SlideShare uma empresa Scribd logo

Transtorno do Espectro Austista

Informações sobre o autismo e como trabalhar com crianças autistas nas escolas.

1 de 29
Baixar para ler offline
TRANSTORNO DO
ESPECTRO AUSTISTA
Elaboração:
Daniele Monteiro
Natalie Rozini
Kátia Eliza Ferreira Pedro
 O "Transtorno do Espectro Autista" (TEA), segundo o
DSM-V, localiza-se no grupo dos “Transtornos do
Neurodesenvolvimento”, com impactos importantes
no desenvolvimento do individuo e que se manifesta
nos primeiros 3 anos de vida, gerando grandes
dificuldades na comunicação, interação social e
aprendizagem.
CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES
 Comunicação verbal e não-verbal
 comprometimento da linguagem e de expressões faciais ou gestos, assim como as
habilidades de imitação;
 não desenvolve a fala funcional, pronunciando ou balbuciando algumas palavras;
 não usa a primeira pessoa (eu) referindo-se a si na terceira pessoa;
 ecolalia é comum;
 há dificuldade na generalização de conceitos abstratos, que só serão usados na
situação em que foram aprendidos;
 nos casos mais graves a simples compreensão de ordens ou solicitações é prejudicada
 difícil entendimento do duplo sentido;
 não percebe humor e ironia na fala das pessoas.
CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES
 Interação social recíproca
 a criança evita contato visual,
 recusa contato físico,
 não demonstra iniciativa para se aproximar das pessoas e
compartilhar com elas seus interesses,
 Mantém-se isolado em situações sociais;
 dificuldade para enxergar as coisas da perspectiva de outra
pessoa.
CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES
 Repertório de interesses e atividades
 São restritos e estereotipados,
 Ausência dos jogos de faz-de-conta e as brincadeiras de imitação,
 O foco de interesse da criança pode estar exageradamente ligado a um objeto ou
atividade específica.
 Apego e manipulação de objeto selecionado,
 Preocupação com a manutenção de rotinas, rituais e pode surgir angústia se algo
modificar.
 Nas crianças mais graves podem existir vocalizações e movimentos corporais
repetitivos.
 Exercem grande atração os movimentos de alguns objetos, os que são contínuos e
previsíveis e podem passar longos períodos absorvidos em sua observação.
CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES
 Outras manifestações comuns
 podem ter uma sensibilidade muito diferentes das pessoas com
desenvolvimento típico com relação:
 aos estímulos sonoros (taparem os ouvidos com as mãos, ficarem
desorganizados na presença de sons estridentes, etc.),
 olfativos (cheiram para conhecer coisas novas),
 gustativos (podem apresentar seletividade alimentar com base na
consistência),
 visuais e
 ao tato (não toleram texturas e parecem sentir menos dor).
DIAGNÓSTICO
 Observações das alterações
 Pais e/ou Pediatra
 Escola
 Encaminhamento/Avaliação/Neuropediatra
COMORBIDADES
 Epilepsia
 Deficiência Intelectual
 Comportamento hiperativo, auto ou heteroagressivo
 Comportamentos disruptivos
 Surdez
MEDICAMENTOS
 Antipsicóticos
 Antidepressivos
 Estimulantes
O AUTISMO NA ESCOLA
HISTÓRICO DA CRIANÇA
 Observar o portfólio de anos anteriores
 Informações junto a família:
 formas de comunicação (se faz uso de instrumentos de
comunicação, como pranchas),
 comportamentos (adequados e/ou inadequados e seus
significados) e estereotipias,
 interação,
 rotinas já estabelecidas, interesses, atendimentos com psicólogo,
fonoaudiólogo, etc.
ESTRATÉGIAS: HABILIDADES
ACADÊMICAS
 1º Estabelecer a forma de Comunicação: verbal e não verbal
ESTRATÉGIAS: HABILIDADES
ACADÊMICAS
 2º Definição de objetivos específicos
 O que quero que meus alunos sejam capazes de fazer?
 dividir as habilidades sociais e pedagógicas a serem ensinadas
em pequenos passos.
 a adaptação do material deve priorizar: poucas informações
em folha, curtas e objetivas
ESTRATÉGIAS: HABILIDADES
ACADÊMICAS
 3º Garantir uma Aprendizagem sem erro: caracteriza-se
 por um conjunto de procedimentos organizados para
 reduzir a emissão de erros
 garantir que a criança receba ajuda necessária para
 realizar a resposta correta em cada etapa do processo
AJUDA FÍSICA
AJUDA LEVE
AJUDA GESTUAL AJUDA INDEPENDENTE
 Tipos de ajuda:
ESTRATÉGIAS: HABILIDADES SOCIAIS
 O professor deve mostrar ao aluno como fazer ao entrar na
escola: cumprimentos, despedidas, reconhecer e nomear as
emoções em si e no outro
 Incentivar as brincadeiras em duplas e em situações estruturadas
 Ensiná-lo a como seguir as instruções e regras
ESTRATÉGIAS: COMPORTAMENTOS
DIRSUPTIVOS OU CONTRÁRIOS A
APRENDIZAGEM
 Considerados Comportamentos de auto ou hetero agressão
exibidos pelas pessoas diagnosticadas com autismo.
 Apresenta um teor comunicativo, por conta disso, temos que nos
esforçar para oferecer formas efetivas de comunicação
funcional.
 São considerados como respostas ao ambiente, porém
realizadas de forma inadequada.
ESTRATÉGIAS: COMPORTAMENTOS
DIRSUPTIVOS OU CONTRÁRIOS A
APRENDIZAGEM
 É preciso:
 Entender o comportamento (observar em quais situações eles aparecem,
qual a frequência e a duração);
 Desenvolver formas de prevenir sua ocorrência ou minimizar seus efeitos;
 Implementar medidas para que ocorra com menos frequência no futuro, ou
de forma menos intensa;
 Planejar maneiras seguras para lidar com situações de crise, quando o
comportamento ocorre ou se torna intenso, ou seja, a reorganização do
ambiente físico ou social
ROTINA
 No caso, da criança autista, a rotina é imprescindível para que ele se
adapte ao novo ambiente, entenda a organização do contexto, fique
calmo e possa participar.
 Quando o professor antecipa a rotina, evita que surjam situações novas,
que podem causar desconforto, frustração, e um desequilíbrio emocional,
manifesta por meio dos comportamentos disruptivos.
A ROTINA DEVE SER:
 Estruturada: utilizar figuras ou fotos dos alunos nas propostas de atividades
 Antecipar a rotina, contando qual a sequência de atividades, podendo ser
retirada as figuras referentes as atividades já realizadas.
A ROTINA DEVE TER:
 Sequência organizada de atividades: intercalando atividades funcionais (pedagógicas,
de vida de diária, alimentação, educação física, etc.) e prazerosas (ou seja, que são
de interesse do aluno). A rotina não deve transformar-se numa planilha diária de
atividades, rígida e inflexível, pelo contrário, deve considerar a criança e a ela deve
adequar-se, atendendo ao ritmo, às possibilidades e necessidades de cada uma.
Agenda
sinalizada com
objetos
Agenda
sinalizada com
pictogramas e
escrita
SUGESTÃO DE ATIVIDADES
COMUNICAÇÃO
CONCEITOS
ESQUEMA CORPORAL
ALFABETIZAÇÃO
MATEMÁTICA
Transtorno do Espectro Austista

Recomendados

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO: CARACTERÍSTICAS, AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO.
PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO: CARACTERÍSTICAS, AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO.PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO: CARACTERÍSTICAS, AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO.
PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO: CARACTERÍSTICAS, AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO.Joaquim Colôa
 
Apresentação tid
Apresentação tidApresentação tid
Apresentação tidgfolive
 
Apresentaçao de slides autismo
Apresentaçao de slides autismoApresentaçao de slides autismo
Apresentaçao de slides autismoescolaJVC
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Autismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividadeAutismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividadeSolange Leite
 
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownLiviamandelli
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeAutismo & Realidade
 
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...andreadc
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemSilvia Maltempi
 
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdahMaterial de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdahLiliane Professora
 
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEMTRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEMJane Quelhas
 
Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)
Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)
Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)Keila Feltran
 
Workshop Trissomia 21
Workshop Trissomia 21 Workshop Trissomia 21
Workshop Trissomia 21 Joana Barros
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagemdaniferrao2010
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Anaí Peña
 
Atividade adaptada para crianças especiais
Atividade adaptada para crianças especiaisAtividade adaptada para crianças especiais
Atividade adaptada para crianças especiaisShirley Lauria
 

Mais procurados (19)

Condutas
CondutasCondutas
Condutas
 
Autismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividadeAutismo e hiperatividade
Autismo e hiperatividade
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
 
Projeto TDAH: o professor como Mitigador do processo de ensino aprendizagem
Projeto TDAH: o professor como Mitigador do processo de ensino aprendizagemProjeto TDAH: o professor como Mitigador do processo de ensino aprendizagem
Projeto TDAH: o professor como Mitigador do processo de ensino aprendizagem
 
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
Multideficiência no Contexto Educativo - Comunicação Alternativa para o Multi...
 
Distúrbios e dificuldades de aprendizagem
Distúrbios e dificuldades de aprendizagemDistúrbios e dificuldades de aprendizagem
Distúrbios e dificuldades de aprendizagem
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdahMaterial de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-tdah
 
Dificuldade aprendizagem
Dificuldade aprendizagemDificuldade aprendizagem
Dificuldade aprendizagem
 
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEMTRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
 
Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)
Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)
Sindrome de asperger ( apresentação em 09 04 2013)
 
Workshop Trissomia 21
Workshop Trissomia 21 Workshop Trissomia 21
Workshop Trissomia 21
 
Dificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de AprendizagemDificuldades de Aprendizagem
Dificuldades de Aprendizagem
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Atividade adaptada para crianças especiais
Atividade adaptada para crianças especiaisAtividade adaptada para crianças especiais
Atividade adaptada para crianças especiais
 
Asperger
AspergerAsperger
Asperger
 

Destaque

Tradedoubler Conversion API
Tradedoubler Conversion APITradedoubler Conversion API
Tradedoubler Conversion APILukasz Szymula
 
2015 4 15_googlefacebook
2015 4 15_googlefacebook2015 4 15_googlefacebook
2015 4 15_googlefacebookYuki Fujino
 
Que Significaser Pobre
Que Significaser PobreQue Significaser Pobre
Que Significaser Pobrechucho sanga
 
Raumteiler im Bauhausstil
Raumteiler im BauhausstilRaumteiler im Bauhausstil
Raumteiler im BauhausstilHKBK
 
Visual dictionary-Vault
Visual dictionary-VaultVisual dictionary-Vault
Visual dictionary-VaultVault
 
Monday Primary Technology
Monday Primary TechnologyMonday Primary Technology
Monday Primary Technologyguest39a8e6
 
Plannet Company Profile
Plannet Company ProfilePlannet Company Profile
Plannet Company ProfileRidge Infotech
 
Growing Your Own Salad
Growing Your Own SaladGrowing Your Own Salad
Growing Your Own Saladenglish1a
 
6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...
6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...
6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...Cristina Orientacion
 
Hubble
HubbleHubble
HubblePFM33
 
Texas Star Chart
Texas Star ChartTexas Star Chart
Texas Star Chartguest86c379
 
Formação CEFAS - 14º Dia
Formação CEFAS - 14º DiaFormação CEFAS - 14º Dia
Formação CEFAS - 14º Diamarciosegurado
 

Destaque (20)

Tugas mtk
Tugas mtkTugas mtk
Tugas mtk
 
Tradedoubler Conversion API
Tradedoubler Conversion APITradedoubler Conversion API
Tradedoubler Conversion API
 
Dark side of care (1)
Dark side of care (1)Dark side of care (1)
Dark side of care (1)
 
2015 4 15_googlefacebook
2015 4 15_googlefacebook2015 4 15_googlefacebook
2015 4 15_googlefacebook
 
Opinions, Opinions
Opinions, OpinionsOpinions, Opinions
Opinions, Opinions
 
Que Significaser Pobre
Que Significaser PobreQue Significaser Pobre
Que Significaser Pobre
 
Raumteiler im Bauhausstil
Raumteiler im BauhausstilRaumteiler im Bauhausstil
Raumteiler im Bauhausstil
 
Visual dictionary-Vault
Visual dictionary-VaultVisual dictionary-Vault
Visual dictionary-Vault
 
Test Tibetano
Test TibetanoTest Tibetano
Test Tibetano
 
Monday Primary Technology
Monday Primary TechnologyMonday Primary Technology
Monday Primary Technology
 
MACKBOOK AIR
MACKBOOK AIRMACKBOOK AIR
MACKBOOK AIR
 
Plannet Company Profile
Plannet Company ProfilePlannet Company Profile
Plannet Company Profile
 
Growing Your Own Salad
Growing Your Own SaladGrowing Your Own Salad
Growing Your Own Salad
 
6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...
6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...
6725 texto completo 1 consejos para evitar riesgos en la red. apuntes para me...
 
Hubble
HubbleHubble
Hubble
 
Orban Widetag
Orban   WidetagOrban   Widetag
Orban Widetag
 
Texas Star Chart
Texas Star ChartTexas Star Chart
Texas Star Chart
 
Formação CEFAS - 14º Dia
Formação CEFAS - 14º DiaFormação CEFAS - 14º Dia
Formação CEFAS - 14º Dia
 
Fascinante
FascinanteFascinante
Fascinante
 
Ops
OpsOps
Ops
 

Semelhante a Transtorno do Espectro Austista

Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHceciliaconserva
 
Ensinar a criança com autismo
Ensinar a criança com autismoEnsinar a criança com autismo
Ensinar a criança com autismoausendanunes
 
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaPráticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaunidadebetinho
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeLuziete Leite
 
A criança autista pdf
A criança autista pdfA criança autista pdf
A criança autista pdfHelena13dias
 
TDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / Hiperatividade
TDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / HiperatividadeTDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / Hiperatividade
TDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / Hiperatividademendessergio
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1fabinhodragon
 
Sindrome de Asperger - guião para pais e professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e  professoresSindrome de Asperger - guião para pais e  professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e professoresAna Paula Santos
 
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professoresSindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professoresDislexia Positiva
 
Heperatividade
HeperatividadeHeperatividade
Heperatividadeeuge94
 
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemDiferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemClaudinéia da Silva de Oliveira
 
Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47
Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47
Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47Giordana Garcia
 
Revistagalopim2011
Revistagalopim2011Revistagalopim2011
Revistagalopim2011Sena Sara
 
Trabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAH
Trabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAHTrabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAH
Trabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAHPriscila Pettine
 
Nee e respostas educativas
Nee e respostas educativasNee e respostas educativas
Nee e respostas educativasespecial.pombal
 

Semelhante a Transtorno do Espectro Austista (20)

Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
 
Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAH
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Ensinar a criança com autismo
Ensinar a criança com autismoEnsinar a criança com autismo
Ensinar a criança com autismo
 
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiênciaPráticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
 
A criança autista pdf
A criança autista pdfA criança autista pdf
A criança autista pdf
 
TDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / Hiperatividade
TDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / HiperatividadeTDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / Hiperatividade
TDAH – Transtorno do Déficit da Atenção / Hiperatividade
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1
 
Sindrome de Asperger - guião para pais e professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e  professoresSindrome de Asperger - guião para pais e  professores
Sindrome de Asperger - guião para pais e professores
 
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professoresSindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
Sindrome de-asperger-guia-para-pais-e-professores
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
AULA 2 - BASE DO ABA.ppt
AULA 2 - BASE DO ABA.pptAULA 2 - BASE DO ABA.ppt
AULA 2 - BASE DO ABA.ppt
 
Heperatividade
HeperatividadeHeperatividade
Heperatividade
 
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemDiferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47
Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47
Deficit de atencao_ou_tdah-1modulo_22-47
 
Revistagalopim2011
Revistagalopim2011Revistagalopim2011
Revistagalopim2011
 
Trabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAH
Trabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAHTrabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAH
Trabalho sobre ação pedagógica coerente junto a alunos com DDAH
 
Nee e respostas educativas
Nee e respostas educativasNee e respostas educativas
Nee e respostas educativas
 

Último

A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...Prime Assessoria
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Prime Assessoria
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 

Último (20)

A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
Agora observe a imagem a seguir, onde foi realizada uma lâmina histológica co...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 

Transtorno do Espectro Austista

  • 1. TRANSTORNO DO ESPECTRO AUSTISTA Elaboração: Daniele Monteiro Natalie Rozini Kátia Eliza Ferreira Pedro
  • 2.  O "Transtorno do Espectro Autista" (TEA), segundo o DSM-V, localiza-se no grupo dos “Transtornos do Neurodesenvolvimento”, com impactos importantes no desenvolvimento do individuo e que se manifesta nos primeiros 3 anos de vida, gerando grandes dificuldades na comunicação, interação social e aprendizagem.
  • 3. CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES  Comunicação verbal e não-verbal  comprometimento da linguagem e de expressões faciais ou gestos, assim como as habilidades de imitação;  não desenvolve a fala funcional, pronunciando ou balbuciando algumas palavras;  não usa a primeira pessoa (eu) referindo-se a si na terceira pessoa;  ecolalia é comum;  há dificuldade na generalização de conceitos abstratos, que só serão usados na situação em que foram aprendidos;  nos casos mais graves a simples compreensão de ordens ou solicitações é prejudicada  difícil entendimento do duplo sentido;  não percebe humor e ironia na fala das pessoas.
  • 4. CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES  Interação social recíproca  a criança evita contato visual,  recusa contato físico,  não demonstra iniciativa para se aproximar das pessoas e compartilhar com elas seus interesses,  Mantém-se isolado em situações sociais;  dificuldade para enxergar as coisas da perspectiva de outra pessoa.
  • 5. CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES  Repertório de interesses e atividades  São restritos e estereotipados,  Ausência dos jogos de faz-de-conta e as brincadeiras de imitação,  O foco de interesse da criança pode estar exageradamente ligado a um objeto ou atividade específica.  Apego e manipulação de objeto selecionado,  Preocupação com a manutenção de rotinas, rituais e pode surgir angústia se algo modificar.  Nas crianças mais graves podem existir vocalizações e movimentos corporais repetitivos.  Exercem grande atração os movimentos de alguns objetos, os que são contínuos e previsíveis e podem passar longos períodos absorvidos em sua observação.
  • 6. CARACTERÍSTICAS: ALTERAÇÕES  Outras manifestações comuns  podem ter uma sensibilidade muito diferentes das pessoas com desenvolvimento típico com relação:  aos estímulos sonoros (taparem os ouvidos com as mãos, ficarem desorganizados na presença de sons estridentes, etc.),  olfativos (cheiram para conhecer coisas novas),  gustativos (podem apresentar seletividade alimentar com base na consistência),  visuais e  ao tato (não toleram texturas e parecem sentir menos dor).
  • 7. DIAGNÓSTICO  Observações das alterações  Pais e/ou Pediatra  Escola  Encaminhamento/Avaliação/Neuropediatra
  • 8. COMORBIDADES  Epilepsia  Deficiência Intelectual  Comportamento hiperativo, auto ou heteroagressivo  Comportamentos disruptivos  Surdez
  • 10. O AUTISMO NA ESCOLA
  • 11. HISTÓRICO DA CRIANÇA  Observar o portfólio de anos anteriores  Informações junto a família:  formas de comunicação (se faz uso de instrumentos de comunicação, como pranchas),  comportamentos (adequados e/ou inadequados e seus significados) e estereotipias,  interação,  rotinas já estabelecidas, interesses, atendimentos com psicólogo, fonoaudiólogo, etc.
  • 12. ESTRATÉGIAS: HABILIDADES ACADÊMICAS  1º Estabelecer a forma de Comunicação: verbal e não verbal
  • 13. ESTRATÉGIAS: HABILIDADES ACADÊMICAS  2º Definição de objetivos específicos  O que quero que meus alunos sejam capazes de fazer?  dividir as habilidades sociais e pedagógicas a serem ensinadas em pequenos passos.  a adaptação do material deve priorizar: poucas informações em folha, curtas e objetivas
  • 14. ESTRATÉGIAS: HABILIDADES ACADÊMICAS  3º Garantir uma Aprendizagem sem erro: caracteriza-se  por um conjunto de procedimentos organizados para  reduzir a emissão de erros  garantir que a criança receba ajuda necessária para  realizar a resposta correta em cada etapa do processo
  • 15. AJUDA FÍSICA AJUDA LEVE AJUDA GESTUAL AJUDA INDEPENDENTE  Tipos de ajuda:
  • 16. ESTRATÉGIAS: HABILIDADES SOCIAIS  O professor deve mostrar ao aluno como fazer ao entrar na escola: cumprimentos, despedidas, reconhecer e nomear as emoções em si e no outro  Incentivar as brincadeiras em duplas e em situações estruturadas  Ensiná-lo a como seguir as instruções e regras
  • 17. ESTRATÉGIAS: COMPORTAMENTOS DIRSUPTIVOS OU CONTRÁRIOS A APRENDIZAGEM  Considerados Comportamentos de auto ou hetero agressão exibidos pelas pessoas diagnosticadas com autismo.  Apresenta um teor comunicativo, por conta disso, temos que nos esforçar para oferecer formas efetivas de comunicação funcional.  São considerados como respostas ao ambiente, porém realizadas de forma inadequada.
  • 18. ESTRATÉGIAS: COMPORTAMENTOS DIRSUPTIVOS OU CONTRÁRIOS A APRENDIZAGEM  É preciso:  Entender o comportamento (observar em quais situações eles aparecem, qual a frequência e a duração);  Desenvolver formas de prevenir sua ocorrência ou minimizar seus efeitos;  Implementar medidas para que ocorra com menos frequência no futuro, ou de forma menos intensa;  Planejar maneiras seguras para lidar com situações de crise, quando o comportamento ocorre ou se torna intenso, ou seja, a reorganização do ambiente físico ou social
  • 20.  No caso, da criança autista, a rotina é imprescindível para que ele se adapte ao novo ambiente, entenda a organização do contexto, fique calmo e possa participar.  Quando o professor antecipa a rotina, evita que surjam situações novas, que podem causar desconforto, frustração, e um desequilíbrio emocional, manifesta por meio dos comportamentos disruptivos.
  • 21. A ROTINA DEVE SER:  Estruturada: utilizar figuras ou fotos dos alunos nas propostas de atividades  Antecipar a rotina, contando qual a sequência de atividades, podendo ser retirada as figuras referentes as atividades já realizadas.
  • 22. A ROTINA DEVE TER:  Sequência organizada de atividades: intercalando atividades funcionais (pedagógicas, de vida de diária, alimentação, educação física, etc.) e prazerosas (ou seja, que são de interesse do aluno). A rotina não deve transformar-se numa planilha diária de atividades, rígida e inflexível, pelo contrário, deve considerar a criança e a ela deve adequar-se, atendendo ao ritmo, às possibilidades e necessidades de cada uma. Agenda sinalizada com objetos Agenda sinalizada com pictogramas e escrita