SlideShare uma empresa Scribd logo
GIULLIANO FURTADO DE QUEIROZ ROCHA
MANEJO DE PLANTAS
DANINHAS NO ALGODOEIRO
2
• Definição de planta daninha;
• Principais plantas daninhas do algodoeiro;
• Interferência sobre a cultura;
• Interferência da presença em lotes;
• Alelopatia;
• Controle de Plantas Daninhas;
• Controle Químico;
• Herbicidas registrados;
• Principais misturas de produtos;
• Custo de manejo.
Índice
Fonte: Pixabay, 2021.
3
• Definição de Harri Lorenzi (2014);
• Diminuição de 20% a 30%;
• Tiguera;
• Algumas das principais plantas daninhas do Brasil: Capim-pé-de-galinha, Leiteira e Buva.
O que é considerado uma planta daninha?
Fonte: Agro 2.0, 2021. Fonte: Agrolink, 2021. Fonte: Agrolink, 2021.
4
• Buva (Conyza spp.);
• Grande dispersão de sementes;
• Competitividade;
• Resistência a diferentes moléculas (glifosato).
Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura
• Corda-de-viola (Ipomea sp.);
• Hábito trepador;
• Competitividade;
• Atrapalha na colheita.
Fonte: Mais Soja, 2021. Fonte: Lavoura 10 – Aegro, 2021.
5
• Capim-amargoso (Digitaria
insularis);
• Presente o ano todo;
• Competitividade;
• Resistência ao Glifosato.
Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura
• Caruru (Amaranthus spp.);
• Ampla adaptabilidade, rápido
crescimento e elevada produção de
sementes;
• Competitividade;
• Resistência ao Glifosato.
Fonte: Mais Soja, 2021.
Fonte: Redi Fertilizantes Organominerais, 2021.
Ambos apresentam casos de resistência múltipla,
e são difícil controle. Além de possuirem alto
banco de sementes.
6
• Leiteiro (Euphorbia heterophylla)
• Grande diminuição de produção e
qualidade do produto;
• Competitividade;
• Resistência ao Glifosato;
• Deiscência explosiva.
Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura
• Picão-preto (Bidens pilosa);
• Grande dispersão de sementes;
• Semente que adere a fibra;
• Resistência ao Glifosato.
Fonte: Aegro, 2021.
Fonte: Oficina de Ervas, 2021.
7
• Capim-carrapicho (Cenchrus
echinatus);
• Fruto adere a fibra;
• Dificulta colheita;
• Diminui a qualidade.
Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura
• Capim-colchão (Digitaria
horizontalis);
• Varias partes aderem a fibra;
• Diminui qualidade;
• Resistencia ao Glifosato.
Fonte: Lavoura10 – Aegro, 2021.
Fonte: Portal Syngenta, 2021.
8
• Trapoeraba (Commelina
benghalensis);
• Hospedeira de outras pragas;
• Competitividade;
• Resistencia ao Glifosato.
Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura
• Capim-pé-de-galinha (Eleusine
indica);
• Grande dispersão de sementes;
• Competitividade;
• Resistência a diversos defensivos;
• Hospedeiro de outras pragas.
Fonte: Agrolink, 2021.
Fonte: Lavoura10 – Aegro, 2021.
9
• Plantas daninhas já presentes na área;
• Introduzidas por lotes de sementes contaminadas;
• Misturas mecânicas  limpeza de maquinário;
• Vento  anemocoria.
Formas de aparecimento de plantas daninha
Fonte: Syngenta digital, 2021.
10
• Entidade verificadora: MAPA;
• Classes de sementes: Genética, básica, C1, C2, S1 e S2;
• Verificações no campo;
• Sementes verificadas tem alto índice de pureza;
• Sementes fiscalizada e certificada.
Lotes de sementes de algodão
Fonte: Plantar crescer colher, 2021.
11
Lotes de sementes de algodão
Fonte: adaptado MAPA, 2021
12
Lotes de sementes de algodão
Fonte: Menten, 1997.
13
Fonte: Giphy, 2021.
Qual a
Interferência da
presença de
PD’s em lotes de
semente?
14
• Tudo que foi dito anteriormente, desde o crescimento do algodoeiro até a colheita e o
trabalho realizado com a fibra e a semente.
Interferência da presença em lotes
Fonte: SciELO, 2021. Fonte: SciELO, 2021.
15
• O que é?
• Etimologia da palavra;
• Aleloquímicos;
• Usados em agrossistemas;
• Diversos fatores regulatórios;
• Herbicidas naturais;
• Plantas daninhas;
• Culturas com efeitos alelopáticos;
• Agricultura sustentável.
Alelopatia
Fonte: Agronegocios, 2021.
16
Alelopatia
Fonte: Agronegocios, 2021.
17
Alelopatia
Fonte: Agronegocios, 2021.
18
Alelopatia
Fonte: Agronegocios, 2021.
Noticia falando que algumas
leguminosas são capazes de inibir
o crescimento da Junça.
19
• Resteva de trigo;
• Diferentes palhadas para controle de planta daninha;
• Milheto;
• Urochloa ruziziensis;
• Podendo afetar de 3 formas: física, química e biológica;
• Diminuição de 90%;
• Algumas divergências;
• Necessita de mais estudos.
Alelopatia no algodão
20
Alelopatia no algodão
Fonte: SciELO, 2021.
21
Alelopatia no algodão
Fonte: SciELO, 2021.
22
• Manejo preventivo, controle cultural, mecânico, físico, biológico e químico;
• O melhor método depende das circunstâncias;
Integrar esses métodos de controle;
Conhecer sobre a planta infestante;
Saber o histórico da área;
• **É benéfico a persistência de certas PD’s**;
• A redução de PD deve ser feito até que o nível de perda seja igual ao incremento do custo
de controle.
Controle de plantas daninhas
Generalizando são 6 tipos de controle:
23
• Evitar a entrada de novas PD’s;
• Diminuir a disseminação;
• Uso de sementes de boa procedência;
• Limpeza de equipamento e maquinário;
• Efetuar controle pós-colheita;
• Utilizar rotação de culturas;
• Evitar a disseminação de PD em áreas vizinhas e margens.
Controle de plantas daninhas no algodoeiro
Método preventivo:
24
• Muito técnico e especializado;
• Fundamental no manejo adequado da cultura e do solo;
• Correção e adubação do solo para cada região;
• Uso de cultivares indicadas para região;
• Espaçamento e densidade adequada;
• Rotação de cultura;
• Uso de moléculas diferentes de herbicidas.
Controle de plantas daninhas no algodoeiro
Método cultural:
25
• Deve ser um método complementar;
• Depende do clima para ser eficiente;
• Necessita de muita mão de obra;
• Feito com enxadas, tração animal ou tratorizada.
Controle de plantas daninhas no algodoeiro
Fonte: Geagra, 2020.
Método mecânico:
26
• Consiste na utilização de herbicidas;
• Aplicado via solo ou parte aérea  reduzir ou eliminar;
• Bons resultados em lavouras com alta tecnologia;
• Depende de fatores técnicos, econômicos e climáticos;
• Dois tipos de sistema de cultivo;
• Algumas nomenclaturas:
Pré-plantio incorporado (PPI), Pré-emergência (PRE), Pós-emergência (POS), Dessecação.
Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
Método químico:
27
Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
Seletividade
Seletivo ou não para a
cultura, caso algodão. Isto
é, não causam injúrias
severas a cultura.
Condução na planta
Contato  fica somente na
parte aplicada
Sistêmico  translocação
na planta
O que é um herbicida?
Grupos químicos
Atuação específica onde irá
ter seu controlo.
Podem ser inibidores de
rotas metabólicas...
Residual
Tempo em que a molécula
permanece ativa, podendo
ser algo positivo ou
negativo.
28
• Sistema de plantio direto;
• Produtos aplicados na pré-semeadura;
• Herbicida dessecante;
• Mais utilizado é o glifosato;
• Com novos casos de resistência PD’s combina-se com fllumioxazin, carfentrazone-ethyl
(Aurora) e 2, 4-D;
• Após a dessecação aplica-se herbicidas em duas épocas, sendo a pré-emergência e pós-
emergência.
Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
29
• Herbicidas aplicados em pré-emergência;
• Não são voláteis;
• Aplicados na superfície do solo e absorvidos com a água;
• Usados no sistema de plantio direto e no convencional;
• Deve se ter o conhecimento do teor de argila e matéria orgânica do solo;
• No cerrado, existe muitas PD’s, necessita de combinação de herbicidas;
• Alguns herbicidas recomendados: trifluralim (600), clomazone, s-metolachlor(Dual Gold),
alachlor e diuron.
Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
30
Fonte: Adama Brasil, 2021.
31
• Herbicidas aplicados em pós-emergência;
• Aplicação em área total;
• Plantas daninhas emergidas e algodoeiro;
• PD’s jovens e algodoeiro em pequeno porte;
• Seguir recomendação do fabricante;
• Vantagens: qualquer tipo de solo, combinação com inseticida, aplicação localizada;
• Pyrithobac-sodium(Staple 280) e Trifloxysulfuron-sodium(Envoke), para controle de
plantas daninhas dicotiledôneas;
• Sethoxydin(Poast), clethodin, haloxifop-p-metílico(Venture), quizalofop-p-tefuril(Pestanal),
dentre outros, são registrados para o controle de gramíneas.
Controle químico de planta daninhas no algodoeiro
32
• Herbicidas aplicados em pós-emergência (jato dirigido);
• Uso de herbicidas que podem prejudicar o algodoeiro;
• O jato vem de um pulverizador aplicado na barra de aplicação do trator;
• Destinado a aplicação no solo e base do algodoeiro;
• Somente utilizado quando o algodoeiro atingir de 40 a 50 cm;
• Herbicidas registrados: MSMA, diuron, glufosinato de amônio, carfentrazone-
ethyl,clomazone e flumioxazin.
Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
Fonte: Cocap, 2021. Fonte: Edisciplina, 2021.
33
• Sistema de cultivo convencional;
• PRE e POS igual;
• PPI consiste em incorporar o produto pré semeadura;
• Herbicidas altamente voláteis;
• Incorporados entre 8 a 10 cm no solo;
• Solo bem preparado;
• O trifluralim tem sido um dos herbicidas de maior uso nesta modalidade de aplicação.
Controle químico de plantas daninha no algodoeiro
34
• Controle integrado de plantas daninhas;
• Utiliza diversas práticas;
• Bom manejo de solo para sistema convencional;
• Dessecação para sistema de plantio direto;
• Práticas culturais, como adubação equilibrada, espaçamento entre linhas, densidade de
semeadura;
• O cultivo mecânico também tem sido adotado em muitas situações, no início do
desenvolvimento da cultura.
Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
Fonte: DocPlayeer, 2021.
35
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Herbicidas registrados e principais misturas
36
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Herbicidas registrados e principais misturas
37
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Herbicidas registrados e principais misturas
38
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Herbicidas registrados e principais misturas
39
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Herbicidas registrados e principais misturas
40
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Herbicidas registrados e principais misturas
Fonte: Embrapa, 2021.
41
Gráficos de custo contra plantas daninhas
Fonte: Embrapa, 2021.
42
Gráficos de custo contra plantas daninhas
Fonte: Aegro, 2021.
43
Custo de manejo
Fonte: Conab, 2021.
44
• Tópicos, subtópicos e corpos de textos.
Custo de manejo
45
• Dividir entre safra e safrinha, MT é mais safrinha;
• Manejo por tecnologia;
• Algodão resistente a glifosato, glifosato e glufosinato (liberty), glufosinato, lançamento
tlp que é resistente a tudo;
• Algodão safra, joga a palhada. Pré-emergente: Trifuralina, Dual gold; dependendo da área
faz gamit e pemit pra o algodão não morrer. Pós-emergente em algodão rr: glifosato e
graminicida (cletodim). Staple em v4 e v5, no inicio pra não abortar, no algodão rr e
safrinha precisa matar a soja;
• Algodão resistente a glufosinato vai bem contra folhas largas, acertar o tempo, na safrinha
pode aplicar que pega a soja e outras folhas largas e trabalhar com os graminicidas;
• Algodão ws que é tolerante, não pode utilizar mais de 60% da dose recomendada;
Recomendações de um profissional
46
• Algodão resistente a tudo (gl, glt e glpp), pode se utilizar de tudo porquê é muito bom o
manejo. Durante todo o ciclo.
Recomendações de um profissional
Fonte: Embrapa, 2021.
47
• Pressão de plantas em qual período
• Qual momento ideal para aplicar
Épocas de aplicação
Fonte: Agropós, 2021.
• Palhada,
Trifuralina, Dual
Gold;
• Gamit e Pemit;
• Cletodim;
• Staple;
• Glufosinato e
glifosato;
Entre em contato conosco:
www.geagra.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
giulliano@discente.ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
Geagra UFG
 
Cultivares de algodão
Cultivares de algodão Cultivares de algodão
Cultivares de algodão
Geagra UFG
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
Geagra UFG
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
Ítalo Arrais
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
Geagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Geagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
Cultivares de algodão
Cultivares de algodão Cultivares de algodão
Cultivares de algodão
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas Introdução ao Manejo de Herbicidas
Introdução ao Manejo de Herbicidas
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Inoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e BioestimulantesInoculantes e Bioestimulantes
Inoculantes e Bioestimulantes
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 

Semelhante a Manejo de plantas daninhas no algodoeiro

Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptxSlides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
CRISTIANNE BURGO MORAES
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Leonardo Minaré Braúna
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Geagra UFG
 
Controle biologico.pptx
Controle biologico.pptxControle biologico.pptx
Controle biologico.pptx
AryaneAhy
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Fonte Comunicação
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
Joannedream
 
Plantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
Plantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICAPlantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
Plantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
feiraagroecologica
 
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICASISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
feiraagroecologica
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
catarinagalaio
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Oxya Agro e Biociências
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Embrapa Milho e Sorgo
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Herbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safraHerbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safra
AM Placas Ltda. Placas
 

Semelhante a Manejo de plantas daninhas no algodoeiro (20)

Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptxSlides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
Controle biologico.pptx
Controle biologico.pptxControle biologico.pptx
Controle biologico.pptx
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
 
Plantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
Plantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICAPlantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
Plantio diretoSISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
 
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICASISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Herbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safraHerbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safra
 

Mais de Geagra UFG

APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
Geagra UFG
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptxAPRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
APRESENTAÇÃO TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO.pptx
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 

Manejo de plantas daninhas no algodoeiro

  • 1. GIULLIANO FURTADO DE QUEIROZ ROCHA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
  • 2. 2 • Definição de planta daninha; • Principais plantas daninhas do algodoeiro; • Interferência sobre a cultura; • Interferência da presença em lotes; • Alelopatia; • Controle de Plantas Daninhas; • Controle Químico; • Herbicidas registrados; • Principais misturas de produtos; • Custo de manejo. Índice Fonte: Pixabay, 2021.
  • 3. 3 • Definição de Harri Lorenzi (2014); • Diminuição de 20% a 30%; • Tiguera; • Algumas das principais plantas daninhas do Brasil: Capim-pé-de-galinha, Leiteira e Buva. O que é considerado uma planta daninha? Fonte: Agro 2.0, 2021. Fonte: Agrolink, 2021. Fonte: Agrolink, 2021.
  • 4. 4 • Buva (Conyza spp.); • Grande dispersão de sementes; • Competitividade; • Resistência a diferentes moléculas (glifosato). Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura • Corda-de-viola (Ipomea sp.); • Hábito trepador; • Competitividade; • Atrapalha na colheita. Fonte: Mais Soja, 2021. Fonte: Lavoura 10 – Aegro, 2021.
  • 5. 5 • Capim-amargoso (Digitaria insularis); • Presente o ano todo; • Competitividade; • Resistência ao Glifosato. Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura • Caruru (Amaranthus spp.); • Ampla adaptabilidade, rápido crescimento e elevada produção de sementes; • Competitividade; • Resistência ao Glifosato. Fonte: Mais Soja, 2021. Fonte: Redi Fertilizantes Organominerais, 2021. Ambos apresentam casos de resistência múltipla, e são difícil controle. Além de possuirem alto banco de sementes.
  • 6. 6 • Leiteiro (Euphorbia heterophylla) • Grande diminuição de produção e qualidade do produto; • Competitividade; • Resistência ao Glifosato; • Deiscência explosiva. Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura • Picão-preto (Bidens pilosa); • Grande dispersão de sementes; • Semente que adere a fibra; • Resistência ao Glifosato. Fonte: Aegro, 2021. Fonte: Oficina de Ervas, 2021.
  • 7. 7 • Capim-carrapicho (Cenchrus echinatus); • Fruto adere a fibra; • Dificulta colheita; • Diminui a qualidade. Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura • Capim-colchão (Digitaria horizontalis); • Varias partes aderem a fibra; • Diminui qualidade; • Resistencia ao Glifosato. Fonte: Lavoura10 – Aegro, 2021. Fonte: Portal Syngenta, 2021.
  • 8. 8 • Trapoeraba (Commelina benghalensis); • Hospedeira de outras pragas; • Competitividade; • Resistencia ao Glifosato. Principais plantas daninhas do algodoeiro e sua interferência na cultura • Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica); • Grande dispersão de sementes; • Competitividade; • Resistência a diversos defensivos; • Hospedeiro de outras pragas. Fonte: Agrolink, 2021. Fonte: Lavoura10 – Aegro, 2021.
  • 9. 9 • Plantas daninhas já presentes na área; • Introduzidas por lotes de sementes contaminadas; • Misturas mecânicas  limpeza de maquinário; • Vento  anemocoria. Formas de aparecimento de plantas daninha Fonte: Syngenta digital, 2021.
  • 10. 10 • Entidade verificadora: MAPA; • Classes de sementes: Genética, básica, C1, C2, S1 e S2; • Verificações no campo; • Sementes verificadas tem alto índice de pureza; • Sementes fiscalizada e certificada. Lotes de sementes de algodão Fonte: Plantar crescer colher, 2021.
  • 11. 11 Lotes de sementes de algodão Fonte: adaptado MAPA, 2021
  • 12. 12 Lotes de sementes de algodão Fonte: Menten, 1997.
  • 13. 13 Fonte: Giphy, 2021. Qual a Interferência da presença de PD’s em lotes de semente?
  • 14. 14 • Tudo que foi dito anteriormente, desde o crescimento do algodoeiro até a colheita e o trabalho realizado com a fibra e a semente. Interferência da presença em lotes Fonte: SciELO, 2021. Fonte: SciELO, 2021.
  • 15. 15 • O que é? • Etimologia da palavra; • Aleloquímicos; • Usados em agrossistemas; • Diversos fatores regulatórios; • Herbicidas naturais; • Plantas daninhas; • Culturas com efeitos alelopáticos; • Agricultura sustentável. Alelopatia Fonte: Agronegocios, 2021.
  • 18. 18 Alelopatia Fonte: Agronegocios, 2021. Noticia falando que algumas leguminosas são capazes de inibir o crescimento da Junça.
  • 19. 19 • Resteva de trigo; • Diferentes palhadas para controle de planta daninha; • Milheto; • Urochloa ruziziensis; • Podendo afetar de 3 formas: física, química e biológica; • Diminuição de 90%; • Algumas divergências; • Necessita de mais estudos. Alelopatia no algodão
  • 22. 22 • Manejo preventivo, controle cultural, mecânico, físico, biológico e químico; • O melhor método depende das circunstâncias; Integrar esses métodos de controle; Conhecer sobre a planta infestante; Saber o histórico da área; • **É benéfico a persistência de certas PD’s**; • A redução de PD deve ser feito até que o nível de perda seja igual ao incremento do custo de controle. Controle de plantas daninhas Generalizando são 6 tipos de controle:
  • 23. 23 • Evitar a entrada de novas PD’s; • Diminuir a disseminação; • Uso de sementes de boa procedência; • Limpeza de equipamento e maquinário; • Efetuar controle pós-colheita; • Utilizar rotação de culturas; • Evitar a disseminação de PD em áreas vizinhas e margens. Controle de plantas daninhas no algodoeiro Método preventivo:
  • 24. 24 • Muito técnico e especializado; • Fundamental no manejo adequado da cultura e do solo; • Correção e adubação do solo para cada região; • Uso de cultivares indicadas para região; • Espaçamento e densidade adequada; • Rotação de cultura; • Uso de moléculas diferentes de herbicidas. Controle de plantas daninhas no algodoeiro Método cultural:
  • 25. 25 • Deve ser um método complementar; • Depende do clima para ser eficiente; • Necessita de muita mão de obra; • Feito com enxadas, tração animal ou tratorizada. Controle de plantas daninhas no algodoeiro Fonte: Geagra, 2020. Método mecânico:
  • 26. 26 • Consiste na utilização de herbicidas; • Aplicado via solo ou parte aérea  reduzir ou eliminar; • Bons resultados em lavouras com alta tecnologia; • Depende de fatores técnicos, econômicos e climáticos; • Dois tipos de sistema de cultivo; • Algumas nomenclaturas: Pré-plantio incorporado (PPI), Pré-emergência (PRE), Pós-emergência (POS), Dessecação. Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro Método químico:
  • 27. 27 Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro Seletividade Seletivo ou não para a cultura, caso algodão. Isto é, não causam injúrias severas a cultura. Condução na planta Contato  fica somente na parte aplicada Sistêmico  translocação na planta O que é um herbicida? Grupos químicos Atuação específica onde irá ter seu controlo. Podem ser inibidores de rotas metabólicas... Residual Tempo em que a molécula permanece ativa, podendo ser algo positivo ou negativo.
  • 28. 28 • Sistema de plantio direto; • Produtos aplicados na pré-semeadura; • Herbicida dessecante; • Mais utilizado é o glifosato; • Com novos casos de resistência PD’s combina-se com fllumioxazin, carfentrazone-ethyl (Aurora) e 2, 4-D; • Após a dessecação aplica-se herbicidas em duas épocas, sendo a pré-emergência e pós- emergência. Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
  • 29. 29 • Herbicidas aplicados em pré-emergência; • Não são voláteis; • Aplicados na superfície do solo e absorvidos com a água; • Usados no sistema de plantio direto e no convencional; • Deve se ter o conhecimento do teor de argila e matéria orgânica do solo; • No cerrado, existe muitas PD’s, necessita de combinação de herbicidas; • Alguns herbicidas recomendados: trifluralim (600), clomazone, s-metolachlor(Dual Gold), alachlor e diuron. Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro
  • 31. 31 • Herbicidas aplicados em pós-emergência; • Aplicação em área total; • Plantas daninhas emergidas e algodoeiro; • PD’s jovens e algodoeiro em pequeno porte; • Seguir recomendação do fabricante; • Vantagens: qualquer tipo de solo, combinação com inseticida, aplicação localizada; • Pyrithobac-sodium(Staple 280) e Trifloxysulfuron-sodium(Envoke), para controle de plantas daninhas dicotiledôneas; • Sethoxydin(Poast), clethodin, haloxifop-p-metílico(Venture), quizalofop-p-tefuril(Pestanal), dentre outros, são registrados para o controle de gramíneas. Controle químico de planta daninhas no algodoeiro
  • 32. 32 • Herbicidas aplicados em pós-emergência (jato dirigido); • Uso de herbicidas que podem prejudicar o algodoeiro; • O jato vem de um pulverizador aplicado na barra de aplicação do trator; • Destinado a aplicação no solo e base do algodoeiro; • Somente utilizado quando o algodoeiro atingir de 40 a 50 cm; • Herbicidas registrados: MSMA, diuron, glufosinato de amônio, carfentrazone- ethyl,clomazone e flumioxazin. Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro Fonte: Cocap, 2021. Fonte: Edisciplina, 2021.
  • 33. 33 • Sistema de cultivo convencional; • PRE e POS igual; • PPI consiste em incorporar o produto pré semeadura; • Herbicidas altamente voláteis; • Incorporados entre 8 a 10 cm no solo; • Solo bem preparado; • O trifluralim tem sido um dos herbicidas de maior uso nesta modalidade de aplicação. Controle químico de plantas daninha no algodoeiro
  • 34. 34 • Controle integrado de plantas daninhas; • Utiliza diversas práticas; • Bom manejo de solo para sistema convencional; • Dessecação para sistema de plantio direto; • Práticas culturais, como adubação equilibrada, espaçamento entre linhas, densidade de semeadura; • O cultivo mecânico também tem sido adotado em muitas situações, no início do desenvolvimento da cultura. Controle químico de plantas daninhas no algodoeiro Fonte: DocPlayeer, 2021.
  • 35. 35 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Herbicidas registrados e principais misturas
  • 36. 36 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Herbicidas registrados e principais misturas
  • 37. 37 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Herbicidas registrados e principais misturas
  • 38. 38 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Herbicidas registrados e principais misturas
  • 39. 39 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Herbicidas registrados e principais misturas
  • 40. 40 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Herbicidas registrados e principais misturas Fonte: Embrapa, 2021.
  • 41. 41 Gráficos de custo contra plantas daninhas Fonte: Embrapa, 2021.
  • 42. 42 Gráficos de custo contra plantas daninhas Fonte: Aegro, 2021.
  • 44. 44 • Tópicos, subtópicos e corpos de textos. Custo de manejo
  • 45. 45 • Dividir entre safra e safrinha, MT é mais safrinha; • Manejo por tecnologia; • Algodão resistente a glifosato, glifosato e glufosinato (liberty), glufosinato, lançamento tlp que é resistente a tudo; • Algodão safra, joga a palhada. Pré-emergente: Trifuralina, Dual gold; dependendo da área faz gamit e pemit pra o algodão não morrer. Pós-emergente em algodão rr: glifosato e graminicida (cletodim). Staple em v4 e v5, no inicio pra não abortar, no algodão rr e safrinha precisa matar a soja; • Algodão resistente a glufosinato vai bem contra folhas largas, acertar o tempo, na safrinha pode aplicar que pega a soja e outras folhas largas e trabalhar com os graminicidas; • Algodão ws que é tolerante, não pode utilizar mais de 60% da dose recomendada; Recomendações de um profissional
  • 46. 46 • Algodão resistente a tudo (gl, glt e glpp), pode se utilizar de tudo porquê é muito bom o manejo. Durante todo o ciclo. Recomendações de um profissional Fonte: Embrapa, 2021.
  • 47. 47 • Pressão de plantas em qual período • Qual momento ideal para aplicar Épocas de aplicação Fonte: Agropós, 2021. • Palhada, Trifuralina, Dual Gold; • Gamit e Pemit; • Cletodim; • Staple; • Glufosinato e glifosato;
  • 48. Entre em contato conosco: www.geagra.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO giulliano@discente.ufg.br