SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
NUTRIÇÃO EM SAÚDE
COLETIVA
Faculdade Estácio Unijipa de Ji-Paraná
O Brasil é o único país com
mais de 200 milhões de
habitantes que assumiu o
desafio de ter um sistema
universal, público e gratuito
de saúde.
A DIMENSÃO DO SUS (SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE)
 Temos mais de 27 mil equipes de Saúde da Família acompanhando quase 100 milhões de
brasileiros.
 A taxa de mortalidade infantil caiu para 21,2 por mil nascidos vivos em 2005: uma redução de
60% desde 1990.
 A expectativa de vida cresceu de 69,7 anos, em 1998, para 72,3 anos, em 2006.
 O SUS tem uma rede de mais de 63 mil unidades ambulatoriais e cerca de 6 mil unidades
hospitalares, com mais de 440 mil leitos (próprios e conveniados).
 Por ano, são realizados cerca de 2 milhões de partos; 12 milhões de internações hospitalares;
132 milhões de atendimentos de alta complexidade; e 150 milhões de consultas médicas.
 O Brasil ocupa posição de liderança em financiamento público de transplantes de órgãos (14
mil transplantes por ano). É reconhecido internacionalmente pela excelência de seus
programas de imunização – que distribui anualmente 130 milhões de doses de vacinas – e de
DST/Aids – que atende a 184 mil pacientes soropositivos com distribuição de medicamentos
sem custo adicional.
 28.492 nutricionistas atendem no SUS (2019)*
FONTE: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2008/Carta20anosdoSUS.pdf
NA PRIMEIRA VIAGEM DO SEMESTRE, UBS FLUVIAL ULTRAPASSA 900
ATENDIMENTOS NA REGIÃO DA VALÉRIA
FONTE: https://ojornaldailha.com/na-primeira-viagem
O NUTRICIONISTA NA SAÚDE COLETIVA
Há uma grande relação entre alimentação inadequada e ocorrência de doenças crônicas não
transmissíveis (DCNT) como obesidade, diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares. Mas estas
doenças podem ser prevenidas por meio de ações que promovam práticas alimentares adequadas e
saudáveis. O nutricionista, por sua formação, pode atuar em programas de saúde, articulando ações de
alimentação e nutrição, participando em equipes multidisciplinares, contribuindo efetivamente para:
 diagnóstico da situação alimentar e nutricional da população;
 promoção da alimentação saudável para todas as fases do curso da vida;
 capacitação das Equipes de Saúde da Família (ESF) sobre práticas alimentares adequadas
e saudáveis;
 orientação nutricional em programas de controle e prevenção dos distúrbios nutricionais;
 Identificar portadores de patologias e deficiências associadas à nutrição para o
atendimento nutricional adequado.
 Promover educação alimentar e nutricional.
FONTE: http://www.crn3.org.br/uploads/BaseArquivos/2018_08_28/2016_05-
min.pdf
SEMANA DE COMBATE À OBESIDADE ENCERRA COM ATIVIDADE
SOBRE NUTRIÇÃO NA UBS LEONOR DE FREITAS
FONTE: https://semsa.manaus.am.gov.br-
OS DESAFIOS DO SUS
AUMENTO DA OBESIDADE ENTRE ADULTOS
 Proporção de obesos na população com 20 anos ou mais de idade mais que
dobrou no país entre 2003 e 2019, passando de 12,2% para 26,8%.
 Nesse período, a obesidade feminina subiu de 14,5% para 30,2% ,
enquanto a obesidade masculina passou de 9,6% para 22,8%.
 Em 2019, uma em cada quatro pessoas de 18 anos ou mais anos de idade
no Brasil estava obesa, o equivalente a 41 milhões de pessoas. Já o excesso
de peso atingia 60,3% da população de 18 anos ou mais de idade, o que
corresponde a 96 milhões de pessoas, sendo 62,6% das mulheres e 57,5%
dos homens.
FONTE: http://encurtador.com.br/atJPW
DESNUTRIÇÃO
Em relação a prevalência de déficit de peso em adultos com 18 ou mais anos de
idade, a taxa foi de 1,6%, sendo 1,7% para homens e 1,5% para mulheres. O valor
ficou bem abaixo do limite de 5% fixado pela Organização Mundial da Saúde (OMS)
como indicativo de exposição da população adulta à desnutrição.
ATENDIMENTO NAATENÇÃO PRIMÁRIA
Pela primeira vez, os estudos trazem informações sobre a Atenção Primária em
Saúde e visitas de agentes de saúde aos domicílios. Segundo a pesquisa, em 2019,
17,3 milhões de pessoas procuraram algum serviço da atenção primária à saúde.
Desse total, 69,9% eram mulheres, 60,9% das pessoas eram pretas ou pardas, 65,0%
tinham cônjuges, e 35,8% tinha idade entre 40 e 59 anos.
Outro dado revela que 94,4% das pessoas entrevistadas não tinham plano de saúde.
Os dados mostram ainda que 53,8% dos usuários da atenção primária não tinham um
trabalho, sendo que 64,7% tinham renda domiciliar per capita inferior a um salário
mínimo e 32,3%, inseriam-se na faixa de 1 a 3 salários mínimos.
FONTE: https://encurtador.com.br/atJPW
CUSTOS FINANCEIROS DA OBESIDADE PARA O SUS
 Em 2018, houve 1 829 779 internações por causas associadas à hipertensão
arterial, ao diabetes e à obesidade no SUS. Isso corresponde a
aproximadamente 16% do total de internações hospitalares no SUS no
período, resultando em um custo total de R$ 3,84 bilhões. Os custos
ambulatoriais totais com as mesmas doenças no SUS somaram R$ 166
milhões no ano de 2018, e os gastos do Os custos diretos atribuíveis a
hipertensão arterial, diabetes e obesidade no Brasil totalizaram R$ 3,45
bilhões, ou seja, US$ 890 milhões, considerando gastos do SUS com
hospitalizações, procedimentos ambulatoriais e medicamentos.
 Comparando os custos por tipo de gasto no SUS, a maioria se deveu ao
fornecimento de medicamentos a pessoas com obesidade, diabetes e
hipertensão arterial (58,8%), seguido por hospitalizações (34,6%) e
atendimentos/procedimentos ambulatoriais (6,6%).
FONTE: https://scielosp.org/article/rpsp/2020.v44/e32/pt/#
ATENÇÃO BÁSICA NO CENTRO DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE
DESAFIO DO SUS
Cenário Epidemiológico Complexo
Doenças
Crônicas
Doenças
Infecciosas e
Desnutrição
Agravos por
causa externas
Alta complexidade
Média complexidade
Atenção Básica
.......................................
.......................................
.......................................
Redes de Atenção à Saúde Sistema deve ser acolhedor e responsabilizar-se pelo
cuidado. Necessidades do usuário devem nortear a coordenação desse cuidado
na RAS. Atenção Básica: ordenadora das redes e coordenadora do cuidado.
Fontes: Mendes, 2010; Pinto, 2014
Atuação do nutricionista no SUS
Independente do ponto da Rede de Atenção à Saúde em que atue, é necessário mobilizar conhecimentos
referentes a mais de uma das “áreas clássicas” de atuação, além das competências e habilidades gerais e
específicas!
Ciências
Biológicas
e da Saúde
Ciências
Sociais,
Humanas e
Econômicas
Ciências da
Alimentaçã
o e
Nutrição
Ciências
dos
Alimentos
UBS
 Os profissionais da nutrição que trabalham com atendimento primário
devem ter um olhar mais no coletivo, focando na saúde pública, e não tanto
no indivíduo. "Não vamos atender uma pessoa com diabetes, por exemplo,
e fazer uma dieta específica para ela. Precisamos olhar e pensar em como
cuidar das pessoas com diabetes de uma forma geral, com todas as
demandas da saúde pública", diz.
 Estratégias regionais para estimular uma alimentação e hábitos mais
saudáveis da população.
FONTE: https://www.uol.com.b/noo/2021/01/0
Dificuldades da UBS
 A alta demanda dos profissionais é uma outra barreira no atendimento. As
UBSs possuem entre dois ou três nutricionistas que precisam lidar com
uma demanda de cerca de 10 a 15 mil pessoas do território que ela cobre.
“Aqui [Centro de Saúde] são mais de 100 mil pessoas da região que têm
direito ao atendimento.”
FONTE: https://www.uol.com.b/noo/2021/01/0
Políticas e Programas Institucionais:
 PNSAN: Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional
O objetivo geral da PNSAN é assegurar o direito humano a alimentação
adequada a todas os habitantes promovendo a segurança alimentar e
nutricional de modo que tenham acesso regular e permanente a alimentos de
qualidade, em quantidade suficiente, tendo como base práticas alimentares
promotoras de saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam
ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis.
OFERTA DE
REFEIÇÕES
SAUDÁVEIS
EDUCAÇÃO
ALIMENTAR
NUTRICIONAL
PNAE
- Crescimento;
- Aprendizagem;
- Desenvolvimento
biopsicossocial;
- Rendimento escolar;
- Formação de práticas
alimentares saudáveis.
PNAE: Programa Nacional de Alimentação Escolar
Objetivo do Programa:
 PAT: Programa de alimentação do trabalhador:
Prioriza atendimento aos trabalhadores de baixa renda ou seja, aqueles que
recebem até cinco salários mínimos por mês, e é estruturado na parceria entre
Governo Federal, empresa e trabalhador. O PAT promove melhores condições
de saúde e incentiva também a diminuição do número de casos de doenças
relacionadas à alimentação e à nutrição.
POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO
Propósito melhoria das condições de alimentação, nutrição e saúde da
população brasileira, mediante a promoção de práticas alimentares adequadas
e saudáveis, a vigilância alimentar e nutricional, a prevenção e o cuidado
integral dos agravos relacionados à alimentação e nutrição.
Portaria nº 2.715, de 17 novembro de 2011. D.O.U. de
18 novembro 2011.
1. Organização
da atenção
Nutricional
6.Qualificação
da Força de
Trabalho
5.Participação
e Controle
Social
4. Gestão das
ações de
Alimentação e
Nutrição
3. Vigilância
Alimentar e
Nutricional
2. Promoção da
Alimentação
Adequada e
Saudável
7. Pesquisa,
Inovação e
Conhecimento em
Alimentação e
Nutrição
8. Controle e
Regulação dos
Alimentos
 Deve compreender o SUS como sistema que visa garantir o direito à saúde
da população, contribuindo assim, para a Segurança Alimentar e
Nutricional!
 O profissional nutricionista pode contribuir com esse propósito atuando em
todos os pontos da RAS.
Gestão de políticas,
programas e estratégias
Atenção nutricional nos
diversos pontos da RAS
Vigilância sanitária e
epidemiológica
Organização da atenção nutricional
 Compreende os cuidados relativos à alimentação e nutrição voltados a
promoção e proteção da saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento de
agravos, que devem estar associados às demais ações de atenção à saúde do
SUS, para indivíduos, famílias e comunidades, contribuindo para a
conformação de uma rede integrada, resolutiva e humanizada de cuidados.
Complexidade da atenção nutricional
 A situação alimentar e nutricional exerce influência direta no processo de
saúde e adoecimento dos indivíduos e comunidades.
 Questão complexa que envolve aspectos biopsicossociais e econômicos.
 Necessária atuação interdisciplinar e multiprofissional.
NUTRICIONISTA DEVE SER PROTAGONISTA, INDUTOR E
QUALIFICADOR DE PRÁTICAS RELACIONADAS À ALIMENTAÇÃO
E NUTRIÇÃO.
DIRETRIZES
1. Organização da Atenção Nutricional
2. Promoção da Alimentação Adequada e Saudável
3. Vigilância Alimentar e Nutricional
4. Gestão das Ações de A e N
5. Participação e Controle Social
6. Qualificação da força de trabalho
7. Controle e Regulação de Alimentos
8. Pesquisa, inovação e conhecimento em A e N
9. Cooperação e Articulação para SAN
Atenção
Domiciliar
Atenção
Hospitalizada
Ambulatorial
Atenção
Especializada
Hospitalar
Vigilância Alimentar e Nutricional
 Diagnóstico populacional e individual
• Situação alimentar e nutricional
• Identificação de territórios e grupos populacionais sob risco – vulnerabilidades.
 Diagnóstico do território
• Locais de produção, distribuição e comercialização de alimentos saudáveis
• Ambientes promotores da alimentação adequada e saudável
• espaços para prática de atividade física
• comercialização de alimentos não saudáveis/saudáveis.
CICLO DE GESTÃO E PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE
Atendimento
em saúde
Coleta das
informações
Análise
Decisão
Ação
Avaliação
Promoção da Alimentação Adequada e Saudável
Conjunto de estratégias que
proporcionem aos indivíduos e
coletividades e realização de
práticas alimentares adequadas e
saudáveis.
Políticas
Públicas
Saudáveis
Oferta de alimentos
saudáveis em
ambientes
institucionais
Reorientação
dos serviços
de saúde
Regulação e
controle de
alimentos
Educação alimentar
e Nutricional
Reforço da ação
comunitária
Competências necessárias
 Gestão da informação
conhecimento:
» Capacidade em instrumentos
analíticos;
» Nutrição humana;
» Alimentos;
» Sistemas alimentares;
» Direito humano à alimentação
adequada (DHAA), SAN, soberania
alimentar;
» Sistemas de políticas públicas: saúde,
educação e SAN;
» Gestão e coordenação de programas,
projetos e ações, gestão pública;
» Atenção nutricional;
» Promoção da saúde e educação
alimentar e nutricional;
» Ética e prática profissional;
» Liderança e Gestão de Pessoas.
Fonte: Consenso de Habilidades e Competências do Nutricionista no Âmbito da Saúde Coletiva, 2013
Funções do nutricionista em saúde coletiva
 Conjunto de funções:
» Planejamento e gestão de programas,
de ações, de pessoas e do
conhecimento e informação.
» Monitoramento e avaliação de
programas e ações.
» Diagnóstico e monitoramento de
pessoas e grupos populacionais.
» Promoção da saúde e educação
alimentar e nutricional.
» Implementação de programas e
desenvolvimento de ações.
» Advocacy e estabelecimento de
parcerias.
Fonte: Consenso de Habilidades e Competências do Nutricionista no Âmbito da Saúde Coletiva, 2013
Também poderá ser mais promissor que cada instituição e grupo,
uma vez interessado em utilizar estes resultados, possa avaliar a
pertinência de realizar esta reorganização e, se assim considerar,
que a realize segundo os seus critérios e necessidades.
Estácio Unijipa
Alunas: Alexsandra, Camila, Franciele, Ludmyla
2021

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
deboradamata
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Marcelo Silva
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Letícia Gonzaga
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Larissa Goncalves
 
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças CrônicaAlimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
cipasap
 

Mais procurados (20)

Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)Nutrição aplicada à enfermagem (1)
Nutrição aplicada à enfermagem (1)
 
Alimentação infantil
Alimentação infantilAlimentação infantil
Alimentação infantil
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Nutrição e saúde
Nutrição e saúdeNutrição e saúde
Nutrição e saúde
 
Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Atuação do Nutricion...
Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Atuação do Nutricion...Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Atuação do Nutricion...
Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - Atuação do Nutricion...
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
 
Sisvan
SisvanSisvan
Sisvan
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
Nutrição e o ciclo da vida
Nutrição e o ciclo da vidaNutrição e o ciclo da vida
Nutrição e o ciclo da vida
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermoTerapia nutricional no paciente criticamente enfermo
Terapia nutricional no paciente criticamente enfermo
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças CrônicaAlimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
Alimimentação E Nutrição Na Prevenção de Doenças Crônica
 
Palestra educação nutricional
Palestra educação nutricionalPalestra educação nutricional
Palestra educação nutricional
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Saúde mental no sus
Saúde mental no susSaúde mental no sus
Saúde mental no sus
 

Semelhante a NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
Juliana Braga
 
Guia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileiraGuia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileira
Aline Feitosa
 
Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.
Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.
Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.
Luã Kramer de Oliveira
 
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-20042350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
na cozinha
 
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentaresPolíticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Yngrid Bandeira
 
BOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdfBOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdf
Daniela Chucre
 
Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)
Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)
Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)
Danilo de Azevedo
 
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...
VicthriaSdeMoraesSpi
 
BOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdfBOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdf
Daniela Chucre
 

Semelhante a NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA (20)

1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
 
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIROATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
ATENDIMENTO AO IDOSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE E AS COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
 
TCD - Obesidade em adultos (3).pptx
TCD - Obesidade em adultos (3).pptxTCD - Obesidade em adultos (3).pptx
TCD - Obesidade em adultos (3).pptx
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Guia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileiraGuia alimentar para população brasileira
Guia alimentar para população brasileira
 
Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.
Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.
Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.
 
1 - Atencao Nutricional SUS.pptx
1 - Atencao Nutricional SUS.pptx1 - Atencao Nutricional SUS.pptx
1 - Atencao Nutricional SUS.pptx
 
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-20042350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
2350489 guia-alimentar-brasileiro-min-saude-2004
 
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentaresPolíticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
 
BOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdfBOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod1_Introducao_revisao_final_4.pdf
 
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt
 
Guia alimentar populacao_brasileira
Guia alimentar populacao_brasileiraGuia alimentar populacao_brasileira
Guia alimentar populacao_brasileira
 
Guia alimentar populacao_brasileira
Guia alimentar populacao_brasileiraGuia alimentar populacao_brasileira
Guia alimentar populacao_brasileira
 
Guia alimentar populacao_brasileira
Guia alimentar populacao_brasileiraGuia alimentar populacao_brasileira
Guia alimentar populacao_brasileira
 
Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)
Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)
Guia Alimentar para a População Brasileira - 2ª Edição (2014)
 
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6424_1574864439268_KComissaoPermanenteCAS20191127EXT055_...
 
BOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdfBOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod2_Saude_Sociedade_revisao_final_4.pdf
 
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentaçãoALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
ALIANÇA pela Alimentação Adequada e Saudável - carta de apresentação
 
TextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdfTextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdf
 

NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

  • 1. NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Faculdade Estácio Unijipa de Ji-Paraná
  • 2. O Brasil é o único país com mais de 200 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público e gratuito de saúde.
  • 3. A DIMENSÃO DO SUS (SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE)  Temos mais de 27 mil equipes de Saúde da Família acompanhando quase 100 milhões de brasileiros.  A taxa de mortalidade infantil caiu para 21,2 por mil nascidos vivos em 2005: uma redução de 60% desde 1990.  A expectativa de vida cresceu de 69,7 anos, em 1998, para 72,3 anos, em 2006.  O SUS tem uma rede de mais de 63 mil unidades ambulatoriais e cerca de 6 mil unidades hospitalares, com mais de 440 mil leitos (próprios e conveniados).  Por ano, são realizados cerca de 2 milhões de partos; 12 milhões de internações hospitalares; 132 milhões de atendimentos de alta complexidade; e 150 milhões de consultas médicas.  O Brasil ocupa posição de liderança em financiamento público de transplantes de órgãos (14 mil transplantes por ano). É reconhecido internacionalmente pela excelência de seus programas de imunização – que distribui anualmente 130 milhões de doses de vacinas – e de DST/Aids – que atende a 184 mil pacientes soropositivos com distribuição de medicamentos sem custo adicional.  28.492 nutricionistas atendem no SUS (2019)* FONTE: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2008/Carta20anosdoSUS.pdf
  • 4. NA PRIMEIRA VIAGEM DO SEMESTRE, UBS FLUVIAL ULTRAPASSA 900 ATENDIMENTOS NA REGIÃO DA VALÉRIA FONTE: https://ojornaldailha.com/na-primeira-viagem
  • 5. O NUTRICIONISTA NA SAÚDE COLETIVA Há uma grande relação entre alimentação inadequada e ocorrência de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) como obesidade, diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares. Mas estas doenças podem ser prevenidas por meio de ações que promovam práticas alimentares adequadas e saudáveis. O nutricionista, por sua formação, pode atuar em programas de saúde, articulando ações de alimentação e nutrição, participando em equipes multidisciplinares, contribuindo efetivamente para:  diagnóstico da situação alimentar e nutricional da população;  promoção da alimentação saudável para todas as fases do curso da vida;  capacitação das Equipes de Saúde da Família (ESF) sobre práticas alimentares adequadas e saudáveis;  orientação nutricional em programas de controle e prevenção dos distúrbios nutricionais;  Identificar portadores de patologias e deficiências associadas à nutrição para o atendimento nutricional adequado.  Promover educação alimentar e nutricional. FONTE: http://www.crn3.org.br/uploads/BaseArquivos/2018_08_28/2016_05- min.pdf
  • 6. SEMANA DE COMBATE À OBESIDADE ENCERRA COM ATIVIDADE SOBRE NUTRIÇÃO NA UBS LEONOR DE FREITAS FONTE: https://semsa.manaus.am.gov.br-
  • 7. OS DESAFIOS DO SUS AUMENTO DA OBESIDADE ENTRE ADULTOS  Proporção de obesos na população com 20 anos ou mais de idade mais que dobrou no país entre 2003 e 2019, passando de 12,2% para 26,8%.  Nesse período, a obesidade feminina subiu de 14,5% para 30,2% , enquanto a obesidade masculina passou de 9,6% para 22,8%.  Em 2019, uma em cada quatro pessoas de 18 anos ou mais anos de idade no Brasil estava obesa, o equivalente a 41 milhões de pessoas. Já o excesso de peso atingia 60,3% da população de 18 anos ou mais de idade, o que corresponde a 96 milhões de pessoas, sendo 62,6% das mulheres e 57,5% dos homens. FONTE: http://encurtador.com.br/atJPW
  • 8. DESNUTRIÇÃO Em relação a prevalência de déficit de peso em adultos com 18 ou mais anos de idade, a taxa foi de 1,6%, sendo 1,7% para homens e 1,5% para mulheres. O valor ficou bem abaixo do limite de 5% fixado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como indicativo de exposição da população adulta à desnutrição. ATENDIMENTO NAATENÇÃO PRIMÁRIA Pela primeira vez, os estudos trazem informações sobre a Atenção Primária em Saúde e visitas de agentes de saúde aos domicílios. Segundo a pesquisa, em 2019, 17,3 milhões de pessoas procuraram algum serviço da atenção primária à saúde. Desse total, 69,9% eram mulheres, 60,9% das pessoas eram pretas ou pardas, 65,0% tinham cônjuges, e 35,8% tinha idade entre 40 e 59 anos. Outro dado revela que 94,4% das pessoas entrevistadas não tinham plano de saúde. Os dados mostram ainda que 53,8% dos usuários da atenção primária não tinham um trabalho, sendo que 64,7% tinham renda domiciliar per capita inferior a um salário mínimo e 32,3%, inseriam-se na faixa de 1 a 3 salários mínimos. FONTE: https://encurtador.com.br/atJPW
  • 9. CUSTOS FINANCEIROS DA OBESIDADE PARA O SUS  Em 2018, houve 1 829 779 internações por causas associadas à hipertensão arterial, ao diabetes e à obesidade no SUS. Isso corresponde a aproximadamente 16% do total de internações hospitalares no SUS no período, resultando em um custo total de R$ 3,84 bilhões. Os custos ambulatoriais totais com as mesmas doenças no SUS somaram R$ 166 milhões no ano de 2018, e os gastos do Os custos diretos atribuíveis a hipertensão arterial, diabetes e obesidade no Brasil totalizaram R$ 3,45 bilhões, ou seja, US$ 890 milhões, considerando gastos do SUS com hospitalizações, procedimentos ambulatoriais e medicamentos.  Comparando os custos por tipo de gasto no SUS, a maioria se deveu ao fornecimento de medicamentos a pessoas com obesidade, diabetes e hipertensão arterial (58,8%), seguido por hospitalizações (34,6%) e atendimentos/procedimentos ambulatoriais (6,6%). FONTE: https://scielosp.org/article/rpsp/2020.v44/e32/pt/#
  • 10. ATENÇÃO BÁSICA NO CENTRO DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE
  • 11. DESAFIO DO SUS Cenário Epidemiológico Complexo Doenças Crônicas Doenças Infecciosas e Desnutrição Agravos por causa externas Alta complexidade Média complexidade Atenção Básica ....................................... ....................................... ....................................... Redes de Atenção à Saúde Sistema deve ser acolhedor e responsabilizar-se pelo cuidado. Necessidades do usuário devem nortear a coordenação desse cuidado na RAS. Atenção Básica: ordenadora das redes e coordenadora do cuidado. Fontes: Mendes, 2010; Pinto, 2014
  • 12. Atuação do nutricionista no SUS Independente do ponto da Rede de Atenção à Saúde em que atue, é necessário mobilizar conhecimentos referentes a mais de uma das “áreas clássicas” de atuação, além das competências e habilidades gerais e específicas! Ciências Biológicas e da Saúde Ciências Sociais, Humanas e Econômicas Ciências da Alimentaçã o e Nutrição Ciências dos Alimentos
  • 13. UBS  Os profissionais da nutrição que trabalham com atendimento primário devem ter um olhar mais no coletivo, focando na saúde pública, e não tanto no indivíduo. "Não vamos atender uma pessoa com diabetes, por exemplo, e fazer uma dieta específica para ela. Precisamos olhar e pensar em como cuidar das pessoas com diabetes de uma forma geral, com todas as demandas da saúde pública", diz.  Estratégias regionais para estimular uma alimentação e hábitos mais saudáveis da população. FONTE: https://www.uol.com.b/noo/2021/01/0
  • 14. Dificuldades da UBS  A alta demanda dos profissionais é uma outra barreira no atendimento. As UBSs possuem entre dois ou três nutricionistas que precisam lidar com uma demanda de cerca de 10 a 15 mil pessoas do território que ela cobre. “Aqui [Centro de Saúde] são mais de 100 mil pessoas da região que têm direito ao atendimento.” FONTE: https://www.uol.com.b/noo/2021/01/0
  • 15. Políticas e Programas Institucionais:  PNSAN: Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional O objetivo geral da PNSAN é assegurar o direito humano a alimentação adequada a todas os habitantes promovendo a segurança alimentar e nutricional de modo que tenham acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis.
  • 16. OFERTA DE REFEIÇÕES SAUDÁVEIS EDUCAÇÃO ALIMENTAR NUTRICIONAL PNAE - Crescimento; - Aprendizagem; - Desenvolvimento biopsicossocial; - Rendimento escolar; - Formação de práticas alimentares saudáveis. PNAE: Programa Nacional de Alimentação Escolar Objetivo do Programa:
  • 17.  PAT: Programa de alimentação do trabalhador: Prioriza atendimento aos trabalhadores de baixa renda ou seja, aqueles que recebem até cinco salários mínimos por mês, e é estruturado na parceria entre Governo Federal, empresa e trabalhador. O PAT promove melhores condições de saúde e incentiva também a diminuição do número de casos de doenças relacionadas à alimentação e à nutrição.
  • 18. POLÍTICA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Propósito melhoria das condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira, mediante a promoção de práticas alimentares adequadas e saudáveis, a vigilância alimentar e nutricional, a prevenção e o cuidado integral dos agravos relacionados à alimentação e nutrição. Portaria nº 2.715, de 17 novembro de 2011. D.O.U. de 18 novembro 2011.
  • 19. 1. Organização da atenção Nutricional 6.Qualificação da Força de Trabalho 5.Participação e Controle Social 4. Gestão das ações de Alimentação e Nutrição 3. Vigilância Alimentar e Nutricional 2. Promoção da Alimentação Adequada e Saudável 7. Pesquisa, Inovação e Conhecimento em Alimentação e Nutrição 8. Controle e Regulação dos Alimentos
  • 20.  Deve compreender o SUS como sistema que visa garantir o direito à saúde da população, contribuindo assim, para a Segurança Alimentar e Nutricional!  O profissional nutricionista pode contribuir com esse propósito atuando em todos os pontos da RAS. Gestão de políticas, programas e estratégias Atenção nutricional nos diversos pontos da RAS Vigilância sanitária e epidemiológica
  • 21. Organização da atenção nutricional  Compreende os cuidados relativos à alimentação e nutrição voltados a promoção e proteção da saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento de agravos, que devem estar associados às demais ações de atenção à saúde do SUS, para indivíduos, famílias e comunidades, contribuindo para a conformação de uma rede integrada, resolutiva e humanizada de cuidados.
  • 22. Complexidade da atenção nutricional  A situação alimentar e nutricional exerce influência direta no processo de saúde e adoecimento dos indivíduos e comunidades.  Questão complexa que envolve aspectos biopsicossociais e econômicos.  Necessária atuação interdisciplinar e multiprofissional. NUTRICIONISTA DEVE SER PROTAGONISTA, INDUTOR E QUALIFICADOR DE PRÁTICAS RELACIONADAS À ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO.
  • 23. DIRETRIZES 1. Organização da Atenção Nutricional 2. Promoção da Alimentação Adequada e Saudável 3. Vigilância Alimentar e Nutricional 4. Gestão das Ações de A e N 5. Participação e Controle Social 6. Qualificação da força de trabalho 7. Controle e Regulação de Alimentos 8. Pesquisa, inovação e conhecimento em A e N 9. Cooperação e Articulação para SAN Atenção Domiciliar Atenção Hospitalizada Ambulatorial Atenção Especializada Hospitalar
  • 24. Vigilância Alimentar e Nutricional  Diagnóstico populacional e individual • Situação alimentar e nutricional • Identificação de territórios e grupos populacionais sob risco – vulnerabilidades.  Diagnóstico do território • Locais de produção, distribuição e comercialização de alimentos saudáveis • Ambientes promotores da alimentação adequada e saudável • espaços para prática de atividade física • comercialização de alimentos não saudáveis/saudáveis.
  • 25. CICLO DE GESTÃO E PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Atendimento em saúde Coleta das informações Análise Decisão Ação Avaliação
  • 26. Promoção da Alimentação Adequada e Saudável Conjunto de estratégias que proporcionem aos indivíduos e coletividades e realização de práticas alimentares adequadas e saudáveis. Políticas Públicas Saudáveis Oferta de alimentos saudáveis em ambientes institucionais Reorientação dos serviços de saúde Regulação e controle de alimentos Educação alimentar e Nutricional Reforço da ação comunitária
  • 27. Competências necessárias  Gestão da informação conhecimento: » Capacidade em instrumentos analíticos; » Nutrição humana; » Alimentos; » Sistemas alimentares; » Direito humano à alimentação adequada (DHAA), SAN, soberania alimentar; » Sistemas de políticas públicas: saúde, educação e SAN; » Gestão e coordenação de programas, projetos e ações, gestão pública; » Atenção nutricional; » Promoção da saúde e educação alimentar e nutricional; » Ética e prática profissional; » Liderança e Gestão de Pessoas. Fonte: Consenso de Habilidades e Competências do Nutricionista no Âmbito da Saúde Coletiva, 2013
  • 28. Funções do nutricionista em saúde coletiva  Conjunto de funções: » Planejamento e gestão de programas, de ações, de pessoas e do conhecimento e informação. » Monitoramento e avaliação de programas e ações. » Diagnóstico e monitoramento de pessoas e grupos populacionais. » Promoção da saúde e educação alimentar e nutricional. » Implementação de programas e desenvolvimento de ações. » Advocacy e estabelecimento de parcerias. Fonte: Consenso de Habilidades e Competências do Nutricionista no Âmbito da Saúde Coletiva, 2013
  • 29. Também poderá ser mais promissor que cada instituição e grupo, uma vez interessado em utilizar estes resultados, possa avaliar a pertinência de realizar esta reorganização e, se assim considerar, que a realize segundo os seus critérios e necessidades.
  • 30. Estácio Unijipa Alunas: Alexsandra, Camila, Franciele, Ludmyla 2021