SlideShare uma empresa Scribd logo
Plantas Daninhas 
do Algodoeiro 
Letícia Ferreira Linhares
Introdução 
Constituem em um dos principais problemas no 
algodão; 
Competem pela extração de água, luz, CO2, 
nutrientes e exercem alelopatia; 
Hospedeiras de pragas e doenças; 
Reduções superiores a 90% na produtividade;
Definição 
Planta daninha(P.D.) é qualquer ser vegetal que 
cresce onde não é desejado, enquadrando as tigueras 
da cultura que vegetam espontaneamente em 
lavouras subseqüentes a estas. (LORENZI, 2014);
Por que controlar? 
O algodoeiro é bastante sensível a interferência causada 
pelas plantas daninhas; 
Possui metabolismo C3, baixa eficiência transpiratória, 
crescimento inicial muito lento -> baixa capacidade de 
competição com as plantas infestantes; 
Prejuízos quantitativos e qualitativos – contaminação com 
sementes e restos de daninhas na colheita, prejudicando 
qualidade da fibra e beneficiamento; 
Aumentam o custo de produção – extenso ciclo;
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão 
Duas categorias de plantas daninhas destacam-se na 
cultura do algodoeiro: 
1 - Apresentam elevada competitividade ou densidade de 
infestação. 
Ex: capim-colchão. 
Fonte: Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Embrapa.
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão 
2 - Reduzem a qualidade da fibra. 
Ex: picão. 
Fonte: Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Embrapa. 
E espécies nas duas categorias  Ex: capim-carrapicho 
e corda de viola.
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Foto: Harri Lorenzi 
Capim colchão – 
Digitaria sanguinalis 
Sementes, folhas secas e pedaços de 
caule, aderem às fibras do algodão, 
reduzindo sua qualidade extrínseca; 
Resistente ao Glifosato;
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Caruru-de-espinho 
Amaranthus spinosus L. 
Presença de espinhos no caule, 
prejudica a colheita manual 
Fonte: Rafael Nolêto – http://herbologiamistica.blogspot.com.br/2014/02/nao-arranque-caruru-cura-caruru-se-come.html
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Corda-de-viola 
Ipomoea sp. 
Entrelaçamento de suas estruturas 
com as plantas do algodão; 
Hospedeiras de diversas espécies 
de nematóides. 
Fonte: http://www.plantasdaninhasonline.com.br/amendoim2/amendoim2.htm
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Fonte: http://www.afloresta.com.br/produtos/picao/ 
Picão 
Bidens pilosa L. 
Sementes dotadas de estruturas que aderem 
à fibra do algodão; 
Resistente ao Glifosato;
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Fonte: FMC Agrícola Fonte:www.jardimflordoleste.com.br/ervas-daninhas/ 
Capim-carrapicho 
Cenchrus echinatus 
Carrapicho de carneiro 
Acanthospermum hispidum 
Frutos aderem à fibra do algodão e prejudicam a colheita manual 
devido aos espinhos.
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Guanxuma 
Sida cordifolia L. 
Hospedeira do mosaico comum, 
virose transmitida pela mosca- 
-branca(vetor do mosaico comum), 
após ter se alimentado de espécies 
do gênero Sida. 
Fonte: http://www.agrolink.com.br/agricultura/problemas/busca/guanxuma_122.html
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Trapoeraba 
Commelina benghalensis L. 
Grande agressividade de crescimento, 
eficiente reprodução – competição 
com o algodão na fase inicial de 
crescimento. 
Tolerante ao Glifosato. 
Fonte: http://flores.culturamix.com/flores/trapoeraba-uma-especie-de-dificil-controle
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Buva 
Conyza bonariensis L. 
Alto potencial de reprodução, alta 
capacidade de interferência na cultura, 
Com folhas glutinosas; 
-> 20 plantas/m² convivendo com o 
algodão, causou redução da produtivi-dade 
em 46% (Steckel et al., 2009); 
->Resistente ao Glifosato 
Fonte: http://ruralpecuaria.com.br/noticia/agricultores-tem-dificuldades-para-combater-o-ataque-da-buva-em-ms.html
Principais plantas daninhas para 
a cultura do algodão e seus danos 
Joá-de-Capote 
Nicandra physalodes L. 
Rápido e intenso crescimento; 
Alcançando até 1,40 m de altura; 
Fonte: https://www.fmcagricola.com.br/produtodetalhesfoto.aspx?codProd=40&codCult=188&codFoto=945
Período Crítico de Competição 
É relativo a cultivar, seu ciclo e espaçamento utilizado, 
além das características específicas de cada daninha – 
influenciando no fechamento de dossel; 
Segundo Lamas(2009) o período de interferência das 
plantas daninhas é maior em média, entre 15 e 70 dias após 
a emergência do algodão – crescimento inicial lento; 
 Início da implantação do algodão – importante a cultura 
fechar dossel livre de plantas daninhas;
Manejo de Plantas Daninhas 
Controle Preventivo: 
- Evitar atingir nível crítico de competição; 
- Presente em todas as etapas de desenvolvimento da 
cultura do algodoeiro; 
- Da escolha da semente, até o momento da colheita. 
- Ex: Controle de áreas vizinhas e beira de estradas; 
manejo na entressafra;
Manejo de Plantas Daninhas 
Controle Cultural: 
- Refere-se a variação do espaçamento da cultura, 
cultivares competitivas, rotação de cultura,etc. 
- Espaçamento ultra-adensado: 0,19 – 0,38m; dificulta 
- Espaçamento adensado: 0,39 – 0,76m; jato dirigido 
- Espaçamento convencional: a partir de 0,76m entre 
fileiras;
Manejo de Plantas Daninhas 
Controle Químico: 
- Dessecação; 
- Pré-plantio incorporado (PPI); 
- Pré-emergência (PRÉ); 
- Pós-emergência (PÓS). 
Em algumas situações, o uso na destruição de restos 
culturais (tigueras) e soqueiras.
Manejo de Plantas Daninhas 
Dessecação: 
- Tanto em plantio direto ou convencional; 
- Objetiva eliminar cultura de cobertura e plantas 
daninhas remanescentes; 
- Em plantio direto – vantagem de formação da 
palhada; 
- Ex: Glifosato e Paraquat.
Manejo de Plantas Daninhas 
Pré-plantio incorporado (PPI): 
- Herbicidas que exigem incorporação devido a 
sensibilidade à radiação ultravioleta 
(fotodecomposição), volatilização, e outros. 
Ex: trifuralin 
- Incorporação com grade – revolver sementes de 
plantas daninhas na camada superficial.
Manejo de Plantas Daninhas 
Pré-emergência: 
- Conhecer histórico da área; 
- Atentar a seletividade às cultivares de algodão. 
- Objetiva o efeito residual do herbicida utilizado; 
- Porém é necessária a complementação com herbicidas 
pós-emergente.
Manejo de Plantas Daninhas 
Pós-emergência: Complementação de controle. Aplicação 
em área total (POS) ou em jato dirigido (POSd). 
- POS baseado em seletividade à cultura, estágio de 
desenvolvimento das p.d. e controle antes da mato-competição; 
- POSd: Caule lignificado, herbicidas de amplo 
espectro,antes de fechar dossel. 
- Na colheita controle é ineficaz e prejudicial à pluma.
Manejo de Plantas Daninhas 
Destruição de soqueiras  Mecânico ou Químico? 
- Mecânico: Enxada rotativa ou Gradagem? 
Enxada rotativa –> boa destruição e corte de restos 
culturais e plantas daninhas, porém ruim à 
conservação do solo. 
Gradagem -> Menos agressiva à conservação do solo 
(age superficialmente), e atua no banco de sementes 
de plantas daninhas. 
- Químico: otimização de maquinários. Ex: Glifosato e 
Paraquat.
Banco de Sementes (B.S.) 
Enriquecimento banco de sementes: 
- Sementes de plantas remanescentes; 
- Estratégia da planta em stress para perpetuar a 
espécie. 
- Dispersão – maquinários,animais,vento,água e 
homem. 
Plantas daninhas – dormência e longevidade; 
A longevidade é variável - da espécie, da
Banco de Sementes (B.S.) 
Dificulta o manejo eficiente – presente em camadas sub 
superficiais do solo; 
Conhecer histórico das espécies na área, e atuar neste banco de 
sementes. 
Informações de banco de sementes – ferramenta importante na 
tomada de decisão do manejo; 
Redução B.S. Proporciona menor problema com plantas 
daninhas e economia para os agricultores.
Resistência de Plantas Daninhas à 
Herbicidas 
Causas? 
- Superdosagens, subdosagens, monocultivo com aplicações 
similares, culturas tolerantes com frequentes aplicações. 
Quais Plantas Daninhas se tornaram resistentes ao Glifosato? E 
tolerante? 
O que isso implica? 
Pressão de seleção, dificuldade cada vez maior no controle das 
plantas daninhas. 
Alternativas -> uso do Paraquat.
Notícias 
Fonte: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=22339&secao=Sanidade%20Vegetal
Notícias 
Fonte: http://agricultura.ruralbr.com.br/noticia/2013/09/embrapa-lanca-quatro-cultivares-de-algodao-com-tolerancia-a-herbicida-4255141.html
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
Freire, E C. Algodão no cerrado do Brasil. 2ª edição revisada e ampliada. 
ABRAPA. Goiás: Aparecida de Goiânia, 2011. 
Vargas, L.; Roman E S. Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. 
Embrapa. RS: Bento Gonçalves, 2004. 215 p. 
Lorenzi H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas – 
Plantio direto e convencional. 7ª edição. Instituto Plantarum de Estudos 
da Flora Ltda, 2014. 
Lamas F M. Cultura do Algodoeiro. Tecnologia e Produção Soja e Milho 
2008/2009. Disponível em: 
http://www.diadecampo.com.br/arquivos/materias/%7BF5187E4C-9D16-4E7E-83D8- 
5AA14253BF87%7D_17_cultura_do_algodoeiro.pdf 
Monquero P A. e Silva A C. Banco de sementes de plantas daninhas e 
herbicidas como fator de seleção. Pesquisa e Tecnologia, vol. 2, n.2, Jul- 
Dez 2005.
Obrigada! 
Letícia Ferreira Linhares 
leticiafl_agro@hotmail.com 
(062) 8141-8978

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
Geagra UFG
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
Paulo Rogerio Guimaraes
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
paisagista
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
Geagra UFG
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Propagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferasPropagacão de plantas frutiferas
Propagacão de plantas frutiferas
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIROMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORESREGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
 

Destaque

Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
Geagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapa
gizelebaldo
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 
Estudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasEstudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasoras
Rosinalldo Santos
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do Algodeiro
Geagra UFG
 
Apostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasApostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhas
Rômulo Magno
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
Geagra UFG
 
Como plantar Algodão
Como plantar AlgodãoComo plantar Algodão
Como plantar Algodão
Leandro Almeida
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
Marcos Ferreira
 
Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1
marianax3
 
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauraçãoFlavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Carlos Alberto Monteiro
 
Planta Turistica Pallacan Veas
Planta Turistica   Pallacan VeasPlanta Turistica   Pallacan Veas
Planta Turistica Pallacan Veas
Rodrigo Figueroa
 
4 bimestre
4 bimestre4 bimestre
Identificação e controlo eficiente de plantas invasoras
Identificação e controlo eficiente de plantas invasorasIdentificação e controlo eficiente de plantas invasoras
Identificação e controlo eficiente de plantas invasoras
Plantas Invasoras em Portugal
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Biosegurança 2012 (1)
Biosegurança 2012 (1)Biosegurança 2012 (1)
Biosegurança 2012 (1)
Sofia Iba
 
Trapoeraba!
Trapoeraba!Trapoeraba!
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
Geagra UFG
 

Destaque (20)

Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapa
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Estudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasEstudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasoras
 
Adubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do AlgodeiroAdubação na cultura do Algodeiro
Adubação na cultura do Algodeiro
 
Apostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasApostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhas
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
Como plantar Algodão
Como plantar AlgodãoComo plantar Algodão
Como plantar Algodão
 
Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
 
Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1
 
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauraçãoFlavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
 
Planta Turistica Pallacan Veas
Planta Turistica   Pallacan VeasPlanta Turistica   Pallacan Veas
Planta Turistica Pallacan Veas
 
4 bimestre
4 bimestre4 bimestre
4 bimestre
 
Identificação e controlo eficiente de plantas invasoras
Identificação e controlo eficiente de plantas invasorasIdentificação e controlo eficiente de plantas invasoras
Identificação e controlo eficiente de plantas invasoras
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Algodão
 
Biosegurança 2012 (1)
Biosegurança 2012 (1)Biosegurança 2012 (1)
Biosegurança 2012 (1)
 
Trapoeraba!
Trapoeraba!Trapoeraba!
Trapoeraba!
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 

Semelhante a Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro

Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
MarcosSantiago69
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdf
GiovaniGigio3
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Geagra UFG
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
GilsonRibeiroNachtig
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Geagra UFG
 
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Portal Canal Rural
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
Dani Malheiro
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdfAula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
SimoneBragaTerra
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
Evangela Gielow
 
Trop (1)
Trop  (1)Trop  (1)
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Agricultura Sao Paulo
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
Geagra UFG
 

Semelhante a Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro (20)

Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdf
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdfAula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
 
Trop (1)
Trop  (1)Trop  (1)
Trop (1)
 
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 

Mais de Geagra UFG

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 

Último

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro

  • 1. Plantas Daninhas do Algodoeiro Letícia Ferreira Linhares
  • 2. Introdução Constituem em um dos principais problemas no algodão; Competem pela extração de água, luz, CO2, nutrientes e exercem alelopatia; Hospedeiras de pragas e doenças; Reduções superiores a 90% na produtividade;
  • 3. Definição Planta daninha(P.D.) é qualquer ser vegetal que cresce onde não é desejado, enquadrando as tigueras da cultura que vegetam espontaneamente em lavouras subseqüentes a estas. (LORENZI, 2014);
  • 4. Por que controlar? O algodoeiro é bastante sensível a interferência causada pelas plantas daninhas; Possui metabolismo C3, baixa eficiência transpiratória, crescimento inicial muito lento -> baixa capacidade de competição com as plantas infestantes; Prejuízos quantitativos e qualitativos – contaminação com sementes e restos de daninhas na colheita, prejudicando qualidade da fibra e beneficiamento; Aumentam o custo de produção – extenso ciclo;
  • 5. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão Duas categorias de plantas daninhas destacam-se na cultura do algodoeiro: 1 - Apresentam elevada competitividade ou densidade de infestação. Ex: capim-colchão. Fonte: Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Embrapa.
  • 6. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão 2 - Reduzem a qualidade da fibra. Ex: picão. Fonte: Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Embrapa. E espécies nas duas categorias  Ex: capim-carrapicho e corda de viola.
  • 7. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Foto: Harri Lorenzi Capim colchão – Digitaria sanguinalis Sementes, folhas secas e pedaços de caule, aderem às fibras do algodão, reduzindo sua qualidade extrínseca; Resistente ao Glifosato;
  • 8. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Caruru-de-espinho Amaranthus spinosus L. Presença de espinhos no caule, prejudica a colheita manual Fonte: Rafael Nolêto – http://herbologiamistica.blogspot.com.br/2014/02/nao-arranque-caruru-cura-caruru-se-come.html
  • 9. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Corda-de-viola Ipomoea sp. Entrelaçamento de suas estruturas com as plantas do algodão; Hospedeiras de diversas espécies de nematóides. Fonte: http://www.plantasdaninhasonline.com.br/amendoim2/amendoim2.htm
  • 10. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Fonte: http://www.afloresta.com.br/produtos/picao/ Picão Bidens pilosa L. Sementes dotadas de estruturas que aderem à fibra do algodão; Resistente ao Glifosato;
  • 11. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Fonte: FMC Agrícola Fonte:www.jardimflordoleste.com.br/ervas-daninhas/ Capim-carrapicho Cenchrus echinatus Carrapicho de carneiro Acanthospermum hispidum Frutos aderem à fibra do algodão e prejudicam a colheita manual devido aos espinhos.
  • 12. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Guanxuma Sida cordifolia L. Hospedeira do mosaico comum, virose transmitida pela mosca- -branca(vetor do mosaico comum), após ter se alimentado de espécies do gênero Sida. Fonte: http://www.agrolink.com.br/agricultura/problemas/busca/guanxuma_122.html
  • 13. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Trapoeraba Commelina benghalensis L. Grande agressividade de crescimento, eficiente reprodução – competição com o algodão na fase inicial de crescimento. Tolerante ao Glifosato. Fonte: http://flores.culturamix.com/flores/trapoeraba-uma-especie-de-dificil-controle
  • 14. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Buva Conyza bonariensis L. Alto potencial de reprodução, alta capacidade de interferência na cultura, Com folhas glutinosas; -> 20 plantas/m² convivendo com o algodão, causou redução da produtivi-dade em 46% (Steckel et al., 2009); ->Resistente ao Glifosato Fonte: http://ruralpecuaria.com.br/noticia/agricultores-tem-dificuldades-para-combater-o-ataque-da-buva-em-ms.html
  • 15. Principais plantas daninhas para a cultura do algodão e seus danos Joá-de-Capote Nicandra physalodes L. Rápido e intenso crescimento; Alcançando até 1,40 m de altura; Fonte: https://www.fmcagricola.com.br/produtodetalhesfoto.aspx?codProd=40&codCult=188&codFoto=945
  • 16. Período Crítico de Competição É relativo a cultivar, seu ciclo e espaçamento utilizado, além das características específicas de cada daninha – influenciando no fechamento de dossel; Segundo Lamas(2009) o período de interferência das plantas daninhas é maior em média, entre 15 e 70 dias após a emergência do algodão – crescimento inicial lento;  Início da implantação do algodão – importante a cultura fechar dossel livre de plantas daninhas;
  • 17. Manejo de Plantas Daninhas Controle Preventivo: - Evitar atingir nível crítico de competição; - Presente em todas as etapas de desenvolvimento da cultura do algodoeiro; - Da escolha da semente, até o momento da colheita. - Ex: Controle de áreas vizinhas e beira de estradas; manejo na entressafra;
  • 18. Manejo de Plantas Daninhas Controle Cultural: - Refere-se a variação do espaçamento da cultura, cultivares competitivas, rotação de cultura,etc. - Espaçamento ultra-adensado: 0,19 – 0,38m; dificulta - Espaçamento adensado: 0,39 – 0,76m; jato dirigido - Espaçamento convencional: a partir de 0,76m entre fileiras;
  • 19. Manejo de Plantas Daninhas Controle Químico: - Dessecação; - Pré-plantio incorporado (PPI); - Pré-emergência (PRÉ); - Pós-emergência (PÓS). Em algumas situações, o uso na destruição de restos culturais (tigueras) e soqueiras.
  • 20. Manejo de Plantas Daninhas Dessecação: - Tanto em plantio direto ou convencional; - Objetiva eliminar cultura de cobertura e plantas daninhas remanescentes; - Em plantio direto – vantagem de formação da palhada; - Ex: Glifosato e Paraquat.
  • 21. Manejo de Plantas Daninhas Pré-plantio incorporado (PPI): - Herbicidas que exigem incorporação devido a sensibilidade à radiação ultravioleta (fotodecomposição), volatilização, e outros. Ex: trifuralin - Incorporação com grade – revolver sementes de plantas daninhas na camada superficial.
  • 22. Manejo de Plantas Daninhas Pré-emergência: - Conhecer histórico da área; - Atentar a seletividade às cultivares de algodão. - Objetiva o efeito residual do herbicida utilizado; - Porém é necessária a complementação com herbicidas pós-emergente.
  • 23. Manejo de Plantas Daninhas Pós-emergência: Complementação de controle. Aplicação em área total (POS) ou em jato dirigido (POSd). - POS baseado em seletividade à cultura, estágio de desenvolvimento das p.d. e controle antes da mato-competição; - POSd: Caule lignificado, herbicidas de amplo espectro,antes de fechar dossel. - Na colheita controle é ineficaz e prejudicial à pluma.
  • 24. Manejo de Plantas Daninhas Destruição de soqueiras  Mecânico ou Químico? - Mecânico: Enxada rotativa ou Gradagem? Enxada rotativa –> boa destruição e corte de restos culturais e plantas daninhas, porém ruim à conservação do solo. Gradagem -> Menos agressiva à conservação do solo (age superficialmente), e atua no banco de sementes de plantas daninhas. - Químico: otimização de maquinários. Ex: Glifosato e Paraquat.
  • 25. Banco de Sementes (B.S.) Enriquecimento banco de sementes: - Sementes de plantas remanescentes; - Estratégia da planta em stress para perpetuar a espécie. - Dispersão – maquinários,animais,vento,água e homem. Plantas daninhas – dormência e longevidade; A longevidade é variável - da espécie, da
  • 26. Banco de Sementes (B.S.) Dificulta o manejo eficiente – presente em camadas sub superficiais do solo; Conhecer histórico das espécies na área, e atuar neste banco de sementes. Informações de banco de sementes – ferramenta importante na tomada de decisão do manejo; Redução B.S. Proporciona menor problema com plantas daninhas e economia para os agricultores.
  • 27. Resistência de Plantas Daninhas à Herbicidas Causas? - Superdosagens, subdosagens, monocultivo com aplicações similares, culturas tolerantes com frequentes aplicações. Quais Plantas Daninhas se tornaram resistentes ao Glifosato? E tolerante? O que isso implica? Pressão de seleção, dificuldade cada vez maior no controle das plantas daninhas. Alternativas -> uso do Paraquat.
  • 30. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Freire, E C. Algodão no cerrado do Brasil. 2ª edição revisada e ampliada. ABRAPA. Goiás: Aparecida de Goiânia, 2011. Vargas, L.; Roman E S. Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Embrapa. RS: Bento Gonçalves, 2004. 215 p. Lorenzi H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas – Plantio direto e convencional. 7ª edição. Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2014. Lamas F M. Cultura do Algodoeiro. Tecnologia e Produção Soja e Milho 2008/2009. Disponível em: http://www.diadecampo.com.br/arquivos/materias/%7BF5187E4C-9D16-4E7E-83D8- 5AA14253BF87%7D_17_cultura_do_algodoeiro.pdf Monquero P A. e Silva A C. Banco de sementes de plantas daninhas e herbicidas como fator de seleção. Pesquisa e Tecnologia, vol. 2, n.2, Jul- Dez 2005.
  • 31. Obrigada! Letícia Ferreira Linhares leticiafl_agro@hotmail.com (062) 8141-8978