SlideShare uma empresa Scribd logo
AVALIAÇÃO DE CASO
CLÍNICO
FACULDADE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
TÓPICOS ESPECIAIS I
Aline L. Querubim Dias
Ilca Rocha Silva
Monalisa Silva Gomes
VITÓRIA DA CONQUISTA
2015
 De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil,
4% das mortes por câncer no Brasil estão relacionadas com os
tumores cerebrais.
 No mundo, o câncer do Sistema Nervoso Central (SNC)
representa 1,9% de todas as neoplasias malignas.
 Entre os tumores mais incidentes, o SNC é o 14º mais frequente
em homens, com o risco estimado de 3,9/ 100 mil, enquanto, nas
mulheres, é o 15º, com o risco estimado de 3,0/ 100 mil.
(INCA, 2014.)
INTRODUÇÃO
INCIDÊNCIA
(INCA,2014)
INCIDÊNCIA
(INCA,2014)
 Nome: M. A. S.
 Sexo: Feminino
 Idade: 57 anos
 Nacionalidade: Brasileira
 Naturalidade: Vitória da Conquista - BA
 Data de internação: 22/10/15
DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA
PACIENTE
HISTÓRIA CLINÍCA
22 de
Outubro de
2015
Às 18:15h,
procedimento
cirúrgico
realizado:
microcirurgia
para tumor
mais
crânioplastia;
26 de
Outubro de
2015
Realizado
passagem de
sonda
nasoentérica
(SNE), sem
intercorrência;
16 de
Novembro
de 2015
Às 22:00h.
Paciente
em repouso
no leito,
sem
alteração no
período;
17 de
Novembro
de 2015
Tumor
cerebral,
sonolenta,
febril. SNE;
18 de
Novembro
de 2015
Mudança da
dieta para
SNE.
 Paciente idosa em uso de acesso venoso (AV) mais sonda
nasogástrica e sonda vesical, dreno.
 Feito glicemia capilar as 00:00 h 122 mg/dl e feito glicemia
capilar as 06:00 h 94 mg/dl sem outras anormalidades.
 Verificação de glicemia capilar e sinais vitais de 6/6 h.
 Manter cabeceira elevada 30°.
 HSA
 HHI/W FNSI
 AGC: Aneurisma de artéria cerebral media direita clipado;
 Condição mantida.
19 DE NOVEMBRO DE 2015
 Paciente em terapia com anticoagulantes orais 2-3.
 Paciente com trombose venosa profunda, embolia pulmonar,
embolia sistêmica, prótese cardíaca com válvula de tecido, infarto
agudo do miocárdio, doença de válvula cardíaca, fibrilação atrial.
 Em uso de sonda SNG,
 Fluindo dieta,
 Abdômen globoso,
 Flácido,
 Apalpação,
 Sonda Vesical Fowler com presença de diurese, apresentando
vários episódios de diarréia durante um período.
20 DE NOVEMBRO DE 2015
O tumor cerebral é uma massa de células que crescem de
forma anormal no cérebro. O tumor pode ser:
BENIGNO MALIGNO
REVISÃO DE LITERATURA
DIAGNÓSTICO CLINICO:
 Tumor cerebral.
SINTOMAS
 Vômitos e náusea;
 Taques epiléticos;
 Fraqueza nos braços ou nas pernas;
 Dificuldades na fala ou nos movimentos;
 Falta de coordenação ao caminhar;
 Mudanças na visão ou movimentos anormais dos olhos;
 Sonolência;
 Mudanças na memória ou na personalidade.
TUMORES PRIMÁRIOS originam-se do tecido cerebral, podem
ser benignos ou malignos, e são classificados pelo tecido o qual
eles começam: Gliomas, Meduloblastomas, Meningiomas,
Glioblastoma Multiforme e Linfomas
 Os sintomas mais específicos dependem de seu tamanho e
do local em que se encontra o tumor no cérebro.
AS CAUSAS PODEM SER POR INÚMEROS FATORES,
INCLUINDO:
 Pressão aumentada dentro do crânio (hipertensão intra-
craniana);
 Lesão de uma área vital do cérebro;
 Inchaço (edema) e retenção de fluidos em volta do tumor;
 Hidrocefalia, às vezes chamada de "água no cérebro",
resultante do bloqueio do fluxo de líquido cérebro-espinhal (líquor)
produzido no cérebro, que se acumula no interior do crânio.
 Tomografia computadorizada (TC);
 Imagem de Ressonância Magnética (IRM) - Oferece uma
imagem do cérebro utilizando um ímã potente, um transmissor
de radiofreqüência e um computador;
 Punção lombar (Punção espinhal) - Este exame também é
importante se o diagnóstico é de linfoma cerebral.
EXAMES NEUROLÓGICOS
 Caso um possível tumor seja encontrado o paciente pode fazer
um dos seguintes exames antes de uma biópsia ou uma cirurgia ser
realizada:
 Ressonância Magnética Espectroscópica;
 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET);
 Angiografia cerebral.
 Depende do tamanho, local e tipo, como também a saúde e idade
da pessoa.
 O tratamento pode envolver cirurgia, quimioterapia e
radioterapia, isoladamente ou de maneira combinada (VERISSIMO;
RANIER; VALLE., 2006).
TRATAMENTO
 podem ser dada drogas como corticosteróides;
anticonvulsivantes.
 Quando possível, a cirurgia é a primeira linha de tratamento.
 Alguns tumores não podem ser removidos, ou a cirurgia é
considerada arriscada. Nesses casos, uma biópsia pode ser feita
para ajudar a determinar se outros tratamentos podem ser mais
efetivos.
ANTES DO TRATAMENTO
 Remover as células cancerosas que sobraram, e que não
puderam ser removidas através da cirurgia.
 Os linfomas cerebrais respondem muito bem à quimioterapia,
como também à radioterapia
PROGNÓSTICO:
 Tipo;
 Tamanho;
 Local;
 Idade.
RADIOTERAPIA
QUIMIOTERAPIA
EXAMES LABORATORIAS E
COMPLEMENTARES
EXAMES LABORATORIAS E
COMPLEMENTARES
INTERAÇÃO DROGA/NUTRIENTE
 Geralmente processos patológicos em reabilitação
necessitam aporte nutricional satisfatório e a ministração de
fármacos eficientes e seguros. No entanto, interações entre
nutrientes e fármacos podem gerar alterações na eficácia da
droga e/ou nutriente.
(LOPES; CARVALHO; FREITAS., 2010)
EXAMES LABORATORIAS E
COMPLEMENTARES
EXAMES LABORATORIAS E
COMPLEMENTARES
 A estimativa do gasto energético é uma importante
ferramenta para nortear a terapia nutricional (TN) do paciente
oncológico e pode ser calculada por diversos métodos, como
calorimetria indireta ou direta, água duplamente marcada e
fórmulas preditivas;
 Para estimar o gasto energético são as de Harris-Benedict
e fórmulas baseadas no peso;
 A necessidade energética diária de pacientes com câncer
varia de acordo com o diagnóstico clínico, idade, sexo, peso,
altura, fator térmico, de atividade e estresse.
CONDULTA DIETOTERÁPICA
 Prevenir ou corrigir desnutrição;
 Prevenir perdas protéicas muscular, visceral, sanguínea e
desgaste de outros tecidos;
 Evitar, minimizar ou tratar deficiência de macro ou
micronutriente;
 Aumentar a resistência ao tratamento;
 Reduzir complicações do tratamento, para então adotar
medidas que estimulem a aceitação, digestão e absorção da dieta
via oral ou intervenção adequada da terapia nutricional enteral
(TNE) ou parenteral (TNP).
OBJETIVOS DA TERAPIA NUTRICIONAL
EM CÂNCER
 Paciente no dia 18 de Novembro de 2015, estava
fazendo uso de dieta nasogástrica (SNG).
 Dia 19 de Novembro de 2015, estava com uso de dieta
oral hipossódica.
 Em 20 de Novembro de 2015, em uso de SNG, fluindo
dieta, apresentou vários episódios de diarréia durante o
período, foi comunicado à nutrição a respeito da dieta e a
mesma foi modificada para dieta obstipante.
 Novasource sênior – Nestlé a cada quatro horas
(08:00, 12:00, 16:00, 20:00, 00:00, 04:00).
CONDULTA DIETOTERÁPICA DO
PACIENTE
 Sachê simbioflora às 12:00 e 20:00h. Peptamen 240ml
60ml/h Às 16:00 e 00:00, ambos associados ao Novasource
sênior.
 Umidificando com água na boca 10ml.
NOVASOURCE SÊNIOR
 É um alimento para suplementação de nutrição enteral ou
oral, normocalórico e hiperprotéico.
 Cada 1ml fornece 1,2 Kal.
 Embalagem tetra square 1L
 Sistema fechado 1L
 Sabor artificial de baunilha.
 Osmolaridade: 391 mOsm/kg de água
PEPTAMEN 1.5
 Situações metabólicas especiais para nutrição enteral, à base
de peptídeos e formulado com quantidades definidas e adequadas
de nutrientes e calorias, em função das necessidades nutricionais
diárias de pessoas com problemas de absorção, visando a
recuperação do adequado estado nutricional.
 Isento de Lactose, glúten, fibras e sabor.
 Densidade calórica: 1,5 kcal/Ml
 Osmolalidade: 550 mOsm/kg de água.
DISTRIBUIÇÃO ENERGÉTICA:
Proteínas:
• 18% (100% proteína do
soro do leite hidrolisada)
Carboidratos:
• 49% (91% maltodextrina,
5,9% amido de milho, 3,1%
outros)
Lipídeos:
• 33% (71,9% TCM, 15,2%
óleo de soja, 7,9% gordura
láctea, 5% lecitina de soja).
 É composto por uma exclusiva formulação simbiótica e
frutooligosacarídeo (prebiótico), lactobacilos e bifidobactérias
(probioóticos) que contribui para o equilíbrio da flora intestinal.
SIMBIOFLORA
GLUTAMINA:
 Durante o estresse cirúrgico e câncer há alteração na
resistência à insulina, aumento do catabolismo protéico e depleção
de GLUTAMINA no músculo esquelético.
OBJETIVOS:
 Busca a melhora na função imunológica, muscular e intestinal;
 Redução de complicações infecciosas;
 Melhor tolerância à terapia antineoplásica.
 Experimentalmente, a suplementação de GLUTAMINA melhora
os níveis de glutamina muscular sem estimular o crescimento
tumoral.
SUPLEMENTAÇÃO
 É um aminoácido condicionalmente essencial, com potencial
efeito imunomodulador.
 Fornecida junta com uma mistura balanceada de aminoácido,
apresenta melhora do equilíbrio protéico.
 A longo prazo existem preocupações em relação ao uso da
arginina como parte da terapia nutricional devido ao possível
aumento do crescimento tumoral.
ARGININA
 Nutriente capaz de modular a resposta imunológica e
inflamatória sistêmica e está associado, principalmente, com
diminuição da intensidade da resposta inflamatória.
 Associado à diminuição da massa tumoral, melhora do peso
corporal e diminuição da anorexia, devido sua ação anti-
inflamatória.
 AG w-3 podem influenciar diretamente a produção de citocinas
inibindo a síntese de fator de necrose tumoral alfa (TNF- ) e de
interleucinas (IL).
(PROJETO DIRETRIZES, Terapia Nutricional na oncologia, 2011).
ACIDOS GRAXOS POLI-INSATURADOS
ÔMEGA 3 (AGPI W-3)
Função
protetora de
nutrientes
antioxidantes na
prevenção de
neoplasias
malignas como:
Zinco,
Selênio;
vitamina
A
Vitamina
E
Vitamina
C
MICRONUTRIENTE
avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral
 A desnutrição em câncer é prevalente e está associado ao
pior prognóstico, incluindo a qualidade e o tempo de vida em
pacientes oncológicos;
 É importante estar atento à perda de peso progressiva,
mudança do paladar e olfato, ingestão inadequada de
alimentos/nutrientes, alterações significativas no metabolismo de
carboidratos, proteínas e lipídeos;
 Salienta-se a necessidade de realizar a avaliação nutricional
utilizando, a avaliação subjetiva global produzida pelo paciente
com câncer que possibilita a rápida identificação de pacientes em
risco nutricional.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Estima-se que a ingestão diária de 20 a 30 kcal/kg é
necessária para preservar a massa corpórea.
 A oferta de carboidrato e lipídeos deve manter-se em
proporção equilibrada, importante o fornecimento adequado de
eletrólitos, oligoelementos e vitaminas.
 Nutrição oral é a via preferencial no cuidado nutricional do
paciente oncológico, pois é mais fisiológica e possibilita o
manejo mais fácil.
 No entanto, quando necessário às terapias de nutrição
enteral e parenteral são métodos seguros e eficazes para
administrar nutrientes em pacientes com câncer.
 16 de Novembro de 2015 às 22:00 hs. Paciente em repouso
no leito, sem alteração no período;
 17 de Novembro de 2015 sonolenta, febril;
 18 de Novembro de 2015 paciente mantendo quadro
neurológico. Não contacta, não responde à comandos. Ferida
operatória de bom aspecto;
 19 de Novembro de 2015 paciente apresentando vários
quadros de diarréia. Sem outras anormalidades;
 20 de Novembro de 2015 ÀS 08:00h paciente encontra-se no
leito. Não responde as solicitações verbais. Apresentando vários
episódios de diarréia durante um período.
EVOLUÇÃO DIÁRIA
 LOPES, E. M.; CARVALHO, R. B. N.; FREITAS, R. M. Análise das
possíveis interações entre medicamentos e alimentos/nutrientes em
pacientes. Einstein 8 (3 Pt 1): 298-302, 210.
 VERISSIMO, D. S.; VALLE, E. R. M. Experiência vivida por pessoas
com tumor cerebral e por seus familiares. Psicol. Argum., Curitiba, v. 24, n.
45 p. 45-57, abr./jun. 2006.
 FARTHAT, F. C. L. G.; TODA, D. M. I, SANTOS, P. H. Interações entre
Hipoglicemiantes Orais e Alimentos. Saúde em Revista Hipoglicemiante
Oral e Alimentos, 2007.
 WAITZBERG, D. L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática
clínica. 4. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2009.
REFERÊNCIA
 Nestlehealthscience.Disponível
 em: <https://www.nestlehealthscience.com.br/marcas> Acesso em 03 de
dezembro de 2015.
 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa
2014: Incidência de Câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José
Alencar Gomes da Silva, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de
Janeiro: INCA, 2014.
 PINHO, N. B.; et al. Terapia Nutricional na Oncologia. Projeto Diretrizes,
AMB e CFM. 31 de Agosto de 2011.
 DIAS, M. C. G.; et al. Triagem e Avaliação do Estado Nutricional.
Projeto Diretrizes, AMB e CFM. 8 de Setembro de 2011.
REFERÊNCIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração segura do sangue
Administração segura do sangueAdministração segura do sangue
Administração segura do sangue
Proqualis
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
resenfe2013
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
Andressa Carmo
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
Guiomar Dutra Lima
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
Fernando de Oliveira Dutra
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
Maycon Silva
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
Cíntia Costa
 
Apresentação TNE
Apresentação TNEApresentação TNE
Apresentação TNE
Cíntia Costa
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
Nadia Morais Tonussi
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
roberta55dantas
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Letícia Gonzaga
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
Fernando de Oliveira Dutra
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
João Marcos
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Aterosclerose e dislipidemias
Aterosclerose e dislipidemiasAterosclerose e dislipidemias
Aterosclerose e dislipidemias
dapab
 

Mais procurados (20)

Administração segura do sangue
Administração segura do sangueAdministração segura do sangue
Administração segura do sangue
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
 
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e GastrectomiaSAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
SAE Cirúrgica - Gastrotomia, Gastrostomia e Gastrectomia
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Avaliação pré operatória
Avaliação pré operatóriaAvaliação pré operatória
Avaliação pré operatória
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Estudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - HepatopataEstudo de Caso - Hepatopata
Estudo de Caso - Hepatopata
 
Apresentação TNE
Apresentação TNEApresentação TNE
Apresentação TNE
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases  Moleculares Da OncologiaCarcinogenese e Bases  Moleculares Da Oncologia
Carcinogenese e Bases Moleculares Da Oncologia
 
Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Apendicite aguda
Apendicite agudaApendicite aguda
Apendicite aguda
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Aterosclerose e dislipidemias
Aterosclerose e dislipidemiasAterosclerose e dislipidemias
Aterosclerose e dislipidemias
 

Destaque

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Eduardo Tibali
 
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpaTumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
José Maria Abreu Junior
 
Tumores no sistema nervoso cerebral (2)
Tumores no sistema nervoso cerebral (2)Tumores no sistema nervoso cerebral (2)
Tumores no sistema nervoso cerebral (2)
Thalita Maciel de Melo
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 
Paralisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxiaParalisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxia
Fisioterapeuta
 
Urgências em crianças com tumores cerebrais
Urgências em crianças com tumores cerebraisUrgências em crianças com tumores cerebrais
Urgências em crianças com tumores cerebrais
Francisco H C Felix
 
Paralisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóideParalisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóide
Fisioterapeuta
 
Complicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPTComplicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPT
lucianajunqueira
 
Apresentacao delirium
Apresentacao deliriumApresentacao delirium
Apresentacao delirium
janinemagalhaes
 
Manual 2
 Manual 2 Manual 2
Manual 2
carlosmozer
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Caso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexigaCaso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexiga
Antonio Carlos Tunes Fernandes
 
Nutrição parenteral
Nutrição parenteralNutrição parenteral
Nutrição parenteral
Sandra Brassica
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1
Professor Robson
 
Escola santa helena
Escola santa helenaEscola santa helena
Escola santa helena
Silvânia Galdino
 
Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral
Verneck Silva
 
NoçõEs BáSicas Do CâNcer Cervical
NoçõEs BáSicas Do CâNcer CervicalNoçõEs BáSicas Do CâNcer Cervical
NoçõEs BáSicas Do CâNcer Cervical
chirlei ferreira
 
Caso ClíNico PC Dor No Quadril
Caso ClíNico PC Dor No QuadrilCaso ClíNico PC Dor No Quadril
Caso ClíNico PC Dor No Quadril
Fagner Athayde
 
Memória Virtual - Aspectos Básicos
Memória Virtual - Aspectos BásicosMemória Virtual - Aspectos Básicos
Memória Virtual - Aspectos Básicos
blumenschein
 

Destaque (20)

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente críticoNutrição enteral e parenteral no doente crítico
Nutrição enteral e parenteral no doente crítico
 
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpaTumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
Tumores do Sistema Nervoso Central aula ufpa
 
Tumores no sistema nervoso cerebral (2)
Tumores no sistema nervoso cerebral (2)Tumores no sistema nervoso cerebral (2)
Tumores no sistema nervoso cerebral (2)
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Paralisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxiaParalisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxia
 
Urgências em crianças com tumores cerebrais
Urgências em crianças com tumores cerebraisUrgências em crianças com tumores cerebrais
Urgências em crianças com tumores cerebrais
 
Paralisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóideParalisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóide
 
Complicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPTComplicacoes TNE e NPT
Complicacoes TNE e NPT
 
Apresentacao delirium
Apresentacao deliriumApresentacao delirium
Apresentacao delirium
 
Manual 2
 Manual 2 Manual 2
Manual 2
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Caso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexigaCaso clinico ca bexiga
Caso clinico ca bexiga
 
Nutrição parenteral
Nutrição parenteralNutrição parenteral
Nutrição parenteral
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 1
 
Escola santa helena
Escola santa helenaEscola santa helena
Escola santa helena
 
Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral
 
NoçõEs BáSicas Do CâNcer Cervical
NoçõEs BáSicas Do CâNcer CervicalNoçõEs BáSicas Do CâNcer Cervical
NoçõEs BáSicas Do CâNcer Cervical
 
Caso ClíNico PC Dor No Quadril
Caso ClíNico PC Dor No QuadrilCaso ClíNico PC Dor No Quadril
Caso ClíNico PC Dor No Quadril
 
Memória Virtual - Aspectos Básicos
Memória Virtual - Aspectos BásicosMemória Virtual - Aspectos Básicos
Memória Virtual - Aspectos Básicos
 

Semelhante a avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral

Antineoplásicos
AntineoplásicosAntineoplásicos
Antineoplásicos
Flávia Almeida
 
TRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptx
TRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptxTRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptx
TRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptx
Jarley Oliveira
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
Fisioterapeuta
 
Nutrição e Quimioterapia
Nutrição e QuimioterapiaNutrição e Quimioterapia
Nutrição e Quimioterapia
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
Luciane Santana
 
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptxCÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
ESFMariaFranciscadeL
 
Câncer de Estômago
Câncer de EstômagoCâncer de Estômago
Câncer de Estômago
Oncoguia
 
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamapalestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
MirianSouzaRibeiro
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
Sheyla Amorim
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
Samira Rahaamid Paz
 
Livro oncologia alta
Livro oncologia altaLivro oncologia alta
Livro oncologia alta
Maximiliano Seragioli Maimoni
 
Sub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociais
Sub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociaisSub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociais
Sub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociais
armando jonas
 
outubro-rosa 1.pptx
outubro-rosa 1.pptxoutubro-rosa 1.pptx
outubro-rosa 1.pptx
MichellinePoncianoSi
 
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdfCARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
AndrLoboEstraiotto
 
Terapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonalTerapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonal
Alfredo Filho
 
Medicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesa
Medicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesaMedicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesa
Medicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesa
Núcleo de Psicologia/Associação Oncológica do Algarve
 
Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS. Pptx
Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS. PptxHipertensão Arterial Sistêmica - HAS. Pptx
Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS. Pptx
kellyhhcris
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
Jonathan Sampaio
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
Eliezer Farias de Mello
 
Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
adrianomedico
 

Semelhante a avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral (20)

Antineoplásicos
AntineoplásicosAntineoplásicos
Antineoplásicos
 
TRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptx
TRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptxTRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptx
TRABALHO DE FARMACOLOGIA finalizado.pptx
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
Nutrição e Quimioterapia
Nutrição e QuimioterapiaNutrição e Quimioterapia
Nutrição e Quimioterapia
 
Câncer de mama
 Câncer de mama Câncer de mama
Câncer de mama
 
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptxCÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
 
Câncer de Estômago
Câncer de EstômagoCâncer de Estômago
Câncer de Estômago
 
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mamapalestra prevenção cancer de colo de utero e mama
palestra prevenção cancer de colo de utero e mama
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Cancer de Mama
Cancer de MamaCancer de Mama
Cancer de Mama
 
Livro oncologia alta
Livro oncologia altaLivro oncologia alta
Livro oncologia alta
 
Sub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociais
Sub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociaisSub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociais
Sub modulo 6-10_122040.ppt serviços sociais
 
outubro-rosa 1.pptx
outubro-rosa 1.pptxoutubro-rosa 1.pptx
outubro-rosa 1.pptx
 
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdfCARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
CARTILHA ORIENTACAO PACIENTE QUIMIOTERAPIA.pdf
 
Terapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonalTerapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonal
 
Medicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesa
Medicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesaMedicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesa
Medicina chinesa em oncologia - acupunctura e fitoterapia chinesa
 
Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS. Pptx
Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS. PptxHipertensão Arterial Sistêmica - HAS. Pptx
Hipertensão Arterial Sistêmica - HAS. Pptx
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICAQUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA
 
Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
 

Mais de Ilca Rocha

Slide Arginina
Slide ArgininaSlide Arginina
Slide Arginina
Ilca Rocha
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
Vitamina B5 ou ácido pantotênico
Vitamina B5 ou ácido pantotênicoVitamina B5 ou ácido pantotênico
Vitamina B5 ou ácido pantotênico
Ilca Rocha
 
Programa de suplementação de vitamina A
Programa de suplementação de vitamina APrograma de suplementação de vitamina A
Programa de suplementação de vitamina A
Ilca Rocha
 
Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...
Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...
Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...
Ilca Rocha
 
Intolerância à lactose
Intolerância à lactoseIntolerância à lactose
Intolerância à lactose
Ilca Rocha
 
Ácido fólico
Ácido fólicoÁcido fólico
Ácido fólico
Ilca Rocha
 

Mais de Ilca Rocha (7)

Slide Arginina
Slide ArgininaSlide Arginina
Slide Arginina
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
Vitamina B5 ou ácido pantotênico
Vitamina B5 ou ácido pantotênicoVitamina B5 ou ácido pantotênico
Vitamina B5 ou ácido pantotênico
 
Programa de suplementação de vitamina A
Programa de suplementação de vitamina APrograma de suplementação de vitamina A
Programa de suplementação de vitamina A
 
Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...
Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...
Reações adversas a alimentos e imunidade humoral: Subclasses de IgE e antígen...
 
Intolerância à lactose
Intolerância à lactoseIntolerância à lactose
Intolerância à lactose
 
Ácido fólico
Ácido fólicoÁcido fólico
Ácido fólico
 

avaliação de caso clinico: Paciente hospitalizado com tumor cerebral

  • 1. AVALIAÇÃO DE CASO CLÍNICO FACULDADE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS TÓPICOS ESPECIAIS I Aline L. Querubim Dias Ilca Rocha Silva Monalisa Silva Gomes VITÓRIA DA CONQUISTA 2015
  • 2.  De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, 4% das mortes por câncer no Brasil estão relacionadas com os tumores cerebrais.  No mundo, o câncer do Sistema Nervoso Central (SNC) representa 1,9% de todas as neoplasias malignas.  Entre os tumores mais incidentes, o SNC é o 14º mais frequente em homens, com o risco estimado de 3,9/ 100 mil, enquanto, nas mulheres, é o 15º, com o risco estimado de 3,0/ 100 mil. (INCA, 2014.) INTRODUÇÃO
  • 5.  Nome: M. A. S.  Sexo: Feminino  Idade: 57 anos  Nacionalidade: Brasileira  Naturalidade: Vitória da Conquista - BA  Data de internação: 22/10/15 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA PACIENTE
  • 6. HISTÓRIA CLINÍCA 22 de Outubro de 2015 Às 18:15h, procedimento cirúrgico realizado: microcirurgia para tumor mais crânioplastia; 26 de Outubro de 2015 Realizado passagem de sonda nasoentérica (SNE), sem intercorrência; 16 de Novembro de 2015 Às 22:00h. Paciente em repouso no leito, sem alteração no período; 17 de Novembro de 2015 Tumor cerebral, sonolenta, febril. SNE; 18 de Novembro de 2015 Mudança da dieta para SNE.
  • 7.  Paciente idosa em uso de acesso venoso (AV) mais sonda nasogástrica e sonda vesical, dreno.  Feito glicemia capilar as 00:00 h 122 mg/dl e feito glicemia capilar as 06:00 h 94 mg/dl sem outras anormalidades.  Verificação de glicemia capilar e sinais vitais de 6/6 h.  Manter cabeceira elevada 30°.  HSA  HHI/W FNSI  AGC: Aneurisma de artéria cerebral media direita clipado;  Condição mantida. 19 DE NOVEMBRO DE 2015
  • 8.  Paciente em terapia com anticoagulantes orais 2-3.  Paciente com trombose venosa profunda, embolia pulmonar, embolia sistêmica, prótese cardíaca com válvula de tecido, infarto agudo do miocárdio, doença de válvula cardíaca, fibrilação atrial.  Em uso de sonda SNG,  Fluindo dieta,  Abdômen globoso,  Flácido,  Apalpação,  Sonda Vesical Fowler com presença de diurese, apresentando vários episódios de diarréia durante um período. 20 DE NOVEMBRO DE 2015
  • 9. O tumor cerebral é uma massa de células que crescem de forma anormal no cérebro. O tumor pode ser: BENIGNO MALIGNO REVISÃO DE LITERATURA DIAGNÓSTICO CLINICO:  Tumor cerebral.
  • 10. SINTOMAS  Vômitos e náusea;  Taques epiléticos;  Fraqueza nos braços ou nas pernas;  Dificuldades na fala ou nos movimentos;  Falta de coordenação ao caminhar;  Mudanças na visão ou movimentos anormais dos olhos;  Sonolência;  Mudanças na memória ou na personalidade. TUMORES PRIMÁRIOS originam-se do tecido cerebral, podem ser benignos ou malignos, e são classificados pelo tecido o qual eles começam: Gliomas, Meduloblastomas, Meningiomas, Glioblastoma Multiforme e Linfomas
  • 11.  Os sintomas mais específicos dependem de seu tamanho e do local em que se encontra o tumor no cérebro. AS CAUSAS PODEM SER POR INÚMEROS FATORES, INCLUINDO:  Pressão aumentada dentro do crânio (hipertensão intra- craniana);  Lesão de uma área vital do cérebro;  Inchaço (edema) e retenção de fluidos em volta do tumor;  Hidrocefalia, às vezes chamada de "água no cérebro", resultante do bloqueio do fluxo de líquido cérebro-espinhal (líquor) produzido no cérebro, que se acumula no interior do crânio.
  • 12.  Tomografia computadorizada (TC);  Imagem de Ressonância Magnética (IRM) - Oferece uma imagem do cérebro utilizando um ímã potente, um transmissor de radiofreqüência e um computador;  Punção lombar (Punção espinhal) - Este exame também é importante se o diagnóstico é de linfoma cerebral. EXAMES NEUROLÓGICOS
  • 13.  Caso um possível tumor seja encontrado o paciente pode fazer um dos seguintes exames antes de uma biópsia ou uma cirurgia ser realizada:  Ressonância Magnética Espectroscópica;  Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET);  Angiografia cerebral.  Depende do tamanho, local e tipo, como também a saúde e idade da pessoa.  O tratamento pode envolver cirurgia, quimioterapia e radioterapia, isoladamente ou de maneira combinada (VERISSIMO; RANIER; VALLE., 2006). TRATAMENTO
  • 14.  podem ser dada drogas como corticosteróides; anticonvulsivantes.  Quando possível, a cirurgia é a primeira linha de tratamento.  Alguns tumores não podem ser removidos, ou a cirurgia é considerada arriscada. Nesses casos, uma biópsia pode ser feita para ajudar a determinar se outros tratamentos podem ser mais efetivos. ANTES DO TRATAMENTO
  • 15.  Remover as células cancerosas que sobraram, e que não puderam ser removidas através da cirurgia.  Os linfomas cerebrais respondem muito bem à quimioterapia, como também à radioterapia PROGNÓSTICO:  Tipo;  Tamanho;  Local;  Idade. RADIOTERAPIA QUIMIOTERAPIA
  • 18. INTERAÇÃO DROGA/NUTRIENTE  Geralmente processos patológicos em reabilitação necessitam aporte nutricional satisfatório e a ministração de fármacos eficientes e seguros. No entanto, interações entre nutrientes e fármacos podem gerar alterações na eficácia da droga e/ou nutriente. (LOPES; CARVALHO; FREITAS., 2010) EXAMES LABORATORIAS E COMPLEMENTARES
  • 20.  A estimativa do gasto energético é uma importante ferramenta para nortear a terapia nutricional (TN) do paciente oncológico e pode ser calculada por diversos métodos, como calorimetria indireta ou direta, água duplamente marcada e fórmulas preditivas;  Para estimar o gasto energético são as de Harris-Benedict e fórmulas baseadas no peso;  A necessidade energética diária de pacientes com câncer varia de acordo com o diagnóstico clínico, idade, sexo, peso, altura, fator térmico, de atividade e estresse. CONDULTA DIETOTERÁPICA
  • 21.  Prevenir ou corrigir desnutrição;  Prevenir perdas protéicas muscular, visceral, sanguínea e desgaste de outros tecidos;  Evitar, minimizar ou tratar deficiência de macro ou micronutriente;  Aumentar a resistência ao tratamento;  Reduzir complicações do tratamento, para então adotar medidas que estimulem a aceitação, digestão e absorção da dieta via oral ou intervenção adequada da terapia nutricional enteral (TNE) ou parenteral (TNP). OBJETIVOS DA TERAPIA NUTRICIONAL EM CÂNCER
  • 22.  Paciente no dia 18 de Novembro de 2015, estava fazendo uso de dieta nasogástrica (SNG).  Dia 19 de Novembro de 2015, estava com uso de dieta oral hipossódica.  Em 20 de Novembro de 2015, em uso de SNG, fluindo dieta, apresentou vários episódios de diarréia durante o período, foi comunicado à nutrição a respeito da dieta e a mesma foi modificada para dieta obstipante.  Novasource sênior – Nestlé a cada quatro horas (08:00, 12:00, 16:00, 20:00, 00:00, 04:00). CONDULTA DIETOTERÁPICA DO PACIENTE
  • 23.  Sachê simbioflora às 12:00 e 20:00h. Peptamen 240ml 60ml/h Às 16:00 e 00:00, ambos associados ao Novasource sênior.  Umidificando com água na boca 10ml. NOVASOURCE SÊNIOR  É um alimento para suplementação de nutrição enteral ou oral, normocalórico e hiperprotéico.  Cada 1ml fornece 1,2 Kal.  Embalagem tetra square 1L  Sistema fechado 1L  Sabor artificial de baunilha.  Osmolaridade: 391 mOsm/kg de água
  • 24. PEPTAMEN 1.5  Situações metabólicas especiais para nutrição enteral, à base de peptídeos e formulado com quantidades definidas e adequadas de nutrientes e calorias, em função das necessidades nutricionais diárias de pessoas com problemas de absorção, visando a recuperação do adequado estado nutricional.  Isento de Lactose, glúten, fibras e sabor.  Densidade calórica: 1,5 kcal/Ml  Osmolalidade: 550 mOsm/kg de água. DISTRIBUIÇÃO ENERGÉTICA: Proteínas: • 18% (100% proteína do soro do leite hidrolisada) Carboidratos: • 49% (91% maltodextrina, 5,9% amido de milho, 3,1% outros) Lipídeos: • 33% (71,9% TCM, 15,2% óleo de soja, 7,9% gordura láctea, 5% lecitina de soja).
  • 25.  É composto por uma exclusiva formulação simbiótica e frutooligosacarídeo (prebiótico), lactobacilos e bifidobactérias (probioóticos) que contribui para o equilíbrio da flora intestinal. SIMBIOFLORA
  • 26. GLUTAMINA:  Durante o estresse cirúrgico e câncer há alteração na resistência à insulina, aumento do catabolismo protéico e depleção de GLUTAMINA no músculo esquelético. OBJETIVOS:  Busca a melhora na função imunológica, muscular e intestinal;  Redução de complicações infecciosas;  Melhor tolerância à terapia antineoplásica.  Experimentalmente, a suplementação de GLUTAMINA melhora os níveis de glutamina muscular sem estimular o crescimento tumoral. SUPLEMENTAÇÃO
  • 27.  É um aminoácido condicionalmente essencial, com potencial efeito imunomodulador.  Fornecida junta com uma mistura balanceada de aminoácido, apresenta melhora do equilíbrio protéico.  A longo prazo existem preocupações em relação ao uso da arginina como parte da terapia nutricional devido ao possível aumento do crescimento tumoral. ARGININA
  • 28.  Nutriente capaz de modular a resposta imunológica e inflamatória sistêmica e está associado, principalmente, com diminuição da intensidade da resposta inflamatória.  Associado à diminuição da massa tumoral, melhora do peso corporal e diminuição da anorexia, devido sua ação anti- inflamatória.  AG w-3 podem influenciar diretamente a produção de citocinas inibindo a síntese de fator de necrose tumoral alfa (TNF- ) e de interleucinas (IL). (PROJETO DIRETRIZES, Terapia Nutricional na oncologia, 2011). ACIDOS GRAXOS POLI-INSATURADOS ÔMEGA 3 (AGPI W-3)
  • 29. Função protetora de nutrientes antioxidantes na prevenção de neoplasias malignas como: Zinco, Selênio; vitamina A Vitamina E Vitamina C MICRONUTRIENTE
  • 31.  A desnutrição em câncer é prevalente e está associado ao pior prognóstico, incluindo a qualidade e o tempo de vida em pacientes oncológicos;  É importante estar atento à perda de peso progressiva, mudança do paladar e olfato, ingestão inadequada de alimentos/nutrientes, alterações significativas no metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídeos;  Salienta-se a necessidade de realizar a avaliação nutricional utilizando, a avaliação subjetiva global produzida pelo paciente com câncer que possibilita a rápida identificação de pacientes em risco nutricional. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 32.  Estima-se que a ingestão diária de 20 a 30 kcal/kg é necessária para preservar a massa corpórea.  A oferta de carboidrato e lipídeos deve manter-se em proporção equilibrada, importante o fornecimento adequado de eletrólitos, oligoelementos e vitaminas.  Nutrição oral é a via preferencial no cuidado nutricional do paciente oncológico, pois é mais fisiológica e possibilita o manejo mais fácil.  No entanto, quando necessário às terapias de nutrição enteral e parenteral são métodos seguros e eficazes para administrar nutrientes em pacientes com câncer.
  • 33.  16 de Novembro de 2015 às 22:00 hs. Paciente em repouso no leito, sem alteração no período;  17 de Novembro de 2015 sonolenta, febril;  18 de Novembro de 2015 paciente mantendo quadro neurológico. Não contacta, não responde à comandos. Ferida operatória de bom aspecto;  19 de Novembro de 2015 paciente apresentando vários quadros de diarréia. Sem outras anormalidades;  20 de Novembro de 2015 ÀS 08:00h paciente encontra-se no leito. Não responde as solicitações verbais. Apresentando vários episódios de diarréia durante um período. EVOLUÇÃO DIÁRIA
  • 34.  LOPES, E. M.; CARVALHO, R. B. N.; FREITAS, R. M. Análise das possíveis interações entre medicamentos e alimentos/nutrientes em pacientes. Einstein 8 (3 Pt 1): 298-302, 210.  VERISSIMO, D. S.; VALLE, E. R. M. Experiência vivida por pessoas com tumor cerebral e por seus familiares. Psicol. Argum., Curitiba, v. 24, n. 45 p. 45-57, abr./jun. 2006.  FARTHAT, F. C. L. G.; TODA, D. M. I, SANTOS, P. H. Interações entre Hipoglicemiantes Orais e Alimentos. Saúde em Revista Hipoglicemiante Oral e Alimentos, 2007.  WAITZBERG, D. L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 4. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2009. REFERÊNCIA
  • 35.  Nestlehealthscience.Disponível  em: <https://www.nestlehealthscience.com.br/marcas> Acesso em 03 de dezembro de 2015.  Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2014: Incidência de Câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro: INCA, 2014.  PINHO, N. B.; et al. Terapia Nutricional na Oncologia. Projeto Diretrizes, AMB e CFM. 31 de Agosto de 2011.  DIAS, M. C. G.; et al. Triagem e Avaliação do Estado Nutricional. Projeto Diretrizes, AMB e CFM. 8 de Setembro de 2011. REFERÊNCIA