SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Marketing e Turismo
IFSP Campus Cubatão | 2016
Prof. Aristides Faria Lopes dos Santos
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
CONCEITOS FUNDAMENTAIS
Conceitos fundamentas e aplicações do marketing no turismo
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Planejamento
• Conceitos fundamentais!
‒ Planejamento: processo organizacional que serve para determinar antecipadamente quais
ações devem ser encetadas para se atingir objetivos previamente fixados;
‒ Ao planejar, o gestor estabelece de forma racional a hierarquia de prioridades necessárias
para se alcançar objetivos definidos;
‒ O planejamento permite às organizações reagirem rapidamente às turbulências do meio
ambiente (externo), antever e explorar melhor as oportunidades de mercado e
desenvolver novas técnicas de administração;
‒ Ao planejar, o gestor determina metas e estratégias de curto, médio e longo prazos para
os diversos setores de uma organização (finanças, produção, pesquisa e desenvolvimento,
marketing etc.).
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Vendas x Marketing
Vendas
• Foco
– Distribuição do produto
(bem/serviço)
• A empresa fabrica e só então se
pensa em como vendê-lo de
maneira lucrativa
• Mentalidade interna, voltada
para a empresa
• Ênfase nas necessidades da
empresa (vendedor)
Marketing
• Foco
– Necessidades do cliente
• Primeiro a empresa determina o que
os clientes necessitam/desejam e só
então elabora a melhor maneira de
fabricar e vender, com lucro, um
bem/serviço/solução que satisfaça
essas expectativas
• Mentalidade externa, voltada para o
mercado
• Ênfase nas necessidades do mercado
(compradores)
• Profissionais de marketing
– Planejam os lucros, pensam a longo
prazo e procuram oferecer
bens/serviços/soluções diferenciados
para segmentos diferenciados
Ciclo de vida dos produtos
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços)
• 1ª fase: Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)
– Nesta fase, o produto ainda não existe fisicamente: existe apenas de forma conceitual;
– Trata-se de uma sugestão de produto ou serviço, que pode ser elaborado e implementado
de acordo com as necessidades que satisfaçam a demanda que se apresenta;
– É neste momento que ocorre o planejamento mercadológico e a determinação de ações
que serão executadas em etapas posteriores;
– Durante a Pesquisa e Desenvolvimento, pode ocorrer o uso de uma ferramenta chamada
benchmarking.
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços)
• 2ª fase: Introdução ou Lançamento
– Esta fase se inicia quando o produto (bem material) ou serviço é introduzido no seu
respectivo segmento de mercado (agrupamento de consumidores de acordo com diversas
características determinadas pela organização);
– Mercado turístico: o destino ainda é pouco conhecido e não possui um posicionamento
estabelecido e o fluxo de visitantes e vendas cresce lentamente, de modo que o retorno
financeiro ainda seja baixo. Nesta fase há grandes esforços e investimentos em
infraestrutura, promoção e distribuição, visando promover a aproximação do produto
com o consumidor (turista em potencial).
• Importante!
– A oferta está sendo apresentada ao mercado;
– Geralmente, a evolução dos resultados de vendas é lenta nesta fase;
– Modismo: a evolução dos resultados de vendas é muito rápida e logo se estabiliza;
– Quantidade colocada a disposição do consumo é pequena (experimentação);
– Em geral há poucas empresas ofertantes competindo e o preço, geralmente elevado (?).
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços)
• 3ª fase: Crescimento ou Consolidação
– No caso do turismo, nesta fase o destino torna-se conhecido pelo consumidor e seu
posicionamento vai se consolidando no mercado ano a ano (ciclos temporais);
– O fluxo de visitantes cresce mais rapidamente e as vendas aumentam;
– Inovação: torna-se necessário melhorar a qualidade dos serviços oferecidos, investir em
novos mercados-alvo e agregar novos atrativos à oferta, pois é neste momento em que a
concorrência é estimulada a comercializar produtos similares ou substitutos.
• Importante!
– Os índices de vendas começam a subir com novos compradores entrantes;
– A concorrência cresce e inicia-se uma disputa por melhores canais de distribuição
(exemplo: contratos de exclusividade);
– Os preços tendem a estabilizar-se e/ou cair e as despesas com publicidade (?).
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços)
• 4ª fase: Maturidade ou Saturação
– Nesta fase a oferta encontra-se consolidada e a posição dos concorrentes também;
– Geralmente é a fase de maior duração do ciclo de vida do produto ou serviço;
– É quando as vendas tendem a se estabilizar;
– O ritmo de crescimento diminui, assim como os lucros
• Maturidade
– Ritmo de crescimento diminui consideravelmente, mas de forma lenta
– Custos de incremento de valor crescem cada vez mais
– Muitos concorrentes, poucos sobreviventes (parcerias, cooperação)
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços)
• Maturidade de crescimento
– Os resultados de venda continuam a crescer, mas de forma mais lenta e isso se deve ao
fato de que ainda existem compradores retardatários no mercado (exemplo: regiões
ainda não alcançadas pela distribuição e/ou promoção da oferta);
• Maturidade estável ou saturação
– Os resultados de venda se mantém num ritmo constante, puramente pela demanda
gerada por compras de reposição (repetidores);
• Maturidade decadente
– Os níveis de venda começam a cair quando os consumidores mudam suas opções de
compra.
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida dos produtos
• 5ª fase: Declínio
– A imagem da oferta encontra-se desgastada e o posicionamento da marca passa a ser
desfavorável junto aos consumidores ativos, ou seja, aqueles que optam por esta oferta;
– No caso do turismo, nesta fase diminuem o fluxo de visitantes e os investimentos
públicos (destinos) e privados (negócios);
– Caso não sejam feitos esforços para alterar a tendência de declínio, o resultado será a
morte do produto e sua retirada no mercado.
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida de um destino turístico
• As fases do ciclo de vida de uma destinação, conforme Butler (1980), podem ser
assim resumidas:
• Exploração
• Fase caracterizada por reduzido número de turistas, os quais são chamados de “exploradores”,
por Plog, ou de “alocêntricos”11, por Cohen. Nessa fase, a destinação não conta com
instalações específicas previstas para os visitantes, que geralmente usam espaços locais e, com
isso, podem se aproximar da população, e o turismo não altera o destino, tendo pouca
importância para a vida econômica e social dos seus residentes.
• Envolvimento
• Quando o número de visitantes aumenta e passa a ter certa regularidade, os residentes locais
começam a criar as primeiras instalações para receber os turistas, algumas exclusivas para esse
fim. Assim, o contato dos turistas com os residentes locais tende a se intensificar.
Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo
Ciclo de vida de um destino turístico
• Continuação:
• Desenvolvimento
• Nessa fase, a área do mercado turístico é bem demarcada e, à medida que o destino turístico vai-se desenvolvendo, o seu
controle, assim como o envolvimento dos visitantes com a comunidade local, vai diminuindo. As instalações locais vão dando
cada vez mais lugar a instalações específicas (muitas vezes fornecidas por organizações externas). Atrativos naturais e
culturais também começam a ser comercializados e adequados especificamente para os turistas, alterações nas áreas turísticas
também passam a ser percebidas e pode ocorrer que nem todos os tipos de turistas sejam desejados pelos residentes locais. Em
períodos de pico, inclusive, o número de turistas pode igualar ou até mesmo exceder a população local.
• Consolidação
• Nesta fase, embora a taxa de crescimento possa diminuir, o número de turistas tende ainda a aumentar. O turismo constituirá
parte significativa da economia local, as ações de marketing e publicidade terão grande alcance e buscarão aumentar a
permanência do turismo, e empresas externas ao local (como as franquias) começam a se instalar nos destinos. Contudo, o
aumento no número de turistas e as instalações específicas para atendê-los podem gerar alguma oposição ou descontentamento
por parte da população local.
• Estagnação
• Nesta fase, o número máximo de turistas que os destinos suportam terá sido alcançado, ou em alguns casos, até mesmo
ultrapassado, o que pode acabar acarretando problemas ambientais, sociais e econômicos. A imagem do local já estará
estabelecida, mas, como Butler mencionou, não estará mais “na moda”. Os serviços oferecidos começam a ser em maior
quantidade que a demanda e será necessário grande esforço dos empresários para manter um nível de visitação suficiente para
manutenção dos negócios. Muitas vezes, atrações naturais e culturais originais, “genuínas” (nos dizeres de Butler (1980)) são
substituídas por equipamentos turísticos artificiais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos de Marketing: Aula28 identificação de segmentos de mercado
Fundamentos de Marketing: Aula28   identificação de segmentos de mercadoFundamentos de Marketing: Aula28   identificação de segmentos de mercado
Fundamentos de Marketing: Aula28 identificação de segmentos de mercadoAlexandre Conte
 
Gerenciando seu empreendimento e4
Gerenciando seu empreendimento   e4Gerenciando seu empreendimento   e4
Gerenciando seu empreendimento e4silviofsouza
 
Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1
Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1
Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1Alexandre Siqueira
 
Modelo de campanha cca0319e cca0318 resumo
Modelo de campanha cca0319e cca0318 resumoModelo de campanha cca0319e cca0318 resumo
Modelo de campanha cca0319e cca0318 resumoDiego Moreau
 
1223564022 organização de_eventos (1)
1223564022 organização de_eventos (1)1223564022 organização de_eventos (1)
1223564022 organização de_eventos (1)Ricardo Lameiras
 
Estrategia oceano azul
Estrategia oceano azulEstrategia oceano azul
Estrategia oceano azulJosi Teixeira
 
Marketing e Branding Mini MBA
Marketing e Branding Mini MBAMarketing e Branding Mini MBA
Marketing e Branding Mini MBAth2
 
Segmentação de marketing
Segmentação de marketingSegmentação de marketing
Segmentação de marketingWagner Gonsalez
 
Novo modelo de campanha cca0319ecca0318
Novo modelo de campanha cca0319ecca0318Novo modelo de campanha cca0319ecca0318
Novo modelo de campanha cca0319ecca0318Diego Moreau
 
AÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDAS
AÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDASAÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDAS
AÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDASAndré Heller
 
Segmentação de mercado final
Segmentação de mercado finalSegmentação de mercado final
Segmentação de mercado finalLuis Casali
 
Publicdade e propaganda ii perfil cargos e funções
Publicdade e propaganda ii  perfil cargos e funçõesPublicdade e propaganda ii  perfil cargos e funções
Publicdade e propaganda ii perfil cargos e funçõesProfessor Sérgio Duarte
 
Falando as claras: segmentação e nicho de mercado
Falando as claras: segmentação e nicho de mercadoFalando as claras: segmentação e nicho de mercado
Falando as claras: segmentação e nicho de mercadoFarah Serra
 

Mais procurados (20)

Fundamentos de Marketing: Aula28 identificação de segmentos de mercado
Fundamentos de Marketing: Aula28   identificação de segmentos de mercadoFundamentos de Marketing: Aula28   identificação de segmentos de mercado
Fundamentos de Marketing: Aula28 identificação de segmentos de mercado
 
Gerenciando seu empreendimento e4
Gerenciando seu empreendimento   e4Gerenciando seu empreendimento   e4
Gerenciando seu empreendimento e4
 
Projeto de eventos
Projeto de eventosProjeto de eventos
Projeto de eventos
 
Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1
Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1
Identificação de segmentos de mercado e seleção de mercados alvos parte 1
 
Segmentação de mercado 2012_01
Segmentação de mercado 2012_01Segmentação de mercado 2012_01
Segmentação de mercado 2012_01
 
Publicidade
PublicidadePublicidade
Publicidade
 
Marketing Internacional
Marketing InternacionalMarketing Internacional
Marketing Internacional
 
Mercado
MercadoMercado
Mercado
 
Teleaula Marketing 17/02/2009 Marcelo Cruz
Teleaula Marketing 17/02/2009 Marcelo CruzTeleaula Marketing 17/02/2009 Marcelo Cruz
Teleaula Marketing 17/02/2009 Marcelo Cruz
 
Modelo de campanha cca0319e cca0318 resumo
Modelo de campanha cca0319e cca0318 resumoModelo de campanha cca0319e cca0318 resumo
Modelo de campanha cca0319e cca0318 resumo
 
1223564022 organização de_eventos (1)
1223564022 organização de_eventos (1)1223564022 organização de_eventos (1)
1223564022 organização de_eventos (1)
 
Estrategia oceano azul
Estrategia oceano azulEstrategia oceano azul
Estrategia oceano azul
 
Marketing e Branding Mini MBA
Marketing e Branding Mini MBAMarketing e Branding Mini MBA
Marketing e Branding Mini MBA
 
Palestramktmix
PalestramktmixPalestramktmix
Palestramktmix
 
Segmentação de marketing
Segmentação de marketingSegmentação de marketing
Segmentação de marketing
 
Novo modelo de campanha cca0319ecca0318
Novo modelo de campanha cca0319ecca0318Novo modelo de campanha cca0319ecca0318
Novo modelo de campanha cca0319ecca0318
 
AÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDAS
AÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDASAÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDAS
AÇÕES DE PROMOÇÃO DE VENDAS
 
Segmentação de mercado final
Segmentação de mercado finalSegmentação de mercado final
Segmentação de mercado final
 
Publicdade e propaganda ii perfil cargos e funções
Publicdade e propaganda ii  perfil cargos e funçõesPublicdade e propaganda ii  perfil cargos e funções
Publicdade e propaganda ii perfil cargos e funções
 
Falando as claras: segmentação e nicho de mercado
Falando as claras: segmentação e nicho de mercadoFalando as claras: segmentação e nicho de mercado
Falando as claras: segmentação e nicho de mercado
 

Destaque

Pesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducao
Pesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducaoPesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducao
Pesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducaoAristides Faria
 
Aula 08 segmentação do turismo
Aula 08   segmentação do turismoAula 08   segmentação do turismo
Aula 08 segmentação do turismoAristides Faria
 
Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)
Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)
Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)Aristides Faria
 
Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)Aristides Faria
 
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)Aristides Faria
 
Apresentacao conceitos hospitalidade
Apresentacao  conceitos hospitalidadeApresentacao  conceitos hospitalidade
Apresentacao conceitos hospitalidadeAndré Farias
 
Apresentação tcc power point
Apresentação tcc power pointApresentação tcc power point
Apresentação tcc power pointKizzy Ørberg
 
ApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc ModeloApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc ModeloLindaeloka
 

Destaque (9)

Pesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducao
Pesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducaoPesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducao
Pesquisa cientifica em turismo e hospitalidade: uma introducao
 
Aula 08 segmentação do turismo
Aula 08   segmentação do turismoAula 08   segmentação do turismo
Aula 08 segmentação do turismo
 
Bruno apresentacao tcc
Bruno apresentacao tccBruno apresentacao tcc
Bruno apresentacao tcc
 
Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)
Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)
Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 15 e 16)
 
Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)
Aula inaugura de Fundamentos do Turismo (IFSP Campus Cubatao)
 
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 12 a 14)
 
Apresentacao conceitos hospitalidade
Apresentacao  conceitos hospitalidadeApresentacao  conceitos hospitalidade
Apresentacao conceitos hospitalidade
 
Apresentação tcc power point
Apresentação tcc power pointApresentação tcc power point
Apresentação tcc power point
 
ApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc ModeloApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc Modelo
 

Semelhante a Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 08 e 09)

Marketing e Turismo: aulas 08 e 09
Marketing e Turismo: aulas 08 e 09Marketing e Turismo: aulas 08 e 09
Marketing e Turismo: aulas 08 e 09Aristides Faria
 
Ciclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do ProdutoCiclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do ProdutoSergio Manjate
 
Ciclo de vida de produto e matriz BCG Professor Danilo Pires
Ciclo de vida de produto e matriz BCG  Professor Danilo PiresCiclo de vida de produto e matriz BCG  Professor Danilo Pires
Ciclo de vida de produto e matriz BCG Professor Danilo PiresDanilo Pires
 
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Fernando Souza
 
Ciclo de vida do produto
Ciclo de vida do produtoCiclo de vida do produto
Ciclo de vida do produtoJunior Reis
 
Ciclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produtoCiclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produtoVasco Andorinha
 
Promoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAE
Promoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAEPromoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAE
Promoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAEJefferson Kennedy
 
Aula Ciclo de Vendas de Produto
Aula Ciclo de Vendas de ProdutoAula Ciclo de Vendas de Produto
Aula Ciclo de Vendas de ProdutoWilson Rodrigues
 
03 23-2010 - pp - promoção
03 23-2010 - pp - promoção03 23-2010 - pp - promoção
03 23-2010 - pp - promoçãoFernando
 
Parte 1 - plano de markerting
Parte 1 -  plano de markertingParte 1 -  plano de markerting
Parte 1 - plano de markertingRogerio Campos
 
Feiras e Exposições.pptx
Feiras e Exposições.pptxFeiras e Exposições.pptx
Feiras e Exposições.pptxRenatoSertos2
 
Segmentação de cliente / mercado
Segmentação de cliente / mercadoSegmentação de cliente / mercado
Segmentação de cliente / mercadoSylvio Ribeiro
 
Gestão para profissionais da saúde
Gestão para profissionais da saúdeGestão para profissionais da saúde
Gestão para profissionais da saúdeLuiz Fernando Anselmo
 
Caderno - Marketing I
Caderno - Marketing ICaderno - Marketing I
Caderno - Marketing ICadernos PPT
 

Semelhante a Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 08 e 09) (20)

Marketing e Turismo: aulas 08 e 09
Marketing e Turismo: aulas 08 e 09Marketing e Turismo: aulas 08 e 09
Marketing e Turismo: aulas 08 e 09
 
Ciclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do ProdutoCiclo de Vida do Produto
Ciclo de Vida do Produto
 
Ciclo de vida de produto e matriz BCG Professor Danilo Pires
Ciclo de vida de produto e matriz BCG  Professor Danilo PiresCiclo de vida de produto e matriz BCG  Professor Danilo Pires
Ciclo de vida de produto e matriz BCG Professor Danilo Pires
 
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
Promoção e Merchandising - Promocao de vendas - Aula 03
 
Ciclo de vida do produto
Ciclo de vida do produtoCiclo de vida do produto
Ciclo de vida do produto
 
Ciclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produtoCiclo de vida de um produto
Ciclo de vida de um produto
 
Aula05
Aula05Aula05
Aula05
 
Promoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAE
Promoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAEPromoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAE
Promoção vendas e Propaganda - Manual do Empresário SEBRAE
 
Aula Ciclo de Vendas de Produto
Aula Ciclo de Vendas de ProdutoAula Ciclo de Vendas de Produto
Aula Ciclo de Vendas de Produto
 
03 23-2010 - pp - promoção
03 23-2010 - pp - promoção03 23-2010 - pp - promoção
03 23-2010 - pp - promoção
 
Parte 1 - plano de markerting
Parte 1 -  plano de markertingParte 1 -  plano de markerting
Parte 1 - plano de markerting
 
Feiras e Exposições.pptx
Feiras e Exposições.pptxFeiras e Exposições.pptx
Feiras e Exposições.pptx
 
Segmentação de cliente / mercado
Segmentação de cliente / mercadoSegmentação de cliente / mercado
Segmentação de cliente / mercado
 
Apresentação da estrutura de promoção
Apresentação da estrutura de promoçãoApresentação da estrutura de promoção
Apresentação da estrutura de promoção
 
Gestão para profissionais da saúde
Gestão para profissionais da saúdeGestão para profissionais da saúde
Gestão para profissionais da saúde
 
Caderno - Marketing I
Caderno - Marketing ICaderno - Marketing I
Caderno - Marketing I
 
Mix de Marketing
Mix de MarketingMix de Marketing
Mix de Marketing
 
Aula 05 Briefing
Aula 05   BriefingAula 05   Briefing
Aula 05 Briefing
 
4 ps completo
4 ps completo4 ps completo
4 ps completo
 
P de Produto
P de ProdutoP de Produto
P de Produto
 

Mais de Aristides Faria

Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)Aristides Faria
 
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptx
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptxObservatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptx
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptxAristides Faria
 
Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​
Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​
Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​Aristides Faria
 
Porto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao Paulo
Porto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao PauloPorto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao Paulo
Porto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao PauloAristides Faria
 
Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021
Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021
Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021Aristides Faria
 
SEMEI IFRR: Oficina Turismo e Inovação
SEMEI IFRR: Oficina Turismo e InovaçãoSEMEI IFRR: Oficina Turismo e Inovação
SEMEI IFRR: Oficina Turismo e InovaçãoAristides Faria
 
Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021
Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021
Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021Aristides Faria
 
WorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides Faria
WorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides FariaWorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides Faria
WorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides FariaAristides Faria
 
IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)
IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)
IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)Aristides Faria
 
IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)
IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)
IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)Aristides Faria
 
Associativismo, cooperacao e hospitalidade
Associativismo, cooperacao e hospitalidadeAssociativismo, cooperacao e hospitalidade
Associativismo, cooperacao e hospitalidadeAristides Faria
 
Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)
Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)
Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)Aristides Faria
 
Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos
Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneosTendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos
Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneosAristides Faria
 
Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...
Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...
Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...Aristides Faria
 
Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...
Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...
Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...Aristides Faria
 
Seminário: Annals of Tourism Research
Seminário: Annals of Tourism ResearchSeminário: Annals of Tourism Research
Seminário: Annals of Tourism ResearchAristides Faria
 
Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)
Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)
Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)Aristides Faria
 
Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017
Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017
Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017Aristides Faria
 
Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...
Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...
Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...Aristides Faria
 
Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)
Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)
Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)Aristides Faria
 

Mais de Aristides Faria (20)

Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. II)
 
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptx
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptxObservatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptx
Observatório do Turismo & Economia do Mar - 2023-2024 (v. I).pptx
 
Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​
Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​
Síntese da Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004​
 
Porto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao Paulo
Porto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao PauloPorto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao Paulo
Porto de Santos: desenvolvimento regional do turismo no litoral de Sao Paulo
 
Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021
Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021
Apresentacao de trabalho no EPTEN 2021
 
SEMEI IFRR: Oficina Turismo e Inovação
SEMEI IFRR: Oficina Turismo e InovaçãoSEMEI IFRR: Oficina Turismo e Inovação
SEMEI IFRR: Oficina Turismo e Inovação
 
Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021
Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021
Apresentação sobre o projeto SIGESTur na SEMATUR IFSP CBT 2021
 
WorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides Faria
WorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides FariaWorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides Faria
WorkIF 2021 - IFMT - SIGESTur - Aristides Faria
 
IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)
IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)
IFSP.CBT | Meios de Hospedagem (aula 08.04.2021)
 
IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)
IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)
IFSP.CBT | Pesquisa em Turismo (aula 06.04.2021)
 
Associativismo, cooperacao e hospitalidade
Associativismo, cooperacao e hospitalidadeAssociativismo, cooperacao e hospitalidade
Associativismo, cooperacao e hospitalidade
 
Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)
Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)
Mercado imobiliário: Praia Grande, São Paulo (AirDNA: 02/2019)
 
Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos
Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneosTendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos
Tendências e perspectivas para a gestão de destinos turísticos litorâneos
 
Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...
Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...
Marketing & Turismo: estudo de caso sobre o potencial mercadológico do municí...
 
Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...
Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...
Tendências recentes e perspectivas futuras do turismo no Polo Costa dos Coque...
 
Seminário: Annals of Tourism Research
Seminário: Annals of Tourism ResearchSeminário: Annals of Tourism Research
Seminário: Annals of Tourism Research
 
Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)
Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)
Mobilização, Participação e Controle Social (III CGPOP Unifesp)
 
Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017
Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017
Apresentação no V FCGTurH (Univali) 2017
 
Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...
Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...
Formação Superior em Turismo & Hospitalidade: um fator de competitividade de ...
 
Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)
Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)
Projeto de pesquisa (Doutorado em Hospitalidade)
 

Último

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 

Último (20)

HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 

Disciplina Marketing e Turismo (IFSP Campus Cubatao) (aulas 08 e 09)

  • 1. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Marketing e Turismo IFSP Campus Cubatão | 2016 Prof. Aristides Faria Lopes dos Santos
  • 2. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceitos fundamentas e aplicações do marketing no turismo
  • 3. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Planejamento • Conceitos fundamentais! ‒ Planejamento: processo organizacional que serve para determinar antecipadamente quais ações devem ser encetadas para se atingir objetivos previamente fixados; ‒ Ao planejar, o gestor estabelece de forma racional a hierarquia de prioridades necessárias para se alcançar objetivos definidos; ‒ O planejamento permite às organizações reagirem rapidamente às turbulências do meio ambiente (externo), antever e explorar melhor as oportunidades de mercado e desenvolver novas técnicas de administração; ‒ Ao planejar, o gestor determina metas e estratégias de curto, médio e longo prazos para os diversos setores de uma organização (finanças, produção, pesquisa e desenvolvimento, marketing etc.).
  • 4. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Vendas x Marketing Vendas • Foco – Distribuição do produto (bem/serviço) • A empresa fabrica e só então se pensa em como vendê-lo de maneira lucrativa • Mentalidade interna, voltada para a empresa • Ênfase nas necessidades da empresa (vendedor) Marketing • Foco – Necessidades do cliente • Primeiro a empresa determina o que os clientes necessitam/desejam e só então elabora a melhor maneira de fabricar e vender, com lucro, um bem/serviço/solução que satisfaça essas expectativas • Mentalidade externa, voltada para o mercado • Ênfase nas necessidades do mercado (compradores) • Profissionais de marketing – Planejam os lucros, pensam a longo prazo e procuram oferecer bens/serviços/soluções diferenciados para segmentos diferenciados
  • 5. Ciclo de vida dos produtos
  • 6. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços) • 1ª fase: Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) – Nesta fase, o produto ainda não existe fisicamente: existe apenas de forma conceitual; – Trata-se de uma sugestão de produto ou serviço, que pode ser elaborado e implementado de acordo com as necessidades que satisfaçam a demanda que se apresenta; – É neste momento que ocorre o planejamento mercadológico e a determinação de ações que serão executadas em etapas posteriores; – Durante a Pesquisa e Desenvolvimento, pode ocorrer o uso de uma ferramenta chamada benchmarking.
  • 7. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços) • 2ª fase: Introdução ou Lançamento – Esta fase se inicia quando o produto (bem material) ou serviço é introduzido no seu respectivo segmento de mercado (agrupamento de consumidores de acordo com diversas características determinadas pela organização); – Mercado turístico: o destino ainda é pouco conhecido e não possui um posicionamento estabelecido e o fluxo de visitantes e vendas cresce lentamente, de modo que o retorno financeiro ainda seja baixo. Nesta fase há grandes esforços e investimentos em infraestrutura, promoção e distribuição, visando promover a aproximação do produto com o consumidor (turista em potencial). • Importante! – A oferta está sendo apresentada ao mercado; – Geralmente, a evolução dos resultados de vendas é lenta nesta fase; – Modismo: a evolução dos resultados de vendas é muito rápida e logo se estabiliza; – Quantidade colocada a disposição do consumo é pequena (experimentação); – Em geral há poucas empresas ofertantes competindo e o preço, geralmente elevado (?).
  • 8. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços) • 3ª fase: Crescimento ou Consolidação – No caso do turismo, nesta fase o destino torna-se conhecido pelo consumidor e seu posicionamento vai se consolidando no mercado ano a ano (ciclos temporais); – O fluxo de visitantes cresce mais rapidamente e as vendas aumentam; – Inovação: torna-se necessário melhorar a qualidade dos serviços oferecidos, investir em novos mercados-alvo e agregar novos atrativos à oferta, pois é neste momento em que a concorrência é estimulada a comercializar produtos similares ou substitutos. • Importante! – Os índices de vendas começam a subir com novos compradores entrantes; – A concorrência cresce e inicia-se uma disputa por melhores canais de distribuição (exemplo: contratos de exclusividade); – Os preços tendem a estabilizar-se e/ou cair e as despesas com publicidade (?).
  • 9. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços) • 4ª fase: Maturidade ou Saturação – Nesta fase a oferta encontra-se consolidada e a posição dos concorrentes também; – Geralmente é a fase de maior duração do ciclo de vida do produto ou serviço; – É quando as vendas tendem a se estabilizar; – O ritmo de crescimento diminui, assim como os lucros • Maturidade – Ritmo de crescimento diminui consideravelmente, mas de forma lenta – Custos de incremento de valor crescem cada vez mais – Muitos concorrentes, poucos sobreviventes (parcerias, cooperação)
  • 10. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida dos produtos (bens ou serviços) • Maturidade de crescimento – Os resultados de venda continuam a crescer, mas de forma mais lenta e isso se deve ao fato de que ainda existem compradores retardatários no mercado (exemplo: regiões ainda não alcançadas pela distribuição e/ou promoção da oferta); • Maturidade estável ou saturação – Os resultados de venda se mantém num ritmo constante, puramente pela demanda gerada por compras de reposição (repetidores); • Maturidade decadente – Os níveis de venda começam a cair quando os consumidores mudam suas opções de compra.
  • 11. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida dos produtos • 5ª fase: Declínio – A imagem da oferta encontra-se desgastada e o posicionamento da marca passa a ser desfavorável junto aos consumidores ativos, ou seja, aqueles que optam por esta oferta; – No caso do turismo, nesta fase diminuem o fluxo de visitantes e os investimentos públicos (destinos) e privados (negócios); – Caso não sejam feitos esforços para alterar a tendência de declínio, o resultado será a morte do produto e sua retirada no mercado.
  • 12. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida de um destino turístico • As fases do ciclo de vida de uma destinação, conforme Butler (1980), podem ser assim resumidas: • Exploração • Fase caracterizada por reduzido número de turistas, os quais são chamados de “exploradores”, por Plog, ou de “alocêntricos”11, por Cohen. Nessa fase, a destinação não conta com instalações específicas previstas para os visitantes, que geralmente usam espaços locais e, com isso, podem se aproximar da população, e o turismo não altera o destino, tendo pouca importância para a vida econômica e social dos seus residentes. • Envolvimento • Quando o número de visitantes aumenta e passa a ter certa regularidade, os residentes locais começam a criar as primeiras instalações para receber os turistas, algumas exclusivas para esse fim. Assim, o contato dos turistas com os residentes locais tende a se intensificar.
  • 13. Prof. Aristides Faria | Curso de TurismoProf. Aristides Faria | Curso de Turismo Ciclo de vida de um destino turístico • Continuação: • Desenvolvimento • Nessa fase, a área do mercado turístico é bem demarcada e, à medida que o destino turístico vai-se desenvolvendo, o seu controle, assim como o envolvimento dos visitantes com a comunidade local, vai diminuindo. As instalações locais vão dando cada vez mais lugar a instalações específicas (muitas vezes fornecidas por organizações externas). Atrativos naturais e culturais também começam a ser comercializados e adequados especificamente para os turistas, alterações nas áreas turísticas também passam a ser percebidas e pode ocorrer que nem todos os tipos de turistas sejam desejados pelos residentes locais. Em períodos de pico, inclusive, o número de turistas pode igualar ou até mesmo exceder a população local. • Consolidação • Nesta fase, embora a taxa de crescimento possa diminuir, o número de turistas tende ainda a aumentar. O turismo constituirá parte significativa da economia local, as ações de marketing e publicidade terão grande alcance e buscarão aumentar a permanência do turismo, e empresas externas ao local (como as franquias) começam a se instalar nos destinos. Contudo, o aumento no número de turistas e as instalações específicas para atendê-los podem gerar alguma oposição ou descontentamento por parte da população local. • Estagnação • Nesta fase, o número máximo de turistas que os destinos suportam terá sido alcançado, ou em alguns casos, até mesmo ultrapassado, o que pode acabar acarretando problemas ambientais, sociais e econômicos. A imagem do local já estará estabelecida, mas, como Butler mencionou, não estará mais “na moda”. Os serviços oferecidos começam a ser em maior quantidade que a demanda e será necessário grande esforço dos empresários para manter um nível de visitação suficiente para manutenção dos negócios. Muitas vezes, atrações naturais e culturais originais, “genuínas” (nos dizeres de Butler (1980)) são substituídas por equipamentos turísticos artificiais.