SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE ALIANÇA – MAURÍCIO DE NASSAU
ENFERMAGEM – 4º PERÍODO – TURNO MANHÃ
 DOCENTE:
 Lidianne Mayra Campelo
 DISCENTES:
 Francisco Lucas
 Waldennia Veloso
 Alzira Sousa
 Renata Freitas
 Cecília Natielly
 Natana Karen
 Jessica Suelen
 Elane Rodrigues
 Letícia SilvaTeresina (PI), maio de 2015.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
Lucas
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 Indivíduos se apresentam
frequentemente desnutridos.
 Redução de apetite,
dificuldades mecânicas para
deglutir e mastigar alimentos
são fatores que favorecem a
desnutrição.
 A terapia nutricional desses
pacientes busca prevenir ou
reverter o declínio no estado
nutricional.
 Ela deve seguir critérios como
estágio da doença, efeitos do
tratamento e função
gastrointestinal.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 O CÂNCER INFLUENCIA O ESTADO NUTRICIONAL?
 A prevalência de desnutrição pode variar entre 30% e 80%,
dependendo do tipo do tumor, sendo grave em 15% dos
doentes.
 A perda de peso não intencional é o primeiro sintoma e
precede o diagnóstico.
 Os efeitos colaterais do tratamento oncológico estão
associados com algum grau de disfunção gastrointestinal,
com consequente redução da ingestão de alimentos e
adicional perda de peso.
Recomendação...
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 QUAIS OS OBJETIVOS DA TERAPIA NUTRICIONAL?
 Incluem tratamento e prevenção da desnutrição, modulação
da resposta orgânica ao tratamento oncológico e controle
dos efeitos adversos do tratamento.
 Indivíduos com câncer em TN apresentam melhora da
qualidade de vida durante o tratamento da doença ou
cuidado paliativo.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 QUAIS AS INDICAÇÕES DA TN NO PACIENTE COM
CÂNCER?
 Está indicada para pacientes recebendo tratamento oncológico
ativo (quimio, imuno e radioterapia), com inadequada ingestão
oral.
 Também é indicada a pacientes sem qualquer terapia adjuvante
que estejam ingerindo <70% das necessidades nutricionais e nos
quais a deterioração do estado nutricional esteja ligada à piora da
qualidade de vida.
 A TN (enteral ou parenteral) deve promover a manutenção ou
diminuição da deterioração do estado nutricional.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 COMO CALCULAR AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO
PACIENTE COM CÂNCER?
 As necessidades nutricionais do paciente com câncer podem
variar, dependendo do tipo e da localização do tumor, do
grau de estresse, da presença de má-absorção e da
necessidade de ganho de peso ou anabolismo.
 Pacientes com câncer podem apresentar deficiência de
micronutrientes em função do aumento das necessidades e
de perdas, associado a diminuição de ingestão.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 COMO ESCOLHER A VIA DE ADMINISTRAÇÃO DA TN?
 Para pacientes com trato gastrointestinal íntegro, a via
preferencial é sempre a enteral.
 A indicação da terapia nutricional parenteral (TNP) reserva-se aos
casos em que há toxicidade gastrointestinal ou outras
complicações que impeçam a ingestão adequada por sete a 14
dias.
 A TNP poderá ser indicada simultaneamente com a nutrição
enteral, quando esta não for capaz de suprir completamente as
necessidades nutricionais do paciente.
 QUAL O PAPEL DA TN NOS EFEITOS COLATERAIS DO
TRATAMENTO?
 É necessário o aconselhamento dietético intensivo e a TN
oral para aumentar ingestão dietética e prevenir efeitos
colaterais da radioterapia, como a perda de peso e a
interrupção da terapia.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 HÁ INDICAÇÃO PARA USO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3
DURANTE A QUIMIO/RADIOTERAPIA?
 O uso de complemento nutricional oral na forma líquida
com ácidos graxos ômega-3, na forma de ácido
eicosapentanoico, previne a perda de peso e a interrupção
da terapia radio/quimioterápica.
 Evita a morte precoce, diminui as complicações decorrentes
do tratamento e melhora a qualidade de vida, devendo fazer
parte da terapêutica global.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 A TERAPIA FARMACOLÓGICA É CAPAZ DE LEVAR AO
AUMENTO DA INGESTÃO DE NUTRIENTES?
 O uso de drogas progestacionais é recomendado na tentativa de
aumentar o apetite e diminuir a perda de peso e melhorar a
qualidade de vida em pacientes com caquexia.
 Porém, o risco de trombose venosa durante terapia com agentes
progestacionais deve ser considerado.
 O uso de corticosteroides deve ser feito por curtos períodos de
tempo, quando os benefícios do uso forem superiores aos efeitos
colaterais.
DIETOTERAPIA PARA PACIENTES
ONCOLÓGICOS
 EM QUE OCASIÃO É INDICADA INTERROMPER A TN?
 A TNE deverá ser suspensa na vigência de complicações que
impeçam a utilização do tubo digestivo.
 A TNP deverá ser descontinuada quando progressivamente
houver a possibilidade de utilização do tubo digestivo.
 A TN especializada oral deverá ser descontinuada quando a
ingestão total de alimentos suprir as necessidades de
nutrientes.
REFERÊNCIA
 Pinho N.B.; Oliveira G.P.C. Terapia Nutricional na Oncologia.
Projeto Diretrizes, AMB e CFM. 31 de agosto de 2011.
AGRADECEMOS A ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
natybortoletto
 
dietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.pptdietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.ppt
Heder13
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Larissa Goncalves
 
Terapia Nutricional Em Uti Final
Terapia Nutricional Em Uti    FinalTerapia Nutricional Em Uti    Final
Terapia Nutricional Em Uti Final
galegoo
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
Jefferson Costa
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
Safia Naser
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
Jamille Salvador
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
Nadia Morais Tonussi
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
latnep
 
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOSALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
Jéssica Angelo
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
ssuser51d27c1
 
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UANPLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
At Helena11/A13/5 Helena
 
Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para Idosos
Isabela Fernandez
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
Sheilla Sandes
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
Paulo Matias
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
themis dovera
 
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AnaRaquel435561
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Nutrição
NutriçãoNutrição

Mais procurados (20)

Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
dietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.pptdietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.ppt
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
 
Terapia Nutricional Em Uti Final
Terapia Nutricional Em Uti    FinalTerapia Nutricional Em Uti    Final
Terapia Nutricional Em Uti Final
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
 
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOSALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA HIPERTENSOS
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
 
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
 
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UANPLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
PLANEJAMENTO FISICO DE UMA UAN
 
Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para Idosos
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
 
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 

Semelhante a Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.

Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição OncológicaConsenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Cíntia Costa
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Brendha Soares
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Larissa Goncalves
 
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
atendimento para pariental da faculdade   ..pptxatendimento para pariental da faculdade   ..pptx
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
Fernando Naize
 
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃOVITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
Douglas Tedesco
 
Livro oncologia alta
Livro oncologia altaLivro oncologia alta
Livro oncologia alta
Maximiliano Seragioli Maimoni
 
46 tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
46   tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos46   tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
46 tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
ONCOcare
 
Nutricao e avc_artigo
Nutricao e avc_artigoNutricao e avc_artigo
Nutricao e avc_artigo
Eleonora Henriques Amorim de Jesus
 
DIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfDIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdf
mauromaumau
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
mauromaumau
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
LarissaCampos96
 
Aula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdf
Aula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdfAula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdf
Aula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdf
EvaldoFernandes10
 
Apresentação pancreatite
Apresentação pancreatite Apresentação pancreatite
Apresentação pancreatite
MaisaDiasSimoes
 
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
ONCOcare
 
Manual de Nutrição profissional
Manual de Nutrição profissionalManual de Nutrição profissional
Manual de Nutrição profissional
Palloma Campos
 
Guia Paciente Critico
Guia Paciente CriticoGuia Paciente Critico
Guia Paciente Critico
Kheyt Fernandes
 
Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6
adrianomedico
 
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).pptnutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
Marina3112
 
Importância da suplementação proteica e micronutrientes
Importância da suplementação proteica e micronutrientesImportância da suplementação proteica e micronutrientes
Importância da suplementação proteica e micronutrientes
Prodiet Nutrição Clínica
 
Nutrição em Cirurgia
Nutrição em CirurgiaNutrição em Cirurgia

Semelhante a Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes. (20)

Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição OncológicaConsenso Nacional de Nutrição Oncológica
Consenso Nacional de Nutrição Oncológica
 
Terapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncerTerapia Nutricional no idoso com câncer
Terapia Nutricional no idoso com câncer
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
 
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
atendimento para pariental da faculdade   ..pptxatendimento para pariental da faculdade   ..pptx
atendimento para pariental da faculdade ..pptx
 
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃOVITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
VITAMINAS: ULCERA POR PRESSÃO
 
Livro oncologia alta
Livro oncologia altaLivro oncologia alta
Livro oncologia alta
 
46 tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
46   tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos46   tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
46 tratamento da caquexia no paciente em cuidados paliativos
 
Nutricao e avc_artigo
Nutricao e avc_artigoNutricao e avc_artigo
Nutricao e avc_artigo
 
DIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdfDIETOTERAPIA.pdf
DIETOTERAPIA.pdf
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
 
Nutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptxNutrição do paciente oncológico.pptx
Nutrição do paciente oncológico.pptx
 
Aula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdf
Aula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdfAula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdf
Aula Dietoterapia nas Pancreatites 24.04.23.pdf
 
Apresentação pancreatite
Apresentação pancreatite Apresentação pancreatite
Apresentação pancreatite
 
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever35   vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
35 vias alternativas de alimentação - quando indicar e como prescrever
 
Manual de Nutrição profissional
Manual de Nutrição profissionalManual de Nutrição profissional
Manual de Nutrição profissional
 
Guia Paciente Critico
Guia Paciente CriticoGuia Paciente Critico
Guia Paciente Critico
 
Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6
 
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).pptnutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
nutrição enteral e parenteral farmacia 2015 (2).ppt
 
Importância da suplementação proteica e micronutrientes
Importância da suplementação proteica e micronutrientesImportância da suplementação proteica e micronutrientes
Importância da suplementação proteica e micronutrientes
 
Nutrição em Cirurgia
Nutrição em CirurgiaNutrição em Cirurgia
Nutrição em Cirurgia
 

Mais de Lucas Fontes

Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas FontesDiabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas FontesPancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Lucas Fontes
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas FontesA criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Lucas Fontes
 
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Lucas Fontes
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Lucas Fontes
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Lucas Fontes
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Lucas Fontes
 
Sulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinasSulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinas
Lucas Fontes
 
Apoptose
ApoptoseApoptose
Apoptose
Lucas Fontes
 
O que é adrenoleucodistrofia?
O que é adrenoleucodistrofia?O que é adrenoleucodistrofia?
O que é adrenoleucodistrofia?
Lucas Fontes
 
O que é cidadania
O que é cidadaniaO que é cidadania
O que é cidadania
Lucas Fontes
 
Aconselhamento genético
Aconselhamento genéticoAconselhamento genético
Aconselhamento genético
Lucas Fontes
 

Mais de Lucas Fontes (20)

Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas FontesDiabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Diabetes Gestacional No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas FontesHiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Hiperdia No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas FontesPancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
Pancreatectomia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Prevenção de infecção hospitalar - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas FontesA criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
A criança vítima de violência - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes
 
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Eutanásia e mistanásia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
Desinfecção química automatizada e manual - No Caminho da Enfermagem - Lucas ...
 
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
Adolescente portador de doença crônica - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fon...
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
 
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Processo de Enfermagem na hemoterapia - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Sulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinasSulfonamidas e tetraciclinas
Sulfonamidas e tetraciclinas
 
Apoptose
ApoptoseApoptose
Apoptose
 
O que é adrenoleucodistrofia?
O que é adrenoleucodistrofia?O que é adrenoleucodistrofia?
O que é adrenoleucodistrofia?
 
O que é cidadania
O que é cidadaniaO que é cidadania
O que é cidadania
 
Aconselhamento genético
Aconselhamento genéticoAconselhamento genético
Aconselhamento genético
 

Dietoterapia de pacientes oncológicos - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.

  • 1. FACULDADE ALIANÇA – MAURÍCIO DE NASSAU ENFERMAGEM – 4º PERÍODO – TURNO MANHÃ  DOCENTE:  Lidianne Mayra Campelo  DISCENTES:  Francisco Lucas  Waldennia Veloso  Alzira Sousa  Renata Freitas  Cecília Natielly  Natana Karen  Jessica Suelen  Elane Rodrigues  Letícia SilvaTeresina (PI), maio de 2015.
  • 3. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  Indivíduos se apresentam frequentemente desnutridos.  Redução de apetite, dificuldades mecânicas para deglutir e mastigar alimentos são fatores que favorecem a desnutrição.  A terapia nutricional desses pacientes busca prevenir ou reverter o declínio no estado nutricional.  Ela deve seguir critérios como estágio da doença, efeitos do tratamento e função gastrointestinal.
  • 4. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  O CÂNCER INFLUENCIA O ESTADO NUTRICIONAL?  A prevalência de desnutrição pode variar entre 30% e 80%, dependendo do tipo do tumor, sendo grave em 15% dos doentes.  A perda de peso não intencional é o primeiro sintoma e precede o diagnóstico.  Os efeitos colaterais do tratamento oncológico estão associados com algum grau de disfunção gastrointestinal, com consequente redução da ingestão de alimentos e adicional perda de peso. Recomendação...
  • 5. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  QUAIS OS OBJETIVOS DA TERAPIA NUTRICIONAL?  Incluem tratamento e prevenção da desnutrição, modulação da resposta orgânica ao tratamento oncológico e controle dos efeitos adversos do tratamento.  Indivíduos com câncer em TN apresentam melhora da qualidade de vida durante o tratamento da doença ou cuidado paliativo.
  • 6. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  QUAIS AS INDICAÇÕES DA TN NO PACIENTE COM CÂNCER?  Está indicada para pacientes recebendo tratamento oncológico ativo (quimio, imuno e radioterapia), com inadequada ingestão oral.  Também é indicada a pacientes sem qualquer terapia adjuvante que estejam ingerindo <70% das necessidades nutricionais e nos quais a deterioração do estado nutricional esteja ligada à piora da qualidade de vida.  A TN (enteral ou parenteral) deve promover a manutenção ou diminuição da deterioração do estado nutricional.
  • 7. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  COMO CALCULAR AS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO PACIENTE COM CÂNCER?  As necessidades nutricionais do paciente com câncer podem variar, dependendo do tipo e da localização do tumor, do grau de estresse, da presença de má-absorção e da necessidade de ganho de peso ou anabolismo.  Pacientes com câncer podem apresentar deficiência de micronutrientes em função do aumento das necessidades e de perdas, associado a diminuição de ingestão.
  • 8. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  COMO ESCOLHER A VIA DE ADMINISTRAÇÃO DA TN?  Para pacientes com trato gastrointestinal íntegro, a via preferencial é sempre a enteral.  A indicação da terapia nutricional parenteral (TNP) reserva-se aos casos em que há toxicidade gastrointestinal ou outras complicações que impeçam a ingestão adequada por sete a 14 dias.  A TNP poderá ser indicada simultaneamente com a nutrição enteral, quando esta não for capaz de suprir completamente as necessidades nutricionais do paciente.
  • 9.  QUAL O PAPEL DA TN NOS EFEITOS COLATERAIS DO TRATAMENTO?  É necessário o aconselhamento dietético intensivo e a TN oral para aumentar ingestão dietética e prevenir efeitos colaterais da radioterapia, como a perda de peso e a interrupção da terapia. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS
  • 10. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  HÁ INDICAÇÃO PARA USO DE ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 DURANTE A QUIMIO/RADIOTERAPIA?  O uso de complemento nutricional oral na forma líquida com ácidos graxos ômega-3, na forma de ácido eicosapentanoico, previne a perda de peso e a interrupção da terapia radio/quimioterápica.  Evita a morte precoce, diminui as complicações decorrentes do tratamento e melhora a qualidade de vida, devendo fazer parte da terapêutica global.
  • 11. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  A TERAPIA FARMACOLÓGICA É CAPAZ DE LEVAR AO AUMENTO DA INGESTÃO DE NUTRIENTES?  O uso de drogas progestacionais é recomendado na tentativa de aumentar o apetite e diminuir a perda de peso e melhorar a qualidade de vida em pacientes com caquexia.  Porém, o risco de trombose venosa durante terapia com agentes progestacionais deve ser considerado.  O uso de corticosteroides deve ser feito por curtos períodos de tempo, quando os benefícios do uso forem superiores aos efeitos colaterais.
  • 12. DIETOTERAPIA PARA PACIENTES ONCOLÓGICOS  EM QUE OCASIÃO É INDICADA INTERROMPER A TN?  A TNE deverá ser suspensa na vigência de complicações que impeçam a utilização do tubo digestivo.  A TNP deverá ser descontinuada quando progressivamente houver a possibilidade de utilização do tubo digestivo.  A TN especializada oral deverá ser descontinuada quando a ingestão total de alimentos suprir as necessidades de nutrientes.
  • 13. REFERÊNCIA  Pinho N.B.; Oliveira G.P.C. Terapia Nutricional na Oncologia. Projeto Diretrizes, AMB e CFM. 31 de agosto de 2011.