SlideShare uma empresa Scribd logo
Os valores juízos de facto e juízos de valor a diversidade de critérios valorativos a cultura e os valores
o que são os valores? qual a origem dos valores? quais as principais características dos valores?
os  valores  são  critérios  de apreciação da realidade que podem ser  padrões  de escolha, ou critério de preferência, ou  normas  de conduta
os  valore s têm uma origem sócio-cultural: nascem no seio das sociedades humanas e funcionam como elementos de ligação entre os indivíduos e, ao mesmo tempo, como formas de afirmação da individualidade
os valores têm uma natureza qualitativa e ideal (não são coisas ou objectos) e possuem três características fundamentais: matéria polaridade hierarquia
a  matéria  dos valores corresponde ao seu  significado  e ao  sentido  da sua função normativa ou discriminadora: a justiça é diferente da beleza, por exemplo. têm significados e funções diferentes, embora sejam ambas  imprescindíveis. contudo, os indivíduos não as podem confundir...
a polaridade   está ligada ao facto de os valores se agruparem em função duma polaridade positiva e duma polaridade negativa (caso contrário, seriam inúteis enquanto critérios de escolha): o bem, por exemplo, opõe-se ao mal e não poderia ser compreendido sem o seu confronto com o seu oposto. há, contudo, que não confundir esta característica dos valores com a estrutura ontológica da realidade: entre cada um dos polos de preferência pode haver uma gama muito variada de possibilidades.
a  hierarquia  está ligada à forma como os valores se ligam entre si: há valores mais ou menos importantes em função das  atitudes  fundamentais dos indivíduos perante a vida mesmo partilhando um mesmo conjunto de valores, os indivíduos podem  hierarquizar  esses valores de formas muito diversas
combinando estas três características, podemos ver como os valores tornam possível as nossas tomadas de decisão:
A bússola dos valores superior inferior positivo negativo
assim, os valores permitem-nos  interpretar  a realidade atribuindo-lhe qualidades que estão relacionadas com as nossas atracções  e as nossas  repulsas... com base na atribuição de valores às coisas, às acções, às situações, às pessoas, etc.,  formulando  juízos de valor vamos-nos apropriando  da realidade e escolhemos os rumos a seguir ao longo da nossa vida
os  juízos de valor  são: subjectivos circunstanciais qualitativos inverificáveis não são nem verdadeiros nem  falsos
os juízos de valor não descrevem a  realidade tal como ela é referem-se á forma como  reagimos  aos elementos da realidade e estão intimamente ligados às nossas  atitudes perante as situações
os  juízos de facto  são: objectivos factuais quantitativos verificáveis são  verdadeiros ou  falsos a  ciência  baseia-se em juízos de facto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Isabel Moura
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
Bruno Pedro
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ação humana 10 c 1
Ação humana 10 c  1Ação humana 10 c  1
Ação humana 10 c 1
Isaque Tomé
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
Filazambuja
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
InesTeixeiraDuarte
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
VeraJesus14
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
InesTeixeiraDuarte
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
Otávio Augusto Padilha
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hume
HumeHume
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
pauloricardom
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 
Ação humana 10 c 1
Ação humana 10 c  1Ação humana 10 c  1
Ação humana 10 c 1
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 

Destaque

Os valores
Os valoresOs valores
Os valores
Paulo Gomes
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
Paulo Gomes
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
Filazambuja
 
A decisão
A decisãoA decisão
A decisão
Paulo Gomes
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?
Paulo Gomes
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homem
Paulo Gomes
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
Paulo Gomes
 
A política
A políticaA política
A política
Paulo Gomes
 
Alegoria da Caverna 10
Alegoria da Caverna 10Alegoria da Caverna 10
Alegoria da Caverna 10
Filosofia
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
Jorge Barbosa
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
Helena Coutinho
 

Destaque (13)

Os valores
Os valoresOs valores
Os valores
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
A decisão
A decisãoA decisão
A decisão
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homem
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
 
A política
A políticaA política
A política
 
Alegoria da Caverna 10
Alegoria da Caverna 10Alegoria da Caverna 10
Alegoria da Caverna 10
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 

Semelhante a A natureza dos valores

Resumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoraçãoResumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoração
AidaCunha73
 
Valor
ValorValor
éTica DeontolóGica
éTica DeontolóGicaéTica DeontolóGica
éTica DeontolóGica
Helena Serrão
 
Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8
Filipe Prado
 
I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)
I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)
I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)
AidaCunha73
 
A natureza dos valores L -.pdf
A natureza dos valores L -.pdfA natureza dos valores L -.pdf
A natureza dos valores L -.pdf
gabrielaRamos372414
 
(Microsoft power point os valores- an
(Microsoft power point   os valores- an(Microsoft power point   os valores- an
(Microsoft power point os valores- an
Julia Martins
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
Italo Colares
 
Valores
ValoresValores
Valores e a subjetividade
Valores e a subjetividadeValores e a subjetividade
Valores e a subjetividade
Agata Cristhie Ferreira
 
Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?
Helena Serrão
 
Valores
ValoresValores
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
Julia Martins
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
Julia Martins
 
Texto de apoio os valores
Texto de apoio os valoresTexto de apoio os valores
Texto de apoio os valores
Julia Martins
 
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional  (1ª e 2ª aula) turma gbaÉtica profissional  (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Gis Viana de Brito
 
CP5-Dr1.ppt
CP5-Dr1.pptCP5-Dr1.ppt
Apostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdfApostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdf
Sibele Silva
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
Pedro Mota
 
Artigo Axiologia
Artigo AxiologiaArtigo Axiologia
Artigo Axiologia
Bruna Dalmagro
 

Semelhante a A natureza dos valores (20)

Resumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoraçãoResumos valores e_valoração
Resumos valores e_valoração
 
Valor
ValorValor
Valor
 
éTica DeontolóGica
éTica DeontolóGicaéTica DeontolóGica
éTica DeontolóGica
 
Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8Ficha formativa nº8
Ficha formativa nº8
 
I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)
I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)
I. valores, teorias axiológicas e cultura (1)
 
A natureza dos valores L -.pdf
A natureza dos valores L -.pdfA natureza dos valores L -.pdf
A natureza dos valores L -.pdf
 
(Microsoft power point os valores- an
(Microsoft power point   os valores- an(Microsoft power point   os valores- an
(Microsoft power point os valores- an
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Valores e a subjetividade
Valores e a subjetividadeValores e a subjetividade
Valores e a subjetividade
 
Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?Serão os valores morais relativos?
Serão os valores morais relativos?
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
 
Microsoft word texto de apoio os valores
Microsoft word   texto de apoio os valoresMicrosoft word   texto de apoio os valores
Microsoft word texto de apoio os valores
 
Texto de apoio os valores
Texto de apoio os valoresTexto de apoio os valores
Texto de apoio os valores
 
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional  (1ª e 2ª aula) turma gbaÉtica profissional  (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
 
CP5-Dr1.ppt
CP5-Dr1.pptCP5-Dr1.ppt
CP5-Dr1.ppt
 
Apostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdfApostila de Ética.pdf
Apostila de Ética.pdf
 
Valores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivosValores subjetivos objetivos
Valores subjetivos objetivos
 
Artigo Axiologia
Artigo AxiologiaArtigo Axiologia
Artigo Axiologia
 

Mais de Paulo Gomes

Pressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniões
Paulo Gomes
 
Revisões teste01
Revisões teste01Revisões teste01
Revisões teste01
Paulo Gomes
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
Paulo Gomes
 
Conceito apresentação
Conceito apresentaçãoConceito apresentação
Conceito apresentação
Paulo Gomes
 
85857099 descartes
85857099 descartes85857099 descartes
85857099 descartes
Paulo Gomes
 
Integração europeia
Integração europeiaIntegração europeia
Integração europeia
Paulo Gomes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
Paulo Gomes
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
Paulo Gomes
 
Salt
SaltSalt
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Paulo Gomes
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
Paulo Gomes
 
Menino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdMenino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.Vd
Paulo Gomes
 
O Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoO Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De Desenvolvimento
Paulo Gomes
 
O sentido da existência humana
O sentido da existência humanaO sentido da existência humana
O sentido da existência humana
Paulo Gomes
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
Paulo Gomes
 
O agir moral
O agir moralO agir moral
O agir moral
Paulo Gomes
 
A opinião Pública
A opinião PúblicaA opinião Pública
A opinião Pública
Paulo Gomes
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
Paulo Gomes
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
Paulo Gomes
 

Mais de Paulo Gomes (20)

Pressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniõesPressupostos das nossas opiniões
Pressupostos das nossas opiniões
 
Revisões teste01
Revisões teste01Revisões teste01
Revisões teste01
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
Conceito apresentação
Conceito apresentaçãoConceito apresentação
Conceito apresentação
 
85857099 descartes
85857099 descartes85857099 descartes
85857099 descartes
 
Integração europeia
Integração europeiaIntegração europeia
Integração europeia
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
 
Salt
SaltSalt
Salt
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Menino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.VdMenino Selvagem.Vd
Menino Selvagem.Vd
 
O Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De DesenvolvimentoO Conceito De Desenvolvimento
O Conceito De Desenvolvimento
 
O sentido da existência humana
O sentido da existência humanaO sentido da existência humana
O sentido da existência humana
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
 
O agir moral
O agir moralO agir moral
O agir moral
 
A opinião Pública
A opinião PúblicaA opinião Pública
A opinião Pública
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
A diversidade cultural
A diversidade culturalA diversidade cultural
A diversidade cultural
 

A natureza dos valores

  • 1. Os valores juízos de facto e juízos de valor a diversidade de critérios valorativos a cultura e os valores
  • 2. o que são os valores? qual a origem dos valores? quais as principais características dos valores?
  • 3. os valores são critérios de apreciação da realidade que podem ser padrões de escolha, ou critério de preferência, ou normas de conduta
  • 4. os valore s têm uma origem sócio-cultural: nascem no seio das sociedades humanas e funcionam como elementos de ligação entre os indivíduos e, ao mesmo tempo, como formas de afirmação da individualidade
  • 5. os valores têm uma natureza qualitativa e ideal (não são coisas ou objectos) e possuem três características fundamentais: matéria polaridade hierarquia
  • 6. a matéria dos valores corresponde ao seu significado e ao sentido da sua função normativa ou discriminadora: a justiça é diferente da beleza, por exemplo. têm significados e funções diferentes, embora sejam ambas imprescindíveis. contudo, os indivíduos não as podem confundir...
  • 7. a polaridade está ligada ao facto de os valores se agruparem em função duma polaridade positiva e duma polaridade negativa (caso contrário, seriam inúteis enquanto critérios de escolha): o bem, por exemplo, opõe-se ao mal e não poderia ser compreendido sem o seu confronto com o seu oposto. há, contudo, que não confundir esta característica dos valores com a estrutura ontológica da realidade: entre cada um dos polos de preferência pode haver uma gama muito variada de possibilidades.
  • 8. a hierarquia está ligada à forma como os valores se ligam entre si: há valores mais ou menos importantes em função das atitudes fundamentais dos indivíduos perante a vida mesmo partilhando um mesmo conjunto de valores, os indivíduos podem hierarquizar esses valores de formas muito diversas
  • 9. combinando estas três características, podemos ver como os valores tornam possível as nossas tomadas de decisão:
  • 10. A bússola dos valores superior inferior positivo negativo
  • 11. assim, os valores permitem-nos interpretar a realidade atribuindo-lhe qualidades que estão relacionadas com as nossas atracções e as nossas repulsas... com base na atribuição de valores às coisas, às acções, às situações, às pessoas, etc., formulando juízos de valor vamos-nos apropriando da realidade e escolhemos os rumos a seguir ao longo da nossa vida
  • 12. os juízos de valor são: subjectivos circunstanciais qualitativos inverificáveis não são nem verdadeiros nem falsos
  • 13. os juízos de valor não descrevem a realidade tal como ela é referem-se á forma como reagimos aos elementos da realidade e estão intimamente ligados às nossas atitudes perante as situações
  • 14. os juízos de facto são: objectivos factuais quantitativos verificáveis são verdadeiros ou falsos a ciência baseia-se em juízos de facto