SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Duas teorias: Racionalismo e Empirismo
 A. Se é vermelho então tem cor.
 B. 4x4=16
 C. O italiano é a língua falada em Itália.
 D. O todo é maior que as partes que o
constituem.
A. Destroem a nossa crença na existência da
verdade.
B. Aumentam a certeza sobre o conhecimento.
C. Não afetam o conhecimento.
D. Permitem a superação da dúvida.
 A. não encontra uma forma de fundamentar
racionalmente o conhecimento.
 Hume não é um filósofo cético
 Não encontra fundamentos infalíveis para a
existência de Deus.
 Admite a possibilidade de uma dúvida radical.
 A. Não utiliza os argumentos cépticos.
 B. Utiliza-os na última fase da sua vida.
 C. Utiliza os argumentos para os superar.
 D. Desde o início demarca-se do cepticismo.
A. Mostrar que os argumentos são falaciosos.
B. Encontrar crenças que se auto-justifiquem.
C. Suspender o juízo sobre a verdade.
D. Confiar nos sentidos.
 A. A mente, o vazio e a divindade.
 B. A crença na experiência.
 C. A razão e Deus.
 D. A certeza do raciocínio matemático.
A. Não existe, é uma ilusão.
B. Existe mas não pode ser conhecida.
C. É algo que se coloca como um fim mas nunca
se alcança.
D. É uma ideia evidente e “a priori”.
A. Metódica e provisória.
B. Constante e definitiva.
C. Dogmática e irracional.
D. Não há tal coisa como dúvida cartesiana.
A. Inata à razão mas a sua causa é exterior.
B. Produzida apenas pelo pensamento.
C. Obscura e pouco clara.
D. Um artifício para consolidar o conhecimento.
A. Centra-se na relação com o cogito.
B. Não há críticas de Hume a Descartes.
C. Evoca a falácia da petição de princípio na
prova da existência de Deus.
D. Hume concorda com a dúvida cartesiana.
 A coloca em causa a existência de uma
substância pensante, um “Eu”.
 Coloca em causa a existência de um
conhecimento “a priori”.
 Põe em dúvida os sentidos como fonte de
conhecimento.
 Hume não critica Descartes.
A. Não tem importância para ambos os
filósofos.
B. É uma ciência do fundamento para
Descartes e para Hume.
C. É uma ciência do fundamento apenas para
Descartes.
D. Significa idealismo exagerado.
A. Empirismo e Cepticismo.
B. Idealismo e Materialismo.
C. Não há teorias sobre a origem do
conhecimento.
D. Racionalismo e Empirismo.
A. As ideias não têm significado sem as
impressões respectivas.
B. Acerca do mundo só há impressões.
C. O conhecimento matemático não é possível.
D. As impressões são vagas e as ideias fortes.
A. A necessidade de criticar a experiência.
B. A fundamentação sólida e racional do
conhecimento.
C. Não há razões para se ser racionalista.
D. A aplicação da matemática todas as áreas do
saber.
A. Na relação causa-efeito.
B. Na razão e nos raciocínios.
C. Na interdependência razão/sentidos.
D. Em nenhuma destas opções.
A.Todo o conhecimento é de factos.
B.Todo o conhecimento é ilimitado e certo.
C. Não podemos conhecer verdades
metafísicas.
D. Não podemos ter conhecimento “a priori”.
A. É um hábito psicológico produto da
experiência repetida e não uma conexão
necessária.
B. É uma relação necessária entre factos.
C. Não existe.
D. É uma relação de falível e imprevisível.
A. Amplia a nossa confiança na ciência.
B. Reduz as possibilidades de ter ilusões.
C. Obriga-nos a uma visão crítica.
D. Hume não é um céptico.
 A: A conexão necessária entre os factos.
 B. A conjunção constante entre certos factos.
 C. A impressão de causa-efeito.
 D. O hábito de ver a sucessão de factos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousananasimao
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Isabel Moura
 
Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deuspaulomanesantos
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeJorge Barbosa
 
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia AnalíticaProblema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia AnalíticaFellipe Ávila
 

Mais procurados (20)

Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Cogito_Descartes
Cogito_DescartesCogito_Descartes
Cogito_Descartes
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deus
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia AnalíticaProblema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
Problema de Gettier - Área:Filosofia - Sub-área:Epistemologia Analítica
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxHelena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxHelena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxHelena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxHelena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pietaHelena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaHelena Serrão
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificialHelena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daHelena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 

Último

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 

Revisoes hume e_descartes

  • 2.  A. Se é vermelho então tem cor.  B. 4x4=16  C. O italiano é a língua falada em Itália.  D. O todo é maior que as partes que o constituem.
  • 3. A. Destroem a nossa crença na existência da verdade. B. Aumentam a certeza sobre o conhecimento. C. Não afetam o conhecimento. D. Permitem a superação da dúvida.
  • 4.  A. não encontra uma forma de fundamentar racionalmente o conhecimento.  Hume não é um filósofo cético  Não encontra fundamentos infalíveis para a existência de Deus.  Admite a possibilidade de uma dúvida radical.
  • 5.  A. Não utiliza os argumentos cépticos.  B. Utiliza-os na última fase da sua vida.  C. Utiliza os argumentos para os superar.  D. Desde o início demarca-se do cepticismo.
  • 6. A. Mostrar que os argumentos são falaciosos. B. Encontrar crenças que se auto-justifiquem. C. Suspender o juízo sobre a verdade. D. Confiar nos sentidos.
  • 7.  A. A mente, o vazio e a divindade.  B. A crença na experiência.  C. A razão e Deus.  D. A certeza do raciocínio matemático.
  • 8. A. Não existe, é uma ilusão. B. Existe mas não pode ser conhecida. C. É algo que se coloca como um fim mas nunca se alcança. D. É uma ideia evidente e “a priori”.
  • 9. A. Metódica e provisória. B. Constante e definitiva. C. Dogmática e irracional. D. Não há tal coisa como dúvida cartesiana.
  • 10. A. Inata à razão mas a sua causa é exterior. B. Produzida apenas pelo pensamento. C. Obscura e pouco clara. D. Um artifício para consolidar o conhecimento.
  • 11. A. Centra-se na relação com o cogito. B. Não há críticas de Hume a Descartes. C. Evoca a falácia da petição de princípio na prova da existência de Deus. D. Hume concorda com a dúvida cartesiana.
  • 12.  A coloca em causa a existência de uma substância pensante, um “Eu”.  Coloca em causa a existência de um conhecimento “a priori”.  Põe em dúvida os sentidos como fonte de conhecimento.  Hume não critica Descartes.
  • 13. A. Não tem importância para ambos os filósofos. B. É uma ciência do fundamento para Descartes e para Hume. C. É uma ciência do fundamento apenas para Descartes. D. Significa idealismo exagerado.
  • 14. A. Empirismo e Cepticismo. B. Idealismo e Materialismo. C. Não há teorias sobre a origem do conhecimento. D. Racionalismo e Empirismo.
  • 15. A. As ideias não têm significado sem as impressões respectivas. B. Acerca do mundo só há impressões. C. O conhecimento matemático não é possível. D. As impressões são vagas e as ideias fortes.
  • 16. A. A necessidade de criticar a experiência. B. A fundamentação sólida e racional do conhecimento. C. Não há razões para se ser racionalista. D. A aplicação da matemática todas as áreas do saber.
  • 17. A. Na relação causa-efeito. B. Na razão e nos raciocínios. C. Na interdependência razão/sentidos. D. Em nenhuma destas opções.
  • 18. A.Todo o conhecimento é de factos. B.Todo o conhecimento é ilimitado e certo. C. Não podemos conhecer verdades metafísicas. D. Não podemos ter conhecimento “a priori”.
  • 19. A. É um hábito psicológico produto da experiência repetida e não uma conexão necessária. B. É uma relação necessária entre factos. C. Não existe. D. É uma relação de falível e imprevisível.
  • 20. A. Amplia a nossa confiança na ciência. B. Reduz as possibilidades de ter ilusões. C. Obriga-nos a uma visão crítica. D. Hume não é um céptico.
  • 21.  A: A conexão necessária entre os factos.  B. A conjunção constante entre certos factos.  C. A impressão de causa-efeito.  D. O hábito de ver a sucessão de factos.