SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças infecto-contagiosas/
     Redutíveis por imunização

           Daysiane de Oliveira
               Flávia Loli
                Júlia Dias
              Karina Lima
              Paulo Víctor
               Tiago Faria
1
Introdução
     Problema de Saúde Pública desde a
      antiguidade;
     Epidemias de malária, febre amarela,
      varíola, peste.




2
Introdução
     Final do século XX: Diminuição da
      morbimortalidade;
     Medidas de prevenção e controle das
      doenças transmissíveis.




3
Doenças com tendência
         declinante




4
Doenças com quadro de
         persistência




5
Doenças emergentes e
       reemergentes




6
Saúde Pública
    “Um dos esforços organizados pela sociedade para
     proteger, promover e restaurar a saúde de
     populações. É a combinação de ciências, habilidades
     e crenças que estão direcionadas para a manutenção
     e melhora dos níveis de saúde de todas as pessoas
     através de ações coletivas ou sociais. Os
     programas, serviços e instituições envolvidas
     enfatizam a prevenção das doenças e as
     necessidades de saúde de toda a população. As
     atividades de saúde pública mudam de acordo com
     as inovações tecnológicas e dos valores sociais, mas
     os objetivos permanecem os mesmos: reduzir na
     população a quantidade de doença, de mortes
     prematuras, de desconforto e incapacidades
     produzidas pelas doenças”
7
Doenças relacionadas à Saúde
    Pública

     Rubéola

     Dengue/Febre Amarela

     Influenza

     Hepatite A e B

     Tuberculose

     Meningite
8
Rubéola
       Doença de curso benigno;

     Importância epidemiológica
        Síndrome da Rubéola Congênita (SRC);

     SRC            Malformações, aborto e
        natimorto.


9
Incidência da Rubéola por Sexo e Faixa Etária, Brasil
     2008




10                              Portal da Saúde – acesso em 08 de novembro
                                de 2012
Tuberculose




11
Tuberculose
      No Brasil e em mais 21 países em desenvolvimento, a
       tuberculose é um importante problema de saúde pública
       82% dos casos mundiais da doença;
      Maior prevalência em áreas de grande concentração
       populacional, precárias condições socioeconômicas e
       sanitárias;
            Bangladesh
            China
            Índia
            Brasil

      Organização Mundial de Saúde           tuberculose
       causa a morte de 1,1 milhões de pessoas HIV negativo;
      Ministério da Saúde/2012         tuberculose é a
       primeira causa de mortes dos pacientes com AIDS e a
       quarta causa de mortes por doenças infecciosas.
12
Influenza
      Pandemias do Século XX
          Gripe Espanhola 1918/1919
          Gripe Asiática 1957
          Influenza Aviária 1997 – H5N1
      Pandemia do Século XXI
          Influenza Suína 2009 – H1N1
      Meios de transporte mais modernos
       rápida propagação do vírus da Influenza,
       circulação em várias partes do mundo
       epidemias simultâneas;
      Caráter epidêmico e de alta morbidade, com
       elevadas taxas de hospitalização de idosos e
       pacientes portadores de doenças debilitantes
       crônicas.
13
Influenza




14
Meningites

      Causadas por diversos agentes infecciosos:
       bactérias, vírus e fungos;
      Meningites bacterianas e virais são as mais
       importantes:
      Capacidade de ocasionar surtos
       problema de saúde pública;
      Meningite meningocócica           Neisseria
       meningitidis;
           Maior frequência entre crianças menores de 5
            anos.
15
Meningites




16
Dengue




17
Dengue
      No Brasil e em mais de 100 países subtropicais
       em desenvolvimento a dengue é um dos
       principais problemas de saúde pública, afetando
       cerca de 100 milhões de pessoas;
      Maior prevalência observada em áreas onde
       ouve urbanização acelerada, crescimento
       populacional explosivo e que tem infra-estrutura
       sanitária deficiente:
           África;
           Américas;
           Mediterrâneo Oriental;
           Sudeste Asiático;
           Pacífico Ocidental;
      Apresenta taxa de mortalidade de 10% para
      pacientes hospitalizados e de 30% para
18
      pacientes não tratados.
Febre Amarela




19
Febre Amarela
      É encontrada nas regiões tropicais da África,
      América do Sul:
         Na América do Sul estima-se em torno de 300 casos
          anuais;
         No Brasil, esta situação é extremamente preocupante
          pelo risco de reurbanização.
      A maior prevalência ocorre em áreas
       subtropicais ou tropicais onde se encontram
       os vetores silvestres, hospedeiros silvestres
       e vetores urbanos;
      A vacinação é recomendada aos viajantes
20     para localidades, como zonas de florestas e
       cerrados.
Hepatite A
      O vírus A é a causa mais freqüente de hepatite
      viral aguda no mundo. A infecção ocorre em
      todos os países mundo:
         130 novos casos por 100.000 habitantes
      Alta prevalência nos países em desenvolvimento,
       onde as condições sanitárias e socioeconômicas
       são precárias;
      Importância pelo número de indivíduos atingidos
       e pela possibilidade de complicações das formas
       agudas e crônicas;
         Hepatite viral que mais freqüentemente cursa como
          uma hepatite fulminante           morte por
21        insuficiência hepática (menos de 1% dos casos);
Hepatite B
      Mais de 50% da população mundial já foi
      contaminada pelo vírus da hepatite B:
         2 bilhões de pessoas já entraram em contato com o
          vírus;
         350 milhões de portadores crônicos;
         50 milhões de novos casos a cada ano.
      Alta prevalência em populações de risco e em
       países onde a transmissão vertical e
       horizontal;
      Assim como a Hepatite A, a doença pode ter
       curso agudo ou crônico:
         Forma aguda           vômitos, icterícia e raramente,
          a morte;
22
         Cronificação          cirrose ou mesmo câncer.
Solucionática
  Procedimentos adotados pelos governos
     (municipal, estadual e federal) a fim de
     prevenir,     controlar,      assistir a
     população, diagnosticá-la e tratá-la;
    Melhorias sanitárias;
    Desenvolvimento de novas
     tecnologias, como as vacinas e os
     antibióticos;
    Ampliação do acesso aos serviços de
23
     saúde e medidas de controle.
Solucionática
                                      Prevenção;
                                        • Medidas de educação em saúde
                                        à população;
                                        • Vacinação;
             Ambientais
                                        • Campanhas de distribuição de
                                        medicamentos,           inseticidas,
                                        protetores (ex.: camisinhas);
                                        • Melhoria sanitária;
     Econômicas           Sociais
                                        • Maior acesso da população à
                                        saúde;
                                    • Tratamento;
                                        • Ações na atenção básica;
                                        • Melhoria da qualidade da
                                        assistência médica;
                                        • Ferramentas de diagnóstico;
24                                  • Vigilância epidemiológica.
Rubéola




25
Rubéola




26
Tuberculose




27
Tuberculose
      2006 – STOP TB (OMS)




28
Tuberculose
      Programa Nacional de Controle da Tuberculose
      (PNCT)




29
Tuberculose       •Comprometimento
                         político com o
      Estratégia DOTS   programa;

                         •Detecção de casos
                         pela baciloscopia;

                         •Tratamento de curta
                         duração e diretamente
                         observado;

                         •Regularidade na
                         manutenção de
                         medicamentos;

                         •Sistema de
30
                         informações que
Influenza




31
Influenza




32
Influenza




33
Meningite




34
Meningite




35
Meningite




36
Dengue
      1996 – Programa de erradicação de Aedes
      aegypti (PEAa)




37
Dengue




38
Dengue
      2002 - Programa Nacional de Controle da
      Dengue (PNCD).




39
Dengue




40
Dengue
      2009 - Diretrizes Nacionais para
      Prevenção e Controle de Epidemias de
      Dengue.




41
Febre amarela
      Vacina 17DD.




42
Febre amarela




43
Hepatite




44
Hepatite A




45
Hepatite B




46
Calendário de Vacinação Infantil




47
Calendário de Vacinação Infantil




48
Doenças Erradicadas no
             Brasil
      A história do que deu certo




49
Doenças Erradicadas no Brasil

     Varíola




                              Poliomielite



50
Fatores promotores da
     erradicação
      Melhorias sanitárias;


      Novas tecnologias;
                                Vacinas
                                Antibióticos
      Acesso a serviços de saúde;


      Controle epidemiológico.


51
Varíola




           Faraó Hamsés II



52
     Rainha Maria II e Rei Luís XV
                                     Criança com varíola
Erradicação da Varíola
      Imunização – 1796;
      • Edward Jenner


      1ª vacina;

                              Edward Jenner imunizando uma criança


      1972 – Erradicada do Brasil;
      1980 – Erradicação em todo o mundo.
53
Revolta da Vacina - 1904




                                Figuras da campanha de erradicaçã
                                da varíola (1960 e 1967).




54
Poliomielite
      Pólio ou paralisia infantil.




       Vacinação contra a poliomielite

55                                       Manifestação clínica da poliomielite
Erradicação da Poliomielite
      Transmissão do vírus de forma oral-fecal e
      oral-oral;
                          2 meses – vacina inativada
                          (VIP)
      Vacinação;         4 meses – VIP
                          6 meses – vacina oral (VOP)
                          15 meses – VOP
      Medidas preventivas;


      Erradicada no Brasil em 1994.
56
57
58
Sarampo
                Campanha contra
                sarampo iniciou em
                1992;

                Doença em processo
                de erradicação.



59
60

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Grupo Ivan Ervilha
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
Centro Universitário Ages
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
MayaraJoventino1
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
yolandasergia
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 

Mais procurados (20)

Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Higiene e profilaxia
Higiene e profilaxiaHigiene e profilaxia
Higiene e profilaxia
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 

Semelhante a Doenças infecto contagiosas

Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
Luis Carlos Silva
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
MichelMarcossiCintra
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
Colégio Nova Geração COC
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Hospital das Forças Armadas/Ministério da Defesa
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
stcnsaidjv
 
Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
Gabriel Nascimento
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
MarianaSavyasp
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
ThamiresLackmann1
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdfDOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
MarianaSavyasp
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Mario Gandra
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Sida apifarma
Sida apifarmaSida apifarma
Sida apifarma
becastanheiradepera
 
Expedições Fiocruz 2012 1/5
Expedições Fiocruz 2012 1/5Expedições Fiocruz 2012 1/5
Expedições Fiocruz 2012 1/5
nextfiocruz
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Proqualis
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Globalização, meio ambiente e saúde
Globalização, meio ambiente e saúdeGlobalização, meio ambiente e saúde
Globalização, meio ambiente e saúde
Christopher Côrtes
 
AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.
AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.
AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.
Wilton Kevin Silva Alencar
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
ThaisAndreadeOliveir
 

Semelhante a Doenças infecto contagiosas (20)

Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Aids.2
 
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 
Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6Saude brasil2004 capitulo6
Saude brasil2004 capitulo6
 
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptxDOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
DOENÇAS NOTIFICAÇÃO EPIDEMIOLOGIA SAUDEPUBLICA.pptx
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdfDOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAEPIEDMIOLOGIA SUS.pdf
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
 
Sida apifarma
Sida apifarmaSida apifarma
Sida apifarma
 
Expedições Fiocruz 2012 1/5
Expedições Fiocruz 2012 1/5Expedições Fiocruz 2012 1/5
Expedições Fiocruz 2012 1/5
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Globalização, meio ambiente e saúde
Globalização, meio ambiente e saúdeGlobalização, meio ambiente e saúde
Globalização, meio ambiente e saúde
 
AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.
AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.
AIDS vamos multiplicar o conhecimento mais rápido que o vírus.
 
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptxepidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
epidemiologia-das-doenas-transmissveis.pptx
 

Doenças infecto contagiosas

  • 1. Doenças infecto-contagiosas/ Redutíveis por imunização Daysiane de Oliveira Flávia Loli Júlia Dias Karina Lima Paulo Víctor Tiago Faria 1
  • 2. Introdução  Problema de Saúde Pública desde a antiguidade;  Epidemias de malária, febre amarela, varíola, peste. 2
  • 3. Introdução  Final do século XX: Diminuição da morbimortalidade;  Medidas de prevenção e controle das doenças transmissíveis. 3
  • 4. Doenças com tendência declinante 4
  • 5. Doenças com quadro de persistência 5
  • 6. Doenças emergentes e reemergentes 6
  • 7. Saúde Pública “Um dos esforços organizados pela sociedade para proteger, promover e restaurar a saúde de populações. É a combinação de ciências, habilidades e crenças que estão direcionadas para a manutenção e melhora dos níveis de saúde de todas as pessoas através de ações coletivas ou sociais. Os programas, serviços e instituições envolvidas enfatizam a prevenção das doenças e as necessidades de saúde de toda a população. As atividades de saúde pública mudam de acordo com as inovações tecnológicas e dos valores sociais, mas os objetivos permanecem os mesmos: reduzir na população a quantidade de doença, de mortes prematuras, de desconforto e incapacidades produzidas pelas doenças” 7
  • 8. Doenças relacionadas à Saúde Pública  Rubéola  Dengue/Febre Amarela  Influenza  Hepatite A e B  Tuberculose  Meningite 8
  • 9. Rubéola  Doença de curso benigno;  Importância epidemiológica Síndrome da Rubéola Congênita (SRC);  SRC Malformações, aborto e natimorto. 9
  • 10. Incidência da Rubéola por Sexo e Faixa Etária, Brasil 2008 10 Portal da Saúde – acesso em 08 de novembro de 2012
  • 12. Tuberculose  No Brasil e em mais 21 países em desenvolvimento, a tuberculose é um importante problema de saúde pública 82% dos casos mundiais da doença;  Maior prevalência em áreas de grande concentração populacional, precárias condições socioeconômicas e sanitárias;  Bangladesh  China  Índia  Brasil  Organização Mundial de Saúde tuberculose causa a morte de 1,1 milhões de pessoas HIV negativo;  Ministério da Saúde/2012 tuberculose é a primeira causa de mortes dos pacientes com AIDS e a quarta causa de mortes por doenças infecciosas. 12
  • 13. Influenza  Pandemias do Século XX  Gripe Espanhola 1918/1919  Gripe Asiática 1957  Influenza Aviária 1997 – H5N1  Pandemia do Século XXI  Influenza Suína 2009 – H1N1  Meios de transporte mais modernos rápida propagação do vírus da Influenza, circulação em várias partes do mundo epidemias simultâneas;  Caráter epidêmico e de alta morbidade, com elevadas taxas de hospitalização de idosos e pacientes portadores de doenças debilitantes crônicas. 13
  • 15. Meningites  Causadas por diversos agentes infecciosos: bactérias, vírus e fungos;  Meningites bacterianas e virais são as mais importantes:  Capacidade de ocasionar surtos problema de saúde pública;  Meningite meningocócica Neisseria meningitidis;  Maior frequência entre crianças menores de 5 anos. 15
  • 18. Dengue  No Brasil e em mais de 100 países subtropicais em desenvolvimento a dengue é um dos principais problemas de saúde pública, afetando cerca de 100 milhões de pessoas;  Maior prevalência observada em áreas onde ouve urbanização acelerada, crescimento populacional explosivo e que tem infra-estrutura sanitária deficiente:  África;  Américas;  Mediterrâneo Oriental;  Sudeste Asiático;  Pacífico Ocidental;  Apresenta taxa de mortalidade de 10% para pacientes hospitalizados e de 30% para 18 pacientes não tratados.
  • 20. Febre Amarela  É encontrada nas regiões tropicais da África, América do Sul:  Na América do Sul estima-se em torno de 300 casos anuais;  No Brasil, esta situação é extremamente preocupante pelo risco de reurbanização.  A maior prevalência ocorre em áreas subtropicais ou tropicais onde se encontram os vetores silvestres, hospedeiros silvestres e vetores urbanos;  A vacinação é recomendada aos viajantes 20 para localidades, como zonas de florestas e cerrados.
  • 21. Hepatite A  O vírus A é a causa mais freqüente de hepatite viral aguda no mundo. A infecção ocorre em todos os países mundo:  130 novos casos por 100.000 habitantes  Alta prevalência nos países em desenvolvimento, onde as condições sanitárias e socioeconômicas são precárias;  Importância pelo número de indivíduos atingidos e pela possibilidade de complicações das formas agudas e crônicas;  Hepatite viral que mais freqüentemente cursa como uma hepatite fulminante morte por 21 insuficiência hepática (menos de 1% dos casos);
  • 22. Hepatite B  Mais de 50% da população mundial já foi contaminada pelo vírus da hepatite B:  2 bilhões de pessoas já entraram em contato com o vírus;  350 milhões de portadores crônicos;  50 milhões de novos casos a cada ano.  Alta prevalência em populações de risco e em países onde a transmissão vertical e horizontal;  Assim como a Hepatite A, a doença pode ter curso agudo ou crônico:  Forma aguda vômitos, icterícia e raramente, a morte; 22  Cronificação cirrose ou mesmo câncer.
  • 23. Solucionática  Procedimentos adotados pelos governos (municipal, estadual e federal) a fim de prevenir, controlar, assistir a população, diagnosticá-la e tratá-la;  Melhorias sanitárias;  Desenvolvimento de novas tecnologias, como as vacinas e os antibióticos;  Ampliação do acesso aos serviços de 23 saúde e medidas de controle.
  • 24. Solucionática Prevenção; • Medidas de educação em saúde à população; • Vacinação; Ambientais • Campanhas de distribuição de medicamentos, inseticidas, protetores (ex.: camisinhas); • Melhoria sanitária; Econômicas Sociais • Maior acesso da população à saúde; • Tratamento; • Ações na atenção básica; • Melhoria da qualidade da assistência médica; • Ferramentas de diagnóstico; 24 • Vigilância epidemiológica.
  • 28. Tuberculose  2006 – STOP TB (OMS) 28
  • 29. Tuberculose  Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT) 29
  • 30. Tuberculose •Comprometimento político com o  Estratégia DOTS programa; •Detecção de casos pela baciloscopia; •Tratamento de curta duração e diretamente observado; •Regularidade na manutenção de medicamentos; •Sistema de 30 informações que
  • 37. Dengue  1996 – Programa de erradicação de Aedes aegypti (PEAa) 37
  • 39. Dengue  2002 - Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD). 39
  • 41. Dengue  2009 - Diretrizes Nacionais para Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. 41
  • 42. Febre amarela  Vacina 17DD. 42
  • 49. Doenças Erradicadas no Brasil A história do que deu certo 49
  • 50. Doenças Erradicadas no Brasil Varíola Poliomielite 50
  • 51. Fatores promotores da erradicação  Melhorias sanitárias;  Novas tecnologias; Vacinas Antibióticos  Acesso a serviços de saúde;  Controle epidemiológico. 51
  • 52. Varíola Faraó Hamsés II 52 Rainha Maria II e Rei Luís XV Criança com varíola
  • 53. Erradicação da Varíola  Imunização – 1796; • Edward Jenner  1ª vacina; Edward Jenner imunizando uma criança  1972 – Erradicada do Brasil;  1980 – Erradicação em todo o mundo. 53
  • 54. Revolta da Vacina - 1904 Figuras da campanha de erradicaçã da varíola (1960 e 1967). 54
  • 55. Poliomielite  Pólio ou paralisia infantil. Vacinação contra a poliomielite 55 Manifestação clínica da poliomielite
  • 56. Erradicação da Poliomielite  Transmissão do vírus de forma oral-fecal e oral-oral; 2 meses – vacina inativada (VIP)  Vacinação; 4 meses – VIP 6 meses – vacina oral (VOP) 15 meses – VOP  Medidas preventivas;  Erradicada no Brasil em 1994. 56
  • 57. 57
  • 58. 58
  • 59. Sarampo  Campanha contra sarampo iniciou em 1992;  Doença em processo de erradicação. 59
  • 60. 60