SlideShare uma empresa Scribd logo
Determinismo e Liberdade na
Ação Humana
Posições sobre o problema do livre-arbítrio
2
“O Homem não é impotente nem omnipotente: tem poderes e esses poderes são
surpreendentemente grandes, mas não são infinitos nem tão grandes como ele desejaria.”
Bertrand Russell
O que é o livre-arbítrio?
• Capacidade inerente à natureza
humana de efetuar ou não um
comportamento, isto é, fazer
opções.
• Capacidade para iniciar uma
nova ordem causal.
• Normalmente concebemos a
ação humana como um ato
voluntário e livre.
3
O que é o determinismo?
4
• A ciência moderna afirma que
todos os acontecimentos no
universo estão determinados, ou
seja, já está determinado se vão
ou não acontecer.
• Se a ação humana pertence ao
universo, também ela está
determinada.
O problema do livre-arbítrio
• Se as ações humanas são determinadas,
a Liberdade parece ser impossível.
• Então, será o livre-arbítrio compatível
com o determinismo?
• Ou será a nossa ideia de Liberdade
apenas uma ilusão?
5
Condicionantes da ação humana
• Fatores externos que funcionam
como causas da ação.
• Por um lado, as condicionantes são
condições de possibilidade da ação,
por outro, limitam e orientam a
conduta humana.
6
Condicionantes Físico-Biológicas
• Temos um património genético que determina a forma do nosso
corpo, aptidões físicas e intelectuais, resistência a doenças,
predisposições, necessidades, entre outros fatores.
• Podemos falar devido a um complexo aparelho vocal. Este aparelho é
muito vasto mas consegue reproduzir uma pequena quantidade dos
sons da natureza.
• Se o corpo biológico é masculino não pode gerar internamente um
feto, ao passo que um corpo feminino tem essa possibilidade.
7
Condicionantes Histórico-Culturais
• Não escolhemos o país em que nascemos, nem a nossa cultura ou
sociedade em que estamos integrados, para a qual não contribuímos
em nada até ao nosso nascimento.
• Consoante o tempo, o lugar e a cultura em que formos educados
aprendemos diferentes hábitos e valores que nos dizem o que
devemos fazer, como fazer, o que pensar e a forma como devemos
interpretar a realidade.
8
Respostas ao problema do livre-arbítrio
Compatibilismo
(Há compatibilidade entre
livre-arbítrio e determinismo)
Incompatibilismo
(Não há compatibilidade entre determinismo e livre-arbítrio)
Determinismo Moderado Determinismo Radical Libertismo
O determinismo e o livre-
arbítrio são verdadeiros.
Somos livres num quadro de
condicionantes.
Se o determinismo é
verdadeiro, toda a ação é
determinada.
A vontade do agente é a única
causa da ação.
9
Indeterminismo – As ações são aleatórias e imprevisíveis.
Determinismo moderado (Compatibilismo)
Argumentos
• O ser humano tem uma consciência interna de liberdade (faço uma
coisa, mas podia fazer outra).
• A vontade é livre se não sofrer constrangimento.
• As ações são determinadas, mas não são completamente
constrangidas.
• As minhas escolhas estão determinadas, mas eu posso escolher entre uma e outra.
Objeção
• Não existe um fundamento que legitime a diferença de estatuto
natural entre o ser humano e ou outros animais.
10
Determinismo radical (Incompatibilismo)
Argumentos
• De acordo com a física moderna, tudo o que sucede no mundo
acontece necessariamente a partir de uma série de acontecimentos
que o antecederam e que são a sua causa.
• Ex: uma pedra arremessada terá de percorrer um determinado caminho, pois o
seu comportamento é feito da ação que a causou.
• As nossas ações são submetidas causalmente aos impulsos
provenientes da experiência de vida e dos traços de caráter.
• Logo, os seres humanos não têm livre-arbítrio, pois o livre-arbítrio é incompatível
com a ideia de um mundo regido por leis fixas.
11
Determinismo radical (Incompatibilismo)
Objeções
• Apesar da física moderna não permitir entender a ação humana como
livre, continuamos a acreditar na liberdade.
• Recusar a liberdade no sentido positivo é recusar a atribuição de
responsabilidade.
• Ex: Um criminoso não pode ser castigado porque as suas ações são uma
consequência do seu passado.
12
Libertismo (Incompatibilismo)
Argumentos
• O mundo material e a ação humana têm naturezas diferentes e por
isso são regidas por leis diferentes.
• Apesar das limitações, o agente pode decidir livremente de acordo
com a escolha que fez.
• Fenómenos naturais são regidos pelas leis da Física
• Fenómenos mentais (incluem a intenção, os desejos e as crenças) são regidos por
leis próprias e independentes.
13
Libertismo (Incompatibilismo)
Objeções
• Esta teoria baseia-se num dualismo corpo-mente.
• Não é possível provar que os fenómenos mentais tenham uma
natureza diferente dos fenómenos naturais.
14
Indeterminismo
Argumentos
• Esta teoria baseia-se na Física quântica, que defende que é impossível
prever o comportamento das partículas, pois elas comportam-se de
forma aleatória.
• A ação humana também é regida pelo princípio da incerteza e da
indeterminação.
• Podemos defender o livre-arbítrio, pois a nossa vontade tem a
capacidade de começar espontaneamente novos casos e novas ações.
15
Indeterminismo
Objeções
• Podemos assumir a verdade do indeterminismo e das teorias da Física
Quântica, mas isso não elimina a causalidade.
• O nosso corpo continua a ser regido por leis naturais, apenas estão
fora do meu campo de conhecimento.
16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
Isabel Moura
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
InesTeixeiraDuarte
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
Luis De Sousa Rodrigues
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
Luis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
pauloricardom
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
Jorge Lopes
 
O Libertismo
O LibertismoO Libertismo
O Libertismo
filipa costa
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
Isabel Moura
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
Joana Filipa Rodrigues
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
Filazambuja
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Leonidia Afm
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
Bruno Pedro
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxDeterminismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
CecliaGomes25
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Hume
HumeHume
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
Filipe Prado
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
O Libertismo
O LibertismoO Libertismo
O Libertismo
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderado
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxDeterminismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 

Semelhante a Determinismo e liberdade_na_acao_humana

3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
RafaelaQueiros
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
Helena Serrão
 
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Jorge Barbosa
 
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
AidaCunha73
 
Microsoft power point liberdade ou determinismo
Microsoft power point   liberdade ou determinismoMicrosoft power point   liberdade ou determinismo
Microsoft power point liberdade ou determinismo
Julia Martins
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
Jorge Barbosa
 
Liberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoLiberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismo
Julia Martins
 
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptxDeterminismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
JoanaGomes513884
 
Filosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptx
Filosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptxFilosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptx
Filosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptx
helizadiana
 
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismoFilosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
AnaBeatriz125525
 
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMOAULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AnaErikaPiresLeao
 
O problema do livre-arbítrio
O problema do livre-arbítrioO problema do livre-arbítrio
O problema do livre-arbítrio
AnaKlein1
 
Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Fátima Teixeira Kika
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Apontamentos de filosofia 10ºano
Apontamentos de filosofia 10ºanoApontamentos de filosofia 10ºano
Apontamentos de filosofia 10ºano
Escola Básica e Secundária Tomás de Borba
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
mluisavalente
 
Determinismo
DeterminismoDeterminismo
Determinismo
Luciano Souza
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Marta Gomes
 
Livre arbitrio e Espiritismo
Livre arbitrio e EspiritismoLivre arbitrio e Espiritismo
Livre arbitrio e Espiritismo
Mocidade Bezzerra de Menezes
 

Semelhante a Determinismo e liberdade_na_acao_humana (20)

3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
 
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
 
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
 
Microsoft power point liberdade ou determinismo
Microsoft power point   liberdade ou determinismoMicrosoft power point   liberdade ou determinismo
Microsoft power point liberdade ou determinismo
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Liberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoLiberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismo
 
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptxDeterminismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
 
Filosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptx
Filosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptxFilosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptx
Filosofia Ética - A MORAL E A LIBERDADE.pptx
 
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismoFilosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
 
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMOAULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
AULA SOBRE LIBERDADE - DETERMINISMO/RELATIVISMO
 
O problema do livre-arbítrio
O problema do livre-arbítrioO problema do livre-arbítrio
O problema do livre-arbítrio
 
Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
 
Apontamentos de filosofia 10ºano
Apontamentos de filosofia 10ºanoApontamentos de filosofia 10ºano
Apontamentos de filosofia 10ºano
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
 
Determinismo
DeterminismoDeterminismo
Determinismo
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
 
Livre arbitrio e Espiritismo
Livre arbitrio e EspiritismoLivre arbitrio e Espiritismo
Livre arbitrio e Espiritismo
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 

Determinismo e liberdade_na_acao_humana

  • 1. Determinismo e Liberdade na Ação Humana Posições sobre o problema do livre-arbítrio
  • 2. 2 “O Homem não é impotente nem omnipotente: tem poderes e esses poderes são surpreendentemente grandes, mas não são infinitos nem tão grandes como ele desejaria.” Bertrand Russell
  • 3. O que é o livre-arbítrio? • Capacidade inerente à natureza humana de efetuar ou não um comportamento, isto é, fazer opções. • Capacidade para iniciar uma nova ordem causal. • Normalmente concebemos a ação humana como um ato voluntário e livre. 3
  • 4. O que é o determinismo? 4 • A ciência moderna afirma que todos os acontecimentos no universo estão determinados, ou seja, já está determinado se vão ou não acontecer. • Se a ação humana pertence ao universo, também ela está determinada.
  • 5. O problema do livre-arbítrio • Se as ações humanas são determinadas, a Liberdade parece ser impossível. • Então, será o livre-arbítrio compatível com o determinismo? • Ou será a nossa ideia de Liberdade apenas uma ilusão? 5
  • 6. Condicionantes da ação humana • Fatores externos que funcionam como causas da ação. • Por um lado, as condicionantes são condições de possibilidade da ação, por outro, limitam e orientam a conduta humana. 6
  • 7. Condicionantes Físico-Biológicas • Temos um património genético que determina a forma do nosso corpo, aptidões físicas e intelectuais, resistência a doenças, predisposições, necessidades, entre outros fatores. • Podemos falar devido a um complexo aparelho vocal. Este aparelho é muito vasto mas consegue reproduzir uma pequena quantidade dos sons da natureza. • Se o corpo biológico é masculino não pode gerar internamente um feto, ao passo que um corpo feminino tem essa possibilidade. 7
  • 8. Condicionantes Histórico-Culturais • Não escolhemos o país em que nascemos, nem a nossa cultura ou sociedade em que estamos integrados, para a qual não contribuímos em nada até ao nosso nascimento. • Consoante o tempo, o lugar e a cultura em que formos educados aprendemos diferentes hábitos e valores que nos dizem o que devemos fazer, como fazer, o que pensar e a forma como devemos interpretar a realidade. 8
  • 9. Respostas ao problema do livre-arbítrio Compatibilismo (Há compatibilidade entre livre-arbítrio e determinismo) Incompatibilismo (Não há compatibilidade entre determinismo e livre-arbítrio) Determinismo Moderado Determinismo Radical Libertismo O determinismo e o livre- arbítrio são verdadeiros. Somos livres num quadro de condicionantes. Se o determinismo é verdadeiro, toda a ação é determinada. A vontade do agente é a única causa da ação. 9 Indeterminismo – As ações são aleatórias e imprevisíveis.
  • 10. Determinismo moderado (Compatibilismo) Argumentos • O ser humano tem uma consciência interna de liberdade (faço uma coisa, mas podia fazer outra). • A vontade é livre se não sofrer constrangimento. • As ações são determinadas, mas não são completamente constrangidas. • As minhas escolhas estão determinadas, mas eu posso escolher entre uma e outra. Objeção • Não existe um fundamento que legitime a diferença de estatuto natural entre o ser humano e ou outros animais. 10
  • 11. Determinismo radical (Incompatibilismo) Argumentos • De acordo com a física moderna, tudo o que sucede no mundo acontece necessariamente a partir de uma série de acontecimentos que o antecederam e que são a sua causa. • Ex: uma pedra arremessada terá de percorrer um determinado caminho, pois o seu comportamento é feito da ação que a causou. • As nossas ações são submetidas causalmente aos impulsos provenientes da experiência de vida e dos traços de caráter. • Logo, os seres humanos não têm livre-arbítrio, pois o livre-arbítrio é incompatível com a ideia de um mundo regido por leis fixas. 11
  • 12. Determinismo radical (Incompatibilismo) Objeções • Apesar da física moderna não permitir entender a ação humana como livre, continuamos a acreditar na liberdade. • Recusar a liberdade no sentido positivo é recusar a atribuição de responsabilidade. • Ex: Um criminoso não pode ser castigado porque as suas ações são uma consequência do seu passado. 12
  • 13. Libertismo (Incompatibilismo) Argumentos • O mundo material e a ação humana têm naturezas diferentes e por isso são regidas por leis diferentes. • Apesar das limitações, o agente pode decidir livremente de acordo com a escolha que fez. • Fenómenos naturais são regidos pelas leis da Física • Fenómenos mentais (incluem a intenção, os desejos e as crenças) são regidos por leis próprias e independentes. 13
  • 14. Libertismo (Incompatibilismo) Objeções • Esta teoria baseia-se num dualismo corpo-mente. • Não é possível provar que os fenómenos mentais tenham uma natureza diferente dos fenómenos naturais. 14
  • 15. Indeterminismo Argumentos • Esta teoria baseia-se na Física quântica, que defende que é impossível prever o comportamento das partículas, pois elas comportam-se de forma aleatória. • A ação humana também é regida pelo princípio da incerteza e da indeterminação. • Podemos defender o livre-arbítrio, pois a nossa vontade tem a capacidade de começar espontaneamente novos casos e novas ações. 15
  • 16. Indeterminismo Objeções • Podemos assumir a verdade do indeterminismo e das teorias da Física Quântica, mas isso não elimina a causalidade. • O nosso corpo continua a ser regido por leis naturais, apenas estão fora do meu campo de conhecimento. 16