SlideShare uma empresa Scribd logo
O DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM
EM SAÚDE MENTAL
Prof. Me. Enf.º Aroldo Gavioli
NANDA: NORTH AMERICAN
NURSING DIAGNOSIS
ASSOCIATION
• NANDA Internacional existe
para desenvolver, refinar e
promover a terminologia
que reflete com precisão os
julgamentos clínicos dos
enfermeiros.
• Baseia-se exclusivamente em
evidências e inclui as dimensões
sociais, psicológicas
e espirituais de cuidados
(NANDA-I, 2009).
Assim a associação
descreve o seu propósito:
IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO
Durante as aulas de saúde mental iremos usar a nomenclatura da
Taxonomia de diagnósticos de enfermagem adotados pela NANDA
Padronização das ações de enfermagem e suas terminologias comuns é
importante para a prestação de cuidados consistentes ao longo do tempo, entre
enfermeiros, através de turnos, e mesmo entre diferentes unidades de saúde e
prestação de cuidados.
COMPONENTES ESSENCIAIS DOS
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM:
FORMATO PES
• PROBLEMA DE SAÚDE
P
• ETIOLOGIA
E
• SINAIS E SINTOMAS
S
COMPONENTES ESSENCIAIS DOS
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM:
FORMATO PES
• Exemplo: risco de
confusão aguda
relacionado a síndrome
de abstinência alcoólica,
evidenciado por ideação
delirante persecutória
As três partes são combinadas
em uma declaração
através da utilização de
"palavras de ligação.“
O diagnóstico seria escrito
desta forma: Problema (ou
questão de interesse)
"Relacionadas com" etiologia
"evidenciado por" sinais e
sintomas (caracteristicas
definidoras).
COMPONENTES ESSENCIAIS DOS
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM:
FORMATO PES
• Pode ser identificado como a resposta humana aos
problemas de saúde reais ou potenciais avaliadas pelo
enfermeiro.
PROBLEMA
• Pode ser representada por experiências passadas do
indivíduo, influências genéticas, fatores ambientais
atuais ou alterações fisiopatológicas.
ETIOLOGIA
• Descrevem o que o cliente diz e o que o enfermeiro
observa e que indicam a existência de um problema
particular.
SINAIS OU SINTOMAS
(CARACTERÍSTICAS
DEFINIDADORAS)
BASE DO
PLANEJAMENTO
DO CUIDADO
PARA OS DIAGNÓTICOS MÉDICOS
CID 10 CapítuloVTranstornos mentais e
comportamentais (F00-F99)
Algumas
definições
da DSM IV:
Diagnostic and Statistical Manual of Mental
Disorders, Fourth Edition,Text Revision (DSM-
IV-TR,APA, 2000).
ENFERMAGEM
“Enfermagem é a proteção, promoção e
otimização da saúde e competências, prevenção
de doenças e lesões, alívio do sofrimento
através do diagnóstico e tratamento da resposta
humana, e apoio dado no cuidado dos
indivíduos, famílias, comunidades, e
populações” (ANA, 2010, p. 10).
PROCESSO DE ENFERMAGEM: UM PASSO
PARA O PROFISSIONALISMO
O PE é identificado como a “metodologia Cientifica do cuidado de Enfermagem”
Composto de Fases ou passos.
• Um banco de dados
sobre o cliente
histórico
• Identificação das
necessidades de
saúde e objetivos do
cuidado
Diagnóstico
• Estabelece critérios
de medidas dos
objetivos alcançados
Prognóstico
• Estabelece as
estratégias de
alcançar os
objetivos de
cuidado
planejamento
• Realizando as ações
necessárias para o
alcance dos
objetivos
implementação
• Registrando e
determinando como
e quais objetivos do
cuidado foram
alcançados
evolução
Marco referencial sistemático
para a tomada de decisão e e
resolução de problemas na
assistência de enfermagem.
• Processo dinâmico.
Processo de
enfermagem
(RE)Histórico
diagnóstico
Prognóstico
planejamento
implementação
evolução
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
Parte integral do processo de enfermagem
Identificação de respostas humanas para o
problema de Saúde atual e potencial
Privativo do Enfermeiro
Responsabilidade legal do Enfermeiro
Fornece a base para prescrições de intervenções
específicas
MAPA CONCEITUAL DO
PROCESSO DE ENFERMAGEM
EM SAÚDE MENTAL
Diagnóstico
médico
Sinais e
sintomas
Diagnósticos
de enfermagem
Ações de
enfermagem
Resultados
medicação
ALGUNS DIAGNÓSTICOS DE
ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL
NANDA 2012-2014
DOMÍNIO 1 – PROMOÇÃO DE SAÚDE
Atividade de recreação deficiente.
Autocontrole ineficaz da saúde.
Comportamento de saúde propenso a risco.
Controle familiar ineficaz do regime terapêutico.
Manutenção ineficaz da saúde.
AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE.
(APLICANDO O PES)
Definição: Padrão da regulação e integração à vida diária de um regime terapêutico para o
tratamento de doenças e suas sequelas que é insatisfatório para alcanças as
metas especificas.
Caraterísticas
definidoras:
Escolhas da vida diária ineficazes para atingir metas de saúde.
Expressão do desejo de controlar a doença.
Expressão de dificuldade com os regimes prescritos.
Falha de agir para reduzir fatores de risco.
Falha em incluir regimes de tratamento à vida diária
AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE.
(APLICANDO O PES)
Fatores relacionados:
• Barreiras percebidas.
• Benefícios percebidos.
• Complexidade do regime terapêutico.
• Complexidade do sistema de atendimento
a saúde.
• Conflito familiar.
• Conflitos de decisão.
• Déficit de apoio social.
• Déficit de conhecimento
cont. – fatores relacionado
• Demandas excessivas (p. ex., individuais,
familiares)
• Dificuldades econômicas.
• Gravidade percebida.
• Impotência.
• Número inadequado de indícios á ação.
• Padrões familiares de cuidados de saúde.
• Regime.
• Suscetibilidade percebida
EXEMPLO
AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE.
(APLICANDO O PES)
• O paciente não utiliza a medicação antipsicóticas pelo processo de negação em
reconhecer-se doente. Permaneceu internado por 20 dias e obteve remissão
completa da sintomatologia positiva e negativa e ao sair de alta hospitalar
recebe uma receita de antipsicóticos de última geração, porem a família não
tem condições de adquirir. O paciente para o uso e reagudiza em um novo
surto psicótico, sendo levado novamente a emergência psiquiátrica.
• Autocontrole ineficaz do regime terapêutico relacionado a falta do uso
de medicação prescrita evidenciado por reagudização (quantas vezes?) de
estado psicótico.
DOMÍNIO 2: NUTRIÇÃO
Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidade corporais.
Deglutição prejudicada.
Nutrição desiquilibrada: menos que as necessidades corporais.
Risco de nutrição desequilibrada.
Risco de desequilíbrio eletrolítico.
DOMÍNIO 3 – ELIMINAÇÃO E TROCA
Eliminação urinário prejudicada.
Retenção urunária.
DOMINIO 4: ATIVIDADE/REPOUSO
Insônia.
Padrão de sono prejudicado.
Deambulação prejudicada.
Mobilidade física prejudicada.
Fadiga.
Perambulação.
Déficits de autocuidado (alimentação, banho, higiene intima, vestir-se).
Manutenção do lar prejudicada.
DOMINIO 5: PERCEPÇÃO COGNIÇÃO
Confusão aguda.
Confusão crônica.
Conhecimento deficiente.
Controle de impulsos ineficaz.
Memória prejudicada.
Comunicação verbal.
DOMÍNIO 6 - AUTOPERCEPÇÃO
Desesperança.
Risco de dignidade humana comprometida.
Distúrbio de identidade pessoal.
Risco de solidão.
Baixa autoestima crônica.
Distúrbio da imagem corporal
DOMÍNIO 7: PAPÉIS E
RELACIONAMENTOS
Risco de paternidade ou maternidade prejudicada.
paternidade ou maternidade prejudicada.
Processos familiares disfuncionais.
Interação social prejudicada.
Relacionamento ineficaz.
DOMÍNIO 8 - SEXUALIDADE
Disfunção sexual.
Padrão de sexualidade ineficaz.
Processo de criação de filhos ineficaz.
DOMINÍO 9: ENFRENTAMENTO/TOLERÂNCIA
AO ESTRESSE
Síndrome pós-trauma.
Ansiedade.
Enfrentamento defensivo.
Enfrentamento familiar comprometido.
Medo.
Negação.
Pesar.
Pesar complicado.
Resiliência individual prejudicada.
DOMÍNIO 10: PRINCÍPIOS DA VIDA
Conflito de decisão.
Falta de adesão.
Sofrimento espiritual.
Sofrimento moral.
DOMÍNIO 11: SEGURANÇA PROTEÇÃO
Risco de lesão.
Risco de quedas.
Automutilação.
Risco de suicídio.
Risco de violência dirigida a si mesmo.
Risco de violência dirigida a outros.
Hipertermia.
DOMÍNIO 12: CONFORTO
Conforto prejudicado.
Dor (aguda ou crônica).
Náusea.
Conforto prejudicado
Isolamento social
DOMÍNIO 13: CRESCIMENTO E
DESENVOLVIMENTO
Não aplicável
REFERÊNCIAS
• NANDA international. Diagnósticos de enfermagem da Nanda internationa:
definições e classificação 2012-2014. HerdmanT. H. [organizadora]. Porto
Alegre: Artmed, 2013.
• BULECHECK. G. M., BUTCHER. H. K., DOCHTERMAN. J. M. Classificação das
intervenções de enfermagem – tradução da 5ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier,
2010.
• TOWNSEND. M. C. Nursing diagnoses in psyquiatric nursing: care plan and
psycotropic medications – eigth edition. Philadelphia, PA: F.A. Davis Company,
2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
Aroldo Gavioli
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Nadja Salgueiro
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
jorge luiz dos santos de souza
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
resenfe2013
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
Centro Universitário Ages
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
Aroldo Gavioli
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
Eliane Santos
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Proqualis
 
Homero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saudeHomero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saude
comunidadedepraticas
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
Letícia Spina Tapia
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Aroldo Gavioli
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Aroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Homero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saudeHomero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saude
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 

Semelhante a O diagnóstico de enfermagem em saúde mental

2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
Socorro Carneiro
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
Socorro Carneiro
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
ssuser51d27c1
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
cspmgenf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
Rodrigo Lima
 
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdfdiagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
VictorSamuel64
 
Abordadem_centrada_pessoa
Abordadem_centrada_pessoaAbordadem_centrada_pessoa
Abordadem_centrada_pessoa
comunidadedepraticas
 
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
marcelaenf
 
TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptx
Milena Ramos
 
Autocuidado e diagnósticos de enfermagem em idosos
Autocuidado e diagnósticos de enfermagem em idososAutocuidado e diagnósticos de enfermagem em idosos
Autocuidado e diagnósticos de enfermagem em idosos
Curso Nery
 
Projecto, Intervenção, Comunitária, Prevenção Doenças, Comportamento Alime...
Projecto,  Intervenção, Comunitária, Prevenção  Doenças,  Comportamento Alime...Projecto,  Intervenção, Comunitária, Prevenção  Doenças,  Comportamento Alime...
Projecto, Intervenção, Comunitária, Prevenção Doenças, Comportamento Alime...
CDuque - freelancer Student Mentoring & Coaching
 
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúdeAula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
LviaResende3
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
JessiellyGuimares
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
lucassoares41810
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Rômulo Augusto
 
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem NegligenciadosDiagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
resenfe2013
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
pamelacastro71
 
Sae
SaeSae
Sae
SaeSae

Semelhante a O diagnóstico de enfermagem em saúde mental (20)

2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdfCUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
CUIDADOS-PALIATIVOS.pdf
 
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdfcuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
cuidados-paliativos-231018100036-5c002a7e.pdf
 
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdfdiagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
 
Abordadem_centrada_pessoa
Abordadem_centrada_pessoaAbordadem_centrada_pessoa
Abordadem_centrada_pessoa
 
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
 
TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptx
 
Autocuidado e diagnósticos de enfermagem em idosos
Autocuidado e diagnósticos de enfermagem em idososAutocuidado e diagnósticos de enfermagem em idosos
Autocuidado e diagnósticos de enfermagem em idosos
 
Projecto, Intervenção, Comunitária, Prevenção Doenças, Comportamento Alime...
Projecto,  Intervenção, Comunitária, Prevenção  Doenças,  Comportamento Alime...Projecto,  Intervenção, Comunitária, Prevenção  Doenças,  Comportamento Alime...
Projecto, Intervenção, Comunitária, Prevenção Doenças, Comportamento Alime...
 
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúdeAula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
 
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
Processo Saúde-doença  e Higiene DentalProcesso Saúde-doença  e Higiene Dental
Processo Saúde-doença e Higiene Dental
 
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem NegligenciadosDiagnósticos de Enfermagem Negligenciados
Diagnósticos de Enfermagem Negligenciados
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
1673534962217.pptxn,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sae
SaeSae
Sae
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
Aroldo Gavioli
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
Aroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Aroldo Gavioli
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Aroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
Aroldo Gavioli
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
Aroldo Gavioli
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Aroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Aroldo Gavioli
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Aroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
Aroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
Aroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
Aroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
Aroldo Gavioli
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
Aroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
Aroldo Gavioli
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Aroldo Gavioli
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Aroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 

Último

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 

Último (7)

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 

O diagnóstico de enfermagem em saúde mental

  • 1. O DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL Prof. Me. Enf.º Aroldo Gavioli
  • 2. NANDA: NORTH AMERICAN NURSING DIAGNOSIS ASSOCIATION • NANDA Internacional existe para desenvolver, refinar e promover a terminologia que reflete com precisão os julgamentos clínicos dos enfermeiros. • Baseia-se exclusivamente em evidências e inclui as dimensões sociais, psicológicas e espirituais de cuidados (NANDA-I, 2009). Assim a associação descreve o seu propósito:
  • 3. IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO Durante as aulas de saúde mental iremos usar a nomenclatura da Taxonomia de diagnósticos de enfermagem adotados pela NANDA Padronização das ações de enfermagem e suas terminologias comuns é importante para a prestação de cuidados consistentes ao longo do tempo, entre enfermeiros, através de turnos, e mesmo entre diferentes unidades de saúde e prestação de cuidados.
  • 4. COMPONENTES ESSENCIAIS DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM: FORMATO PES • PROBLEMA DE SAÚDE P • ETIOLOGIA E • SINAIS E SINTOMAS S
  • 5. COMPONENTES ESSENCIAIS DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM: FORMATO PES • Exemplo: risco de confusão aguda relacionado a síndrome de abstinência alcoólica, evidenciado por ideação delirante persecutória As três partes são combinadas em uma declaração através da utilização de "palavras de ligação.“ O diagnóstico seria escrito desta forma: Problema (ou questão de interesse) "Relacionadas com" etiologia "evidenciado por" sinais e sintomas (caracteristicas definidoras).
  • 6. COMPONENTES ESSENCIAIS DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM: FORMATO PES • Pode ser identificado como a resposta humana aos problemas de saúde reais ou potenciais avaliadas pelo enfermeiro. PROBLEMA • Pode ser representada por experiências passadas do indivíduo, influências genéticas, fatores ambientais atuais ou alterações fisiopatológicas. ETIOLOGIA • Descrevem o que o cliente diz e o que o enfermeiro observa e que indicam a existência de um problema particular. SINAIS OU SINTOMAS (CARACTERÍSTICAS DEFINIDADORAS) BASE DO PLANEJAMENTO DO CUIDADO
  • 7. PARA OS DIAGNÓTICOS MÉDICOS CID 10 CapítuloVTranstornos mentais e comportamentais (F00-F99) Algumas definições da DSM IV: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fourth Edition,Text Revision (DSM- IV-TR,APA, 2000).
  • 8. ENFERMAGEM “Enfermagem é a proteção, promoção e otimização da saúde e competências, prevenção de doenças e lesões, alívio do sofrimento através do diagnóstico e tratamento da resposta humana, e apoio dado no cuidado dos indivíduos, famílias, comunidades, e populações” (ANA, 2010, p. 10).
  • 9. PROCESSO DE ENFERMAGEM: UM PASSO PARA O PROFISSIONALISMO O PE é identificado como a “metodologia Cientifica do cuidado de Enfermagem” Composto de Fases ou passos. • Um banco de dados sobre o cliente histórico • Identificação das necessidades de saúde e objetivos do cuidado Diagnóstico • Estabelece critérios de medidas dos objetivos alcançados Prognóstico • Estabelece as estratégias de alcançar os objetivos de cuidado planejamento • Realizando as ações necessárias para o alcance dos objetivos implementação • Registrando e determinando como e quais objetivos do cuidado foram alcançados evolução
  • 10. Marco referencial sistemático para a tomada de decisão e e resolução de problemas na assistência de enfermagem. • Processo dinâmico. Processo de enfermagem (RE)Histórico diagnóstico Prognóstico planejamento implementação evolução
  • 11. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM Parte integral do processo de enfermagem Identificação de respostas humanas para o problema de Saúde atual e potencial Privativo do Enfermeiro Responsabilidade legal do Enfermeiro Fornece a base para prescrições de intervenções específicas
  • 12. MAPA CONCEITUAL DO PROCESSO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL Diagnóstico médico Sinais e sintomas Diagnósticos de enfermagem Ações de enfermagem Resultados medicação
  • 13. ALGUNS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NANDA 2012-2014
  • 14. DOMÍNIO 1 – PROMOÇÃO DE SAÚDE Atividade de recreação deficiente. Autocontrole ineficaz da saúde. Comportamento de saúde propenso a risco. Controle familiar ineficaz do regime terapêutico. Manutenção ineficaz da saúde.
  • 15. AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE. (APLICANDO O PES) Definição: Padrão da regulação e integração à vida diária de um regime terapêutico para o tratamento de doenças e suas sequelas que é insatisfatório para alcanças as metas especificas. Caraterísticas definidoras: Escolhas da vida diária ineficazes para atingir metas de saúde. Expressão do desejo de controlar a doença. Expressão de dificuldade com os regimes prescritos. Falha de agir para reduzir fatores de risco. Falha em incluir regimes de tratamento à vida diária
  • 16. AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE. (APLICANDO O PES) Fatores relacionados: • Barreiras percebidas. • Benefícios percebidos. • Complexidade do regime terapêutico. • Complexidade do sistema de atendimento a saúde. • Conflito familiar. • Conflitos de decisão. • Déficit de apoio social. • Déficit de conhecimento cont. – fatores relacionado • Demandas excessivas (p. ex., individuais, familiares) • Dificuldades econômicas. • Gravidade percebida. • Impotência. • Número inadequado de indícios á ação. • Padrões familiares de cuidados de saúde. • Regime. • Suscetibilidade percebida
  • 17. EXEMPLO AUTOCONTROLE INEFICAZ DA SAÚDE. (APLICANDO O PES) • O paciente não utiliza a medicação antipsicóticas pelo processo de negação em reconhecer-se doente. Permaneceu internado por 20 dias e obteve remissão completa da sintomatologia positiva e negativa e ao sair de alta hospitalar recebe uma receita de antipsicóticos de última geração, porem a família não tem condições de adquirir. O paciente para o uso e reagudiza em um novo surto psicótico, sendo levado novamente a emergência psiquiátrica. • Autocontrole ineficaz do regime terapêutico relacionado a falta do uso de medicação prescrita evidenciado por reagudização (quantas vezes?) de estado psicótico.
  • 18. DOMÍNIO 2: NUTRIÇÃO Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidade corporais. Deglutição prejudicada. Nutrição desiquilibrada: menos que as necessidades corporais. Risco de nutrição desequilibrada. Risco de desequilíbrio eletrolítico.
  • 19. DOMÍNIO 3 – ELIMINAÇÃO E TROCA Eliminação urinário prejudicada. Retenção urunária.
  • 20. DOMINIO 4: ATIVIDADE/REPOUSO Insônia. Padrão de sono prejudicado. Deambulação prejudicada. Mobilidade física prejudicada. Fadiga. Perambulação. Déficits de autocuidado (alimentação, banho, higiene intima, vestir-se). Manutenção do lar prejudicada.
  • 21. DOMINIO 5: PERCEPÇÃO COGNIÇÃO Confusão aguda. Confusão crônica. Conhecimento deficiente. Controle de impulsos ineficaz. Memória prejudicada. Comunicação verbal.
  • 22. DOMÍNIO 6 - AUTOPERCEPÇÃO Desesperança. Risco de dignidade humana comprometida. Distúrbio de identidade pessoal. Risco de solidão. Baixa autoestima crônica. Distúrbio da imagem corporal
  • 23. DOMÍNIO 7: PAPÉIS E RELACIONAMENTOS Risco de paternidade ou maternidade prejudicada. paternidade ou maternidade prejudicada. Processos familiares disfuncionais. Interação social prejudicada. Relacionamento ineficaz.
  • 24. DOMÍNIO 8 - SEXUALIDADE Disfunção sexual. Padrão de sexualidade ineficaz. Processo de criação de filhos ineficaz.
  • 25. DOMINÍO 9: ENFRENTAMENTO/TOLERÂNCIA AO ESTRESSE Síndrome pós-trauma. Ansiedade. Enfrentamento defensivo. Enfrentamento familiar comprometido. Medo. Negação. Pesar. Pesar complicado. Resiliência individual prejudicada.
  • 26. DOMÍNIO 10: PRINCÍPIOS DA VIDA Conflito de decisão. Falta de adesão. Sofrimento espiritual. Sofrimento moral.
  • 27. DOMÍNIO 11: SEGURANÇA PROTEÇÃO Risco de lesão. Risco de quedas. Automutilação. Risco de suicídio. Risco de violência dirigida a si mesmo. Risco de violência dirigida a outros. Hipertermia.
  • 28. DOMÍNIO 12: CONFORTO Conforto prejudicado. Dor (aguda ou crônica). Náusea. Conforto prejudicado Isolamento social
  • 29. DOMÍNIO 13: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Não aplicável
  • 30. REFERÊNCIAS • NANDA international. Diagnósticos de enfermagem da Nanda internationa: definições e classificação 2012-2014. HerdmanT. H. [organizadora]. Porto Alegre: Artmed, 2013. • BULECHECK. G. M., BUTCHER. H. K., DOCHTERMAN. J. M. Classificação das intervenções de enfermagem – tradução da 5ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. • TOWNSEND. M. C. Nursing diagnoses in psyquiatric nursing: care plan and psycotropic medications – eigth edition. Philadelphia, PA: F.A. Davis Company, 2011.