SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Atenção à
Saúde do Idoso
– Paranoá –
SES - DF
Mapa das Regiões de Saúde, PDR 2007, SES/DF.
Regional de Saúde do Paranoá
Itapoã
* População estimada ~ 90.000 hab.
Julho de 2001.
Invasores
ocupam
área entre
Paranoá e
Sobradinho:
600 barraco.
Antonio
Siqueira
01.10.01
Setembro de 2007.
Moradores
esperam processo
de
regularização para
ter melhorias na
área de infra-
estrutura
Antonio
Siqueira
10.09.07
Resgate...
• Outubro/2009 = MS: I Painel Nacional de
Prevenção de Quedas e Fraturas
• Meta: Pacto pela vida 2008 – redução de 2% da taxa de internações por
fratura de fêmur em pessoas idosas.
• “ Estimular a formação de equipe multiprofissional para a elaboração de
normas de conduta para o reconhecimento, acompanhamento e
tratamento dos pacientes com fatores de risco para osteoporose, com
fratura por trauma mínimo e com risco de quedas” .
• Dezembro /2009 = Programa de Prevenção a
Osteoporose/Paranoá + ABS ( ESF )
INVESTIGAÇÃO DA SAÚDE ÓSSEA NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA
REGIONAL DE SAÚDE DO PARANOÁ/DF – APLICAÇÃO DO TESTE MINUTO DA
INTERNATIONAL OSTEOPOROSIS FUNDATION – IOF
História Familiar (itens 1 e 2) 51,78%
História pessoal de queda (item 4) 32,14%
Quedas freqüentes ou receio de cair (item 5) 62,12%
Perda de mais de 3 cm após 40 anos (item 6) 20,2%
IMC < 19 Kg/m2 (item 7) 14,64%
Uso de CE (item 8) 15,35%
AR (item 9) 0,7%
Hipertireoidismo ou hiperparatireoidismo (item 10) 0 %
Para mulheres (itens 11,12,13) 42,15%
Para homens (item 14) 7%
Etilismo (item 15) 9,73%42º CONGRESSO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA BRASÍLIA- 13 A 15 DE NOVEMBRO DE 2010
INVESTIGAÇÃO DA SAÚDE ÓSSEA NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA
REGIONAL DE SAÚDE DO PARANOÁ/DF – APLICAÇÃO DO TESTE MINUTO DA
INTERNATIONAL OSTEOPOROSIS FUNDATION – IOF
18.12%
33.25%
48.63%
1 fator de risco
2 fatores de risco
3 fatores de risco
Questionários Aplicados distribuídos por fatores
de risco
42º CONGRESSO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA BRASÍLIA- 13 A 15 DE NOVEMBRO DE 2010
PACTO PELA SAÚDE 2010-2011
I – PACTO PELA VIDA : OBJETIVOS
1. Atenção à Saúde do Idoso
OBJETIVO META INDICADOR
Promover a formação e
educação
permanente dos
profissionais de saúde do
SUS na área de saúde da
pessoa idosa.
Reduzir em 2% a Taxa
de Internação
Hospitalar de Pessoas
Idosas por fratura do
fêmur
1.Taxa de internação hospitalar
em pessoas idosas por
fratura do fêmur.
(SIH/IBGE)
PORTARIA No. 2699, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009
5. PROMOÇÃO DA SAÚDE ( REDUZIR )
SEDENTARISMO 15,2% dos adultos com atividade física
suficiente no tempo livre. ( vigitel)
TABAGISMO Prevalência de tabagismo ≤
15,8% por ano. ( VIGITEL )
PACTO PELA SAÚDE 2010-2011
I – PACTO PELA VIDA : OBJETIVOS
1. Diretrizes área técnica MS – Saúde do Idoso:
PORTARIA No. 2699, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009
- Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa;
- Caderno de Atenção Básica Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa – Nº 19 –
distribuídos para os profissionais da rede;
- Curso de Aperfeiçoamento em Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, na
modalidade a distancia – visa à capacitação de profissionais de saúde da rede;
- Oficinas Estaduais de Prevenção da Osteoporose, Quedas e Fraturas em Pessoas
Idosas, com o objetivo de sensibilizar e capacitar os profissionais de nível
superior, preferencialmente aqueles que atuam na Atenção Primária;
- Oficinas de Prevenção da Violência contra a pessoa idosa com o objetivo de
sensibilizar e capacitar os profissionais de saúde na identificação das pessoas idosas
vítimas de maus-tratos e violência;
- Distribuição de Material Educativo;
PACTO PELA SAÚDE 2010-2011
I – PACTO PELA VIDA : OBJETIVOS
1. Diretrizes área técnica SES/DF – Saúde do Idoso:
PORTARIA No. 2699, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009
- Oficinas de prevenção de quedas e osteoporose, anualmente.
- Projeto circuito multissensorial, que tem como objetivo promover a melhora do
equilíbrio e prevenir quedas. O objetivo é ter um circuito em cada regional de saúde
totalizando 15 circuitos.
-Curso de Qualificação em Saúde da Pessoa Idosa para auxiliares e técnicos de
enfermagem das equipes de atenção primária, ministrado pela ETESB. A qualificação
do profissional propicia melhor orientação para família e idoso, assim como
identificação de fatores de risco e atuação sobre eles.
- Curso de Aperfeiçoamento – CMI
- Parcerias com o DETRAN ( mobilidade cidadã)
- Escola de avós
- Ginástica nas quadras
2010 – Coordenação PAISI
1ª. Ação: Fev/2010: Reunião NAISI
+ ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO
Caderneta do
Idoso
Curso de Cuidadores
Reminiscências
Medicamentos
Vacina H1N1
Osteoporose
Tai Chi
CMI – UNB
Geriatras
Linha de Cuidado à Saúde do Idoso
1. Composição do Grupo de Trabalho ( GT )
- PAISI
- Atenção Primária: CS01
- GAPESF ( ESF )
- Atenção Hospitalar: Geriatria e Gerontologia
- NEPS
- Especialidades: Reumatologia/Ortopedia
Programa de Atenção a Saúde do Idoso
Regional de Saúde Paranoá - Secretaria de Saúde - DF
Coordenação:
Viviane Cristina Uliana Peterle
Grupo de trabalho:
Viviane Cristina Uliana Peterle
Claudio Mares Guia
Esperanza Bernal Ramirez
Janeval Guimaraes
Sandra Helena Ferreira
Tereza de Fatima Gomes de Bastos
Rayganna Fonseca
Vaneide Luna
Paloma Duarte
Elza Maestro
Eleuza Procópio de SousaMartinelli
Patricia – técnica de enfermagem
Fernanda e Juliana ( voluntárias )
Linha de Cuidado à Saúde do Idoso
• Pactuação das ações entre os membros e com a
Direção Regional na Linha de Cuidado
• Criação da Sala de Acolhimento ao Idoso – CS01
Paranoá
• Encontros com os idosos na Associação de Idosos
do Paranoá
• Estudos epidemiológicos sobre fatores de risco de
osteoporose, tabagismo e eventos relacionados a
fraturas de fêmur em idosos na Regional –
apresentação e premiação em eventos científicos
• Oficina sobre a Caderneta junto aos ACS – PACS.
Criação da Sala de Acolhimento ao
Idoso – CS01 Paranoá
• Ambiência
• Escuta qualificada
• Instrumento padronizado e formato digital
• Orientação de enfermagem e farmacêutica
• Atendimento em grupos
• Atendimento médico individualizado
• “Caixinhas”
• Capacitação ACS – caderneta do idoso
Centro de Saúde 01- sala personalizada e de
atendimento exclusivo ao idoso.
Centro de Saúde 01- estratégia de
aderência medicamentosa com as
“caixas personalizadas”.
Centro de Saúde 01- sala personalizada e de
atendimento exclusivo ao idoso.
Centro de Saúde 01-
atendimento médico
individualizado
Encontros com os idosos na
Associação de Idosos do Paranoá
• Encontros sextas a tarde
• Orientação Nutricional – parcerias
• Projeto “ 1900 e antigamente...”
• Festejos
** Encontros com psicóloga e enfermagem
Participação em atividades comunitárias = Centro de Convivência do Idoso
PLANO DE SAÚDE 2012 – 2015
Art. 10. Os serviços de atenção
hospitalar e os ambulatoriais
especializados, entre outros de maior
complexidade e densidade
tecnológica, serão referenciados pelas
Portas de Entrada de que trata o art. 9º.
Art. 11. O acesso universal e
igualitário às ações e aos serviços de
saúde será ordenado pela atenção
primária e deve ser fundado na
avaliação da gravidade do risco
individual e coletivo e no critério
cronológico, observadas as
especificidades previstas para
pessoas com proteção
especial, conforme legislação vigente.
Art. 9º São Portas de Entrada às ações e aos serviços de saúde nas Redes de
Atenção à Saúde os serviços:
I - de atenção primária;
II - de atenção de urgência e emergência;
III - de atenção psicossocial; e
IV - especiais de acesso aberto.
PLANO DE SAÚDE 2012 – 2015
Art. 15. O processo de planejamento da
saúde será ascendente e integrado, do
nível local até o federal, ouvidos os
respectivos Conselhos de
Saúde, compatibilizando-se as
necessidades das políticas de saúde com
a disponibilidade de recursos
financeiros.
Art. 18. O planejamento da saúde em
âmbito estadual deve ser realizado de
maneira regionalizada, a partir das
necessidades dos Municípios, considerando
o estabelecimento de metas de saúde.
CAPÍTULO III
DO PLANEJAMENTO DA SAÚDE
PLANO DE SAÚDE 2012 – 2015
Art. 20. A integralidade da assistência à saúde se inicia e se
completa na Rede de Atenção à Saúde, mediante
referenciamento do usuário na Rede Regional e interestadual,
conforme pactuado nas Comissões Intergestores.
CAPÍTULO IV
DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE
ORIENTAÇÕES ACERCA DOS INDICADORES DA
PACTUAÇÃO DE DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS 2012
Conforme pactuação na Reunião da Comissão
Intergestores Tripartite de 26 de abril de 2012
Versão atualizada em 30/05/2012
Diretriz 5 – Garantia da atenção integral à saúde da pessoa idosa e dos
portadores de doenças crônicas, com estímulo ao envelhecimento ativo e
fortalecimento das ações de promoção e prevenção.
Objetivo Nacional: Melhoria das condições de Saúde do Idoso e Portadores
de Doenças Crônicas mediante qualificação da gestão e das redes de
atenção.
OS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE
28Fonte: Mendes,2011
POLITICAS PÚBLICAS NO CONTEXTO DAS RAS
29
Portaria no 2488, de 21 de outubro de 2011: Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 Portaria no 4279, de 30 de dezembro de 2010: RAS no âmbito do SUS
 Decreto no 7508, de 28 de junho de 2011: Organização do SUS para as RAS
 Portaria nº 841, de 02 de maio de 2012 e a RENASES: o idoso e as redes de atenção à
saúde
Rede de Atenção ao Idoso - Paranoá
• Grupo de trabalho ( GT ) + Pró-Saúde
• Modelo de Redes = Eugênio Vilaça Mendes
• Elementos constitutivos:
- População
- Sistema Operacional
- Modelos de Atenção
• Fluxo Assistencial
• Macroprocessos de Trabalho
População
• Método:
- População APS : ESF + Modelo Tradicional (CS01 )
- Ficha de cadastro dos idosos – SES/DF
- Análise das fichas:
• Determinantes Sociais em Saúde
• Identificação das doenças crônicas
• Síndromes Geriátricas.
Determinantes sociais em saúde para a
população idosa
• Figura 3: Modelo de Dahlgren e Whitehead (CNDSS, 2008)
Fonte: Buss,2007
32
Screnning populacional – Investigação de prevalência de patologias
Investigação de
fatores de risco na
população
Total: 2.206 = 4,4%
Total: 3.890 = 8,4 % * DF: 7,4%
Razão de dependência: 64,5%
*** população jovem > idosos
Razão de dependência: 50,7%
36
Tabela 2 - Características demográficas autodeclaráveis dos idosos da APS da Regional do
Paranoá – SES∕ DF, em frequência absoluta e relativa, 2012.
Variáveis Frequência (n = 300) %
Sexo
Feminino 179 59,7
Masculino 121 40,3
Idade
Até 69 anos 163 54,3
De 70 a 79 anos 100 33,3
80 anos ou mais 37 12,3
Grupo Étnico
Amarela 6 2,0
Branca 121 40,3
Negra 56 18,7
Parda 113 37,7
Não informada 4 1,3
37
Tabela 3 - Frequência de doenças autodeclaráveis na população idosa da APS da
Regional do Paranoá - SES∕DF, por frequência absoluta e relativa, 2012.
Patologias Frequência
n = 300 %
HAS 231 77,0
Cardiopatias 42 14,0
D. Osteoarticulares 80 26,7
Osteoporose 47 15,7
D.M 67 22,3
Acidente Vascular Cerebral 26 8,7
Infarto Agudo do Miocárdio 4 1,3
Fraturas 59 19,7
Deficiência Visual 145 48,3
Prótese dentária 217 72,3
Incontinência fecal 15 5
Incontinência urinária 15 5
Alzheimer 10 3,3
Parkinson 6 2
D. Pulmonar 17 5,7
Def. Auditiva 65 21,7
38
Tabela 4 - Freqüência absoluta e relativa dos comportamentos relacionados ao tabagismo,
álcool e uso de medicamentos, dos idosos usuários da APS, Regional de Saúde do
Paranoá/SES/DF – 2012
Variáveis Frequência (n = 300) %
Tabagismo
Não 255 85,0
Sim 44 14,7
Não informado 1 0,3
Álcool
Não 257 85,7
Sim 43 14,3
Uso de medicamento
Não 52 17,3
Sim 248 82,735,4% = Polifarmácia
39
Variáveis Frequência n = 300 %
Com quem mora
Acompanhado 266 88,7
Só 33 11,0
Não informado 1 0,3
Estado Civil
Casado (a) 137 45,7
Divorciado (a) 29 9,7
Mora Junto 2 0,7
Separado (a) 11 3,7
Solteiro (a) 38 12,7
Viúvo (a) 77 25,7
Outros 5 1,7
Não informado 1 0,3
Participa de grupo
Não 203 67,7
Sim 97 32,3
Tabela 5 - Freqüência absoluta e relativa das características de moradia, estado civil e participação de
grupos, autodeclaráveis, dos idosos usuários da APS, Regional de Saúde do Paranoá/SES/DF – 2012.
n= 155 51,8%
40
Tabela 6 - Freqüência absoluta e relativa do grau de escolaridade, condições de moradia, renda
familiar e atividade profissional, dos idosos usuários da APS, Regional de Saúde do
Paranoá/SES/DF – 2012.
Variáveis Frequência (n =300) %
Grau de escolaridade
Nenhuma 150 50,0
Ensino Fundamental incompleto 117 39,0
Ensino Fundamental completo 16 5,3
Ensino Médio incompleto 4 1,3
Ensino Médio completo 7 2,3
Ensino Superior incompleto 1 0,3
Ensino Superior completo 4 1,3
Não informado 1 0,3
Moradia
Alugada 23 7,7
Amigos 2 0,7
Cedida 11 3,7
Familiares 38 12,7
Própria 224 74,7
Não informado 2 0,7
41
Continuação – Tabela 6 :
Variáveis Frequência (n = 300) %
Renda Familiar
Sem renda 24 8,0
Até 1 S.M 179 59,7
De 1 a 3 S.M 78 26,0
Mais de 3 S.M 14 4,7
Não informou 5 1,7
Atividade Profissional
Aposentado 188 62,7
Afastado por problemas de saúde 14 4,7
Agricultor 4 1,3
Autônomo 4 1,3
Beneficiário 13 4,3
Desempregado 20 6,7
Empregado 17 5,7
Pensionista 14 4,7
Prendas Domésticas 20 6,7
Não informou 6 2,0
1. Centro de
Comunicação
2. Pontos de Atenção
3.
4.
Estrutura Operacional
1. CENTRO DE COMUNICAÇÃO
• APS
• Centro de Saúde 01 – modelo tradicional ( + PACS )
• Estratégia de Saúde da Família
Ambas: Atributos da APS :
- Grau de Afiliação com Serviço de Saúde
- Acesso de Primeiro Contato - Utilização
- Acesso de Primeiro Contato – Acessibilidade
- Longitudinalidade
- Coordenação – Integração de Cuidados
- Coordenação - Sistema de Informações
- Integralidade - Serviços Disponíveis
- Integralidade – Serviços Prestados
- Orientação Familiar
- Orientação Comunitária
PCATOOL
Estrutura Operacional
2. PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIO E TERCIÁRIO
• HRPa :
• Ambulatório de Gerontologia:
- Acolhimento ao idoso
- PAV + Assistência Domiciliar
- Visitas a pacientes internados
• Geriatria
* Geraneuro
- CMI
- HRAN
- HBDF
Estrutura Operacional
3. SISTEMAS DE APOIO
3.1- Diagnóstico e Terapêutico:
• Laboratório
* CS 01 – “ amigo do idoso ”
• Radiologia
• Assistência Social, Práticas Integrativas, NRAD...
3.2 – Assistência Farmacêutica
3.3 – Informações em Saúde ***
MARCAÇÃO PELO SISREG
Estrutura Operacional
4. SISTEMAS LOGÍSTICOS
*** Tecnologias da Informação
• CADERNETA DO IDOSO
• Ficha de cadastro dos idosos – planilha
eletrônica Excell/Office.
• Fichas de Referência e Contra-referência
• Cartão do SUS.
• Treack-care
• SISREG
Estrutura Operacional
5. GOVERNANÇA
• PAISI
• Gestão Local – Diretoria
• Políticas Públicas
• Rede Social ??
• Conselho de Saúde?
MODELO DE ATENÇÃO
1. FLUXOGRAMA
• Acesso: APS, HRPA, outros serviços
• Acolhimento e escuta qualificada
• Estratificação de risco **
• Regionalização: Área coberta?
• ESF + baixo risco: Equipe
• ESF + alto risco: HRPA – Gerontologia
• Não ESF + Baixo risco: CS01
• Não ESF + alto risco: HRPA – Gerontologia
MODELO DE ATENÇÃO
1. FLUXOGRAMA
• ESF/ Cs01 + baixo risco: APS
• Serviços de apoio
- Terapia comunitária ( 3ª feira 10h- Igreja Católica)
- CCI
- Práticas Integrativas
- Ginástica nas Quadras
- Grupos de Doenças Crônicas
- ESF = NASF
.....
MODELO DE ATENÇÃO
1. FLUXOGRAMA
• ESF/ Cs01 + alto risco: HRPA
- Serviço Social
- Programa de prevenção de violencia
- CREAS
- Ministério Público
- Internação
- Altas hospitalares ***
- GERANEURO
- CMI / HBDF / HRAN
52
Atributo
Programa Saúde da
Família (n=55)
CS01
(n=38)
p-valor
(<0,005)
A. Grau de afiliação com os serviços de saúde 3,36 ± 1,09 3,76 ± 0,79 0,034
B. Acesso de primeiro contato: Utilização 3,51 ± 0,69 3,84 ± 0,44 0,002
C. Acesso de primeiro contato: Acessibilidade 2,84 ± 1,01 4,03 ± 1,44 0,000
D. Longitudinalidade 3,76 ± 0,86 3,24 ± 0,54 0,001
E. Coordenação: integração de cuidados 2,78 ± 1,69 2,03 ± 1,64 0,023
F. Coordenação – Sistema de informações 4,36 ± 1,25 4,61 ± 1,20 0,145
G. Integralidade - Serviços Disponíveis 3,33 ± 1,43 4,42 ± 1,65 0,002
H. Integralidade: serviços prestados (homem) 2,93 ± 1,75 2,78 ± 1,09 0,737
I. Integralidade – serviços prestados (mulher) 3,03 ± 1,17 2,83 ± 0,60 0,518
J. Orientação Familiar 3,27 ± 1,15 3,26 ± 1,75 0,419
K. Orientação Comunitária 3,85 ± 1,54 1,95 ± 1,83 0,000
Escore essencial 3,352 ± 0,54 3,54 ± 0,43 0,017
Escore geral 3,39 ± 0,59 3,35 ± 0,40 0,784
Tabela 9 - Comparação dos escores dos atributos da atenção primária à saúde (APS), na percepção
dos usuários idosos, regional de saúde do Paranoá/SES/DF-2012.
Rede Temática
Saúde óssea
- APS: Clínicos, Educador Físico, Terapeuta Ocupacional,
Enfermagem, auxiliar de enfermagem
- Atenção Secundária: Reumatologia, Ortopedia, Geriatria,
Enfermagem
Atividades educativas direcionadas aos
idosos – palestra sobre doenças articulares
Palestrante = Ortopedista
Atividades educativas direcionadas aos
idosos – palestra sobre doenças articulares
Atividades educativas direcionadas aos
idosos – Multidisciplinar = Educador físico e
Ortopedista.
Mexa-se contra a artrose
Mexa-se contra a artrose
Capacitação de Médicos da ESF sobre
patologias mais frequentes em idosos
Capacitação de Médicos da ESF sobre
patologias mais frequentes em idosos
Especialidades Médicas : Reumatologia
Atendimento Individualizado
e Humanizado
Confraternização entre a equipe e a
comunidade
Rede Temática
Transtornos Cognitivos
- APS: Clínicos, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional, Enfermagem,
auxiliar de enfermagem
- Atenção Secundária: Geriatria, Enfermagem, Psicólogo,
Terapeuta Ocupacional
Projeto
GERANEURO –
oficinas
psicoeducativas e
oficinas de
cuidadores
Oficinas de estimulo a memória
Oficinas de estimulo a memória
Estudos epidemiológicos
Fratura por queda da própria altura em idosose fatores
correlacionadosao eventoem pacientesinternadosem hospital
públicodo DistritoFederal
VIVIANECRISTINAULIANAPETERLE, CAMILACOSTAOLIVEIRA, GRAZIELLEBARROSDEMELO, ÂNGELABARBOSA
MONTENEGROARNDT, LUANACICILIA SOUSADASILVA
RESIDÊNCIAMÉDICA- CLÍNICAMÉDICA– HOSPITALREGIONALDOPARANOÁ/ SES/ DF
INTRODUÇÃO
Os fatores associados às causas das quedas estão classificados como:
intrínsecos, ou seja, decorrentes de alterações fisiológicas relacionadas ao
envelhecimento, a doenças ou efeitos causados pelo uso de fármacos; e
extrínsecos, que são os que dependem de circunstâncias sociais e
ambientais. As quedas podem impactar a vida do paciente de forma
irreversível, não devido às fraturas delas decorrentes, mas também de suas
conseqüências advindas da reabilitação pós-cirúrgica, e dentre elas estão
morbidade, mortalidade, deterioração funcional, hospitalização,
institucionalização, aumento no consumo de medicamentos e de serviços
de saúde1..
O tratamento da maioria destas fraturas é cirúrgico, são utilizados vários
métodos de osteossíntese proporcionando fixação rígida e segura,
permitindo um início da marcha precoce. No manejo da fratura de
quadril, a abordagem cirúrgica é o elemento chave. Em teoria, o atraso na
cirurgia e na mobilização pode afetar funcionalmente e aumentar as
complicações associadas ao repouso prolongado, como tromboembolismo,
infeção do trato urinário, atelectasia e úlcera de pressão. Por outro lado,
cirurgia precoce sem estabilização clínica do paciente pode aumentar o
risco de complicações perioperatórias2.
OBJETIVO
Descrever os fatores envolvidosno processo de histórianatural dasfraturas
relacionadas a quedas da própria altura em pacientes acima de 60 anos que
necessitaram de internação hospitalar para correção cirúrgica em um
hospital.
MÉTODOS
O estudo retrospectivo analisou 45 pacientes, acima de 60 anos,
internados em enfermaria Ortopédica no Hospital Regional do
Paranoá/ SES/ DF, nos meses de novembro de 2009 a março de 2010. Os
pacientes foram admitidos apenas com história epidemiológica de queda
da própria altura. Foram excluídos prontuários com dados incompletos ou
internações por outras fraturas ou faixa etária. A análise estatística foi
descritiva e as variáveis selecionadas foram: sexo, faixa etária (60-69; 70-
79; >/ =80 anos), comorbidades associadas antes da internação, sítio da
fratura (classificação AO), tempo decorrido até a realização do
procedimento cirúrgico, tempo total de internação hospitalar. Realizado
análise bivariada e correlacionado com dadosde literatura.
DISCUSSÃO
O tempo médio para intervenção cirúrgica nas fraturas de fêmur foi
de 15,2 dias, sendo 25,76 o tempo médio de internação hospitalar para
esta patologia (p<0,05). Das comorbidades mais associadas no início da
internação, 32 pacientes apresentavam HAS (62,74% ) e DPOC em 12
(23,53%)pacientes . Na análise e comparação entre as variáveis, quando
correlacionados idade e sítios de fratura, houve associação entre idade
avançada e fraturas de fêmur (dos 25 pacientes com mais de 70 anos, 21
fraturam o fêmur). Não houve correlação significativa entre tempo para
intervenção cirúrgica e maior tempo de internação, exceto nos casos em
que havia maior número de comorbidades a admissão.
CONCLUSÃO
Experiência com outras doenças, tais como aterosclerose e hipertensão
arterial, tem-nos ensinado que nenhum fator de risco deve ser
considerado isoladamente como o bastante para predizer risco de um
evento. Não devemos considerar apenas um único fator de risco no
planejamento de intervenções associadas a doenças com etiologia
multifatorial, sendo fundamental associar as intervenções aos níveis
absolutos da probabilidade de risco do evento. Também, conforme
literatura, o tempo de abordagem cirúrgica pode afetar a evolução do
paciente e o atraso no tratamento cirúrgico resulta em maior tempo de
internação pósoperatória, afetando a recuperação funcional. (4,5).
Bibliografia
1. Murphy WM. "Classificação de Fraturas: significado biológico". In: Princípios AO do Tratamento de Fraturas. Porto Alegre-RS : AO Publishing; 2000.p. 45-6
2. Ribeiro, P. C. C., Oliveira,B. H. D., Cupertino, A. P. F. B., Neri, A. L. & Yassuda, M. S. Performance of the Elderly in the CERAD Cognitive Battery: Relations
with Socio-Demographic Variables and Perceived Health. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(1), 102-109.
2. Sakaki MH, Oliveira AR, Coelho FF, Leme LEG, Suzuki I, Amatuzzi MM. Estudo da mortalidade na fratura do fêmur proximal em idosos. Acta ortop
bras 2004; 12(4):242-249.
3. Vidal EIO, Cueli CM, Pinheiro RS, Camargo KR. Mortality within 1 year after hip fracture surgical repair in the elderly according to postoperative period a
probabilistic record linkage study in Brazil Nationa osteoporosis foudation. Osteoporos Int. 2006; 17:1569-76.
4. Gillespie WJ, Walenkamp G. Antibiotc prophylaxis for surgery for proximal femoral and other closed long bone fractures. Cochrane Database Syst
Rev.2001;(1):CD000244.
5. Beaupre LA, Jones CA, Saunders LD, Jahnston DWC, Buckingham J, Majumadar SR. Best practices for elderly hip fracture patients. A systematic overview of
the evidence.J Gen Intern Med. 2005; 20:1019-25.
6. Fratura de fêmur em idosos. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v.8, n.2, p.33-38, jun.2007 .
REDE DE ATENÇÃO A SÁUDE DO IDOSO NA REGIONAL
DE SAÚDE DO PARANOÁ/SES/DF
Relato de Experiência
Peterle, V. C. U; Bezerra, A. C. C; Ferreira, S.H.S; Bastos, T.; Guia, C. M.; Martinelli, E.P.; Alves, E.D; Moraes, J.
Objetivo: Descrever a formação de uma rede de atenção
a saúde do idoso, com estratégias de referência e
contra-referência.
Pacientes e Métodos: Em 2009, a cobertura dos
Programas de Atenção Básica era de 22%. Dentro deste
cenário, o programa de atenção a saúde do idoso,
realizou capacitações junto as equipes de saúde da
família com identificação de potencias multiplicadores,
além de investigação epidemiológica de temas como
saúde óssea, comorbidades mais freqüentes associados
aos idosos, pesquisas e revisão de prontuários com
análise de dados referentes a morbimortalidades por
fraturas de fêmur. Diante destas análises, foi constituído
dentro da Regional de Saúde, grupo técnico para
estruturação da rede de atenção ao idoso de referência e
contra-referência, formado pela Atenção Hospitalar
(geriatra e enfermeira com especialização em
gerontologia) e Atenção Básica – centro de saúde 01
Paranoá (enfermeira referência e médico clínico
referência) e centro de saúde 02 do Itapoã (enfermeira
referência), com criação de salas de acolhimento aos
idosos nestas unidades, além da participação do Núcleo
de Ensino Permanente em Saúde/ visando à elaboração
de educação permanente em saúde do idoso, tanto a
servidores quanto à população. São realizadas reuniões
mensais com o grupo de trabalho onde são discutidas as
ações analisando os resultados obtidos com as práticas.
Ações no Centro de Saúde 01 Paranoá :
Faixa
Etária
Urbano Rural Itapoã
60-64 543 164 826
65-69 385 124 586
70-74 275 73 419
75-79 165 42 246
80 e + 225 42 343
Tabela 1 – População estimada por sexo e faixa etária segundo
local de domicílio da Região Administrativa do Paranoá e Itapoã –
2009 IBGE/DIVEP/SES/DF
Foi implantada no Centro de Saúde do Paranoá a sala de
Acolhimento ao Idoso com a finalidade de oferecer aos
idosos atendimentos com qualidade, resolutividade e
respeito. O trabalho que é desenvolvido pela equipe de
acolhimento ao idoso segue da seguinte forma:
- Cadastramento dos idosos;
- Consultas de enfermagem e médicas;
- Palestras educativas voltadas a 3ª idade proferida pela
enfermeirae médico;
- Visitas domiciliares aos idosos;
- Atividades Físicas realizadas pelos agentes de saúde;
- Atividades manuais;
- Orientações quanto ao uso de medicação;
- Assistência nutricional;
- Assistência Social;
A proposta da equipe de acolhimento ao idoso é de que
a cada três meses seja feita uma avaliação das
patologias dos idosos cadastrados com possíveis
propostas de tratamento e conduta para um melhor
atendimento aos idosos que será apresentada para os
gestores, servidores da casa e conselho de saúde onde
todos possam participar para um melhor atendimento
ao idoso.
Discussão: Com o envelhecimento populacional
brasileiro é inevitável o impacto no setor Saúde,
principalmente no sistema hospitalar. Desta
maneira, os gestores de saúde no país devem estar
atentos para este fato e desenvolver estratégias de
rede de Atenção a Saúde do Idoso dentro da atenção
primária a saúde de forma mais efetiva. Isso
representa um grande desafio para o sistema de
saúde que poderá ter seus leitos hospitalares
bloqueados com o modelo hospitalocêntrico e, pior,
sem responder adequadamente às necessidades de
saúde desta população.
Bibliografia:
1. DATASUS. Movimento de Autorização de
Internação Hospitalar - Janeiro a Dezembro de 2001.
DATASUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. (CDs-
ROM).
-4500-3600-2700-1800-90009001800270036004500
00-04anos
10-14 anos
20-24 anos
30-34 anos
40-44 anos
50-54 anos
60-64 anos
70-74 anos
80 + anos
Pirâmide Populacional
Dez Anos antes
masculina
-10000 0 10000
00-04anos
10-14 anos
20-24 anos
30-34 anos
40-44 anos
50-54 anos
60-64 anos
70-74 anos
80 + anos
Pirâmide Populacional
Ano atual
masculina
Participação
em eventos
científicos
acadêmicos
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúdeA arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúde
Centro Universitário Ages
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
Carla Couto
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
André Fidelis
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Proqualis
 
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaAula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Proqualis
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
Centro Universitário Ages
 
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnvelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Enfº Ícaro Araújo
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idoso
Cíntia Monique
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
Karina Pereira
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
Alinebrauna Brauna
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
Jose Roberto
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
Greicy Kapisch
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Jesiele Spindler
 
Slides semana do idoso
Slides semana do idosoSlides semana do idoso
Slides semana do idoso
Vânia Sampaio
 

Mais procurados (20)

A arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúdeA arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúde
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaAula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnvelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idoso
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Apresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idosoApresentação politica nacional do idoso
Apresentação politica nacional do idoso
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
Slides semana do idoso
Slides semana do idosoSlides semana do idoso
Slides semana do idoso
 

Destaque

Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Faculdade União das Américas
 
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimentoAtenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
jardelf
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Tania Jesus
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
Carol Alves
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
Stefane Rayane
 
Idoso
IdosoIdoso
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
lucia_nunes
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Ligia Coppetti
 
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSAENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
enfermagemnaveia
 
Qualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na MaturidadeQualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na Maturidade
Rubens De Fraga Junior
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Dany Romeira
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Fernanda Marinho
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
Natha Fisioterapia
 
hipertensos
hipertensoshipertensos
hipertensos
Ysa Alves
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Ana Paula Oliveira
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Saude do-idoso-web1
Saude do-idoso-web1Saude do-idoso-web1
Saude do-idoso-web1
ivone guedes borges
 
Protocolo proteo idoso_curitiba
Protocolo proteo idoso_curitibaProtocolo proteo idoso_curitiba
Protocolo proteo idoso_curitiba
Mano Bebezão
 
Qualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde da
Qualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde daQualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde da
Qualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde da
Centro Universitário Ages
 

Destaque (20)

Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
 
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimentoAtenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSAENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
 
Qualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na MaturidadeQualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na Maturidade
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
hipertensos
hipertensoshipertensos
hipertensos
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Saude do-idoso-web1
Saude do-idoso-web1Saude do-idoso-web1
Saude do-idoso-web1
 
Protocolo proteo idoso_curitiba
Protocolo proteo idoso_curitibaProtocolo proteo idoso_curitiba
Protocolo proteo idoso_curitiba
 
Qualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde da
Qualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde daQualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde da
Qualidade de vida de Idosos na Estratégia Saúde da
 

Semelhante a Atenção à Saúde do Idoso

Beltrame evora claunara
Beltrame evora claunaraBeltrame evora claunara
Beltrame evora claunara
jorge luiz dos santos de souza
 
Plano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoPlano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idoso
Evailson Santos
 
Linha guiasaudeidoso
Linha guiasaudeidosoLinha guiasaudeidoso
Linha guiasaudeidoso
Uirapuru Florêncio
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
Bi_Oliveira
 
vdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdf
vdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdfvdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdf
vdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdf
MiguelAlmeida502577
 
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MGDesenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)
Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)
Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)
Davi Mota
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Simone Everton
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013
Iranildo Ribeiro
 
Rede de Atenção à Saúde do Idoso
Rede de Atenção à Saúde do IdosoRede de Atenção à Saúde do Idoso
Rede de Atenção à Saúde do Idoso
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Anvisa
AnvisaAnvisa
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
ElaineCamargos
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
triagemneonatalce
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
DboraCatarina3
 
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.pptAcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
TercioSantos7
 
Festival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e PronasFestival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e Pronas
ABCR
 
Plano de sensibilização hipertensão
Plano de sensibilização hipertensão Plano de sensibilização hipertensão
Plano de sensibilização hipertensão
Joao Paulo Mendes
 

Semelhante a Atenção à Saúde do Idoso (20)

Beltrame evora claunara
Beltrame evora claunaraBeltrame evora claunara
Beltrame evora claunara
 
Plano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idosoPlano de atenção ao idoso
Plano de atenção ao idoso
 
Linha guiasaudeidoso
Linha guiasaudeidosoLinha guiasaudeidoso
Linha guiasaudeidoso
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
 
vdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdf
vdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdfvdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdf
vdocuments.net_caderno-saude-do-idoso.pdf
 
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MGDesenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)
Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)
Manual programa saúdeemcasa-saúdedoidoso-mg (1)
 
Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]Apresentacao deborah maio.2011[1]
Apresentacao deborah maio.2011[1]
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013
 
Rede de Atenção à Saúde do Idoso
Rede de Atenção à Saúde do IdosoRede de Atenção à Saúde do Idoso
Rede de Atenção à Saúde do Idoso
 
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo BarrosAções prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
Ações prioritárias para a saúde brasileira - Ministro Ricardo Barros
 
Anvisa
AnvisaAnvisa
Anvisa
 
conferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptxconferencia de saude.pptx
conferencia de saude.pptx
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
 
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.pptAcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
AcolheSUS-2017-Contexto-RAS-Toc-Paola-SES-TO.ppt
 
Festival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e PronasFestival 2014 - Pronon e Pronas
Festival 2014 - Pronon e Pronas
 
Plano de sensibilização hipertensão
Plano de sensibilização hipertensão Plano de sensibilização hipertensão
Plano de sensibilização hipertensão
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

Último

5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 

Último (6)

5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 

Atenção à Saúde do Idoso

  • 1. 1 Atenção à Saúde do Idoso – Paranoá – SES - DF
  • 2. Mapa das Regiões de Saúde, PDR 2007, SES/DF. Regional de Saúde do Paranoá
  • 3. Itapoã * População estimada ~ 90.000 hab. Julho de 2001. Invasores ocupam área entre Paranoá e Sobradinho: 600 barraco. Antonio Siqueira 01.10.01 Setembro de 2007. Moradores esperam processo de regularização para ter melhorias na área de infra- estrutura Antonio Siqueira 10.09.07
  • 4. Resgate... • Outubro/2009 = MS: I Painel Nacional de Prevenção de Quedas e Fraturas • Meta: Pacto pela vida 2008 – redução de 2% da taxa de internações por fratura de fêmur em pessoas idosas. • “ Estimular a formação de equipe multiprofissional para a elaboração de normas de conduta para o reconhecimento, acompanhamento e tratamento dos pacientes com fatores de risco para osteoporose, com fratura por trauma mínimo e com risco de quedas” . • Dezembro /2009 = Programa de Prevenção a Osteoporose/Paranoá + ABS ( ESF )
  • 5. INVESTIGAÇÃO DA SAÚDE ÓSSEA NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA REGIONAL DE SAÚDE DO PARANOÁ/DF – APLICAÇÃO DO TESTE MINUTO DA INTERNATIONAL OSTEOPOROSIS FUNDATION – IOF História Familiar (itens 1 e 2) 51,78% História pessoal de queda (item 4) 32,14% Quedas freqüentes ou receio de cair (item 5) 62,12% Perda de mais de 3 cm após 40 anos (item 6) 20,2% IMC < 19 Kg/m2 (item 7) 14,64% Uso de CE (item 8) 15,35% AR (item 9) 0,7% Hipertireoidismo ou hiperparatireoidismo (item 10) 0 % Para mulheres (itens 11,12,13) 42,15% Para homens (item 14) 7% Etilismo (item 15) 9,73%42º CONGRESSO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA BRASÍLIA- 13 A 15 DE NOVEMBRO DE 2010
  • 6. INVESTIGAÇÃO DA SAÚDE ÓSSEA NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA REGIONAL DE SAÚDE DO PARANOÁ/DF – APLICAÇÃO DO TESTE MINUTO DA INTERNATIONAL OSTEOPOROSIS FUNDATION – IOF 18.12% 33.25% 48.63% 1 fator de risco 2 fatores de risco 3 fatores de risco Questionários Aplicados distribuídos por fatores de risco 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA BRASÍLIA- 13 A 15 DE NOVEMBRO DE 2010
  • 7. PACTO PELA SAÚDE 2010-2011 I – PACTO PELA VIDA : OBJETIVOS 1. Atenção à Saúde do Idoso OBJETIVO META INDICADOR Promover a formação e educação permanente dos profissionais de saúde do SUS na área de saúde da pessoa idosa. Reduzir em 2% a Taxa de Internação Hospitalar de Pessoas Idosas por fratura do fêmur 1.Taxa de internação hospitalar em pessoas idosas por fratura do fêmur. (SIH/IBGE) PORTARIA No. 2699, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009 5. PROMOÇÃO DA SAÚDE ( REDUZIR ) SEDENTARISMO 15,2% dos adultos com atividade física suficiente no tempo livre. ( vigitel) TABAGISMO Prevalência de tabagismo ≤ 15,8% por ano. ( VIGITEL )
  • 8. PACTO PELA SAÚDE 2010-2011 I – PACTO PELA VIDA : OBJETIVOS 1. Diretrizes área técnica MS – Saúde do Idoso: PORTARIA No. 2699, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009 - Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa; - Caderno de Atenção Básica Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa – Nº 19 – distribuídos para os profissionais da rede; - Curso de Aperfeiçoamento em Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, na modalidade a distancia – visa à capacitação de profissionais de saúde da rede; - Oficinas Estaduais de Prevenção da Osteoporose, Quedas e Fraturas em Pessoas Idosas, com o objetivo de sensibilizar e capacitar os profissionais de nível superior, preferencialmente aqueles que atuam na Atenção Primária; - Oficinas de Prevenção da Violência contra a pessoa idosa com o objetivo de sensibilizar e capacitar os profissionais de saúde na identificação das pessoas idosas vítimas de maus-tratos e violência; - Distribuição de Material Educativo;
  • 9. PACTO PELA SAÚDE 2010-2011 I – PACTO PELA VIDA : OBJETIVOS 1. Diretrizes área técnica SES/DF – Saúde do Idoso: PORTARIA No. 2699, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009 - Oficinas de prevenção de quedas e osteoporose, anualmente. - Projeto circuito multissensorial, que tem como objetivo promover a melhora do equilíbrio e prevenir quedas. O objetivo é ter um circuito em cada regional de saúde totalizando 15 circuitos. -Curso de Qualificação em Saúde da Pessoa Idosa para auxiliares e técnicos de enfermagem das equipes de atenção primária, ministrado pela ETESB. A qualificação do profissional propicia melhor orientação para família e idoso, assim como identificação de fatores de risco e atuação sobre eles. - Curso de Aperfeiçoamento – CMI - Parcerias com o DETRAN ( mobilidade cidadã) - Escola de avós - Ginástica nas quadras
  • 10. 2010 – Coordenação PAISI 1ª. Ação: Fev/2010: Reunião NAISI + ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO Caderneta do Idoso Curso de Cuidadores Reminiscências Medicamentos Vacina H1N1 Osteoporose Tai Chi CMI – UNB Geriatras
  • 11. Linha de Cuidado à Saúde do Idoso 1. Composição do Grupo de Trabalho ( GT ) - PAISI - Atenção Primária: CS01 - GAPESF ( ESF ) - Atenção Hospitalar: Geriatria e Gerontologia - NEPS - Especialidades: Reumatologia/Ortopedia
  • 12. Programa de Atenção a Saúde do Idoso Regional de Saúde Paranoá - Secretaria de Saúde - DF Coordenação: Viviane Cristina Uliana Peterle Grupo de trabalho: Viviane Cristina Uliana Peterle Claudio Mares Guia Esperanza Bernal Ramirez Janeval Guimaraes Sandra Helena Ferreira Tereza de Fatima Gomes de Bastos Rayganna Fonseca Vaneide Luna Paloma Duarte Elza Maestro Eleuza Procópio de SousaMartinelli Patricia – técnica de enfermagem Fernanda e Juliana ( voluntárias )
  • 13. Linha de Cuidado à Saúde do Idoso • Pactuação das ações entre os membros e com a Direção Regional na Linha de Cuidado • Criação da Sala de Acolhimento ao Idoso – CS01 Paranoá • Encontros com os idosos na Associação de Idosos do Paranoá • Estudos epidemiológicos sobre fatores de risco de osteoporose, tabagismo e eventos relacionados a fraturas de fêmur em idosos na Regional – apresentação e premiação em eventos científicos • Oficina sobre a Caderneta junto aos ACS – PACS.
  • 14. Criação da Sala de Acolhimento ao Idoso – CS01 Paranoá • Ambiência • Escuta qualificada • Instrumento padronizado e formato digital • Orientação de enfermagem e farmacêutica • Atendimento em grupos • Atendimento médico individualizado • “Caixinhas” • Capacitação ACS – caderneta do idoso
  • 15. Centro de Saúde 01- sala personalizada e de atendimento exclusivo ao idoso.
  • 16. Centro de Saúde 01- estratégia de aderência medicamentosa com as “caixas personalizadas”.
  • 17. Centro de Saúde 01- sala personalizada e de atendimento exclusivo ao idoso.
  • 18. Centro de Saúde 01- atendimento médico individualizado
  • 19.
  • 20. Encontros com os idosos na Associação de Idosos do Paranoá • Encontros sextas a tarde • Orientação Nutricional – parcerias • Projeto “ 1900 e antigamente...” • Festejos ** Encontros com psicóloga e enfermagem
  • 21. Participação em atividades comunitárias = Centro de Convivência do Idoso
  • 22. PLANO DE SAÚDE 2012 – 2015 Art. 10. Os serviços de atenção hospitalar e os ambulatoriais especializados, entre outros de maior complexidade e densidade tecnológica, serão referenciados pelas Portas de Entrada de que trata o art. 9º. Art. 11. O acesso universal e igualitário às ações e aos serviços de saúde será ordenado pela atenção primária e deve ser fundado na avaliação da gravidade do risco individual e coletivo e no critério cronológico, observadas as especificidades previstas para pessoas com proteção especial, conforme legislação vigente. Art. 9º São Portas de Entrada às ações e aos serviços de saúde nas Redes de Atenção à Saúde os serviços: I - de atenção primária; II - de atenção de urgência e emergência; III - de atenção psicossocial; e IV - especiais de acesso aberto.
  • 23. PLANO DE SAÚDE 2012 – 2015 Art. 15. O processo de planejamento da saúde será ascendente e integrado, do nível local até o federal, ouvidos os respectivos Conselhos de Saúde, compatibilizando-se as necessidades das políticas de saúde com a disponibilidade de recursos financeiros. Art. 18. O planejamento da saúde em âmbito estadual deve ser realizado de maneira regionalizada, a partir das necessidades dos Municípios, considerando o estabelecimento de metas de saúde. CAPÍTULO III DO PLANEJAMENTO DA SAÚDE
  • 24. PLANO DE SAÚDE 2012 – 2015 Art. 20. A integralidade da assistência à saúde se inicia e se completa na Rede de Atenção à Saúde, mediante referenciamento do usuário na Rede Regional e interestadual, conforme pactuado nas Comissões Intergestores. CAPÍTULO IV DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE
  • 25.
  • 26.
  • 27. ORIENTAÇÕES ACERCA DOS INDICADORES DA PACTUAÇÃO DE DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS 2012 Conforme pactuação na Reunião da Comissão Intergestores Tripartite de 26 de abril de 2012 Versão atualizada em 30/05/2012 Diretriz 5 – Garantia da atenção integral à saúde da pessoa idosa e dos portadores de doenças crônicas, com estímulo ao envelhecimento ativo e fortalecimento das ações de promoção e prevenção. Objetivo Nacional: Melhoria das condições de Saúde do Idoso e Portadores de Doenças Crônicas mediante qualificação da gestão e das redes de atenção.
  • 28. OS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE 28Fonte: Mendes,2011
  • 29. POLITICAS PÚBLICAS NO CONTEXTO DAS RAS 29 Portaria no 2488, de 21 de outubro de 2011: Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)  Portaria no 4279, de 30 de dezembro de 2010: RAS no âmbito do SUS  Decreto no 7508, de 28 de junho de 2011: Organização do SUS para as RAS  Portaria nº 841, de 02 de maio de 2012 e a RENASES: o idoso e as redes de atenção à saúde
  • 30. Rede de Atenção ao Idoso - Paranoá • Grupo de trabalho ( GT ) + Pró-Saúde • Modelo de Redes = Eugênio Vilaça Mendes • Elementos constitutivos: - População - Sistema Operacional - Modelos de Atenção • Fluxo Assistencial • Macroprocessos de Trabalho
  • 31. População • Método: - População APS : ESF + Modelo Tradicional (CS01 ) - Ficha de cadastro dos idosos – SES/DF - Análise das fichas: • Determinantes Sociais em Saúde • Identificação das doenças crônicas • Síndromes Geriátricas.
  • 32. Determinantes sociais em saúde para a população idosa • Figura 3: Modelo de Dahlgren e Whitehead (CNDSS, 2008) Fonte: Buss,2007 32
  • 33. Screnning populacional – Investigação de prevalência de patologias
  • 34. Investigação de fatores de risco na população
  • 35. Total: 2.206 = 4,4% Total: 3.890 = 8,4 % * DF: 7,4% Razão de dependência: 64,5% *** população jovem > idosos Razão de dependência: 50,7%
  • 36. 36 Tabela 2 - Características demográficas autodeclaráveis dos idosos da APS da Regional do Paranoá – SES∕ DF, em frequência absoluta e relativa, 2012. Variáveis Frequência (n = 300) % Sexo Feminino 179 59,7 Masculino 121 40,3 Idade Até 69 anos 163 54,3 De 70 a 79 anos 100 33,3 80 anos ou mais 37 12,3 Grupo Étnico Amarela 6 2,0 Branca 121 40,3 Negra 56 18,7 Parda 113 37,7 Não informada 4 1,3
  • 37. 37 Tabela 3 - Frequência de doenças autodeclaráveis na população idosa da APS da Regional do Paranoá - SES∕DF, por frequência absoluta e relativa, 2012. Patologias Frequência n = 300 % HAS 231 77,0 Cardiopatias 42 14,0 D. Osteoarticulares 80 26,7 Osteoporose 47 15,7 D.M 67 22,3 Acidente Vascular Cerebral 26 8,7 Infarto Agudo do Miocárdio 4 1,3 Fraturas 59 19,7 Deficiência Visual 145 48,3 Prótese dentária 217 72,3 Incontinência fecal 15 5 Incontinência urinária 15 5 Alzheimer 10 3,3 Parkinson 6 2 D. Pulmonar 17 5,7 Def. Auditiva 65 21,7
  • 38. 38 Tabela 4 - Freqüência absoluta e relativa dos comportamentos relacionados ao tabagismo, álcool e uso de medicamentos, dos idosos usuários da APS, Regional de Saúde do Paranoá/SES/DF – 2012 Variáveis Frequência (n = 300) % Tabagismo Não 255 85,0 Sim 44 14,7 Não informado 1 0,3 Álcool Não 257 85,7 Sim 43 14,3 Uso de medicamento Não 52 17,3 Sim 248 82,735,4% = Polifarmácia
  • 39. 39 Variáveis Frequência n = 300 % Com quem mora Acompanhado 266 88,7 Só 33 11,0 Não informado 1 0,3 Estado Civil Casado (a) 137 45,7 Divorciado (a) 29 9,7 Mora Junto 2 0,7 Separado (a) 11 3,7 Solteiro (a) 38 12,7 Viúvo (a) 77 25,7 Outros 5 1,7 Não informado 1 0,3 Participa de grupo Não 203 67,7 Sim 97 32,3 Tabela 5 - Freqüência absoluta e relativa das características de moradia, estado civil e participação de grupos, autodeclaráveis, dos idosos usuários da APS, Regional de Saúde do Paranoá/SES/DF – 2012. n= 155 51,8%
  • 40. 40 Tabela 6 - Freqüência absoluta e relativa do grau de escolaridade, condições de moradia, renda familiar e atividade profissional, dos idosos usuários da APS, Regional de Saúde do Paranoá/SES/DF – 2012. Variáveis Frequência (n =300) % Grau de escolaridade Nenhuma 150 50,0 Ensino Fundamental incompleto 117 39,0 Ensino Fundamental completo 16 5,3 Ensino Médio incompleto 4 1,3 Ensino Médio completo 7 2,3 Ensino Superior incompleto 1 0,3 Ensino Superior completo 4 1,3 Não informado 1 0,3 Moradia Alugada 23 7,7 Amigos 2 0,7 Cedida 11 3,7 Familiares 38 12,7 Própria 224 74,7 Não informado 2 0,7
  • 41. 41 Continuação – Tabela 6 : Variáveis Frequência (n = 300) % Renda Familiar Sem renda 24 8,0 Até 1 S.M 179 59,7 De 1 a 3 S.M 78 26,0 Mais de 3 S.M 14 4,7 Não informou 5 1,7 Atividade Profissional Aposentado 188 62,7 Afastado por problemas de saúde 14 4,7 Agricultor 4 1,3 Autônomo 4 1,3 Beneficiário 13 4,3 Desempregado 20 6,7 Empregado 17 5,7 Pensionista 14 4,7 Prendas Domésticas 20 6,7 Não informou 6 2,0
  • 42. 1. Centro de Comunicação 2. Pontos de Atenção 3. 4.
  • 43. Estrutura Operacional 1. CENTRO DE COMUNICAÇÃO • APS • Centro de Saúde 01 – modelo tradicional ( + PACS ) • Estratégia de Saúde da Família Ambas: Atributos da APS : - Grau de Afiliação com Serviço de Saúde - Acesso de Primeiro Contato - Utilização - Acesso de Primeiro Contato – Acessibilidade - Longitudinalidade - Coordenação – Integração de Cuidados - Coordenação - Sistema de Informações - Integralidade - Serviços Disponíveis - Integralidade – Serviços Prestados - Orientação Familiar - Orientação Comunitária PCATOOL
  • 44.
  • 45. Estrutura Operacional 2. PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIO E TERCIÁRIO • HRPa : • Ambulatório de Gerontologia: - Acolhimento ao idoso - PAV + Assistência Domiciliar - Visitas a pacientes internados • Geriatria * Geraneuro - CMI - HRAN - HBDF
  • 46. Estrutura Operacional 3. SISTEMAS DE APOIO 3.1- Diagnóstico e Terapêutico: • Laboratório * CS 01 – “ amigo do idoso ” • Radiologia • Assistência Social, Práticas Integrativas, NRAD... 3.2 – Assistência Farmacêutica 3.3 – Informações em Saúde *** MARCAÇÃO PELO SISREG
  • 47. Estrutura Operacional 4. SISTEMAS LOGÍSTICOS *** Tecnologias da Informação • CADERNETA DO IDOSO • Ficha de cadastro dos idosos – planilha eletrônica Excell/Office. • Fichas de Referência e Contra-referência • Cartão do SUS. • Treack-care • SISREG
  • 48. Estrutura Operacional 5. GOVERNANÇA • PAISI • Gestão Local – Diretoria • Políticas Públicas • Rede Social ?? • Conselho de Saúde?
  • 49. MODELO DE ATENÇÃO 1. FLUXOGRAMA • Acesso: APS, HRPA, outros serviços • Acolhimento e escuta qualificada • Estratificação de risco ** • Regionalização: Área coberta? • ESF + baixo risco: Equipe • ESF + alto risco: HRPA – Gerontologia • Não ESF + Baixo risco: CS01 • Não ESF + alto risco: HRPA – Gerontologia
  • 50. MODELO DE ATENÇÃO 1. FLUXOGRAMA • ESF/ Cs01 + baixo risco: APS • Serviços de apoio - Terapia comunitária ( 3ª feira 10h- Igreja Católica) - CCI - Práticas Integrativas - Ginástica nas Quadras - Grupos de Doenças Crônicas - ESF = NASF .....
  • 51. MODELO DE ATENÇÃO 1. FLUXOGRAMA • ESF/ Cs01 + alto risco: HRPA - Serviço Social - Programa de prevenção de violencia - CREAS - Ministério Público - Internação - Altas hospitalares *** - GERANEURO - CMI / HBDF / HRAN
  • 52. 52 Atributo Programa Saúde da Família (n=55) CS01 (n=38) p-valor (<0,005) A. Grau de afiliação com os serviços de saúde 3,36 ± 1,09 3,76 ± 0,79 0,034 B. Acesso de primeiro contato: Utilização 3,51 ± 0,69 3,84 ± 0,44 0,002 C. Acesso de primeiro contato: Acessibilidade 2,84 ± 1,01 4,03 ± 1,44 0,000 D. Longitudinalidade 3,76 ± 0,86 3,24 ± 0,54 0,001 E. Coordenação: integração de cuidados 2,78 ± 1,69 2,03 ± 1,64 0,023 F. Coordenação – Sistema de informações 4,36 ± 1,25 4,61 ± 1,20 0,145 G. Integralidade - Serviços Disponíveis 3,33 ± 1,43 4,42 ± 1,65 0,002 H. Integralidade: serviços prestados (homem) 2,93 ± 1,75 2,78 ± 1,09 0,737 I. Integralidade – serviços prestados (mulher) 3,03 ± 1,17 2,83 ± 0,60 0,518 J. Orientação Familiar 3,27 ± 1,15 3,26 ± 1,75 0,419 K. Orientação Comunitária 3,85 ± 1,54 1,95 ± 1,83 0,000 Escore essencial 3,352 ± 0,54 3,54 ± 0,43 0,017 Escore geral 3,39 ± 0,59 3,35 ± 0,40 0,784 Tabela 9 - Comparação dos escores dos atributos da atenção primária à saúde (APS), na percepção dos usuários idosos, regional de saúde do Paranoá/SES/DF-2012.
  • 53. Rede Temática Saúde óssea - APS: Clínicos, Educador Físico, Terapeuta Ocupacional, Enfermagem, auxiliar de enfermagem - Atenção Secundária: Reumatologia, Ortopedia, Geriatria, Enfermagem
  • 54. Atividades educativas direcionadas aos idosos – palestra sobre doenças articulares Palestrante = Ortopedista
  • 55. Atividades educativas direcionadas aos idosos – palestra sobre doenças articulares
  • 56. Atividades educativas direcionadas aos idosos – Multidisciplinar = Educador físico e Ortopedista.
  • 57.
  • 58.
  • 59. Mexa-se contra a artrose
  • 60. Mexa-se contra a artrose
  • 61.
  • 62. Capacitação de Médicos da ESF sobre patologias mais frequentes em idosos
  • 63. Capacitação de Médicos da ESF sobre patologias mais frequentes em idosos
  • 64. Especialidades Médicas : Reumatologia Atendimento Individualizado e Humanizado
  • 65.
  • 66. Confraternização entre a equipe e a comunidade
  • 67. Rede Temática Transtornos Cognitivos - APS: Clínicos, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional, Enfermagem, auxiliar de enfermagem - Atenção Secundária: Geriatria, Enfermagem, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional
  • 69. Oficinas de estimulo a memória
  • 70. Oficinas de estimulo a memória
  • 71. Estudos epidemiológicos Fratura por queda da própria altura em idosose fatores correlacionadosao eventoem pacientesinternadosem hospital públicodo DistritoFederal VIVIANECRISTINAULIANAPETERLE, CAMILACOSTAOLIVEIRA, GRAZIELLEBARROSDEMELO, ÂNGELABARBOSA MONTENEGROARNDT, LUANACICILIA SOUSADASILVA RESIDÊNCIAMÉDICA- CLÍNICAMÉDICA– HOSPITALREGIONALDOPARANOÁ/ SES/ DF INTRODUÇÃO Os fatores associados às causas das quedas estão classificados como: intrínsecos, ou seja, decorrentes de alterações fisiológicas relacionadas ao envelhecimento, a doenças ou efeitos causados pelo uso de fármacos; e extrínsecos, que são os que dependem de circunstâncias sociais e ambientais. As quedas podem impactar a vida do paciente de forma irreversível, não devido às fraturas delas decorrentes, mas também de suas conseqüências advindas da reabilitação pós-cirúrgica, e dentre elas estão morbidade, mortalidade, deterioração funcional, hospitalização, institucionalização, aumento no consumo de medicamentos e de serviços de saúde1.. O tratamento da maioria destas fraturas é cirúrgico, são utilizados vários métodos de osteossíntese proporcionando fixação rígida e segura, permitindo um início da marcha precoce. No manejo da fratura de quadril, a abordagem cirúrgica é o elemento chave. Em teoria, o atraso na cirurgia e na mobilização pode afetar funcionalmente e aumentar as complicações associadas ao repouso prolongado, como tromboembolismo, infeção do trato urinário, atelectasia e úlcera de pressão. Por outro lado, cirurgia precoce sem estabilização clínica do paciente pode aumentar o risco de complicações perioperatórias2. OBJETIVO Descrever os fatores envolvidosno processo de histórianatural dasfraturas relacionadas a quedas da própria altura em pacientes acima de 60 anos que necessitaram de internação hospitalar para correção cirúrgica em um hospital. MÉTODOS O estudo retrospectivo analisou 45 pacientes, acima de 60 anos, internados em enfermaria Ortopédica no Hospital Regional do Paranoá/ SES/ DF, nos meses de novembro de 2009 a março de 2010. Os pacientes foram admitidos apenas com história epidemiológica de queda da própria altura. Foram excluídos prontuários com dados incompletos ou internações por outras fraturas ou faixa etária. A análise estatística foi descritiva e as variáveis selecionadas foram: sexo, faixa etária (60-69; 70- 79; >/ =80 anos), comorbidades associadas antes da internação, sítio da fratura (classificação AO), tempo decorrido até a realização do procedimento cirúrgico, tempo total de internação hospitalar. Realizado análise bivariada e correlacionado com dadosde literatura. DISCUSSÃO O tempo médio para intervenção cirúrgica nas fraturas de fêmur foi de 15,2 dias, sendo 25,76 o tempo médio de internação hospitalar para esta patologia (p<0,05). Das comorbidades mais associadas no início da internação, 32 pacientes apresentavam HAS (62,74% ) e DPOC em 12 (23,53%)pacientes . Na análise e comparação entre as variáveis, quando correlacionados idade e sítios de fratura, houve associação entre idade avançada e fraturas de fêmur (dos 25 pacientes com mais de 70 anos, 21 fraturam o fêmur). Não houve correlação significativa entre tempo para intervenção cirúrgica e maior tempo de internação, exceto nos casos em que havia maior número de comorbidades a admissão. CONCLUSÃO Experiência com outras doenças, tais como aterosclerose e hipertensão arterial, tem-nos ensinado que nenhum fator de risco deve ser considerado isoladamente como o bastante para predizer risco de um evento. Não devemos considerar apenas um único fator de risco no planejamento de intervenções associadas a doenças com etiologia multifatorial, sendo fundamental associar as intervenções aos níveis absolutos da probabilidade de risco do evento. Também, conforme literatura, o tempo de abordagem cirúrgica pode afetar a evolução do paciente e o atraso no tratamento cirúrgico resulta em maior tempo de internação pósoperatória, afetando a recuperação funcional. (4,5). Bibliografia 1. Murphy WM. "Classificação de Fraturas: significado biológico". In: Princípios AO do Tratamento de Fraturas. Porto Alegre-RS : AO Publishing; 2000.p. 45-6 2. Ribeiro, P. C. C., Oliveira,B. H. D., Cupertino, A. P. F. B., Neri, A. L. & Yassuda, M. S. Performance of the Elderly in the CERAD Cognitive Battery: Relations with Socio-Demographic Variables and Perceived Health. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(1), 102-109. 2. Sakaki MH, Oliveira AR, Coelho FF, Leme LEG, Suzuki I, Amatuzzi MM. Estudo da mortalidade na fratura do fêmur proximal em idosos. Acta ortop bras 2004; 12(4):242-249. 3. Vidal EIO, Cueli CM, Pinheiro RS, Camargo KR. Mortality within 1 year after hip fracture surgical repair in the elderly according to postoperative period a probabilistic record linkage study in Brazil Nationa osteoporosis foudation. Osteoporos Int. 2006; 17:1569-76. 4. Gillespie WJ, Walenkamp G. Antibiotc prophylaxis for surgery for proximal femoral and other closed long bone fractures. Cochrane Database Syst Rev.2001;(1):CD000244. 5. Beaupre LA, Jones CA, Saunders LD, Jahnston DWC, Buckingham J, Majumadar SR. Best practices for elderly hip fracture patients. A systematic overview of the evidence.J Gen Intern Med. 2005; 20:1019-25. 6. Fratura de fêmur em idosos. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v.8, n.2, p.33-38, jun.2007 . REDE DE ATENÇÃO A SÁUDE DO IDOSO NA REGIONAL DE SAÚDE DO PARANOÁ/SES/DF Relato de Experiência Peterle, V. C. U; Bezerra, A. C. C; Ferreira, S.H.S; Bastos, T.; Guia, C. M.; Martinelli, E.P.; Alves, E.D; Moraes, J. Objetivo: Descrever a formação de uma rede de atenção a saúde do idoso, com estratégias de referência e contra-referência. Pacientes e Métodos: Em 2009, a cobertura dos Programas de Atenção Básica era de 22%. Dentro deste cenário, o programa de atenção a saúde do idoso, realizou capacitações junto as equipes de saúde da família com identificação de potencias multiplicadores, além de investigação epidemiológica de temas como saúde óssea, comorbidades mais freqüentes associados aos idosos, pesquisas e revisão de prontuários com análise de dados referentes a morbimortalidades por fraturas de fêmur. Diante destas análises, foi constituído dentro da Regional de Saúde, grupo técnico para estruturação da rede de atenção ao idoso de referência e contra-referência, formado pela Atenção Hospitalar (geriatra e enfermeira com especialização em gerontologia) e Atenção Básica – centro de saúde 01 Paranoá (enfermeira referência e médico clínico referência) e centro de saúde 02 do Itapoã (enfermeira referência), com criação de salas de acolhimento aos idosos nestas unidades, além da participação do Núcleo de Ensino Permanente em Saúde/ visando à elaboração de educação permanente em saúde do idoso, tanto a servidores quanto à população. São realizadas reuniões mensais com o grupo de trabalho onde são discutidas as ações analisando os resultados obtidos com as práticas. Ações no Centro de Saúde 01 Paranoá : Faixa Etária Urbano Rural Itapoã 60-64 543 164 826 65-69 385 124 586 70-74 275 73 419 75-79 165 42 246 80 e + 225 42 343 Tabela 1 – População estimada por sexo e faixa etária segundo local de domicílio da Região Administrativa do Paranoá e Itapoã – 2009 IBGE/DIVEP/SES/DF Foi implantada no Centro de Saúde do Paranoá a sala de Acolhimento ao Idoso com a finalidade de oferecer aos idosos atendimentos com qualidade, resolutividade e respeito. O trabalho que é desenvolvido pela equipe de acolhimento ao idoso segue da seguinte forma: - Cadastramento dos idosos; - Consultas de enfermagem e médicas; - Palestras educativas voltadas a 3ª idade proferida pela enfermeirae médico; - Visitas domiciliares aos idosos; - Atividades Físicas realizadas pelos agentes de saúde; - Atividades manuais; - Orientações quanto ao uso de medicação; - Assistência nutricional; - Assistência Social; A proposta da equipe de acolhimento ao idoso é de que a cada três meses seja feita uma avaliação das patologias dos idosos cadastrados com possíveis propostas de tratamento e conduta para um melhor atendimento aos idosos que será apresentada para os gestores, servidores da casa e conselho de saúde onde todos possam participar para um melhor atendimento ao idoso. Discussão: Com o envelhecimento populacional brasileiro é inevitável o impacto no setor Saúde, principalmente no sistema hospitalar. Desta maneira, os gestores de saúde no país devem estar atentos para este fato e desenvolver estratégias de rede de Atenção a Saúde do Idoso dentro da atenção primária a saúde de forma mais efetiva. Isso representa um grande desafio para o sistema de saúde que poderá ter seus leitos hospitalares bloqueados com o modelo hospitalocêntrico e, pior, sem responder adequadamente às necessidades de saúde desta população. Bibliografia: 1. DATASUS. Movimento de Autorização de Internação Hospitalar - Janeiro a Dezembro de 2001. DATASUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. (CDs- ROM). -4500-3600-2700-1800-90009001800270036004500 00-04anos 10-14 anos 20-24 anos 30-34 anos 40-44 anos 50-54 anos 60-64 anos 70-74 anos 80 + anos Pirâmide Populacional Dez Anos antes masculina -10000 0 10000 00-04anos 10-14 anos 20-24 anos 30-34 anos 40-44 anos 50-54 anos 60-64 anos 70-74 anos 80 + anos Pirâmide Populacional Ano atual masculina