SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
 
   PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA
     SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA
    COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL




SÍNDROME DE DOWN




          João Pessoa
            2012
O QUE É?


 É um distúrbio genético causado pela presença de um
  cromossomo 21 extra total ou parcialmente.
 
CARACTERÍSTICAS


   Hipotonia Muscular;
   Prega palmar transversal única;
   Cardiopatia;
   Retardo intelectual ;
   Problemas de visão ( miopia, astigmatismo e estrabismo);
   Problemas na audição( otites)
   Atraso no processo de desenvolvimento da linguagem.
APRENDIZAGEM


O aluno com Síndrome de Down pode apresentar:

 Dificuldade com a consolidação e retenção de
  conteúdo;
 Capacidade de concentração mais curta;
 Dificuldade com generalizações, pensamento abstrato e
  raciocínio;
 Dificuldade em seguir sequências:
 Dificuldade para adaptar-se a situações novas.
PARA INCLUIR UM ALUNO COM SD É
               PRECISO...
•    Sensibilidade e atitude positiva
•    “Ser acolhedor”
•    Acreditar no potencial do outro
•    Entender que a inclusão é não 
     discriminatória e traz tanto benefícios 
     acadêmicos quanto sociais
FATORES QUE FACILITAM O APRENDIZADO
 Oficinas, alternar os trabalhos individuais com os
  coletivos;
 Trabalhar de maneira especializada em cada uma
  destas áreas: percepção, atenção, memória,
  psicomotricidade e raciocínio lógico matemático;
 Desenvolver as habilidades de aprender e usar gestos e
  apoio visual;
 Desenvolver as habilidades de aprender e usar a
  palavra escrita.
 Aprendizado com currículo prático e material com
  atividades de manipulação 
ESTRATÉGIAS
  VISÃO
 Coloque o aluno mais à frente;
 Escreva com letras maiores;
 Faça apresentações simples e claras;

    AUDIÇÃO

   Coloque o aluno mais à frente;
   Fale diretamente ao aluno;
   Reforce o discurso com expressões faciais, sinais ou gestos;
   Reforce o discurso com material de apoio visual: figuras, fotos, objetos;
   Escreva novo vocabulário no quadro;
   Quando outros alunos responderem, repita suas respostas alto;
   Diga de outra forma ou repita palavras e frases que possam ter sido mal-
    entendidas;
COORDENAÇÃO MOTORA FINA E GLOBAL

  Oferecer exercícios extras, orientação e encorajamento
   (as habilidades motoras melhoram com a prática);
  Oferecer atividades para o fortalecimento do pulso e
   dedos        ( alinhavar, seguir traçados com o lápis,
   desenhar, separar, cortar, apertar, construir);
  Propor atividades significativas e prazerosas.
ESTRATÉGIAS PARA A HORA DE
BRINCAR...
• Encoraje o aprendizado cooperativo em trabalho com
  um parceiro ou num grupo pequeno;
• Se achar adequado, promova uma alternância de
  amigos ou um sistema de colega de apoio para ajudar
  na inclusão;
• Encoraje a participação do aluno em atividades extra-
  curriculares com os colegas da escola (clubes de livro,
  esportes, etc);
• Promova o entendimento através de teatro, livros,
  figuras ou na hora da rodinha. 
COMO ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO DA
             LINGUAGEM 


• Procure esperar, observar e ouvir o que a criança tem a
  manifestar, seja através de gestos, olhares ou
  vocalizações;

• Não atuar de maneira diretiva controladora, dando
  sempre oportunidade para a criança manifestar seus
  desejos, interesses e necessidades;
COMO ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO DA
             LINGUAGEM


• Forneça oportunidades que possam favorecer           a
  comunicação e saiba aguardar a resposta da criança



• Quando apresentar para a criança objetos, animais ou
  situações novas, deve-se nomeá-los, favorecendo o
  aumento da capacidade de compreender;
COMO ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO DA
             LINGUAGEM

• Propicie à criança experiências com diversos objetos do
  seu cotidiano, deixando que cheire o sabonete, o
  perfume, o shampoo, quando estiver utilizando-os.
  Pode-se também explorar outros sentidos como: paladar
          ( com alimentos de diferentes sabores: doces,
  salgados, azedos, amargos), tato (por meio de
  manipulação dos objetos), olfato (cheiro) e visão
  (objetos coloridos);
O QUE DEVE SER EVITADO


• Falar em excesso sem dar tempo para a criança
  responder ou tomar iniciativa;
• Ficar testando a capacidade da criança com perguntas e
  ordens;
• Superprotegê-la. Respeitar a capacidade e as iniciativas
  da criança e confiar no seu potencial de explorar o
  mundo;
• Fazer tudo que a criança pede, não dando limites a ela.
O papel do cuidador ou professor de
apoio
• Aumentar o acesso ao currículo e ao
  desenvolvimento do aprendizado;
• Garantir que a criança aprenda novas
  habilidades;
• Ajudar a desenvolver a independência;
• Ajudar a desenvolver habilidades sociais,
  amizades e comportamento apropriado para a
  idade.
TDAH
Transtorno de Déficit de Atenção e
         Hiperatividade
O QUE É O TDAH?



 Um transtorno neurobiológico, de causas provavelmente
  genéticas, que aparece na infância e freqüentemente
  acompanha o indivíduo por toda a sua vida.
Na maioria dos casos não se observa evidências de
amplas lesões estruturais ou doenças no sistema
nervoso central.
CARACTERÍSTICAS


- O TDAH se caracteriza por uma combinação de dois
  tipos de sintomas:

 Desatenção;

 Hiperatividade-impulsividade.
CARACTERÍSTICAS

 Dificuldades na escola e no relacionamento com as demais
  crianças, pais e professores;

 As crianças são tidas como "avoadas", "vivendo no mundo da lua"
  e geralmente "estabanadas“ (isto é, não param quietas por muito
  tempo);

    Os meninos tendem a ter mais sintomas de hiperatividade e
    impulsividade que as meninas, mas todos são desatentos;

     Crianças e adolescentes com TDAH podem apresentar mais
    problemas de comportamento, como por exemplo, dificuldades com
    regras e limites.
CARACTERÍSTICAS

 Podem não prestar muita atenção a detalhes ou podem cometer
  erros por falta de cuidados nos trabalhos escolares ou outras
  tarefas
 O trabalho frequentemente é confuso e realizado sem
  meticulosidade nem consideração adequada
 Com frequência têm dificuldade para manter a atenção em tarefas
  ou atividades lúdicas e consideram difícil persistir em tarefas até
  seu término.
 As tarefas que exigem um esforço mental constante são
  vivenciadas como desagradáveis e acentuadamente aversivas.
 Os hábitos de trabalho freqüentemente são desorganizados e os
  materiais necessários para a realização da tarefa com freqüência
  são espalhados, perdidos ou manuseados com descuido e
  danificados.
TDAH E ESCOLA


- Qual a dificuldade mais importante do aluno?

- O que mais atrapalha no desempenho escolar daquele
   aluno?
 
TDAH E ESCOLA

 
    - Responder essas perguntas, o professor cria melhores
      condições para traçar as estratégias que aplicará em
      sala de aula;

    - Quando se conhece aquilo que de fato tem atrapalhado
      o bom desempenho de um determinado aluno fica mais
      fácil pensar em soluções viáveis e eficazes.
TDAH E ESCOLA

• O segundo passo importante é saber distinguir o que a
  criança com TDAH é capaz de fazer do que ela não é
  (principalmente    ao    lidar   com     comportamentos
  disruptivos) e assim não criar expectativas irreais.
TDAH E ESCOLA

• Talvez essa seja uma das partes mais difíceis, mas não
  desanime, observar o aluno e estudar sobre o TDAH
  são as melhores formas de se preparar para fazer essa
  distinção sobre o que é sintoma e/ou consequência do
  transtorno daquilo que não é. Nesse sentido, cuidado
  para não repreender o tempo todo: sintomas
  primários NÃO podem ser punidos!
TDAH E ESCOLA

• Recompensar progressos sucessivos ao invés de
  esperar pelo comportamento perfeito!
• Independente de ser uma criança com TDAH, essa dica
  deve valer para todos e para todo processo de mudança
  importante;
• Para o aluno com TDAH é ainda mais válido porque os
  portadores tem mais dificuldade em lidar com
  recompensas a longo prazo.
ORIENTAÇÕES


• Não deixar flutuações de humor ou cansaço interferirem
  no trabalho de inclusão e agir da mesma forma mesmo
  quando as situações se modificam. Na implementação
  das estratégias de sala de aula o papel do professor é
  de extrema importância, é quase imensurável a
  diferença que um professor informado e motivado
  corretamente pode fazer para seus alunos!!!
ORIENTAÇÕES

• Recursos que podem e dever usados para as alunos
  com TDAH.

   - Lembretes em agendas e/ou cadernos;
   - Listas de tarefas;
   - Anotações em provas e trabalhos;
      -Quadro de Avisos e cronogramas, servindo como
  ferramentas organizadoras de horários e datas
  importantes.
ORIENTAÇÕES


• Conversar com a criança e seus pais sobre o método
  mais fácil de estudo em casa. Isso facilita muito a vida
  desses. Proponha aos pais alguns “experimentos” de
  formas de estudos diferentes até que seja encontrada a
  mais adequada para aquele aluno, contanto que inclua
  uma programação de estudo com intervalos e assim não
  acumular matéria;
ORIENTAÇÕES


• Ambientes com muitos distratores / estímulos externos
  devem ser evitados. Uma sala de aula deve conter
  apenas elementos necessários para a situação de aula
  daquele momento. Murais com muitas informações
  ficam melhor colocados nos corredores por exemplo.
  Músicas ou barulhos externos com frequência também
  devem ser evitados;
ORIENTAÇÕES



• Uma boa forma de envolver todos os alunos e
  principalmente os alunos com TDAH é solicitar que um
  aluno repita a instrução que você acabou de dar para a
  realização de uma determinada tarefa (alternância entre
  os alunos / aumenta a atenção de toda a turma);

• Atividades que exijam maior integridade da atenção
  sustentada devem ser feitas preferencialmente no início
  da aula;
ORIENTAÇÕES



• Conscientizar os alunos com TDAH do tipo de prejuízo
  que o comportamento impulsivo pode trazer tanto para
  ele quanto para o grupo;
• Os portadores precisam se dar conta de que interromper
  a fala da professora ou o andamento das atividades
  pode ser altamente improdutivo para ele e para o grupo.
  Isso deve ser feito individualmente e de forma que não
  culpe o aluno. Apenas sirva como uma conversa
  esclarecedora.
OBRIGADA!

• CECÍLIA CONSERVA
                FONOAUDIÓLOGA


• JOSEMERE ARAÚJO
    PSICÓLOGA


• ROSICLEIDE DINIZ
    PEDAGODA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down
 
Modelo anamnese psicologia autista tea
Modelo anamnese psicologia autista teaModelo anamnese psicologia autista tea
Modelo anamnese psicologia autista tea
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Tdah slide
Tdah   slideTdah   slide
Tdah slide
 
Síndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - RevisãoSíndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - Revisão
 
TDAH - Rogério Goulart Paes
TDAH - Rogério Goulart PaesTDAH - Rogério Goulart Paes
TDAH - Rogério Goulart Paes
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
 
Hermi Down(2)
Hermi Down(2)Hermi Down(2)
Hermi Down(2)
 
Escala Portage-1
Escala Portage-1Escala Portage-1
Escala Portage-1
 
21 de setembro lnpd
21 de setembro lnpd21 de setembro lnpd
21 de setembro lnpd
 
Distúrbio da fala
Distúrbio da falaDistúrbio da fala
Distúrbio da fala
 
Snap iv-final
Snap iv-finalSnap iv-final
Snap iv-final
 
TDAH - aula 1
TDAH - aula 1TDAH - aula 1
TDAH - aula 1
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
 

Destaque

Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownLiviamandelli
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiatherezasophia
 
Estratégias pedagógicas para inclusão
Estratégias pedagógicas para inclusãoEstratégias pedagógicas para inclusão
Estratégias pedagógicas para inclusãoCintia Sena
 
Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
 Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
Conhecendo um pouco sobre Deficiências IntelectuaisMaria Bárbara Floriano
 
QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados Levantados
QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados LevantadosQUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados Levantados
QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados Levantadosgepoteriko
 
Replanejamento 2016 - Tecnologias x TDAH - Slides
Replanejamento 2016   - Tecnologias x TDAH - SlidesReplanejamento 2016   - Tecnologias x TDAH - Slides
Replanejamento 2016 - Tecnologias x TDAH - Slidesgepoteriko
 
Práticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de Down
Práticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de DownPráticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de Down
Práticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de DownJuliana Silva
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Downcintia2803
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de downPTAI
 
Cartilha do TDAH
Cartilha do TDAHCartilha do TDAH
Cartilha do TDAHParamédico
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeTranstorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeAna Larissa Perissini
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Vinícius Fagundes Dos Santos
 
Como ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdahComo ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdahSimoneHelenDrumond
 
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...SimoneHelenDrumond
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autistaSimoneHelenDrumond
 
Envelhecimento da Pessoa com Deficiência
Envelhecimento da Pessoa com DeficiênciaEnvelhecimento da Pessoa com Deficiência
Envelhecimento da Pessoa com DeficiênciaFabiana Vallina
 
Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016
Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016
Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016ClinicaAssis
 

Destaque (20)

Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
 
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogiaAula educação inclusiva na psicopedagogia
Aula educação inclusiva na psicopedagogia
 
Estratégias pedagógicas para inclusão
Estratégias pedagógicas para inclusãoEstratégias pedagógicas para inclusão
Estratégias pedagógicas para inclusão
 
Guia de Atividades
Guia de AtividadesGuia de Atividades
Guia de Atividades
 
Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
 Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
Conhecendo um pouco sobre Deficiências Intelectuais
 
QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados Levantados
QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados LevantadosQUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados Levantados
QUESTIONÁRIO DIAGNÓSTICO - Dados Levantados
 
Replanejamento 2016 - Tecnologias x TDAH - Slides
Replanejamento 2016   - Tecnologias x TDAH - SlidesReplanejamento 2016   - Tecnologias x TDAH - Slides
Replanejamento 2016 - Tecnologias x TDAH - Slides
 
Práticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de Down
Práticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de DownPráticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de Down
Práticas motoras inclusivas para portador de Síndrome de Down
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Síndrome de down
Síndrome de downSíndrome de down
Síndrome de down
 
Cartilha do TDAH
Cartilha do TDAHCartilha do TDAH
Cartilha do TDAH
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeTranstorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
 
Como ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdahComo ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdah
 
Síndrome de Down
Síndrome de DownSíndrome de Down
Síndrome de Down
 
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...Inclusão escolar  o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
Inclusão escolar o planejamento das aulas tem de prever atividades para todo...
 
Síndrome de down power point
Síndrome de down power pointSíndrome de down power point
Síndrome de down power point
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
 
Envelhecimento da Pessoa com Deficiência
Envelhecimento da Pessoa com DeficiênciaEnvelhecimento da Pessoa com Deficiência
Envelhecimento da Pessoa com Deficiência
 
Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016
Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016
Palestra Autismo realizada no Guarujá - SP no dia 22/10/2016
 

Semelhante a Síndrome de Down e TDAH

Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdahMaterial de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdahLiliane Professora
 
A inclusão e o tdah
A inclusão e o tdahA inclusão e o tdah
A inclusão e o tdahAlzira Dias
 
Transtorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencaoTranstorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencao68bomfim
 
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUALAPRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUALLetciaFerreira409889
 
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptxFORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptxCludiaNepomuceno
 
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdfINTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdfDayvson Gomes
 
Estratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAH
Estratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAHEstratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAH
Estratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAHsouzalimajulie
 
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...CarlaOliveira280252
 
Phad hiperatividade
Phad  hiperatividadePhad  hiperatividade
Phad hiperatividaderitafeijao
 
TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.
TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.
TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.Kássia Quadros Ferreira
 
Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Tiago Pádua
 
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaPráticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaunidadebetinho
 
3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexiajoao_sousa
 
Dislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliação
Dislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliaçãoDislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliação
Dislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliaçãoSidneySanchez2
 
Incluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sdIncluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sdErivaldo Gama
 

Semelhante a Síndrome de Down e TDAH (20)

Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdahMaterial de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
 
A inclusão e o tdah
A inclusão e o tdahA inclusão e o tdah
A inclusão e o tdah
 
Transtorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencaoTranstorno de deficit de atencao
Transtorno de deficit de atencao
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUALAPRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
 
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptxFORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
FORMAÇÃO DOCENTE - APRENDIZAGEM.pptx
 
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdfINTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
 
Hiperatividade
HiperatividadeHiperatividade
Hiperatividade
 
Estratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAH
Estratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAHEstratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAH
Estratégias de Ensino Sob Medida para Crianças com TDAH
 
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
Guia_de_orientações_para_pais_de_crianças_e_adolescentes_com_TDAH_-_em_per...
 
Phad hiperatividade
Phad  hiperatividadePhad  hiperatividade
Phad hiperatividade
 
TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.
TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.
TDAH -Acompanhamento e orientação psicopedagógica.
 
Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1Seminário TDAH UnB 2013/1
Seminário TDAH UnB 2013/1
 
Condutas
CondutasCondutas
Condutas
 
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaPráticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
 
Anexo 9 cartillha tdah
Anexo 9 cartillha tdahAnexo 9 cartillha tdah
Anexo 9 cartillha tdah
 
3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia
 
Anexo 6 cartillha dislexia
Anexo 6 cartillha dislexiaAnexo 6 cartillha dislexia
Anexo 6 cartillha dislexia
 
Dislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliação
Dislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliaçãoDislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliação
Dislexia Cartilha - indentificação, conceito e critérios para avaliação
 
Incluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sdIncluindo alunos com_sd
Incluindo alunos com_sd
 

Mais de ceciliaconserva

197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotadosceciliaconserva
 
Miguel para o computador
Miguel para o computadorMiguel para o computador
Miguel para o computadorceciliaconserva
 
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotadosceciliaconserva
 
João pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotadosJoão pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotadosceciliaconserva
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializadoceciliaconserva
 
Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]ceciliaconserva
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusivaceciliaconserva
 
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVAVI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVAceciliaconserva
 
Palestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPPalestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPceciliaconserva
 

Mais de ceciliaconserva (13)

197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
 
Miguel para o computador
Miguel para o computadorMiguel para o computador
Miguel para o computador
 
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados197 slides joão pessoa 2012 superdotados
197 slides joão pessoa 2012 superdotados
 
João pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotadosJoão pessoa 2012 superdotados
João pessoa 2012 superdotados
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Curso completo jp
Curso completo jpCurso completo jp
Curso completo jp
 
Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]Apresentação direitos sandra seminário[1]
Apresentação direitos sandra seminário[1]
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVAVI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
VI SEMINARIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA
 
Palestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJPPalestra com os CREIS - PMJP
Palestra com os CREIS - PMJP
 

Último

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 

Síndrome de Down e TDAH

  • 1.   PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA  COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SÍNDROME DE DOWN João Pessoa 2012
  • 2. O QUE É?  É um distúrbio genético causado pela presença de um cromossomo 21 extra total ou parcialmente.  
  • 3. CARACTERÍSTICAS  Hipotonia Muscular;  Prega palmar transversal única;  Cardiopatia;  Retardo intelectual ;  Problemas de visão ( miopia, astigmatismo e estrabismo);  Problemas na audição( otites)  Atraso no processo de desenvolvimento da linguagem.
  • 4. APRENDIZAGEM O aluno com Síndrome de Down pode apresentar:  Dificuldade com a consolidação e retenção de conteúdo;  Capacidade de concentração mais curta;  Dificuldade com generalizações, pensamento abstrato e raciocínio;  Dificuldade em seguir sequências:  Dificuldade para adaptar-se a situações novas.
  • 5. PARA INCLUIR UM ALUNO COM SD É PRECISO... • Sensibilidade e atitude positiva • “Ser acolhedor” • Acreditar no potencial do outro • Entender que a inclusão é não  discriminatória e traz tanto benefícios  acadêmicos quanto sociais
  • 6. FATORES QUE FACILITAM O APRENDIZADO  Oficinas, alternar os trabalhos individuais com os coletivos;  Trabalhar de maneira especializada em cada uma destas áreas: percepção, atenção, memória, psicomotricidade e raciocínio lógico matemático;  Desenvolver as habilidades de aprender e usar gestos e apoio visual;  Desenvolver as habilidades de aprender e usar a palavra escrita.  Aprendizado com currículo prático e material com atividades de manipulação 
  • 7. ESTRATÉGIAS VISÃO  Coloque o aluno mais à frente;  Escreva com letras maiores;  Faça apresentações simples e claras; AUDIÇÃO  Coloque o aluno mais à frente;  Fale diretamente ao aluno;  Reforce o discurso com expressões faciais, sinais ou gestos;  Reforce o discurso com material de apoio visual: figuras, fotos, objetos;  Escreva novo vocabulário no quadro;  Quando outros alunos responderem, repita suas respostas alto;  Diga de outra forma ou repita palavras e frases que possam ter sido mal- entendidas;
  • 8. COORDENAÇÃO MOTORA FINA E GLOBAL  Oferecer exercícios extras, orientação e encorajamento (as habilidades motoras melhoram com a prática);  Oferecer atividades para o fortalecimento do pulso e dedos ( alinhavar, seguir traçados com o lápis, desenhar, separar, cortar, apertar, construir);  Propor atividades significativas e prazerosas.
  • 9. ESTRATÉGIAS PARA A HORA DE BRINCAR... • Encoraje o aprendizado cooperativo em trabalho com um parceiro ou num grupo pequeno; • Se achar adequado, promova uma alternância de amigos ou um sistema de colega de apoio para ajudar na inclusão; • Encoraje a participação do aluno em atividades extra- curriculares com os colegas da escola (clubes de livro, esportes, etc); • Promova o entendimento através de teatro, livros, figuras ou na hora da rodinha. 
  • 10. COMO ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM  • Procure esperar, observar e ouvir o que a criança tem a manifestar, seja através de gestos, olhares ou vocalizações; • Não atuar de maneira diretiva controladora, dando sempre oportunidade para a criança manifestar seus desejos, interesses e necessidades;
  • 11. COMO ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM • Forneça oportunidades que possam favorecer a comunicação e saiba aguardar a resposta da criança • Quando apresentar para a criança objetos, animais ou situações novas, deve-se nomeá-los, favorecendo o aumento da capacidade de compreender;
  • 12. COMO ESTIMULAR O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM • Propicie à criança experiências com diversos objetos do seu cotidiano, deixando que cheire o sabonete, o perfume, o shampoo, quando estiver utilizando-os. Pode-se também explorar outros sentidos como: paladar ( com alimentos de diferentes sabores: doces, salgados, azedos, amargos), tato (por meio de manipulação dos objetos), olfato (cheiro) e visão (objetos coloridos);
  • 13. O QUE DEVE SER EVITADO • Falar em excesso sem dar tempo para a criança responder ou tomar iniciativa; • Ficar testando a capacidade da criança com perguntas e ordens; • Superprotegê-la. Respeitar a capacidade e as iniciativas da criança e confiar no seu potencial de explorar o mundo; • Fazer tudo que a criança pede, não dando limites a ela.
  • 14. O papel do cuidador ou professor de apoio • Aumentar o acesso ao currículo e ao desenvolvimento do aprendizado; • Garantir que a criança aprenda novas habilidades; • Ajudar a desenvolver a independência; • Ajudar a desenvolver habilidades sociais, amizades e comportamento apropriado para a idade.
  • 15. TDAH Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade
  • 16. O QUE É O TDAH?  Um transtorno neurobiológico, de causas provavelmente genéticas, que aparece na infância e freqüentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida.
  • 17. Na maioria dos casos não se observa evidências de amplas lesões estruturais ou doenças no sistema nervoso central.
  • 18. CARACTERÍSTICAS - O TDAH se caracteriza por uma combinação de dois tipos de sintomas:  Desatenção;  Hiperatividade-impulsividade.
  • 19. CARACTERÍSTICAS  Dificuldades na escola e no relacionamento com as demais crianças, pais e professores;  As crianças são tidas como "avoadas", "vivendo no mundo da lua" e geralmente "estabanadas“ (isto é, não param quietas por muito tempo);  Os meninos tendem a ter mais sintomas de hiperatividade e impulsividade que as meninas, mas todos são desatentos;  Crianças e adolescentes com TDAH podem apresentar mais problemas de comportamento, como por exemplo, dificuldades com regras e limites.
  • 20. CARACTERÍSTICAS  Podem não prestar muita atenção a detalhes ou podem cometer erros por falta de cuidados nos trabalhos escolares ou outras tarefas  O trabalho frequentemente é confuso e realizado sem meticulosidade nem consideração adequada  Com frequência têm dificuldade para manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas e consideram difícil persistir em tarefas até seu término.  As tarefas que exigem um esforço mental constante são vivenciadas como desagradáveis e acentuadamente aversivas.  Os hábitos de trabalho freqüentemente são desorganizados e os materiais necessários para a realização da tarefa com freqüência são espalhados, perdidos ou manuseados com descuido e danificados.
  • 21. TDAH E ESCOLA - Qual a dificuldade mais importante do aluno? - O que mais atrapalha no desempenho escolar daquele aluno?  
  • 22. TDAH E ESCOLA   - Responder essas perguntas, o professor cria melhores condições para traçar as estratégias que aplicará em sala de aula; - Quando se conhece aquilo que de fato tem atrapalhado o bom desempenho de um determinado aluno fica mais fácil pensar em soluções viáveis e eficazes.
  • 23. TDAH E ESCOLA • O segundo passo importante é saber distinguir o que a criança com TDAH é capaz de fazer do que ela não é (principalmente ao lidar com comportamentos disruptivos) e assim não criar expectativas irreais.
  • 24. TDAH E ESCOLA • Talvez essa seja uma das partes mais difíceis, mas não desanime, observar o aluno e estudar sobre o TDAH são as melhores formas de se preparar para fazer essa distinção sobre o que é sintoma e/ou consequência do transtorno daquilo que não é. Nesse sentido, cuidado para não repreender o tempo todo: sintomas primários NÃO podem ser punidos!
  • 25. TDAH E ESCOLA • Recompensar progressos sucessivos ao invés de esperar pelo comportamento perfeito! • Independente de ser uma criança com TDAH, essa dica deve valer para todos e para todo processo de mudança importante; • Para o aluno com TDAH é ainda mais válido porque os portadores tem mais dificuldade em lidar com recompensas a longo prazo.
  • 26. ORIENTAÇÕES • Não deixar flutuações de humor ou cansaço interferirem no trabalho de inclusão e agir da mesma forma mesmo quando as situações se modificam. Na implementação das estratégias de sala de aula o papel do professor é de extrema importância, é quase imensurável a diferença que um professor informado e motivado corretamente pode fazer para seus alunos!!!
  • 27. ORIENTAÇÕES • Recursos que podem e dever usados para as alunos com TDAH. - Lembretes em agendas e/ou cadernos; - Listas de tarefas; - Anotações em provas e trabalhos; -Quadro de Avisos e cronogramas, servindo como ferramentas organizadoras de horários e datas importantes.
  • 28. ORIENTAÇÕES • Conversar com a criança e seus pais sobre o método mais fácil de estudo em casa. Isso facilita muito a vida desses. Proponha aos pais alguns “experimentos” de formas de estudos diferentes até que seja encontrada a mais adequada para aquele aluno, contanto que inclua uma programação de estudo com intervalos e assim não acumular matéria;
  • 29. ORIENTAÇÕES • Ambientes com muitos distratores / estímulos externos devem ser evitados. Uma sala de aula deve conter apenas elementos necessários para a situação de aula daquele momento. Murais com muitas informações ficam melhor colocados nos corredores por exemplo. Músicas ou barulhos externos com frequência também devem ser evitados;
  • 30. ORIENTAÇÕES • Uma boa forma de envolver todos os alunos e principalmente os alunos com TDAH é solicitar que um aluno repita a instrução que você acabou de dar para a realização de uma determinada tarefa (alternância entre os alunos / aumenta a atenção de toda a turma); • Atividades que exijam maior integridade da atenção sustentada devem ser feitas preferencialmente no início da aula;
  • 31. ORIENTAÇÕES • Conscientizar os alunos com TDAH do tipo de prejuízo que o comportamento impulsivo pode trazer tanto para ele quanto para o grupo; • Os portadores precisam se dar conta de que interromper a fala da professora ou o andamento das atividades pode ser altamente improdutivo para ele e para o grupo. Isso deve ser feito individualmente e de forma que não culpe o aluno. Apenas sirva como uma conversa esclarecedora.
  • 32. OBRIGADA! • CECÍLIA CONSERVA FONOAUDIÓLOGA • JOSEMERE ARAÚJO PSICÓLOGA • ROSICLEIDE DINIZ PEDAGODA