SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA
TRADICIONAL CHINESA
Processo de Saúde e Doença na
Acupuntura/MTC
CAUSAS DA DOENÇA SEGUNDO A MTC - ACUPUNTURA
Para a MTC-Acupuntura as doenças se
originam de desequilíbrios energéticos
que tem como causas primárias os
desequilíbrios do yin e yang.
Todavia, esses desequilíbrios advém de causas e
fatores:
a) Causas Externas (Climáticas);
b) Causas Internas ( Emoções);
.
c) Causas Nem Internas Nem Externas. (Maciocia. G.
2005).
CAUSAS EXTERNAS (CLIMÁTICAS)
As energias (Celestes) do vento, calor, frio, fogo,
umidade e secura são causas de doenças. Quando o
organismo e seus mecanismos energéticos não se
encontram equilibrados, ou não se adaptam
principalmente aos intemperes climatológicos.
As estações do ano determinam a presença de fatores e
ou energias climáticas e a insuficiência energética de
órgãos e ou sistemas energéticos, que enfraquecidos
em uma determinada estação, associados a não
adaptação do individuo , poderão ocasionar a entrada
de fatores externos (energias climáticas). (Maciocia,G.
2007).
Padrões Patológicos Gerados pelas Energias Externas:
• Frio: paciente teme ao frio, melhora com o calor;
• Calor: Paciente teme ao Calor, sente-se melhor com o
frio;
• Umidade: dores musculares com sensação de peso;
• Vento: crises convulsivas, e dores que caminham pelo
corpo;
• Secura: clima seco ataca as vias aéreas e a respiração.
VENTO
FRIO SECURA
UMIDADE
CALOR
Figura 1. Cinco elementos e as Energias Celestes
As energias celestes podem levar a processos
patógenos, desde que os indivíduos não se adaptem ao
intemperes climáticos. A ação dessas energias são
determinadas pelas estações do ano e tem como
consequências suas relações com o pentagrama do
cinco elementos no ciclos de geração de dominância.
CAUSAS INTERNAS
As emoções, os sentimentos, quando crônicos e permanentes
podem levar a lesão de órgãos internos (Zang/Fu), onde:
O Medo lesa o Rim, a Tristeza lesa o Pulmão, a Preocupação
lesa o Baço Pâncreas, a Alegria/Exaltação lesa o Coração, e a
Raiva/Ira lesa o Fígado. É possível reequilibrar e ou tratar esses
sentimentos crônicos, que levam a deficiência, em sua grande
maioria dos casos, tratando-se o respectivo órgão lesado trata-
se o respectivo sentimento. (Ross,J.1994).
ALEGRIA
Figura 2: Matriz Emocional do Coração
PREOCUPAÇÃO
Figura 3: Matriz Emocional do Baço e Pâncreas
TRISTEZA
Figura 4: Matriz Emocional do Pulmão
MEDO
Figura 5: Matriz Emocional do Rim
RAIVA
Figura 6: Matriz Emocional do Fígado
CAUSAS NEM INTERNAS NEM EXTERNAS
 São doenças que possuem suas origens em traumatismos,
ferimentos por armas brancas e ou de fogo, picada de insetos,
alimentação irregular e ou desregrada, doenças de origem
congênita e ou hereditárias, ligadas ao estilo de vida. (Souza.J.L.
2003).
OS ZANG FU
•Os Orgãos (Zang) e as Vísceras (Fu)
•O 6 órgãos e 6 vísceras para a MTC tem um significado mais
amplo que suas funções conhecidas pelo conhecimento
ocidental, pois estão ligados a estes funções somáticas, mas
também matrizes emocionais, advindas de entidades viscerais.
(Ross,J.1994).
Zang – Órgãos - Tesouros/Entidades
Viscerais/Matrizes Emocionais
• Zang Entidade Visceral Matriz Emocional
• Rim Zhi Medo
• Coração Shen Alegria
• Fígado Hun Raiva
• Baço Pâncreas YI Preocupação
• Pulmão Pô Tristeza
Os Zang, diferenciam-se dos Fu, por apresentarem
essas matrizes emocionais; as Vísceras (FU) não
possuem essa função, exceto a Vesícula Biliar, que foi
considerada como Fu Extraordinário, pois através do
armazenamento da bile encerra o poder de decisão.
(Ross,J. 1994).
A vontade para decidir advém do excesso produzido e
extravasado pelo Fígado e armazenado na Vesícula
Biliar que é a Bile. (Ross,J. 1994).
• Os Fu são Ocos e fazem o papel de armazenar os
fluidos sólidos (alimentos e fezes) e líquidos (urina)
que serão excretados.
• São os Fu: Estômago, Intestino Grosso, Intestino
Delgado, Bexiga. (Ross,J. 1994).
É importante compreender que quando se menciona
um órgão na Medicina Tradicional Chinesa, isto se
relaciona ao órgão energético e não físico. (Maciocia,G.
2007)
Para os chineses, o estado de adoecimento se inicia no
órgão energético, tomando em seguida o órgão físico. É
por esse motivo que a prática chinesa pode ser
executada, muitas vezes, de forma preventiva, pois o
órgão energético pode ser tratado antes que o órgão
físico seja atingido pela doença. (Maciocia,G. 2007)
Os órgãos (funções), Circulação-Sexo e Triplo
Aquecedor, por exemplo, não correspondem a órgãos
físicos específicos e sim a regiões do nosso corpo e
funções específicas.(Ross,J.1994).
Outro exemplo se refere aos órgãos: Baço e
Pâncreas, avaliados como um único órgão na visão
chinesa.
Os meridianos possuem dupla função, em seu percurso
em nosso corpo: uma de fora para dentro e uma de
dentro para fora, eles previnem a entrada de energias
que causam danos, chamadas energias "perversas",
como bactérias, vírus, calor, frio ou vento, e indicam a
presença destas energias danosas já instaladas no
corpo, na forma de sintomas aparentes externamente,
como por exemplo dores ou sensações de incômodo.
(Souza,J.L. 2003).
Qualquer tipo de sintoma de "adoecimento" é um sinal
de que a energia que circula no meridiano está
desequilibrada; quando um meridiano está bloqueado,
uma parte do corpo se encontra com acúmulo de Qi e
passa a um estado chamado de "excesso" ou
"plenitude" (shi) de Qi, ocasionando que outra região
não seja alimentada de Qi e passe a um estado
chamado de "deficiência" ou "vazio" (xu) de Qi.
(Wen,T.S.2008).
Isto pode ser comparado ao curso de um rio, quando é
colocada uma barreira, provocando o acúmulo de água
como em uma represa, por exemplo, e a consequente
diminuição do fluxo de água na continuação de seu leito.
Isto irá resultar numa hiperatividade de um determinado
órgão e hipoatividade de outro e pode levar à sua exaustão.
Se este desequilíbrio não é corrigido logo que se manifesta,
pode ocasionar com que os sintomas piorem
progressivamente, tornando o "adoecimento"
gradativamente mais sério.
 
Encontrar estas áreas é um dos objetivos da diagnose e
tratamento da acupuntura, já que suas características e
localização podem fornecer uma boa ideia da origem,
localização e profundidade do desequilíbrio em todo o
sistema energético, que poderá resultar em uma
determinada doença.
Uma das qualidades dos meridianos é refletir este tipo
de desequilíbrio e, então, agir como um canal através
do qual a desarmonia pode ser corrigida.
Ao longo dos meridianos são encontrados pontos nos
quais a energia se manifesta mais fortemente, que são
chamados de Acupontos, é onde o Qi é mais facilmente
afetado. Os estímulos diferenciados dos pontos corrige
o desequilíbrio energético e permite a circulação da
energia ou Qi.
Os pontos de introdução das agulhas de Acupuntura
possuem funções específicas e através deles é possível
liberar os bloqueios, "abrir" os canais e "recarregar" de
energias o nosso corpo.
O DIAGNÓSTICO PELA ACUPUNTURA
A Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura possuem
uma forma impar para realizar diagnóstico, muitos
dessa forma de diagnóstico se consolidaram por
questões culturais, para não mostrar determinadas
partes do corpo durante a consulta (exame).
(Maciocia,G.2007).
 
Além do interrogatório a inspeção da face e da
língua e a palpação dos pulsos radiais, esquerdo e
direito análise da biotipologia (Constitucional),
são algumas das formas de diagnóstico da
Acupuntura/MTC.
Figura 7: Palpação do Pulso Chinês
Os Chineses são os únicos povos do planeta a
utilizarem a palpação superficial e profunda dos
pulsos radiais, no trajeto do meridiano do Pulmão,
nos pontos P7 (Liequi), P8 (Jingqu) e P9 (Taiyuan)
para diagnóstico das condições energéticas e da
presença e quantidade de Energia (Qi) e Sangue
(Xue) dos Orgãos (Zang) e das Vísceras (Fu).
A interferência dos fatores climáticos sobre os
sintomas, a preferência por paladares e sabores, o
horário do surgimento dos sintomas, e determinadas
patologias em determinadas estações do ano são
também sugestivas alterações energéticas do Zang
(Órgãos) e Fu (Vísceras).
Referências Bibliográficas
• MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto
abrangente para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca,
2007.
• MACIOCIA, GIOVANNI; Canais de Acupuntura: uso clínico dos canais
secundários e dos oito vasos extraordinários; prefácio de Richard
Blackwell; [ tradução Ednéa Iara Souza Martins]. – São Paulo: Roca,
2007.
• MACIOCIA, GIOVANNI; Diagnóstico na medicina chinesa: um guia
geral; introdução de Julian Scott [tradução de Maria Inês Garbino
Rodrigues]. – São Paulo, Roca, 2005.
• ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina
tradicional chinesa. São Paulo: Roca, 1994.
• SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo
1: Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003.
Referências Bibliográficas
• SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo
3: Microssistemas, Diagnósticos e Constitucional. Uberlândia, Center
Fisio-Imes, 2004.
• WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.]
– São Paulo: Cultrix, 2014.
• WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura. Wu Tu Hsing;
Tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole, 2008.
Índice Referencial de Imagens e Figuras
Figura 1 – Disponível em
Imagem da Capa do Livro Acupuntura: SEA ( Sistema de Ensino em Acupuntura) ,
Center Fisio Imes, Módulo II , Cinco Elementos: Souza; jean Luis , Uberlândia –
MG; 2005.
Figura 2 – Disponível em
http://www.universodaacupuntura.com.br/produtos/produtos-exclusivos/sistema-de-ensino
Acesso em Agosto de 2015
Figura 3 – Disponível em
https://bybru.wordpress.com/2012/05/01/199/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 4 – Disponível em
http://simonetl.blogspot.com.br/2010_06_01_archive.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 5 – Disponível em
http://vitrinedaweb.blogspot.com.br/2012/12/o-lado-negro-por-tras-dos-quadros-
das.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 6 – Disponível em
http://gostoseamores.blogspot.com.br/2010/03/o-medo.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 7 – Disponível em
https://debernt.wordpress.com/2011/05/16/raiva-dos-males-o-pior/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 8 – Disponível em:
http://horusterapias.blogspot.com.br/p/medicina-natural-definicao.html
Acesso em Agosto de 2015
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos Básicos MTC parte1
Conceitos Básicos MTC  parte1Conceitos Básicos MTC  parte1
Conceitos Básicos MTC parte1
Andreia Moreira
 
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Clínica de Acupuntura Dr. Hong Jin Pai
 

Mais procurados (20)

Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCConceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
 
Acupuntura - Aprenda mais
Acupuntura - Aprenda maisAcupuntura - Aprenda mais
Acupuntura - Aprenda mais
 
Acupuntura aula
Acupuntura aulaAcupuntura aula
Acupuntura aula
 
MANUAL CLÍNICO E DE ACUPUNTURA MÉDICA PARA TRATAMENTO DA SÍNDROME PÓS-COVID-19
MANUAL CLÍNICO E DE ACUPUNTURA MÉDICA PARA TRATAMENTO DA SÍNDROME PÓS-COVID-19MANUAL CLÍNICO E DE ACUPUNTURA MÉDICA PARA TRATAMENTO DA SÍNDROME PÓS-COVID-19
MANUAL CLÍNICO E DE ACUPUNTURA MÉDICA PARA TRATAMENTO DA SÍNDROME PÓS-COVID-19
 
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/AcupunturaOficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
 
O diagnóstico na medicina chinesa [auteroche, navailh]blzdeaco
O diagnóstico na medicina chinesa [auteroche, navailh]blzdeacoO diagnóstico na medicina chinesa [auteroche, navailh]blzdeaco
O diagnóstico na medicina chinesa [auteroche, navailh]blzdeaco
 
Historia mtc
Historia mtcHistoria mtc
Historia mtc
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
 
Conceitos Básicos MTC parte1
Conceitos Básicos MTC  parte1Conceitos Básicos MTC  parte1
Conceitos Básicos MTC parte1
 
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
 
Vaso governador
Vaso governadorVaso governador
Vaso governador
 
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
 
Anamnese shiatsu
Anamnese shiatsuAnamnese shiatsu
Anamnese shiatsu
 
Slides Estudo de Caso Clínico Hiperidrose e obesidade com MTC - LASO
Slides Estudo de Caso Clínico Hiperidrose e obesidade com MTC - LASOSlides Estudo de Caso Clínico Hiperidrose e obesidade com MTC - LASO
Slides Estudo de Caso Clínico Hiperidrose e obesidade com MTC - LASO
 
Técnicas em MTC
Técnicas em MTCTécnicas em MTC
Técnicas em MTC
 
Meridianos
MeridianosMeridianos
Meridianos
 
Técnicas em MTC
Técnicas em MTCTécnicas em MTC
Técnicas em MTC
 
Acupuntura em odontologia
Acupuntura em odontologiaAcupuntura em odontologia
Acupuntura em odontologia
 
E book-de-acm-acupuntura-coreana-nas-mãos-sem-agulhas
E book-de-acm-acupuntura-coreana-nas-mãos-sem-agulhasE book-de-acm-acupuntura-coreana-nas-mãos-sem-agulhas
E book-de-acm-acupuntura-coreana-nas-mãos-sem-agulhas
 

Semelhante a Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC

Cristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiCristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashi
Adriane Cunha
 
Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6
Andreia Moreira
 
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdfMEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
TxaiEvanBrandao
 
Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02
Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02
Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02
Alberto Barth
 
Medicina E O Espiritismo
Medicina E O EspiritismoMedicina E O Espiritismo
Medicina E O Espiritismo
AndySans 2008
 
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Edson Bispo Palmeira
 

Semelhante a Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC (20)

Cristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiCristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashi
 
Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6
 
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdfMEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
MEDICINA-CHINESA-APLICADA-AO-TRATAMENTO-DE-ESCLERITE.pdf
 
Auriculoterapia 001
Auriculoterapia   001Auriculoterapia   001
Auriculoterapia 001
 
Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02
Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02
Medicinaeoespiritismo 091220141822-phpapp02
 
Medicina e o_espiritismo
Medicina e o_espiritismoMedicina e o_espiritismo
Medicina e o_espiritismo
 
ELIZETH CORONA - MEDICINA E O ESPIRITISMO
ELIZETH CORONA - MEDICINA E O ESPIRITISMOELIZETH CORONA - MEDICINA E O ESPIRITISMO
ELIZETH CORONA - MEDICINA E O ESPIRITISMO
 
Medicina e o_espiritismo
Medicina e o_espiritismoMedicina e o_espiritismo
Medicina e o_espiritismo
 
Medicina e o_espiritismo
Medicina e o_espiritismoMedicina e o_espiritismo
Medicina e o_espiritismo
 
Medicina e o espiritismo
Medicina e o espiritismoMedicina e o espiritismo
Medicina e o espiritismo
 
Medicina E O Espiritismo
Medicina E O EspiritismoMedicina E O Espiritismo
Medicina E O Espiritismo
 
Apostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosApostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticos
 
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
 
I_e_I_A_ARTE_DO_DIAGNOSTICO_NA_MEDICINA.pdf
I_e_I_A_ARTE_DO_DIAGNOSTICO_NA_MEDICINA.pdfI_e_I_A_ARTE_DO_DIAGNOSTICO_NA_MEDICINA.pdf
I_e_I_A_ARTE_DO_DIAGNOSTICO_NA_MEDICINA.pdf
 
Atlasdemeridianos
Atlasdemeridianos Atlasdemeridianos
Atlasdemeridianos
 
medicina-tradicional-chinesa.pdf
medicina-tradicional-chinesa.pdfmedicina-tradicional-chinesa.pdf
medicina-tradicional-chinesa.pdf
 
Medicina E Espiritismo
Medicina E EspiritismoMedicina E Espiritismo
Medicina E Espiritismo
 
Auriculoterapia lar 02
Auriculoterapia lar   02Auriculoterapia lar   02
Auriculoterapia lar 02
 
Saude quantica biofisica a serviço da vida
Saude quantica   biofisica a serviço da vidaSaude quantica   biofisica a serviço da vida
Saude quantica biofisica a serviço da vida
 
energia aura e chacras
energia aura e chacrasenergia aura e chacras
energia aura e chacras
 

Mais de comunidadedepraticas

Mais de comunidadedepraticas (20)

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
 
Implementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUSImplementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUS
 
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdeDivulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
 
Registro e regulação de profissionais
Registro e regulação de profissionaisRegistro e regulação de profissionais
Registro e regulação de profissionais
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 

Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC

  • 1. CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Processo de Saúde e Doença na Acupuntura/MTC
  • 2. CAUSAS DA DOENÇA SEGUNDO A MTC - ACUPUNTURA Para a MTC-Acupuntura as doenças se originam de desequilíbrios energéticos que tem como causas primárias os desequilíbrios do yin e yang.
  • 3. Todavia, esses desequilíbrios advém de causas e fatores: a) Causas Externas (Climáticas); b) Causas Internas ( Emoções); . c) Causas Nem Internas Nem Externas. (Maciocia. G. 2005).
  • 4. CAUSAS EXTERNAS (CLIMÁTICAS) As energias (Celestes) do vento, calor, frio, fogo, umidade e secura são causas de doenças. Quando o organismo e seus mecanismos energéticos não se encontram equilibrados, ou não se adaptam principalmente aos intemperes climatológicos.
  • 5. As estações do ano determinam a presença de fatores e ou energias climáticas e a insuficiência energética de órgãos e ou sistemas energéticos, que enfraquecidos em uma determinada estação, associados a não adaptação do individuo , poderão ocasionar a entrada de fatores externos (energias climáticas). (Maciocia,G. 2007).
  • 6. Padrões Patológicos Gerados pelas Energias Externas: • Frio: paciente teme ao frio, melhora com o calor; • Calor: Paciente teme ao Calor, sente-se melhor com o frio; • Umidade: dores musculares com sensação de peso; • Vento: crises convulsivas, e dores que caminham pelo corpo; • Secura: clima seco ataca as vias aéreas e a respiração.
  • 7. VENTO FRIO SECURA UMIDADE CALOR Figura 1. Cinco elementos e as Energias Celestes
  • 8. As energias celestes podem levar a processos patógenos, desde que os indivíduos não se adaptem ao intemperes climáticos. A ação dessas energias são determinadas pelas estações do ano e tem como consequências suas relações com o pentagrama do cinco elementos no ciclos de geração de dominância.
  • 9. CAUSAS INTERNAS As emoções, os sentimentos, quando crônicos e permanentes podem levar a lesão de órgãos internos (Zang/Fu), onde: O Medo lesa o Rim, a Tristeza lesa o Pulmão, a Preocupação lesa o Baço Pâncreas, a Alegria/Exaltação lesa o Coração, e a Raiva/Ira lesa o Fígado. É possível reequilibrar e ou tratar esses sentimentos crônicos, que levam a deficiência, em sua grande maioria dos casos, tratando-se o respectivo órgão lesado trata- se o respectivo sentimento. (Ross,J.1994).
  • 10. ALEGRIA Figura 2: Matriz Emocional do Coração
  • 11. PREOCUPAÇÃO Figura 3: Matriz Emocional do Baço e Pâncreas
  • 12. TRISTEZA Figura 4: Matriz Emocional do Pulmão
  • 13. MEDO Figura 5: Matriz Emocional do Rim
  • 14. RAIVA Figura 6: Matriz Emocional do Fígado
  • 15. CAUSAS NEM INTERNAS NEM EXTERNAS  São doenças que possuem suas origens em traumatismos, ferimentos por armas brancas e ou de fogo, picada de insetos, alimentação irregular e ou desregrada, doenças de origem congênita e ou hereditárias, ligadas ao estilo de vida. (Souza.J.L. 2003).
  • 16. OS ZANG FU •Os Orgãos (Zang) e as Vísceras (Fu) •O 6 órgãos e 6 vísceras para a MTC tem um significado mais amplo que suas funções conhecidas pelo conhecimento ocidental, pois estão ligados a estes funções somáticas, mas também matrizes emocionais, advindas de entidades viscerais. (Ross,J.1994).
  • 17. Zang – Órgãos - Tesouros/Entidades Viscerais/Matrizes Emocionais • Zang Entidade Visceral Matriz Emocional • Rim Zhi Medo • Coração Shen Alegria • Fígado Hun Raiva • Baço Pâncreas YI Preocupação • Pulmão Pô Tristeza
  • 18. Os Zang, diferenciam-se dos Fu, por apresentarem essas matrizes emocionais; as Vísceras (FU) não possuem essa função, exceto a Vesícula Biliar, que foi considerada como Fu Extraordinário, pois através do armazenamento da bile encerra o poder de decisão. (Ross,J. 1994).
  • 19. A vontade para decidir advém do excesso produzido e extravasado pelo Fígado e armazenado na Vesícula Biliar que é a Bile. (Ross,J. 1994).
  • 20. • Os Fu são Ocos e fazem o papel de armazenar os fluidos sólidos (alimentos e fezes) e líquidos (urina) que serão excretados. • São os Fu: Estômago, Intestino Grosso, Intestino Delgado, Bexiga. (Ross,J. 1994).
  • 21. É importante compreender que quando se menciona um órgão na Medicina Tradicional Chinesa, isto se relaciona ao órgão energético e não físico. (Maciocia,G. 2007)
  • 22. Para os chineses, o estado de adoecimento se inicia no órgão energético, tomando em seguida o órgão físico. É por esse motivo que a prática chinesa pode ser executada, muitas vezes, de forma preventiva, pois o órgão energético pode ser tratado antes que o órgão físico seja atingido pela doença. (Maciocia,G. 2007)
  • 23. Os órgãos (funções), Circulação-Sexo e Triplo Aquecedor, por exemplo, não correspondem a órgãos físicos específicos e sim a regiões do nosso corpo e funções específicas.(Ross,J.1994). Outro exemplo se refere aos órgãos: Baço e Pâncreas, avaliados como um único órgão na visão chinesa.
  • 24. Os meridianos possuem dupla função, em seu percurso em nosso corpo: uma de fora para dentro e uma de dentro para fora, eles previnem a entrada de energias que causam danos, chamadas energias "perversas", como bactérias, vírus, calor, frio ou vento, e indicam a presença destas energias danosas já instaladas no corpo, na forma de sintomas aparentes externamente, como por exemplo dores ou sensações de incômodo. (Souza,J.L. 2003).
  • 25. Qualquer tipo de sintoma de "adoecimento" é um sinal de que a energia que circula no meridiano está desequilibrada; quando um meridiano está bloqueado, uma parte do corpo se encontra com acúmulo de Qi e passa a um estado chamado de "excesso" ou "plenitude" (shi) de Qi, ocasionando que outra região não seja alimentada de Qi e passe a um estado chamado de "deficiência" ou "vazio" (xu) de Qi. (Wen,T.S.2008).
  • 26. Isto pode ser comparado ao curso de um rio, quando é colocada uma barreira, provocando o acúmulo de água como em uma represa, por exemplo, e a consequente diminuição do fluxo de água na continuação de seu leito. Isto irá resultar numa hiperatividade de um determinado órgão e hipoatividade de outro e pode levar à sua exaustão. Se este desequilíbrio não é corrigido logo que se manifesta, pode ocasionar com que os sintomas piorem progressivamente, tornando o "adoecimento" gradativamente mais sério.  
  • 27. Encontrar estas áreas é um dos objetivos da diagnose e tratamento da acupuntura, já que suas características e localização podem fornecer uma boa ideia da origem, localização e profundidade do desequilíbrio em todo o sistema energético, que poderá resultar em uma determinada doença.
  • 28. Uma das qualidades dos meridianos é refletir este tipo de desequilíbrio e, então, agir como um canal através do qual a desarmonia pode ser corrigida.
  • 29. Ao longo dos meridianos são encontrados pontos nos quais a energia se manifesta mais fortemente, que são chamados de Acupontos, é onde o Qi é mais facilmente afetado. Os estímulos diferenciados dos pontos corrige o desequilíbrio energético e permite a circulação da energia ou Qi.
  • 30. Os pontos de introdução das agulhas de Acupuntura possuem funções específicas e através deles é possível liberar os bloqueios, "abrir" os canais e "recarregar" de energias o nosso corpo.
  • 31. O DIAGNÓSTICO PELA ACUPUNTURA A Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura possuem uma forma impar para realizar diagnóstico, muitos dessa forma de diagnóstico se consolidaram por questões culturais, para não mostrar determinadas partes do corpo durante a consulta (exame). (Maciocia,G.2007).
  • 32.   Além do interrogatório a inspeção da face e da língua e a palpação dos pulsos radiais, esquerdo e direito análise da biotipologia (Constitucional), são algumas das formas de diagnóstico da Acupuntura/MTC. Figura 7: Palpação do Pulso Chinês
  • 33. Os Chineses são os únicos povos do planeta a utilizarem a palpação superficial e profunda dos pulsos radiais, no trajeto do meridiano do Pulmão, nos pontos P7 (Liequi), P8 (Jingqu) e P9 (Taiyuan) para diagnóstico das condições energéticas e da presença e quantidade de Energia (Qi) e Sangue (Xue) dos Orgãos (Zang) e das Vísceras (Fu).
  • 34. A interferência dos fatores climáticos sobre os sintomas, a preferência por paladares e sabores, o horário do surgimento dos sintomas, e determinadas patologias em determinadas estações do ano são também sugestivas alterações energéticas do Zang (Órgãos) e Fu (Vísceras).
  • 35. Referências Bibliográficas • MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca, 2007. • MACIOCIA, GIOVANNI; Canais de Acupuntura: uso clínico dos canais secundários e dos oito vasos extraordinários; prefácio de Richard Blackwell; [ tradução Ednéa Iara Souza Martins]. – São Paulo: Roca, 2007. • MACIOCIA, GIOVANNI; Diagnóstico na medicina chinesa: um guia geral; introdução de Julian Scott [tradução de Maria Inês Garbino Rodrigues]. – São Paulo, Roca, 2005. • ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. São Paulo: Roca, 1994. • SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 1: Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003.
  • 36. Referências Bibliográficas • SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 3: Microssistemas, Diagnósticos e Constitucional. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2004. • WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.] – São Paulo: Cultrix, 2014. • WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura. Wu Tu Hsing; Tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole, 2008.
  • 37. Índice Referencial de Imagens e Figuras
  • 38. Figura 1 – Disponível em Imagem da Capa do Livro Acupuntura: SEA ( Sistema de Ensino em Acupuntura) , Center Fisio Imes, Módulo II , Cinco Elementos: Souza; jean Luis , Uberlândia – MG; 2005. Figura 2 – Disponível em http://www.universodaacupuntura.com.br/produtos/produtos-exclusivos/sistema-de-ensino Acesso em Agosto de 2015 Figura 3 – Disponível em https://bybru.wordpress.com/2012/05/01/199/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 4 – Disponível em http://simonetl.blogspot.com.br/2010_06_01_archive.html Acesso em Agosto de 2015
  • 39. Figura 5 – Disponível em http://vitrinedaweb.blogspot.com.br/2012/12/o-lado-negro-por-tras-dos-quadros- das.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 6 – Disponível em http://gostoseamores.blogspot.com.br/2010/03/o-medo.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 7 – Disponível em https://debernt.wordpress.com/2011/05/16/raiva-dos-males-o-pior/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 8 – Disponível em: http://horusterapias.blogspot.com.br/p/medicina-natural-definicao.html Acesso em Agosto de 2015