SlideShare uma empresa Scribd logo
A Cultura da Catedral

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

1
É no século XII que se formaram a maioria das cidades
europeias;
Nasceram do desenvolvimento económico, demográfico,
social, cultural e político dos séculos XII a XIV (Baixa Idade
Média).

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

2
Vieira da Silva
Manuel Cargaleiro

Cidade em expansão

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

3
Alguns vídeos sobre a arte gótica

As catedrais góticas;
A arte gótica;
A catedral de Colónia;
Banquete medieval;

Festa Medieval, Caminha, Portugal.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

4
As cidades e Deus
A Europa das cidades – do renascimento do século XII a
meados de Quatrocentos (O tempo e o espaço)

Gráfico da
população europeia
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

5
Séculos XI e XII – feudalismo, fase expansionista;
Século XIII – conjuntura económica favorável, grande
dinamismo económico;
Século XIV – recessão, guerras, fomes e pestes.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

6
Fatores que contribuíram para o desenvolvimento dos
séculos XI a XIII:

Melhorias climáticas;
Progressos agrícolas.
Vão provocar:
Produção excedentária  crescimento demográfico;
O comércio e a indústria desenvolvem-se;
Reaparecimento das feiras e mercados que vai provocar o
crescimento das cidades;
Surgem relações comerciais com a Ásia e África.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

7
Estabelece-se uma economia de mercado (circulação de
moeda, produtos e riqueza);
Surge uma economia monetária e capitalista;
Surgem cambistas e bancos, inventam-se formas de
pagamento (cheques, letras);
Surgem grandes fortunas – Jacques Coeur, Cosme de
Médicis, etc.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

8
As cidades europeias enriquecem e crescem;
Surge um novo grupo social, a burguesia (artesãos,
mercadores, lojistas, letrados, banqueiros, etc.;

Surge um novo estilo de vida, mais cortesão e pacífico;

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

9
Desenvolvem-se hábitos de luxo.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

10
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

11
Desenvolve-se a cultura escrita;
Surgem novas escolas nas cidades (Universidades);

As cidades foram o berço de uma nova sociedade mais
laica, pragmática e individualista;
As cidades transformaram-se em centros de novos
saberes;
Desenvolvem-se as trocas comerciais e culturais.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

12
Grandes alterações sociais e políticas:
Burguesia (habitantes do burgo) – cresceu, cultivou-se,
organizou-se;
Surgem organismos profissionais:
As corporações ou mesteres de artes e ofícios para associar
os artesãos;
E as Guildas ou Hansas (associações de comerciantes). A
Liga Hanseática era constituída por cerca de 150 cidades.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

13
Os habitantes das cidades organizam-se procurando a
emancipação administrativa da cidade, surgem as comunas;
Desenrolam-se lutas nos campos e cidades, procurando
melhorar a sua situação.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

14
As monarquias aliam-se à burguesia contra a nobreza e
inicia-se um movimento de centralização do poder real.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

15
Século XIV – mudanças climáticas, excesso de consumo,
crescimento urbano desequilibrado e fomes vão iniciar uma
grave recessão económica.
Surge a Guerra dos Cem Anos, entre a França e Inglaterra mas
que envolve grande parte dos países europeus.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

16
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

17
Muitas cidades cresceram devido a:
Cidades industriais (produção artesanal);
Cidades comerciais (sobretudo portos de mar);
Cidades de peregrinação;
Cidades universitárias…

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

18
Cidades portuárias no Mediterrâneo: Génova, Pisa, Marselha,
Barcelona, etc.
No Atlântico e Báltico: Lisboa, Amesterdão, Hamburgo,
Lubeque, etc.
O barco era o transporte mais prático e mais barato.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

19
Surgem novas rotas terrestres, sobretudo entre Itália e o
norte da Europa
Surgem feiras internacionais: Champagne, Bruges, Troyes,
etc.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

20
Desenvolvem-se as Universidades;
Os estudos começavam pelas Artes: Trivium (Gramática,
Retórica e Dialéctica) e o Quadrivium (Aritmética,
Geometria, Astronomia e Música);
Depois frequentavam as Universidades de grau superior:
Direito Canónico, Medicina, Teologia, etc.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

21
Professores e alunos organizavam-se em nações (origem);
O ensino tinha por base a filosofia escolástica – ensino
teórico;
Estudo e comentário das obras de filosofia clássica (
Platão, Aristóteles, Sócrates) e de autores cristãos (Santo
Agostinho).

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

22
Universidade de Salamanca

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

23
S. Tomás de Aquino (1214-74) procurou a união entre a fé
e a razão;
Entre a revelação divina e a inteligência humana;
O crente poderia alcançar Deus pela sua inteligência,
pelo conhecimento do mundo que era o reflexo de Deus
Humanização da religião;

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

24
Estas novas maneiras de pensar suscitam um maior
interesse pelo mundo material e um ensino mais
experimental;
Roger Bacon (1214-95);
Guilherme de Ockam (1285-1349).

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

25
Formas de urbanismo medieval

Casa
Comunal

Catedral

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

26
Até ao século XII a Europa era rural
A partir do século XIII há um crescimento significativo das
cidades mais antigas
Surgem novas cidades (cruzamentos de estradas, locais
de feira, portos de mar, etc.)
A catedral é um dos símbolos da cidade

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

27
Cidade de Tournai, França

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

28
Diversificam-se:
Umas crescem ordenadamente (malha reticular,
concêntricas)
Outras crescem caoticamente;
Crescem para fora das muralhas.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

29
Igrejas, conventos, casa comunal, casas de nobres e
burgueses, bairros populares, oficinas, lojas, praças, ruas
(algumas agrupavam um determinado ofício ou loja, rua do
ouro, dos mercadores, etc.)

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

30
Não tinham água canalizada, nem esgotos, nem
segurança (polícia)
As ruas eram estreitas e sinuosas (incêndios frequentes)
As cidades tornam-se polos de atracão – emigração do
campo para a cidade

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

31
A Europa das catedrais
(O local)

“A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o
renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos
XII e XIII não pararam de crescer
A catedral (gótica) é a igreja do bispo, portanto a igreja da
cidade.”
George Duby, O tempo das catedrais

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

32
Florença 1336-38:
25000 homens entre os 15 e 60 anos;
1500 ricos e nobres;
110 igrejas, 24 mosteiros;
30 hospitais com mais de mil camas;
200 oficinas de lã – 30000 operários;
8 bancos.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

33
A catedral torna-se o símbolo da cidade;
Igreja (bispo) e burgueses, todos contribuem para a
construção da Catedral.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

34
Deus é luz. (…) Luz absoluta, deus está mais ou menos
velado em cada criatura, consoante ela é menos ou mais
refratária à sua iluminação. Esta conceção contém a chave
da nova arte, da arte de França. Arte de claridade e de
irradiação (…).
G. Duby, O tempo das catedrais

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

35
A luz, que aparece simultaneamente como o próprio Deus e
como o agente de união entre a alma e deus, deve encher
inteiramente o reino cujo campo os muros da catedral
simbolicamente delimitam.

G. Duby, O tempo das catedrais

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

36
O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de
Paris) foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo
gótico

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

37
Na reconstrução da cabeceira da Igreja incentivou os
mestres de obras a deixarem entrar a luz;
Fez da catedral o reino de Deus na Terra;
Surge uma nova teologia: “Deus é luz”.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

38
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

39
“Deus é Luz. Cada criatura recebe e transmite a iluminação divina
segundo a sua capacidade. … O universo é um fluxo luminoso… Deus
é luz absoluta”
George Duby, O tempo das catedrais

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

40
Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de França,
de que a Igreja de S. Dinis, de Suger foi o modelo.
George Duby, O tempo das catedrais

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

41
A cultura cortesã
A partir do século XII desenvolve-se uma nova cultura
baseada no ideal cavaleiresco e cortês;
Valorização da lealdade, cortesia, amor, a paz, a alegria, a
elegância, etc.;
Surgem poetas, trovadores, jograis.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

42
Surgiu uma nova cultura popular, mais profana (menos
religiosa) e mais humanista (preocupada com o homem);
Desenvolvem-se festas e romarias com procissões e autos
teatrais, com dançares e cantares;
Surgem as poesias trovadorescas;
Estas poesias eram escritas e cantadas em língua vulgar (a
que era falada pelo povo) e não em latim;

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

43
Os grandes da época (nobreza e clero) cultivaram o conforto
e o luxo;
Saraus, representações teatrais, bailes e banquetes
acompanhados por música; (ver)
Surgem as primeiras práticas de mecenato (proteção das
artes);
Nos meios cortesãos (nobreza) surgem novas regras sociais
caracterizadas por uma maior civilidade e cortesia.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

44
Literatura surgem os romances de cavalaria, narrativas de
viagens e até romances sentimentais:
Como por exemplo o “Romance da Rosa”;
Em Portugal surgem as “cantigas de amor, de amigo, de
escárnio e maldizer”.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

45
Surge um mundo mais culto e letrado;
Desenvolvem-se as línguas faladas pelas pessoas;
Surge um mundo mais humanizado.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

46
A música diversifica-se surge a polifonia, vários
instrumentos e ritmos, popular ou erudita, religiosa ou
profana;
Surgem as danças coletivas e individuais.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

47
Desenvolve-se o teatro religioso, representado no adro da
igreja ou nas praças – funções pedagógicas e recreativas;
Surgem atores ambulantes;
Surge um teatro mais profano;
A nobreza e burguesia organizam festas particulares.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

48
Em conclusão:
Divulgam-se os prazeres mundanos, a alegria de viver;
A Igreja crítica estes exageros;
No século XIV, o avanço da peste provoca modificações na
arte – reflete o medo e inquietação;
O século XV devolve a confiança ao Homem no mundo.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

49
Dante Alighieri (1265-1321)
Biografia

Nasce em Florença em 1265;
Apaixona-se por Beatriz Portinari (m. 1290) – dedica-lhe
quase toda a sua poesia;
A partir de 1295 passa a ter uma vida política ativa;
Por motivos políticos é desterrado de Florença;
Vive em Verona, Pádua, Paris, Oxford, Pisa e Ravena;
Dedicou a sua vida à literatura e à política.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

50
Escreveu toda a sua obra em italiano, o que para a época foi
muito inovador, a maior parte dos autores escrevia em latim;

Dante cortou com a tradição medieval e contribuiu para o
aperfeiçoamento da língua italiana;
Na poesia criou um novo estilo, “dolce stil nuovo” (doce estilo
novo);
Foi o percursor (inspirador) da literatura do Renascimento.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

51
Na sua obra desenvolve a reflexão sobre o pensamento, a
crítica filosóficas, teológicas, literárias, e socioeconómicas
da época;
Este entendimento da fé e dos sentimentos religiosos
aproxima Dante dos escritores do Renascimento;
Dante, na poesia, e Giotto, na pintura, encerraram uma
época da história e foram os precursores de outra.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

52
A sua obra-prima foi a Divina Comédia;
Uma peça poética dividida em três partes ou capítulos
(Inferno, Purgatório e Paraíso);
Nessa obra relata-nos uma visão ou sonho durante o qual
realiza uma viagem simbólica pelo mundo dos mortos;

Esta viagem foi o pretexto para analisar a vida humana,
expor o seu pensamento sobre a filosofia, e a teologia,
Em resumo, os escritos de Dante resumem todo o
pensamento filosófico, científico e teológico da Idade Média,
harmonizando-o com a Antiguidade Clássica, enunciando, o
Renascimento.
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

53
O Casamento de Frederico III com D. Leonor de Portugal
de Nicolau Lanckman de Valckenstein

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

54
D. Leonor (1434-1467), filha dos reis D. Duarte e D. Leonor, casou
em 1451 com Frederico III, imperador da Alemanha
Nicolau Lanckman de Valckenstein era capelão do Imperador e
veio a Portugal celebrar o casamento por procuração, escreveu
um diário de viagem onde relata os acontecimentos.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

55
O rei Afonso V, irmão de D. Leonor, deu uma festa, que se
prolongou por vários dias, entre 13 e 25 de Outubro;
Decorreram várias ações pela cidade, destinadas a vários
públicos.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

56
A Peste Negra (1348-1350)
(Acontecimento)

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

57
A Peste Negra vai provocar a morte de 30% a 50% da
população europeia muitas aldeias e até algumas
cidades desapareceram completamente.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

58
Veio do Oriente, chegou a Messina, porto italiano, através
de barcos de comércio;
A enorme mortalidade provocou um enorme terror na
população.

Ars Moriendi – Arte
de morrer

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

59
A moeda desvalorizou, provoca a subida dos preços
(inflação);
Os impostos aumentaram (monarcas precisavam de dinheiro
para manter a guerra);
Surgem revoltas populares nos campos e nas cidades;

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

60
Perseguições aos judeus e leprosos vistos como os
causadores das desgraças;
Procissões coletivas de flagelantes;
Crise coletiva de mentalidades.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

61
O contágio fazia-se por picada de pulgas ou mordidelas de
ratos;
Normalmente matava em 3 a 4 dias.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

62
O desaparecimento de um terço da população europeia teve
consequências graves:
Alterou o quotidiano;
Paralisou a produção e o comércio (falta da mão-de-obra);
Provocou uma depressão económica, espalhando a carestia
e a fome;
Generaliza-se a insegurança e instabilidade, eclodem revoltas
populares que causam pânico e violência;

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

63
O medo da morte provocou, em muitas pessoas, o recurso
exagerado à fé, surgem práticas extremistas de penitências;
Outros, pelo contrários, vão-se dedicar à heresia e a práticas
satânicas;
Outros por sua vez, descrentes de tudo, dedicam-se à
ociosidade, vadiagem e marginalidade;
A Peste Negra perturbou as estruturas económicas e
sociais e provocou uma crise de valores e
comportamentos.

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

64
Esquema do século XIV

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

65
A crise atinge a Igreja:
Surgem dois papas ( Roma e o de Avinhão, França,
imposto pelo rei Francês)
É o Grande Cisma do Ocidente (1373-1417)

HCA, Curso Turismo, Módulo 4

66
Apesar da gravidade da crise, nos grandes centros urbanos
surgiram os fatores que vão permitir o florescimento
económico e cultural no século XV.

Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da
Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011
HCA, Curso Turismo, Módulo 4

67

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Carla Freitas
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunos
Vítor Santos
 
Módulo 3 contexto histórico profissional
Módulo 3   contexto histórico profissionalMódulo 3   contexto histórico profissional
Módulo 3 contexto histórico profissional
Carla Freitas
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
Ana Barreiros
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
Carla Freitas
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
luisant
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
Ana Barreiros
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
Carla Freitas
 
Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
Ana Barreiros
 
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
João Couto
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
Carla Freitas
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
Vítor Santos
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Carlos Vieira
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
Ana Barreiros
 
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Carlos Vieira
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
TLopes
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Exame mod 3 2 taar
Exame mod 3  2 taarExame mod 3  2 taar
Exame mod 3 2 taar
teresagoncalves
 

Mais procurados (20)

Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunos
 
Módulo 3 contexto histórico profissional
Módulo 3   contexto histórico profissionalMódulo 3   contexto histórico profissional
Módulo 3 contexto histórico profissional
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
 
A Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio IA Cultura Do PaláCio I
A Cultura Do PaláCio I
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
Casamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico IIICasamento D. Leonor e frederico III
Casamento D. Leonor e frederico III
 
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"Teste de HCA " A cultura do Palácio"
Teste de HCA " A cultura do Palácio"
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao MóduloCultura da Catedral - Introdução ao Módulo
Cultura da Catedral - Introdução ao Módulo
 
A escultura gótica
A escultura góticaA escultura gótica
A escultura gótica
 
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimentoCultura do Palácio - Pintura do renascimento
Cultura do Palácio - Pintura do renascimento
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Exame mod 3 2 taar
Exame mod 3  2 taarExame mod 3  2 taar
Exame mod 3 2 taar
 

Destaque

Gotico em Portugal
Gotico em PortugalGotico em Portugal
Gotico em Portugal
Pedro Carvalho
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
HCA_10I
 
Vitrais
VitraisVitrais
Vitral
VitralVitral
Vitral
Karyn XP
 
A cultura da catedral escultura e pintura
A cultura da catedral   escultura e pinturaA cultura da catedral   escultura e pintura
A cultura da catedral escultura e pintura
cattonia
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
Vítor Santos
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
joaopada
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
berenvaz
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
Alessandro Deretti
 

Destaque (10)

Gotico em Portugal
Gotico em PortugalGotico em Portugal
Gotico em Portugal
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
Vitrais
VitraisVitrais
Vitrais
 
Vitral
VitralVitral
Vitral
 
A cultura da catedral escultura e pintura
A cultura da catedral   escultura e pinturaA cultura da catedral   escultura e pintura
A cultura da catedral escultura e pintura
 
03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica03 escultura e pintura gótica
03 escultura e pintura gótica
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
Arte Gótica
Arte GóticaArte Gótica
Arte Gótica
 

Semelhante a 01 cultura da catedral

Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Rúben Soares
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
Ana Barreiros
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
Vítor Santos
 
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedadeRENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
Ricardo Diniz campos
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
João Lima
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
Nefer19
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
Vítor Santos
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Renascimento - História
Renascimento - HistóriaRenascimento - História
Renascimento - História
Thepatriciamartins12
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
cattonia
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
TeresaLopes78
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
Alexandre Protásio
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
a15385LeandroFilipeG
 
Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos
Bruno Marques
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
Vítor Santos
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Bruno Marques
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
cattonia
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 

Semelhante a 01 cultura da catedral (20)

Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
Fichaformativaculturadacatedral 120506062226-phpapp02
 
Ficha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedralFicha formativa cultura da catedral
Ficha formativa cultura da catedral
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedadeRENASCIMENTO.  a virada  de chave desencadeou na sociedade
RENASCIMENTO. a virada de chave desencadeou na sociedade
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
A Baixa Idade Média (7º Ano - 2016)
 
01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio01 a cultura do palácio
01 a cultura do palácio
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
 
Renascimento - História
Renascimento - HistóriaRenascimento - História
Renascimento - História
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
 
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptxA CULTURA DO PALÁCIO.pptx
A CULTURA DO PALÁCIO.pptx
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
 
Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos
 
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
01 cultura palco muitos palcos um espetaculo blogue
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
 
Cultura do palácio contexto
Cultura do palácio   contextoCultura do palácio   contexto
Cultura do palácio contexto
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 

01 cultura da catedral

  • 1. A Cultura da Catedral http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ HCA, Curso Turismo, Módulo 4 1
  • 2. É no século XII que se formaram a maioria das cidades europeias; Nasceram do desenvolvimento económico, demográfico, social, cultural e político dos séculos XII a XIV (Baixa Idade Média). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 2
  • 3. Vieira da Silva Manuel Cargaleiro Cidade em expansão HCA, Curso Turismo, Módulo 4 3
  • 4. Alguns vídeos sobre a arte gótica As catedrais góticas; A arte gótica; A catedral de Colónia; Banquete medieval; Festa Medieval, Caminha, Portugal. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 4
  • 5. As cidades e Deus A Europa das cidades – do renascimento do século XII a meados de Quatrocentos (O tempo e o espaço) Gráfico da população europeia HCA, Curso Turismo, Módulo 4 5
  • 6. Séculos XI e XII – feudalismo, fase expansionista; Século XIII – conjuntura económica favorável, grande dinamismo económico; Século XIV – recessão, guerras, fomes e pestes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 6
  • 7. Fatores que contribuíram para o desenvolvimento dos séculos XI a XIII: Melhorias climáticas; Progressos agrícolas. Vão provocar: Produção excedentária  crescimento demográfico; O comércio e a indústria desenvolvem-se; Reaparecimento das feiras e mercados que vai provocar o crescimento das cidades; Surgem relações comerciais com a Ásia e África. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 7
  • 8. Estabelece-se uma economia de mercado (circulação de moeda, produtos e riqueza); Surge uma economia monetária e capitalista; Surgem cambistas e bancos, inventam-se formas de pagamento (cheques, letras); Surgem grandes fortunas – Jacques Coeur, Cosme de Médicis, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 8
  • 9. As cidades europeias enriquecem e crescem; Surge um novo grupo social, a burguesia (artesãos, mercadores, lojistas, letrados, banqueiros, etc.; Surge um novo estilo de vida, mais cortesão e pacífico; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 9
  • 10. Desenvolvem-se hábitos de luxo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 10
  • 11. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 11
  • 12. Desenvolve-se a cultura escrita; Surgem novas escolas nas cidades (Universidades); As cidades foram o berço de uma nova sociedade mais laica, pragmática e individualista; As cidades transformaram-se em centros de novos saberes; Desenvolvem-se as trocas comerciais e culturais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 12
  • 13. Grandes alterações sociais e políticas: Burguesia (habitantes do burgo) – cresceu, cultivou-se, organizou-se; Surgem organismos profissionais: As corporações ou mesteres de artes e ofícios para associar os artesãos; E as Guildas ou Hansas (associações de comerciantes). A Liga Hanseática era constituída por cerca de 150 cidades. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 13
  • 14. Os habitantes das cidades organizam-se procurando a emancipação administrativa da cidade, surgem as comunas; Desenrolam-se lutas nos campos e cidades, procurando melhorar a sua situação. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 14
  • 15. As monarquias aliam-se à burguesia contra a nobreza e inicia-se um movimento de centralização do poder real. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 15
  • 16. Século XIV – mudanças climáticas, excesso de consumo, crescimento urbano desequilibrado e fomes vão iniciar uma grave recessão económica. Surge a Guerra dos Cem Anos, entre a França e Inglaterra mas que envolve grande parte dos países europeus. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 16
  • 17. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 17
  • 18. Muitas cidades cresceram devido a: Cidades industriais (produção artesanal); Cidades comerciais (sobretudo portos de mar); Cidades de peregrinação; Cidades universitárias… HCA, Curso Turismo, Módulo 4 18
  • 19. Cidades portuárias no Mediterrâneo: Génova, Pisa, Marselha, Barcelona, etc. No Atlântico e Báltico: Lisboa, Amesterdão, Hamburgo, Lubeque, etc. O barco era o transporte mais prático e mais barato. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 19
  • 20. Surgem novas rotas terrestres, sobretudo entre Itália e o norte da Europa Surgem feiras internacionais: Champagne, Bruges, Troyes, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 20
  • 21. Desenvolvem-se as Universidades; Os estudos começavam pelas Artes: Trivium (Gramática, Retórica e Dialéctica) e o Quadrivium (Aritmética, Geometria, Astronomia e Música); Depois frequentavam as Universidades de grau superior: Direito Canónico, Medicina, Teologia, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 21
  • 22. Professores e alunos organizavam-se em nações (origem); O ensino tinha por base a filosofia escolástica – ensino teórico; Estudo e comentário das obras de filosofia clássica ( Platão, Aristóteles, Sócrates) e de autores cristãos (Santo Agostinho). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 22
  • 23. Universidade de Salamanca HCA, Curso Turismo, Módulo 4 23
  • 24. S. Tomás de Aquino (1214-74) procurou a união entre a fé e a razão; Entre a revelação divina e a inteligência humana; O crente poderia alcançar Deus pela sua inteligência, pelo conhecimento do mundo que era o reflexo de Deus Humanização da religião; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 24
  • 25. Estas novas maneiras de pensar suscitam um maior interesse pelo mundo material e um ensino mais experimental; Roger Bacon (1214-95); Guilherme de Ockam (1285-1349). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 25
  • 26. Formas de urbanismo medieval Casa Comunal Catedral HCA, Curso Turismo, Módulo 4 26
  • 27. Até ao século XII a Europa era rural A partir do século XIII há um crescimento significativo das cidades mais antigas Surgem novas cidades (cruzamentos de estradas, locais de feira, portos de mar, etc.) A catedral é um dos símbolos da cidade HCA, Curso Turismo, Módulo 4 27
  • 28. Cidade de Tournai, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 28
  • 29. Diversificam-se: Umas crescem ordenadamente (malha reticular, concêntricas) Outras crescem caoticamente; Crescem para fora das muralhas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 29
  • 30. Igrejas, conventos, casa comunal, casas de nobres e burgueses, bairros populares, oficinas, lojas, praças, ruas (algumas agrupavam um determinado ofício ou loja, rua do ouro, dos mercadores, etc.) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 30
  • 31. Não tinham água canalizada, nem esgotos, nem segurança (polícia) As ruas eram estreitas e sinuosas (incêndios frequentes) As cidades tornam-se polos de atracão – emigração do campo para a cidade HCA, Curso Turismo, Módulo 4 31
  • 32. A Europa das catedrais (O local) “A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos XII e XIII não pararam de crescer A catedral (gótica) é a igreja do bispo, portanto a igreja da cidade.” George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 32
  • 33. Florença 1336-38: 25000 homens entre os 15 e 60 anos; 1500 ricos e nobres; 110 igrejas, 24 mosteiros; 30 hospitais com mais de mil camas; 200 oficinas de lã – 30000 operários; 8 bancos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 33
  • 34. A catedral torna-se o símbolo da cidade; Igreja (bispo) e burgueses, todos contribuem para a construção da Catedral. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 34
  • 35. Deus é luz. (…) Luz absoluta, deus está mais ou menos velado em cada criatura, consoante ela é menos ou mais refratária à sua iluminação. Esta conceção contém a chave da nova arte, da arte de França. Arte de claridade e de irradiação (…). G. Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 35
  • 36. A luz, que aparece simultaneamente como o próprio Deus e como o agente de união entre a alma e deus, deve encher inteiramente o reino cujo campo os muros da catedral simbolicamente delimitam. G. Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 36
  • 37. O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de Paris) foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo gótico HCA, Curso Turismo, Módulo 4 37
  • 38. Na reconstrução da cabeceira da Igreja incentivou os mestres de obras a deixarem entrar a luz; Fez da catedral o reino de Deus na Terra; Surge uma nova teologia: “Deus é luz”. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 38
  • 39. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 39
  • 40. “Deus é Luz. Cada criatura recebe e transmite a iluminação divina segundo a sua capacidade. … O universo é um fluxo luminoso… Deus é luz absoluta” George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 40
  • 41. Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de França, de que a Igreja de S. Dinis, de Suger foi o modelo. George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 41
  • 42. A cultura cortesã A partir do século XII desenvolve-se uma nova cultura baseada no ideal cavaleiresco e cortês; Valorização da lealdade, cortesia, amor, a paz, a alegria, a elegância, etc.; Surgem poetas, trovadores, jograis. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 42
  • 43. Surgiu uma nova cultura popular, mais profana (menos religiosa) e mais humanista (preocupada com o homem); Desenvolvem-se festas e romarias com procissões e autos teatrais, com dançares e cantares; Surgem as poesias trovadorescas; Estas poesias eram escritas e cantadas em língua vulgar (a que era falada pelo povo) e não em latim; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 43
  • 44. Os grandes da época (nobreza e clero) cultivaram o conforto e o luxo; Saraus, representações teatrais, bailes e banquetes acompanhados por música; (ver) Surgem as primeiras práticas de mecenato (proteção das artes); Nos meios cortesãos (nobreza) surgem novas regras sociais caracterizadas por uma maior civilidade e cortesia. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 44
  • 45. Literatura surgem os romances de cavalaria, narrativas de viagens e até romances sentimentais: Como por exemplo o “Romance da Rosa”; Em Portugal surgem as “cantigas de amor, de amigo, de escárnio e maldizer”. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 45
  • 46. Surge um mundo mais culto e letrado; Desenvolvem-se as línguas faladas pelas pessoas; Surge um mundo mais humanizado. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 46
  • 47. A música diversifica-se surge a polifonia, vários instrumentos e ritmos, popular ou erudita, religiosa ou profana; Surgem as danças coletivas e individuais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 47
  • 48. Desenvolve-se o teatro religioso, representado no adro da igreja ou nas praças – funções pedagógicas e recreativas; Surgem atores ambulantes; Surge um teatro mais profano; A nobreza e burguesia organizam festas particulares. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 48
  • 49. Em conclusão: Divulgam-se os prazeres mundanos, a alegria de viver; A Igreja crítica estes exageros; No século XIV, o avanço da peste provoca modificações na arte – reflete o medo e inquietação; O século XV devolve a confiança ao Homem no mundo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 49
  • 50. Dante Alighieri (1265-1321) Biografia Nasce em Florença em 1265; Apaixona-se por Beatriz Portinari (m. 1290) – dedica-lhe quase toda a sua poesia; A partir de 1295 passa a ter uma vida política ativa; Por motivos políticos é desterrado de Florença; Vive em Verona, Pádua, Paris, Oxford, Pisa e Ravena; Dedicou a sua vida à literatura e à política. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 50
  • 51. Escreveu toda a sua obra em italiano, o que para a época foi muito inovador, a maior parte dos autores escrevia em latim; Dante cortou com a tradição medieval e contribuiu para o aperfeiçoamento da língua italiana; Na poesia criou um novo estilo, “dolce stil nuovo” (doce estilo novo); Foi o percursor (inspirador) da literatura do Renascimento. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 51
  • 52. Na sua obra desenvolve a reflexão sobre o pensamento, a crítica filosóficas, teológicas, literárias, e socioeconómicas da época; Este entendimento da fé e dos sentimentos religiosos aproxima Dante dos escritores do Renascimento; Dante, na poesia, e Giotto, na pintura, encerraram uma época da história e foram os precursores de outra. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 52
  • 53. A sua obra-prima foi a Divina Comédia; Uma peça poética dividida em três partes ou capítulos (Inferno, Purgatório e Paraíso); Nessa obra relata-nos uma visão ou sonho durante o qual realiza uma viagem simbólica pelo mundo dos mortos; Esta viagem foi o pretexto para analisar a vida humana, expor o seu pensamento sobre a filosofia, e a teologia, Em resumo, os escritos de Dante resumem todo o pensamento filosófico, científico e teológico da Idade Média, harmonizando-o com a Antiguidade Clássica, enunciando, o Renascimento. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 53
  • 54. O Casamento de Frederico III com D. Leonor de Portugal de Nicolau Lanckman de Valckenstein HCA, Curso Turismo, Módulo 4 54
  • 55. D. Leonor (1434-1467), filha dos reis D. Duarte e D. Leonor, casou em 1451 com Frederico III, imperador da Alemanha Nicolau Lanckman de Valckenstein era capelão do Imperador e veio a Portugal celebrar o casamento por procuração, escreveu um diário de viagem onde relata os acontecimentos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 55
  • 56. O rei Afonso V, irmão de D. Leonor, deu uma festa, que se prolongou por vários dias, entre 13 e 25 de Outubro; Decorreram várias ações pela cidade, destinadas a vários públicos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 56
  • 57. A Peste Negra (1348-1350) (Acontecimento) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 57
  • 58. A Peste Negra vai provocar a morte de 30% a 50% da população europeia muitas aldeias e até algumas cidades desapareceram completamente. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 58
  • 59. Veio do Oriente, chegou a Messina, porto italiano, através de barcos de comércio; A enorme mortalidade provocou um enorme terror na população. Ars Moriendi – Arte de morrer HCA, Curso Turismo, Módulo 4 59
  • 60. A moeda desvalorizou, provoca a subida dos preços (inflação); Os impostos aumentaram (monarcas precisavam de dinheiro para manter a guerra); Surgem revoltas populares nos campos e nas cidades; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 60
  • 61. Perseguições aos judeus e leprosos vistos como os causadores das desgraças; Procissões coletivas de flagelantes; Crise coletiva de mentalidades. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 61
  • 62. O contágio fazia-se por picada de pulgas ou mordidelas de ratos; Normalmente matava em 3 a 4 dias. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 62
  • 63. O desaparecimento de um terço da população europeia teve consequências graves: Alterou o quotidiano; Paralisou a produção e o comércio (falta da mão-de-obra); Provocou uma depressão económica, espalhando a carestia e a fome; Generaliza-se a insegurança e instabilidade, eclodem revoltas populares que causam pânico e violência; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 63
  • 64. O medo da morte provocou, em muitas pessoas, o recurso exagerado à fé, surgem práticas extremistas de penitências; Outros, pelo contrários, vão-se dedicar à heresia e a práticas satânicas; Outros por sua vez, descrentes de tudo, dedicam-se à ociosidade, vadiagem e marginalidade; A Peste Negra perturbou as estruturas económicas e sociais e provocou uma crise de valores e comportamentos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 64
  • 65. Esquema do século XIV HCA, Curso Turismo, Módulo 4 65
  • 66. A crise atinge a Igreja: Surgem dois papas ( Roma e o de Avinhão, França, imposto pelo rei Francês) É o Grande Cisma do Ocidente (1373-1417) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 66
  • 67. Apesar da gravidade da crise, nos grandes centros urbanos surgiram os fatores que vão permitir o florescimento económico e cultural no século XV. Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 67