SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Will Nunes
Nome dado ao conjunto de processos
interativos compreendendo as inter-relações do
sujeito susceptível, com o agente e o meio
ambiente.
Realizado por Leavell & Clark, que fizeram uma
divisão desta história em períodos que cada
deste terá um tipo de prevenção associada.
Tentar evitar a doença, evitar a que este
organismo fique deficiente.
E tratar é também uma forma de prevenção.
Tratar um doente é forma de prevenção?
Acometimentos mais severos....
Com 2 métodos de tratamento por períodos:
Período Pré-Patogênico ou Epidemiológico
Período Patogênico ou Patológico
O primeiro período da história
natural (denominado por Leavell & Clark [1976]
como período Pré-Patogênese), é a própria
evolução das inter-relações dinâmicas, que
envolvem, de um lado, os condicionantes sociais
e ambientais e, do outro, os fatores próprios do
suscetível, até que chegue a uma configuração
favorável à instalação da doença.
Período de pré-patogênese, podem ocorrer
situações que vão desde um mínimo de risco até o
risco máximo.
Exposição a um local de temperatura baixa.
Usuários de drogas injetáveis.
As pré-condições que condicionam a produção de
doença, seja em indivíduos, seja em coletividades
humanas, estão de tal forma interligadas.
Condições do Meio Ambiente
San Martin (1981), põe em relevo o sistema
formado pelo ambiente, população, economia e
cultura, designando este conjunto de sistema
epidemiológico-social.
 Qualidade e dinâmica do ambiente
socioeconômicos
 Modos de produção e relações de produção,
 Tipo de desenvolvimento econômico,
 Velocidade de industrialização,
 Desigualdades socioeconômicas,
 Concentração de riquezas,
 Participação comunitária,
 Responsabilidade individual e coletiva
São componentes essenciais e determinantes no
processo saúde-doença.
 Fatores socioeconômicos.
 Fatores sócio-políticos.
 Fatores socioculturais.
 Fatores psicossociais.
Relação financeira.
Capacidade econômica e probabilidade de
adquirir doença.
Diferenças consideráveis entre grupos sociais
em termos de morbidade e mortalidade
 Morbidade ou morbilidade= Taxa de
portadores de determinada doença em
relação a população.
 Mortalidade = Numero de óbitos e relação ao
numero de habitantes.
 São percebidos como mais doentios e mais
velhos;
 São de duas ou três vezes mais propensos a
enfermidades graves;
 Permanecem doentes mais amiúde;
 morrem mais jovens
 Procriam crianças de baixo peso, em maior
proporção:
 Sua taxa de mortalidade infantil é mais elevada.
 Instrumentação jurídico-legal;
 Decisão política;
 Higidez política
 Participação consentida e valorização da
cidadania;
 Participação comunitária efetivamente exercida;
 Transparência das ações e acesso à
informação.
No contexto do social, devem ser citados
preconceitos e hábitos culturais, crendices,
comportamentos e valores, valendo como fatores
pré-patogênicos contribuintes para a difusão e
manutenção de doenças.
 Passividade diante do poder exercido com
incompetência ou má fé;
 Alienação em relação aos direitos e deveres da
cidadania;
 Transferência irrestrita, para profissionais da
política, da responsabilidade pessoal pelo
social;
 Participação passiva como beneficiários do
paternalismo de estado ou oligárquico;
 Incapacidade de se organizar para reivindicar.
Dentre os fatores psicossociais aos quais pode
ser imputada a característica de pré-patogênese,
encontram-se:
 Marginalidade;
 Ausência de relações parentais estáveis;
 Desconexão em relação à cultura de origem;
 Falta de apoio no contexto social em que se vive;
 Condições de trabalho extenuantes ou
estressantes;
 Promiscuidade;
 Transtornos econômicos;
 Sociais ou pessoais;
 Falta de cuidados maternos na infância;
 Carência afetiva de ordem geral;
 Competição desenfreada;
 Agressividade vigente nos grandes centros
urbanos;
 Desemprego.
a) agentes presentes no ambiente de forma
habitual, em convivência natural ou tradicional
com o homem;
b) agentes pouco comuns e que, mercê de
situações novas, alterações impostas por novos
hábitos ou por modificações na maneira de
viver, por má administração ou manipulação
inábil de meios e recursos, por importação
passam a se fazer presentes de forma
perceptível, como agentes, em algum evento
epidemiológico;
c) agentes que explodem em situações anormais
de grande monta como são as macro perturbações
ecológicas, os desastres naturais e as catástrofes.
Os fatores genéticos provavelmente determinam
a maior ou menor suscetibilidade das pessoas
quanto à aquisição de doenças, embora isto
permaneça ainda na fronteira de pesquisa
genética.
História natural das doenças
A história natural da doença tem seguimento com a
sua implantação e evolução no homem.
Este período se inicia com as primeiras ações que
os agentes patogênicos exercem sobre o ser
afetado.
Seguem-se as perturbações bioquímicas em nível
celular, continuam com as perturbações na forma e
na função, evoluindo para defeitos permanentes,
cronicidade, morte ou cura.
Colimon (1978) divide o período de patogênese em
três etapas: subclínica, prodrômica e clínica.
Mausner & Bahn (1974) propõem o seguintes
estágios: pré-sintomático, clínico e de
incapacitação.
Leavel & Clark (1976), veem o período de
patogênese como se desenvolvendo nos
seguintes estágios:
 Interação estímulo-hospedeiro,
 Patogênese precoce,
 Doença precoce discernível
 Doença avançada
a) Interação estímulo-suscetível.
b) Alterações bioquímicas, fisiológicas e
histológicas.
c) Sinais e sintomas.
d) Defeitos permanentes, cronicidade.
Nesta etapa a doença ainda não tomou
desenvoltura, porém todos os fatores necessários
para a sua ocorrência estão presentes.
 A má nutrição por exemplo, predispõe à ação
patogênica do bacilo da tuberculose;
 Altas concentrações de colesterol sérico
contribuem para o aparecimento da doença
coronariana;
 Fatores genéticos diminuem a defesa orgânica,
abrindo a porta do organismo às infecções.
 Doença já está implantada no organismo
afetado;
 Não se percebam manifestações clínicas;
 Já existem alterações histológicas em nível de
percepção subclínica de caráter genérico.
Estas alterações não são perceptíveis.
Porém, ainda neste estágio, a doença já está
presente e pode ser percebida através de
exames clínicos ou laboratoriais orientados.
Denomina-se “horizonte clínico” a linha imaginária
que separa este estágio do seguinte. Abaixo
dessa linha se processam todas as
manifestações bioquímicas, fisiológicas e
histológicas que precedem as manifestações
clínicas da doença. É o chamado período de
incubação.
Algumas doenças não passam desta etapa.
Devido às respostas dadas pelas defesas
orgânicas, podem regredir deste estágio
patológico ao de saúde inicial. Em outros casos, a
progressão se dá diretamente para uma etapa
menos favorável.
Acima do horizonte clínico os sinais iniciais da
doença, ainda confusos, tornam-se nítidos,
transformam-se em sintomas. É o estágio
chamado de clínico.
Iniciado ao ser atingida uma massa crítica de
alterações funcionais no organismo acometido.
A evolução da doença encaminha-se então
para um desenlace, a doença pode passar ao:
 período de cura;
 evoluir para a cronicidade;
 progredir para a invalidez ou para a morte.
A evolução clínica da doença pode progredir até o
estado de cronicidade ou conduzir o doente a um
dado nível da incapacidade física por tempo
variável.
Pode também produzir lesões que serão, no
futuro, uma porta aberta para novas doenças.
No estado crônico pode gerar incapacidade
temporária para desempenho de alguma
atividade específica.
Doença pode evoluir para a invalidez permanente
ou para a morte. Em alguns casos para a cura.
"Saúde pública é a ciência e a arte de evitar doenças,
prolongar a vida e desenvolver a saúde física e mental e a
eficiência, através de esforços organizados da
comunidade, para o saneamento do meio ambiente, o
controle de infecções na comunidade, a organização de
serviços médicos e paramédicos para o diagnóstico
precoce e o tratamento preventivo de doenças, e o
aperfeiçoamento da máquina social que irá assegurar a
cada indivíduo, dentro da comunidade, um padrão de vida
adequado à manutenção da saúde".
Promoção da Saúde
 É feita através de medidas de ordem geral.
- Moradia adequada.
- Escolas.
- Áreas de lazer.
- Alimentação adequada.
- Educação em todos dos níveis
Proteção Específica
- Imunização.
- Saúde ocupacional.
- Higiene pessoal e do lar.
- Proteção contra acidentes.
- Aconselhamento genético.
- Controle dos vetores.
 Inquérito para descoberta de casos na
comunidade.
 Exames periódicos, individuais, para
detecção precoce de casos.
 Isolamento para evitar a propagação de
doenças.
 Tratamento para evitar a progressão da
doença.
Limitação da Incapacidade
- Evitar futuras complicações.
- Evitar sequelas.
 Reabilitação (impedir a incapacidade total).
 Fisioterapia.
 Terapia ocupacional.
 Emprego para o reabilitado.
Em alguns países subdesenvolvidos, as condições
socioeconômicas aí vigentes, mantidas por uma
perversa concentração de renda, pela má
distribuição da propriedade fundiária e pela falta de
visão dos detentores do poder econômico e político,
fazem com que as classes pauperizadas sejam
incapazes de se prover em termos de alimentação,
moradia, educação, saúde e lazer.
O cidadão pauperizado torna-se cliente e
dependente do Estado e este, por não ser
competente naquilo que lhe é específico, torna-se
paternalista.
Este Estado, paternalista por incompetência,
torna-se caritativo, distribuidor de alimentos, de
habitação e de medicamentos e, mais uma vez,
com incompetência.
A sociedade cabe a prevenção ao nível das
estruturas. Às organizações políticas, às
organizações civis não estatais cabe a ação
preventiva mais abrangente de remover
estruturas arcaicas impeditivas de se promover a
saúde em todos os níveis.
História natural das doenças

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
Kênia Paula
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
Samuel J. Tacuana
 
Edidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e históriaEdidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e história
HERALDICA CORRETORA E ADM DE SEGUROS
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
Ricardo Alexandre
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Aula 4   epidemiologia em saude publicaAula 4   epidemiologia em saude publica
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Anderson Armstrong
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
Ilca Rocha
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
Gladyanny Veras
 

Mais procurados (20)

Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
 
História Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-EpidemiologiaHistória Natural da doença-Epidemiologia
História Natural da doença-Epidemiologia
 
Edidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e históriaEdidemiologia: definição e história
Edidemiologia: definição e história
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
Vigilancia em saude
Vigilancia em saude Vigilancia em saude
Vigilancia em saude
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Aula 4 epidemiologia em saude publica
Aula 4   epidemiologia em saude publicaAula 4   epidemiologia em saude publica
Aula 4 epidemiologia em saude publica
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Slide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância EpidemiológicaSlide Vigilância Epidemiológica
Slide Vigilância Epidemiológica
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 

Semelhante a História natural das doenças

Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
Cleber Lima
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
Leticia Princesiny
 
IntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) OdpIntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) Odp
guest4c3db4
 
1
11
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
LIANEDEMUNER1
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
wfkam
 
Aula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdf
Aula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdfAula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdf
Aula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdf
carlasuzane2
 
Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
Dalila_Marcao
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
RaquelOlimpio1
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
Resumo de saude publica
Resumo de saude publicaResumo de saude publica
Resumo de saude publica
AraujoAvelino
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Wellyson Rocha
 
Sp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemioSp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemio
Ismael Costa
 
Epidemiologia modelos-saude doenca
Epidemiologia modelos-saude doencaEpidemiologia modelos-saude doenca
Epidemiologia modelos-saude doenca
Aline Reis
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Cleber Lima
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
ligiabeatrizsouzamur
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Sp1 epidemio-ses rj
Sp1 epidemio-ses rjSp1 epidemio-ses rj
Sp1 epidemio-ses rj
Ismael Costa
 
Nº17 Manuela 9 F
Nº17 Manuela 9 FNº17 Manuela 9 F
Nº17 Manuela 9 F
António Morais
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Vitória Giovanna
 

Semelhante a História natural das doenças (20)

Aula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doencaAula 3 hist.natural_doenca
Aula 3 hist.natural_doenca
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
IntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) OdpIntroduçãO (Open Office) Odp
IntroduçãO (Open Office) Odp
 
1
11
1
 
aula de VE.pdf
aula de VE.pdfaula de VE.pdf
aula de VE.pdf
 
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologiaApostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
Apostila 1 - Conceitos gerais de epidemiologia
 
Aula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdf
Aula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdfAula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdf
Aula 01- Educação Voltada para os Aspectos da Saúde.pdf
 
Sebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologiaSebenta de epidemiologia
Sebenta de epidemiologia
 
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docxaula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
aula-processo-saude-doencapronta-141106122406-conversion-gate02.docx
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
Resumo de saude publica
Resumo de saude publicaResumo de saude publica
Resumo de saude publica
 
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptxAula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
Aula_1_-_Visão_Holística_da_Saúde.pptx
 
Sp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemioSp1 hupe-epidemio
Sp1 hupe-epidemio
 
Epidemiologia modelos-saude doenca
Epidemiologia modelos-saude doencaEpidemiologia modelos-saude doenca
Epidemiologia modelos-saude doenca
 
Aula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritivaAula 2 epidemiologia_descritiva
Aula 2 epidemiologia_descritiva
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Aids.2
 
Sp1 epidemio-ses rj
Sp1 epidemio-ses rjSp1 epidemio-ses rj
Sp1 epidemio-ses rj
 
Nº17 Manuela 9 F
Nº17 Manuela 9 FNº17 Manuela 9 F
Nº17 Manuela 9 F
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
 

Último

02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
DvilaSoares1
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 

Último (9)

02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 

História natural das doenças

  • 2. Nome dado ao conjunto de processos interativos compreendendo as inter-relações do sujeito susceptível, com o agente e o meio ambiente.
  • 3. Realizado por Leavell & Clark, que fizeram uma divisão desta história em períodos que cada deste terá um tipo de prevenção associada.
  • 4. Tentar evitar a doença, evitar a que este organismo fique deficiente. E tratar é também uma forma de prevenção.
  • 5. Tratar um doente é forma de prevenção?
  • 6. Acometimentos mais severos.... Com 2 métodos de tratamento por períodos: Período Pré-Patogênico ou Epidemiológico Período Patogênico ou Patológico
  • 7. O primeiro período da história natural (denominado por Leavell & Clark [1976] como período Pré-Patogênese), é a própria evolução das inter-relações dinâmicas, que envolvem, de um lado, os condicionantes sociais e ambientais e, do outro, os fatores próprios do suscetível, até que chegue a uma configuração favorável à instalação da doença.
  • 8. Período de pré-patogênese, podem ocorrer situações que vão desde um mínimo de risco até o risco máximo. Exposição a um local de temperatura baixa. Usuários de drogas injetáveis.
  • 9. As pré-condições que condicionam a produção de doença, seja em indivíduos, seja em coletividades humanas, estão de tal forma interligadas. Condições do Meio Ambiente
  • 10. San Martin (1981), põe em relevo o sistema formado pelo ambiente, população, economia e cultura, designando este conjunto de sistema epidemiológico-social.
  • 11.  Qualidade e dinâmica do ambiente socioeconômicos  Modos de produção e relações de produção,  Tipo de desenvolvimento econômico,  Velocidade de industrialização,  Desigualdades socioeconômicas,  Concentração de riquezas,  Participação comunitária,  Responsabilidade individual e coletiva São componentes essenciais e determinantes no processo saúde-doença.
  • 12.  Fatores socioeconômicos.  Fatores sócio-políticos.  Fatores socioculturais.  Fatores psicossociais.
  • 13. Relação financeira. Capacidade econômica e probabilidade de adquirir doença. Diferenças consideráveis entre grupos sociais em termos de morbidade e mortalidade
  • 14.  Morbidade ou morbilidade= Taxa de portadores de determinada doença em relação a população.  Mortalidade = Numero de óbitos e relação ao numero de habitantes.
  • 15.  São percebidos como mais doentios e mais velhos;  São de duas ou três vezes mais propensos a enfermidades graves;  Permanecem doentes mais amiúde;  morrem mais jovens  Procriam crianças de baixo peso, em maior proporção:  Sua taxa de mortalidade infantil é mais elevada.
  • 16.  Instrumentação jurídico-legal;  Decisão política;  Higidez política  Participação consentida e valorização da cidadania;  Participação comunitária efetivamente exercida;  Transparência das ações e acesso à informação.
  • 17. No contexto do social, devem ser citados preconceitos e hábitos culturais, crendices, comportamentos e valores, valendo como fatores pré-patogênicos contribuintes para a difusão e manutenção de doenças.
  • 18.  Passividade diante do poder exercido com incompetência ou má fé;  Alienação em relação aos direitos e deveres da cidadania;  Transferência irrestrita, para profissionais da política, da responsabilidade pessoal pelo social;  Participação passiva como beneficiários do paternalismo de estado ou oligárquico;  Incapacidade de se organizar para reivindicar.
  • 19. Dentre os fatores psicossociais aos quais pode ser imputada a característica de pré-patogênese, encontram-se:
  • 20.  Marginalidade;  Ausência de relações parentais estáveis;  Desconexão em relação à cultura de origem;  Falta de apoio no contexto social em que se vive;  Condições de trabalho extenuantes ou estressantes;  Promiscuidade;  Transtornos econômicos;  Sociais ou pessoais;  Falta de cuidados maternos na infância;  Carência afetiva de ordem geral;  Competição desenfreada;  Agressividade vigente nos grandes centros urbanos;  Desemprego.
  • 21. a) agentes presentes no ambiente de forma habitual, em convivência natural ou tradicional com o homem;
  • 22. b) agentes pouco comuns e que, mercê de situações novas, alterações impostas por novos hábitos ou por modificações na maneira de viver, por má administração ou manipulação inábil de meios e recursos, por importação passam a se fazer presentes de forma perceptível, como agentes, em algum evento epidemiológico;
  • 23. c) agentes que explodem em situações anormais de grande monta como são as macro perturbações ecológicas, os desastres naturais e as catástrofes.
  • 24. Os fatores genéticos provavelmente determinam a maior ou menor suscetibilidade das pessoas quanto à aquisição de doenças, embora isto permaneça ainda na fronteira de pesquisa genética.
  • 26. A história natural da doença tem seguimento com a sua implantação e evolução no homem. Este período se inicia com as primeiras ações que os agentes patogênicos exercem sobre o ser afetado.
  • 27. Seguem-se as perturbações bioquímicas em nível celular, continuam com as perturbações na forma e na função, evoluindo para defeitos permanentes, cronicidade, morte ou cura. Colimon (1978) divide o período de patogênese em três etapas: subclínica, prodrômica e clínica. Mausner & Bahn (1974) propõem o seguintes estágios: pré-sintomático, clínico e de incapacitação.
  • 28. Leavel & Clark (1976), veem o período de patogênese como se desenvolvendo nos seguintes estágios:  Interação estímulo-hospedeiro,  Patogênese precoce,  Doença precoce discernível  Doença avançada
  • 29. a) Interação estímulo-suscetível. b) Alterações bioquímicas, fisiológicas e histológicas. c) Sinais e sintomas. d) Defeitos permanentes, cronicidade.
  • 30. Nesta etapa a doença ainda não tomou desenvoltura, porém todos os fatores necessários para a sua ocorrência estão presentes.
  • 31.  A má nutrição por exemplo, predispõe à ação patogênica do bacilo da tuberculose;  Altas concentrações de colesterol sérico contribuem para o aparecimento da doença coronariana;  Fatores genéticos diminuem a defesa orgânica, abrindo a porta do organismo às infecções.
  • 32.  Doença já está implantada no organismo afetado;  Não se percebam manifestações clínicas;  Já existem alterações histológicas em nível de percepção subclínica de caráter genérico.
  • 33. Estas alterações não são perceptíveis. Porém, ainda neste estágio, a doença já está presente e pode ser percebida através de exames clínicos ou laboratoriais orientados.
  • 34. Denomina-se “horizonte clínico” a linha imaginária que separa este estágio do seguinte. Abaixo dessa linha se processam todas as manifestações bioquímicas, fisiológicas e histológicas que precedem as manifestações clínicas da doença. É o chamado período de incubação.
  • 35. Algumas doenças não passam desta etapa. Devido às respostas dadas pelas defesas orgânicas, podem regredir deste estágio patológico ao de saúde inicial. Em outros casos, a progressão se dá diretamente para uma etapa menos favorável.
  • 36. Acima do horizonte clínico os sinais iniciais da doença, ainda confusos, tornam-se nítidos, transformam-se em sintomas. É o estágio chamado de clínico.
  • 37. Iniciado ao ser atingida uma massa crítica de alterações funcionais no organismo acometido. A evolução da doença encaminha-se então para um desenlace, a doença pode passar ao:  período de cura;  evoluir para a cronicidade;  progredir para a invalidez ou para a morte.
  • 38. A evolução clínica da doença pode progredir até o estado de cronicidade ou conduzir o doente a um dado nível da incapacidade física por tempo variável. Pode também produzir lesões que serão, no futuro, uma porta aberta para novas doenças.
  • 39. No estado crônico pode gerar incapacidade temporária para desempenho de alguma atividade específica. Doença pode evoluir para a invalidez permanente ou para a morte. Em alguns casos para a cura.
  • 40. "Saúde pública é a ciência e a arte de evitar doenças, prolongar a vida e desenvolver a saúde física e mental e a eficiência, através de esforços organizados da comunidade, para o saneamento do meio ambiente, o controle de infecções na comunidade, a organização de serviços médicos e paramédicos para o diagnóstico precoce e o tratamento preventivo de doenças, e o aperfeiçoamento da máquina social que irá assegurar a cada indivíduo, dentro da comunidade, um padrão de vida adequado à manutenção da saúde".
  • 41. Promoção da Saúde  É feita através de medidas de ordem geral. - Moradia adequada. - Escolas. - Áreas de lazer. - Alimentação adequada. - Educação em todos dos níveis
  • 42. Proteção Específica - Imunização. - Saúde ocupacional. - Higiene pessoal e do lar. - Proteção contra acidentes. - Aconselhamento genético. - Controle dos vetores.
  • 43.  Inquérito para descoberta de casos na comunidade.  Exames periódicos, individuais, para detecção precoce de casos.  Isolamento para evitar a propagação de doenças.  Tratamento para evitar a progressão da doença.
  • 44. Limitação da Incapacidade - Evitar futuras complicações. - Evitar sequelas.
  • 45.  Reabilitação (impedir a incapacidade total).  Fisioterapia.  Terapia ocupacional.  Emprego para o reabilitado.
  • 46. Em alguns países subdesenvolvidos, as condições socioeconômicas aí vigentes, mantidas por uma perversa concentração de renda, pela má distribuição da propriedade fundiária e pela falta de visão dos detentores do poder econômico e político, fazem com que as classes pauperizadas sejam incapazes de se prover em termos de alimentação, moradia, educação, saúde e lazer.
  • 47. O cidadão pauperizado torna-se cliente e dependente do Estado e este, por não ser competente naquilo que lhe é específico, torna-se paternalista. Este Estado, paternalista por incompetência, torna-se caritativo, distribuidor de alimentos, de habitação e de medicamentos e, mais uma vez, com incompetência.
  • 48. A sociedade cabe a prevenção ao nível das estruturas. Às organizações políticas, às organizações civis não estatais cabe a ação preventiva mais abrangente de remover estruturas arcaicas impeditivas de se promover a saúde em todos os níveis.