilidades;  Propor pequenas tarefas, mesmo que sejam diversas;  Incentivar sempre;  Propor atividades que estimulem pensamento lógico;  Adaptar currículo, provas e avaliações; Fonte:www.1.bp.blogspot.com
  • 5. HABILIDADES QUE AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTO AUTISTA PODEM DESTACAR • Habilidades visuais, música, arte e matemática: • São muito atentas aos detalhes e à exatidão; • Capacidade de memória muito acima da média; • É provável que as informações, rotinas ou processos uma vez aprendidos, sejam retidos; • Algumas conseguem concentrar-se na sua área de interesse especifico durante muito tempo e podem optar por estudar ou trabalhar em áreas afins; • A paixão pela rotina pode ser fator favorável na execução de um trabalho; • São Pessoas leais e de confiança (como funcionários)
  • 6. 1. comportamento, 2 interação social, 3. comunicação 4. e sensibilidades sensoriais. 1. Comportamental. • Interesses intensos ou híper foco; • Movimentos corporais estereotipados e repetitivos, tais como agitar as mãos; • Manipulação repetitiva de objetos, tais como ligar e desligar ou alinhar brinquedos; • Insistência em aderir a rotinas, tais passar sempre pelo mesmo lugar e fazer as coisas exatamente na mesma ordem a cada vez; • Interesses sensoriais incomuns, como cheirar objetos ou olhar atentamente para objetos em movimento; • Sensibilidades sensoriais, incluindo a evitação de sons do cotidiano e texturas, como secadores de cabelo, aspiradores de pó e areia; • Deficiência intelectual ou dificuldades de aprendizagem. O Espectro do Autismo é caracterizado pelas dificuldades no
  • 7. 2. A interação social. As pessoas com TEA têm dificuldades para entender algumas formas de comportamentos não- verbais típicos como expressões faciais, gestos físicos e contato visual. Suas dificuldades de interação social podem se manifestar das seguintes formas: Utilização limitada e compreensão da comunicação não verbal, como o olhar, a expressão facial e o gesto; Dificuldade de iniciar e manter amizades; Falta de compartilhamento de prazeres, interesses e atividades com outras pessoas; Dificuldades com a capacidade de resposta social e emocional
  • 8. A dificuldade de comunicação verbal em geral acarreta problemas de interação social, podendo abandonar brincadeiras de jogos, com comportamentos repetitivos para evitar a interação. Suas dificuldades de interação social podem se manifestar das seguintes formas: • Utilização limitada e compreensão da comunicação não verbal, como o olhar, a expressão facial e o gesto; • Dificuldade de iniciar e manter amizades; • Falta de compartilhamento de prazeres, interesses e atividades com outras pessoas; • Dificuldades com a capacidade de resposta social e emocional.
  • 9. 3. Comunicação. Podemos encontrar Pessoas com TEA com diversas dificuldades para mais ou para menos de comunicação tem uns que falam fluentemente, outros podem ter alteração da fala em diferentes graus, alguns poucos podem ainda serem incapazes de falar normalmente. Dentre os que conseguem falar, sua linguagem pode ser limitada ou incomum, seu discurso pode incluir a repetição de frases ou palavras de forma a fazer as mesmas perguntas várias vezes. Em muitos casos eles falam de temas que são de interesse para eles mesmos, o que torna difícil a troca de experiências na comunicação. Eles têm dificuldade em interpretar as formas não-verbais de comunicação, como expressões faciais, gestos e outras linguagens corporais. Comunicação prejudicada é caracterizado por: Desenvolvimento atrasado da linguagem; Dificuldades de iniciar e manter conversas; Uso estereotipado e repetitivo da linguagem como repetir sempre as mesmas frases.
  • 10. Os problemas de comunicação englobam atraso no desenvolvimento da fala e da linguagem, tais como: • Repetir palavras e frases (ecolalia); • Inverter os pronomes; • Dar respostas deslocadas do contexto da pergunta; • Não responder quando lhe é mostrado algo; • Não utilizar gesto ou utilizar muito pouco; • Apresentar fala monótona ou cantada (uso da prosódia); • Não compreender as nuances da língua como o sarcasmo ou provérbios.
  • 11. No Brasil, a lei (nº 12.7764, criada em 2012) estabelece a Política Nacional de Proteção dos Direitos de Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, o que garante a obrigatoriedade da matrícula em escola regular, a acomodação do ambiente e do currículo escolar, a elaboração de programas de ensino individualizado e o oferecimento de profissionais de apoio para os alunos.
  • 12.
  • 13. O processo de alfabetização é muito mais do que reconhecer símbolos e letras, é saber interpretar o que está a sua volta com a leitura de mundo, como diz Freire (1993). Com base nas peculiaridades da Pessoa com TEA o uso de computadores no processo de ensino e aprendizagem de pessoas com autismo é muito significativo pois dispõe de recursos como animação, som, efeitos especiais, tornando o material mais interessante e atrativo para todas as pessoas.
  • 14. O Objeto da aprendizagem (OA) visa também uma “alfabetização” que auxilie a pessoa com autismo a também incorporar novos elementos ao seu contexto de mundo. Possibilita que avance em termos de abstração e generalização de conhecimento sobre a realidade a sua volta. Além disso, este OA aproveita ao máximo os recursos que podem ser oferecidos pelo computador, inclusive agregando componentes como vídeos, imagens e sons, facilitando ao aluno o contato com uma atividade bastante aproximada da realidade.
  • 15. Além dos professores e monitores, a presença de algum membro da equipe gestora, como o diretor, pedagogo ou coordenador, é de grande valia, principalmente pelo fato de que a inclusão precisa acontecer no espaço da escola como um todo e não somente na sala de aula. E para tanto, medidas de caráter pedagógico e administrativo que envolvam o coletivo da escola precisam, às vezes ser tomadas.
  • 16. O professor deve observar atentamente seu aluno, perceber seus interesses e que tipo de evento ou situação desencadeia comportamentos incompatíveis com o ambiente escolar. Ou seja, precisa conhecer seu aluno para melhor interagir e se comunicar com ele, atender às suas necessidades educacionais especiais e evoluírem, tanto o aluno quanto o professor, no processo ensino-aprendizagem. Cada aluno com autismo é um ser único, com características próprias e por isso responde às intervenções de forma diferente, particular e no seu tempo, necessitando de um olhar individualizado do professor.
  • 17.
  • 18. O método ABA pode intencionalmente ensinar a criança a exibir comportamentos mais adequados no lugar dos comportamentos problemas. Comportamentos estão relacionados a eventos ou estímulos que os precedem (antecedentes) e a sua probabilidade de ocorrência futura está relacionada às consequências que os seguem. Todo comportamento é modificado através de suas consequências. Tentamos fazer coisas e se elas funcionam faremos novamente; quando nossas ações não funcionam é menos provável que as realizemos novamente no futuro. Os objetivos da intervenção são  Diminuir a Trabalhar os déficits de atenção, identificando os comportamentos que a criança tem dificuldades ou até inabilidades e que prejudicam sua vida e suas aprendizagens;  Minimizar a frequência e intensidade de comportamentos de birra ou indesejáveis, como, por exemplo: agressividade, estereotipias e outros que dificultam o convívio social e aprendizagem deste indivíduo.  Promover o desenvolvimento de habilidades sociais, comunicativas, adaptativas, cognitivas, acadêmicas etc.  Promover comportamentos socialmente desejáveis.
  • 19. A intervenção é baseada em uma análise funcional, ou seja, análise da função do comportamento determinante, para eliminar comportamentos socialmente indesejáveis. Este é um ponto central para entendermos qual é o propósito do comportamento problema que a criança está apresentando e, com isso, montarmos a intervenção para modificá-lo. Se o comportamento é influenciado por suas consequências, podemos manipulá-las para entendermos melhor como essa sequência se dá e também modificar os comportamentos das pessoas, programando consequências especiais para tal. O primeiro passo é identificar a sua função. Se não soubermos por que uma criança deve se engajar em um comportamento adequado (qual a função ou propósito), será difícil saber como devemos ensiná-la. Pais, terapeutas e professores tendem a imaginar ou achar um motivo para o comportamento e isso incorrerá no insucesso da intervenção. A avaliação comportamental é a fase da descoberta, e visa à identificação e o entendimento de alguns aspectos relativos à criança com autismo e seu ambiente.
  • 20. Alguns dos objetivos da avaliação são Entender o repertório de comunicação da criança: presença ou não de linguagem funcional, contato visual, atendimento de ordens, entre outros; Como ela se relaciona em seu ambiente: brinquedos preferidos, apresenta birras frequentes, como reage às pessoas; Qual a função de seus comportamentos; Em que circunstâncias certos problemas ocorrem ou deixam de ocorrer com maior frequência ou intensidade? Quais as consequências fornecidas a esses comportamentos problema?
  • 21. O segundo passo é traçar pequenos objetivos a curto prazo, visando à ampliação de habilidades e eliminação de comportamentos inadequados, realizando a manipulação dos antecedentes (estratégias de prevenção).  É importante que a modificação de comportamentos desafiadores seja feita gradualmente, sendo a redução da ansiedade e do sofrimento o objetivo principal.  Para tanto [e necessário traçar regras claras e consistentes (quando o comportamento não é admitido ou permitido); uma modificação gradativa;  Identificação de funções subjacentes, tais como ansiedade ou incerteza;  Modificações ambientais (mudança nas atitudes ou tornar a situação mais previsível) e transformação das obsessões em atividades adaptativas. Modificando os antecedentes podemos prevenir que o comportamento problema aconteça. Isto é realizado de diferentes maneiras: Evitando situações ou pessoas que sirvam como antecedentes para o comportamento problema; Controlando o meio ambiente – no decorrer da vida do indivíduo o ambiente modela, cria um repertório comportamental e o mantém; o ambiente ainda estabelece as ocasiões nas quais o comportamento acontece, já que este não ocorre no vácuo. Dividindo as tarefas em passos menores e mais toleráveis, o que chamamos de aprendizagem sem erro. Toda a intervenção está baseada na aprendizagem sem erros, ou seja, deixamos de lado o histórico de fracassos e ensinamos a criança a aprender.
  • 22. Esta aprendizagem deve ser prazerosa e divertida para a criança, podendo-se usar reforçadores para manter a criança motivada. Um reforço é uma consequência que aumenta a probabilidade de esta resposta acontecer novamente. Além do reforço, usamos a hierarquia de dicas: quando iniciamos o ensino de qualquer comportamento, ajudamos a criança a realizá-lo com a dica necessária, que pode ser verbal (total ou parcial), física, leve, gestual, visual ou auditiva – e planejamos a retirada dessa dica até que a criança seja capaz de realizar o comportamento de maneira independente. O terceiro passo é a elaboração de programas de ensino. Os programas de ensino são individualizados, geralmente ocorrem em situação de “um para um” e envolvem as diversas áreas do desenvolvimento: acadêmica, linguagem, social, verbal, motora, de brincar, pedagógica e atividades de vida diária. A metodologia ABA e seus procedimentos são constantes e padronizados, o que possibilita que mais de um professor (pessoa que realiza os programas) trabalhe com a criança. A participação dos familiares da criança no programa é de grande contribuição para seu sucesso e assegura a generalização e manutenção de todas as habilidades aprendidas pela criança.
  • 23. Ensinar crianças autistas não deve ser encarado como uma tragédia, mas sim como um desafio que porá à prova muitas das nossas competências e com certeza nos tornará profissionais mais capazes.
  • 24. BIBLIOGRAFIA Material didático - TRANSTORNO DO ESPECTO AUTISTA - CONTEXTUALIZAÇÃO, INCLUSÃO E INTERVENÇÃO – Faculdade Faveni – Curso de Pós graduação último acesso 6 de maio de 2019