Iatrogenia nos idosos

10.285 visualizações

Publicada em

iatrogenia no sidososo

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
220
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Iatrogenia nos idosos

  1. 1. IATROGENIASIATROGENIAS NOS IDOSOSNOS IDOSOS
  2. 2. DEFINIÇÃODEFINIÇÃO • Do grego: IATRO = médico GENO = que produz IA = doença • Afecção decorrente da intervenção (diagnóstica ou terapêutica) do médico e/ou dos seus auxiliares, certa ou errada, justificada ou não, resultando em conseqüências prejudiciais à saúde do paciente
  3. 3. DEFINIÇÃODEFINIÇÃO • Pode ocorrer também devido a omissão de uma conduta. • Distinguir de erro médico
  4. 4. Infelizmente pouco estudada e documentada Os serviços médicos não costumam adotar protocolos e/ou guidelines para documentar ou prevenir a iatrogenia
  5. 5. FATORES PREDISPONENTES
  6. 6. • Todo organismo sofre alterações provocadas pelo processo de envelhecimento, levando a uma maior vulnerabilidade do indivíduo a diversas formas de agressão Modificações determinadas pelo envelhecimento Fatores Predisponentes
  7. 7. • Maior número de doenças • Maior necessidade de exames diagnósticos • Maior necessidade de medicamentos • Maior chance de iatrogenias Maior incidência de processos patológicos Fatores Predisponentes
  8. 8. • Terapia intensiva • Cateterismo • Diálise • Quimioterapia Procedimentos diagnósticos e terapêuticos invasivos Fatores Predisponentes
  9. 9. Com o processo de envelhecimento ocorrem alterações na absorção, distribuição, metabolismo e eliminação dos medicamentos. Modificações na farmacocinética e farmacodinâmica Fatores Predisponentes
  10. 10. Modificações na Absorção Está diminuída nos idosos, levando a uma menor absorção dos medicamentos Fatores Predisponentes
  11. 11. Modificações na Distribuição - Distribuição: (transferência dos medicamentos do sangue para tecidos específicos). Com o envelhecimento ocorre diminuição da água corpórea (principalmente intracelular), diminuição da massa muscular, aumento da gordura, diminuição da albumina plasmática. Fatores Predisponentes
  12. 12. Isso leva a uma diminuição da distribuição das drogas e aumento da quantidade da fração livre da droga no plasma, aumentando a chance de intoxicação Fatores Predisponentes
  13. 13. Modificações no Metabolismo - Metabolismo – geral/ ocorre no fígado No idoso, as alterações que ocorrem no fígado ( diminuição do peso, diminuição do fluxo sanguíneo, alterações histológicas dos hepatócitos, alterações enzimáticas) fazem com que algumas dessas drogas tenham o seu metabolismo diminuído, com tendência ao acúmulo Fatores Predisponentes
  14. 14. Modificações na Eliminação - Eliminação – Geral/ ocorre nos rins Alterações no rim: .diminuição do peso .diminuição do número de néfrons .hialinização dos glomérulos .diminuição do fluxo plasmático renal, da filtração glomerular .alteração da capacidade de excreção tubular Fatores Predisponentes
  15. 15. Modificações na Eliminação - Eliminação – Geral/ ocorre nos rins Com isso, drogas que são eliminadas pelo rim (digoxina, alopurinol, clorpropamida, aminoglicosídeos) podem ter sua excreção diminuída e se acumular Fatores Predisponentes
  16. 16. As vezes, pequenas doses de medicamentos já surtem efeitos (benzodiazepínicos, digitálicos) Maior sensibilidade do orgão efetor
  17. 17. Uso incorreto da medicação - Pacientes com déficit visual - Pacientes com déficit de memória - Ocorre em 50% a 60% dos idosos
  18. 18. CAUSAS DECAUSAS DE IATROGENIAIATROGENIA
  19. 19. 1) CONDUTA DO MÉDICO OU DE OUTRO MEMBRO DA EQUIPE • A atitude do médico pode despertar diversas reações no paciente. • A maneira como o médico escuta, examina, solicita os exames e explica a situação ao paciente são decisivas no andar do tratamento.
  20. 20. 1) CONDUTA DO MÉDICO OU DE OUTRO MEMBRO DA EQUIPE • Se o médico não examina corretamente o paciente pode fazer um diagnóstico incorreto e submeter o paciente a exames desnecessários • A troca de informações entre os membros da equipe deve ser eficiente, pois e não houver uniformidade entre os mesmos, as condutas podem ser diferentes e prejudiciais para o paciente
  21. 21. 2) MANIPULAÇÃO DO PACIENTE2) MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICACOM FINALIDADE DIAGNÓSTICA • Os exames cada vez mais modernos (estudos radiológicos, endoscópicos, punções, biópsias, uso de contrastes, substâncias radioativas) envolvem riscos para os pacientes idosos. • Quanto mais idoso é o paciente, mais sensível é o organismo e maior é a chance de complicações.
  22. 22. Exames radiológicos • Preparo: (Laxantes, clisters) – Podem provocar desidratação, hipovolemia, hipotensão, isquemia cerebral e quedas. • Radiação: Aumentam a incidência de neoplasias. MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  23. 23. Exames radiológicos Contrastes: • O sulfato de bário, usado via oral para estudo do aparelho digestivo pode causar obstrução brônquica e vascular quando atinge essas estruturas. Deve-se evitar seu uso em casos de hemorragias digestivas e no pós-operatório de cirurgias digestivas, bem como em casos de obstrução alta do esôfago e/ou distúrbio da deglutição MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  24. 24. Exames radiológicos Contrastes: • Endovenosos – geralmente à base de iodo • podem causar: - alergia ao iodo - hipotensão - bradi ou taquicardia - disfunção renal MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  25. 25. Exames endoscópicos ou laparoscópicos • Perfuração • Hemorragia • Lesão da aorta (durante broncoscopia) • Rotura de esôfago (durante dilatação do cárdia) MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  26. 26. Puncões e biópsias • Biópsia hepática, renal, digestiva, ganglionar • Podem provocar hemorragia e infecções MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  27. 27. Cateterismo cardíaco • IAM • Arritmia • Laceração de artérias coronárias • Obstrução da artéria braquial • Infecções MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  28. 28. Manipulação de focos infeciosos • Dentários,urinários, intestinais • Podem provocar endocardite infecciosa MANIPULAÇÃO DO PACIENTE COMMANIPULAÇÃO DO PACIENTE COM FINALIDADE DIAGNÓSTICAFINALIDADE DIAGNÓSTICA
  29. 29. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS Repouso e atividade física • Repouso - •Depressão • Ansiedade •Perda dos reflexos vasomotores e posturais •Atrofia muscular •Diminuição da capacidade física •Osteoporose •Úlcera de pressão •Embolia •Atelectasia pulmonar •Infecção
  30. 30. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS • Atividade física - lesões do aparelho locomotor - complicações cardiocirculatórias
  31. 31. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS • Restrições dietéticas: - O idoso geralmente se alimenta de maneira deficiente (por isolamento social, deterioração mental, situação financeira, uso de medicamentos que tiram o apetite, dificuldade de mastigação) - Quando restringimos mais ainda a alimentação, corremos o risco de deixá-lo desnutrido e aumentar sua susceptibilidade à infecções.
  32. 32. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS • Sondagens: sonda nasogástrica ou sonda nasoenteral - pneumonia aspirativa
  33. 33. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS • Terapêutica medicamentosa: - efeitos colaterais dos medicamentos - os idosos, por usarem um grande número de medicamentos, tem uma maior chance de desenvolver efeitos colaterais. - as alterações observadas na farmacodinâmica e farmacocinética das drogas no idoso facilitam as reações adversas, que podem ser as mais variadas possíveis. - Algumas são mais frequêntes e previsíveis devido aos medicamentos mais usados por esse grupo etário
  34. 34. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS CONFUSÃO MENTAL • Hipnóticos • Tranquilizantes • Antidepressivos • Antipsicóticos • Anticolinérgicos • Anticonvulsivantes • Corticosteróides • Digitálicos • Antiparkinsonianos
  35. 35. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS DEPRESSÃO • Metildopa • Reserpina • Betabloqueadores • Clonidina • Tranquilizantes
  36. 36. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS PARKINSONISMO • Antipsicóticos • Cinarizina e afins • Reserpina • Metildopa • Metoclopramida
  37. 37. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS HIPOTENSÃO POSTURAL • Antihipertensivos • Diuréticos • Antianginosos • Antidepressivos • Antipsicóticos
  38. 38. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS QUEDAS • Hipnóticos • Tranquilizantes • Antidepressivos • Antipsicóticos • Anti-histamínicos • Anticonvulsivantes • Anti-hipertensivos • Diuréticos • Antianginosos
  39. 39. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS CONSTIPAÇÃO • Anticolinérgicos • Analgésicos • Antiácidos • Antipsicóticos • Antidepressívos
  40. 40. ALTERAÇÕES DETERMINADAS POR DROGAS INCONTINÊNCIA URINÁRIA • Hipnóticos • Tranquilizantes • Antipsicóticos • Diuréticos
  41. 41. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS • Terapêutica cirúrgica - Recentemente tem aumentado o número de cirurgia em idosos. - As alterações relacionadas ao envelhecimento predispõem os idosos a complicações durante e pós-cirurgicas. - As principais complicações:
  42. 42. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS DeliriumDelirium • Procedimento cirúrgico – stress • Anestesia • Doença de base • Estado neurológico de base • Distúrbio hidroeletrolítico e metabólico • Infecções • Analgésicos • Hipnóticos
  43. 43. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS Depressão
  44. 44. 3) MEDIDAS TERAPÊUTICAS Trombose Venosa ProfundaTrombose Venosa Profunda • O idoso, no pós-operatório apresenta as 3 características para desenvolver TVP: - estase - alteração da parede venosa - hipercoagulobilidade
  45. 45. 4) TERAPÊUTICA NÃO CONVENCIONAL Quelação • EDTA – ácido etileno diaminotetracético • Usado para quelar cálcio, cobre, alumínio • Administração ev • Pode causar: diminuição acentuada do cálcio sanguíneo e determinar arritmias, convulsões, tetania, parada respiratória e até insuficiência renal.
  46. 46. 4) TERAPÊUTICA NÃO CONVENCIONAL Vitaminas e antioxidantesVitaminas e antioxidantes Vitmina A - Necessidade diária de 3000UI - Uso acima de 25.000 a 50.000UI podem causar: hipertensão intracraniana, hiperostose, dores ósseas e articulares, hepatotoxidade, hipertensão portal e esplenomegalia
  47. 47. 4) TERAPÊUTICA NÃO CONVENCIONAL Vitaminas e antioxidantesVitaminas e antioxidantes Vitamina C - necessidade diária de 60 mg - dose de 2 a 4 g/d – diarréia - dose de 4 a 9 g/d – nefrolitíase - mais de 9 g/d – acidose metabólica
  48. 48. 4) TERAPÊUTICA NÃO CONVENCIONAL Vitaminas e antioxidantesVitaminas e antioxidantes Vitamina EVitamina E - necessidade diária de 10 a 15UI/dia - doses acima de 1.000 a 2.000UI/d podem provocar diarréia, má-absorção de vit K e hemorragia.
  49. 49. 4) TERAPÊUTICA NÃO CONVENCIONAL Preparados vegetais • Ginseng - + de 3g/d – agitação, insônia, diarréia, edema • Confrey – hepatotóxico • Gingko biloba – hemorragia • Hypericum - hepatotóxico
  50. 50. 5) OMISSÃO • A omissão de uma conduta, procedimento ou monitorização que seriam indicados por representar o mínimo a se fazer em determinadas situações • Conceito errado de que não vale a pena investir no tratamento por causa da idade do paciente • A principal omissão terapêutica – cirurgia • Outras complicações vem por omissão de medidas preventivas. São elas: quedas ( do leito, de cadeiras, por causa de medicamentos, falta de luminosidade) e escaras.

×