SlideShare uma empresa Scribd logo
filosófico e a
sua análise
lógica
Problematizar/Argumentar/Concetualizar
O Discurso poético e
o discurso filosófico.
• Novembro. Só! Meu Deus, que insuportável mundo!
• Ninguém, viv'alma... O que farão os mais?
• Senhor! a Vida não é um rápido segundo:
• Que longas horas estas horas! Que profundo
• Spleen o d’estas noites imortais!
• Faz tanto frio. (Só de a ver me gela, a cama...)
• Que frio! Olá, Joseph! bota mais carvão!
• E quando todo se extinguir na áurea chama,
• Eu botarei (para que serve? já não ama...)
• Às cinzas brancas, meu vermelho coração!
António Nobre, Ao
canto do lume.1892
• Que hei- de eu fazer? Calai essas canções imundas,
• Cervejarias do Quartier! Rezai, rezai!
• Paisagem, onde estás? Ó luar, águas profundas!
• Ó choupos, à tardinha, altivos, mas corcundas,
• Tal como aspirações irrealizáveis, ai!
• Não me tortura mais a Dor. Sou feliz. Creio
• Em Deus, n’uma outra vida, além do Ar.
• Meus livros dei-os, meu Filósofo queimei-o:
• Agora, trago uma medalha sobre o seio
• Com a qual falo, às noites, ao deitar.
O discurso filosófico
• “Os males do mundo devem-se tanto a defeitos morais quanto à
falta de inteligência. Mas a humanidade não descobriu até
agora qualquer método para erradicar defeitos morais [...] A
inteligência, pelo contrário, aperfeiçoa-se facilmente por meio
de métodos que todos os educadores competentes conhecem.
Logo, até se descobrir um método para ensinar a virtude, o
progresso terá de ser alcançado por meio do aperfeiçoamento
da inteligência e não da moral.”
• Bertrand Russell
•
Quais as diferenças?
• O primeiro texto fala-nos de
uma emoção subjetiva. Utiliza
metáforas para nos expressar
um sentimento. Visa tocar-nos
emocionalmente. Verdade
sentimental.
O texto Filosófico
apela a Razões
• O segundo texto pretende
apresentar-nos uma ideia que
responde a um problema. Utiliza
conceitos que denotam, isto é, com
um significado objetivo e universal.
Fundamenta a sua ideia em
argumentos, razões que podem ser
discutidas. Texto argumentativo.
Análise lógica
do texto:
• TEMA: Como afastar os males do mundo.
• PROBLEMA: Como podemos progredir
para afastar os males do mundo?
• TESE: Até se descobrir um método para
ensinar a virtude, o progresso terá de
ser alcançado por meio do
aperfeiçoamento da inteligência e não
da moral.”
Argumento e
conceitos
• ARGUMENTO/CORPO ARGUMENTATIVO (RAZÕES):
“Os males do mundo devem-se tanto a defeitos
morais quanto à falta de inteligência.
• Mas a humanidade não descobriu até agora qualquer
método para erradicar defeitos morais [...] A
inteligência, pelo contrário, aperfeiçoa-se facilmente
por meio de métodos que todos os educadores
competentes conhecem
• CONCEITOS: O mal do mundo, a moral, a inteligência,
a educação
O Problema e a
Tese de um texto
filosófico
• O problema é a questão que está presente no
texto à qual o texto pretende dar uma resposta.
• A Tese é a resposta encontrada pelo autor ao
problema, é a ideia que o autor defende. Podem
ser apresentadas várias teses. Também se podem
apresentar contraexemplos ou objeções como se
esta reflexão fosse um diálogo do autor consigo
próprio. A tese é uma frase declarativa ou
proposição. Pode também ser entendida como a
conclusão do argumento que se expõe.
A argumentação e os
conceitos
• A argumentação é o conjunto de razões que servem
para justificar a tese proposta, explica o porquê da tese
que se defende.
• Os conceitos são as palavras que referem classes de
objetos, o conceito é aquilo que distingue essa classe
de todas as outras. Expressa-se por palavras/termos.
Os
nomes
que se
utilizam
para
avaliar
logicame
nte:
FRASES SÃO PROPOSIÇÕES:
Frases declarativas com valor de
verdade.
RACIOCÍNIOS SÃO
ARGUMENTOS: Conjunto de
proposições que justificam uma
determinada conclusão ou tese.
CONCEITOS SÃO TERMOS:
Palavra ou palavras que referem
uma classe de objetos. Expressa
uma ideia.
O diálogo
filosófico https://www.youtube.com/w
atch?v=nSs-tNRZGYI
Exercício de Análise lógica
• Para compreender uma idade ou uma nação temos de compreender-
lhe a filosofia, e para isso temos de ser em qualquer grau filósofos.
Há aqui uma causalidade recíproca. As circunstâncias da vida do
homem concorrem muito para determinar a sua filosofia e,
reciprocamente, a sua filosofia determina em muito as suas
circunstâncias. Esta interação multisecular é o tópico das páginas
seguintes (da história da filosofia).
• Há, no entanto, uma resposta mais pessoal. A ciência diz-nos o que
sabemos, e é pouco; e se esquecemos quanto ignoramos ficaremos
insensíveis a muitos factos da maior importância. Por outro lado, a
teologia induz a crer dogmaticamente que temos conhecimento onde
realmente só temos ignorância, e assim produz uma espécie de
impertinente arrogância em relação ao Universo. A incerteza perante
esperanças vivas e receios é dolorosa mas tem de suportar-se se

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O discurso filosófico.pptx

Técnicas de redacao
Técnicas de redacaoTécnicas de redacao
Técnicas de redacao
Luiz Avelar
 
Introdução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptxIntrodução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptx
ssusera1ec45
 
Apostila tecnicas de redação
Apostila   tecnicas de redaçãoApostila   tecnicas de redação
Apostila tecnicas de redação
afmrtnez
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
Daniel Cabral
 
Tecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoTecnicas de redacao
Tecnicas de redacao
J M
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
belschlatter
 
Cap.10.pptx
Cap.10.pptxCap.10.pptx
Cap.10.pptx
Thiagodezembrebueno
 
Filosofia e debate
Filosofia e debateFilosofia e debate
Filosofia e debate
William Wolf Pereira Vieira
 
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficoFilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
mro5060
 
AULA6.pptx
AULA6.pptxAULA6.pptx
AULA6.pptx
DeboraCaroline16
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Robson Melo
 
Pensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressão
Pensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressãoPensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressão
Pensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressão
Cepoc
 
Características da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptx
Características da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptxCaracterísticas da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptx
Características da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptx
CELIMARACORDACO
 
Aula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptx
Aula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptxAula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptx
Aula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptx
CELIMARACORDACO
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
mluisavalente
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
mluisavalente
 
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
j_sdias
 
Elementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moralElementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moral
Himanshu Rana
 
Cap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande RacionalismoCap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande Racionalismo
José Ferreira Júnior
 
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 

Semelhante a O discurso filosófico.pptx (20)

Técnicas de redacao
Técnicas de redacaoTécnicas de redacao
Técnicas de redacao
 
Introdução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptxIntrodução-à-Filosofia.pptx
Introdução-à-Filosofia.pptx
 
Apostila tecnicas de redação
Apostila   tecnicas de redaçãoApostila   tecnicas de redação
Apostila tecnicas de redação
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Tecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoTecnicas de redacao
Tecnicas de redacao
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Cap.10.pptx
Cap.10.pptxCap.10.pptx
Cap.10.pptx
 
Filosofia e debate
Filosofia e debateFilosofia e debate
Filosofia e debate
 
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficoFilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
 
AULA6.pptx
AULA6.pptxAULA6.pptx
AULA6.pptx
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
 
Pensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressão
Pensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressãoPensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressão
Pensar por si mesmo. dialogo. liberdade de expressão
 
Características da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptx
Características da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptxCaracterísticas da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptx
Características da reflexão filosófica radical e rigorosa.pptx
 
Aula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptx
Aula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptxAula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptx
Aula 01_Filosofia_o que é1 ano_Slides_aula 1.pptx
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
 
Elementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moralElementos de filosofia moral
Elementos de filosofia moral
 
Cap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande RacionalismoCap 13 - O Grande Racionalismo
Cap 13 - O Grande Racionalismo
 
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 

O discurso filosófico.pptx

  • 1. filosófico e a sua análise lógica Problematizar/Argumentar/Concetualizar
  • 2. O Discurso poético e o discurso filosófico. • Novembro. Só! Meu Deus, que insuportável mundo! • Ninguém, viv'alma... O que farão os mais? • Senhor! a Vida não é um rápido segundo: • Que longas horas estas horas! Que profundo • Spleen o d’estas noites imortais! • Faz tanto frio. (Só de a ver me gela, a cama...) • Que frio! Olá, Joseph! bota mais carvão! • E quando todo se extinguir na áurea chama, • Eu botarei (para que serve? já não ama...) • Às cinzas brancas, meu vermelho coração!
  • 3. António Nobre, Ao canto do lume.1892 • Que hei- de eu fazer? Calai essas canções imundas, • Cervejarias do Quartier! Rezai, rezai! • Paisagem, onde estás? Ó luar, águas profundas! • Ó choupos, à tardinha, altivos, mas corcundas, • Tal como aspirações irrealizáveis, ai! • Não me tortura mais a Dor. Sou feliz. Creio • Em Deus, n’uma outra vida, além do Ar. • Meus livros dei-os, meu Filósofo queimei-o: • Agora, trago uma medalha sobre o seio • Com a qual falo, às noites, ao deitar.
  • 4. O discurso filosófico • “Os males do mundo devem-se tanto a defeitos morais quanto à falta de inteligência. Mas a humanidade não descobriu até agora qualquer método para erradicar defeitos morais [...] A inteligência, pelo contrário, aperfeiçoa-se facilmente por meio de métodos que todos os educadores competentes conhecem. Logo, até se descobrir um método para ensinar a virtude, o progresso terá de ser alcançado por meio do aperfeiçoamento da inteligência e não da moral.” • Bertrand Russell •
  • 5. Quais as diferenças? • O primeiro texto fala-nos de uma emoção subjetiva. Utiliza metáforas para nos expressar um sentimento. Visa tocar-nos emocionalmente. Verdade sentimental.
  • 6. O texto Filosófico apela a Razões • O segundo texto pretende apresentar-nos uma ideia que responde a um problema. Utiliza conceitos que denotam, isto é, com um significado objetivo e universal. Fundamenta a sua ideia em argumentos, razões que podem ser discutidas. Texto argumentativo.
  • 7. Análise lógica do texto: • TEMA: Como afastar os males do mundo. • PROBLEMA: Como podemos progredir para afastar os males do mundo? • TESE: Até se descobrir um método para ensinar a virtude, o progresso terá de ser alcançado por meio do aperfeiçoamento da inteligência e não da moral.”
  • 8. Argumento e conceitos • ARGUMENTO/CORPO ARGUMENTATIVO (RAZÕES): “Os males do mundo devem-se tanto a defeitos morais quanto à falta de inteligência. • Mas a humanidade não descobriu até agora qualquer método para erradicar defeitos morais [...] A inteligência, pelo contrário, aperfeiçoa-se facilmente por meio de métodos que todos os educadores competentes conhecem • CONCEITOS: O mal do mundo, a moral, a inteligência, a educação
  • 9. O Problema e a Tese de um texto filosófico • O problema é a questão que está presente no texto à qual o texto pretende dar uma resposta. • A Tese é a resposta encontrada pelo autor ao problema, é a ideia que o autor defende. Podem ser apresentadas várias teses. Também se podem apresentar contraexemplos ou objeções como se esta reflexão fosse um diálogo do autor consigo próprio. A tese é uma frase declarativa ou proposição. Pode também ser entendida como a conclusão do argumento que se expõe.
  • 10. A argumentação e os conceitos • A argumentação é o conjunto de razões que servem para justificar a tese proposta, explica o porquê da tese que se defende. • Os conceitos são as palavras que referem classes de objetos, o conceito é aquilo que distingue essa classe de todas as outras. Expressa-se por palavras/termos.
  • 11. Os nomes que se utilizam para avaliar logicame nte: FRASES SÃO PROPOSIÇÕES: Frases declarativas com valor de verdade. RACIOCÍNIOS SÃO ARGUMENTOS: Conjunto de proposições que justificam uma determinada conclusão ou tese. CONCEITOS SÃO TERMOS: Palavra ou palavras que referem uma classe de objetos. Expressa uma ideia.
  • 13. Exercício de Análise lógica • Para compreender uma idade ou uma nação temos de compreender- lhe a filosofia, e para isso temos de ser em qualquer grau filósofos. Há aqui uma causalidade recíproca. As circunstâncias da vida do homem concorrem muito para determinar a sua filosofia e, reciprocamente, a sua filosofia determina em muito as suas circunstâncias. Esta interação multisecular é o tópico das páginas seguintes (da história da filosofia). • Há, no entanto, uma resposta mais pessoal. A ciência diz-nos o que sabemos, e é pouco; e se esquecemos quanto ignoramos ficaremos insensíveis a muitos factos da maior importância. Por outro lado, a teologia induz a crer dogmaticamente que temos conhecimento onde realmente só temos ignorância, e assim produz uma espécie de impertinente arrogância em relação ao Universo. A incerteza perante esperanças vivas e receios é dolorosa mas tem de suportar-se se