SlideShare uma empresa Scribd logo
PRAGAS
AGRÍCOLAS
MATERIAL PRODUZIDO POR AGROINTELI
Saiba quem são seus
inimigos
As principais espécies são: Dichelops melacanthus
e D. furcatus. É uma das pragas que mais preocupa
em lavouras de soja. Porém, pode causar danos nas
lavouras de milho, com custo de controle variando
entre R$40 e 160,00 por hectare. Ele pode atacar as
plantas de V1 (emissão do primeiro par de folhas)
até V4 (quarto par de folhas). Dentre os métodos de
controle do percevejo, o mais utilizado é o
tratamento de sementes e a pulverização foliar
com inseticidas sistêmicos. Estão registrados
inseticidas a base de tiametoxam, bifentrina +
cipermetrina, bifentrina + imidacloprido,
acetamiprido + alfa-cipermetrina, imidacloprido,
clotianidina, acetamiprido + fipronil e bifentrina +
carbosulfano.
PERCEVEJO
BARRIGA-VERDE
(DICHELOS SPP.)
1
agrointeli.com.br
Entre as lagartas temos a Helicoverpa zea e H. armigera. A
Helicoverpa zea é conhecida por lagarta-da-espiga e ataca
diversas culturas. No milho, ela ovoposita nos estigmas,
causando a redução da fertilização e do peso dos grãos. A
principal dificuldade no controle é que este deve ser feito em
direção às espigas, por isso não há inseticidas registrados para
a cultura do milho. Já, na cultura da soja temos os inseticidas
à base de clorfluazuron e metomil. A Helicoverpa armigera é
uma das principais pragas polífagas das culturas do mundo.
O primeiro relato dessa praga no Brasil foi na safra 2012/2013.
Atacam a parte aérea das plantas, como a flor, folha, gemas,
fruto/vagem, estruturas reprodutivas e pontos de
crescimento. Entre os métodos de controle dessas pragas
estão o manejo integrado de pragas, vazio sanitário, cultivares
geneticamente modificadas expressando a toxina Bt, manejo
dos inimigos naturais, inseticidas biológicos e químicos. Entre
os produtos registrados para controle estão aqueles a base de
Bacillus thuringiensis. Reforçando que ao utilizar inseticidas,
pratique a rotação de mecanismos de ação, pois para H.
armigera já há relatos de resistência aos inseticidas
piretróides.
HELICOVERPA SPP.
2
agrointeli.com.br
A mosca-branca é uma praga cosmopolita,
polífaga, que pode produzir até 15 gerações no
ano.Fica localizada na face inferior das folhas,
onde oviposita em média, de 150 a 300 ovos.
Após se alimentarem nas folhas é comum
vermos uma substância açucarada e pegajosa,
chamada de “honeydew”. Os danos diretos na
soja ocorrem devido a sucção da seiva. Já, os
danos indiretos ocorrem devido a transmissão de
vírus. Entre os produtos para o controle de
mosca-branca em soja estão: acefato, buprofezin,
sulfoxaflor, lambda-cialotrina + tiametoxam,
acetamiprido + alfa-cipermetrina, acetamiprido
+ piriproxifem e acetamiprido.
MOSCA BRANCA (BEMISIA TABACI)
3
agrointeli.com.br
Conhecida por lagarta-do-cartucho do milho, é uma
praga polífaga e que pode causar prejuízos de até 500
milhões de dólares por ano. No milho, alimentam-se
de folhas novas, mas também podem atacar as
espigas e a base/colo das plantas. Você consegue
identificar essa praga no campo pelas folhas raspadas
no cartucho. Em soja, podem atacar a base/colo das
plantas recém emergidas e suas estruturas
reprodutivas. Como a eficácia de controle com
proteínas a base de Bt é baixa, é necessário o uso de
inseticidas. E um cuidado ainda maior deve ser
tomado devido ao inseto ter apresentado resistência
ao metomil, reforçando a importância da rotação dos
mecanismos de ação. Assim, o ideal é realizar o MIP,
por meio do uso de: rotação de culturas, variedades
resistentes, controle biológico e químico
LAGARTA-DO-CARTUCHO
(SPODOPTERA FRUGIPERDA)
4
agrointeli.com.br
É conhecida por cigarrinha-do-milho,
está entre principais pragas do milho, devido
a capacidade de transmitir
doenças, como o enfezamento pálido e o
vermelho.
Para o controle temos o tratamento de
sementes com inseticidas sistêmicos, e a
pulverização foliar com inseticidas
com ação de choque e com efeito residual.
CIGARRINHA-DO-MILHO
(DALBULUS MAIDIS)
5
agrointeli.com.br
O percevejo-marrom possui
ciclo biológico de aproximadamente 29
dias. O principal dano em soja é
relacionado aos tecidos da semente ou
grão, que ficam chocos e enrugados.
Ressalta-se a importância da rotação de
mecanismos de ação, pois já há
relatados de insetos resistentes a
produtos organofosforados e
ciclodienos.
PERCEVEJO-
MARROM
(EUSCHISTUS
HEROS)
6
agrointeli.com.br
CONTATO:
67 9848-3596
agrointeli.com.br
agrointeli
Essa obra é protegida pela Lei 9610/98 (direitos autorais) e art.184 do
Código Penal

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a pragas agricolas.pdf

MILHO RENATA (1).pptx
MILHO RENATA (1).pptxMILHO RENATA (1).pptx
MILHO RENATA (1).pptx
LucasTheodoro11
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
Anderson Bergamasco Hryczyna
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Geagra UFG
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Agrotóxicos
AgrotóxicosAgrotóxicos
Agrotóxicos
Gabriela Suman
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
João Siqueira da Mata
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
becresforte
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
Geagra UFG
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
Geagra UFG
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
Dani Malheiro
 
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Prof. Marcelo Brito de MELO
 
Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014
Ligia palacio
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Geagra UFG
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
Carlos Polos
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
mvezzone
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
Geagra UFG
 

Semelhante a pragas agricolas.pdf (20)

MILHO RENATA (1).pptx
MILHO RENATA (1).pptxMILHO RENATA (1).pptx
MILHO RENATA (1).pptx
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
 
Agrotóxicos
AgrotóxicosAgrotóxicos
Agrotóxicos
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
 
MIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃOMIP NO ALGODÃO
MIP NO ALGODÃO
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
Abacaxi - fusariose - Ananas comosus- Fusarium subglutinans - doença- gomose ...
 
Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014Apresentação robótica 2014
Apresentação robótica 2014
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 

pragas agricolas.pdf

  • 1. PRAGAS AGRÍCOLAS MATERIAL PRODUZIDO POR AGROINTELI Saiba quem são seus inimigos
  • 2. As principais espécies são: Dichelops melacanthus e D. furcatus. É uma das pragas que mais preocupa em lavouras de soja. Porém, pode causar danos nas lavouras de milho, com custo de controle variando entre R$40 e 160,00 por hectare. Ele pode atacar as plantas de V1 (emissão do primeiro par de folhas) até V4 (quarto par de folhas). Dentre os métodos de controle do percevejo, o mais utilizado é o tratamento de sementes e a pulverização foliar com inseticidas sistêmicos. Estão registrados inseticidas a base de tiametoxam, bifentrina + cipermetrina, bifentrina + imidacloprido, acetamiprido + alfa-cipermetrina, imidacloprido, clotianidina, acetamiprido + fipronil e bifentrina + carbosulfano. PERCEVEJO BARRIGA-VERDE (DICHELOS SPP.) 1 agrointeli.com.br
  • 3. Entre as lagartas temos a Helicoverpa zea e H. armigera. A Helicoverpa zea é conhecida por lagarta-da-espiga e ataca diversas culturas. No milho, ela ovoposita nos estigmas, causando a redução da fertilização e do peso dos grãos. A principal dificuldade no controle é que este deve ser feito em direção às espigas, por isso não há inseticidas registrados para a cultura do milho. Já, na cultura da soja temos os inseticidas à base de clorfluazuron e metomil. A Helicoverpa armigera é uma das principais pragas polífagas das culturas do mundo. O primeiro relato dessa praga no Brasil foi na safra 2012/2013. Atacam a parte aérea das plantas, como a flor, folha, gemas, fruto/vagem, estruturas reprodutivas e pontos de crescimento. Entre os métodos de controle dessas pragas estão o manejo integrado de pragas, vazio sanitário, cultivares geneticamente modificadas expressando a toxina Bt, manejo dos inimigos naturais, inseticidas biológicos e químicos. Entre os produtos registrados para controle estão aqueles a base de Bacillus thuringiensis. Reforçando que ao utilizar inseticidas, pratique a rotação de mecanismos de ação, pois para H. armigera já há relatos de resistência aos inseticidas piretróides. HELICOVERPA SPP. 2 agrointeli.com.br
  • 4. A mosca-branca é uma praga cosmopolita, polífaga, que pode produzir até 15 gerações no ano.Fica localizada na face inferior das folhas, onde oviposita em média, de 150 a 300 ovos. Após se alimentarem nas folhas é comum vermos uma substância açucarada e pegajosa, chamada de “honeydew”. Os danos diretos na soja ocorrem devido a sucção da seiva. Já, os danos indiretos ocorrem devido a transmissão de vírus. Entre os produtos para o controle de mosca-branca em soja estão: acefato, buprofezin, sulfoxaflor, lambda-cialotrina + tiametoxam, acetamiprido + alfa-cipermetrina, acetamiprido + piriproxifem e acetamiprido. MOSCA BRANCA (BEMISIA TABACI) 3 agrointeli.com.br
  • 5. Conhecida por lagarta-do-cartucho do milho, é uma praga polífaga e que pode causar prejuízos de até 500 milhões de dólares por ano. No milho, alimentam-se de folhas novas, mas também podem atacar as espigas e a base/colo das plantas. Você consegue identificar essa praga no campo pelas folhas raspadas no cartucho. Em soja, podem atacar a base/colo das plantas recém emergidas e suas estruturas reprodutivas. Como a eficácia de controle com proteínas a base de Bt é baixa, é necessário o uso de inseticidas. E um cuidado ainda maior deve ser tomado devido ao inseto ter apresentado resistência ao metomil, reforçando a importância da rotação dos mecanismos de ação. Assim, o ideal é realizar o MIP, por meio do uso de: rotação de culturas, variedades resistentes, controle biológico e químico LAGARTA-DO-CARTUCHO (SPODOPTERA FRUGIPERDA) 4 agrointeli.com.br
  • 6. É conhecida por cigarrinha-do-milho, está entre principais pragas do milho, devido a capacidade de transmitir doenças, como o enfezamento pálido e o vermelho. Para o controle temos o tratamento de sementes com inseticidas sistêmicos, e a pulverização foliar com inseticidas com ação de choque e com efeito residual. CIGARRINHA-DO-MILHO (DALBULUS MAIDIS) 5 agrointeli.com.br
  • 7. O percevejo-marrom possui ciclo biológico de aproximadamente 29 dias. O principal dano em soja é relacionado aos tecidos da semente ou grão, que ficam chocos e enrugados. Ressalta-se a importância da rotação de mecanismos de ação, pois já há relatados de insetos resistentes a produtos organofosforados e ciclodienos. PERCEVEJO- MARROM (EUSCHISTUS HEROS) 6 agrointeli.com.br
  • 8. CONTATO: 67 9848-3596 agrointeli.com.br agrointeli Essa obra é protegida pela Lei 9610/98 (direitos autorais) e art.184 do Código Penal