SlideShare uma empresa Scribd logo
DEMÊNCIAS Rubens De Fraga Júnior 10 de outubro de 2007
DEFINIÇÃO “ INSUFICIÊNCIA IRREVERSÍVEL DO CÉREBRO CAUSANDO COMPROMETIMENTO COGNITIVO” DSM IV NINCDS
COGNIÇÃO Funções mentais: Atenção Iniciativa Memória Linguagem Cálculo   Praxia Funções executivas Capacidade Visuoespacial Orientação tempo e espaço
DEFINIÇÃO DSM IV Comprometimento cognitivo irreversível e progressivo afetando a memória e pelo menos outra área da cognição, não ocorrendo por doença sistêmica ou do humor, afetando o funcionamento diário do paciente.
Outras definições de demência Declínio crônico e progressivo do intelecto e/ou comportamento que causa restrição gradual das AVDs, não relacionados a mudanças do nível de alerta, mobilidade ou sensório.
Definição prática de Demência Deterioração progressiva e anormal de pelo menos duas áreas das funções cognitivas, comprometendo a vida diária do paciente, não sendo causada por doença do humor ou delirium.
Incidência < 1 % das pessoas abaixo de  65 anos 10-15 % das pessoas acima de  65 anos 4-20  % entre 65 e 75 anos 15-30 % entre  75 e 85 anos >35  % acima da idade de 85 anos
Graus do declínio cognitivo Normal, declínio cognitivo associado à idade Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) Demência Problemas em se estabelecer o que é normal
Continuum Cognitivo Comprometimento Cognitivo Leve Normal Doença de Alzheimer
Declínio Cognitivo Normal versus Demência Função Cognitiva declina com a idade: Lentificação da curva de aprendizagem Lentificação do tempo de reação Diminuição da memória fluida e das funções frontais  Mantém vocabulário e as estruturas gramaticais Quando comparamos com adultos jovens
CCL vs. Demência CCL: Déficit de memória isolado que não afeta as aivds. Ausência de outros déficits cognitivos. 10 a 30% das pessoas com CCL desenvolvem demência entre  1-2 anos. 25% dos sujeitos com CCL não desenvolverão demência em  10 anos.
Tratamento do CCL Não existe tratamento eficaz. O importante é tratar os fatores de risco do declínio cognitivo : Hipertensão, diabetes, outras anormalidades metabólicas, déficits vitamínicos, isolamento, depressão e abuso do álcool. Medidas preventivas com Ainh, Gingko e vitamina E não são eficazes.
Demência 10% Doença de Alzheimer -Vascular Doença de Alzheimer (DA) 53% 8% Demência vascular 8% Demência  Fronto-temporal 6% Outras 5% DCL 10% DA + DCL
DIGA A CAUSA DA DEMÊNCIA Uma mulher de 84 anos com FA mostra declínio cognitivo em degraus, agora apresenta dificuldade para caminhar  Piloto com 66 anos não consegue nomear uma flor, mas ainda cosegue pilotar com pequena dificuldade. Ele parece se isolar e faz a barba várias vezes ao dia .  Homem de 78 anos, professor, não consegue nomear a escola que ensinou por 20 anos. Agora ele tem se perdido pelas ruas próximas a sua casa 60 anos de idade, mulher, desenvolveu confusão,mioclonia, após um transplante de córnea  Mulher de 68 anos de idade, fez gastrectomia parcial há 10 anos atrás esta confusa, isolada
Surpresas agradáveis Depressão Iatrogênica ( anticolinérgicos, sedativos, narcóticos, bloqueadores  H2 , polifarmácia) Hipotireoidismo Deficiência de B12 Neurosífilis Demência alcoólica Hidrocefalia de pressão normal Hematoma subdural Outros
Diagnóstico História e exame clínico Testagem cognitiva Excluir outras causas de comprometimento cognitivo Exames complementares: Sangue  ( função renal e hepática, B12, Hemograma, Folate, TSH, VDRL, cálcio, electrólitos, medicamentos ) Imagem(TC ou RNM, e SPECT)
História e exame clínico (I) Análise do sintoma atual: Fatores relevantes: Início dos sintomas  Evolução Impacto nas Aivds e Avds História a partir de outros informantes
História (II) Pergunte sobre atividades que envolvem outras funções cognitivas  e provável modificações na personalidade : Dirigir  (visuoespacial , julgamento , atenção)  Interação social  (iniciação, funções frontais) Orientação  (tempo e espaço) Dificuldades de encontrar palavras   (Pergunte e observe o fluxo das palavras)  Fazer compras ou banco  (cálculo, funções executivas) Mudanças no caráter   (irritabilidade, paranóia)
História (III) AMP: Trauma de cabeça Depressão Diabetes Hipertensão AVE e outras doenças neurológicas Álcool, tabagismo e medicamentos Doença metabólica, renal, respiratória, cardíaca e tireoidiana.
História (IV) HISTÓRIA FAMILIAR DE DEMÊNCIA
Exame Físico Exame Neurológico completo: Déficits motores e sensitivos Sinais de parkinsonismo: Facie marmórea, pill rolling tremor de repouso, rigidez, roda denteada, festinação, micrografia Exame Geral: Hipertensão e doença cardíaca Tireóide e doença metabólica
Testagem cognitiva (I) Fatores que influenciam o performance cognitivo: IDADE ANOS DE EDUCAÇÃO LINGUAGEM
Testagem Cognitiva (II) Tipos de testagem: Informal Formal: Testes diagnósticos Assegure que o teste é apropriado
Testagem Cognitiva (III) Testes de Triagem: Mini Exame do Estado Mental (MEEM):  Escore 30/30. “Normal”- escores variam com idade e anos de educação. Teste do relógio
MEEM Orientação no tempo e espaço: 5 pontos cada Registro: 3 pontos Cálculo ou soletrar ao contrário: 5 pontos Recordação de curto prazo: 3 pontos Linguagem: 5 pontos Praxias: 3 pontos Visuoespacial: 1 ponto
MEEM Não testam funções executivas e frontais Testagem pobre da habilidade visuoespacial Escores estandartizados para idade e anos de educação O teste de triagem para demência mais utilizado Leva de 15 a 20 minutos para ser aplicado
 
 
Interpretação do MEEM <24 altamente escolarizado: possível Demência <18 ensino fundamental : possível Demência <14 Analfabeto : possível Demência
MEEM e Progressão da DA   Comprometimento Cognitivo Leve  (pré-clinico)    MMSE: 26–30   Demência Leve  ( 1–3  anos apartir do início dos sintomas)     MMSE: 22–28   Demência Moderada ( 2–8 anos)    MMSE: 10–21   Demência Severa (6–12 anos)    MMSE: 0–9
Teste do relógio Testa funções executivas Testa habilidade visuoespacial Dificuldades na avaliação Leva poucos minutos para aplicação
Desenho do relógio Colocar os números na posição correta Colocar os ponteiros na posição indicada
 
 
 
Testagem cognitiva (IV) Testes diagnósticos: Testes de memória Testes cognitivos globais: Memória, atenção, visuoespacial, praxia, linguagem, pensamento abstrato, conceitualização, cálculo Testes para funções executivas
Quando indicar testagem neuropsicológica? Quando o diagnóstico diferencial é complexo, por exemplo diferenciar depressão de demência Comprometimentos “muito leves” Pode auxiliar na determinação da “competencia” Pode ter utilidade no “manejo” e nas orientações para os familiares
Tipos de Demência Doença de Alzheimer (DA) Demência de Corpos de Lewy (DCL)  Vascular Mista Demência Fronto-temporal Outras Demências neurodegenerativas e mistas são as mais frequentes
Demência neurodegenerativa (I) Doença de Alzheimer :   Perda progressiva das funções cognitivas :    Déficits proeminentes de memória  , frequentemente a queixa principal , seguidas de déficits de iniciativa e visuoespacial  Déficits de linguagem : Dificuldade de encontrar palavras , compreensão, fala vazia, parafrazear. Julgamento, abstração, funções executivas (não consegue avaliar riscos, Dirigir)
Prevalência da DA Adapted from Evans et al., 1989; Hebert et al., 1995 DA (%) Idade (anos) 70 60 50 40 30 20 10 0 65 70 75 80 85 90
Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Dartigues and Orgogozo, 2000;  Lannfelt, 1996; Mullan, 2000; Geerlings et al., 1999   Fatores causais em idade precoce  DA (<65): Mutações cromossômicas: cromossomas 1, 14, 19, 21
Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Fatore de risco estabelecidos * Aumento da idade Genótipo ApoE4 Síndrome de Down Trauma prévio de cabeça Hipertensão e outros fatores de risco Baixo nível educacional
Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Fatores de risco especulativos Sexo feminino tabagismo Doença vascular
Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Possivelmente protetores Consumo moderado de vinho Genotipagem ApoE2  Alto grau educacional
Curso Clínico da DA (I) Início insidioso e progressão lenta por anos  Apresentação inicial mais frequente, são queixas de memória notada pelos pacientes ou familiares  Dificuldades de linguagem,  não conseguir lembrar as palavras. Iniciativa, orientação, visuoespacial, cálculo, conceitualização e outras funções executivas deterioram progressivamente.
Curso clínico da DA (II) Anormalidades comportamentais podem aparecer precocemente ou aparecer tardiamente. Comportamento paranóide Prosapognosia Agitação Vagância
Curso clínico da DA(III) Deterioração cognitiva progride e afeta todas as áreas da cognição. Aivds pioram progressivamente (dirigir, telefonar, fazer o banco)  Nas fases moderadas a severas o paciente não realiza Avds. No estágio final a doença compromete todas as funções cerebrais.
Neuroimagem Inicia com atrofia hipocampal e do córtex entorrinal. Associada ao genótipo ApoE4 em idosos. Associada com a  presenilina 1 e 2 nos adultos jovens.
 
 
Diferenciando DA da DFT   DA:  Memória, linguagem, visuoespacial,  indiferença, paranóia, agitação Demência Fronto-temporal:  alteração de personalidade, Disfunção executiva, hiperoralidade, preserva tarefas visuoespaciais
Diferenciando DCL e Vascular DCL:  Alucinações visuais, Delírios, parkinsonismo, Flutuações dos sintomas, sensibilidade a antipsicóticos Vascular:  início abrupto, deterioração em degraus, afasia proeminente, sintomas motores
Tratamento Corrigir anormalidades bioquímicas  (TSH, B12, Folato) Inibidores de acetilcolinesterase Alta disponibilidade de acetilcolina na fenda sináptica Agentes modificadores de doença, não curam! Donepezila. Uma dose diária Rivastigmina. Duas vezes ao dia Galantamina. Duas vezes ao dia
Inibidores da Acetilcolinesterase Indicados em demências degenerativas e mistas Leves efeitos GI (náusea, desconforto abdominal). CI em pacientes distúrbios severos de condução cardíaca, ou comprometimento respiratório. Melhora nas atividades da vida diária, não melhoram a memória.  Podem melhorar problemas comportamentais
Efeitos do Donepezila na cognição:  Mudança da ADAS-Cog Rogers et al., 1998 ITT-LOCF analysis *p<0.0012; **p<0.0007; ***p<0.0001 vs placebo Placebo washout Semanas de terapia 0  6  12  18  24 30 mudança  ADAS-Cog   – 3 – 2 – 1 0 1 2 3 4 *** ** *** * *** *** 10 mg/dia (n=157) 5 mg/dia(n=154) Placebo (n=162) Declíno Melhora
MEMANTINA Aprovada pelo FDA Para as formas moderadas a severas de D.A. ANTAGONISTA NMDA Terapia combinada
Outros tratamentos Vit E 2000 u/dia:  Antioxidante. Risco de sangramento. Sem eficácia comprovada na cognição. Anti-inflamatórios: sem eficácia comprovada. Ginko:  sem eficácia.
Controle Comportamental
O que são SCPD? Sintomas comportamentais e psicológicos da Demência  (SCPD) são definidos pela International Psychogeriatric Association (IPA) como: Sintomas comportamentais  : agitação , agressão física, gritar , vagância , comportamentos culturalmente inapropriados , desinibição sexual  Sintomas Psicológicos  :Humor Depressivo , alucinações e Delírios www.ipa-online.org
CAUSAS DE SCPD Físicas medicamentos (especialmente  delirium) Comprometimento visual / auditivo Fadiga Dor constipação/ Infecção do trato urinário  OBS:  Devido a dificuldade de comunicação, as queixas são difíceis de serem relatadas
CAUSAS DE SCPD Ambiental Modificação / ou ambiente novo Muita / pouca estimulação Falta de pontos para orientação Pouca luminosidade Ambiente restritivo/ sem áreas para circular Temperatura / muito quente ou frio
Controle Comportamental Técnicas de modificação comportamental Ambientoterapia
Controle comportamental Inibidores colinesterásicos Ansiolíticos Trazodona Buspirona Neurolépticos Típicos Atípicos Precauções “Black box”
 
O melhor número de medicamentos para se usar é  ZERO  (ou as vezes um)
ATENÇÃO FAÇA     NÃO Fique calmo e relaxado  Mostre medo/ansiedade Aborde com respeito  Grite ou aumente a voz Chamando pelo nome  mostre desrespeito Mantenha sua dignidade  faça piadas / contenção Retire pessoas da sala  mantenha curiosos perto Crie um espaço pessoal  coloque num canto  Escute, reassegure  Seja autoritário  Mostre sentimentos de  agradecimento
RESUMINDO
COMO GERENCIAR A DA Avalie AVDs e AIVDs Estado cognitivo Outras doenças (Comorbidades) Comportamentos Siga reavaliando o paciente de 6 em 6 meses Identifique  e avalie o cuidador Avaliar a capacidade de tomar decisões
COMO GERENCIAR A DA Desenvolva e implemente o Plano Considere um Inibidor Colinesterásico Trate as co-morbidades Encaminhe para centros-dia Trate problemas comportamentais e transtornos de humor Medidas não farmacológicas Agentes farmacológicos Encaminhar o cuidador para suporte Considere a ABRAz
Educação e Suporte do paciente e cuidador Discutir o Diagnóstico e a progressão da DA Encaminhar a organizações de suporte Grupos de auto-ajuda ABRAz Discutir as diretivas avançadas
ESTRESSE EM CUIDADORES 10 sinais de estresse : 1. Negação 2. Raiva 3. Isolamento Social 4. Ansiedade 5. Depressão
ESTRESSE EM CUIDADORES 10 sinais :(continuação) 6. Exaustão 7. Sonolência excessiva 8. Irritabilidade 9. Falta de Concentração 10. Problemas de Saúde
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!  Rubens De Fraga Júnior [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoAlzheimer atualizado
Alzheimer atualizado
Misterios10
 
demencia-vascular
demencia-vasculardemencia-vascular
demencia-vascular
v1c7or1n0
 
DEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
DEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTODEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
DEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
Rubens Junior
 
Delirium
DeliriumDelirium
Delirium
Edienny Viana
 
Trabalho de alzheimer
Trabalho de alzheimerTrabalho de alzheimer
Trabalho de alzheimer
Zilda Souza
 
Doença alzheimer
Doença alzheimerDoença alzheimer
Doença alzheimer
Isolete Bagatoli
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
Lampsi
 
Depressao no idoso
Depressao no idosoDepressao no idoso
Depressao no idoso
Isabel Teixeira
 
Neuropatias Periféricas
Neuropatias PeriféricasNeuropatias Periféricas
Neuropatias Periféricas
Dr. Rafael Higashi
 
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamentoDoença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
adonems
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Aroldo Gavioli
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da CefaléiasIntrodução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Dr. Rafael Higashi
 
Avaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica amplaAvaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica ampla
Diego Rezende
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
Hamilton Lima
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Afeto e suas alterações
Afeto e suas alteraçõesAfeto e suas alterações
Afeto e suas alterações
Caio Maximino
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
DNAses
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
Aline Lima
 
Transtornos mentais na infância e adolescência
Transtornos mentais na infância e adolescênciaTranstornos mentais na infância e adolescência
Transtornos mentais na infância e adolescência
USP
 

Mais procurados (20)

Alzheimer atualizado
Alzheimer atualizadoAlzheimer atualizado
Alzheimer atualizado
 
demencia-vascular
demencia-vasculardemencia-vascular
demencia-vascular
 
DEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
DEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTODEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
DEMENCIAS E ALZHEIMER DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO
 
Delirium
DeliriumDelirium
Delirium
 
Trabalho de alzheimer
Trabalho de alzheimerTrabalho de alzheimer
Trabalho de alzheimer
 
Doença alzheimer
Doença alzheimerDoença alzheimer
Doença alzheimer
 
Aula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicasAula 03 - Funções psíquicas
Aula 03 - Funções psíquicas
 
Depressao no idoso
Depressao no idosoDepressao no idoso
Depressao no idoso
 
Neuropatias Periféricas
Neuropatias PeriféricasNeuropatias Periféricas
Neuropatias Periféricas
 
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamentoDoença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
Doença de Alzheimer: diagnóstico e tratamento
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APSSaúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
Saúde Mental de Crianças: sinais de alerta para a APS
 
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da CefaléiasIntrodução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da Cefaléias
 
Avaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica amplaAvaliação geriátrica ampla
Avaliação geriátrica ampla
 
Epilepsia
EpilepsiaEpilepsia
Epilepsia
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Afeto e suas alterações
Afeto e suas alteraçõesAfeto e suas alterações
Afeto e suas alterações
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Mal de alzheimer
Mal de alzheimerMal de alzheimer
Mal de alzheimer
 
Transtornos mentais na infância e adolescência
Transtornos mentais na infância e adolescênciaTranstornos mentais na infância e adolescência
Transtornos mentais na infância e adolescência
 

Destaque

Demencia
DemenciaDemencia
Demencias
DemenciasDemencias
Demencias
linamariasp
 
Demencias
DemenciasDemencias
Demencias
DemenciasDemencias
Demencias
GRUPO D MEDICINA
 
Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
Sofia Luna
 
(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)
(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)
(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)
UDMAFyC SECTOR ZARAGOZA II
 
Demencia slideshare
Demencia slideshareDemencia slideshare
Demencia slideshare
Juan Esteban Lopez David
 

Destaque (7)

Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
 
Demencias
DemenciasDemencias
Demencias
 
Demencias
DemenciasDemencias
Demencias
 
Demencias
DemenciasDemencias
Demencias
 
Demencia
DemenciaDemencia
Demencia
 
(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)
(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)
(2013-01-16) DEMENCIAS (PPT)
 
Demencia slideshare
Demencia slideshareDemencia slideshare
Demencia slideshare
 

Semelhante a Demências diagnótico & tratamento

demencia.pptx
demencia.pptxdemencia.pptx
demencia.pptx
Joseanaazevedo2
 
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEMCURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
IsabelaVarjo
 
Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.
Solange Leite
 
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
KarinaErthal
 
mapa sindromes demenciais nos idosos.pdf
mapa sindromes demenciais nos idosos.pdfmapa sindromes demenciais nos idosos.pdf
mapa sindromes demenciais nos idosos.pdf
maia20piaui
 
Queixa de memória vrmedcare
Queixa de memória vrmedcareQueixa de memória vrmedcare
Queixa de memória vrmedcare
Vr Medcare
 
Cuidador de idoso_26
Cuidador de idoso_26Cuidador de idoso_26
Cuidador de idoso_26
Liberty Ensino
 
Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.
Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.
Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.
RenataPinto44
 
DEPRESSAO.pptx
DEPRESSAO.pptxDEPRESSAO.pptx
DEPRESSAO.pptx
RafaelLoureno59
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Tatiane Ghisi Mendes
 
demecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docxdemecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docx
IsabelCristinaAlmeid5
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
caduanselmi
 
Síndromes demênciais
Síndromes demênciaisSíndromes demênciais
Síndromes demênciais
ilanaseixasladeia
 
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
Alexandre Simoes
 
Alzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docxAlzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docx
IsabelCristinaAlmeid5
 
Alzheimer
Alzheimer Alzheimer
Alzheimer
KarolaineSantos
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira
Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura BrasileiraDelirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira
Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Demência e depressão etiologia, tratamento e manejo
Demência e depressão etiologia, tratamento e manejoDemência e depressão etiologia, tratamento e manejo
Demência e depressão etiologia, tratamento e manejo
KevinGabriell
 
TDAH - aula 1
TDAH - aula 1TDAH - aula 1
TDAH - aula 1
viasdosaber
 

Semelhante a Demências diagnótico & tratamento (20)

demencia.pptx
demencia.pptxdemencia.pptx
demencia.pptx
 
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEMCURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
CURSO_DE_VERAO_AULA_DE- ALZHEIMER-DNFERMAGEM
 
Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.
 
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
 
mapa sindromes demenciais nos idosos.pdf
mapa sindromes demenciais nos idosos.pdfmapa sindromes demenciais nos idosos.pdf
mapa sindromes demenciais nos idosos.pdf
 
Queixa de memória vrmedcare
Queixa de memória vrmedcareQueixa de memória vrmedcare
Queixa de memória vrmedcare
 
Cuidador de idoso_26
Cuidador de idoso_26Cuidador de idoso_26
Cuidador de idoso_26
 
Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.
Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.
Tipos de demência, no idoso e fatores de risco.
 
DEPRESSAO.pptx
DEPRESSAO.pptxDEPRESSAO.pptx
DEPRESSAO.pptx
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
demecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docxdemecia em idosos grupo 2.docx
demecia em idosos grupo 2.docx
 
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
Medicina Nuclear - Cérebro (Graduação)
 
Síndromes demênciais
Síndromes demênciaisSíndromes demênciais
Síndromes demênciais
 
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
PSICOPATOLOGIA II: Aula 03 (CID-10 – F00 a F09)
 
Alzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docxAlzheimer grupo 1.docx
Alzheimer grupo 1.docx
 
Alzheimer
Alzheimer Alzheimer
Alzheimer
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira
Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura BrasileiraDelirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira
Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira
 
Demência e depressão etiologia, tratamento e manejo
Demência e depressão etiologia, tratamento e manejoDemência e depressão etiologia, tratamento e manejo
Demência e depressão etiologia, tratamento e manejo
 
TDAH - aula 1
TDAH - aula 1TDAH - aula 1
TDAH - aula 1
 

Mais de Rubens De Fraga Junior

ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVELENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
Rubens De Fraga Junior
 
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demências
Rubens De Fraga Junior
 
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSODEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
Rubens De Fraga Junior
 
DELIRIUM NO IDOSO
DELIRIUM NO IDOSODELIRIUM NO IDOSO
DELIRIUM NO IDOSO
Rubens De Fraga Junior
 
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTEA IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
Rubens De Fraga Junior
 
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De AgostoVitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Rubens De Fraga Junior
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
Rubens De Fraga Junior
 
Qualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na MaturidadeQualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na Maturidade
Rubens De Fraga Junior
 
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
Rubens De Fraga Junior
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
Rubens De Fraga Junior
 
SAÚDE NA INTERNET
SAÚDE NA INTERNETSAÚDE NA INTERNET
SAÚDE NA INTERNET
Rubens De Fraga Junior
 
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICAWEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
Rubens De Fraga Junior
 
disturbios do sono no idoso
disturbios do sono no idosodisturbios do sono no idoso
disturbios do sono no idoso
Rubens De Fraga Junior
 

Mais de Rubens De Fraga Junior (13)

ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVELENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
 
Transtornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demênciasTranstornos comportamentais em demências
Transtornos comportamentais em demências
 
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSODEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
DEPRESSÃO NO PACIENTE IDOSO
 
DELIRIUM NO IDOSO
DELIRIUM NO IDOSODELIRIUM NO IDOSO
DELIRIUM NO IDOSO
 
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTEA IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
 
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De AgostoVitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
Vitaminas E Fitoterapicos Quando E Como Usar 14 De Agosto
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
 
Qualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na MaturidadeQualidade De Vida Na Maturidade
Qualidade De Vida Na Maturidade
 
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
O ACESSO A INFORMAÇÃO DE SAÚDE & A WEB 2.0
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
 
SAÚDE NA INTERNET
SAÚDE NA INTERNETSAÚDE NA INTERNET
SAÚDE NA INTERNET
 
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICAWEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
WEB 2.0 E A PRATICA MÉDICA
 
disturbios do sono no idoso
disturbios do sono no idosodisturbios do sono no idoso
disturbios do sono no idoso
 

Demências diagnótico & tratamento

  • 1. DEMÊNCIAS Rubens De Fraga Júnior 10 de outubro de 2007
  • 2. DEFINIÇÃO “ INSUFICIÊNCIA IRREVERSÍVEL DO CÉREBRO CAUSANDO COMPROMETIMENTO COGNITIVO” DSM IV NINCDS
  • 3. COGNIÇÃO Funções mentais: Atenção Iniciativa Memória Linguagem Cálculo Praxia Funções executivas Capacidade Visuoespacial Orientação tempo e espaço
  • 4. DEFINIÇÃO DSM IV Comprometimento cognitivo irreversível e progressivo afetando a memória e pelo menos outra área da cognição, não ocorrendo por doença sistêmica ou do humor, afetando o funcionamento diário do paciente.
  • 5. Outras definições de demência Declínio crônico e progressivo do intelecto e/ou comportamento que causa restrição gradual das AVDs, não relacionados a mudanças do nível de alerta, mobilidade ou sensório.
  • 6. Definição prática de Demência Deterioração progressiva e anormal de pelo menos duas áreas das funções cognitivas, comprometendo a vida diária do paciente, não sendo causada por doença do humor ou delirium.
  • 7. Incidência < 1 % das pessoas abaixo de 65 anos 10-15 % das pessoas acima de 65 anos 4-20 % entre 65 e 75 anos 15-30 % entre 75 e 85 anos >35 % acima da idade de 85 anos
  • 8. Graus do declínio cognitivo Normal, declínio cognitivo associado à idade Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) Demência Problemas em se estabelecer o que é normal
  • 9. Continuum Cognitivo Comprometimento Cognitivo Leve Normal Doença de Alzheimer
  • 10. Declínio Cognitivo Normal versus Demência Função Cognitiva declina com a idade: Lentificação da curva de aprendizagem Lentificação do tempo de reação Diminuição da memória fluida e das funções frontais Mantém vocabulário e as estruturas gramaticais Quando comparamos com adultos jovens
  • 11. CCL vs. Demência CCL: Déficit de memória isolado que não afeta as aivds. Ausência de outros déficits cognitivos. 10 a 30% das pessoas com CCL desenvolvem demência entre 1-2 anos. 25% dos sujeitos com CCL não desenvolverão demência em 10 anos.
  • 12. Tratamento do CCL Não existe tratamento eficaz. O importante é tratar os fatores de risco do declínio cognitivo : Hipertensão, diabetes, outras anormalidades metabólicas, déficits vitamínicos, isolamento, depressão e abuso do álcool. Medidas preventivas com Ainh, Gingko e vitamina E não são eficazes.
  • 13. Demência 10% Doença de Alzheimer -Vascular Doença de Alzheimer (DA) 53% 8% Demência vascular 8% Demência Fronto-temporal 6% Outras 5% DCL 10% DA + DCL
  • 14. DIGA A CAUSA DA DEMÊNCIA Uma mulher de 84 anos com FA mostra declínio cognitivo em degraus, agora apresenta dificuldade para caminhar Piloto com 66 anos não consegue nomear uma flor, mas ainda cosegue pilotar com pequena dificuldade. Ele parece se isolar e faz a barba várias vezes ao dia . Homem de 78 anos, professor, não consegue nomear a escola que ensinou por 20 anos. Agora ele tem se perdido pelas ruas próximas a sua casa 60 anos de idade, mulher, desenvolveu confusão,mioclonia, após um transplante de córnea Mulher de 68 anos de idade, fez gastrectomia parcial há 10 anos atrás esta confusa, isolada
  • 15. Surpresas agradáveis Depressão Iatrogênica ( anticolinérgicos, sedativos, narcóticos, bloqueadores H2 , polifarmácia) Hipotireoidismo Deficiência de B12 Neurosífilis Demência alcoólica Hidrocefalia de pressão normal Hematoma subdural Outros
  • 16. Diagnóstico História e exame clínico Testagem cognitiva Excluir outras causas de comprometimento cognitivo Exames complementares: Sangue ( função renal e hepática, B12, Hemograma, Folate, TSH, VDRL, cálcio, electrólitos, medicamentos ) Imagem(TC ou RNM, e SPECT)
  • 17. História e exame clínico (I) Análise do sintoma atual: Fatores relevantes: Início dos sintomas Evolução Impacto nas Aivds e Avds História a partir de outros informantes
  • 18. História (II) Pergunte sobre atividades que envolvem outras funções cognitivas e provável modificações na personalidade : Dirigir (visuoespacial , julgamento , atenção) Interação social (iniciação, funções frontais) Orientação (tempo e espaço) Dificuldades de encontrar palavras (Pergunte e observe o fluxo das palavras) Fazer compras ou banco (cálculo, funções executivas) Mudanças no caráter (irritabilidade, paranóia)
  • 19. História (III) AMP: Trauma de cabeça Depressão Diabetes Hipertensão AVE e outras doenças neurológicas Álcool, tabagismo e medicamentos Doença metabólica, renal, respiratória, cardíaca e tireoidiana.
  • 20. História (IV) HISTÓRIA FAMILIAR DE DEMÊNCIA
  • 21. Exame Físico Exame Neurológico completo: Déficits motores e sensitivos Sinais de parkinsonismo: Facie marmórea, pill rolling tremor de repouso, rigidez, roda denteada, festinação, micrografia Exame Geral: Hipertensão e doença cardíaca Tireóide e doença metabólica
  • 22. Testagem cognitiva (I) Fatores que influenciam o performance cognitivo: IDADE ANOS DE EDUCAÇÃO LINGUAGEM
  • 23. Testagem Cognitiva (II) Tipos de testagem: Informal Formal: Testes diagnósticos Assegure que o teste é apropriado
  • 24. Testagem Cognitiva (III) Testes de Triagem: Mini Exame do Estado Mental (MEEM): Escore 30/30. “Normal”- escores variam com idade e anos de educação. Teste do relógio
  • 25. MEEM Orientação no tempo e espaço: 5 pontos cada Registro: 3 pontos Cálculo ou soletrar ao contrário: 5 pontos Recordação de curto prazo: 3 pontos Linguagem: 5 pontos Praxias: 3 pontos Visuoespacial: 1 ponto
  • 26. MEEM Não testam funções executivas e frontais Testagem pobre da habilidade visuoespacial Escores estandartizados para idade e anos de educação O teste de triagem para demência mais utilizado Leva de 15 a 20 minutos para ser aplicado
  • 27.  
  • 28.  
  • 29. Interpretação do MEEM <24 altamente escolarizado: possível Demência <18 ensino fundamental : possível Demência <14 Analfabeto : possível Demência
  • 30. MEEM e Progressão da DA Comprometimento Cognitivo Leve (pré-clinico)    MMSE: 26–30 Demência Leve ( 1–3 anos apartir do início dos sintomas)     MMSE: 22–28 Demência Moderada ( 2–8 anos)    MMSE: 10–21 Demência Severa (6–12 anos)    MMSE: 0–9
  • 31. Teste do relógio Testa funções executivas Testa habilidade visuoespacial Dificuldades na avaliação Leva poucos minutos para aplicação
  • 32. Desenho do relógio Colocar os números na posição correta Colocar os ponteiros na posição indicada
  • 33.  
  • 34.  
  • 35.  
  • 36. Testagem cognitiva (IV) Testes diagnósticos: Testes de memória Testes cognitivos globais: Memória, atenção, visuoespacial, praxia, linguagem, pensamento abstrato, conceitualização, cálculo Testes para funções executivas
  • 37. Quando indicar testagem neuropsicológica? Quando o diagnóstico diferencial é complexo, por exemplo diferenciar depressão de demência Comprometimentos “muito leves” Pode auxiliar na determinação da “competencia” Pode ter utilidade no “manejo” e nas orientações para os familiares
  • 38. Tipos de Demência Doença de Alzheimer (DA) Demência de Corpos de Lewy (DCL) Vascular Mista Demência Fronto-temporal Outras Demências neurodegenerativas e mistas são as mais frequentes
  • 39. Demência neurodegenerativa (I) Doença de Alzheimer : Perda progressiva das funções cognitivas : Déficits proeminentes de memória , frequentemente a queixa principal , seguidas de déficits de iniciativa e visuoespacial Déficits de linguagem : Dificuldade de encontrar palavras , compreensão, fala vazia, parafrazear. Julgamento, abstração, funções executivas (não consegue avaliar riscos, Dirigir)
  • 40. Prevalência da DA Adapted from Evans et al., 1989; Hebert et al., 1995 DA (%) Idade (anos) 70 60 50 40 30 20 10 0 65 70 75 80 85 90
  • 41. Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Dartigues and Orgogozo, 2000; Lannfelt, 1996; Mullan, 2000; Geerlings et al., 1999 Fatores causais em idade precoce DA (<65): Mutações cromossômicas: cromossomas 1, 14, 19, 21
  • 42. Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Fatore de risco estabelecidos * Aumento da idade Genótipo ApoE4 Síndrome de Down Trauma prévio de cabeça Hipertensão e outros fatores de risco Baixo nível educacional
  • 43. Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Fatores de risco especulativos Sexo feminino tabagismo Doença vascular
  • 44. Fatores que influenciam o desenvolvimento da DA Possivelmente protetores Consumo moderado de vinho Genotipagem ApoE2 Alto grau educacional
  • 45. Curso Clínico da DA (I) Início insidioso e progressão lenta por anos Apresentação inicial mais frequente, são queixas de memória notada pelos pacientes ou familiares Dificuldades de linguagem, não conseguir lembrar as palavras. Iniciativa, orientação, visuoespacial, cálculo, conceitualização e outras funções executivas deterioram progressivamente.
  • 46. Curso clínico da DA (II) Anormalidades comportamentais podem aparecer precocemente ou aparecer tardiamente. Comportamento paranóide Prosapognosia Agitação Vagância
  • 47. Curso clínico da DA(III) Deterioração cognitiva progride e afeta todas as áreas da cognição. Aivds pioram progressivamente (dirigir, telefonar, fazer o banco) Nas fases moderadas a severas o paciente não realiza Avds. No estágio final a doença compromete todas as funções cerebrais.
  • 48. Neuroimagem Inicia com atrofia hipocampal e do córtex entorrinal. Associada ao genótipo ApoE4 em idosos. Associada com a presenilina 1 e 2 nos adultos jovens.
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. Diferenciando DA da DFT DA: Memória, linguagem, visuoespacial, indiferença, paranóia, agitação Demência Fronto-temporal: alteração de personalidade, Disfunção executiva, hiperoralidade, preserva tarefas visuoespaciais
  • 52. Diferenciando DCL e Vascular DCL: Alucinações visuais, Delírios, parkinsonismo, Flutuações dos sintomas, sensibilidade a antipsicóticos Vascular: início abrupto, deterioração em degraus, afasia proeminente, sintomas motores
  • 53. Tratamento Corrigir anormalidades bioquímicas (TSH, B12, Folato) Inibidores de acetilcolinesterase Alta disponibilidade de acetilcolina na fenda sináptica Agentes modificadores de doença, não curam! Donepezila. Uma dose diária Rivastigmina. Duas vezes ao dia Galantamina. Duas vezes ao dia
  • 54. Inibidores da Acetilcolinesterase Indicados em demências degenerativas e mistas Leves efeitos GI (náusea, desconforto abdominal). CI em pacientes distúrbios severos de condução cardíaca, ou comprometimento respiratório. Melhora nas atividades da vida diária, não melhoram a memória. Podem melhorar problemas comportamentais
  • 55. Efeitos do Donepezila na cognição: Mudança da ADAS-Cog Rogers et al., 1998 ITT-LOCF analysis *p<0.0012; **p<0.0007; ***p<0.0001 vs placebo Placebo washout Semanas de terapia 0 6 12 18 24 30 mudança ADAS-Cog – 3 – 2 – 1 0 1 2 3 4 *** ** *** * *** *** 10 mg/dia (n=157) 5 mg/dia(n=154) Placebo (n=162) Declíno Melhora
  • 56. MEMANTINA Aprovada pelo FDA Para as formas moderadas a severas de D.A. ANTAGONISTA NMDA Terapia combinada
  • 57. Outros tratamentos Vit E 2000 u/dia: Antioxidante. Risco de sangramento. Sem eficácia comprovada na cognição. Anti-inflamatórios: sem eficácia comprovada. Ginko: sem eficácia.
  • 59. O que são SCPD? Sintomas comportamentais e psicológicos da Demência (SCPD) são definidos pela International Psychogeriatric Association (IPA) como: Sintomas comportamentais : agitação , agressão física, gritar , vagância , comportamentos culturalmente inapropriados , desinibição sexual Sintomas Psicológicos :Humor Depressivo , alucinações e Delírios www.ipa-online.org
  • 60. CAUSAS DE SCPD Físicas medicamentos (especialmente delirium) Comprometimento visual / auditivo Fadiga Dor constipação/ Infecção do trato urinário OBS: Devido a dificuldade de comunicação, as queixas são difíceis de serem relatadas
  • 61. CAUSAS DE SCPD Ambiental Modificação / ou ambiente novo Muita / pouca estimulação Falta de pontos para orientação Pouca luminosidade Ambiente restritivo/ sem áreas para circular Temperatura / muito quente ou frio
  • 62. Controle Comportamental Técnicas de modificação comportamental Ambientoterapia
  • 63. Controle comportamental Inibidores colinesterásicos Ansiolíticos Trazodona Buspirona Neurolépticos Típicos Atípicos Precauções “Black box”
  • 64.  
  • 65. O melhor número de medicamentos para se usar é ZERO (ou as vezes um)
  • 66. ATENÇÃO FAÇA NÃO Fique calmo e relaxado Mostre medo/ansiedade Aborde com respeito Grite ou aumente a voz Chamando pelo nome mostre desrespeito Mantenha sua dignidade faça piadas / contenção Retire pessoas da sala mantenha curiosos perto Crie um espaço pessoal coloque num canto Escute, reassegure Seja autoritário Mostre sentimentos de agradecimento
  • 68. COMO GERENCIAR A DA Avalie AVDs e AIVDs Estado cognitivo Outras doenças (Comorbidades) Comportamentos Siga reavaliando o paciente de 6 em 6 meses Identifique e avalie o cuidador Avaliar a capacidade de tomar decisões
  • 69. COMO GERENCIAR A DA Desenvolva e implemente o Plano Considere um Inibidor Colinesterásico Trate as co-morbidades Encaminhe para centros-dia Trate problemas comportamentais e transtornos de humor Medidas não farmacológicas Agentes farmacológicos Encaminhar o cuidador para suporte Considere a ABRAz
  • 70. Educação e Suporte do paciente e cuidador Discutir o Diagnóstico e a progressão da DA Encaminhar a organizações de suporte Grupos de auto-ajuda ABRAz Discutir as diretivas avançadas
  • 71. ESTRESSE EM CUIDADORES 10 sinais de estresse : 1. Negação 2. Raiva 3. Isolamento Social 4. Ansiedade 5. Depressão
  • 72. ESTRESSE EM CUIDADORES 10 sinais :(continuação) 6. Exaustão 7. Sonolência excessiva 8. Irritabilidade 9. Falta de Concentração 10. Problemas de Saúde
  • 73. OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Rubens De Fraga Júnior [email_address]