SlideShare uma empresa Scribd logo
“ A IATROGENIA  DA PALAVRA:  DILEMAS NA COMUNICAÇÃO COM O IDOSO E A FAMÍLIA”
COMUNICAÇÃO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A COMUNICAÇÃO EMISSOR MENSAGEM RECEPTOR
A COMUNICAÇÃO
A COMUNICAÇÃO
CONDIÇÕES PARA  A BOA COMUNICAÇÃO ,[object Object],[object Object],[object Object]
A PALAVRA COMO INSTRUMENTO… ,[object Object],[object Object]
UMA COMUNICAÇÃO IATROGÊNICA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
[object Object],[object Object],[object Object]
MECANISMOS DE DEFESA  NA RELAÇÃO  MÉDICO PACIENTE
A TRANSFERÊNCIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A TRANSFERÊNCIA POSITIVA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A TRANSFERÊNCIA NEGATIVA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
OS COMPORTAMENTOS DO PACIENTE… CHORÃO GENTIL MALDOSO EXIGENTE
A CONTRATRANSFERÊNCIA ,[object Object]
A CONTRATRANSFERÊNCIA POSITIVA ,[object Object],[object Object],QUANDO EXAGERADO, PORÉM, PODE  INTERFERIR NAS  ATITUDES OBJETIVAS   QUE O MÉDICO TOMA: ENCAMINHAMENTOS
A CONTRATRANSFERÊNCIA NEGATIVA OU IATROGÊNICA ,[object Object],[object Object],RECUSA  EM ESCUTAR O PACIENTE POR CANSAÇO OU PRESSA
A CONTRATRANSFERÊNCIA NEGATIVA OU IATROGÊNICA ATOS FALHOS (ESQUECER PRESCRIÇÕES  OU VISITAS,  TROCAR NOMES)
O QUE SE ENTENDE POR “FUROR CURANDIS"?   ,[object Object]
[object Object],Napoleão Bonaparte  1769-1821
IATROGENIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Auerback A, Gliebe PA.  Iatrogenic heart disease: common cardiac neurosis .  JAMA 1945; 129: 338-41.
TIPOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Lacaz CS, Corbett CE, Teixeira PA. Doenças iatrogênicas. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, 1980. Doenças iatrogênicas  conceito, classificação, importância do seu estudo; cap. 1, p.3-14.
IVAN ILLICH ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ILLICH, I.  A expropriação da saúde. Nêmesis da Medicina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.
“ O dilema ético não está entre  revelar ou não  o diagnóstico ao paciente,mas sim  na forma e no momento de revelar.”
“ A VERDADE É IRRELEVANTE!"   Bioethics and professionalism in popular television medical dramas.  Sugarman, J et alli.  J Med Ethics 2010;36:203-206
GREGORY HOUSE ,[object Object],[object Object]
 
COMO DAR MÁS NOTICIAS
O QUE É UMA MÁ NOTICIA?
DEFINIÇÃO ,[object Object],[object Object],[object Object]
TAREFA DIFICIL...
MAS POR QUE É TÃO DIFICIL? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
MAS POR QUE É TÃO DIFICIL? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
SERA QUE O PACIENTE QUER OUVIR? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
E EM CASO DE NÃO CONTAR... ,[object Object],[object Object],[object Object]
SEIS PASSOS PARA DARMOS UMA MÁ NOTICIA PARA O IDOSO  E SEU FAMILIAR
PASSO 1 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PASSO 2 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PASSO 3 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PASSO 4 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PASSO 5 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PASSO 6 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
COMUNICANDO MÁS NOTICIAS A FAMILIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A EXPERIENCIA DE CONTARMOS O DIAGNÓSTICO DA DOENÇA DE ALZHEIMER
CONSIDERAÇÕES ÉTICAS… ,[object Object],[object Object],Não-maleficencia X
CONTANDO O DIAGNÓSTICO DE DA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O CASO DE CONTAR ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O CASO DE NÃO CONTAR ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A EXPERIENCIA DO PACIENTE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A EXPERIENCIA DO FAMILIAR ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CONCLUINDO... ,[object Object]
...ENFIM ,[object Object],[object Object]
Ciência e caridade. Pablo Picasso, 1897  Museu Picasso, Barcelona  “  Só não se arrisca à Iatrogenia  quem não lida com pessoas doentes.”
MUITO OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
ivanaferraz
 

Mais procurados (20)

Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 

Destaque (6)

08 aula_ Convulsões e Choque
08 aula_ Convulsões e Choque08 aula_ Convulsões e Choque
08 aula_ Convulsões e Choque
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 
IATROGENIAS
IATROGENIASIATROGENIAS
IATROGENIAS
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 

Semelhante a A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Eduardo juan troster mesa redonda 13
Eduardo juan troster   mesa redonda 13Eduardo juan troster   mesa redonda 13
Eduardo juan troster mesa redonda 13
xanamachado
 
Conceito emergencia luana
Conceito emergencia luanaConceito emergencia luana
Conceito emergencia luana
diogoina
 
124279799 dar mas_noticias
124279799 dar mas_noticias124279799 dar mas_noticias
124279799 dar mas_noticias
Pelo Siro
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Luciane Santana
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
Andressawm
 

Semelhante a A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE (20)

A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
 
A cura de_um_minuto
A cura de_um_minutoA cura de_um_minuto
A cura de_um_minuto
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
 
Curtindo facebook
Curtindo facebookCurtindo facebook
Curtindo facebook
 
CFBR 2012 | Apresente seu case: Hospital Israelita Albert Einstein
CFBR 2012 | Apresente seu case: Hospital Israelita Albert EinsteinCFBR 2012 | Apresente seu case: Hospital Israelita Albert Einstein
CFBR 2012 | Apresente seu case: Hospital Israelita Albert Einstein
 
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
4  terminalidade da vida e cuidados paliativos4  terminalidade da vida e cuidados paliativos
4 terminalidade da vida e cuidados paliativos
 
Aula Psicoonco 10
Aula Psicoonco 10Aula Psicoonco 10
Aula Psicoonco 10
 
Eduardo juan troster mesa redonda 13
Eduardo juan troster   mesa redonda 13Eduardo juan troster   mesa redonda 13
Eduardo juan troster mesa redonda 13
 
Conceito emergencia luana
Conceito emergencia luanaConceito emergencia luana
Conceito emergencia luana
 
O Que Seu Médico Não Sabe Sobre Medicina Nutricional Pode Estar Matando Você....
O Que Seu Médico Não Sabe Sobre Medicina Nutricional Pode Estar Matando Você....O Que Seu Médico Não Sabe Sobre Medicina Nutricional Pode Estar Matando Você....
O Que Seu Médico Não Sabe Sobre Medicina Nutricional Pode Estar Matando Você....
 
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
 
O discurso psicológico e o discurso médico
O discurso psicológico e o discurso médicoO discurso psicológico e o discurso médico
O discurso psicológico e o discurso médico
 
Missoes gustavo 2010
Missoes gustavo 2010Missoes gustavo 2010
Missoes gustavo 2010
 
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.pptCuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
Cuidados Paliativos- ONCOLÓGICOS.ppt
 
124279799 dar mas_noticias
124279799 dar mas_noticias124279799 dar mas_noticias
124279799 dar mas_noticias
 
Epidemiologia -Prevenção quaternária
Epidemiologia -Prevenção quaternáriaEpidemiologia -Prevenção quaternária
Epidemiologia -Prevenção quaternária
 
Criticas a homeopatia
Criticas a homeopatiaCriticas a homeopatia
Criticas a homeopatia
 
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 

Mais de Rubens De Fraga Junior

Mais de Rubens De Fraga Junior (13)

ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVELENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
 
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demências
 
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSODEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
 
DELIRIUM NO IDOSO
DELIRIUM NO IDOSODELIRIUM NO IDOSO
DELIRIUM NO IDOSO
 
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De AgostoVitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
 
Qualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na MaturidadeQualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na Maturidade
 
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
 
SAÚDE NA INTERNET
SAÚDE NA INTERNETSAÚDE NA INTERNET
SAÚDE NA INTERNET
 
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICAWEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
 
Demências diagnótico & tratamento
Demências diagnótico & tratamentoDemências diagnótico & tratamento
Demências diagnótico & tratamento
 
disturbios do sono no idoso
disturbios do sono no idosodisturbios do sono no idoso
disturbios do sono no idoso
 

Último

CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 

A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE