SlideShare uma empresa Scribd logo
Como Descartes
ultrapassa o
cepticismo
As verdades auto-justificadas
Os argumentos cépticos
1º - As ilusões dos sentidos:
Muitas das nossas crenças estão
justificadas pelos sentidos, pela
experiência de “ter visto”. Ora, os sentidos
enganam-nos, conduzindo-nos a
percepções erradas.
( este argumento é mais forte no século
XVII por causa das discussões sobre o
que se podia ver, com e sem telescópio)
2º Argumento: Divergência de
opiniões
As divergências de opinião acerca de um
mesmo assunto não podem ser
resolvidas, porque não há, entre os
entendidos sobre um assunto, um
consenso acerca da verdade de uma
proposição, logo, não poderemos saber
quem tem razão, o que nos obriga a
suspender o juízo.
3º Argumento “a priori”:
Regressão infinita:
O conhecimento é uma
crença verdadeira que
exige uma justificação,
ora cada crença apela a
uma outra crença para se
justificar, de modo que
nenhuma crença está
justificada, porque há
sempre uma crença para
a qual não há
justificação.
Razões para duvidar
 “De há muito tinha notado que, pelo que respeita à conduta [na vida
prática e quotidiana], é necessário algumas vezes seguir como
indubitáveis opiniões que sabemos serem muito incertas. Mas agora,
que resolvera dedicar-me apenas à descoberta da verdade, pensei que
era necessário proceder exactamente ao contrário, e rejeitar como
absolutamente falso tudo aquilo em que pudesse imaginar a menor
dúvida, a fim de ver se após isso acaso ficaria qualquer coisa nas
minhas opiniões que fosse inteiramente indubitável."
 René Descartes, Discurso do Método,
Resposta de Descartes: A dúvida
metódica
Utilizar a dúvida
céptica.
Exagerar a dúvida
céptica. (dúvida
hiperbólica)
Superar a dúvida
céptica.
Proposta da dúvida:
Não examinar todas crenças mas só os
fundamentos das crenças
Fundamentos: a crença nos sentidos, na
razão e em Deus.
As etapas da dúvida:
Argumento da ilusão
dos sentidos
Da existência da
realidade – O sonho
Das verdades
matemáticas (génio
maligno)
.
1ª Etapa – Os sentidos são
enganadores
As verdades
empíricas justificam-
se com as
percepções vividas.
As percepções
vividas não são
sempre verdadeiras,
podem enganar.
2ª Etapas: Sonho ou realidade?
Argumento do
sonho
Como posso ter a
certeza que existe
uma realidade tal
como a percepciono?
Poderei estar a viver
num sonho. Numa
ficção produzida por
alguém ou pelo meu
pensamento.
3ª Etapa: E se existir um Deus
enganador?
A dúvida hiperbólica.
No lugar de um Deus
Bom vamos colocar
um Génio maligno
que atormenta e
engana ao ponto de
pensarmos estar
certos de falsidades?
matemáticas.
Consequência deste argumento:
Logo, até as verdades matemáticas podem ser
incertas. O fundamento da razão é colocado em
dúvida. A razão pode estar enganada. Há
incerteza nas verdades puramente racionais.
A superação da dúvida.
Se duvido, penso, se
penso, existo.
Embora nada exterior
seja certo, é certo o
pensamento que se
pensa a si próprio.
1ª CRENÇA
BÁSICA: “Cogito
ergo sum”
A ideia do cogito é sempre verdadeira
Porque é uma Ideia clara e distinta, logo
evidente.
Porque negá-la é demonstrá-la.
Porque se Auto-justifica
É Inata à razão
Fundamento de todo o conhecimento
O Solipsismo cartesiano
A Existência do
pensamento é
evidente, a existência
dos corpos físicos
não. Podemos supor
que nada existe.
Saída do solipsismo: A existência
de Deus - Argumento
Eu vejo claramente que
sou imperfeito. Qual a
causa desta ideia de
perfeito? Não posso
ser eu, não a
natureza cuja
realidade pode ser
duvidosa. Só pode
ser um ser com todas
as perfeições. DEUS
2ª CRENÇA BÁSICA
Se Deus existe o génio maligno
está afastado
Posso crer nas verdades matemáticas.
Encontrar o método que permita unir todo
o conhecimento a partir de um modelo
matemático.
Encontrar a distinção entre o sono e a
vigília. Separar as ideias confusas das
ideias claras e considerar estas como
verdadeiras, como crenças fundantes que
se auto - justificam.
Deus garante a verdade das nossas
ideias claras e distintas.
O dualismo corpo/alma
A alma é de uma
substância diferente do
corpo.
É mais evidente a
existência da alma que a
do corpo.
Argumento: é possível
duvidar que tenho corpo
mas não que penso.
Logo, o corpo e a alma
são substâncias
diferentes.
3ª CRENÇA BÁSICA
Conclusão:
O mundo é composto de três substâncias: Divina, (Res
divina); Pensante (Res cogitans) e Corporal ou material
(Res extensa).
A razão humana é como a divina, apenas mais limitada
mas capaz do conhecimento da verdade.
Objeção à prova da existência de
Deus proposta por Descartes.
Raciocínio circular .
Deus existe porque tenho
a ideia evidente de um
ser perfeito. Sei que as
ideias evidentes são
verdadeiras por causa de
Deus.
(Porque se não existir um
Deus Bom, existe um
génio maligno que me
engana sempre que
raciocino)
Descartes não pode ter a certeza
dos seus raciocínios.
Mas prova que Deus
existe por um raciocínio PETIÇÃO DE PRINCÍPIO
Logo, só posso provar
que Deus existe se tiver
como pressuposto que
Deus existe.
Se não tiver este
pressuposto, não posso
confiar nos meus
raciocínios, logo não
posso provar nada.
CONCEITOS: Racionalismo e
Fundacionismo.
O racionalismo é uma posição filosófica sobre a
origem ou fonte do nosso conhecimento sobre o
mundo. Esta posição defende a existência de
um conhecimento a priori. Esse conhecimento é
verdadeiro e necessário.
Fundacionismo é uma posição sobre a
justificação do conhecimento. Defende a
existência de certas crenças básicas que se
auto - justificam. Responde ao argumento cético
da regressão infinita.
Será que existem ideias inatas que
fundam o conhecimento?
Sim, o cogito,
prova-o.
Diz Descartes.
Hume, uns anos
depois, contraria
esta teoria.
Não existe tal
coisa como o eu.
Não existe uma
substância EU
o ser humano não
passa de um
conjunto de
“perceções
transitórias” que a
nada pertencem e
de um composto de
elementos
relacionados em
permanente
mudança
A resposta de David
Hume.
"O que preocupa Hume é o
conhecimento incerto, tal
como o que é obtido de
dados empíricos por
inferências que não são
demonstrativas. Isso inclui
todo o nosso conhecimento
a respeito do futuro, e a
respeito de partes não
observadas do passado e
do presente. De facto, inclui
tudo excepto, por um lado,
observação directa, e, por
outro, a lógica e a
matemática."
Todo o conhecimento é “a posteriori”
Hume nega a existência
de princípios evidentes
inatos em nós. Para ele,
todo o conhecimento é
como que uma cópia de
algo, cujo objecto já
tivemos acesso de
alguma maneira.
IMPRESSÕES E IDEIAS
As percepções
humanas são
primeiramente
impressões sensíveis,
exteriores ou
interiores e só depois
ideias.
CONSEQUÊNCIA:
Sobre Deus:
Hume diz ser impossível
conhecer Deus pois a
provas cartesianas
estão fundadas na
existência de ideias
inatas, originárias da
razão, nas quais não
acredita. Ou seja, para
ele o Homem não pode
conhecer algo do qual
não tem uma única
perceção.
Não há ideias indubitáveis sobre o
mundo.
David Hume também refuta a ideia de um
conhecimento universal, claro e distinto. A
experiência humana é limitada e o nosso
conhecimento é sempre incompleto, a realidade
reduz-se aos fenómenos aos quais os nossos
sentidos têm acesso, sendo que cada um pode
ter sensações diferentes nessa experiência,
abrindo-se espaço à subjetividade.

Relações de ideias e questões de facto
Em primeiro lugar, David Hume separa
conhecimento de relação de ideias e
conhecimento de factos ou
probabilidade. Se no conhecimento as
“relações de ideias são dependentes das
próprias ideias”, na probabilidade existem
três relações: a identidade, as situações
no tempo e lugar e a causalidade.
Conhecimentos distintos
Relação de ideias
Resulta do pensamento e
fundamenta-se em leis
racionais.
Exemplo: matemática, ou
a lógica.
“ O triângulo tem três
lados”
Verdades necessárias são aquelas
cujo conteúdo não poderia ser
outro.
Distintos conhecimentos
Questões de facto
O conteúdo dos juízos de
facto tem a ver com uma
situação particular.
Exemplo: “ A ponte 25 de
Abril situa-se em Lisboa,
Portugal”
As suas verdades são
contingentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Ana Catarina
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
martinho_nuno
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Isabel Moura
 
Deus
DeusDeus
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
Daniela Filipa Sousa
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
Helena Serrão
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Cogito_Descartes
Cogito_DescartesCogito_Descartes
Cogito_Descartes
Isabel Moura
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
Princípios da Filosofia de Descartes
 Princípios da Filosofia de Descartes Princípios da Filosofia de Descartes
Princípios da Filosofia de Descartes
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes  Racionalismo - Descartes
Racionalismo - Descartes
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Cogito_Descartes
Cogito_DescartesCogito_Descartes
Cogito_Descartes
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 

Destaque

Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
Helena Serrão
 
Platão - Gorgias
Platão - GorgiasPlatão - Gorgias
Platão - Gorgias
José Augusto Fiorin
 
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHASMÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
PRA_RMARQUES
 
Popper
PopperPopper
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Helena Serrão
 
Popper
PopperPopper
Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
Helena Serrão
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
Joaquim Duarte
 

Destaque (9)

Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
 
Platão - Gorgias
Platão - GorgiasPlatão - Gorgias
Platão - Gorgias
 
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHASMÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 

Semelhante a Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpapp02

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Helena Serrão
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
JorgeNogueira40
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Jorge Barbosa
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
AnaKlein1
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
gildapirescosta
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
starlightmimi
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Turma Olímpica
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
Jorge Barbosa
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
pyteroliva
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
Pelo Siro
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
TONI21benfica
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
Pedro Rocha Da Silva
 

Semelhante a Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpapp02 (20)

Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Como descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismoComo descartes ultrapassa o cepticismo
Como descartes ultrapassa o cepticismo
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
Ppt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartesPpt o racionalismo de descartes
Ppt o racionalismo de descartes
 
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
Unidade2 capiiteoriasexplicativasdoconhecimento-110227081909-phpapp01
 
Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2Resumos filosofia 2
Resumos filosofia 2
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sujeito e Objeto do Conheciment...
 
Descartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a ModernidadeDescartes - Contributo para a Modernidade
Descartes - Contributo para a Modernidade
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpapp02

  • 1. Como Descartes ultrapassa o cepticismo As verdades auto-justificadas
  • 2. Os argumentos cépticos 1º - As ilusões dos sentidos: Muitas das nossas crenças estão justificadas pelos sentidos, pela experiência de “ter visto”. Ora, os sentidos enganam-nos, conduzindo-nos a percepções erradas. ( este argumento é mais forte no século XVII por causa das discussões sobre o que se podia ver, com e sem telescópio)
  • 3. 2º Argumento: Divergência de opiniões As divergências de opinião acerca de um mesmo assunto não podem ser resolvidas, porque não há, entre os entendidos sobre um assunto, um consenso acerca da verdade de uma proposição, logo, não poderemos saber quem tem razão, o que nos obriga a suspender o juízo.
  • 4. 3º Argumento “a priori”: Regressão infinita: O conhecimento é uma crença verdadeira que exige uma justificação, ora cada crença apela a uma outra crença para se justificar, de modo que nenhuma crença está justificada, porque há sempre uma crença para a qual não há justificação.
  • 5. Razões para duvidar  “De há muito tinha notado que, pelo que respeita à conduta [na vida prática e quotidiana], é necessário algumas vezes seguir como indubitáveis opiniões que sabemos serem muito incertas. Mas agora, que resolvera dedicar-me apenas à descoberta da verdade, pensei que era necessário proceder exactamente ao contrário, e rejeitar como absolutamente falso tudo aquilo em que pudesse imaginar a menor dúvida, a fim de ver se após isso acaso ficaria qualquer coisa nas minhas opiniões que fosse inteiramente indubitável."  René Descartes, Discurso do Método,
  • 6. Resposta de Descartes: A dúvida metódica Utilizar a dúvida céptica. Exagerar a dúvida céptica. (dúvida hiperbólica) Superar a dúvida céptica.
  • 7. Proposta da dúvida: Não examinar todas crenças mas só os fundamentos das crenças Fundamentos: a crença nos sentidos, na razão e em Deus.
  • 8. As etapas da dúvida: Argumento da ilusão dos sentidos Da existência da realidade – O sonho Das verdades matemáticas (génio maligno) .
  • 9. 1ª Etapa – Os sentidos são enganadores As verdades empíricas justificam- se com as percepções vividas. As percepções vividas não são sempre verdadeiras, podem enganar.
  • 10. 2ª Etapas: Sonho ou realidade? Argumento do sonho Como posso ter a certeza que existe uma realidade tal como a percepciono? Poderei estar a viver num sonho. Numa ficção produzida por alguém ou pelo meu pensamento.
  • 11. 3ª Etapa: E se existir um Deus enganador? A dúvida hiperbólica. No lugar de um Deus Bom vamos colocar um Génio maligno que atormenta e engana ao ponto de pensarmos estar certos de falsidades? matemáticas.
  • 12. Consequência deste argumento: Logo, até as verdades matemáticas podem ser incertas. O fundamento da razão é colocado em dúvida. A razão pode estar enganada. Há incerteza nas verdades puramente racionais.
  • 13. A superação da dúvida. Se duvido, penso, se penso, existo. Embora nada exterior seja certo, é certo o pensamento que se pensa a si próprio. 1ª CRENÇA BÁSICA: “Cogito ergo sum”
  • 14. A ideia do cogito é sempre verdadeira Porque é uma Ideia clara e distinta, logo evidente. Porque negá-la é demonstrá-la. Porque se Auto-justifica É Inata à razão Fundamento de todo o conhecimento
  • 15. O Solipsismo cartesiano A Existência do pensamento é evidente, a existência dos corpos físicos não. Podemos supor que nada existe.
  • 16. Saída do solipsismo: A existência de Deus - Argumento Eu vejo claramente que sou imperfeito. Qual a causa desta ideia de perfeito? Não posso ser eu, não a natureza cuja realidade pode ser duvidosa. Só pode ser um ser com todas as perfeições. DEUS 2ª CRENÇA BÁSICA
  • 17. Se Deus existe o génio maligno está afastado Posso crer nas verdades matemáticas. Encontrar o método que permita unir todo o conhecimento a partir de um modelo matemático. Encontrar a distinção entre o sono e a vigília. Separar as ideias confusas das ideias claras e considerar estas como verdadeiras, como crenças fundantes que se auto - justificam.
  • 18. Deus garante a verdade das nossas ideias claras e distintas.
  • 19. O dualismo corpo/alma A alma é de uma substância diferente do corpo. É mais evidente a existência da alma que a do corpo. Argumento: é possível duvidar que tenho corpo mas não que penso. Logo, o corpo e a alma são substâncias diferentes. 3ª CRENÇA BÁSICA
  • 20. Conclusão: O mundo é composto de três substâncias: Divina, (Res divina); Pensante (Res cogitans) e Corporal ou material (Res extensa). A razão humana é como a divina, apenas mais limitada mas capaz do conhecimento da verdade.
  • 21. Objeção à prova da existência de Deus proposta por Descartes. Raciocínio circular . Deus existe porque tenho a ideia evidente de um ser perfeito. Sei que as ideias evidentes são verdadeiras por causa de Deus. (Porque se não existir um Deus Bom, existe um génio maligno que me engana sempre que raciocino)
  • 22. Descartes não pode ter a certeza dos seus raciocínios. Mas prova que Deus existe por um raciocínio PETIÇÃO DE PRINCÍPIO Logo, só posso provar que Deus existe se tiver como pressuposto que Deus existe. Se não tiver este pressuposto, não posso confiar nos meus raciocínios, logo não posso provar nada.
  • 23. CONCEITOS: Racionalismo e Fundacionismo. O racionalismo é uma posição filosófica sobre a origem ou fonte do nosso conhecimento sobre o mundo. Esta posição defende a existência de um conhecimento a priori. Esse conhecimento é verdadeiro e necessário. Fundacionismo é uma posição sobre a justificação do conhecimento. Defende a existência de certas crenças básicas que se auto - justificam. Responde ao argumento cético da regressão infinita.
  • 24. Será que existem ideias inatas que fundam o conhecimento? Sim, o cogito, prova-o. Diz Descartes. Hume, uns anos depois, contraria esta teoria. Não existe tal coisa como o eu.
  • 25. Não existe uma substância EU o ser humano não passa de um conjunto de “perceções transitórias” que a nada pertencem e de um composto de elementos relacionados em permanente mudança
  • 26. A resposta de David Hume. "O que preocupa Hume é o conhecimento incerto, tal como o que é obtido de dados empíricos por inferências que não são demonstrativas. Isso inclui todo o nosso conhecimento a respeito do futuro, e a respeito de partes não observadas do passado e do presente. De facto, inclui tudo excepto, por um lado, observação directa, e, por outro, a lógica e a matemática."
  • 27. Todo o conhecimento é “a posteriori” Hume nega a existência de princípios evidentes inatos em nós. Para ele, todo o conhecimento é como que uma cópia de algo, cujo objecto já tivemos acesso de alguma maneira.
  • 28. IMPRESSÕES E IDEIAS As percepções humanas são primeiramente impressões sensíveis, exteriores ou interiores e só depois ideias.
  • 29. CONSEQUÊNCIA: Sobre Deus: Hume diz ser impossível conhecer Deus pois a provas cartesianas estão fundadas na existência de ideias inatas, originárias da razão, nas quais não acredita. Ou seja, para ele o Homem não pode conhecer algo do qual não tem uma única perceção.
  • 30. Não há ideias indubitáveis sobre o mundo. David Hume também refuta a ideia de um conhecimento universal, claro e distinto. A experiência humana é limitada e o nosso conhecimento é sempre incompleto, a realidade reduz-se aos fenómenos aos quais os nossos sentidos têm acesso, sendo que cada um pode ter sensações diferentes nessa experiência, abrindo-se espaço à subjetividade. 
  • 31. Relações de ideias e questões de facto Em primeiro lugar, David Hume separa conhecimento de relação de ideias e conhecimento de factos ou probabilidade. Se no conhecimento as “relações de ideias são dependentes das próprias ideias”, na probabilidade existem três relações: a identidade, as situações no tempo e lugar e a causalidade.
  • 32. Conhecimentos distintos Relação de ideias Resulta do pensamento e fundamenta-se em leis racionais. Exemplo: matemática, ou a lógica. “ O triângulo tem três lados” Verdades necessárias são aquelas cujo conteúdo não poderia ser outro.
  • 33. Distintos conhecimentos Questões de facto O conteúdo dos juízos de facto tem a ver com uma situação particular. Exemplo: “ A ponte 25 de Abril situa-se em Lisboa, Portugal” As suas verdades são contingentes.