SlideShare uma empresa Scribd logo
Luana Alves de Lima
MANEJO DE PRAGAS DA SOJA
2
• Importância do manejo de pragas;
• Monitoramento de pragas;
• Principais pragas da cultura;
• Níveis de controle;
• Métodos de controle;
• Resistência.
Sumário
3
Importância do manejo
• Soja: uma das principais culturas do Brasil e ocupa 55 milhões de ha;
• O ataque a planta pode ocorrer em todo seu ciclo.
4
É fundamental para a tomada de decisão de controle no sistema produtivo;
MONITORAMENTO
Conhecer as espécies presentes na lavoura e suas populações;
Se for feita de forma incorreta haverá riscos para a produção.
5
• Amostragem de solo:
• Estimar populações de insetos de solo;
• Feito em trincheiras ou método quadrado;
• Pode-se realizar em covas de 30 x 30 x 50 cm.
METODOS DE AMOSTRAGEM
Fonte: Luana Alves, 2022.
6
• Pano de batida:
• Avaliação do nível populacional das pragas;
• Período: vegetativo até a dessecação;
• Frequência: 1 vez na semana ou a cada 4 ou 5 dias
nos períodos mais críticos.
METODOS DE AMOSTRAGEM
1m
1,5m
Fonte:
Luana
Alves,
2022
.
7
• Pano de batida:
• Quantidade de pontos:
• 1 a 10 ha = 6 pontos;
• 11 a 30 ha = 8 pontos;
• 31 a 100 ha = 10 pontos.
METODOS DE AMOSTRAGEM
Fonte:
Luana
Alves,
2022
.
Fonte: Luana Alves, 2022.
8
• Exame de plantas;
• Porcentagem de desfolha;
• Vagens atacadas;
• Pragas que atingem o colo da planta.
METODOS DE AMOSTRAGEM
Fonte: lavoura10, 2019.
9
10
Fonte: Luana Alves, 2022.
11
Pragas de solo
12
CORÓ DA SOJA (Phyllophaga cuyabana)
Ciclo de 130 dias;
Espécie univoltina;
Ciclo completo no interior do
solo.
Dano nas raízes e nódulos;
Crescimento retardado;
Murcha das plantas e
amarelecimento.
Aparecem nos meses de
Setembro a Outubro.
Maiores efeitos em baixa
fertilidade e déficit hídrico.
13
Fonte: Luana Alves, 2022.
Fonte: manejebem, 2022.
Fonte: manejebem, 2022
14
PERCEVEJO CASTANHO (Scaptocoris castânea)
Encontrados até 20 m;
Liberação de odor no solo.
Sucção de seiva;
Aniquilamento das plantas;
Formação de reboleiras;
Ninfas e adultos causam danos.
Ciclo com mais de 120 dias;
Fêmea produz 250 ovos;
Ninfas possuem 5 instares.
Beneficiado pela umidade;
Alta dificuldade de controle.
15
Fonte: AGROLINK, 2022.
Fonte: AGROLINK, 2022
16
LAGARTA ELASMO (Elasmopalpus lignosellus)
Ciclo de 42 a 48 dias;
Postura nas plantas ou no solo;
Fase larval em torno de 20 dias.
Formação de galerias;
Murcha e seca da planta;
Problemas em áreas novas.
Anéis e listras escuras,
encontradas no colo;
TS são eficientes.
Clima quente e seco;
Déficit hídrico;
Solos mais arenosos.
17
Fonte: EMBRAPA, 2022.
Fonte: Bayer, 2022.
Fonte: Bayer, 2022.
18
LAGARTA ROSCA (Agrotis ípsilon)
Ciclo de 34 a 64 dias;
Grande capacidade de postura;
Lagartas medem até 5 cm.
Beneficiada por condições de
alta temperatura e
déficit hídrico.
Se enrola ao toque;
Possui hábitos noturnos.
Alimentam da base da planta;
Redução na produtividade e do
estande.
19
Fonte: Pragas.com, 2021.
Fonte: manejebem, 2022.
Fonte: Lavoura10, 2020.
20
Pragas da parte aérea
21
Tamanduá da soja (Sternechus subsignatus)
Ciclo anual;
Larvas desenvolve no caule;
Adultos são besouros pretos com
listras amarelas.
Raspagem do tecido;
Anelamento do colmo;
Morte da planta.
Ocorre nos meses de Setembro e
Outubro.
Praga sazonal;
Controle em adultos.
22
Fonte: EMBRAPA, 2022.
Fonte: Pioneer, 2018.
Fonte: EMBRAPA, 2022.
23
VAQUINHA VERDE AMARELA (Diabrotica speciosa)
Ciclo de 24 a 40 dias;
Ovipositam no solo ao redor das
plantas.
Ocorre em todo o ciclo da cultura;
Suas larvas são conhecidas como
Larva-alfinete.
Coloração verde e amarela;
Brasileirinho ou Patriota.
Desfolha em soja;
Redução de estande;
A larva se alimenta das raízes.
24
VAQUINHA VERDE AMARELA (Diabrotica speciosa)
Fonte: Mais Soja, 2021.
25
LAGARTA-DA-SOJA (Anticarsia gemmatalis)
Ciclo de 33 a 34 dias;
Ocorre de 4 a 6 gerações;
Maior postura em menores
temperaturas.
Hábitos noturnos;
Durante o dia se abriga em
áreas sombreadas.
4 pares de falsas pernas;
Coloração verde ou preta;
Biotecnologias com Bt
possuem bom controle.
Principal desfolhadora em soja
sem tecnologia Bt;
Grande consumo de área foliar.
26
Fonte: Rural Pecuária, 2012. Fonte: Pioneer, 2018. Fonte: Mais soja, 2020.
27
LAGARTA-FALSA-MEDIDEIRA (Chrysodeixis includens)
Ciclo de 27 a 34 dias;
Ovos depositados na face abaxial;
Ocorre de 5 a 6 instares.
Favorecida pelo déficit hídrico;
Temperaturas elevadas.
2 pares de falsas pernas
abdominais;
Biotecnologias com Bt
possuem bom controle.
Desfolha como principal dano;
Se alimentam do terço médio
da planta.
28
Fonte: Campo e negócios, 2022.
Fonte: Luana Alves, 2022.
29
Helicoverpa spp
Ciclo de 27 a 34 dias;
Grande capacidade de postura;
Período larval de 6 instares.
Favorável em clima quente e
estiagens;
Sobrevivência em diversas
circunstâncias.
Diversas colorações;
Biotecnologias: Intacta PRO X
PRO 2.
Ataque à parte aérea;
Estruturas reprodutivas;
Danos diretos e indiretos.
30
Fonte: Mais Soja, 2019.
Fonte: Alavoura, 2022.
Fonte: Mais soja, 2020.
31
Complexo Spodoptera
Ciclo de 30 a 40 dias;
Grande capacidade de postura;
4 a 7 instares.
Clima quente e estiagens;
Ativas no período noturno;
Soja: Intacta PRO X PRO 2.
S. frugiperda;
S. cosmioides;
S. eridania;
S. albula.
Fase vegetativa e reprodutiva;
Desfolha e vagens na soja;
Raspagem e corte da folha.
32
Spodoptera frugiperda
Fonte: Pioneer, 2018.
Fonte: EMBRAPA, 2022.
33
Spodoptera cosmioides
Fonte: Pragas.com, 2020. Fonte: Mais soja, 2020. Fonte: Bayer, 2022.
34
Spodoptera eridanea
Fonte: Maneja bem, 2022. Fonte: Embrapa, 2022. Fonte: biodiversity, 2022.
35
Spodoptera albula
Fonte: Syngenta, 2021.
Fonte: Wikipedia, 2022.
36
Complexo dos Percevejos
Clico em média de 25 dias;
Ovo, ninfa e adulto;
120 a 170 ovos/fêmea.
Ninfas possui coloração variadas
e manchas pelo corpo;
Presente em todo ciclo da cultura.
Pragas de sistema;
Maior atenção em campo de
produção de semente.
Ataque no reprodutivo;
Período crítico de R3 a R7;
Abortamento das vagens.
37
PERCEVEJO MARROM DA SOJA (Euschistus heros)
Fonte: EMBRAPA, 2014.
38
PERCEVEJO BARRIGA VERDE (Diceraeus spp)
Fonte: EMBRAPA, 2014.
39
PERCEVEJO VERDE (Nezara viridula)
Fonte: EMBRAPA, 2014.
40
PERCEVEJO VERDE PEQUENO (Piezodorus guildinii)
Fonte: EMBRAPA, 2014.
41
Grão Picado
Grão Chocho Perda do Grão
Fonte: Mais soja, 2020. Fonte: Mais soja, 2020.
DANOS POR PERCEVEJOS
42
MOSCA BRANCA (Bemisia tabaci)
Ciclo de 25 a 50 dias;
Grande capacidade de postura;
Ovo, ninfa e adulto.
Ocorre em todo o ciclo da cultura;
Favorecida por clima quente e
seco;
Praga sazonal.
Inseto pequeno (2mm);
Dorso amarelo-pálido e
asas brancas.
Sucção de seiva;
Excreção de sub. açucaradas;
Fumagina;
43
Fonte: researchgate, 2022. Fonte: researchgate, 2022.
Fonte: EMBRAPA, 2022.
MOSCA BRANCA (Bemisia tabaci)
44
ÉPOCA DE OCORRÊNCIA
Fonte: Adaptado de Wilhan Valasco, 2022.
45
NÍVEIS DE CONTROLE
NE
NC
NDE
TEMPO
DENSIDADE
POPULACIONAL
Pragas Nível de controle
Lagartas desfolhadoras (lagarta-da soja e falsa-
medideira)
20 lagartas maiores do que 1,5 cm ou 30% de
desfolha na fase vegetativa ou 15% de desfolha
na fase reprodutiva
Lagarta-das-vagens (Spodoptera spp.)
10 lagartas por metro ou 10% de vagens
atacadas
Percevejos (marrom, verde, verde pequeno e
barriga-verde)
4 percevejos por metro (lavoura para grãos) ou
2 percevejo por metro (lavoura para semente)
Tamanduá-da-Soja
Até V3 1 adulto por metro; V4-V6 2 adultos por
metro
Vaquinhas
30% de desfolha na fase vegetativa ou 15% de
desfolha na fase reprodutiva
Tabela 1. Níveis de ação para as principais pragas da cultura da soja nos estádios vegetativos e reprodutivos. Os níveis foram
estabelecidos com o número de insetos por metro de linha da cultura.
Fonte: Agricultura do futuro, 2022.
46
MÉTODOS DE CONTROLE
47
MÉTODO QUÍMICO – INSETICIDAS
Pequenas Médias Grandes
Lufenuron
(Benzoiluréia)
lambida-cialotrina +
clorantraniliprole
(Piretróide + Diamida)
benzoato de emamectina +
lufenuron
(avermectina + benzoilureia)
Metomil
(Carbamato)
lufenuron + profenofós
(benzoilureia + organofosforado)
novaluron + indoxacarbe
(benzoilureia + oxadiazina)
Ciantraniliprole
(Diamida)
TS
Lagartas
48
MÉTODO QUÍMICO – INSETICIDAS
Percevejos
Vegetativo:
Reprodutivo:
lambida-cialotrina
(piretróide)
tiametoxan + lambida-cialotrina
(neonicotinóide + piretróide)
acetamiprido + fenpropatrina
(neonicotinóide + piretróide)
etiprole
(fenilpirazol)
cipermetrina
(piretróide)
imidacloprido + bifentrina
(neonicotinóide + piretróide)
tiametoxan
(neonicotinóide)
TS
49
• Temperatura: abaixo de 30º C;
• Vento: 3 km/h até 7 km/h;
• Umidade: acima de 60%.
CONDIÇÕES PARA APLICAÇÃO
Fonte: Jacto, 2022.
50
MÉTODO BIOLÓGICO
Mistura de Baculovirus com ação em
Helicoverpa armigera e Chrysodeixis
includens;
Age por ingestão, após a aplicação do
produto sobre as folhas. Quando
ingerido as partículas dos vírus são
liberadas no intestino e ocasionam
infecções.
Dose: 100 ml/ha.
Fonte: Emily, 2022.
51
MÉTODO BIOLÓGICO
Fonte: Mais soja, 2020.
BeauveControl é um inseticida
microbiológico formulado do fungo
Beauveria bassiana;
Após o contato com o inseto, o fungo
germina em sua superfície penetrando no
tegumento, colonizando internamente seu
hospedeiro;
Dose: 0,375 kg/ha.
52
MÉTODO BIOLÓGICO
Fonte: Koppert, 2022.
Telenomus podisi é uma microvespa
utilizada para o controle de percevejos;
Aa fêmeas localizam no campo os ovos
do hospedeiro e, neles, depositam seus
ovos, interrompendo o desenvolvimento
da praga.
53
RESISTÊNCIA
• Na natureza há alguns indivíduos raros que
sobrevivem à exposição de agentes de
controle;
• O uso continuo de elevadas doses de
inseticidas e bioinseticidas gera a evolução
da resistência;
• Recomenda-se fazer a rotação de
mecanismo de ação.
Fonte: Mais soja, 2021.
54
RESISTÊNCIA
Fonte: Boas praticas, 2022.
• Refúgio
Entre em contato conosco:
www.geagra.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
MANEJO DE PRAGAS DA SOJA
luuanaalveslima@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Geagra UFG
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
Geagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Geagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
Geagra UFG
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Geagra UFG
 
Introdução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaIntrodução a cotonicultura
Introdução a cotonicultura
Geagra UFG
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
Geagra UFG
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
Geagra UFG
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Manejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiroManejo de doenças no feijoeiro
Manejo de doenças no feijoeiro
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
Biotecnologias e posicionamento de cultivares de soja
 
Introdução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaIntrodução a cotonicultura
Introdução a cotonicultura
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
CULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJACULTIVARES DE SOJA
CULTIVARES DE SOJA
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 

Semelhante a Manejo de Pragas da Soja

Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Geagra UFG
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Adrielly Freitas da Silva
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
Janielly Costa
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
Geagra UFG
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Savio Marinho
 
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURAENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Geagra UFG
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
GilsonRibeiroNachtig
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Killer Max
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
Geagra UFG
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Portal Canal Rural
 

Semelhante a Manejo de Pragas da Soja (20)

Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da sojaPercevejo marrom (euschistus heros) na  cultura da soja
Percevejo marrom (euschistus heros) na cultura da soja
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
 
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURAENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 

Mais de Geagra UFG

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
Geagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 

Último

Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
dengue atividade e caça-palavras 6 ano exercicios
dengue atividade e caça-palavras 6 ano exerciciosdengue atividade e caça-palavras 6 ano exercicios
dengue atividade e caça-palavras 6 ano exercicios
wfsouza2
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 

Último (7)

Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
dengue atividade e caça-palavras 6 ano exercicios
dengue atividade e caça-palavras 6 ano exerciciosdengue atividade e caça-palavras 6 ano exercicios
dengue atividade e caça-palavras 6 ano exercicios
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 

Manejo de Pragas da Soja

  • 1. Luana Alves de Lima MANEJO DE PRAGAS DA SOJA
  • 2. 2 • Importância do manejo de pragas; • Monitoramento de pragas; • Principais pragas da cultura; • Níveis de controle; • Métodos de controle; • Resistência. Sumário
  • 3. 3 Importância do manejo • Soja: uma das principais culturas do Brasil e ocupa 55 milhões de ha; • O ataque a planta pode ocorrer em todo seu ciclo.
  • 4. 4 É fundamental para a tomada de decisão de controle no sistema produtivo; MONITORAMENTO Conhecer as espécies presentes na lavoura e suas populações; Se for feita de forma incorreta haverá riscos para a produção.
  • 5. 5 • Amostragem de solo: • Estimar populações de insetos de solo; • Feito em trincheiras ou método quadrado; • Pode-se realizar em covas de 30 x 30 x 50 cm. METODOS DE AMOSTRAGEM Fonte: Luana Alves, 2022.
  • 6. 6 • Pano de batida: • Avaliação do nível populacional das pragas; • Período: vegetativo até a dessecação; • Frequência: 1 vez na semana ou a cada 4 ou 5 dias nos períodos mais críticos. METODOS DE AMOSTRAGEM 1m 1,5m Fonte: Luana Alves, 2022 .
  • 7. 7 • Pano de batida: • Quantidade de pontos: • 1 a 10 ha = 6 pontos; • 11 a 30 ha = 8 pontos; • 31 a 100 ha = 10 pontos. METODOS DE AMOSTRAGEM Fonte: Luana Alves, 2022 . Fonte: Luana Alves, 2022.
  • 8. 8 • Exame de plantas; • Porcentagem de desfolha; • Vagens atacadas; • Pragas que atingem o colo da planta. METODOS DE AMOSTRAGEM Fonte: lavoura10, 2019.
  • 9. 9
  • 12. 12 CORÓ DA SOJA (Phyllophaga cuyabana) Ciclo de 130 dias; Espécie univoltina; Ciclo completo no interior do solo. Dano nas raízes e nódulos; Crescimento retardado; Murcha das plantas e amarelecimento. Aparecem nos meses de Setembro a Outubro. Maiores efeitos em baixa fertilidade e déficit hídrico.
  • 13. 13 Fonte: Luana Alves, 2022. Fonte: manejebem, 2022. Fonte: manejebem, 2022
  • 14. 14 PERCEVEJO CASTANHO (Scaptocoris castânea) Encontrados até 20 m; Liberação de odor no solo. Sucção de seiva; Aniquilamento das plantas; Formação de reboleiras; Ninfas e adultos causam danos. Ciclo com mais de 120 dias; Fêmea produz 250 ovos; Ninfas possuem 5 instares. Beneficiado pela umidade; Alta dificuldade de controle.
  • 16. 16 LAGARTA ELASMO (Elasmopalpus lignosellus) Ciclo de 42 a 48 dias; Postura nas plantas ou no solo; Fase larval em torno de 20 dias. Formação de galerias; Murcha e seca da planta; Problemas em áreas novas. Anéis e listras escuras, encontradas no colo; TS são eficientes. Clima quente e seco; Déficit hídrico; Solos mais arenosos.
  • 17. 17 Fonte: EMBRAPA, 2022. Fonte: Bayer, 2022. Fonte: Bayer, 2022.
  • 18. 18 LAGARTA ROSCA (Agrotis ípsilon) Ciclo de 34 a 64 dias; Grande capacidade de postura; Lagartas medem até 5 cm. Beneficiada por condições de alta temperatura e déficit hídrico. Se enrola ao toque; Possui hábitos noturnos. Alimentam da base da planta; Redução na produtividade e do estande.
  • 19. 19 Fonte: Pragas.com, 2021. Fonte: manejebem, 2022. Fonte: Lavoura10, 2020.
  • 21. 21 Tamanduá da soja (Sternechus subsignatus) Ciclo anual; Larvas desenvolve no caule; Adultos são besouros pretos com listras amarelas. Raspagem do tecido; Anelamento do colmo; Morte da planta. Ocorre nos meses de Setembro e Outubro. Praga sazonal; Controle em adultos.
  • 22. 22 Fonte: EMBRAPA, 2022. Fonte: Pioneer, 2018. Fonte: EMBRAPA, 2022.
  • 23. 23 VAQUINHA VERDE AMARELA (Diabrotica speciosa) Ciclo de 24 a 40 dias; Ovipositam no solo ao redor das plantas. Ocorre em todo o ciclo da cultura; Suas larvas são conhecidas como Larva-alfinete. Coloração verde e amarela; Brasileirinho ou Patriota. Desfolha em soja; Redução de estande; A larva se alimenta das raízes.
  • 24. 24 VAQUINHA VERDE AMARELA (Diabrotica speciosa) Fonte: Mais Soja, 2021.
  • 25. 25 LAGARTA-DA-SOJA (Anticarsia gemmatalis) Ciclo de 33 a 34 dias; Ocorre de 4 a 6 gerações; Maior postura em menores temperaturas. Hábitos noturnos; Durante o dia se abriga em áreas sombreadas. 4 pares de falsas pernas; Coloração verde ou preta; Biotecnologias com Bt possuem bom controle. Principal desfolhadora em soja sem tecnologia Bt; Grande consumo de área foliar.
  • 26. 26 Fonte: Rural Pecuária, 2012. Fonte: Pioneer, 2018. Fonte: Mais soja, 2020.
  • 27. 27 LAGARTA-FALSA-MEDIDEIRA (Chrysodeixis includens) Ciclo de 27 a 34 dias; Ovos depositados na face abaxial; Ocorre de 5 a 6 instares. Favorecida pelo déficit hídrico; Temperaturas elevadas. 2 pares de falsas pernas abdominais; Biotecnologias com Bt possuem bom controle. Desfolha como principal dano; Se alimentam do terço médio da planta.
  • 28. 28 Fonte: Campo e negócios, 2022. Fonte: Luana Alves, 2022.
  • 29. 29 Helicoverpa spp Ciclo de 27 a 34 dias; Grande capacidade de postura; Período larval de 6 instares. Favorável em clima quente e estiagens; Sobrevivência em diversas circunstâncias. Diversas colorações; Biotecnologias: Intacta PRO X PRO 2. Ataque à parte aérea; Estruturas reprodutivas; Danos diretos e indiretos.
  • 30. 30 Fonte: Mais Soja, 2019. Fonte: Alavoura, 2022. Fonte: Mais soja, 2020.
  • 31. 31 Complexo Spodoptera Ciclo de 30 a 40 dias; Grande capacidade de postura; 4 a 7 instares. Clima quente e estiagens; Ativas no período noturno; Soja: Intacta PRO X PRO 2. S. frugiperda; S. cosmioides; S. eridania; S. albula. Fase vegetativa e reprodutiva; Desfolha e vagens na soja; Raspagem e corte da folha.
  • 32. 32 Spodoptera frugiperda Fonte: Pioneer, 2018. Fonte: EMBRAPA, 2022.
  • 33. 33 Spodoptera cosmioides Fonte: Pragas.com, 2020. Fonte: Mais soja, 2020. Fonte: Bayer, 2022.
  • 34. 34 Spodoptera eridanea Fonte: Maneja bem, 2022. Fonte: Embrapa, 2022. Fonte: biodiversity, 2022.
  • 35. 35 Spodoptera albula Fonte: Syngenta, 2021. Fonte: Wikipedia, 2022.
  • 36. 36 Complexo dos Percevejos Clico em média de 25 dias; Ovo, ninfa e adulto; 120 a 170 ovos/fêmea. Ninfas possui coloração variadas e manchas pelo corpo; Presente em todo ciclo da cultura. Pragas de sistema; Maior atenção em campo de produção de semente. Ataque no reprodutivo; Período crítico de R3 a R7; Abortamento das vagens.
  • 37. 37 PERCEVEJO MARROM DA SOJA (Euschistus heros) Fonte: EMBRAPA, 2014.
  • 38. 38 PERCEVEJO BARRIGA VERDE (Diceraeus spp) Fonte: EMBRAPA, 2014.
  • 39. 39 PERCEVEJO VERDE (Nezara viridula) Fonte: EMBRAPA, 2014.
  • 40. 40 PERCEVEJO VERDE PEQUENO (Piezodorus guildinii) Fonte: EMBRAPA, 2014.
  • 41. 41 Grão Picado Grão Chocho Perda do Grão Fonte: Mais soja, 2020. Fonte: Mais soja, 2020. DANOS POR PERCEVEJOS
  • 42. 42 MOSCA BRANCA (Bemisia tabaci) Ciclo de 25 a 50 dias; Grande capacidade de postura; Ovo, ninfa e adulto. Ocorre em todo o ciclo da cultura; Favorecida por clima quente e seco; Praga sazonal. Inseto pequeno (2mm); Dorso amarelo-pálido e asas brancas. Sucção de seiva; Excreção de sub. açucaradas; Fumagina;
  • 43. 43 Fonte: researchgate, 2022. Fonte: researchgate, 2022. Fonte: EMBRAPA, 2022. MOSCA BRANCA (Bemisia tabaci)
  • 44. 44 ÉPOCA DE OCORRÊNCIA Fonte: Adaptado de Wilhan Valasco, 2022.
  • 45. 45 NÍVEIS DE CONTROLE NE NC NDE TEMPO DENSIDADE POPULACIONAL Pragas Nível de controle Lagartas desfolhadoras (lagarta-da soja e falsa- medideira) 20 lagartas maiores do que 1,5 cm ou 30% de desfolha na fase vegetativa ou 15% de desfolha na fase reprodutiva Lagarta-das-vagens (Spodoptera spp.) 10 lagartas por metro ou 10% de vagens atacadas Percevejos (marrom, verde, verde pequeno e barriga-verde) 4 percevejos por metro (lavoura para grãos) ou 2 percevejo por metro (lavoura para semente) Tamanduá-da-Soja Até V3 1 adulto por metro; V4-V6 2 adultos por metro Vaquinhas 30% de desfolha na fase vegetativa ou 15% de desfolha na fase reprodutiva Tabela 1. Níveis de ação para as principais pragas da cultura da soja nos estádios vegetativos e reprodutivos. Os níveis foram estabelecidos com o número de insetos por metro de linha da cultura. Fonte: Agricultura do futuro, 2022.
  • 47. 47 MÉTODO QUÍMICO – INSETICIDAS Pequenas Médias Grandes Lufenuron (Benzoiluréia) lambida-cialotrina + clorantraniliprole (Piretróide + Diamida) benzoato de emamectina + lufenuron (avermectina + benzoilureia) Metomil (Carbamato) lufenuron + profenofós (benzoilureia + organofosforado) novaluron + indoxacarbe (benzoilureia + oxadiazina) Ciantraniliprole (Diamida) TS Lagartas
  • 48. 48 MÉTODO QUÍMICO – INSETICIDAS Percevejos Vegetativo: Reprodutivo: lambida-cialotrina (piretróide) tiametoxan + lambida-cialotrina (neonicotinóide + piretróide) acetamiprido + fenpropatrina (neonicotinóide + piretróide) etiprole (fenilpirazol) cipermetrina (piretróide) imidacloprido + bifentrina (neonicotinóide + piretróide) tiametoxan (neonicotinóide) TS
  • 49. 49 • Temperatura: abaixo de 30º C; • Vento: 3 km/h até 7 km/h; • Umidade: acima de 60%. CONDIÇÕES PARA APLICAÇÃO Fonte: Jacto, 2022.
  • 50. 50 MÉTODO BIOLÓGICO Mistura de Baculovirus com ação em Helicoverpa armigera e Chrysodeixis includens; Age por ingestão, após a aplicação do produto sobre as folhas. Quando ingerido as partículas dos vírus são liberadas no intestino e ocasionam infecções. Dose: 100 ml/ha. Fonte: Emily, 2022.
  • 51. 51 MÉTODO BIOLÓGICO Fonte: Mais soja, 2020. BeauveControl é um inseticida microbiológico formulado do fungo Beauveria bassiana; Após o contato com o inseto, o fungo germina em sua superfície penetrando no tegumento, colonizando internamente seu hospedeiro; Dose: 0,375 kg/ha.
  • 52. 52 MÉTODO BIOLÓGICO Fonte: Koppert, 2022. Telenomus podisi é uma microvespa utilizada para o controle de percevejos; Aa fêmeas localizam no campo os ovos do hospedeiro e, neles, depositam seus ovos, interrompendo o desenvolvimento da praga.
  • 53. 53 RESISTÊNCIA • Na natureza há alguns indivíduos raros que sobrevivem à exposição de agentes de controle; • O uso continuo de elevadas doses de inseticidas e bioinseticidas gera a evolução da resistência; • Recomenda-se fazer a rotação de mecanismo de ação. Fonte: Mais soja, 2021.
  • 55. Entre em contato conosco: www.geagra.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! MANEJO DE PRAGAS DA SOJA luuanaalveslima@gmail.com